Recife chega em 2015 sem concluir o seu plano de mobilidade urbana. O prazo termina em abril

 

plano mobilidade2O Plano de Mobilidade Urbana do Recife enviado à Câmara Municipal pela gestão anterior e retirado pela atual gestão ainda está no limbo e a cidade segue sem definição das políticas públicas na área de mobilidade para os próximos anos. Faltando um mês para os municípios apresentarem seus planos, a situação é de total estagnação. E Recife, não é a única. Acompanhe a matéria abaixo do Portal Mobilize.

Termina agora, em abril de 2015, o prazo fixado pela Lei 12587/2012 para que os municípios brasileiros com mais de 20 mil habitantes elaborem seus Planos Diretores de Mobilidade Urbana. Caso contrário, essas cidades não poderão obter recursos federais para suas obras de transporte urbano.

Face o aperto do prazo, tramita no Congresso um projeto de lei propõe que os municípios tenham mais três anos para cumprir a exigência, ou seja, até abril de 2018. “A escassez de pessoal qualificado para realizar o trabalho, aliada a problemas financeiros que atingem grande parte dos municípios tem trazido uma imensa dificuldade para elaboração dos planos de mobilidade”, afirmou o deputado Carlos Bezerra (PMDB-MT) na apresentação da proposta.

Consultado, o Ministério das Cidades informou que não há qualquer previsão de alargamento do prazo fixado pela Lei 12587, mas esclareceu que “o prazo estabelecido em Lei marca na verdade o início da obrigatoriedade dos planos como requisito para contratação de novas operações que utilizem recursos orçamentários federais”. Assim, na prática, os municípios obrigados pela lei ficarão temporariamente impedidos de celebrar novos contratos até que apresentem o plano, respondeu a assessoria do Ministério.

A assessoria do Ministério informou que ainda não tem um levantamento de quantas cidades conseguiram cumprir a exigência. Lembrou, apenas, que em 2012, segundo dados do IBGE, havia 210 municípios (4,8%) do total de 5.565 com planos de mobilidade urbana elaborados em todo o Brasil. Quanto à qualidade dos trabalhos já elaborados, o Ministério explica que a Política Nacional de Mobilidade não prevê a avaliação dos planos de mobilidade municipais, mas funcionários disseram que algumas cidades entregaram documentos sumários, “um deles com apenas uma folha”, para cumprir o rito previsto em lei. No entanto, para futuras seleções que envolverão recursos federais, os projetos cadastrados deverão estar de acordo com os planos apresentados. E apenas nesse momento será feita uma avaliação formal dos planos e projetos.

Cursos e publicações

Para atender às dúvidas das equipes municipais, a Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana (SeMob) tem realizado uma série de Seminários Regionais da Política Nacional de Mobilidade Urbana, em várias cidades pelo país. Nesses encontros, são discutidos os mecanismos de financiamento, a participação popular, questões de sustentabilidade, acessibilidade e segurança, entre outros pontos importantes que devem constar nos planos..

A SeMob também está preparando um Curso de Capacitação para Elaboração de Planos de Mobilidade à distância, que será disponibilizado no site do Ministério das Cidades.

Fonte: Portal Mobilize (por Marcos de Sousa)

Maior e menor linha de ônibus da Região Metropolitana do Recife tem em comum a mesma tarifa

 

Linha Araçoiaba/Camaragibe é a mais longa da Região Metropolitana do Recife com 93km de extensão. Foto: João Velozo Especial DPO/D.A.Press

Linha Araçoiaba/Camaragibe é a mais longa da Região Metropolitana do Recife com 93km de extensão. Foto: João Velozo Especial DPO/D.A.Press

Quando o estudante Anderson Fernando da Silva, 20 anos, embarca na Linha 2463 – Araçoiaba/Camaragibe, sabe que terá pela frente um longo percurso. A mais extensa linha do Sistema de Transporte Público de Passageiros da Região Metropolitana do Recife (STPP) tem 93 quilômetros em uma viagem de ida e volta.

Anderson Silva, 20 anos, perde 4 horas por dia nos deslocamentos de casa para o trabalho. Foto: João Velozo Especial DP/D.A.Press

Anderson Silva, 20 anos, gasta 3 horas por dia nos deslocamentos de casa para o trabalho. Foto: João Velozo Especial DP/D.A.Press

Por dia, ele gasta uma média de 1h30  para ir e o mesmo tempo para voltar.  Cada deslocamento custa R$ 3,35 do anel B. Também na Região Metropolitana do Recife, dessa vez em Olinda, a estudante Linda Maria Vicente, 33 anos, costuma usar a linha mais curta do STPP. A Linha 1966 – Rio Doce/Circular – percorre apenas três quilômetros em uma viagem de ida e volta e a tarifa também custa R$ 3,35.

