Radares reduzem 400 acidentes por mês no Recife no primeiro trimestre de 2015

 

Quatro novos radares instalados na Avenida Agamenon Magalhães. Foto - Ricardo Fernandes DP/D.A.Press

Quatro novos radares instalados na Avenida Agamenon Magalhães. Foto – Ricardo Fernandes DP/D.A.Press

Manter os motoristas sob a rédea curta é a estratégia da Companhia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU) para reduzir os acidentes de trânsito na capital pernambucana com o aumento da fiscalização eletrônica.

Ao todo são 64 radares e sensores em 37 pontos da cidade. Desses, quatro novos começaram a operar ontem, sendo três na Avenida Agamenon Magalhães e um na Avenida Beberibe. Um levantamento da companhia aponta que entre o primeiro trimestre de 2015 e o  mesmo período de 2014, houve uma redução de cerca de 400 acidentes por mês. De 1, 3 mil para menos de mil por mês.

Os radares eletrônicos também trouxeram impacto direto nas infrações de trânsito. Onde há fiscalização eletrônica houve uma redução de até 87% nas infrações, mas a meta é zerar. Com essa estratégia, outros dois pontos já estão em estudo para receber radares: a entrada do Túnel da Abolição, na Torre e nas imediações da Faculdade Estácio de Sá na Abdias de Carvalho.

As quatro novas lombadas eletrônicas que entraram em operação, ontem, vão começar a multar os infratores a partir da próxima segunda-feira. Serão registradas infrações por excesso de velocidade, avanço de semáforo, parada sobre faixa de pedestres e conversão proibida.  O critério para a escolha das vias é o potencial risco de acidente.

Na Agamenon Magalhães passam por dia cerca de 90 mil veículos nos dois sentidos. Além disso, a via possui diversas proibições de giros que, quando desrespeitadas, aumentam a potencialidade de acidentes. Também é o caso da Avenida Beberibe, onde foi identificada a necessidade da fiscalização eletrônica no cruzamento com a Avenida Professor José dos Anjos.

Primeiro radar instalado na Avenida Beberibe no Recife. Foto - Ricardo Fernandes DP/D.A.Press

Primeiro radar instalado na Avenida Beberibe no Recife. Foto – Ricardo Fernandes DP/D.A.Press

Em seis meses, mesmo com os equipamentes existentes na Agamenon, foram registrados 14 acidentes e nove na Avenida Beberibe. “Há uma necessidade de mudança de cultura. A educação pelo bolso ainda é mais eficaz.  Hoje 93% dos condutores não voltam a cometer infração nos pontos onde já foram multados”, revelou o gerente de fiscalização da CTTU, Marcos Araújo.

Os novos pontos beneficiados receberam sinalização conforme a exigência do Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN) e foram identificados a partir de estudos técnicos que levam em consideração a geometria das vias. Na Avenida Governador Magalhães, já existem outros quatro pontos de fiscalização. Já a Avenida Beberibe receberá o primeiro dispositivo.

Saiba Mais

Radares de olho nos motoristas
64 equipamentos
29 lombadas
35 fotossensores
37 pontos diferentes na cidade

Comparativo dos acidentes no 1º trimestre
1.334 era a média de acidentes por mês na cidade no 1º trimestre de 2014
933 acidentes foi a média registrada por mês no 1º trimestre de 2015
400 acidentes a menos por mês

Diagnóstico
14 acidentes registrados na Agamenon Magalhães em seis meses
9 acidentes na Avenida Beberibe em seis meses

Redução dos acidentes
26% menos atropelamentos ( de 36 para 26)
30% menos acidentes de moto ( de 314 para 229 acidentes por mês)
23% menos acidentes envolvendo bicicleta ( de 9 para 7)

As multas e as infrações registradas pelos radares eletrônicos
De R$ 85,13 a R$ 574,62 por excesso de velocidade
De R$ 191,54 e 7 pontos na CNH por avanço de semáforo
R$ 85,13 e 4 pontos na CNH por parada na faixa de pedestre
R$ 127,69 e 5 pontos na CNH por conversão proibida

Os quatro novos pontos de fiscalização eletrônica:
- Avenida Agamenon Magalhães no cruzamento da Rui Barbosa (sentido Boa Viagem)
- Avenida  Agamenon Magalhães no cruzamento da Bandeira Filho (sentido Olinda)
- Ponte Delmiro Gouveia (Pontilhão da Agamenon sentido Conde da Boa Vista)
- Avenida Beberibe no cruzamento com a Professor José dos Anjos (sentido subúrbio)

Fonte: CTTU

Não é BRT o sistema implantado nos corredores do Grande Recife

 

Corredor BRT na Avenida Cruz Cabugá com velocidade de 4km/h Foto- Aline Soares Especial DP/D.A.Press

Corredor Norte/SUl com ônibus no tráfego misto na Avenida Cruz Cabugá a uma velocidade de 4km/h Foto- Aline Soares Especial DP/D.A.Press

O criador do sistema BRT, o urbanista Jaime Lerner, primeiro a implantar um modelo de transporte com corredores exclusivos e segregados para ônibus, estações em nível e pagamento antecipado, na década de 1970 em Curitiba, afirma que o sistema implantado no estado não condiz com as premissas de seu modelo.

