Com ele ficou mais fácil entender sociologia

jan 04, 2018 Comentários desativados por

04.01

Sebastião Vila Nova morreu aos 73 anos e deixa uma das obras mais importantes sobre a ciência.

Marcionila Teixeira (texto)
Arquivo DP (foto)

Seria impossível calcular o número de estudantes que aprendeu sociologia lendo o alagoano Sebastião Vila Nova. O autor de Introdução à Sociologia, considerada por especialistas uma das obras mais importantes da ciência no Brasil, morreu na terça-feira passada, às 11h27, em um home care. Há quinze anos, Vila Nova sofreu um Acidente Vascular Cerebral (AVC). Pouco a pouco, foi perdendo algumas capacidades e há cinco anos estava preso a uma cama. Festejado pelos seus feitos na ciência e principalmente pelo didatismo na escrita da sociologia, o intelectual morreu aos 73 anos. Foi cremado na manhã de ontem no Cemitério Morada da Paz, em Paulista.
A antropóloga Fátima Quintas, que sucedeu Vila Nova na direção do Seminário de Tropicologia, criado por Gilberto Freyre em 1966 e promovido até hoje na Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj), indicou durante dez anos a leitura de Introdução à Sociologia para seus alunos da universidade. “É um livro profundo, técnico e num linguajar muito acessível para o aluno. Ele tinha a capacidade enorme de traduzir fenômenos sociais em uma linguagem simples e sem afetação.”
Vila Nova também ficou conhecido como poeta, ensaísta e músico. Compôs e dirigiu a parte musical de várias peças encenadas no extinto Teatro Popular do Nordeste (TPN). Sua última companheira, a médica Maria do Carmo Bione, lembra que, mesmo depois do AVC, ele continuou tocando violão, uma grande paixão, por algum tempo. Na década de 1970, foi colaborador no Diario de Pernambuco (DP), onde publicou artigos e poemas. Algumas crônicas de sua autoria veiculadas no jornal estão sendo reunidas para o livro A Volta do Cigano. “Temos que lembrá-lo como uma pessoa brilhante que era. Um homem com inteligência à frente do seu tempo. Mas somos todos mortais”, comentou Maria do Carmo.
Vila Nova nasceu em Rio Largo, Alagoas, em 18 de janeiro de 1944, mas mudou-se com a família para o Recife quando ainda era criança. Conta-se que fez muitos amigos entre intelectuais pernambucanos quando trabalhou como balconista da livraria Companhia Editora Nacional. Antes disso, de origem pobre, começou a trabalhar cedo, inclusive como office boy e rádio-ator em novelas das rádios Tamandaré e Clube.
O historiador Leonardo Dantas lembra do antigo amigo dos tempos em que dirigia a Editora Massangana e Vila Nova editava o Caderno de Estudos Sociais. “Era um grande estudioso da música e tocava muito bem violão clássico”, lembrou. Há muito não se viam mais. Antigos companheiros imaginavam que ele tinha Alzheimer. Nunca desenvolveu tal doença, conforme disse sua companheira Maria do Carmo.
De tão festejado em seu auge de produção profissional, Vila Nova ganhou, em 1974, o Prêmio Recife de Humanidades, com o ensaio A realidade social da ficção: uma sociologia paralela, relançado, em 2005, pela Editora Massangana da Fundaj. Em dezembro de 2002, recebeu o título de Cidadão de Pernambuco, concedido pela Assembleia Legislativa do Estado (Alepe). “Lamentavelmente, antes de morrrer ninguém mais falava nele. Ele foi um dos maiores sociólogos do Brasil”, pontuou Fátima Quintas. O intelectual aposentou-se como professor da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap) e pela Fundaj. Deixa uma filha e um filho.

Destaque_capa, Em Foco

Sobre o autor

Paulo Goethe, no Diario de 1990 a 1997 e desde 2001
Comentários fechados