A semelhança entre a maior e a menor linha do sistema é apenas no valor da tarifa. A sua maior diferença, no entanto, não é apenas a distância. Mas o tipo de serviço que é oferecido. Para os usuários da  Linha de Araçoiaba/Camaragibe, os problemas vão desde o intervalo das viagens de até 2 horas, deixando o usuário refém do tempo, a  má qualidade do transporte com um ônibus convencional, insuficiente para a demanda dos horários de pico e a falta de organização das filas, onde os homens costumam passar na frente.

Linha Rio Doce/Circular é a mais curta da Região Metropolitana com 3km de extensão. Foto: João Velozo. Especial DP/D.A.Press

Linha Rio Doce/Circular é a mais curta da Região Metropolitana com 3km de extensão. Foto: João Velozo. Especial DP/D.A.Press

“Velho, mulher e criança aqui não tem vez. Os homens passam na frente e tomam os lugares na cadeira e ninguém faz nada”, criticou a diarista Maria Glória de Almeida, 53 anos. Ela pega o transporte às 4h para chegar no trabalho às 6h. Na volta para casa, já cansada, sabe que terá que passar quase duas em pé.

A redução no intervalo das viagens da linha de Araçoiba não está nos planos do Grande Recife Consórcio de Transporte Metropolitano, responsável pela gerência do sistema. De acordo o diretor de operações, André Melibeu a linha tem caráter social e não há demanda suficiente para aumentar o número de veículos.

Linda Maria Vicente usa a Linha Rio Doce e gasta menos de 10 minutos para chegar ao seu destino. Foto: João Velozo. Especial DP/D.A.Press

Linda Maria Vicente usa a Linha Rio Doce e gasta menos de 10 minutos para chegar ao seu destino. Foto: João Velozo. Especial DP/D.A.Press

“Nós vamos fazer uma fiscalização nos horários de pico para verificar se há necessidade de aumentar o número de veículos, principalmente na sexta quando a demanda aumenta ou de mudar o modelo do veículo que tenha uma capacidade maior”, afirmou Melibeu. O Grande Recife também se comprometeu em melhorar a fiscalização nas filas para evitar que as pessoas passem a vez. “É uma questão de consciência. Só podemos orientar”, revelou.

Sobre a menor linha do sistema com apenas três quilômetros, ele explicou que foi uma estratégia para reduzir linhas. “Havia cinco linhas que iam todas para o centro de Rio Doce, nós transferimos todas para o terminal e criamos a linha circular para fazer essa operação”, afirmou.

A linha de Araçoiaba/Camaragibe, operada pela Mobibrasil, faz apenas 11 viagens ao dia, transporta quase 700 passageiros e percorre mais de mil quilômetros. Já a menor linha RioDoce/Circular, operada pela Conorte, faz 86 viagens, transporta 1,1 mil usuários e faz 260 km por dia. Mesmo com um trajeto quatro vezes menor, arrecada 70% a mais do que a linha mais longa.

Entenda a dinâmica da maior e menor linha de ônibus da RMR

Sobre a linha mais longa
92,59 km (ida e volta)
662 passageiros
1.020 quilômetros percorridos por dia
R$ 3,35 é a tarifa
R$ 0,07 é o valor pago por usuário por quilômetro rodado
R$ 2.220,00 é a arrecadação diária da linha
R$ 2,20 é o que a empresa arrecada por quilômetro rodado

Linha 2463 – Araçoiaba/TI Camaragibe

Percurso (Camaragibe/Araçoiaba) – Terminal Integrado de Camaragibe, Rua Luiza Alves, Rua Antônio Felipe, Avenida Belmínio Correia, Rua Manoel Ribeiro, Rua Belchior de Athaíde dos Santos, Rua Padre Luíz Muremberg, Avenida dos Girassóis, Rua Padre Ozeas Cavalcante, Estrada da Linha, Avenida General Milton Cavalcante (PE-27), Estrada de Aldeia (PE-27), Acesso Chã de Conselho, Rodovia PE-027, Avenida Marechal Nilton Cavalcanti, Avenida Major Pessoa Guerra, Rodovia PE-041, Praça São José, Vila de Itapipiré de Cima,

Percurso Araçoiaba/Camaragibe ): Rodovia PE-041, Rua João José de Freitas, Rua João Felipe de Barros Dias, Avenida Major Pessoa Guerra, Avenida Marechal Nilton Cavalcanti, Rodovia PE-027, Acesso Chã de Conselho, Estrada de Aldeia (PE-27), Avenida General Milton Cavalcante (PE-27), Estrada da Linha, Rua Padre Ozeas Cavalcante, Avenida dos Girassóis, Rua dos Narcisos, Avenida Belmínio Correia, Rua Nova, Rua Luiza Alves, Terminal Integrado de Camaragibe

Sobre a linha mais curta
3 km por dia
86 viagens/dia
1.170 passageiros/dia
R$ 3,35 é a tarifa
R$ 2,20 é o valor pago pelo usuário por quilômetro rodado
R$ 3.920,00 é a arrecadação diária da linha
R$ 15,20 é o valor arrecadado pela empresa por quilômetro rodado