Exportado para o mundo inteiro na sigla de Transporte Rápido por Ônibus (Bus Rapid Transit), foi também escolhido para dois corredores de transporte da RMR: Norte/Sul e Leste/Oeste. Previstos para serem entregues até a Copa, os dois corredores chegaram ao primeiro semestre de 2015 sem operar da forma prevista.

Sistema de BRT de Curitiba com faixa exclusiva e segregada em todo o seu percurso Foto: Hedelson Alves Especial DP/D.A.Press

Sistema de BRT de Curitiba com faixa exclusiva e segregada em todo o seu percurso Foto: Hedelson Alves Especial DP/D.A.Press

Sem faixa segregada ao longo do seu percurso, os ônibus do BRT ficam presos nos congestionamentos e até mesmo nos trechos onde a faixa é exclusiva ocorrem invasões por falta de segregação do espaço. Pelo menos duas estações de BRT (Tacaruna e Prefeitura) tiveram parte do teto danificado por caminhões na faixa destinada ao ônibus. “Não acompanhei as obras, mas isso não é BRT”, ressaltou Jaime Lerner em entrevista durante um seminário de mobilidade promovido, na última quarta-feira, pela Volvo, em Curitiba.

A Cruz Cabugá é um dos trechos mais complicados do Norte/Sul. O corredor tem nova promessa de ser entregue no fim de junho. Ainda faltam seis estações e o terminal de integração de Abreu e Lima. A operação chegou a Igarassu no sábado.

Já o Leste/Oeste não tem nem previsão de ficar pronto. Faltam os terminais da 2ª e 3ª perimetrais e das estações de Camaragibe e Conde da Boa Vista. Também não há faixa exclusiva em Camaragibe e alguns trechos da área central da cidade. “O sistema perdeu o R de rápido. Sem segregação não há confiabilidade. Ele precisa ser concluído”, apontou o professor da UFPE Leonardo Meira.

O gerente de operações do Grande Recife Consórcio de Transporte Metropolitano, André Melibeu, reconhece as dificuldades operacionais. “Enquanto o corredor de ônibus não estiver segregado, ele não será um BRT puro. Não sei quando haverá a segregação. Mas o corredor tem que operar como trem sem nada na frente. Mas a obra ainda não está pronta”, afirmou. A Secretaria das Cidades informou que a segregação dos corredores será feita após a conclusão das estações e que o projeto da circulação com intervenções necessárias depende de aprovação da CTTU. As obras foram iniciadas em 2012.

Saiba mais

As premissas básicas do BRT

Corredor exclusivo e segregado
Estações com pagamento antecipado
- Monitoramento dos ônibus no corredor por um central de controle
- Regularidade das viagens

As nossas premissas

- Corredor com parte da faixa exclusiva na PE-15 (Norte/Sul)
- Corredor com faixa exclusiva na Caxangá (Leste/Oeste)
- Estações com pagamento antecipado
- Ausência de monitoramento dos corredores
- Sem previsão de regularidade das viagens

Operação atual dos corredores

Norte/Sul
De 5 a 10 minutos de intervalo
Velocidade média de 16km/h

Leste/Norte
De 6 a 10 minutos de intervalo
Velocidade média de 20km/h

Projetado para o Norte/Sul

- 180 mil é a demanda estimada
- 26 estações previstas
- 15 em operação
- 6 sem operação
- 5 pendentes

Oito pessoas por metro quadrado nos ônibus, a rotina de todos os dias

Rotina de passageiros e a dificuldade em conseguir espaço no ônibus do Recife. Foto Annaclarice Almeida DP/D.A.Press

Rotina de passageiros e a dificuldade em conseguir espaço nos ônibus do Recife. Foto Annaclarice Almeida DP/D.A.Press

 

A qualidade no transporte público vai além das faixas exclusivas e do ar-condicionado nos coletivos. O serviço também é medido pela forma como ele é prestado antes mesmo de se colocar o pé no degrau do ônibus. E enquanto os passageiros tiverem que disputar à força uma chance para entrar no veículo e se acomodar em um local sem correr o risco de cair, qualquer outro discurso vai parecer menor. Segundo dados da Associação Nacional de Transporte Urbano (NTU), nos horários de pico, o metro quadrado do ônibus chega a ter oito pessoas. O dobro de uma situação considerada ideal.

De 2012 a 2014, o transporte público na Região Metropolitana do Recife sofreu uma perda de 5% no número de passageiros para outros modais. E a tendência é que essa perda fique ainda maior. “Para mim é um sofrimento subir no ônibus. Na maioria das vezes, deixo passar de três a quatro ônibus para ter coragem de subir porque tem muita gente e tenho medo de cair”, afirmou Maria de Lourdes Barbosa, 70 anos, que havia acabado de deixar um ônibus passar.

A universitária Camila Mirele, que morreu após cair de um ônibus em movimento da Linha Barro/Macaxeira, na BR-101, na noite da sexta-feira, fazia parte de um contingente formado por 80% dos usuários do sistema de transporte público, que andam de ônibus.

“A qualidade do transporte passa, necessariamente, pelas faixas exclusivas. Mas do ponto de vista de segurança, o ônibus é o mais seguro dos modais. De mais de 40 mil mortos no trânsito, em 2011, tivemos 248 óbitos em todo país envolvendo ônibus”, pondera o presidente da Associação Nacional de Transporte Urbano (NTU), Otávio Cunha.

