Plano de Mobilidade do Recife terá regras para estacionamentos privados

 

Estacionamentos privados terão novas regras em 2016 Foto Guilherme Veríssimo DP/D.A.Press

Estacionamentos privados terão novas regras em 2016 na capital pernambucano -  Foto Guilherme Veríssimo DP/D.A.Press

Até 2012, a Prefeitura do Recife havia concedido 314 alvarás para estacionamentos particulares. Em três anos, os números não foram atualizados. Mas é um negócio que cresce a olhos vistos, regulares ou não, eles estão em qualquer esquina. Mas essa lógica pode mudar. As regras de estacionamento particulares vão fazer parte de uma política pública. De acordo com o Instituto da Cidade Pelópidas da Silveira, o estudo que será incluído no Plano de Mobilidade do Recife a ser entregue em maio de 2016 e trará regras para instalação dos estacionamentos, que afetam diretamente a circulação viária.

A mudança na política da implantação desses equipamentos já é uma tendência adotada em outros países. Os urbanistas partem de um pressuposto básico: o carro vai onde há espaço para estacionar. Dessa forma, não há como pensar em reduzir ou redirecionar o tráfego com estacionamentos em qualquer esquina. O professor de planejamento e transporte urbano da Universidade de Yokohama, no Japão, Fumihiko Nakamura é um dos defensores. “Os estacionamentos são de extrema importância na utilização da terra e é exatamente por isso, que precisam ser definidos pelo poder público e não pelo privado”, destacou.

O pensamento do professor é compartilhado pelo atual secretário executivo de planejamento de território do Instituto da Cidade Pelópidas da Silveira, Sidney Schreiner, que fez escola no Japão, onde estudou por nove anos, e é um dos discípulos de Nakamura. “Nós estamos desenvolvendo essa linha de pensamento para o plano de mobilidade. Nós precisamos usar o número de vagas a serem disponilizadas como forma de coibir a circulação em certas áreas da cidade”, apontou Schreiner.

O município além de não dispor de informações dos estacionamentos regularizados não tem controle dos clandestinos. O empresário Cristóvão Pedrosa da Fonseca Filho, 51 anos, herdou do pai um terreno de dois mil metros quadrados com entrada para as ruas da Concórdia e Floriano Peixoto, no São José. “Nós pagamos impostos, mas qualquer terreno hoje serve de estacionamento”,disse

O futuro que não saiu do papel na mobilidade do Grande Recife

 

Cidade da Copa só ficou na maquete crédito: Arena/reprodução

Cidade da Copa só ficou na maquete
crédito: Arena/reprodução

Nem tudo o que é desenhado vira obra. Na última década, o recifense esperou e acreditou em uma nova cidade, de mais espaços de convivência e melhores condições de deslocamentos. O anúncio da capital pernambucana como subsede da Copa encheu de expectativas de novas possibilidades em infraestrutura, principalmente na área de mobilidade.

Da ilusão da implantação do monotrilho ou do Veículo Leve sob Trilho (VLT) à realidade do BRT (Transporte Rápido por Ônibus) ainda incompleto vimos a cidade do futuro em forma de maquetes e acordamos com a realidade das obras inacabadas na segunda metade da década de 2010.

Projeto dos viadutos na Agamenon foi abortado pelo estado por pressão dos moradores Crédito: Secretaria das Cidades/Divulgação

Projeto dos viadutos na Agamenon foi abortado pelo estado por pressão dos moradores Crédito: Secretaria das Cidades/Divulgação

Também sonhamos com uma nova cidade, a da Copa, idealizada nas imediações da Arena Pernambuco para estimular o desenvolvimento na Zona Oeste, mas isso só ficou na maquete. “A gente esperava que essa região seria mais valorizada com a Arena, mas as pessoas assistem aos jogos e vão embora”, relatou o mecânico Gustavo Xavier, 43, na sua oficina às margens da BR-408.

Requalificação da PE-15 não saiu do papel e não tem previsão de sair. Crédito: Secretaria das idades/reprodução

Requalificação da PE-15 não saiu do papel e não tem previsão de sair. Crédito: Secretaria das Cidades/reprodução

Não foi a primeira vez que a Zona Oeste do Recife ficou no “quase”. No fim da década de 1970, com a construção do Terminal Integrado de Passageiros (TIP), a expectativa era estimular o desenvolvimento local com a implantação de um Centro Administrativo do estado, o projeto desenhado por Oscar Niemeyer no governo de Marco Maciel não saiu do papel. “A proposta era descentralizar e estimular o desenvolvimento, mas depois Marco Maciel foi para o Senado, vice-presidência e o projeto não foi adiante. O cenário seria outro, sem dúvida”, afirmou o arquiteto e urbanista José Luiz da Mota Menezes.

Previsto para ser entregue em 2014, projeto de navegabilidade tem nova previsão em 2017 - crédito: Secretaria das Cidades/Reprodução

Previsto para ser entregue em 2014, projeto de navegabilidade tem nova previsão em 2017 – crédito: Secretaria das Cidades/Reprodução

Com a Cidade da Copa todos os olhares voltaram-se novamente para a Zona Oeste e até um condomínio de luxo se instalou nas imediações. A Cidade da Copa havia sido projetada para ser a primeira Smart City da América Latina a 19 quilômetros do Centro do Recife. A proposta era implantar um modelo de mobilidade urbana com incentivo ao transporte público e criação de faixa exclusiva para ciclistas e pedestres no entorno da Arena. Além de moradias, também prometia faculdades, bancos e hospital. Mas hoje é um grande espaço de nada no entorno da Arena.

