Penalty produz a bola do Campeonato Pernambucano pelo 11º ano seguido

A bola oficial do Campeonato Pernambucano de 2018. Foto: FPF/divulgação

A Penalty irá produzir a bola oficial do Campeonato Pernambucano pelo 11º ano consecutivo. Após substituir a Dray, fornecedora em 2007, a fabricante firmou um duradouro acordo com a federação. Inicialmente, apresentou a sua bola mais tradicional no mercado, com oito gomos. No futebol local, esse modelo foi utilizado durante nove edições. A mudança aconteceu em 2017, com a pelota de onze gomos, o mesmo modelo para o Estadual de 2018. Ou seja, trata-se de uma atualização da S11 Campo Pró, com gomos em formatos distintos e, desta vez, o rosa como cor dominante (e novidade).

Versões da bola oficial do Campeonato Pernambucano, via Penalty
2008 – Bola 8 (15 estaduais)
2009 – Bola 8 (14 estaduais)
2010 – Bola 8 (15 estaduais)
2011 – Bola 8 (15 estaduais)
2012 – S11 Campo Pró (11 estaduais)
2013 – S11 Campo Pró (11 estaduais)
2014 – S11 Campo Pró (11 estaduais)
2015 – S11 Campo Pró (16 estaduais)
2016 – Bola 8 (11 estaduais)
2017 – S11 Campo Pró (10 estaduais)
2018 – S11 Campo Pró (nº de competições a definir)

A nova bola será utilizada em outros campeonatos estaduais, com a empresa negociando os direitos com cada federação. No torneio promovido pela FPF, o modelo rosa vai a campo em 61 partidas. Como ocorre desde 2013, a decisão deve contar com uma bola exclusiva, no caso os jogos 62 e 63.

As bolas anteriores do Estadual: 20112012201320142015, 2016 e 2017.

Um golaço pela vida na 6ª divisão da Argentina, o Prêmio Puskas de 2017?

Lulo Benítez...

O Central de Larroque é um time de futebol de uma pequena cidade de mesmo nome, na província argentina de Entre Ríos. Representando os sete mil moradores, disputa as divisões inferiores do país vizinho. Nunca foi longe, ganhando no máximo a “Liga Departamental de fútbol de Gualeguaychú”, um torneio regional com status de sexta divisão na Argentina, semiamadora, como ocorre em outras províncias longe da capital. Mas, ainda assim, o alvirrubro tornou-se motivo de orgulho nacional. A partir de um gesto além dos gramados praticado por Alejandro “Lulo” Benítez, um atacante de 30 anos.

Ele era símbolo do pequeno Central, quando passou por um drama familiar. O seu sobrinho de 9 meses, Milo, precisava com urgência de um transplante de fígado. Após exames, só a mãe (irmã de Lulo) e o atleta eram compatíveis. Caso aceitasse ser o doador, precisaria encerrar a carreira, uma vez que o órgão não se regenera 100%, além da recuperação demorada. Com a irmã operada no coração, em janeiro de 2017, Alejandro não pensou duas vezes.

“Era uma questão de vida ou morte, e eu não podia falhar”, disse ao Olé.

Antes da estreia na “Federal C”, a quinta divisão, falou com o time e entrou na sala de cirurgia para uma operação de 12 horas, simultaneamente ao bebê. Hoje, já estão saudáveis e simbolizados na luta pela doação de órgãos, até no Brasil. Tanto que a Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO) criou uma campanha para levar o ‘gol’ de Lulo Benítez ao Prêmio Puskas, da Fifa, que elege anualmente o tento mais bonito. Na tag, #puskasparalulo.

Em Entre Ríos, não há dúvida sobre o merecimento…

Vencedores do Prêmio Puskas da Fifa
2009 – Cristiano Ronaldo (Portugal)
2010 – Altıntop (Turquia)
2011 – Neymar (Brasil)
2012 – Miroslav Stoch (Eslováquia)
2013 – Ibrahimovic (Suécia)
2014 – James Rodríguez (Colômbia)
2015 – Wendell Lira (Brasil)
2016 – Mohd Faiz Subri (Malásia)

Assista aos dez gols candidatos ao Prêmio Puskas de 2017 clicando aqui.

A evolução de mercado das marcas dos clubes do Nordeste, via consultoria BDO

As projeções das marcas dos maiores clubes do Nordeste de 2011 a 2017, via BDO. Arte: Cassio Zirpoli/DP, via infogram

A consultoria BDO RCS publica avaliações sobre as marcas dos clubes brasileiros desde 2009. Inicialmente, no entanto, focava (ou divulgava) apenas os principais clubes de SP, RJ, MG e RS. Os times do nordeste começaram a aparecer com regularidade a partir do levantamento de 2011. Desde então, o “G7″ da região sempre figurou no estudo de mercado. A partir disso, o blog compilou os dados brutos de cada um, considerando os três principais clubes do Recife, os dois de Salvador e os dois de Fortaleza. Somente em 2017 outros dois nordestinos foram mensurados, ABC (9,0 mi) e Sampaio (6,3 mi).