Para quem assiste aos ônibus trafegarem de portas abertas, a sensação de insegurança pode ser maior do que é medida nas estatísticas. Mas há outra razão para se preocupar. Segundo o diretor de operações do Grande Recife, André Melibeu, o sistema existente nos ônibus para evitar que as portas sejam abertas com o veículo em movimento tem uma brecha. “Ele permite a abertura com velocidade igual ou menor do que 5km/h. Ou seja com o ônibus praticamente parado, mas pode abrir.”

Licitação
A segunda etapa da licitação do transporte na RMR para os lotes 3,4,5, 6 e 7 está em fase de assinatura de contrato. A primeira previa ar-condicionado em toda a frota. A segunda limitou o item para os ônibus do Sistema Estrutural Integrado (SEI). Atualmente 120 BRTs circulam com ar-condicionado e 36 convencionais terão ar-condicionado no próximo mês.

“Temos 230 novos ônibus no sistema. Até o fim do ano, teremos mais 200. A idade da frota passará de 4,5 para 3,5”, revelou o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros (Urbana-PE), Fernando Bandeira.
A roda do transporte público

Ônibus transporta maior demanda entre os modais
40 milhões de pessoas são transportadas de ônibus por dia no país
2 milhões de passageiros são transportados por dia na RMR
2,9 mil ônibus circulam na RMR
13 operadoras atuam na RMR

Ocupação dos ônibus por metro quadrado
4 pessoas por metro quadrado é a situação ideal
6 pessoas por metro quadrado já é uma situação de desconforto
8 pessoas por metro quadrado é ocupação registrada nos horários de pico

Transporte por ônibus
80 passageiros no ônibus convencional
120 passageiros no ônibus articulado

Linha de maior demanda na RMR
PE-15/Afogados
18,4 mil passageiros por dia
231 viagens
33 ônibus

Linha de menor demanda
Jardim/Beira Rio
172 passageiros por dia
14 viagens
1 ônibus

Viajar de ônibus é seguro?
43 mil pessoas morreram no trânsito em 2011
11,8 mil pedestres
14,6 mil motociclistas
12,4 mil em acidentes de automóveç
248 mortes em acidentes de ônibus (0,6% das mortes)

Fontes: Grande Recife Consórcio, Urbana-PE e NTU (Associação Nacional de Transporte Urbano)

Mudança em turnos de trabalho para melhorar a mobilidade das cidades

 

 

congestionamentos

A proposta de uma possível mudança nos horários de funcionamento dos órgãos públicos e do segmento privado em Manaus, para que não haja conflito no fluxo de veículos, principalmente, em horários de pico, foi unânime entre os participantes de uma audiência pública.

O autor da audiência, vereador Mário Frota (PSDB), garantiu que vai apresentar uma indicação da sugestão à Mesa Diretora da Casa Legislativa, e encaminhar ao prefeito Arthur Virgílio Neto (PSDB), assim que seja aprovada no plenário. Mário Frota vê a necessidade que o tema seja discutido com todos os interessados em uma sessão comum na Casa, com a presença de todos os parlamentares. Ele garantiu que na próxima semana encaminhará ao prefeito uma indicação com a proposta de mudança dos horários de funcionamento dos órgãos públicos, setor privado, comércio e escolas, como forma de melhorar o fluxo dos veículos na cidade.

De acordo com Frota, a nova proposta de horários de funcionamento foi debatida entre os participantes da audiência. “Sou plenamente a favor da mudança. Nesse primeiro momento, essa seria a solução, mas independentemente disso, é preciso realizar outras reuniões com outros atores”, disse o vereador.

A audiência pública contou com a participação do diretor-presidente do Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito, Paulo Henrique Martins, Ismael Bichara Filho da Associação Comercial do Amazonas (ACA), Francisco Feitosa da Federação das Empresas do Comercio de Manaus (Fecomercio), do presidente do Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE/AM), Josué Filho, do representante da Federação dos Trabalhadores do Comercio e Turismo do Amazonas e dos vereadores Rosivaldo Cordovil (PTN) e Joelson Silva (PHS) e demais convidados.

Para Josué Filho, ter horários alternativos nos setores privados e órgãos governamentais é a saída para desafogar o trânsito. “O problema é que Manaus habituou-se a uma consciência de província, e de repente a população foi chocada com uma metrópole. Para que isso (mudanças) ocorra, a população tem que mudar de hábito. Que horas eu acordo e que horas vou dormir. Temos que ver que horas o comércio quer abrir. É uma decisão dura, que no momento vai receber várias críticas, mas que poderá ser a saída”, completou o presidente do TCE.

Estudo

Na avaliação do diretor-presidente do Manaustrans, Paulo Henrique, a mudança no horário de funcionamento tanto do comércio quanto das demais áreas é uma alternativa viável. “Esse é um assunto que já estamos trabalhando com levantamentos de dados, e é importante que a população e os órgãos interessados discutam o assunto, visto que hoje se torna um debate público”, ressaltou o diretor.

Paulo Henrique afirmou, ainda, que o prefeito tem interesse que a Manaustrans faça um estudo técnico e demonstre a viabilidade e a inviabilidade dos diferentes setores. “Vamos aprofundar os nossos trabalhos para termos um diagnóstico do que vai acontecer com a modificação dos horários envolvendo todos os setores, e grande parte desse estudo já está dentro do Plano de Mobilidade Urbana”, completou Paulo Henrique, ao acrescentar que a provável mudança pode ocorrer, visto que, já é realidade em outras capitais.