O governo do estado acabou concentrando os esforços para viabilizar a construção da Arena e dos corredores de transporte de BRT. A Arena ficou pronta depois de consumir R$ 743 milhões na parceria público-privada. Já os corredores de BRT ainda estão com as obras inacabadas, um ano após a realização do mundial. E deixando de fora pontos previstos no projeto original como a pavimentação nova ao longo dos corredores, faixas segregadas, expansão dos terminais antigos e requalificação da PE-15.

Segundo a Secretaria das Cidades o corredor Norte/Sul será entregue até o fim do ano. O Leste/Oeste está parado e depende de nova licitação. Já a requalificação da PE-15 depende de captação de recursos.

Para o urbanista Geraldo Marinho, as obras incompletas ou modificadas provocam frustração e perda na qualidade dos espaços. “É um desastre, uma vez que o produto esperado  não se concretiza e causa frustração e descrédito do poder público”, apontou.

Uma Agamenon a ser reinventada
Avenida Agamenon Magalhães, perimetral do Recife, travada. Foto: Ricardo Fernandes DP/D.A.Press

Avenida Agamenon Magalhães, perimetral do Recife, travada. Foto: Ricardo Fernandes DP/D.A.Press

Dos espaços idealizados em maquetes, a Avenida Agamenon Magalhães é um dos que mais receberam projetos que não saíram do papel nesta última década. Em 2009, o urbanista Jaime Lerner trouxe para a cidade um desenho futurista de uma Agamenon com um elevado sobre o canal em toda sua trajetória com um espaço segregado para o transporte público.

O projeto, contratado pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros (Urbana-PE), tinha como propósito a implantação do corredor Norte/Sul nos moldes do BRT. Pelo projeto de Lerner, as estações ficariam sobre o canal e sob o elevado e o ônibus não teria nenhum contato com o tráfego misto.

Dois anos depois, o governo do estado apresentou um outro projeto para o corredor Norte/Sul no trecho da Avenida Agamenon Magalhães. O elevado de Jaime Lerner ao longo do canal ficaria de fora e, no lugar dele, quatro viadutos cortando os principais cruzamentos da perimetral.

A proposta do governo era garantir velocidade para o transporte público com uma faixa exclusiva para o BRT ao lado do canal e não mais em cima. Os viadutos acabaram provocando uma forte reação da sociedade e o estado recuou e não levou o projeto adiante.

Para o corredor Norte/Sul foi desenhado um terceiro projeto. Os viadutos saíram, mas a faixa exclusiva ao lado do canal e as estações sobre o canal foram mantidas. O projeto passou a ser chamado de ramal da Agamenon. Ou seja, o corredor Norte/Sul passa pela Avenida Cruz Cabugá, que está em obras, e outro ramal passará pela Agamenon. O projeto era para ficar pronto até a Copa, ainda não saiu do papel. E não há previsão de quando o ramal será construído ou se a Agamenon receberá um quarto projeto ainda nesta década.

Segundo o secretário adjunto da Secretaria das Cidades, Gustavo Gurgel há pendências com o consórcio responsável pela obra, orçada em R$ 96 milhões. “Estão sendo revistas questões contratuais com consórcio Heleno Fonseca/Consben referente a remanescentes do início da obra e adequação ao modelo determinado pelo Tribunal de Contas da União. A empresa alega que a adequação determinada pelo TCU é anterior à assinatura do projeto”, revelou Gurgel. A Secretaria das Cidades decidiu não dar prazo de início das obras na Agamenon. “Não temos como precisar, pois se não houver acordo com a empresa teremos que refazer a licitação”.

Treze painéis com mensagens do trânsito nas ruas do Recife em 2016

Painel de Mensagens Variadas (PMV) em São Paulo. A CTTU tem planos de instalar 13 painéis na capital pernambucana em 2016

Painel de Mensagens Variadas (PMV) no Rio de janeiro. A CTTU tem planos de instalar 13 painéis na capital pernambucana em 2016

A informação é uma aliada fundamental na mobilidade. Mas há situações, onde a ausência dela pode significar o mergulho no caos. Imagine vir de Boa Viagem sentido Centro e na hora de optar entre o Cais Estelita e a Avenida Agamenon Magalhães, você opta pela segunda e mais na frente se surpreende com um caminhão quebrado em cima do viaduto.

A situação não é hipotética, ela já ocorreu inúmeras vezes, mas o motorista só descobre a má escolha depois que não tem como sair dela. Pelo menos até agora.A Companhia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU) está licitando 13 Painéis de Mensagens Variáveis (PMV), que serão distribuídos em pontos estratégicos da cidade a partir de 2016.

Os pontos foram estudados justamente para possibilitar ao condutor mudar a sua direção a tempo. As informações vão incluir a velocidade das faixas em tempo real e os avisos no caso de acidentes ou protestos interrompendo as vias. “Esse tipo de informação dará um salto de qualidade muito grande na mobilidade. A partir das informações as pessoas terão condições de mudar o roteiro com as rotas de fuga”, explicou o gerente de fiscalização da CTTU, Marcos Araújo.