Linha  1966 – Rio Doce/Circular

Percurso: TI Rio Doce/ Rua 37 – Terminal Integrado de Rio Doce, Avenida das Garças, Avenida Nápoles, Rua 37, Avenida Tiradentes e Terminal Rio Doce

Fonte: Grande Recife Consórcio de Transporte Metropolitano

Acessibilidade é um dos pontos fracos do BRT do Recife no Norte/Sul

 

Acessibilidade das estações de BRT do corredor Norte/Sul apresenta problemas para pedestres e cadeirantes Foto Tânia Passos DP/D.A.Press

Acessibilidade das estações de BRT do corredor Norte/Sul apresenta problemas para pedestres e cadeirantes Foto Tânia Passos DP/D.A.Press

A acessibilidade dos pedestres às estações de BRT do corredor Norte/Sul é hoje um dos desafios da obra, que tem como novo prazo de conclusão o mês de maio. Mesmo com um desenho já definido da PE-15, rodovia estadual onde foi implantado o corredor Norte/Sul, a logística da acessibilidade das estações de BRT – inseridas no canteiro central da via – apresenta soluções complicadas para o pedestre e pior ainda para os cadeirantes, pela topografia do terreno.

Falta continuidade das passagens dos pedestres e eles fazem seus próprios caminhos Foto Tânia Passos DP/D.A.Press

Falta continuidade das passagens dos pedestres e eles fazem seus próprios caminhos Foto Tânia Passos DP/D.A.Press

O Diario visitou as estações da PE-15 no trecho entre Olinda e Paulista. Nas quatro primeiras estações localizadas no sentido Paulista, as faixas de pedestre já foram pintadas. Em uma delas, já foi construído um pórtico, onde deverá ser instalado um semáforo. Nas outras, há sinais próximos que poderão ser relocados para as faixas.

Duas estações no trecho de Olinda são mais complicadas para os cadeirantes por causa do terreno. As estações ficam em um nível bem abaixo das pistas de rolamento do tráfego misto. E o corredor central fica separado entre dois paredões. Para fazer a acessibilidade foram construídas rampas acompanhando a descida do terreno até as estações. Além de estreitas e em desenho pouco flexível para um cadeirante, elas também apresentam uma alta declividade entre a rodovia e a calçada, o que pode impossibilitar, na prática, o acesso do cadeirante.

As rampas para os cadeirantes apresentam curvas pouco flexíveis e alta declividade Foto Tânia Passos DP/D.A.Press

As rampas para os cadeirantes apresentam curvas pouco flexíveis e alta declividade Foto Tânia Passos DP/D.A.Press

Outro problema é a falta de continuidade do traçado a ser feito pelo pedestre. Em vários momentos flagramos pedestres fora da faixa, que tem o desenho interrompido. A faixa começa em uma via e a continuação dela para a seguinte fica mais acima ou mais abaixo, dependendo do sentido. “Se for para atravessar na faixa eu tenho que subir até perto da estação. Como já estou na metade do caminho, eu sigo em frente”, afirmou a comerciante Meirevalda Silva, 43 anos.

Uma passagem estreita em forma de corredor é a opão de acesso à estação dos Bultrins Foto: Tânia Passos DP/D.A.Press

Uma passagem estreita em forma de corredor é a opão de acesso à estação dos Bultrins Foto: Tânia Passos DP/D.A.Press

Perto da casa onde mora, a aposentada Anita Rodrigues, 84, aguarda o ônibus na PE-15. Ela ainda não usa o BRT, cuja estação Francisco de Assis, em Paulista, não está pronta. Por causa da declividade do terreno, está sendo instalada uma passarela de ferro, que ao invés de tranquilizá-la trouxe mais apreensão. “Era mais fácil quando a parada ficava na calçada. Acho complicado ter que subir essa passarela, mas com a estação do outro lado, não tem outro jeito”, revelou.

De acordo com a Secretaria das Cidades, o projeto das obras de acessibilidade foi elaborado corretamente. “O projeto está dentro das normas, mas se houver algum problema na execução, nós iremos verificar”, afirmou o secretário executivo Gustavo Gurgel.

Paredões dividem a área das estações de BRT em trecho da PE-15 Foto: Tânia Passos DP/D.A.Press

Paredões dividem a área das estações de BRT em trecho da PE-15 Foto: Tânia Passos DP/D.A.Press

Requalificação ainda sem data definida

A conclusão das obras do corredor Norte/Sul em maio, caso se confirme, ainda não irá significar a requalificação da PE-15. A obra que prevê a melhoria das calçadas e o resgate da antiga ciclovia, orçada em R$ 14,5 milhões, ainda não tem data para ser iniciada, mas a expectativa da Secretaria das Cidades é dar a ordem de serviço neste semestre e com prazo de execução de seis meses.