Segmento comercial aprova

O representante da Associação Comercial do Amazonas, Ismael Bichara, disse que, além da proposta de mudança dos horários, outra alternativa para a melhoria da mobilidade urbana seria a abertura do Centro da cidade em horário alternativo de 9h às 19h. A alternância do horário do comércio já foi bastante discutida na entidade. Porém, para que isso aconteça, é preciso melhorar a segurança, iluminação e a mobilidade da população, como pontuou Ismael Bichara.

“Acreditamos que com isso a gente consiga desafogar substancialmente a área Central, porque o grande fluxo é em direção ao Centro da cidade”, disse Bichara, ao elogiar o empenho do prefeito Arthur Neto em criar alternativas para a mobilidade urbana. “Estamos agora com o Zona Azul, que possivelmente vai ser aprovado pelo prefeito, a revitalização das fachadas. Pretendemos melhorar o aspecto do Centro em questão de limpeza, inclusive com separação do lixo, para se transformar num local mais atrativo.”, observou.

Nem choro, nem vela com paralisação de obras do corredor Leste/Oeste do Recife

Estação de BRT do corredor Leste/Oeste com obras paradas na Benfica Foto: Gustavo Glória Especial DP/D.A.Press

Estação de BRT do corredor Leste/Oeste com obras paradas na Benfica Foto: Gustavo Glória Especial DP/D.A.Press

O que parecia uma chance de finalmente termos corredores de transporte de massa com qualidade na Região Metropolitana do Recife, vem se transformando em pesadelo. Nem no prazo, nem com qualidade como chegou a afirmar o então governador Eduardo Campos, em sua última entrevista de fim de ano, antes de entregar o governo para se candidatar à presidência. Ele não poderia imaginar o que o destino lhe tinha reservado. Mas do ponto de vista das obras, os constantes atrasos já davam sinais de que as obras de mobilidade iriam emperrar no meio do caminho.

E elas emperraram não apenas na falta de recursos, mas também na mudança do que era esperado dos projetos. O pavimento por onde deveria circular o BRT, por exemplo, deveria ter sido todo refeito e com dimensões diferenciadas do asfalto comum, em razão do peso do veículo articulado. Mas olhando para o resultado do que já foi feito, esse detalhe não passa de uma uma lenda. Assim como a requalificação da PE-15.

Também vem se tornando lenda a construção das estações de BRT de Camaragibe, da Avenida Conde da Boa Vista (mesmo que as improvisadas sejam concluídas como definitivas), da ampliação do Terminal de Camaragibe e as obras dos dois terminais da 2ª e 3ª perimetrais. Tudo parece um grande faz de conta. Talvez hoje, seja mais fácil dizer que as empresas do consórcio perderam a condição de tocar a obra em razão das irregularidades na Petrobras. Mas o prazo que essas obras deveriam ter sido entregues era muito anterior ao caso Petrolão.

Ainda quando o então secretário das Cidades, Danilo Cabral, respondia pela pasta, garantiu inúmeras vezes a entrega dos corredores até dezembro de 2013. Somente no fim de 2013, ele admitiu que o prazo se estenderia para março de 2014 em razão do Túnel da Abolição. O túnel foi entregue somente no mês passado, mais de um ano depois, e como já dissemos, encolhido meio metro.E o Leste/Oeste ainda se arrasta.

Sempre estivemos longe de alcançar a eficiência na qualidade das obras e agora estamos sem perspectiva de prazo. Nem uma coisa, nem outra. O ex-governador Eduardo Campos também não imaginou que a principal obra de mobilidade do seu governo – os dois corredores de BRT -  tivesse um caminho tão diferente do que ele sonhou que teria. Ou do que nós sonhamos.

Abaixo a matéria com o secretário executivo de Mobilidade da Secretaria das Cidades, Marcelo Bruto ao comunicar a suspensão das obras do Leste/Oeste. Leia abaixo a matéria publicada na edição do Diario de Pernambuco:

=======

O secretário-executivo de Mobilidade da Secretaria das Cidades de Pernambuco, Marcelo Bruto, confirmou que o estado não renovará o contrato com o Consórcio Mendes Júnior – Servix Engenharia S/A, responsável pelas obras do Corredor Leste/Oeste. No fim da noite, o secretário das Cidades, André de Paula, disse que foram feitos todos os esforços para a conclusão pelo consórcio, mas ficou evidente que isso não é possível. Com isso, as obras deverão sofrer novo atraso, já que um processo licitatório será aberto para escolher a nova empresa.

Para justificar a decisão, o secretário citou a desistência pela Mendes Júnior do contrato de manutenção e recuperação da BR-101 e destacou a dificuldade da entrega do Túnel da Abolição, que integra o Corredor Leste-Oeste. No caso da BR-101, disse, a conclusão do contrato foi oferecida à segunda colocada, a Ferreira Guedes, que declinou do convite nas condições propostas pela Mendes Júnior. André de Paula salienta que foram estudadas alternativas, mas concluiu de forma taxativa, que “esgotaram-se as possibilidades”.