Dos 13 painéis seis serão localizados na Zona Sul, sendo três na Herculano Bandeira, dois na Mascarenhas de Moraes e um na Conselheiro Aguiar. “Foi feito um estudo para instalar nos principais corredores onde há opção do motorista mudar de rota, mas esses locais não são definitivos e podem sofrer alteração a partir de novas necessidades”, explicou o diretor de operações de trânsito da CTTU, Agostinho Maia.

As avenidas Beberibe, Estrada de Água Fria e Abdias de Carvalho também irão receber informações em tempo real da velocidade das faixas. “O motorista vai poder se adequar com as informações da velocidade”, ressaltou Marcos Araújo.

Em São Paulo, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) dispõe de 40 painéis. Em 2011, eram 23 equipamentos. Uma das reclamações mais comuns era a demora na atualização das informações. “Aqui no Recife, nós teremos informações transmitidas imediatamente após um evento que traga prejuízo a fluidez do trânsito”, explicou Marcos Araujo.

Detalhamento da localização dos 13 PMV’s

Avenida Mascarenhas de Moraes
- 1 painel (sentido centro) em frente ao Aeroporto Internacional dos Guararapes
- 1 painel (sentido subúrbio) após a descida da ponte Motocolombó

Avenida Abdias de Carvalho
- 1 painel (sentido centro) após a lombada eletrônica da Av. Eng. Abdias de Carvalho
- 1 painel (sentido subúrbio) em frente ao Sport Club do Recife

Avenida Herculano Bandeira
- 1 painel (sentido subúrbio) Após a descida da ponte Governador Paulo Guerra
- 2 painéis (para atendimento da Domingos Ferreira / sentido subúrbio), sendo um no início da pista leste e outro no início da pista oeste

Avenida Recife
- 1 painel (sentido aeroporto) próximo à entrada de Jardim São Paulo
- 1 painel (sentido Ceasa) após a descida do viaduto Tancredo Neves

Avenida Beberibe
- 1 painel (sentido centro): próximo ao antigo terminal de Beberibe
- 1 painel (sentido subúrbio) próximo ao Mercado da Encruzilhada

Avenida Conselheiro Aguiar
1 painel próximo à pracinha de Boa Viagem

Rua – Estrada Velha de Água Fria
1 painel (sentido aeroporto) início da Estrada Velha de Água Fria, próximo ao DNOCS

Fonte: CTTU

Recife a 11km/h nos horários de pico

 

Recife registra velocidade de 11km/h a 12km/h nos horários de pico. Foto - Júlio Jacobina DP/D.A.Press

Recife registra velocidade de 11km/h a 12km/h nos horários de pico. Foto – Júlio Jacobina DP/D.A.Press

 

Para escapar dos congestionamentos e ter os deslocamentos diários menos sofridos será preciso uma mudança no comportamento do condutor. Um levantamento da Companhia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU) aponta que as cinco vias mais lentas da cidade registram nos horários de pico uma velocidade de 12km/h.

O primeiro horário de pico fica entre 6h30 e 9h. São duas horas e meia de pico no trânsito. Para quem consegue sair 15 minutos antes ou depois desse horário, a velocidade praticamente triplica.

“Nós chegamos a velocidade das carroças e das carruagens e os veículos são feitos para andar até 100km/h”, compara o consultor em educação de trânsito, o engenheiro Carlos Guido.  Entre as cinco vias mais lentas, a Avenida Mascarenhas de Moraes – no sentido Centro – é a campeã em lentidão com velocidade de 11km/h.

Além do volume de carros, a estrutura da via dificulta o escoamento do tráfego. “O motorista sai de quatro para duas vias na subida da Ponte Motocolombó e no Largo da Paz há um giro à esquerda para quem vai para Afogados que também dificulta a fluidez”, apontou o gerente de operações de trânsito da CTTU, Agostinho Maia.

Com uma frota de quase 670 mil veículos, a capital pernambucana trava também em outros dois horários. Além da manhã, o trânsito complica das 17h30 às 19h30 e das 21h às 22h30. “Encontrar brecha no trânsito é um sufuco. Eu não tenho como sair antes da 7h e depois das 9h ficaria muito tarde. O jeito é sofrer no engarrafamento”, revelou a psicóloga Kátia Abreu, 36 anos.

Ela sai de casa bem no olho do furação às 7h20 e pega a Avenida Rui Barbosa, que registra nesse horário 12km/h. “Demoro de 40 minutos a uma hora só para conseguir chegar na Rua Fernandes Vieira”, contou. A distância entre as duas vias é de menos de 3km. A combinação escola e trabalho no mesmo horário é apontada por especialistas como desastrosa para a mobilidade.

Nas férias, a redução do fluxo de veículos nas ruas do Recife é de cerca de 20%.  “Mesmo quando os pais trabalham a partir das 8h ou 9h, muitos têm o compromisso de levar os filhos na escola e todo mundo sai na mesma hora ”, ressaltou o diretor de operações da CTTU, Agostinho Maia.

