Como chegam Salgueiro e Sport à final do Estadual, 52 dias depois do jogo de ida

O troféu do Estadual 2017 exposto no município de Salgueiro. Foto: Salgueiro/facebook (@soucarcara)

O jogo de ida da final do Estadual, um empate em 1 x 1, aconteceu em 7 de maio. Já ali havia atraso, com os principais campeonatos regionais utilizando o dia para a volta. Pela falta de datas no calendário local, a segunda partida entre Salgueiro e Sport foi remarcada para 18 de junho. Posteriormente, a CBF vetou o dia, mantendo a data para as competições originais (Séries A e C). Agora, com uma folguinha mínima, devido à queda leonina na Copa do Brasil, vem a realização do jogo final, quase ‘perdido’ em 2017.

Para se ter uma ideia, o troféu de campeão está exposto no município sertanejo desde 5 de junho. Três semanas depois, finalmente a peça dourada será entregue a um clube. Nesses 52 dias, ocorreram 21 jogos envolvendo Salgueiro (7) e Sport (14) em outros torneios oficiais. Rendimentos abaixo da média, naturalmente devido ao maior nível técnico à parte do Pernambucano. No carcará, bronca com contratos expirados – e refeitos às pressas apenas para a decisão. No leão, técnico novo, de novo. Curiosamente, Luxemburgo trabalhará em apenas um jogo do Estadual, justamente o último. Com ambos os clubes pressionados no Brasileiro, o foco é outro problema…

Jogos do Salgueiro entre as finais do Estadual
15/05 – Confiança 2 x 1 Salgueiro (Série C, 1ª rodada)
21/05 – Salgueiro 2 x 0 Moto Club (Série C, 2ª rodada)
27/05 – Salgueiro 1 x 2 Fortaleza (Série C, 3ª rodada)
04/06 – Botafogo 1 x 0 Salgueiro (Série C, 4ª rodada)
11/06 – ASA 1 x 1 Salgueiro (Série C, 5ª rodada)
18/06 – Salgueiro 1 x 1 Cuiabá (Série C, 6ª rodada)
24/06 – Sampaio Corrêa 1 x 0 Salgueiro (Série C, 7ª rodada)

7 jogos; 1 vitória, 2 empates e 4 derrotas; 6 GP e 8 GP
23.8% de aproveitamento

10º lugar (lanterna) do grupo A da Série C. Está na zona de rebaixamento

Jogos do Sport entre as finais do Estadual
11/05 – Danubio (2) 3  x 0 (4) Sport (Sul-Americana, 1ª fase, volta)
14/05 – Ponte Preta 4 x 0 Sport (Série A, 1ª rodada)
17/05 – Sport 1 x 1 Bahia (Nordestão, final, ida)
21/05 – Sport 1 x 1 Cruzeiro (Série A, 2ª rodada)
24/05 – Bahia 1 x 0 Sport (Nordestão, final, volta)
28/05 – Sport 4 x 3 Grêmio (Série A, 3ª rodada)
31/05 – Sport 1 x 1 Botafogo (Copa do Brasil, oitavas, volta)
04/06 – Avaí 1 x 0 Sport (Série A, 4ª rodada)
07/06 – Sport 2 x 0 Flamengo (Série A, 5ª rodada)
10/06 – Vasco 2 x 1 Sport (Série A, 6ª rodada)
14/06 – Sport 0 x 0 São Paulo (Série A, 7ª rodada)
18/06 – Sport 1 x 3 Vitória (Série A, 8ª rodada)
21/06 – Atlético-MG 2 x 2 Sport (Série A, 9ª rodada)
24/06 – Santos 0 x 1 Sport (Série A, 10ª rodada)

14 jogos; 3 vitórias, 5 empates e 6 derrotas; 14 GP e 22 GC
33.3%  de aproveitamento

Classificado à 2ª fase da Sul-Americana (nos pênaltis)
Vice-campeão da Copa do Nordeste
Eliminado nas oitavas de final da Copa do Brasil
15º lugar na Série A. Fora da zona de rebaixamento

Campeonato Pernambucano terá redução de clubes em 2018 e 2019. Talvez em 2020

FPF

Em 2007, a segunda divisão pernambucana foi vencida pelo Salgueiro, numa final contra o Sete de Setembro, no Gigante do Agreste. Entretanto, o torneio acabou na justiça, com Petrolina e Centro Limoeirense, eliminados na semi, pleiteando as duas vagas. O presidente da FPF na época, Carlos Alberto Oliveira, tomou uma decisão sui generis. O dirigente promoveu o acesso dos quatro clubes, inchando a primeira divisão, que a partir de 2008 teria 12 clubes, apertando como nunca o calendário. Embora a federação tivesse sinalizado posteriormente, já sob comando de Evandro Carvalho, que o ideal era reduzir, emperrou na vontade dos clubes, contra a queda de quatro times.