Terminal da 3ª Perimetral em obras Foto: Gustavo Glória Especial DP/D.A.Press

Terminal da 3ª Perimetral em obras Foto: Gustavo Glória Especial DP/D.A.Press

Uma das promessas para a Copa do Mundo, o Corredor Leste/Oeste está com obras paradas há mais de cinco meses. Os BRTs (do inglês (“Bus Rapid Transport”) que já estão em operação transportam 38,5 mil passageiros/dia. Paralelamente, 30 linhas convencionais que perderam os corredores exclusivos disputam espaço com carros, caminhões, motocicletas, carroças e bicicletas, conduzindo 150 mil passageiros diariamente. Das 26 estações previstas para o corredor, quatro ainda não construídas são justamente as do extremo Oeste, em Camaragibe. Outras seis ainda não concluídas se localizam na Avenida Conde da Boa Vista.

Segundo dados da Secretaria das Cidades (Secid), dos R$ 168,7 milhões orçados para o Leste/Oeste foram investidos R$ 136 milhões que equivalem aos aproximadamente 80% das obras concluídas

BR-232 na mira para pedágio

BR-232 será recuperada entre Recife e Caruaru e poderá depois ser pedagiada Foto ; Blensa Souto Maior DP/D.A.Press

BR-232 será recuperada entre Recife e Caruaru e poderá depois ser pedagiada Foto : Blenda Souto Maior DP/D.A.Press

Dezessete anos depois do início das obras de duplicação da BR-232, que ficou pronta em 2002, mas nunca foi inaugurada, oficialmente, a rodovia será praticamente refeita, a partir do próximo ano. A estimativa da Secretaria de Transportes é que a nova BR-232 seja orçada em cerca de R$ 400 milhões, mesmo valor gasto na duplicação. As obras estão previstas para começar em 2016 e serão divididas em dois lotes.

A estratégia da Secretaria de Transportes é de salvar a rodovia, mesmo que para isso seja instalado um pedágio após sua recuperação. No Nordeste, apenas a Bahia tem pedágio em rodovia federal. Em todo o país são oito estados com um total de 28 pedágios.
O pedágio na BR-232 é defendido pelo secretário da pasta Sebastião Oliveira.

Segundo ele, não adianta recuperar a rodovia e não ter uma manutenção que garanta a qualidade da via de forma permanente. “Essa é uma decisão que cabe ao governador, mas eu particularmente defendo o pedágio para que qualidade seja mantida no caso de não haver caixa suficiente para a manutenção”, afirmou.

A empresa Projetec foi contratada para fazer a elaboração do projeto de restauração da rodovia. O trecho contemplado vai do entroncamento da BR 408, nas imediações do Curado, até o entroncamento da BR 104, em Caruaru. A intervenção inclui a restauração do pavimento e implantação do sistema de drenagem, que não foi contemplado no projeto anterior.

“Há uma pendência judicial entre o consórcio das empresas, responsável pela duplicação, e o estado em razão da falta de drenagem na obra, que foi a causa do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte não ter recebido a obra”, detalhou Sebastião Oliveira.

Ainda segundo o secretário, o estado também não recebeu a obra das empresas. “Não foi assinado o termo de recebimento, mas nem por isso iremos deixar a rodovia se acabar. Não queremos ser conhecidos por termos destruído a BR-232, mas sim por salvá-la”, sentenciou. O projeto de restauração, que custou R$ 4,6 milhões tem previsão de ser entregue em novembro deste ano.

Saiba Mais

Os pedágios em rodovias federais:
8 estados e 28 pedágios
Minas Gerais:
BR 040 – 3 pedágios ao longo da rodovia
Paraná
BR 116 – 5 pedágios ao longo da rodovia federal
Santa Catarina
BR 116 – 5 pedágios ao longo da via
Rio Grande do Sul
BR 290 -  2 pedágios ao longo da rodovia
Rio de Janeiro
BR 393-  3 pedágios ao longo da rodovia
Espírito Santo
BR-101 – 7 pedágios ao longo da rodovia federal
Bahia
BR 324 – 2 pedágios
Mato Grosso do Sul
BR 262 – 1 pedágio na rodovia
- São Paulo tem 13 pedágios em rodovias estaduais
- Pernambuco tem 2 pedágios: PE-09 e Via Parque

Principais problemas da BR-232
- Falta de drenagem
- Buracos ao longo da via
- Ondulações na pista
- Sinalização precária
- Acostamento em péssimas condições

A BR-232 em números:
552 quilômetros de extensão de Recife a Salgueiro
63 mil veículo é a média diária que circula pela rodovia
R$ 400 milhões é a estimativa para recuperar os dois lotes
R$ 460 milhões foi o valor gasto na duplicação entre 1998 e 2002
R$ 4,6 milhões é o custo do projeto de requalificação

A execução da obra foi dividida em dois lotes:
Lote 1 – Do entrocamento da BR-408 (Curado) até a entrada de Chã Grande
Lote 2 – De Chã Grande até o entrocamento da BR-104, em Caruaru
2016 é a previsão do início das obras do lote 1

Fonte: Setra e o site estradas.com.br

Túnel da Abolição do Recife encolheu meio metro na execução da obra

Túnel da Abolição por onde irá passar a 2ª Perimetral deveria ter três faixas. Foto : Guilherme Veríssimo DP/D.A.Press

Túnel da Abolição por onde irá passar a 2ª Perimetral deveria ter três faixas. Foto : Guilherme Veríssimo DP/D.A.Press

O Túnel da Abolição encolheu meio metro entre o desenho e a execução. O equipamento previa três faixas de rolamento, sendo uma delas para o transporte público. E, para isso, deveria ter no mínimo 8,90 de largura, mas ficou com apenas 8,40, inviabilizando a terceira via. A redução trará impacto direto em outro projeto: a implantação do corredor de tráfego da 2ª Perimetral que passará pelo túnel, conforme  recomendação do Plano Diretor de Transporte Urbano (PDTU) de 2008.  Com uma faixa a menos o corredor sofrerá um gargalo dentro do túnel. Os estudos apontam uma estimativa de 8 mil veículos por hora nas duas faixas de tráfego misto.