Para o especialista em educação de trânsito, o engenheiro Carlos Guido, o escalonamento (alternar horários)  é uma das soluções, mas não é a única. “Hoje não existe uma solução, mas um mix de alternativas.O escalonamento é uma opção que pode ser estudada para a realidade local. Além disso, vamos lembrar que a restrição ao veículo particular e a taxação para carros com apenas uma pessoa também são medidas importantes, sem falar na melhoria do transporte coletivo”, elencou Carlos Guido.

Ranking das cinco vias com menor velocidade nos horários de pico

Os três picos no trânsito: 6h30 às 9h; das 17h30 às 19h e das 21h às 22h30

1ª – Rua Visconde de Albuquerque (30.000 veículos)
Velocidade nos horários de pico: 12 km/h
Velocidade fora dos horários de pico: 31 km/h

2ª -  Avenida Marechal Mascarenhas de Moraes (sentido centro): 59.000 veículos
Velocidade nos horários de pico: 11 km/h
Velocidade fora dos horários de pico: 33 km/h

4ª – Avenida Caxangá (sentido centro): (29.000 veículos)
Velocidade nos horários de pico: 15 km/h
Velocidade fora dos horários de pico: 35 km/h

5ª – Avenida Rui Barbosa:(25.500 veículos)
Velocidade média: 20 km/h
Velocidade nos horários de pico: 12 km/h
Velocidade fora dos horários de pico: 35 km/h

6ª – Rua José Bonifácio: (32.000 veículos)
Velocidade média: 20 km/h
Velocidade nos horários de pico: 12 km/h
Velocidade fora dos horários de pico: 32 km/h

Ranking das cinco vias com maior velocidade nos horários de pico:

1ª – Via Mangue – Pista Oeste (34.000 veículos)
Velocidade nos horários de pico: 37 km/h
Velocidade fora dos horários de pico: 57 km/h

2ª – Avenida Herculano Bandeira  (63.000 veículos)
Velocidade nos horários de pico: 29 km/h
Velocidade fora dos horários de pico: 48 km/h

3ª – Av. Domingos Ferreira (até a Barão de Souza Leão com 36.000 veículos)
Velocidade nos horários de pico: 27 km/h
Velocidade fora dos horários de pico: 49 km/h

4ª – Av. Engenheiro Abdias de Carvalho (sentido UFPE com 27.500 veículos)
Velocidade nos horários de pico: 30 km/h
Velocidade fora dos horários de pico: 50 km/h

5ª – Cais José Estelita (sentido Centro com 18.500 veículos)
Velocidade nos horários de pico: 29 km/h
Velocidade fora dos horários de pico: 49 km/h

Fonte: CTTU

Um ano após a Copa e os corredores de BRT no Recife ainda incompletos

 

Estação de BRT do corredor Leste/Oeste com obras paradas na Benfica Foto: Gustavo Glória Especial DP/D.A.Press

Estação de BRT do corredor Leste/Oeste com obras paradas na Benfica Foto: Gustavo Glória Especial DP/D.A.Press

Por

Marcionila Teixeira (Diario de Pernambuco)

A lógica se inverteu. Quase 12 meses depois da abertura da Copa do Mundo, em 12 de junho do ano passado, algumas obras de mobilidade voltadas para facilitar a vida das pessoas durante e após o mundial estão atrasadas ou paralisadas.

Os principais entraves estão no corredor Leste-Oeste e no Ramal Cidade da Copa, cujas obras estão suspensas por problemas financeiros enfrentados pelo consórcio Mendes Jr./SERVIX, investigado na Operação Lava-jato. O corredor Norte-Sul, por sua vez, ganhou nova previsão de conclusão para dezembro, já que duas estações sequer foram iniciadas. Segundo Gustavo Gurgel, gerente geral de mobilidade da Secretaria das Cidades, até o fim deste mês o governo abrirá licitação para contratar a empresa responsável por levantar o que deixou de ser executado pelo consórcio. Somente depois haverá nova licitação para contratação de outra empresa para assumir o serviço.

De forma geral, a maior causa do atraso, segundo Gurgel, foram as desapropriações. Além disso, a existência de linhas de energia elétrica e telefônicas e redes de esgotamento sanitário ao longo do caminho geraram demora. “Existe uma prática no Brasil de prazos não serem cumpridos. Os governos apostam em recursos não disponíveis e subestimam cronogramas de obras”, analisa Germano Travassos, engenheiro consultor em mobilidade urbana.

Nas ruas, os sintomas do atraso são sentidos no dia a dia por motoristas, passageiros e pedestres. Na Cruz Cabugá, por onde passa o corredor Norte-Sul, a desordem é generalizada. “Estou participando de uma seleção de emprego e fiquei surpresa com a situação da avenida. Somos obrigados a andar no meio do mato e do lixo porque não tem calçada”, disse Gilvanice da Silva, 29 anos, na altura do Armazém Coral, onde está em obras uma das estações de BRT.

Gustavo Gurgel ressaltou que a secretaria trabalhou com cronogramas factíveis. “Os prazos são trabalhados para darem certo. Infelizmente as desapropriações têm prazos imprevistos. Muitas vezes o problema em um só imóvel atrasa todo um trecho”, destacou. Ainda segundo o gerente geral, o custo total das obras subiu 20% e o permitido por lei é 25%. Gurgel disse, ainda, que a verba para conclusão das intervenções está garantida pelo governo federal.