A requalificação será feita com recursos do governo do estado e embora a obra tenha sido licitada no ano passado, o montante terá que ser incluído no orçamento do estado no exercício de 2015. “Estamos aguardando a inclusão no orçamento para darmos a ordem de serviço. Mas, temos ainda pendências de alvará com as prefeituras de Olinda e Paulista”, ressaltou o secretário executivo Gustavo Gurgel.

A obra irá abranger o perímetro de Abreu e Lima até as imediações do Complexo de Salgadinho, Olinda. Além das calçadas e ciclovias, está prevista melhoria dos acessos dos veículos e nova iluminação pública. “Há trechos da PE-15 sem calçada, mas o projeto teve essa preocupação de oferecer passeio ao longo do corredor de transporte”, afirmou Gustavo Gurgel.

Saiba Mais
Corredor Norte/Sul
33,2 km de extensão
R$ 151 milhões
300 mil passageiros/dia
27 estações previstas
16 estações em operação
11 estações em obras
3 estações deverão ser entregues em fevereiro

Fonte: Secretaria das Cidades

Metrô do Recife duplica o número de usuários e tem pior receita do país

Metro quebrado na Estacao Cajueiro Seco. Crédito: Adriano Correia/Divulgacao

Metro quebrado na Estacao Cajueiro Seco.
Crédito: Adriano Correia/Divulgacao

 

O metrô do Recife nunca transportou tantas pessoas quanto agora. Nos últimos dez anos, a demanda de passageiros duplicou. Em 2005, eram 4,5 milhões por mês. Hoje essa média é de nove milhões, incluindo as linhas Centro, Sul e os trens a diesel. Mas o crescimento da demanda está longe de significar ampliação da receita. Por dia, são transportados quase 400 mil usuários e desse universo, quase metade é oriunda do Sistema Estrutural Integrado (SEI), que permite que o passageiro use o metrô sem pagar um centavo.

Não por acaso, o sistema metroviário do Recife tem a pior receita do país. O metrô arrecada mensalmente, em média, cerca de R$ 5 milhões, mas as suas despesas ultrapassam os R$ 33 milhões. Com mais de 80% das despesas subsidiadas, as chances de investimento e ampliação são praticamente nulas. A tarifa também é a menor do país, no valor de R$ 1,60 desde 2012.

Escada do metrô sem funcionar na estação integrada do Tancredo Neves Foto : Annaclarice Almeida SP/D.A.Press

Escada do metrô sem funcionar na estação integrada do Tancredo Neves Foto : Annaclarice Almeida SP/D.A.Press

Com 30 anos de operação, o maior investimento foi a implantação da linha Sul e a compra de 15 novos trens. Mas o índice de quebra dos trens ainda é preocupante. Pelo menos mil viagens deixam de ser realizadas todos os meses em razão de problemas técnicos. “Nenhum sistema metroviário do país opera com um índice tão alto de subsídio como o nosso. Isso é ruim para o sistema porque trava a capacidade de investimento”, explicou o superintendente do Metrô Recife, Bartolomeu Carvalho.

No último dia 10, os passageiros da Linha Sul do metrô Recife tiveram que descer na estação Largo da Paz e caminhar pelos trilhos depois que um dos trens quebrou e precisou ser rebocado para a estação da Imbiribeira. “Já fiquei vinte minutos dentro do trem parado. Quem se cansou, desceu e andou pelos trilhos. Eu esperei até chegar na estação para pegar outra condução”, disse a operadora de telemarketing Maria Lopes, 37 anos.

Além da dificuldade em manter o sistema em operação, o metrô também sofre com os ataques de vandalismo. O custo mensal com reparos é de aproximadamente R$ 300 mil, mas pode variar dependendo do grau das depredações.

“Nós fazemos o planejamento dos investimentos, mas dependemos do que é repassado pelo governo. Mas o dinheiro que chega é sempre menor e temos que optar em priorizar os casos mais urgentes”, revelou o diretor de operações do metrô, Maurício Meirelles.

Tarifa do metrô do Recife custa R$ 1,60 desde 2012 e é a menor do país. Foto Alexandre Gondim DP/D.A.Press

Tarifa do metrô do Recife custa R$ 1,60 desde 2012 e é a menor do país. Foto Alexandre Gondim DP/D.A.Press

Mudança na política tarifária

Uma das principais características do transporte de passageiros da Região Metropolitana do Recife é o sistema integrado, que permite que o usuário se desloque para qualquer município interligado com uma única passagem. Fazer mudanças nessa logística é uma briga que nenhum gestor pretende comprar. Mas, pela primeira vez, a direção do metrô Recife pondera sobre a necessidade de se abrir uma discussão no modelo da política tarifária dos terminais do SEI.

“Uma mudança nessa política tarifária poderá trazer uma arrecadação maior para o metrô, mas a gente reconhece que não é uma discussão simples para não trazer impacto para o passageiro”, ressaltou o superintendente do Metrô Recife, Bartolomeu Carvalho. O gerente de planejamento do Grande Recife, Maurício Pina, lembra que, no modelo do SEI, recebe o modal por onde o usuário entrou. “Se o usuário entra pelo metrô e integra no ônibus, o ônibus também não é tarifado.”