Acima, os números de cada clube, em milhões de reais. Abaixo, a evolução numérica em quatro cenários distintos.

Lembrando que a metodologia de escolha e análise dos clubes utiliza dados financeiros, pesquisas com torcedor, informações de marketing de cada clube e dados econômicos e sociais dos brasileiros. Ao todo são 21 variáveis.

Confira os rankings nacionais: 2011, 2012, 2013, 2014, 2015, 2016 e 2017.

Nordeste (Náutico, Santa, Sport, Bahia, Vitória, Ceará e Fortaleza)
No cenário regional, a dupla Ba-Vi dominou o topo nos cinco primeiros anos, com Vitória 1x (2011) e Bahia 4x (2012, 2013, 2014 – o ano mais achatado no pódio – e 2015). Em 2016, quando superou a barreira de R$ 100 milhões, o Sport assumiu a liderança, mantendo também em 2017. Considerando os outros times, a melhor marca foi do Náutico, com R$ 38,3 milhões em 2014. Na última edição do estudo, a diferença entre esses quatro foi de 9,4 mi, num sinal de equilíbrio pela 4ª força – mantida pelo timbu há sete anos.

As projeções das marcas dos maiores clubes do Nordeste de 2011 a 2017, via BDO. Arte: Cassio Zirpoli/DP, via infogram

Pernambuco (Náutico, Santa Cruz e Sport)
Em 2017, o leão pernambucano estabeleceu uma diferença de R$ 72,3 milhões sobre a soma de Náutico e Santa. Já são três anos consecutivos com a projeção do Sport acima dos rivais agregados. A última vez em que alvirrubros e tricolores, juntos, superaram o rubro-negro foi em 2014, por 1 milhão de reais – neste contexto, a maior diferença foi em 2013, com R$ 18,2 mi. Numa comparação apenas entre Náutico e Santa, o timbu segue à frente desde o início, impressionando a vantagem nos últimos dois anos, quando os corais conseguiram o acesso à elite e ainda ganharam o Nordestão.

As projeções das marcas dos maiores clubes de Pernambuco de 2011 a 2017, via BDO. Arte: Cassio Zirpoli/DP, via infogram

Bahia (Bahia e Vitória)
O Baêa ficou sete anos fora da elite nacional, de 2004 a 2010. A má situação nos gramados refletiu na avaliação de 2011, ano de sua volta, com R$ 12,3 milhões a menos que o maior rival. Seria a única vez. Desde então são seis anos na liderança do estado, impondo até R$ 34,3 milhões a mais, em 2016. A aquisição do CT “Cidade Tricolor” deve influenciar ainda mais em 2018.

As projeções das marcas dos maiores clubes da Bahia de 2011 a 2017, via BDO. Arte: Cassio Zirpoli/DP, via infogram

Ceará (Ceará e Fortaleza)
O vozão sempre esteve à frente do rival. Porém, a maior diferença entre os alencarinos ocorreu em 2011, ano em que o Ceará disputou a Série A pela última vez. A marca alvinegra ficou R$ 6,1 milhões à frente do FEC, que já estava na terceira divisão, onde seguiria até 2017. As melhores avaliações de ambos foram nesta última versão.

As projeções das marcas dos maiores clubes do Ceará de 2011 a 2017, via BDO. Arte: Cassio Zirpoli/DP, via infogram

As marcas de Santa Cruz, Náutico e Sport valem R$ 165,5 milhões no mercado

Santa Cruz, Náutico e Sport. Arte: DP

As centenárias marcas do Trio de Ferro valem R$ 165,5 milhões. Essa é a avaliação feita pela consultoria BDO RCS Auditores Independentes, que pela 8ª projetou o Trio de Ferro. Ao todo, o relatório de 2017 tem 40 times, seis a mais que a versão anterior. Embora o número seja elevado, na prática equivale à projeção do Atlético Paranaense. Mas vale a ressalva de que o Sport detém a melhor projeção no futebol nordestino, tendo subido um pouco no último. Já as avaliações dos rivais pioraram. Com isso, a marca agregada do Trio de Ferro caiu 6,4% em relação ao estudo anterior.

O cálculo conta com 21 variáveis em três frentes: dados financeiros (marketing, estádio, sócios e mídia, à parte das transferências de atletas), torcida (tamanho, faixa etária, nível de renda e distribuição geográfica) e mercado local (informações econômicas e sociais sobre a região em que os clubes atuam). Entre os clubes levantados estão nove nordestinos.