Hidrovias do Recife com dois ramais só devem ser entregues em 2017

Hidrovia cortando o Recife só deve ocorrer em 2015 Foto - Paulo Paiva DP/D.A.Press

Hidrovia com dois ramais  cortando o Recife só deve ocorrer em 2017, segundo o governo do estado. A obra estava prevista para 2014. Foto – Paulo Paiva DP/D.A.Press

As obras do projeto de navegabilidade dos rios Capibaribe e Beberibe no trecho urbano do Recife serão retomadas no segundo semestre de 2015. O novo cronograma das obras prevê um ano e meio para conclusão. Ou seja início de 2017.  De acordo com a Secretaria das Cidades, a retomada será possível após a aprovação dos projetos das estações pela Caixa Econômica Federal no início deste ano.

A Secid tem, no entanto, outro entrave: a relocação das palafitas de três comunidades que se encontram no trecho do ramal Oeste: Vila Brasil, Coelhos e Roque Santeiro. Esta, aliás, teria sido a principal razão para a interrupção da dragagem do rio por provocar instabilidade nas moradias.

De acordo com a Secid já foram dragados nove dos onze quilômetros do ramal Oeste. Segundo a secretária executiva de articulação, Ana Suassuna o próximo passo é remover as famílias. “Já existem soluções de habitações para as comunidades de Vila Brasil 1 e Coelhos. Ainda falta uma solução de auxílio-moradia para a comunidade de Roque Santeiro”, explicou a secretária.

A demora na análise dos projetos pela Caixa se deu, segundo ela, devido as alterações do local das estações. A estação do Derby que ficaria por trás do quartel da Polícia Militar foi transferida para as imediações do Memorial de Medicina. Já o galpão de manutenção previsto para ser instalado nas proximidades do metrô teve o projeto transferido para as imediações do Fórum Joana Bezerra. E a estação Recife ficará mais próxima da Ponte Velha (ferro).

Ao  mesmo tempo que as obras serão retomadas, será lançado também o edital de concessão do serviço, que inclui também a compra das embarcações pela empresa que vencer a licitação. “No caso das embarcações chegarem antes da conclusão da estação Recife, nós poderemos entrar em operação com as que já estiverem concluídas”, pontuou.

O projeto prevê dois ramais: Oeste e Sul. A rota Oeste com 11 quilômetros de extensão no trecho entre a BR-101 e a estação central do metrô Recife. E terá cinco estações integradas ao sistema público de transporte por ônibus ou metrô. Já o ramal Norte com 2,9 km de extensão foi desenhado com duas estações. A estação Correios, na Rua do Sol, e estação Olinda, em frente ao Shopping Tacaruna. “No caso do ramal Norte, ainda não tivemos aprovação da Marinha para a estação Tacaruna”, revelou.

Saiba Mais

Cronologia das obras do projeto Rios da Gente
Início das obras – 2012
Retomada prevista no 2º semestre de 2015
Cronograma de conclusão 1 ano e meio (início de 2017)

O projeto contempla
R$ 289 milhões é o valor do orçamento
5 estações da rota Oeste
2 estações da rota Norte
13 embarcações
300 mil passageiros por mês deverão ser transportados

Rota Oeste – 11km de extensão
Estação Dois Irmãos
Estação Santana
Estação Torre
Estação Derby (imediações do Memorial de Medicina)
Estação Recife (imediações da Ponte Velha)
Galpão de manutenção (nas imediações do Fórum Joana Bezerra)

Rota Norte – 2,9 km de extensão
Estação Correios
Estação Tacaruna (Falta aprovação da Marinha)

Fonte: Secretaria das Cidades

Radares reduzem 400 acidentes por mês no Recife no primeiro trimestre de 2015

 

Quatro novos radares instalados na Avenida Agamenon Magalhães. Foto - Ricardo Fernandes DP/D.A.Press

Quatro novos radares instalados na Avenida Agamenon Magalhães. Foto – Ricardo Fernandes DP/D.A.Press

Manter os motoristas sob a rédea curta é a estratégia da Companhia de Trânsito e Transporte Urbano (CTTU) para reduzir os acidentes de trânsito na capital pernambucana com o aumento da fiscalização eletrônica.

Ao todo são 64 radares e sensores em 37 pontos da cidade. Desses, quatro novos começaram a operar ontem, sendo três na Avenida Agamenon Magalhães e um na Avenida Beberibe. Um levantamento da companhia aponta que entre o primeiro trimestre de 2015 e o  mesmo período de 2014, houve uma redução de cerca de 400 acidentes por mês. De 1, 3 mil para menos de mil por mês.

Os radares eletrônicos também trouxeram impacto direto nas infrações de trânsito. Onde há fiscalização eletrônica houve uma redução de até 87% nas infrações, mas a meta é zerar. Com essa estratégia, outros dois pontos já estão em estudo para receber radares: a entrada do Túnel da Abolição, na Torre e nas imediações da Faculdade Estácio de Sá na Abdias de Carvalho.

