MENU

Encantos do Agreste // Multirretratos do Agreste

Munípios têmatrativos como o Festival dos Jericos, o turismo religioso e ecológico, além das riquezas naturais

Panelas

O Festival Nacional de Jericos é a maior referência da cidade de Panelas, que fica na Zona da Mata Norte de Pernambuco. Todos os anos, desde de 1973, milhares de pessoas se deslocam para participar do evento, que ocorre no dia 1º de maio e cuja principal atração são os jumentos, que desfilam devidamente fantasiados pela cidade.

Além do desfile dos animais que dão nome à festa, o evento, que atrai turistas do Brasil e outras partes do mundo, ainda conta com apresentação de artistas de diversas expressões, como músicos, cantores, bailarinos, bacamarteiros, banda de pífano, caboclinho e bumba meu boi.

Fora da época do festival, Panelas é aquele destino certo para quem procura a tranquilidade comum às cidades pequenas do interior, com pipoca na praça, cadeiras na calçada e a principal movimentação ao redor da igreja na praça principal.

No alto do Cruzeiro Serra da Bica, a vista mais bonita, quando é possível ver a cidade lá do alto. O cruzeiro, sob um pedestal de cimento, mede cerca de 6,5 metros e à sua frente foi construída uma capela, em homenagem ao Padre Cícero. É o melhor programa para o fim da tarde em Panelas.

A oito quilômetros do centro da cidade é possível chegar à Comunidade de Sambaquim. É povoado por descendentes de uma população negra originária do extinto quilombo de Palmares e mantém suas raízes através de danças, cantos e improvisando mazurcas e cirandas, manifestações culturais características da localidade. A comunidade foi enredo do documentário curta-metragem Até onde a vista alcança, premiado em vários festivais de cinema no Brasil e na Europa.

Lagoa dos Gatos

Trilhas, caminhadas, banhos de lago e cachoeira. Visitar Lagoa dos Gatos é programa perfeito para quem curte estar em total contato com a natureza, tudo isso a um preço bem acessível. O lugar mais procurado pelos turistas é a Reserva Ecológica Serra D’Antas, na Serra do Urubu, uma das áreas protegidas mais importantes do Nordeste, com uma enorme variedade de espécies de plantas e animais.

A reserva fica numa área particular e os visitantes pagam uma taxa de R$ 5 para ajudar na preservação do espaço. Ao longo do dia, é possível explorar uma parte dos 325 hectares que compõem a reserva, com opções de trilhas e passeios, mais leves ou mais extensos, que sempre acabam em revigorantes banhos de lago.

Um atrativo da visita é a observação das aves, o que acaba atraindo turistas e estudiosos do mundo inteiro, ao longo do ano. Isso porque 14 das 262 espécies que habitam a reserva são ameaçadas globalmente de extinção.

Além dos pássaros, gatos maracajás, tatus, raposas e diversos tipos de anfíbios também são encontrados por lá. Bem sinalizado e seguro, o lugar tem uma boa estrutura para receber os visitantes. Apesar de não dispôr de hospedarias, a reserva pode ser feita de camping, onde os turistas podem passar a noite.

Não se sabe exatamente o porquê do nome da cidade. Mas segundo lendas que foram passando, de geração em geração, é que existia uma lagoa na região e, um dia, um caçador se deparou com uns gatos maracajás bebendo água nela. Ele teria contado o fato aos demais habitantes que passaram a utilizar o local, denominando-o de Lagoa dos Gatos.

Cupira

É a mistura entre religiosidade e festa que atrai a maior parte dos visitantes a Cupira. Logo no começo do ano, nos dias 5 e 6 de janeiro, a cidade recebe a celebração de Santos Reis e milhares de pessoas acompanham a programação cultural e religiosa do festejo.

Também é lá que acontece a Caminhada da Fé, o maior evento religioso da região, que reúne cerca de 15 mil pessoas. O roteiro, que sai da cidade e segue até Serrote Liso, na zona rural de Cupira, acontece sempre entre os meses de março e abril.

As festividades juninas também são tradicionais na cidade. Durante o ciclo, quadrilhas de matutos e shows marcam os dias de festa. Um dos momentos mais especiais é quando vários grupos de quadrilhas saem da Avenida Miguel Pereira Neto e caminham, embalados pelos ritmos do forró e xaxado, pelas ruas da cidade.