Ao menos esta era a versão da entidade, que realizou dez edições sem mexer na lista de participantes. Mas, até que enfim, o cenário deverá mudar. Para isso, em vez de ampliar o número de rebaixados, a FPF irá reduzir o acesso. Ao blog, o diretor de competições da FPF, Murilo Falcão, confirmou que a segunda divisão estadual de 2017, a “Série A2″, só irá promover o campeão, numa decisão administrativa já comunicada aos clubes – são 14 interessados na disputa. De 1995 a 2016, os dois melhores colocados sempre subiram. Logo, o objetivo é reduzir o tamanho da elite, de onde caíram dois, Serra Talhada e Atlético Pernambucano. Conforme preza o Estatuto do Torcedor, o regulamento irá vigorar por duas temporadas. Ou seja, uma redução paulatina na primeirona, com 11 clubes em 2018 e 10 clubes em 2019.

Hoje, o calendário oficial da CBF disponibiliza 14 datas para os estaduais do Nordeste, que tem, paralelamente, a Copa do Nordeste de fevereiro a maio. Com menos clubes, espera-se que a competição local adote um novo regulamento – a ser decidido no conselho arbitral em novembro -, deixando de lado o insosso (e previsível) hexagonal do título. E ainda há a possibilidade de uma extensão da redução, até 2020, chegando a 9 clubes. Número ímpar? Sim, pois, segundo federação, possibilitaria a realização de triangulares, com o Trio de Ferro como cabeça de chave. A conferir.

Abaixo, a movimentação de participantes no Pernambucano…

Entre os clubes que subiram, um asterisco em 1995, com o Sete de Setembro. O campeão da segundona pediu licença antes da estadual de 1996.

A movimentação dos clubes no Campeonato Pernambucano, de 1995 a 2017

Final do Estadual é remarcada pela 3ª vez, agora em 28 de junho, 52 dias após a ida

Pernambucano 2017, final: Salgueiro x Sport Arte: Cassio Zirpoli/DP

Pelo calendário oficial da CBF, o dia 7 de maio estava reservado para as decisões dos campeonatos estaduais de 2017, entre aqueles com clubes envolvidos nas principais divisões do Brasileiro. Era o caso do Pernambucano, cujo dia registrou apenas o jogo de ida, com o empate em 1 x 1 entre Sport e Salgueiro. Com o rubro-negro envolvido em cinco (!) competições, não havia brecha para o jogo de volta. Até que a FPF conseguiu marcar para o dia 18 de junho, com a CBF concordando em adiar as partidas de Sport e Salgueiro pelas Séries A e C, respectivamente. Entretanto, o leão acabou eliminado da Copa do Brasil, com a confederação notificando a federação pernambucana. No caso, desconsiderou a necessidade de adiar as partidas combinadas. Afinal, ao menos duas quartas-feiras ficaram vagas. Em tese.

Inicialmente, as novas opções para a finalíssima do Estadual seriam as datas-base de 28 de junho e 5 de julho. Entretanto, uma dessas seria reservada para a ida da segunda fase da Copa Sul-Americana, envolvendo times brasileiros – e o Sport está lá. A FPF aguardou a marcação da Sula (no dia 6, mais precisamente), restando 28 de junho, uma quarta-feira à noite. Ao que parece, a data definitiva de uma competição desorganizada do início ao fim (?). Desde que o Campeonato Pernambucano passou a ter o formato de semifinal e final, há oito temporadas, apenas duas decisões ocorreram às 21h45, em 2010 e 2014. Agora, também em 2017, no Cornélio de Barros…

Abaixo, a nova agenda dos clubes. O Sport terá 14 jogos de quatro torneios distintos entre as finais estaduais, enquanto o Salgueiro terá 7 partidas.

