PESQUISA

Pesquisa é conhecimento

Uma crise econômica altera o comportamento do consumidor. Sem pesquisa, não há como saber os impactos no posicionamento das marcas

Parceria entre o Diario de Pernambuco e a Datamétrica gerou, pela terceira vez consecutiva, uma pesquisa de posicionamento de marcas no Grande Recife. A pesquisa Marcas Preferidas concentrou-se em três indicadores: recall espontâneo, recall estimulado e preferência de marcas classificadas entre 15 categorias. Ao todo, foram identificadas 65 marcas. O índice de preferência que é usado para posicionar a preferência das 65 marcas pesquisadas é calculado a partir da preferência por marca revelada pelo consumidor, depois que ele é perguntado espontaneamente e de forma estimulada sobre seu conhecimento das marcas e, finalmente, solicitado a dizer qual marca, dentre todas as lembradas, ele prefere.

Quase 40% das marcas que se encontram entre as três primeiras colocações no ranking de preferência sofreram alguma alteração de posicionamento. Esse movimento é absolutamente normal. Em parte, isso ocorre porque há marcas que têm índices de recall muito próximos aos dos concorrentes mais relevantes, em parte ocorre por consequência de campanhas publicitárias bem ou malsucedidas, em parte é consequência de ajustes do próprio mercado consumidor em resposta à crise econômica.

O que pode determinar a preferência, portanto, é uma enormidade de motivos. Hábitos, percepção de qualidade, identidade com a marca, mudanças no mercado do produto etc. É por isso que pesquisas como a Marcas Preferidas é realizada regularmente: para detectar mudanças ou reafirmar posicionamentos. E servir de indicador para os diversos agentes comprometidos com o sucesso de uma marca.

“Existe uma infinidade de pesquisas que são feitas para dar suporte ao desenvolvimento, à promoção e ao monitoramento de uma marca”, explica Analice Amazonas, técnica responsável pela pesquisa da Datamétrica. E continua, “conhecer bem os atributos de sua marca, das marcas concorrentes, saber o que o consumidor pensa dessas marcas, conhecer o seu perfil, tudo isso ajuda enormemente o processo de decisão de empresários e profissionais do marketing de uma marca”.

Analice disse ainda que “uma crise econômica como a que estamos vivendo altera sobremaneira o comportamento do consumidor, principalmente à medida em que ela se prolonga, e os mercados de produtos e serviços se ajustam. Sem pesquisa, não há como saber os impactos no posicionamento das marcas”.

A terceira edição da pesquisa Marcas Preferidas foi realizada em março deste ano, a partir de 600 entrevistas face a face, junto a consumidores das classes A, B e C do Grande Recife (Recife, Olinda e Jaboatão dos Guararapes) com 18 anos ou mais. As estatísticas têm 95% de nível de significância e 4% de margem de erro.