Marcas mais valorizadas no Nordeste
1º) Sport (118,9 milhões, em 15º no país)
2º) Bahia (110,4 mi, em 16º)
3º) Vitória (78,7 mi, em 17º)
4º) Náutico (25,1 mi, em 28º)
5º) Santa Cruz (21,5 mi, em 29º)
6º) Ceará (20,5 mi, em 30º)
7º) Fortaleza (15,7 mi, em 32º)
8º) ABC (9,0 mi, em 35º)
9º) Sampaio Corrêa (6,3 mi, em 39º)

Lá no topo, três times brasileiros já ultrapassaram a barreira bilionária: Flamengo (R$ 1,693 bi), Corinthians (R$ 1,593 bi) e Palmeiras (R$ 1,123 bi), o atual campeão brasileiro. O time carioca lidera pelo terceiro ano, após cinco temporadas de domínio corintiano.

A avaliação das marcas dos clubes em 2017. Crédito: BDO

Confira a evolução dos recifenses, tanto nos valores quanto no ranking nacional.

Sport
2017 (15º) – 118,9 mi (Série A), +1.6%
2016 (15º) – 117,0 mi (Série A), +33.8%
2015 (16º) – 87,4 mi (Série A), +39.6%
2014 (17º) – 62,6 mi (Série A), +50.8%
2013 (19º) – 41,5 mi (Série B), -0.9%
2012 (17º) – 41,9 mi (Série A), +6.6%
2011 (16º) – 39,3 mi (Série B), +5.3%
2010 (15º) – 37,3 mi (Série B)

Náutico
2017 (28º) – 25,1 mi (Série B), -28.0%
2016 (25º) – 34,9 mi (Série B), -4.1%
2015 (23º) – 36,4 mi (Série B), -4.9%
2014 (20º) – 38,3 mi (Série B), +0.7%
2013 (20º) – 38,0 mi (Série A), +23.3%
2012 (20º) – 30,8 mi (Série A), +16.2%
2011 (21º) – 26,5 mi (Série B), -1.8%
2010 (19º) – 27,0 mi (Série B)

Santa Cruz
2017 (29º) – 21,5 mi (Série B), -7.3%
2016 (27º) – 23,2 mi (Série A), -29.4%
2015 (25º) – 32,9 mi (Série B), +30.0%
2014 (25º) – 25,3 mi (Série B), +16.5%
2013 (25º) – 21,7 mi (Série C), +0.9%
2012 (24º) – 21,5 mi (Série C), +10.8%
2011 (23º) – 19,4 mi (Série D), +4.3%
2010 (23º) – 18,6 mi (Série D)

Trio de Ferro
2017 – 165,5 mi,  -6.4%
2016 – 175,1 mi, 11.7%
2015 – 156,7 mi, +24.1%
2014 – 126,2 mi, +24.7%
2013 – 101,2 mi, +7.4%
2012 – 94,2 mi, +10.5%
2011 – 85,2 mi, +2.7%
2010 – 82,9 mi

Desde 2010, o trio, então com R$ 82,9 milhões, valorizou 99,6%.

A avaliação das marcas dos 40 principais clubes do país em 2017. Crédito: BDO

Permanência do Náutico na Série B passa pelo desempenho do mando no Lacerdão

Série A de 2009, Náutico 2 x 1 Santo André, no Lacerdão

Em 8 de agosto de 2009, o Náutico precisou mandar o seu jogo contra o Santo André em Caruaru. A campanha na Série A era péssima, mas uma vitória tiraria o time da zona de rebaixamento na ocasião. Apoiada na esperança, e ainda na época do Todos com a Nota, a timbuzada encheu o Lacerdão, com 13.434 torcedores. A pressão deu resultado, com o triunfo por 2 x 1, com dois gols de Bala. Oito anos depois, o clube se vê novamente obrigado a pegar a BR-232 para atuar como mandante no Brasileiro.

Agora na Série B, também querendo evitar o Z4, o timbu jogará quatro vezes na Capital do Forró devido à impossibilidade de uso da Arena Pernambuco, alugada para dois eventos religiosos (!). A o primeiro compromisso é contra o líder do campeonato, o Inter, com a campanha de divulgação já iniciada pelo clube, por meio de vídeos em suas redes sociais – relembrando, claro, a atmosfera de 2009. Em tese, o time volta à arena para os últimos três jogos “em casa”. Dependendo do desempenho no Agreste, talvez fique por lá…

Qual a expectativa de público para o primeiro jogo, num sábado à tarde?