Agenda do Sport
07/05 – Sport 1 x 1 Salgueiro (Estadual, final, ida)
11/05 – Danubio (2) 3  x 0 (4) Sport (Sul-Americana, 1ª fase, volta)
14/05 – Ponte Preta 4 x 0 Sport (Série A, 1ª rodada)
17/05 – Sport 1 x 1 Bahia (Nordestão, final, ida)
21/05 – Sport 1 x 1 Cruzeiro (Série A, 2ª rodada)
24/05 – Bahia 1 x 0 Sport (Nordestão, final, volta)
28/05 – Sport 4 x 3 Grêmio (Série A, 3ª rodada)
31/05 – Sport 1 x 1 Botafogo (Copa do Brasil, oitavas, volta)
04/06 – Avaí 1 x 0 Sport (Série A, 4ª rodada)
07/06 – Sport 2 x 0 Flamengo (Série A, 5ª rodada)
10/06 – Vasco 2 x 1 Sport (Série A, 6ª rodada)
14/06 – Sport 0 x 0 São Paulo (Série A, 7ª rodada)
18/06 – Sport x Vitória (Série A, 8ª rodada)
21/06 – Atlético-MG x Sport (Série A, 9ª rodada)
24/06 – Santos x Sport (Série A, 10ª rodada)

28/06 – Salgueiro x Sport (Estadual, final, volta)

Agenda do Salgueiro
07/05 – Sport 1 x 1 Salgueiro (Estadual, final, ida)
15/05 – Confiança 2 x 1 Salgueiro (Série C, 1ª rodada)
21/05 – Salgueiro 2 x 0 Moto Club (Série C, 2ª rodada)
27/05 – Salgueiro 1 x 2 Fortaleza (Série C, 3ª rodada)
04/06 – Botafogo 1 x 0 Salgueiro (Série C, 4ª rodada)
11/06 – ASA 1 x 1 Salgueiro (Série C, 5ª rodada)
18/06 – Salgueiro x Cuiabá (Série C, 6ª rodada)
24/06 – Sampa Corrêa x Salgueiro (Série C, 7ª rodada)

28/06 – Salgueiro x Sport (Estadual, final, volta)

Os 100 anos do estádio dos Aflitos

Campo dos Aflitos em 1926. Foto: robertoblogdo.blogsopt.com

O Estádio dos Aflitos completa um século de história em 2017. Trata-se de um ícone do futebol pernambucano, onde foram realizadas mais de 3 mil partidas, segundo dados do pesquisador Carlos Celso Cordeiro. E olhe que 41% dos jogos não teve o Náutico em campo, com os rivais presentes durante muito tempo. Abaixo, um resumo em cada década, com as transformações do local, de campo a estádio, da posse da antiga liga ao claro sinônimo de Náutico.

Desempenho do Náutico nos Aflitos
1.768 jogos*
1.138 vitórias (64,37%)
336 empates (19,00%)
294 derrotas (16,62%)
70,7% de aproveitamento
* Competições oficiais e amistosos

Os clubes que mais atuaram nos Aflitos
1.768  Náutico
540  Santa Cruz
412  Sport

As 15 finais do Campeonato Pernambucano nos Aflitos
7 títulos – Náutico (1950, 1951, 1960, 1963, 1966, 1968 e 1974)
5 títulos – Sport (1917, 1949, 1953, 1955 e 1975)
3 títulos – Santa Cruz (1947, 1959, 1969)

Década de 1910
Em 1917, a Liga Sportiva Pernambucana, atual FPF, arrendou um terreno no bairro dos Aflitos, junto ao empresário Frederico Lundgren, com o objetivo de construir um campo de futebol. Estrutura simples, com a cancha murada e cercada por árvores. A entidade pretendia utilizá-lo nos jogos oficiais do campeonato estadual, com as 29 partidas daquela edição disputadas por lá. A primeira em 8 de abril, Sport 4 x 1 Paulista. Na decisão, um Clássico das Multidões (ainda sem esse apelido), com Sport 3 x 1 Santa. No ano seguinte à inauguração da cancha, a Liga desistiu do terreno e o Náutico prontamente assumiu os custos do arrendamento. Pagou 250 mil réis por quatro anos.

Década de 1920
O Náutico passou a ser o dono definitivo do campo em 1921, dando início às primeiras melhorias, incluindo a entrada da sede. A foto mais antiga data de 1926 (acima), ano do título do Torre, o único clube à parte do Trio de Ferro levantar a taça no local. Num torneio de pontos corridos com oito times, o “Madeira Rubra” sagrou-se campeão ganhando do Náutico na última rodada.

Náutico nos Aflitos: Bizu, final do Estadual de 1968 contra o Sport, final do Estadual de 1974 contra o Santa Cruz e Lala em 1968. Crédito: Arquivo/DP

Década de 1930
De campo a estádio. Começando pela mudança da posição do campo, com as barras saindo do sentido leste/oeste para o norte/sul, mantido até hoje. Surgiram também os primeiros degraus da arquibancada, apenas três, com a reabertura do local, já com status de “estádio”, em 25 de junho de 1939. Na ocasião, goleada alvirrubra por 5 x 2 sobre o Sport. Gols de Wlson (2), Bermudes, Celso e Fernando Carvalheira.