Para o presidente do Sindicato do Metroviários, Diogo Morais, os empresários de ônibus se beneficiaram mais com a abertura de novos terminais de integração. “Os custos das empresas de ônibus diminuíram. O metrô tem uma capacidade de transporte muito maior. E do ponto de vista social é importante, mas o subsídio deve ser assumido ou pelo governo do estado ou federal”, afirmou. Segundo o sindicato, a União só repassa o suficiente para o sistema não paralisar. Mas não há um comprometimento de valorizar do sistema, diz.

Saiba Mais:

Os números do sistema metroviário do Recife:
25 trens
29 estações
71 quilômetros de extensão
9,7 milhões de passageiros por mês (linhas Centro, Sul e díesel)
4,8 milhões de passageiros por mês oriundos do SEI
368 mil passageiros por dia
162 mil passageiros oriundos do SEI por dia
1 mil viagens deixam de ser realizadas por mês por quebra

O buraco negro da operação do metrô Recife
R$ 33 milhões em depesas
R$ 5,8 milhões de receita

Demanda do metrô em 10 anos
2005 – 54,4 milhões de passageiros
2010 – 68,1 milhões de passageiros
2014 – 110,1 milhões de passageiros
2015 -   9 milhões de passageiros (mês de janeiro)

Tarifas do sistema ferroviário no país:

Companhias                                                                  Tarifa          
Cearense de Transportes Metropolitanos (Metrofor)       R$ 2,20
Metropolitano do Distrito Federal (Metrô DF)                   R$ 3,00
Metropolitana de São Paulo (Metrô SP)                           R$ 3,50
Metroviária do Rio de Janeiro (MetroRio)                         R$ 3,50
Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre (Trensurb) R$1,70
Superintendência de Trens Urbanos do Belo Horizonte   R$ 1,80
Superintendência de Trens Urbanos do Recife                R$ 1,60

As integrações do metrô com ônibus ocorrem de duas formas:

1 – Pelo Sistema Estrutural Integrado (SEI) com a existência de Terminais Integrados adjacentes às estações. A transferência de um modo de transporte para o outro não é tarifado.

2 – Através da bilhetagem eletrônica. Isto é, quando da passagem do Vale Eletrônico Metropolitano nos bloqueios de entrada das estações é descontado o valor referente à integração.

Fonte: CBTU/Recife

Guia da mobilidade para quem for brincar o Carnaval no Recife

 

mobilidade carnavalDe carro, ônibus, metrô ou bicicleta. Na hora de decidir a melhor forma para se deslocar para os polos de animação na capital pernambucana, os foliões vão poder planejar com antecedência, a partir das opções disponíveis.Entenda o passo a passo de cada um dos modais

Expresso Folia do Recife. Foto- Edvaldo Rodrigues DP/D.A.Press

Expresso Folia do Recife. Foto- Edvaldo Rodrigues DP/D.A.Press

Expresso Folia:

Para o sábado o desfile do Galo, o Expresso Folia irá operar a partir das 7h. Os foliões poderão deixar o carro nos estacionamentos dos shoppings RioMar, Recife, Plaza e Tacaruna. Serão disponibilizados 25 ônibus com intervalos de 10 minutos. Os expressos que saírem dos centros de compra da Zona Sul, o desembarque será na frente do 16º Batalhão da Polícia Militar, no Cais de Santa Rita. Já os que saírem da Zona Norte, o desembarque será na Avenida Martins de Barros, no Cais Santa Rita. O retorno dos usuários dos centros de compra será na Rua Madre de Deus, nas proximidades da Rua Profº Aloísio Magalhães. O funcionamento será das 7h às 18h. O Boa vista não participa neste dia.

Serviço:
Estacionamentos:
R$ 6,50 – Shoppings RioMar e Recife e Tacaruna
R$ 6,00 – Shoppings Plaza e Boa Vista
Ônibus do Expresso Folia- R$ 6,00 (Ida e volta)
* Quem não for de carro e quiser ir no Expresso Folia paga apenas a passagem de R$ 6,00

Estacionamento do TRF é um dos três espaços gratuitos oferecidos pela Prefeitura do Recife para o folião. Foto Julião Leitão DP/D.A.Press

Estacionamento do TRF é um dos três espaços gratuitos, oferecidos pela Prefeitura do Recife, para o folião. Foto Julião Leitão DP/D.A.Press

