Time juvenil do Timbu estreia na Copa do Brasil com 7 atletas. E jogo dura 1 minuto

Copa do Brasil Sub 17 de 2017, 1ª fase: Náutico x Atlético-MG. Crédito: Renato Barros/reprodução

Embora seja dono de um dos melhores centros de treinamento do Nordeste, o CT Wilson Campos, com infraestrutura e quatro campos oficiais em 49 hectares, o Náutico vem tendo recorrentes problemas na organização da base. Após a eliminação na Copa do Brasil Sub 20, devido a uma escalação irregular, agora o clube conseguiu a proeza de sofrer um W.O. como mandante, na estreia da Copa do Brasil de 2017.

Em jogo marcado para o estádio Ademir Cunha, em Paulista, o time juvenil do alvirrubro se apresentou com apenas sete jogadores para enfrentar o Atlético Mineiro, campeão em 2014. O atraso nas regularizações impediu uma escalação mínima para o técnico Paulo Júnior, Como a regra prevê o início do jogo neste limite, com quatro a menos, a bola rolou no 7 x 11. Porém, perdeu outro jogador com menos de um minuto, após a ‘lesão’ de um alvirrubro. Com seis em campo, foi decretado o fim lamentável, com a eliminação.

Eis súmula feita pelo árbitro Ricardo Jorge Ribeiro, do próprio quadro da FPF.

“Motivo de atraso no início e/ou reinício, e de acréscimos: 

A partida começou com um atraso de sete minutos, devido a equipe do Náutico ter entrado ao campo de jogo às 15h05. A partida, aos 46 segundos de jogo, foi paralisada devido ao atleta Luiz Wagner da Silva Costa, nº 8, do Clube Náutico Capibaribe, ter se lesionado quando na disputa da bola de forma normal. Paralisei a partida para o referido atleta receber atendimento médico. Após isso, o médico do Clube Náutico, sr. Igor Dantas de Oliveira, falou que o mesmo não tinha condições de continuar no jogo. Com isso, a equipe do Clube Náutico ficou com seis atletas em campo de jogo. Informo também que no banco de reservas havia um atleta (goleiro) suplente nº 12, Jailton Rodrigues de Sena Junior, que estava sem condições de jogo segundo o referido médico de sua equipe. Após esperar o tempo regulamentar dei por encerrada a partida. As equipes não se encontravam mais em seus vestiários quando da entrega das comunicações de penalidades”

Um vexame no naipe da A2. Ao menos o Sete de Setembro inscreveu 11.

Copa do Brasil Sub 17 de 2017, 1ª fase: Náutico x Atlético-MG. A súmula do jogo... Crédito: CBF/site oficial

O pioneiro encontro nacional da CBF para a categoria de base, com Náutico e Sport

1º Encontro das Categorias de Base. Crédito: CBF

Um encontro nacional para debater o trabalho de base no futebol nacional. A partir dessa ideia, a CBF irá promover o 1º Encontro Técnico de Categorias de Base do Brasil. Ao todo, o evento idealizado por Alexandre Gallo contará com 26 clubes, o que corresponde a todos os times que o treinador das categorias menores da Seleção visitou durante os sete meses a serviço da confederação.

Objetivo: “Debater a formação de jogadores, trocar experiências sobre o desenvolvimento do futebol de base, questões táticas, técnicas e, principalmente, estreitar as relações entre os clubes e a CBF”.

Que também entre na pauta do evento em São Paulo, em 2 setembro, a declaração de Carlos Alberto Parreira, coordenador-técnico da seleção principal, que revelou em uma entrevista à rádio a sugestão para que sejam convocados apenas atletas de base de clubes do Sudeste e do Sul, mais estruturados.

Dos clubes convidados para o evento, dois são pernambucanos. Náutico e Sport, ambos com centros de treinamento em reformas milionárias.

Alvirrubros e rubro-negros irão enviar quatro representantes cada, sendo um coordenador, um técnico, um preparador físico e um preparador de goleiros. Todos da base. À margem dos rivais neste quesito, o Santa Cruz ficará de fora.

Entre os demais times, três agremiações de laboratório, criadas apenas para a revelação de atletas, o Desportivo Brasil, o Red Bull e o Audax (veja aqui).

O fato é que o trabalho de base segue como um dos principais vetores econômicos para a formação de boas equipes e reforço no caixa…