Década de 1940
O estádio dos Aflitos ganhou um sistema de iluminação em 19 de junho de 1941. Curiosamente, em um jogo que não envolveu o Náutico, Great Western 2 x 2 Flamengo do Recife. Na época, começou também a construção das sociais e cadeiras, uma estrutura ainda existente. Um jogo marcante na década ocorreu em 1º de julho de 1945, com a maior goleada da história do futebol local, Náutico 21 x 3 Flamengo. Tará balançou as redes nove vezes.

Década de 1950
O formato clássico dos Aflitos até meados dos anos 1990 foi finalizado na década de 1950, com a conclusão das arquibancadas e do antigo placar, conhecido como “Balança mas não cai” – um símbolo do futebol pernambucano. Além disso, foram construídos os túneis de acesso ao vestiário e colocados os primeiros alambrados. Época marcada por títulos, com o bicampeonato nos Aflitos em 50/51. O tri viria em plena Ilha do Retiro, ganhando os dois turnos. Em 1953, o estádio ganharia o nome de “Eládio de Barros Carvalho”, presidente do clube em 14 oportunidades, a primeira em 1948, quando incentivou a obra.

Década de 1960
A década dourada do Náutico, com o hexacampeonato estadual, boas campanhas na Taça Brasil, chegando à final, e participação na Libertadores. Nos Aflitos, a principal alteração foi construção das cabines de imprensa centrais. De lá, o registro audiovisual do recorde de público. Na decisão de 1968, no hexa, foram 31.061 torcedores espremidos assistindo in loco ao gol de Ramos, Náutico 1 x 0 Sport. O Recife acompanhou ao vivo na televisão.

Década de 1970
Dez anos sem grandes transformações. Com a inauguração do Arruda, em 1972, e a ampliação da Ilha, pouco antes, o Náutico jogou várias de suas principais partidas, no Estadual e no Brasileiro, nos campos rivais. Apesar disso, um jogo em especial aconteceu nos Aflitos, em 11 de dezembro de 1974. Náutico 1 x 0 Santa, com o 15º título pernambucano do timbu evitando o hexa tricolor. Ou seja, lá no Eládio nascia o bordão “Hexa é Luxo”.

Náutico nos Aflitos: Kuki no acesso à Série A em 2006, Acosta em 2007, Kieza no Brasileirão 2012 e acesso à Série A em 2011. Fotos: Ricardo Fernandes (2) e Gil Vicente, ambos do DP/D.A Press

Década de 1980
O Arruda estava novamente em obras, agora para a construção do anel superior. Paralelamente a isso, a direção timbu apresentou o “plano de expansão” dos Aflitos, em 28 de novembro de 1981. O estádio contaria com novas gerais, fosso, camarotes, cabines de imprensa e um novo lance de arquibancada no lugar do velho placar. Com isso, dobraria a capacidade, chegando a 50 mil lugares. “Não faremos dos Aflitos o maior estádio, mas o mais aconchegante”, frisou o então mandatário, Hélio Dias de Assis. Lendo assim, até parecia algo pequeno, mas seria um dos maiores estádios particulares do país. A obra não saiu, com o clube usando parte do recurso obtido no Bandepe para a reforma do calçamento na sede. Já os Aflitos virou praticamente um campo de treino, com apenas 140 partidas em dez anos.

Década de 1990
A segunda grande ampliação foi iniciada em 1996, com o aumento das arquibancadas laterais e central, tendo como consequência a demolição do “Balança mais não cai”. Um trabalho coordenado por Raphael Gazzaneo, que, de forma paulatina, foi arrecadando recursos junto à torcida para a construção de pequenos módulos num primeiro momento. Não por acaso, a obra duraria sete anos! Já em 1997, no quadrangular final da Série B, o estádio recebeu 28 mil torcedores para Náutico 0 x 2 América Mineiro.

Década de 2000
Em 2002, chegou ao fim o primeiro módulo da reforma, com a conclusão do anel inferior, com 22.856 lugares – já com a nova medição da Fifa, com 50 centímetros por pessoa. Anel inferior?! Isso mesmo, pois o projeto original de ampliação e modernização dos Aflitos previa uma capacidade de 34.050. A versão final, prevista até 2007, teria dois tobogãs cobertos e interligados por duas vigas metálicas. Ao todo, seriam 28.950 assentos no cimento, 4.500 cadeiras e 600 lugares nos camarotes, cuja venda dos espaços bancaria parte da obra. No período, o maior público foi na fatídica “Batalha dos Aflitos”.