As quatro novas lombadas eletrônicas que entraram em operação, ontem, vão começar a multar os infratores a partir da próxima segunda-feira. Serão registradas infrações por excesso de velocidade, avanço de semáforo, parada sobre faixa de pedestres e conversão proibida.  O critério para a escolha das vias é o potencial risco de acidente.

Na Agamenon Magalhães passam por dia cerca de 90 mil veículos nos dois sentidos. Além disso, a via possui diversas proibições de giros que, quando desrespeitadas, aumentam a potencialidade de acidentes. Também é o caso da Avenida Beberibe, onde foi identificada a necessidade da fiscalização eletrônica no cruzamento com a Avenida Professor José dos Anjos.

Primeiro radar instalado na Avenida Beberibe no Recife. Foto - Ricardo Fernandes DP/D.A.Press

Primeiro radar instalado na Avenida Beberibe no Recife. Foto – Ricardo Fernandes DP/D.A.Press

Em seis meses, mesmo com os equipamentes existentes na Agamenon, foram registrados 14 acidentes e nove na Avenida Beberibe. “Há uma necessidade de mudança de cultura. A educação pelo bolso ainda é mais eficaz.  Hoje 93% dos condutores não voltam a cometer infração nos pontos onde já foram multados”, revelou o gerente de fiscalização da CTTU, Marcos Araújo.

Os novos pontos beneficiados receberam sinalização conforme a exigência do Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN) e foram identificados a partir de estudos técnicos que levam em consideração a geometria das vias. Na Avenida Governador Magalhães, já existem outros quatro pontos de fiscalização. Já a Avenida Beberibe receberá o primeiro dispositivo.

Saiba Mais

Radares de olho nos motoristas
64 equipamentos
29 lombadas
35 fotossensores
37 pontos diferentes na cidade

Comparativo dos acidentes no 1º trimestre
1.334 era a média de acidentes por mês na cidade no 1º trimestre de 2014
933 acidentes foi a média registrada por mês no 1º trimestre de 2015
400 acidentes a menos por mês

Diagnóstico
14 acidentes registrados na Agamenon Magalhães em seis meses
9 acidentes na Avenida Beberibe em seis meses

Redução dos acidentes
26% menos atropelamentos ( de 36 para 26)
30% menos acidentes de moto ( de 314 para 229 acidentes por mês)
23% menos acidentes envolvendo bicicleta ( de 9 para 7)

As multas e as infrações registradas pelos radares eletrônicos
De R$ 85,13 a R$ 574,62 por excesso de velocidade
De R$ 191,54 e 7 pontos na CNH por avanço de semáforo
R$ 85,13 e 4 pontos na CNH por parada na faixa de pedestre
R$ 127,69 e 5 pontos na CNH por conversão proibida

Os quatro novos pontos de fiscalização eletrônica:
- Avenida Agamenon Magalhães no cruzamento da Rui Barbosa (sentido Boa Viagem)
- Avenida  Agamenon Magalhães no cruzamento da Bandeira Filho (sentido Olinda)
- Ponte Delmiro Gouveia (Pontilhão da Agamenon sentido Conde da Boa Vista)
- Avenida Beberibe no cruzamento com a Professor José dos Anjos (sentido subúrbio)

Fonte: CTTU

Não é BRT o sistema implantado nos corredores do Grande Recife

 

Corredor BRT na Avenida Cruz Cabugá com velocidade de 4km/h Foto- Aline Soares Especial DP/D.A.Press

Corredor Norte/SUl com ônibus no tráfego misto na Avenida Cruz Cabugá a uma velocidade de 4km/h Foto- Aline Soares Especial DP/D.A.Press

O criador do sistema BRT, o urbanista Jaime Lerner, primeiro a implantar um modelo de transporte com corredores exclusivos e segregados para ônibus, estações em nível e pagamento antecipado, na década de 1970 em Curitiba, afirma que o sistema implantado no estado não condiz com as premissas de seu modelo.

Exportado para o mundo inteiro na sigla de Transporte Rápido por Ônibus (Bus Rapid Transit), foi também escolhido para dois corredores de transporte da RMR: Norte/Sul e Leste/Oeste. Previstos para serem entregues até a Copa, os dois corredores chegaram ao primeiro semestre de 2015 sem operar da forma prevista.

Sistema de BRT de Curitiba com faixa exclusiva e segregada em todo o seu percurso Foto: Hedelson Alves Especial DP/D.A.Press

Sistema de BRT de Curitiba com faixa exclusiva e segregada em todo o seu percurso Foto: Hedelson Alves Especial DP/D.A.Press

Sem faixa segregada ao longo do seu percurso, os ônibus do BRT ficam presos nos congestionamentos e até mesmo nos trechos onde a faixa é exclusiva ocorrem invasões por falta de segregação do espaço. Pelo menos duas estações de BRT (Tacaruna e Prefeitura) tiveram parte do teto danificado por caminhões na faixa destinada ao ônibus. “Não acompanhei as obras, mas isso não é BRT”, ressaltou Jaime Lerner em entrevista durante um seminário de mobilidade promovido, na última quarta-feira, pela Volvo, em Curitiba.

A Cruz Cabugá é um dos trechos mais complicados do Norte/Sul. O corredor tem nova promessa de ser entregue no fim de junho. Ainda faltam seis estações e o terminal de integração de Abreu e Lima. A operação chegou a Igarassu no sábado.

