Glaucoma é uma doença silenciosa e tem tratamento

  O glaucoma é uma doença crônica que afeta o nervo do olho e, se não tratada, pode levar à cegueira. A oftalmologista, Danielle Candido, especialista em glaucoma, ressalta que a doença não tem cura, mas tem tratamento. Silencioso, o glaucoma normalmente não apresenta sintomas. A doença tem fatores de risco, como o hereditário. Se existe alguém na família com glaucoma, é preciso ficar atento. “Como você não sente, é importante ir à consulta oftalmológica pelo menos uma vez ao ano. Existem mais de 40 tipos de glaucoma, mas o mais frequente é o glaucoma primário de ângulo aberto, que normalmente é assintomático (sem sintomas). Mas existe o glaucoma em que você pode ter uma dor súbita no olho e uma baixa de visão importante, que é a crise de glaucoma agudo e que se não tratado pode levar à cegueira em até três dias”, explica Danielle. O oftalmologista Artur Frazão, especialista em glaucoma clínico e cirúrgico, conta que há pouco tempo existia um arsenal terapêutico bem menor, mas que hoje é muito bom. O tratamento pode ser feito com uso de colírios, laser e com cirurgia. No caso do procedimento cirúrgico, existem várias opções dependendo do caso, como laser e microimplante. Como o glaucoma é uma doença degenerativa, Artur explica que o tratamento serve como um freio e que a qualidade de vida do paciente pode ser mantida. “O importante é o controle. O paciente tem papel determinante. Baixar a pressão do paciente é a única coisa que o médico pode fazer”,...

Diabetes mal controlada aumenta riscos de problemas nos olhos

  O número de pessoas com diabetes vem crescendo muito. De acordo com o oftalmologista Felipe Patriota, especialista em retina, estima-se que, no mundo, há mais de 350 milhões de diabéticos. No Brasil, a projeção é de cerca de 12 milhões, o que significa 7% da população. Como os sintomas da doença vão aparecendo aos poucos, é muito importante o controle clínico da saúde do paciente. A diabetes mal controlada pode afetar a visão, podendo causar cegueira. Embora muitos ignorem, a doença pode ser diagnosticada por meio de um exame oftalmológico. “O olho é o reflexo do que se passa no nosso organismo e, às vezes, antes mesmo da diabetes se manifestar, é possível identificar algum sinal da doença no olho”, explica Patriota. Sintomas como pontos pretos na visão, manchas vermelhas (como hemorragia) e até borramento das imagens podem indicar que a mesma já afeta a visão. Por isso mesmo, o médico afirma que todos os pacientes diabéticos devem realizar visitas regulares ao oftalmologista, sendo indispensável o cuidado com a saúde de modo geral. O oftalmologista esclarece que “depende de cada pessoa, mas pensando nos tipos da doença, geralmente, nas crianças e adolescentes, a diabetes tipo 1 apresenta sinais oftalmológicos a partir de 10 anos após o diagnóstico. Nos adultos, a tipo 2, a partir de 5 anos (após o diagnóstico) pode começar a afetar os olhos”. A cegueira é reversível quando tratada na fase inicial. Entretanto, é importante controlar a diabetes de forma integrada, uma vez que o tratamento envolve outras especialidades médicas. O tratamento oftalmológico pode ser feito com laser e medicações específicas. “Nas fases iniciais, existem...

Plástica ocular soluciona problemas funcionais e estéticos

  A plástica ocular é uma subespecialidade da oftalmologia que trata tudo aquilo que envolve os olhos, como pálpebras, cílios, sobrancelhas e a região das vias lacrimais. Ou seja, tudo o que está ao redor dos olhos ou tem íntima relação com o órgão compete à plástica ocular. Apesar de ser comum a associação da cirurgia plástica aos objetivos estéticos, o oftalmologista Rubem Augusto Fontes de Lima destaca que o procedimento pode ser apenas funcional, quando o paciente precisa tratar de algo que está prejudicando a sua vista. O médico explica que as patologias mais tratadas são a ptose palpebral, que é a pálpebra baixa; a adermatocalize, que é o excesso de pele na pálpebra superior; e os lacrimejamentos. Já as buscas estéticas costumam ser para levantar sobrancelhas, remover bolsas de gordura e tratar as rugas faciais. “Tudo que está prejudicando a saúde ocular é de ordem funcional. Por exemplo, os cílios quando estão tocando os olhos, a pálpebra quando está baixa, atrapalhando o campo de visão e as vias lacrimais, quando estão obstruídas, causando um lacrimejamento. Já a procura estética, que hoje em dia é uma realidade, acontece quando as pessoas buscam melhorar a autoestima, o rejuvenescimento do olhar ou facial”. O especialista destaca que é preciso cuidado na hora de realizar um procedimento cirúrgico ocular e que é necessário procurar um especialista. “Essas estruturas – pálebras, cílios, sobrancelhas – estão relacionadas intimamente com os olhos e o cirurgião plástico ocular, na sua formação original, é um oftalmologista, então, além da subespecialidade em plástica ocular, ele tem amplo conhecimento da parte anatômica e técnica relacionada aos olhos. Dessa...