Estacionamentos gratuitos

A Prefeitura do Recife vai disponibilizar três estacionamentos gratuitos: Dois espaços da própria PCR, outro no Tribunal Regional Federal (TRT) e o terceiro no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), totalizando 1,8 mil vagas, sendo 300 para motos e bicicletas. Além de deixar o carro no local mais próximo da folia e sem pagar nada, os foliões também poderão usar o serviço de vans que transportar os foliões até as imediações do Marco Zero. Com intervalos de 10 minutos, das 16h às 4h. Para quem for de bicicleta a recomendação é levar um cadeado. Os estacionamentos terão apoio da CTTU, Guarda Municipal, Polícia Militar, Samu e Emlurb. Para quem for de carro é bom lembrar de levar junto o amigo da vez.
Serviço:
Horário: 16h às 4h
Intervalo das vans – 10 minutos
Traslado gratuito  ( dos estacionamentos ao Marco Zero)

* Estacionamento Legal -  No Parque Memorial Arcoverde disponibiliza 5 mil vagas.  O valor é R$ 15,00 para carros de passeio (incluíndo o traslado e o estacionamento) e R$ 25,00 para vans. Os usuários devem pegar o ônibus no mesmo lugar que desembarcaram.

Cinco pontos de táxis serão disponibilizados nas áreas próximas aos focos da folia no Recife. Foto: Tânia Passos DP/D.A.Press

Cinco pontos de táxis serão disponibilizados nas áreas próximas aos focos da folia no Recife. Foto: Tânia Passos DP/D.A.Press

Vá de Táxi

A vantagem de ir de táxi, para quem não quiser o transporte público ou o carro, é não ter que se preocupar em não beber para dirigir. A CTTU assinou convênio para o funcionamento do táxi metropolitano. A frota irá duplicar nos dias de momo, passando  de 6 mil para 12 mil táxis. O convênio foi assinado com os municípios de Olinda, São Lourenço da Mata, Paulista, Camaragibe, Abreu e Lima, Itapissuma e Ipojuca. O convênio tem início a partir das 18h desta sexta-feira e segue até a quarta-feira de Cinzas. Serão disponibilizados cinco pontos de táxis na área central do Recife.

Serviço:
Pontos de táxi para os focos da folia
Rua Madre de Deus, Avenida Martins de Barros, Ponte Buarque de Macedo, Cais de Santa Rita, Avenida Doutor José Mariano
Para denúncias ligar para  0800 081 1078

Linhas especiais para o Carnaval no Recife. Foto : Bruna Monteiro Especial DP/D.A.Press

Linhas especiais para o Carnaval no Recife. Foto : Bruna Monteiro Especial DP/D.A.Press

Linhas especiais para o Carnaval
Durante o Carnaval serão reforças as linhas para atender os polos de animação em Recife e Olinda. O Grande Recife Consórcio Metropolitano de Transporte organizou um esquema especial com 34 linhas convencionais e 370 ônibus. Os veículos que têm origem da Zona Sul farão ponto de retorno no Terminal de Passageiros de Santa Rita. Os que vierem da Zona Norte terão dois trajetos: os que trafegam pela Av. Norte retornarão na Praça da República, já os que passam pela PE-15, farão retorno na Av. Conde da Boa Vista ou na Praça da República. Já os ônibus provenientes da Zona Oeste farão retorno na Av. Conde da Boa Vista ou no Terminal de Passageiros de Santa Rita.

Serviço:
Operação das 5h até 0h
Tarifas: R$ 2,45 e R$ 4,90.
117 – Circular do Galo
028 – Circular do Frevo
027 – Shopping Recife/Olinda
696 – Circular Olinda
109 – Shopping Tacaruna/Olinda
029 – Shopping Rio Mar/Olinda
862 – Olinda/Estacionamento Legal

Fonte: CTTU e Grande Recife Consórcio

Curitiba aposta em paradas livres para dar mais segurança ao usuário

 

Iluminação precária atrapalha a mobilidade Foto Paulo Paiva DP/D.A.Press

Iluminação precária atrapalha a mobilidade Foto Paulo Paiva DP/D.A.Press

Para quem usa o transporte público à noite e desembarca, muitas vezes, em paradas pouco iluminadas, passa a ter a opção de descer em qualquer local, onde se sentir mais seguro e for mais próximo do seu ponto de destino. A chamada “Parada Livre”, passou a valer oficialmente em Curitiba.

De acordo com o presidente da empresa que gerencia o transporte urbano da cidade (URBS), Roberto Gregório da Silva Junior, as mudanças atendem uma das principais reivindicações dos usuários, assim como dos motoristas e cobradores.

A principal delas é a determinação da ‘parada livre’ após as 22h, quando o passageiro poderá descer em qualquer local nas linhas que não possuem desembarque em tubos. Também visando a segurança, cerca de cinco mil pontos de ônibus receberão iluminação com tecnologia LED, em instalação prevista para um prazo de 12 meses.

Também está prevista maior presença da guarda municipal nas estações tubo e terminais, novas rodadas da campanha “Busão sem Abuso”, educando sobre o respeito às mulheres no transporte coletivo, além do aumento da oferta de informações sobre o sistema, como trajetos, horários e localização.

