Metrô do Recife duplica o número de usuários e tem pior receita do país

Metro quebrado na Estacao Cajueiro Seco. Crédito: Adriano Correia/Divulgacao

Metro quebrado na Estacao Cajueiro Seco.
Crédito: Adriano Correia/Divulgacao

 

O metrô do Recife nunca transportou tantas pessoas quanto agora. Nos últimos dez anos, a demanda de passageiros duplicou. Em 2005, eram 4,5 milhões por mês. Hoje essa média é de nove milhões, incluindo as linhas Centro, Sul e os trens a diesel. Mas o crescimento da demanda está longe de significar ampliação da receita. Por dia, são transportados quase 400 mil usuários e desse universo, quase metade é oriunda do Sistema Estrutural Integrado (SEI), que permite que o passageiro use o metrô sem pagar um centavo.

Não por acaso, o sistema metroviário do Recife tem a pior receita do país. O metrô arrecada mensalmente, em média, cerca de R$ 5 milhões, mas as suas despesas ultrapassam os R$ 33 milhões. Com mais de 80% das despesas subsidiadas, as chances de investimento e ampliação são praticamente nulas. A tarifa também é a menor do país, no valor de R$ 1,60 desde 2012.

Escada do metrô sem funcionar na estação integrada do Tancredo Neves Foto : Annaclarice Almeida SP/D.A.Press

Escada do metrô sem funcionar na estação integrada do Tancredo Neves Foto : Annaclarice Almeida SP/D.A.Press

Com 30 anos de operação, o maior investimento foi a implantação da linha Sul e a compra de 15 novos trens. Mas o índice de quebra dos trens ainda é preocupante. Pelo menos mil viagens deixam de ser realizadas todos os meses em razão de problemas técnicos. “Nenhum sistema metroviário do país opera com um índice tão alto de subsídio como o nosso. Isso é ruim para o sistema porque trava a capacidade de investimento”, explicou o superintendente do Metrô Recife, Bartolomeu Carvalho.

No último dia 10, os passageiros da Linha Sul do metrô Recife tiveram que descer na estação Largo da Paz e caminhar pelos trilhos depois que um dos trens quebrou e precisou ser rebocado para a estação da Imbiribeira. “Já fiquei vinte minutos dentro do trem parado. Quem se cansou, desceu e andou pelos trilhos. Eu esperei até chegar na estação para pegar outra condução”, disse a operadora de telemarketing Maria Lopes, 37 anos.

Além da dificuldade em manter o sistema em operação, o metrô também sofre com os ataques de vandalismo. O custo mensal com reparos é de aproximadamente R$ 300 mil, mas pode variar dependendo do grau das depredações.

“Nós fazemos o planejamento dos investimentos, mas dependemos do que é repassado pelo governo. Mas o dinheiro que chega é sempre menor e temos que optar em priorizar os casos mais urgentes”, revelou o diretor de operações do metrô, Maurício Meirelles.

Tarifa do metrô do Recife custa R$ 1,60 desde 2012 e é a menor do país. Foto Alexandre Gondim DP/D.A.Press

Tarifa do metrô do Recife custa R$ 1,60 desde 2012 e é a menor do país. Foto Alexandre Gondim DP/D.A.Press

Mudança na política tarifária

Uma das principais características do transporte de passageiros da Região Metropolitana do Recife é o sistema integrado, que permite que o usuário se desloque para qualquer município interligado com uma única passagem. Fazer mudanças nessa logística é uma briga que nenhum gestor pretende comprar. Mas, pela primeira vez, a direção do metrô Recife pondera sobre a necessidade de se abrir uma discussão no modelo da política tarifária dos terminais do SEI.

“Uma mudança nessa política tarifária poderá trazer uma arrecadação maior para o metrô, mas a gente reconhece que não é uma discussão simples para não trazer impacto para o passageiro”, ressaltou o superintendente do Metrô Recife, Bartolomeu Carvalho. O gerente de planejamento do Grande Recife, Maurício Pina, lembra que, no modelo do SEI, recebe o modal por onde o usuário entrou. “Se o usuário entra pelo metrô e integra no ônibus, o ônibus também não é tarifado.”