A mudança no projeto, ainda não vista como erro pela  Secretaria das Cidades, ocorreu a partir de uma orientação do órgão de trânsito municipal. De acordo com o secretário executivo de Mobilidade Urbana, Marcelo Bruto antes de decidir colocar duas faixas a secretaria recebeu o aval da Companhia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU). “A definição de duas faixas foi feita a partir das orientações do órgão de trânsito que é a autoridade municipal nas decisões do trânsito da cidade”, justificou.

A baia (recuo) para a parada do ônibus ainda não foi ativada. Quinze linhas passam pelo túnel. Foto: Guilherme Veríssimo DP/D.A.Press

A baia (recuo) para a parada do ônibus ainda não foi ativada. Quinze linhas passam pelo túnel. Foto: Guilherme Veríssimo DP/D.A.Press

A CTTU foi convidada a visitar a obra três meses antes dela ser aberta ao tráfego. Em nota, a CTTU explicou que de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) a faixa do ônibus deve ter uma largura mínima de 3,5 metros e de 2,7 metros para os veículos de passeio.  Pelas dimensões do túnel, a implantação de três faixas seria tecnicamente inviável e poderia, inclusive, gerar o atrito dos veículos com a parede do equipamento, colocando em risco a segurança viária. Ou seja, a largura mínima teria que ser de 8,9 metros de largura, isso sem contar a possibilidade futura de uma ciclofaixa.

Para o professor do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Maurício Andrade, os projetos da 2ª e 3ª perimetrais da cidade, que nunca saíram do papel, têm mais de 30 anos e vem sendo reeditados em todos planos diretores de transporte e confirmados no último de 2008. “O traçado não é pensado de forma aleatória. Muita gente trabalhou em estudos e simulações. O PDTU fez a previsão de três faixas e fez o carregamento da necessidade de três faixas. Com duas não resolve. Mesmo que o tráfego hoje não seja muito intenso, mas o planejamento foi feito”, ressaltou.

Desenho do projeto do túnel continha três faixas, sendo uma para o corredor de ônibus

Desenho do projeto do túnel continha três faixas, sendo uma para o corredor de ônibus

No projeto original das três faixas, o corredor de transporte fica no lado direito da pista com uma baia para a parada de ônibus. A baia (recuo) para o ônibus foi feito, mas como só há duas faixas, o ônibus terá dificuldades em retornar à faixa em razão do tráfego intenso. De acordo com o Grande Recife Consórcio de Transporte Metropolitano 15 linhas de ônibus passam pelo túnel desde a sua inauguração, mas nenhuma está utilizando a parada de ônibus do túnel. E não há previsão de quando a parada será ativada.

2ª Perimetral têm início em Olinda e passará pelo túnel. O projeto contempla um corredor exclusivo de ônibus. Foto Paulo Paiva DP/D.A.Press

2ª Perimetral tem início em Olinda e passará pelo túnel. O projeto contempla um corredor exclusivo de ônibus. Foto Paulo Paiva DP/D.A.Press

Perimetrais na gaveta há 30 anos

As obras da 2ª e 3ª perimetrais serão executadas pela Prefeitura do Recife. No caso da 2ª perimetral, o projeto contempla a requalificação viária  para implantação de um corredor exclusivo de ônibus para todo o trajeto. Com a redução de uma das faixas no Túnel da Abolição, o corredor não será mais todo exclusivo. A perimetral terá 9,4 quilômetros de extensão e irá atravessar 12 bairros do Recife de Norte a Sul.

No sentido Norte/Sul ela começa em Olinda, depois passa pelas avenidas Cidade Monteiro,  Beberibe, Estrada Velha de Água Fria, Rua Cônego Barata, Rua Pe. Roma, Rua Sebastião Malta Arcoverde, Rua João Tude de Melo, Ponte Viaduto da Torre – Parnamirim, Rua José Bonifácio, Rua Professor Trajano de Mendonça, Rua Real da Torre (onde está o túnel), Rua João Ivo da Silva, Rua Cosme Viana, Rua Santos Araújo, Rua Quitério Inácio de Melo, Rua Augusto Calheiros e Ponte Gilberto Freyre.

A ideia é que a 2ª perimetral faça ligação no futuro com a Via Metropolitana Norte, que nascerá em Paulista, passará por Olinda e irá se encontrar a perimetral por meio de um viaduto desenhado sobre o Terminal da PE-15. A obra da Via Metropolitana Norte já foi iniciada, mas ainda não há previsão de quando a 2ª Perimetral sairá do papel. Ela está entre as obras contempladas com os recursos do PAC de Mobilidade. No final do ano passado, a Caixa Econômica Federal liberou recursos para elaboração dos projetos executivos da 2ª e 3ª perimetrais, além da Radial Sul.