O cuidado com os olhos após os 50

  Uma das principais causas da perda de visão após os 50 anos é a Degeneração Macular Relacionada a Idade (DMRI), que afeta a área central da retina, a mácula, que vai se degenerando com a idade. A DMRI acarreta baixa visão central (mancha central) dificultando principalmente a leitura. A oftalmologista, especialista em retina clínica Ana Lúcia Arcoverde explica que o diagnóstico é feito através do exame de fundo de olho, com a pupila dilatada, e que nos casos em que a DMRI é detectada, o paciente é encaminhado para exames específicos. A médica explica que há dois tipos de degeneração macular: a seca, que atinge a maioria da população, e a exsudativa ou úmida, que acontece com menor frequência e que tem um maior índice de cegueira. Diversos fatores de risco podem estar associados à degeneração macular. Segundo Ana Lúcia, a exposição à luz solar, pessoas com alimentação pobre em vitaminas e rica em gorduras, de peles claras, fumantes e pessoas com predisposição genética têm mais tendência à degeneração. O tratamento exige mudanças no estilo de vida. Quanto mais precoce o diagnóstico, maiores as chances de retardar a evolução da doença. “A partir dos 50 anos deve-se fazer visitas ao oftalmologista. Em casos de visão borrada, falta de foco, é preciso realizar exame de fundo de olho com a pupila dilatada. É importante valorizar as queixas e fazer os exames periódicos”, ressalta a oftalmologista. Para ela, o importante é prevenir, manter os exames de rotina atualizados, investir em uma alimentação saudável e em atividades físicas, pois a degeneração “pode não ser evitada, mas pode se retardada, preservada e...

Cirurgia de catarata a laser é precisa e traz resultados imediatos

  A catarata é uma opacidade progressiva do cristalino, que é a lente natural de dentro do olho, comum com o avanço da idade. É a maior causa de cegueira reversível do mundo, de acordo com a oftalmologista Bruna Ventura. As causas mais comuns são: idade, normalmente a partir dos 50 anos, traumas nos olhos, inflamações, uso de remédios e exposição ao choque elétrico. Geralmente atinge os dois olhos, porém, um deles pode estar mais avançado que o outro. O diagnóstico é feito por um oftalmologista e o tratamento é apenas cirúrgico, não existindo colírios ou óculos eficazes. Bruna Ventura, oftalmologista do HOPE, explica que a cirurgia de catarata a laser é um avanço no tratamento da doença. “O laser faz todos os cortes necessários para a cirurgia, tanto os de fora quanto os de dentro do olho. O médico consegue destacar as fatias já separadas e retirar os pedaços pequenos da catarata pelos cortes que o laser fez. A precisão é incrível”, explica a oftalmologista. “O laser tem um sistema de imagem real, em tempo real. Na hora da cirurgia, você faz uma imagem do olho do paciente e sabe até onde vai a catarata, até onde você pode cortar com segurança. Isso é uma coisa que você não consegue ver a olho nu. Com a experiência, o médico vai aprendendo na técnica convencional, mas com o laser é uma coisa muito objetiva”, completa. De acordo com Bruna Ventura, o pós-operatório é muito confortável. Os pacientes saem do procedimento cirúrgico sem tampões e enxergando normalmente. “Os benefícios podem ser sentidos no mesmo dia da cirurgia”, garante....

Cirurgia refrativa é a alternativa para aposentar os óculos de grau

Você sabia que é possível deixar os óculos de lado e corrigir problemas de visão através da cirurgia refrativa? Trata-se de um procedimento cirúrgico com o objetivo de anular a deficiência de focar as imagens. Como por exemplo a miopia, que é a dificuldade de enxergar objetos distantes, e o astigmatismo, quando torna difícil ver algo de perto ou de longe. No caso do estudante Diego Marques, em que a miopia chegou ao sétimo grau e meio, os benefícios da cirurgia foram sentidos principalmente na prática de esportes. Acostumado a surfar e andar de skate, Diego sentia muita dificuldade com o uso dos óculos. “Era muito complicado. Caia, quebrava a armação, quebrava a lente”, relembra. O oftalmologista, especialista em cirurgia refrativa, Bernardo Cavalcanti, explica que quando o esportista tira os óculos, dependendo do grau que ele tenha, pode ser até considerado um deficiente visual.  “Ele não vai ter a visão nítida para poder exercer o tipo de atividade que ele necessita. E também existe o risco de você levar um trauma com os óculos, que pode se tornar um objeto que pode machucar mais o olho do que proteger”, esclarece. Desta forma, a cirurgia oferece ao paciente uma excelente visão e permite que os óculos fiquem definitivamente aposentados....