Década de 2010
Com a Copa do Mundo no Brasil, proliferaram projetos de arenas de norte a sul. Na capital pernambucana foram nada menos que seis, incluindo a Arena Pernambuco, a única erguida. O próprio Náutico chegou a apresentar dois projetos de arena, deixando de lado a ampliação imaginada em 1996. Em 2013, o clube assinou um contrato de 30 anos para atuar na arena em São Lourenço. Com isso, parou até a manutenção dos Aflitos. Três anos depois, a rescisão unilateral do acordo por parte da Odebrecht, com o clube iniciando mais uma reforma em sua verdadeira casa, desta vez para obter os laudos básicos exigidos pela CBF – no último jogo, um amistoso com o Decisão, em 2015. Sonhando com o recomeço da centenária história em 2018…

Estádio dos Aflitos

Ingressos de R$ 30 a R$ 60 para a decisão do Estadual 2017, no Cornélio de Barros

Venda online de ingressos para a final do Pernambucano 2017. Crédito: Salgueiro/site oficial (www.salgueiroac.com)

Embora esteja perdida no meio do Campeonato Brasileiro, com sete rodadas na Série A e cinco rodadas na Série C até 18 de junho, a decisão do Pernambucano de 2017 tende a encher o Cornélio de Barros. Afinal, é a primeira finalíssima realizada no interior, com o título aberto após o 1 x 1 na Ilha do Retiro. A direção do Salgueiro iniciou a venda online dos ingressos para a decisão estadual, a partir de R$ 33 (já considerando a taxa). Segundo o registro da FPF, o estádio sertanejo tem capacidade para 12.070 pessoas. Curiosamente, o recorde de público por lá foi estabelecido na outra final disputada. No caso, no jogo de ida de 2015, no empate sem gols entre Carcará e Santa, com 10.126 espectadores. Chega a tanto desta vez?

Valores dos ingressos para a final do Campeonato Pernambucano de 2017. Crédito: Bilhete Certo/reprodução (bilhetecerto.com.br)

Segundo o texto da versão vigante do Regulamento Geral de Competições da FPF, o clube visitante tem direito a até 30% da carga, com a ressalva de solicitação e pagamento prévios. Até o momento, a carga à disposição segue com o percentual clássico de 10%. Abaixo, a simulação de divisão de torcidas.

Mandante 90% / Visitante 10%
Salgueiro – 10.863
Sport – 1.207

Mandante 70% / Vitiante 30%
Salgueiro – 8.449
Sport – 3.621

Outra marca ao alcance da partida é a bilheteria, embora a quebra seja mais difícil. Em 2015, o Salgueiro recebeu o Flamengo num confronto histórico pela Copa do Brasil (0 x 2). Na ocasião, os 7.553 torcedores proporcionaram uma renda de R$ 570.200, a maior do interior local, com tíquete médio de R$ 75,49! Na final estadual de 2015, por exemplo, esse índice foi de R$ 15,09.

Decisão do Estadual com árbitro do quadro da Fifa pela 4ª vez em 8 anos

Wilton Sampaio, árbitro do quadro da Fifa. Crédito: Associação Nacional de Árbitros de Futebol (anaf.com.br)

O goiano Wilton Pereira Sampaio, de 35 anos, foi o árbitro escolhido para trabalhar na decisão do Campeonato Pernambucano de 2017, em 18 de junho. Assim, o jogo de volta entre Salgueiro e Sport terá um integrante do quadro do Fifa, o que não acontecia no futebol local desde 2014 – no empate em 1 x 1, na ida, foi José Woshington, do quadro da Ceaf. Considerando o formato atual da competição, com semifinal e final, desde 2010, esta em 4ª vez em 8 anos que um árbitro da Fifa apita a grande final.

Sampaio, que trabalhou em 16 jogos do último Campeonato Brasileiro, ostenta desde 2003 o emblema da Fifa, restrito a dez nomes por ano. No estado, Sampaio já apitou dois mata-matas. Os jogos de ida da semi entre Santa e Náutico em 2010 (0 x 0) e da final entre Sport e Náutico (2 x 0) em 2014.