Para o presidente do Sindicato do Metroviários, Diogo Morais, os empresários de ônibus se beneficiaram mais com a abertura de novos terminais de integração. “Os custos das empresas de ônibus diminuíram. O metrô tem uma capacidade de transporte muito maior. E do ponto de vista social é importante, mas o subsídio deve ser assumido ou pelo governo do estado ou federal”, afirmou. Segundo o sindicato, a União só repassa o suficiente para o sistema não paralisar. Mas não há um comprometimento de valorizar do sistema, diz.

Saiba Mais:

Os números do sistema metroviário do Recife:
25 trens
29 estações
71 quilômetros de extensão
9,7 milhões de passageiros por mês (linhas Centro, Sul e díesel)
4,8 milhões de passageiros por mês oriundos do SEI
368 mil passageiros por dia
162 mil passageiros oriundos do SEI por dia
1 mil viagens deixam de ser realizadas por mês por quebra

O buraco negro da operação do metrô Recife
R$ 33 milhões em depesas
R$ 5,8 milhões de receita

Demanda do metrô em 10 anos
2005 – 54,4 milhões de passageiros
2010 – 68,1 milhões de passageiros
2014 – 110,1 milhões de passageiros
2015 –   9 milhões de passageiros (mês de janeiro)

Tarifas do sistema ferroviário no país:

Companhias                                                                  Tarifa          
Cearense de Transportes Metropolitanos (Metrofor)       R$ 2,20
Metropolitano do Distrito Federal (Metrô DF)                   R$ 3,00
Metropolitana de São Paulo (Metrô SP)                           R$ 3,50
Metroviária do Rio de Janeiro (MetroRio)                         R$ 3,50
Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre (Trensurb) R$1,70
Superintendência de Trens Urbanos do Belo Horizonte   R$ 1,80
Superintendência de Trens Urbanos do Recife                R$ 1,60

As integrações do metrô com ônibus ocorrem de duas formas:

1 – Pelo Sistema Estrutural Integrado (SEI) com a existência de Terminais Integrados adjacentes às estações. A transferência de um modo de transporte para o outro não é tarifado.

2 – Através da bilhetagem eletrônica. Isto é, quando da passagem do Vale Eletrônico Metropolitano nos bloqueios de entrada das estações é descontado o valor referente à integração.

Fonte: CBTU/Recife

2 thoughts on “Metrô do Recife duplica o número de usuários e tem pior receita do país

  1. Construir arena que deveria ser financiada única e exclusivamente por torcedores e investidores de times, que é bom, nada aqui. Pelo contrário, graças a PPP, o estado arca com o prejuízo milionário da arena, que por sinal valor recente divulgado na mídia é compatível com o rombo do nosso metrô.
    Outra, se é para ser justo no sistema integrado, metrô e ônibus deveriam ter a mesma tarifa. A depender da rota do metrô, o usuário precisa pegar o ônibus para chegar ao metrô, mas o valor maior é do ônibus entrando de graça no metrô. Por outro lado, estação e TIs, usuário opta em entrar pelo metrô para integrar ao ônibus, mas o metrô cobra menos.
    Há subsídio insuficiente, mas parece não faltar recurso no estado para cobrir prejuízo milionário que não atende a grande maioria da população, nem tão pouco o governo federal que autorizou investimentos nesses estádios, quando caberia aqueles que o utilizam bancar.

  2. Concordo com o Diogo! Ainda assim, o sistema metroferroviário é o melhor modal da Região Metropolitana! Essas empresas se aproveitam da integração com o metrô, reduzem bastante seus custos e ainda elevam a passagem constantemente e proporcionalmente à queda de qualidade do transporte. Sim, há falhas, mas por que? E por que não mostra também o lado bom do sistema? E por que não mostra também a necessidade de se ampliar o sistema metroferroviário da Região Metropolitana e de se reativar os trens para o interior? Isso vocês não mostram.