Já o Leste/Oeste não tem nem previsão de ficar pronto. Faltam os terminais da 2ª e 3ª perimetrais e das estações de Camaragibe e Conde da Boa Vista. Também não há faixa exclusiva em Camaragibe e alguns trechos da área central da cidade. “O sistema perdeu o R de rápido. Sem segregação não há confiabilidade. Ele precisa ser concluído”, apontou o professor da UFPE Leonardo Meira.

O gerente de operações do Grande Recife Consórcio de Transporte Metropolitano, André Melibeu, reconhece as dificuldades operacionais. “Enquanto o corredor de ônibus não estiver segregado, ele não será um BRT puro. Não sei quando haverá a segregação. Mas o corredor tem que operar como trem sem nada na frente. Mas a obra ainda não está pronta”, afirmou. A Secretaria das Cidades informou que a segregação dos corredores será feita após a conclusão das estações e que o projeto da circulação com intervenções necessárias depende de aprovação da CTTU. As obras foram iniciadas em 2012.

Saiba mais

As premissas básicas do BRT

Corredor exclusivo e segregado
Estações com pagamento antecipado
- Monitoramento dos ônibus no corredor por um central de controle
- Regularidade das viagens

As nossas premissas

- Corredor com parte da faixa exclusiva na PE-15 (Norte/Sul)
- Corredor com faixa exclusiva na Caxangá (Leste/Oeste)
- Estações com pagamento antecipado
- Ausência de monitoramento dos corredores
- Sem previsão de regularidade das viagens

Operação atual dos corredores

Norte/Sul
De 5 a 10 minutos de intervalo
Velocidade média de 16km/h

Leste/Norte
De 6 a 10 minutos de intervalo
Velocidade média de 20km/h

Projetado para o Norte/Sul

- 180 mil é a demanda estimada
- 26 estações previstas
- 15 em operação
- 6 sem operação
- 5 pendentes

Oito pessoas por metro quadrado nos ônibus, a rotina de todos os dias

Rotina de passageiros e a dificuldade em conseguir espaço no ônibus do Recife. Foto Annaclarice Almeida DP/D.A.Press

Rotina de passageiros e a dificuldade em conseguir espaço nos ônibus do Recife. Foto Annaclarice Almeida DP/D.A.Press

 

A qualidade no transporte público vai além das faixas exclusivas e do ar-condicionado nos coletivos. O serviço também é medido pela forma como ele é prestado antes mesmo de se colocar o pé no degrau do ônibus. E enquanto os passageiros tiverem que disputar à força uma chance para entrar no veículo e se acomodar em um local sem correr o risco de cair, qualquer outro discurso vai parecer menor. Segundo dados da Associação Nacional de Transporte Urbano (NTU), nos horários de pico, o metro quadrado do ônibus chega a ter oito pessoas. O dobro de uma situação considerada ideal.

De 2012 a 2014, o transporte público na Região Metropolitana do Recife sofreu uma perda de 5% no número de passageiros para outros modais. E a tendência é que essa perda fique ainda maior. “Para mim é um sofrimento subir no ônibus. Na maioria das vezes, deixo passar de três a quatro ônibus para ter coragem de subir porque tem muita gente e tenho medo de cair”, afirmou Maria de Lourdes Barbosa, 70 anos, que havia acabado de deixar um ônibus passar.

A universitária Camila Mirele, que morreu após cair de um ônibus em movimento da Linha Barro/Macaxeira, na BR-101, na noite da sexta-feira, fazia parte de um contingente formado por 80% dos usuários do sistema de transporte público, que andam de ônibus.

“A qualidade do transporte passa, necessariamente, pelas faixas exclusivas. Mas do ponto de vista de segurança, o ônibus é o mais seguro dos modais. De mais de 40 mil mortos no trânsito, em 2011, tivemos 248 óbitos em todo país envolvendo ônibus”, pondera o presidente da Associação Nacional de Transporte Urbano (NTU), Otávio Cunha.

Para quem assiste aos ônibus trafegarem de portas abertas, a sensação de insegurança pode ser maior do que é medida nas estatísticas. Mas há outra razão para se preocupar. Segundo o diretor de operações do Grande Recife, André Melibeu, o sistema existente nos ônibus para evitar que as portas sejam abertas com o veículo em movimento tem uma brecha. “Ele permite a abertura com velocidade igual ou menor do que 5km/h. Ou seja com o ônibus praticamente parado, mas pode abrir.”

Licitação
A segunda etapa da licitação do transporte na RMR para os lotes 3,4,5, 6 e 7 está em fase de assinatura de contrato. A primeira previa ar-condicionado em toda a frota. A segunda limitou o item para os ônibus do Sistema Estrutural Integrado (SEI). Atualmente 120 BRTs circulam com ar-condicionado e 36 convencionais terão ar-condicionado no próximo mês.