Em relação ao árbitro de vídeo, a FPF aguarda novo aval da International Football Association Board (Ifab), o órgão que regulamenta as regras, para a utilização do recurso eletrônico no Cornélio de Barros. Para o bem de Wilton.

Os árbitros das decisões pernambucanas neste século:

2001 - Santa Cruz 0 x 2 Náutico* – Antônio André (PE)
2002 - Santa Cruz 2 x 1 Náutico* – Wilson Souza (Fifa-PE)
2003 - Sport* 2 x 2 Santa Cruz – Wilson Souza (Fifa-PE)
2004 - Santa Cruz 0 x 3 Náutico* – Patrício Souza (PE)
2006 - Sport* (5) 0 x 1 (4) Santa Cruz – Djalma Beltrami (Fifa-RJ)
2010 - Sport* 1 x 0 Náutico – Alicio Pena Júnior (MG)
2011 - Santa Cruz* 0 x 1 Sport – Sálvio Spinola (Fifa-SP)
2012 - Sport 2 x 3 Santa Cruz* – Sandro Meira Ricci (Fifa-PE)
2013 - Sport 0 x 2 Santa Cruz* – Gilberto Castro Júnior (PE)
2014 - Náutico 0 x 1 Sport* – Leandro Vuaden (Fifa-RS)
2015 - Santa Cruz* 1 x 0 Salgueiro – Emerson Sobral (PE)
2016 - Sport 0 x 0 Santa Cruz* – Sebastião Rufino Filho (PE)
2017 - Salgueiro x Sport – Wilton Sampaio (Fifa-GO)
* Campeão

Balanço: 13 finais em 17 anos, com 7 árbitros da Fifa

Confira a lista de árbitros nos mata-matas desde 2010 clicando aqui.

O patrimônio dos clubes pernambucanos através dos balanços financeiros de 2016

Aflitos, Ilha do Retiro e Arruda. Crédito: Google Maps/reprodução

O patrimônio do Trio de Ferro consiste em 209 mil metros quadrados de área no Recife. Dado referente às sedes sociais, à parte dos centros de treinamento no subúrbio. Mensurar o valor dos terrenos e das (enormes) estruturas não é tão simples, devido aos números apresentados por Náutico, Santa e Sport em seus balanços. Considerando os demonstrativos financeiros de 2016, divulgados em abril, a soma patrimonial seria de R$ 331.233.365 – hoje, inferior ao passivo acumulado, de 343 milhões de reais. No mercado, seria uma pechincha. Para explicar, vamos às ressalvas. Tanto o alvirrubro quanto o tricolor congelaram (dentro da lei) os valores, ignorando a especulação imobiliária, sobretudo nos Aflitos. Idem com o Sport, que, por outro lado, calculou a depreciação dos bens construídos, com queda de 19,6% num ano, ou R$ 32,4 milhões a menos. Como consequência, o patrimônio leonino tornou-se menor que o alvirrubro (133 mi x 134 mi). 

Um ponto interessante sobre a depreciação é o caráter meramente contábil, não relacionado, necessariamente, ao valor real de mercado. Como exemplo, o Arruda. A comissão patrimonial do Santa encomendou uma avaliação independente do estádio, sem contar os terrenos do CT Waldomiro Silva, em Beberibe, e CT Ninho das Cobras, na Guabiraba (ambos sem estrutura). Nesta análise, o Mundão valeria R$ 274 milhões, num aumento de 330% em relação ao balanço oficial, com a cifra pregada há anos. Pela falta de atualização, o patrimônio coral ficou abaixo do Central. Localizado num bairro nobre de Caruaru, Maurício de Nassau, o estádio alvinegro é sondado por construtoras de forma recorrente. Valeria R$ 88 milhões.

A lista abaixo apresenta os clubes locais acima de R$ 1 milhão, considerando imóveis, como sede, estádio, ginásios, parque aquático, centros de treinamento, terrenos etc. Vale destacar que Náutico e Sport não consideram os CTs nos ajustes patrimoniais, ainda atrelados como bens paralelos. E olhe que alguns clubes informam até maquinário, equipamentos eletrônicos e veículos. O Sport, por exemplo, soma R$ 5 milhões neste quesito, desconsiderado aqui. Em tempo: nada está à venda.