Recife é a capital com maior tempo de espera pelo ônibus, diz pesquisa

 

Passageiros ônibus/Recife - Foto - Roberto Ramos /DP/D.A. Press

Passageiros ônibus/Recife – Foto – Roberto Ramos /DP/D.A. Press

 

A Proteste, revista especializada no direito do consumidor, realizou uma pesquisa sobre transporte público com os associados de oito grandes cidades do país – Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo. A pesquisa apresentou baixas avaliações por conta do caos urbano enfrentado pela maioria dessas metrópoles.

A coleta de dados foi feita tendo como base um questionário enviado aos assoaciados, que responderem sobre suas experiências no transporte público. A pesquisa foi realizada entre abril e maio de 2014 e foram encaminhados 3.045 questionários em todo o país.

No Recife, 70 pessoas responderam ao questionário. De acordo com Talita Trindade, técnica da Proteste responsável pela pesquisa, foram feitas perguntas específicas do tempo de espera e deslocamento. “Nós pedimos o percurso mais recente, mas cada um fez a própria avaliação”, revelou a técnica. Na pesquisa, a capital pernambucana aparece como campeão de espera nas paradas de ônibus com um tempo de até 35 minutos. A melhor pontuação ficou com Curitiba com apenas 18 minutos de espera.

Em relação ao tempo gasto nos deslocamentos, o pior resultado foi do Rio de Janeiro com um tempo de percurso de 93 minutos. O Recife aparece em segundo com um tempo de percurso de 90 minutos.De acordo com os resultados obtidos, a cidade que tem o melhor transporte suburbano é Porto Alegre.A capital gaúcha aparece com o menor tempo de deslocamento, equivalente a 56 minutos.

O coordenador da Regional Nordeste da Associação Nacional de Transporte Público (ANTP), César Cavalcanti, questionou o resultado da pesquisa. “Não sei a metodologia empregada na pesquisa, mas comparar o tempo dos deslocamentos é complicado, uma vez que são cidades com dinâmicas bem distintas”, criticou.

Ainda segundo o coordenador da ANTP, o usuário costuma potencializar o tempo de espera. “Ninguém gosta de esperar e é natural que a sensação da espera seja maior do que é, na verdade, principalmente quando não há conforto algum”, revelou César Cavalcanti.

Ranking

Tempo de espera na parada

Cidade        Minutos

Recife        35
Salvador    34
Rio         29
Brasília    27
Belo Horizonte    25
São Paulo    25
Porto Alegre    19
Curitiba    18

Tempo de viagem

Cidade        minutos
Rio de Janeiro    93
Recife        90
Salvador    87
São Paulo    85
Belo Horizonte    74
Brasília    72
Curitiba    61
Porto Alegre    56

Fonte: Proteste

Lei da bicicleta em Curitiba garante 5% das vias para sistema cicloviário

 

Em Curitiba o BRT é denominado de Rede Integrada de Transporte (RIT) - Foto - Prefeitura de Curitiba/Divulgação

Em Curitiba o BRT é o ponto forte no transporte público da cidade. Projeto irá destinar 5% das vias públicas para ciclovias e ciclofaixas. – Foto – Prefeitura de Curitiba/Divulgação

Por

Enzo Bertolini

Conhecida no Brasil e no mundo pela criação do BRT – Bus Rapid Transit (transporte rápido de ônibus, em tradução livre), Curitiba/PR se torna pioneira também na instituição da Lei da Bicicleta. A Lei n.º 14.594 determina que 5% das vias urbanas sejam destinadas à construção de ciclofaixas e ciclovias, de maneira integrada ao transporte coletivo.

O projeto foi construído coletivamente e apresentado ao Legislativo municipal por meio de iniciativa popular. “A Lei da Bicicleta é uma conquista e vitória”, diz Jorge Brand, conhecido como Goura, diretor da CicloIguaçu (Associação de Ciclistas do Alto Iguaçu). Para Alexandre Nascimento, autor do blog Ir e Vir de Bike, “sua aprovação por unanimidade pelos vereadores é uma grande conquista da sociedade”.

A nova lei estabeleceu um padrão para a construção de novas ciclovias, com largura mínima de 1,5 metro, mão única em cada faixa no mesmo sentido dos carros, demarcação dos símbolos de bicicleta no pavimento no mesmo sentido da faixa, pavimento demarcado por contraste de cor de acordo com a orientação do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), instalação de tachões bidirecionais na cor amarela para separar a ciclofaixa das ruas e avenidas, entre outros itens.

Um ponto importante da lei é o investimento em bicicletários e paraciclos em terminais de transporte coletivo, escolas, shopping centers, supermercados, praças e parques públicos.
eto ao uso de verba do Funset

Ao sancionar a lei, o prefeito Gustavo Fruet (PDT) vetou o artigo 3º, que previa que as despesas decorrentes da lei fossem custeadas pelo Fundo Nacional de Segurança e Educação de Trânsito (Funset). De acordo com a explicação publicada no Diário Oficial, o Município não tem acesso a esse recurso, sob responsabilidade do Denatran, e por isso não teria competência e possibilidade legal de atender à lei. “Se esse artigo fosse aprovado, a lei, que é um avanço para a cidade, se tornaria inconstitucional e sua aplicação seria prejudicada”, explica Luiza Simonelli, secretária municipal de Trânsito.