“Temos 230 novos ônibus no sistema. Até o fim do ano, teremos mais 200. A idade da frota passará de 4,5 para 3,5”, revelou o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros (Urbana-PE), Fernando Bandeira.
A roda do transporte público

Ônibus transporta maior demanda entre os modais
40 milhões de pessoas são transportadas de ônibus por dia no país
2 milhões de passageiros são transportados por dia na RMR
2,9 mil ônibus circulam na RMR
13 operadoras atuam na RMR

Ocupação dos ônibus por metro quadrado
4 pessoas por metro quadrado é a situação ideal
6 pessoas por metro quadrado já é uma situação de desconforto
8 pessoas por metro quadrado é ocupação registrada nos horários de pico

Transporte por ônibus
80 passageiros no ônibus convencional
120 passageiros no ônibus articulado

Linha de maior demanda na RMR
PE-15/Afogados
18,4 mil passageiros por dia
231 viagens
33 ônibus

Linha de menor demanda
Jardim/Beira Rio
172 passageiros por dia
14 viagens
1 ônibus

Viajar de ônibus é seguro?
43 mil pessoas morreram no trânsito em 2011
11,8 mil pedestres
14,6 mil motociclistas
12,4 mil em acidentes de automóveç
248 mortes em acidentes de ônibus (0,6% das mortes)

Fontes: Grande Recife Consórcio, Urbana-PE e NTU (Associação Nacional de Transporte Urbano)

Mudança em turnos de trabalho para melhorar a mobilidade das cidades

 

 

congestionamentos

A proposta de uma possível mudança nos horários de funcionamento dos órgãos públicos e do segmento privado em Manaus, para que não haja conflito no fluxo de veículos, principalmente, em horários de pico, foi unânime entre os participantes de uma audiência pública.

O autor da audiência, vereador Mário Frota (PSDB), garantiu que vai apresentar uma indicação da sugestão à Mesa Diretora da Casa Legislativa, e encaminhar ao prefeito Arthur Virgílio Neto (PSDB), assim que seja aprovada no plenário. Mário Frota vê a necessidade que o tema seja discutido com todos os interessados em uma sessão comum na Casa, com a presença de todos os parlamentares. Ele garantiu que na próxima semana encaminhará ao prefeito uma indicação com a proposta de mudança dos horários de funcionamento dos órgãos públicos, setor privado, comércio e escolas, como forma de melhorar o fluxo dos veículos na cidade.

De acordo com Frota, a nova proposta de horários de funcionamento foi debatida entre os participantes da audiência. “Sou plenamente a favor da mudança. Nesse primeiro momento, essa seria a solução, mas independentemente disso, é preciso realizar outras reuniões com outros atores”, disse o vereador.

A audiência pública contou com a participação do diretor-presidente do Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito, Paulo Henrique Martins, Ismael Bichara Filho da Associação Comercial do Amazonas (ACA), Francisco Feitosa da Federação das Empresas do Comercio de Manaus (Fecomercio), do presidente do Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE/AM), Josué Filho, do representante da Federação dos Trabalhadores do Comercio e Turismo do Amazonas e dos vereadores Rosivaldo Cordovil (PTN) e Joelson Silva (PHS) e demais convidados.

Para Josué Filho, ter horários alternativos nos setores privados e órgãos governamentais é a saída para desafogar o trânsito. “O problema é que Manaus habituou-se a uma consciência de província, e de repente a população foi chocada com uma metrópole. Para que isso (mudanças) ocorra, a população tem que mudar de hábito. Que horas eu acordo e que horas vou dormir. Temos que ver que horas o comércio quer abrir. É uma decisão dura, que no momento vai receber várias críticas, mas que poderá ser a saída”, completou o presidente do TCE.

Estudo

Na avaliação do diretor-presidente do Manaustrans, Paulo Henrique, a mudança no horário de funcionamento tanto do comércio quanto das demais áreas é uma alternativa viável. “Esse é um assunto que já estamos trabalhando com levantamentos de dados, e é importante que a população e os órgãos interessados discutam o assunto, visto que hoje se torna um debate público”, ressaltou o diretor.

Paulo Henrique afirmou, ainda, que o prefeito tem interesse que a Manaustrans faça um estudo técnico e demonstre a viabilidade e a inviabilidade dos diferentes setores. “Vamos aprofundar os nossos trabalhos para termos um diagnóstico do que vai acontecer com a modificação dos horários envolvendo todos os setores, e grande parte desse estudo já está dentro do Plano de Mobilidade Urbana”, completou Paulo Henrique, ao acrescentar que a provável mudança pode ocorrer, visto que, já é realidade em outras capitais.

Segmento comercial aprova

O representante da Associação Comercial do Amazonas, Ismael Bichara, disse que, além da proposta de mudança dos horários, outra alternativa para a melhoria da mobilidade urbana seria a abertura do Centro da cidade em horário alternativo de 9h às 19h. A alternância do horário do comércio já foi bastante discutida na entidade. Porém, para que isso aconteça, é preciso melhorar a segurança, iluminação e a mobilidade da população, como pontuou Ismael Bichara.

“Acreditamos que com isso a gente consiga desafogar substancialmente a área Central, porque o grande fluxo é em direção ao Centro da cidade”, disse Bichara, ao elogiar o empenho do prefeito Arthur Neto em criar alternativas para a mobilidade urbana. “Estamos agora com o Zona Azul, que possivelmente vai ser aprovado pelo prefeito, a revitalização das fachadas. Pretendemos melhorar o aspecto do Centro em questão de limpeza, inclusive com separação do lixo, para se transformar num local mais atrativo.”, observou.