Saiba Mais

O que estava previsto e o que foi feito
R$ 17 milhões é o custo da obra do túnel
287 metros de extensão
8 mil veículos por hora é a previsão do tráfego
8,4 metros é a largura do túnel construído
8,9 metros era a largura mínima para três faixas

Túnel projetado
3 faixas de tráfego
1 transporte público
2 para o tráfego misto
1 parada de ônibus (baia) dentro do túnel

Túnel construído
2 faixas para o tráfego misto
1 parada de ônibus (baia) dentro do túnel

Linha do tempo
2008 – Túnel já era previsto pelo Plano Diretor de Transporte Urbano (PDTU)
2013 – Início das obras do Túnel
2014 – Março era a previsão de entrega da obra
2015 – Fevereiro de 2015 a CTTU foi chamada para dar um parecer técnico do túnel
2015 – Abril houve a abertura do túnel para o tráfego

Fonte: CTTU e Secretaria das Cidades

Pedestres sem vez na Avenida Cruz Cabugá, corredor do BRT no Recife

Ser pedestre na Avenida Cruz Cabugá não exige apenas disposição para superar a ausência de passeios seguros, mas também um pouco de sorte. Até mesmo para quem não vai atravessar a via de um lado para outro, mas deseja apenas caminhar no sentido do fluxo.

Falta calçada na Avenida Cruz Cabugá ao lado de uma das estações de BRT. Foto: Guilherme Veríssimo DP/D.A.Press

Falta calçada na Avenida Cruz Cabugá ao lado de uma das estações de BRT. Foto: Guilherme Veríssimo DP/D.A.Press

Um trecho complicado para quem anda a pé fica entre a Avenida Norte e a Rua Araripina, entre três quarteirões e quase um quilômetro de extensão. A opção de acessibilidade é zero e os pedestres enfrentam riscos por serem obrigados a caminhar na pista em um dos principais corredores de tráfego da Zona Norte e por onde passa o corredor Norte/Sul.

Há pelo menos duas situações que são emblemáticas e que tiveram ações diretas do poder público para resolver questões pontuais sem levar em conta as necessidades de deslocamento do pedestre. Em um dos pontos, nas imediações faixa de pedestre da estação do BRT na esquina da Rua Araripina, em um dos lados não existe calçada e o percurso é feito entre um trecho de areia da obra inacabada da Secretaria das Cidades, ou pela pista mesmo.

De acordo com o secretário executivo da pasta, Gustavo Gurgel , a calçada que falta será feita entre o fim de maio e começo de junho. “Teremos a calçada pronta quando a estação começar a funcionar”, afirmou. Até lá, fica como está.Para quem continua o percurso no sentido da Avenida Norte, ou faz o caminho inverso, irá se deparar também com outra situação. Dessa vez, entre a Rua 24 de agosto e a Avenida Norte, cujo quarteirão teve toda a calçada interditada em razão de risco de desabamento de uma marquise.

A ação foi feita por recomendação da Defesa Civil do município. Em nota, a Secretaria de Controle Urbano e Mobilidade justifica a interdição para evitar risco para pedestre. Só não oferece alternativa de separar parte da pista para quem faz a caminhada seguindo a sua linha de desejo.“É bastante complicado andar por aqui. A gente tem que olhar se vem carro e dar uma carreira para não ser atropelado”, Berenice Pereira, 30 anos, operadora de telemarketing

Pedestres se arriscam pela pista na Avenida Cruz Cabugá. Um quarteirão foi interditado por causa da ameaça de desabamento de uma marquise. E as pessoas não tem por onde passar. Foto: Guilherme Veríssmo DP/D.A.Press

Pedestres se arriscam pela pista na Avenida Cruz Cabugá. Um quarteirão foi interditado por causa da ameaça de desabamento de uma marquise. Foto: Guilherme Veríssmo DP/D.A.Press

Sem opção, o pedestre se arrisca entre os veículos. E para piorar o trecho interditado da marquise é uma parada de ônibus e os usuários são obrigados a seguir pela pista. “A gente pode se livrar da marquise, mas pode ser atropelado por um ônibus”, criticou a supervisora Michele Silva, 24 anos. Ainda segundo a assessoria, o pedestre tem a opção de atravessar para o outro lado da pista e seguir pela calçada oposta. Simples assim.

Saiba Mais

Perfil da Avenida Cruz Cabugá
- 22 mil veiculos circulam pela via
- 240 mil pessoas transportadas
- 58 linhas passam pela via
- 6 estações de BRT do corredor Norte/Sul
- 4  estações de BRT estão em operação

Fonte: CTTU e Grande Recife

Faixa, o solo sagrado do pedestre

 

Faixa de pedestre no Centro do Recife. Foto - Guilherme Veríssimo DP/D.A.Press

Faixa de pedestre no Centro do Recife. Foto – Guilherme Veríssimo DP/D.A.Press

Em dez anos de atuação, o departamento de educação para o trânsito da Companhia de Trânsito e Transporte Urbano do Recife (CTTU), que conta com seis pessoas para pensar as estratégias das campanhas educacionais para uma cidade com 1,5 milhão de pessoas, não conseguiu avançar em um ponto crucial: convencer o pedestre de que ele é a parte mais frágil do trânsito e de que a faixa é o lugar mais seguro.

Das seis mil faixas do Recife, quase metade dispõe de semáforo. A outra metade depende de uma combinação de prudência e respeito entre motoristas e pedestres. À frente do departamento, desde que a CTTU foi fundada, o pedagogo Francisco Irineu costuma dizer que o maior inimigo do pedestre é ele mesmo. Há cinco anos, o departamento ganhou a colaboração da trupe de arte-educadores. Eles são  chamados para eventos como semana do trânsito e volta às aulas.

