Marinha não cede ruas para o desvio do tráfego na Avenida Cruz Cabugá

A Marinha responde, mas não explica porque o interesse de uma minoria se sobrepõe à maioria. Os interesses legítmos, aos quais a nota se refere, se traduz em apartamentos para os oficiais em troca da liberação do arruamento que passa dentro dos muros da Vila Naval e que é essencial para as obras o Corredor Norte/Sul no trecho da Avenida Cruz Cabugá. Veja a nota na íntegra:

MARINHA DO BRASIL
CAPITANIA DOS PORTOS DE PERNAMBUCO

Em resposta à solicitação da Secretaria de Mobilidade e Controle Urbano da Prefeitura do Recife para a abertura de vias no interior da Vila Naval do Recife, o   Comando do 3º Distrito Naval esclarece que a área em tela pertence à União, tendo em vista a desapropriação estabelecida pelo Decreto Presidencial nº 29.113, de 09 de janeiro de 1951.

Desta forma, toda a área da Vila Naval – inclusive os seus arruamentos, deixaram de ser de uso comum, passando para bem de uso especial federal, com a finalidade de atender às necessidades da Marinha no cumprimento de suas atribuições constitucionais. Portanto, o eventual registro no Cadastro de Logradouros do Município, envolvendo o terreno, é inadequado por confrontar o Decreto Presidencial.

O Comando do 3º Distrito Naval, no entanto, permanece à disposição para o diálogo e eventuais tratativas que atendam aos legítimos interesses de ambas as partes, conforme vinha ocorrendo com o Governo do Estado de Pernambuco, desde o início de 2012.

8 thoughts on “Marinha não cede ruas para o desvio do tráfego na Avenida Cruz Cabugá

  1. Isso se chama burocracia, por sinal com contra-partida similar àquela da Via Mangue.

  2. Isso deve ser para proteger as valiosas mansões que existem por ali, que pertencem ao alto escalão que são intocáveis que se prevalecem sob uma lei criada para sua própria proteção.

  3. A MARINHA DEVIA FICA CIENTE QUE A ÁREA PERTENCE AO POVO BRASILEIRO E SE EXISTE ALGO DE INTERESSE DO MESMO ELES DEVERIAM FICAR CALADO E NÃO FICAR FAZENDO PICUINHA QUE NÃO É PAPEL DA MARINHA, PERDERÃO UMA BOA OPORTUNIDADE DE FAZER ALGO PELO POVO QUE PAGA SEU SALARIO E MORDOMIA SEM DAR NADA EM TROCA.

  4. A vila vai perder a tranquilidade e a segurança se abrir para o trânsito passar. E como toda medida “provisória” acaba ficando definitiva como um “colar colou”.

  5. Não vai solucionar o problema dos congesteonamentos, nem que seja provisório…Provisorio esse, que acredito eu que a prefeitura não “largaria mais”. E as famílias que vivem lá? A vila já possui problemas fisicos suficiente para a prefeitura querer gerar mais um.

  6. Sr. Secretário de Mobilidade e Controle Urbano da Prefeitura do Recife, se vossa senhoria conseguir êxito em seu pleito, terá um gargalo formado por ônibus no sentido Olinda, o que não não adiantaria muito. A solução seria distribuir passarelas pela cidade, inclusive em frente a Vila Naval, onde existe um fluxo de pedestres alto por conta do Shopping Tacaruna, diminuindo assim o número de semáforos e teoricamente o trânsito fluiria melhor. A construção de muretas pelas ruas também seria uma boa opção, pois reduziria as curvas a esquerda, diminuindo assim o tempo percorrido dos veículos. Estou a disposição da cidade.

  7. José e Kleiton, vocês deveriam ter mais conhecimento de causa, antes de expressar aquilo de que não se sabe. Concordo plenamente com a Luiza e o Andrade.

  8. Pingback: Links entre 06.04.2013 e 30.05.2013 | Fábio Caparica