Patrimônio social
1º) Náutico, R$ 134.489.197 (Aflitos e clube)
2º) Sport, R$ 133.005.168 (Ilha do Retiro e clube)
3º) Central, R$ 96.400.000 (Lacerdão e terreno)
4º) Santa Cruz, R$ 63.739.000 (Arruda e clube)
5º) Sete de Setembro, R$ 18.000.000 (Gigante do Agreste e terreno)*
6º) América, R$ 1.700.319 (imóvel)*
7º) Porto, R$ 1.610.293 (CT e imóveis)
* Dados de 2015, os últimos presentes no site da FPF

Observações:
1) A lista milionária poderia ser maior caso Centro Limoeirense e Ypiranga detalhassem seus respectivos estádios, o José Vareda e Limeirão.

2) O casarão na Estrada do Arraial é alvo de disputa pelo América, que perdeu o imóvel em 2012 num leilão para abater uma dívida. O clube tenta anular o processo. De toda forma, em 2015, passou a ser classificado como Imóvel Especial de Preservação (IEP) e não pode mais ser demolido.

Área dos clubes no Recife
1º) Ilha do Retiro, 110 mil m²
2º) Arruda, 58 mil m²
3º) Aflitos, 41 mil m²

Área dos principais centros de treinamento
1º) Wilson Campos (Náutico), 49 hectares
2º) Ninho do Gavião (Porto), 20 hectares
3º) Ninho das Cobras (Santa), 10,5 hectares (em construção)

4º) José de Andrade Médicis (Sport), 8,4 hectares

Salgueiro, Santa e Sport representam Pernambuco no Nordestão pela 3ª vez

Pernambuco na Copa do Nordeste. Arte: Cassio Zirpoli/DP

O interior do futebol pernambucano se fará presente na Copa do Nordeste pela 5ª vez em 15 edições. Com a classificação à final estadual, o Sagueiro manteve o ritmo de participações na competição regional. Nesta volta do Nordestão ao calendário oficial, em 2013, são quatro presenças em seis edições, já considerando a próxima, em 2018. É muita coisa. Inclusive, mais vagas que o Náutico, com três campanhas no período.

O trio definido, Salgueiro, Sport e Santa Cruz, repete as formações locais de 2013 e 2016. Entretanto, há uma diferença desta vez. A Lampions League será reformulada, mantendo os estados do Piauí e do Maranhão, como não poderia deixar de ser, mas com 16 clubes na fase de grupos em vez de 20. Ou seja, foi preciso criar, após votação entre clubes e federações, uma etapa preliminar com oito times, passando quatro à fase principal, com doze pré-classificados. No contexto local, o carcará e o leão já estão na fase de grupos, enquanto o tricolor disputará a seletiva ainda julho deste ano.

Em 2018, a Copa do Nordeste deverá distribuir R$ 23 milhões em cotas de participação. Ainda não há premiação definida, mas, caso o percentual da última edição seja mantida, o campeão pode ganhar mais de R$ 3,5 milhões.

Representantes locais na Lampions*
1994 – Sport (1º), Santa Cruz (7º) e Náutico (12º)

1997 – Sport (3º), Náutico (6º) e Santa Cruz (8º)
1998 – Santa Cruz (5º), Sport (9º) e Náutico (15º)
1999 – Sport (3º) e Porto (10º)
2000 – Sport (1º) e Santa Cruz (10º)
2001 – Sport (2º), Náutico (3º) e Santa Cruz (5º)
2002 – Náutico (3º) e Santa Cruz (4º) e Sport (10º)
2003 – Nenhum
2010 – Santa Cruz (8º) e Náutico (10º)
2013 – Santa Cruz (6º), Sport (7º) e Salgueiro (13º)
2014 – Sport (1º), Santa Cruz (4º) e Náutico (11º)
2015 – Sport (4º), Salgueiro (7º) e Náutico (9º)
2016 – Santa Cruz (1º), Sport (4º) e Salgueiro (6º)
2017 – Sport (finalista), Santa Cruz (3º) e Náutico (9º)
2018 – Salgueiro, Sport e Santa Cruz
* Entre parênteses, a colocação no torneio regional

Número de participações na história do Nordestão (1994-2018)
13 – Sport
12 – Santa Cruz
9 – Náutico
4 – Salgueiro
1 – Porto

Número de participações na volta do Nordestão (2013-2018)
6 – Sport
5 – Santa Cruz
4 – Salgueiro
3 – Náutico

Santa empata com o Náutico e garante a 3ª vaga de PE no Nordestão. Na fase Pré

Pernambucano 2017, disputa pelo 3º lugar: Santa Cruz x Náutico. Foto: Peu Ricardo/DP

Arruda vazio, time reserva. Embora o Santa Cruz não tenha criado o cenário ideal para um jogo tão importante, valia a definição da terceira vaga do estado na Copa do Nordeste de 2018. Com a vantagem construída na arena, quando venceu, o tricolor jogou sem forçar. Controlou parte do jogo, com o esfacelado Náutico lutando bastante, e segurou o empate em 1 x 1, suficiente para terminar o campeonato estadual em terceiro lugar.