O personagem faixa amiga é um dos trunfos para fazer o pedestre aprender a ter outros olhos para a faixa. Mas a educação tem que ser permanente. “A educação tem que fazer parte do dia a dia. As pessoas precisam ficar cientes da responsabilidade com a vida delas”, ressaltou Francisco Irineu.

Mesmo com as dificuldades, ele diz que já houve alguns avanços como a faixa de pedestre do Shopping Plaza e a do Marco Zero. “A faixa de pedestre do Marco Zero, nem sempre tem um orientador e já presenciei os motoristas parando para dar a vez ao pedestre, mas ainda não são todos”, admitiu.

Na faixa de pedestre do Marzo Zero, o orientador de tráfego ajudou na travessia, mas houve pedestre que  não teve paciência de esperar. Nem todos são imprudentes. A técnica em segurança Elilde dos Santos, 35 anos, só atravessa quando se sente segura. “ Os motoristas param quando tem um grupo grande, mas quando tem pouca gente é melhor aguardar ajuda do agente de trânsito ou esperar não vir carro”, disse.

Nos últimos dois anos, a CTTU renovou a pintura de 300 faixas em frente às escolas. Segundo a assessoria de imprensa não planos, por enquanto, de implantar novas faixas na cidade. A meta é cuidar da manutenção e sinalização viária das faixas existentes.

Saiba Mais

O caminho e os desafios do pedestre
1,5 milhão é a população do Recife
664 mil é a frota da capital
1 milhão de veículos circulam pela cidade
6 mil faixas de pedestre existem no Recife
2,6 mil faixas em média dispõem de semáforos
653 semáforos estão distribuídos nos cruzamentos da cidade
1 semáforo tem de duas a quatro faixas
3,4 mil faixas em média não têm sinalização eletrônica

Fonte: CTTU e Detran

Orla de Olinda terá trânsito no sentido único Norte/Sul e sem os bloqueios

 

 

Bloqueios serão removidos da orla de Olinda que terá sentido único Norte/Sul Foto Aline Soares Especial DP/D.A.Press

Bloqueios serão removidos da orla de Olinda que terá sentido único Norte/Sul Foto Aline Soares Especial DP/D.A.Press

Depois de seis anos em obras, a urbanização de sete quilômetros da orla de Olinda, a um custo de R$ 23 milhões, incluindo as obras de contenção do mar no trecho entre Bairro Novo e Rio Doce, será entregue em maio. A conclusão das obras também significará mudança no trânsito em toda a beira-mar da Avenida Marcos Freyre. A Secretaria de Transporte e Trânsito de Olinda definiu um único sentido para via de Norte a Sul.

Na Beira-mar de Olinda, o trecho de Casa Caiada ainda é mão-dupla Foto- Aline Soares Especial DP/D.A.Press

Na Beira-mar de Olinda, o trecho de Casa Caiada ainda é mão-dupla Foto- Aline Soares Especial DP/D.A.Press

As sinalizações horizontais e verticais já estão sendo instaladas. No trecho novo também serão implantadas quatro lombadas eletrônicas com velocidade de até 40km/h. Para abrir a via de ponta a ponta os dois atuais bloqueios feitos com gelo-baiano nas imediações das ruas Tertuliano Francisco e Manoel dos Santos Moreira serão removidos. “Nós vamos fazer a retirada dos bloqueios em uma segunda etapa. O primeiro passo será educar os motoristas com a via em sentido único”, revelou o secretário de Transporte e Trânsito, Oswaldo Lima Neto.

Cerca de 300 metros no trecho de Rio Doce ainda está em obras. A previsão de conclusão é maio Foto Aline Soares Especial DP/D.A.Press

Cerca de 300 metros no trecho de Rio Doce ainda está em obras. A previsão de conclusão é maio Foto Aline Soares Especial DP/D.A.Press

Ainda segundo o secretário, logo que a sinalização da via estiver concluída, a mudança no trânsito passará a valer. No trecho de Casa Caiada, parte da sinalização já foi implantada, mas os motoristas continuam a usar a via como mão-dupla. Também no mesmo bairro, onde há um dos bloqueios, a via é usada principalmente para estacionamento dos moradores dos prédios. “A gente sabe que algumas pessoas não vão gostar das mudanças, mas iremos manter um sentido único do tráfego da entrada do Bairro Novo até a entrada do Janga”, afirmou Oswaldo Lima Neto.

Parte da ciclovia  em Casa Caiada estava sendo pintada ontem. Já no trecho de Rio Doce, onde antes parecia improvável passar uma via no local, em razão do avanço do mar, hoje já se observa o contorno da pista e do calçadão. “Uma das razões para a demora na entrega da obra foi fazer a contenção do avanço do mar, que é a parte mais significativa da obra, sem ela a urbanização não seria possível”, ressaltou a secretária de Obras de Olinda, Hilda Gomes.

Um trecho de 300 metros na praia de Rio Doce até o início do Janga falta ser concluído. As obras que estão em ritmo acelerado incluem pavimentação da pista, calçadão, bancos, cinco quiosques e a pintura da ciclofaixa. Em sua casa de frente para a orla, a aposentada Maria Lourenço da Silva, 65 anos, comemora. “Antes a rua da gente mal dava para passar uma pessoa. E agora temos uma via passando na frente de casa e um calçadão para caminhar”, contou.