Cupira também é conhecida pelos adeptos do motociclismo desportivo. É lá que acontece o Enduro das Águas, uma série de trilhas que acontecem em dois dias e atraem pessoas de todo o país. Uma das trilhas leva até a Serra Olho D’Água, onde é possível tomar um bom banho de lago e contemplar a melhor vista da cidade.

Agrestina

É como Capital Nacional do Chocalho que é conhecida a cidade de Agrestina, a 154 quilômetros do Recife, no coração do Agreste pernambucano. O título não vem do acaso: é lá, na Vila de Santa Tereza, que acontece uma das maiores produções dos sinos, tradicionalmente postos nos pescoços de gados e bodes nas áreas rurais do Brasil inteiro. Mas essa é só uma das curiosidades da cidade que abriga ainda outros encantos.

Na mesma vila fica a Capela de Santa Tereza, considerada uma relíquia local e um símbolo de fé. Não tão longe dali, outro ícone: a Capela de Nossa Senhora da Conceição, uma das mais antigas da cidade, construída em 1854, atrai religiosos ao longo do ano. Por lá, já passaram figuras importantes como frei Damião de Bozzano, o que torna o local ainda mais especial. No dia da santa que dá nome à paróquia, 8 de dezembro, a cidade recebe uma das mais tradicionais festas religiosas da zona rural pernambucana.

Como toda típica cidade de interior, as referências religiosas são muitas e quem passa por Agrestina ainda pode conhecer o Monumento Religioso Caldeirão, criado no final da década de 1960, em homenagem a Nossa Senhora de Lourdes.

A 12 quilômetros da cidade, a Vila Pé de Serra dos Mendes é marca de resistência. Furnas, formações geológicas que serviram de abrigo para os negros que fugiam do trabalho escravo e casarios dessa época são características da comunidade, onde vivem cerca de 180 famílias remanescentes de quilombolas.

Para os amantes da natureza, o destino recomendado é a Reserva Particular do Patrimônio Natural Serro Azul, ponto de ecoturismo e turismo de estudo na cidade. Já na Serra do Jardim, onde ainda é encontrado bioma de Mata Atlântica, diversas espécies animais e vegetais encantam os visitantes.

[ FICA A DICA
LAGOA DOS GATOS

 

  • Vale a pena conhecer
    Contato com a natureza, trilhas, banho de lago e caminhadas: Lagoa dos Gatos oferece as opções ideais para quem valoriza o acolhimento do campo e gosta de estar conectado com o meio ambiente.
  1. Serra do Urubu
  2. Trilha do Macaco
  3. Cruzeiro do Mirante
  4. Natural

 

AGRESTINA

 

  • Vale a pena conhecer 
    Além de ter uma das maiores produções de chocalhos do Brasil, feitos de forma totalmente artesanal pelos moradores dali, Agrestina é uma ótima opção para quem gosta de estar em contato com a natureza e contemplar belas paisagens.
  1. Produção de chocalhos na Vila de Santa Tereza
  2. Reserva Particular do Patrimônio Natural Serro Azul
  3. Vila Pé-de-Serra

 

 

CUPIRA

 

  • Vale a pena conhecer
    Além das festas religiosas, que são a marca da cidade, Cupira ainda tem belas paisagens e faz parte do roteiro nacional para quem gosta de se aventurar em trilhas com o motociclismo desportivo.
  1. Serra Olho D’Água
  2. Festa de Santos Reis
  3. Enduro das Águas

 

  • Onde comer
  1. Restaurante do Zé Cri Cri
  2. Fazenda Glória

 

PANELAS

 

  • Vale a pena conhecer
    O Festival Nacional de Jericos é o evento mais importante do ano em Panelas. Mas é possível conhecer uma comunidade quilombola, localizada a oito quilômetros do centro da cidade.
  1. Cruzeiro da Serra da Bica
  2. Festival dos Jericos
  3. Igreja Matriz Bom Jesus dos Remédios
  4. Comunidade de Sambaquim

 

Por Panelas, existem duas estradas que levam às comunidades: a primeira via com entrada pelo povoado do Pau Ferro e subindo a ladeira da Caninana, passando pelo Sítio do Araquã e chegando ao Riachão do Sambaquim. O segundo caminho segue pelo Distrito de São José do Bola, passando pelos Sítios de Japanranduba de Baixo, Japaranduba de Cima, Lageiro Dantas, Goiabeiras, Araquã, chegando ao Riachão do Sambaquim. A via de acesso pela cidade de Cupira, passa pelo Sítio Novo e se chega ao Sambaquim.