O milagre que devolveu a visão de Dona Alaíde

set 04, 2017 Comentários desativados por

04.09

Graças ao sucesso da cirurgia de catarata, recifense de 110 anos planeja voltar a cozinhar e costurar.

Rosália Vasconcelos (texto)
Edilana Sá (foto)

A recifense Dona Alaíde Alves da Silva, que há pelo menos 10 anos só enxergava vultos com o olho esquerdo, já consegue assistir à televisão e planeja voltar a costurar e a cozinhar. Aos 110 anos, ela teve 70% da visão recuperada após uma cirurgia de catarata. A equipe da Fundação Altino Ventura, responsável pelo procedimento, ressalta que a catarata atinge 90% das pessoas e é um dos problemas oftalmológicos mais comuns após os 55 anos de idade, com 100% de eficácia após a intervenção cirúrgica. Apesar de simples, muitos idosos têm receio de se submeter ao tratamento. Com 110 anos, dona Alaíde é a paciente mais idosa já atendida nos 30 anos de atendimento da Fundação Altino Ventura.
“Eu tinha catarata há cerca de 10 anos. Sentia dor no olho esquerdo. Foi quando procurei a emergência da Fundação Altino Ventura e fui encaminhada a um especialista. Já não enxergava pelo olho esquerdo. Se não fosse pela cirurgia, eu iria ficar cega. Agora eu estou bem, não sinto mais dor. É uma boa emoção. O que mais quero agora é voltar a costurar”, comemorou Dona Alaíde, que esteve na unidade da Iputinga da Fundação Altino Ventura para fazer a segunda revisão pós-cirúrgica. Tricolor, a idosa de 110 anos confessou sua paixão pelo Santa Cruz Futebol Clube e disse que agora está preparada para ver os jogos do time e da Seleção Brasileira.
Segundo o filho de Dona Alaíde, até chegar à FAV, ela peregrinou bastante nos serviços públicos de saúde. “Fazia uns dois anos que ela estava preocupada com a visão do olho esquerdo. Quando ela começou a sentir muita dor nesse olho, fomos para a emergência da Fundação Altino Ventura. Deram um papel (guia) e fomos para um posto de saúde municipal. Não conseguiram resolver, nos encaminharam para o Oswaldo Cruz e também não conseguimos atendimento. Aí voltamos para o serviço ambulatorial da fundação e conseguimos resolver o problema”, contou José Wilson da Silva. Além dele,
Dona Alaíde tem mais sete filhos, dez netos e cinco bisnetos. “Agora, ela só precisa de um aparelho de ouvido, porque ela não escuta bem”, completou Wilson. A cirurgia da idosa foi realizada em 18 de agosto deste ano.
A iniciativa de Dona Alaíde chamou atenção até da equipe médica que a atendeu. A oftalmologista responsável pela cirurgia, Edilana Sá, ressalta que Dona Alaíde, com seus 110 anos, é um exemplo a ser seguido. “A catarata é um quadro comum entre os idosos. E aqueles que têm mais de 80 anos ficam receosos de fazer o procedimento. Mas ele é seguro, eficaz e importante para melhorar a qualidade de vida na terceira idade. A intervenção dura em torno de 20 minutos e os riscos são muito pequenos. Foi uma surpresa para nós o interesse dela apesar da idade avançada, a sua lucidez e desenvoltura”, disse Edilana Sá, especialista em córnea, catarata e cirurgia refletiva.
Após a segunda revisão, dona Alaíde aguarda a confecção de seus óculos para corrigir o grau residual do glaucoma, que atinge seus dois olhos. “Ela tem 70% da visão no olho esquerdo e 60% no olho direito. Além do glaucoma, que será corrigido com o uso de óculos, Dona Alaíde já tinha feito em outro serviço uma cirurgia no olho direito para tirar o pterígio (carnosidade), que deixou uma cicatriz na córnea. A limitação não é devido à catarata”, completou Edilana Sá. Segundo ela, caso o paciente só tenha a catarata, consegue recuperar 100% a visão.

Destaque_capa, Em Foco

Sobre o autor

Paulo Goethe, no Diario de 1990 a 1997 e desde 2001
Comentários fechados