Para buscar financiamento para as obras necessárias, a prefeitura de Curitiba se encontrou com o ministro das Cidades, Gilberto Kassab, e pediu R$ 105 milhões do governo federal para a implantação de 300 quilômetros de vias cicláveis na capital paranaense até o final de 2016. Segundo fontes da prefeitura que o Vá de Bike ouviu, o apoio do prefeito ao PT nas eleições para o governo do estado teria sido com o intuito de ter apoio federal para diversos projetos, mesmo contrariando aliados no município.

Segundo Nascimento, do Ir e Vir de Bike, o veto ao artigo 3º da Lei da Bicicleta deixará de destinar anualmente R$ 10 milhões para investimentos na promoção da mobilidade urbana sustentável em Curitiba. “Como toda administração pública no Brasil, a prefeitura de Curitiba também trabalha hoje com um orçamento apertado e criar um gasto obrigatório da ordem de R$ 10 milhões é o pesadelo de qualquer gestor público. Daí a verdadeira razão do veto.”

Nascimento explica que na questão das multas municipais, o argumento pela inconstitucionalidade é baseado na suposta interferência entre os poderes, já que o Legislativo não teria a prerrogativa de criar essa obrigatoriedade. “Neste ponto, a jurisprudência do TJ-RS sobre caso semelhante em Porto Alegre pesa em favor dos ciclistas e não do argumento que sustenta o veto da prefeitura.”

De acordo com Goura, o caso de Porto Alegre se refere a multas municipais e não aos recursos do Funset. “Fui convencido de que barrar esse artigo foi o melhor e não acho que seja motivo de derrota. O ponto principal da lei foi sancionado, 5% de ciclovias, e foi um ganho. Temos que batalhar para a prefeitura garantir política orçamentária para tirar os projetos do papel para essa e as próximas gestões.”

Para Nascimento, em vez de contestar o veto em uma batalha jurídica, que pode se arrastar por anos, ou tentar a derrubada do veto na Câmara, a ideia mais viável parece ser a de forçar o prefeito a reabilitar o artigo 3º por meio de um projeto de lei de iniciativa do Executivo. “Seria juridicamente incontestável e atenderia à demanda original da iniciativa popular”, acrescenta.

Curitiba tem 4.600 quilômetros de vias e pouco mais de 160 km de estrutura cicloviária. Com a nova lei, a cidade pode ganhar mais 230 km de ciclovias. “Ainda é pouco e podemos avançar mais”, finaliza Goura.

Fonte: Vá de Bike

O metrô do Recife e a privada

 

Estação Werneck do metrô, Linha Centro, Recife - Foto Guilherme Veríssimo DP/D.A.Press

Estação Werneck do metrô, Linha Centro, Recife – Foto Guilherme Veríssimo DP/D.A.Press

A paralisação do metrô, no último final de semana, a partir de uma decisão dos próprios funcionários do sistema que se recusaram a trabalhar por causa da falta de segurança, chama atenção para um grave problema no transporte público: o vandalismo das torcidas dos times pernambucanos. Os trens e as estações do sistema foram alvo de ataques de vândalos. Até pedras foram arremessadas contra os veículos. Pelo menos dessa vez, não lançaram nenhuma privada. Em maio do ano passado, uma pessoa morreu ao ser atingida por privada lançada da arquibancada no estádio do Arruda.

Não por acaso, a violência das torcidas tem trazido intranquilidade aos trabalhadores do metrô. E não apenas a eles, os ônibus também são alvo da fúria de torcedores nos dias de jogo. A Avenida Conde da Boa Vista, por exemplo, tem sido um verdadeiro saco de pancadas. E quem responde por isso? A propagação da violência encontra espaço, onde a punição é artigo de luxo.

Uma vez ouvi de um consultor em trânsito, que segurança não é um problema do transporte público, mas sim uma questão de polícia. Parece lógico, mas não há como a polícia estar presente em todas as estações, paradas, ônibus e trens. É impossível garantir esse tipo de segurança. As empresas também precisam oferecer segurança própria e dispor de uma forma mais eficaz para se comunicar com a polícia, sempre que necessário.

No final de semana passado, a Secretaria de Defesa Social (SDS) chegou a apresentar um plano de segurança com 68 policiais para fazer a segurança no metrô e não foi suficiente.O Sindicato dos Metroviários chamou atenção para o fato dos policiais não terem sido posicionados nas estações. Isso talvez possa ser melhorado, mas o fato é que há uma insegurança no sistema não apenas para os trabalhadores, mas também para os usuários. A mudança só será sentida quando a punição passar a ser encarada na medida da responsabilidade de quem a pratica, assim como a prisão dos que lançaram a privada matando uma pessoa.