Com a classificação, o tricolor participará, em julho, de uma fase preliminar do regional. A etapa, recém-criada pela CBF, contará com oito clubes, divididos em quatro mata-matas. Os confrontos ainda serão definidas por sorteio. Quem passar, vai à fase de grupos da Lampions, reduzida de 20 para 16 clubes. Ou seja, durante a Série B o time de Vinícius Eutrópio terá que compartilhar o foco. Provavelmente, veremos uma equipe mais qualificada que a formação no sexto Clássico das Emoções no ano, sob olhares de 3.387 espectadores.

Pernambucano 2017, disputa pelo 3º lugar: Santa Cruz x Náutico. Foto: Peu Ricardo/DP

Jacsson no gol, Nininho na direita (neste caso justificável, devido à lesão de Vítor), Wellington Cézar, Gino, Everton Santos… Não por acaso, este time deu chance ao Náutico, que no primeiro tempo equilibrou a disputa, com boas chances de ambos os lados. O empate em branco parecia encaminhado até os 46, quando Everton Santos, que perdera um gol cara a cara, teve mais uma chance. Diante de Jefferson, o goleiro acionado no lugar do machucado Tiago Cardoso, o atacante marcou. Chegou a 6 gols no torneo. Artilheiro isolado, mesmo sem ser titular, mesmo sem agradar. Coisas desse Pernambucano.

No segundo tempo, os dois treinadores mexeram bastante, com a saída de Erick sendo a mais surpreendente. Foi a segunda vez seguida que Waldemar Lemos tirou o jovem atacante, hoje o principal nome timbu. Injustificável. Na reta final, após perder duas chances, uma delas em boa jogada de Maylson, o Náutico já parecia aceitar o revés. Até os 38, quando Anselmo pegou um rebote e empatou. A partida seguiria ate os 49, mas àquela altura o Santa enfim mostrava organização, prendendo a bola no ataque, com Pitbull de volta. No geral, o clássico não fez justiça ao nome, mas decidiu o futuro. No Santa, a 3ª participação seguida na Lampions. No Náutico, a 3ª ausência em seis anos. E nas três em que participou, não saiu da primeira fase…

Troféu Gena*
8 pontos – Náutico (2v, 2e, 2d)
8 pontos – Santa (2v, 2e, 2d)
* Em homenagem ao centenário do clássico, somando os duelos em 2017

Pernambucano 2017, disputa pelo 3º lugar: Santa Cruz x Náutico. Foto: Peu Ricardo/DP

Torcedor Alerta, o aplicativo da FPF para denunciar a violência em jogos de futebol

Aplicativo "Torcedor Alerta"

A FPF se associou a uma startup pernambucana para a elaboração de um aplicativo no combate à violência dentro e fora dos estádios de futebol no Recife. O Torcedor Alerta é uma adaptação de um aplicativo já existente, o Sempre Alerta, da Mooh Tech. No ícone da FPF no app é possível fazer denúncias, enviar fotos, áudios e vídeos de atos violentos (roubo, agressão, ameaças, abuso etc). De certa forma, lembra a linha de WhatsApp criada pelo governo do estado, em 2015, pelo número (81) 98606-9880. Também com o denúncias de episódios violentos no futebol, garantindo o anonimato. Neste caso, a diferença é o chamado direto com agentes fiscais e a polícia.

No chat com a central de atendimento é estabelecida a localização via GPS, com o ponto exato da denúncia. E a visualização de várias denúncias espontâneas no mesmo perímetro identificam uma área prioritária, otimizando a ação. Segundo a entidade, o sigilo da fonte se mantém. A estreia do trabalho de “segurança participativa” foi agendado para o jogo de ida da final da Copa do Nordeste de 2017, entre Sport e Bahia, na Ilha do Retiro. Antes, dez meses de testes, avaliando as respostas às informações repassadas pelo público. Com a oficialização, a capital pernambucana é a primeira a contar com a ferramenta, em parceria com a CBF, com São Paulo sendo a segunda.

Com o banco de dados, a polícia terá um “mapa de calor” sobre as áreas críticas nos estádios. Que processe a informação e se antecipe ao problema.

Para baixar (app gratuito, de 44 megas): iOSAndroid

Aplicativo "Torcedor Alerta"