Os mandos de campo do Timbu no Lacerdão pela Série B
25ª) Náutico x Internacional (23/09)
27ª) Náutico x Boa (30/09)
29ª) Náutico x Guarani (14/10)
31ª) Náutico x ABC (21/10)

Uniforme preto completa a primeira linha do Santa através da marca Cobra Coral

O uniforme III do Santa Cruz para a temporada 2017/2018. Crédito: Loja Cobra Coral/reprodução

O Santa Cruz completou a sua primeira linha de uniformes oficiais por meio da marca própria “Cobra Coral”. Visando a temporada 2017/2018, o padrão preto, com estreia prevista para a 24ª rodada da Série B, traz a mensagem “nova pele”, com “escamas renovadas” a partir dos detalhes remetendo ao mascote.

Para a pré-venda, uma tiragem de mil modelos por R$ 200. A partir disso, já nas lojas, a camisa sai por R$ 230. Lembrando que os dois primeiros padrões foram apresentados em 12 de maio, com a substituição da Penalty já no Campeonato Brasileiro. Curiosamente, o uniforme clássico, o coral com listras horizontais, foi o único ausente, guardado para a próxima linha.

Lançada em maio, a marca vendeu 13 mil peças no primeiro trimestre, com R$ 476 mil de receita líquida. A produção é feita numa fábrica terceirizada no estado do Ceará, a Bomache, que também tem contratos semelhantes com outros clubes do país, como o pioneiro Paysandu, dono da “Lobo”.

Confira mais detalhes do padrão preto clicando aqui.

Tricolor, o que você achou da primeira linha da Cobra Coral? Qual a melhor?

A primeira linha de uniformes do Santa Cruz via "Cobra Coral"

Íbis consegue 500 sócios em 1 mês, no embalo da pior marca e do menor plano

Carteira de sócio do Íbis em 2017

Com quase 80 anos de história, o Íbis não contava com quadro social. No máximo, colabores a partir da simpatia pela aura perdedora do pior time do mundo. Sem perder a essência, mas tentando criar um laço maior com os admiradores, o clube criou uma campanha de sócios com mensalidade de R$ 2, a menor cédula brasileira. Não existe plano mais barato no futebol do país.

Somando adeptos através de depósitos bancários e com campanha na rua via Mauro Shampoo, o pássaro preto conseguiu 500 sócios no primeiro mês – um torcedor quitou 50 meses de uma vez, pagando R$ 100. Todas as pessoas, várias fora de Pernambuco, foram cadastradas com e-mail, recebendo uma carteirinha virtual – a versão física ‘inviabilizaria’ a mensalidade. O blog entrou na onda, com a carteira de sócio colaborador de nº 29. Adimplente.

Através do CNPJ de número 10.510.303-07, o torcedor pode pagar as suas mensalidades em duas contas abertas pelo clube.

Banco do Nordeste, agência 00237, conta corrente 0552-2
Caixa Econômica Federal, agência 0917, conta corrente 4827-5

Depois, o pagamento precisa ser informado no e-mail ibissocio@gmail.com.

Em campo, o 5º clube com mais sócios no estado (após Sport, Santa Cruz, Náutico e Salgueiro) encara a Série A2. Em 2017, apenas o campeão será promovido. Não parece ser a sina deste Íbis, cada vez mais popular…

Carteira de sócio do Íbis em 2017

Netshoes divulga o ranking de vendas de camisas, com o Sport em 5º lugar no país

O ranking de venda de camisas da Netshoes. Arte: Cassio Zirpoli/DP

A Netshoes atua no e-commerce desde 2007, com a venda de uniformes de clubes de futebol sendo uma das principais fontes. Com uma década de operação, já na condição de maior site de varejo esportivo no país, o balanço da empresa é um bom indicativo sobre a força das marcas dos clubes. A pedido do blog #FERA, do jornal O Estado de São Paulo, a Netshoes divulgou um ranking particular com os clubes que mais venderam camisas no primeiro semestre de 2017. A lista inclui clubes brasileiros e internacionais e seleções.

Apesar da expansão de padrões oficiais de times europeus, a partir das transmissões das ligas da Espanha e da Inglaterra, apenas o Barcelona conseguiu figurar no top ten, fechando a lista. Já o pódio ficou formado pelo líder do Brasileirão, o Corinthians, pelo atual campeão, o Palmeiras, e pelo clube mais popular, o Flamengo. Mas o que chama a atenção é a 5ª colocação, ocupada pelo Sport. Justamente na reta final do acordo de quatro anos entre o leão e a Adidas. Entre negociações de renovação de possíveis novas parceiras, o rubro-negro acabou ganhando um considerável ponto a favor – à parte da venda nos sites e lojas do clube e da própria Adidas.

O ranking traz apenas as colocações, sem dados absolutos de camisas.

Ranking em 2017
1) Corinthians (Nike)
2) Palmeiras (Adidas)
3) Flamengo (Adidas)
4) São Paulo (Under Armour)
5) Sport (Adidas)
6) Santos (Kappa)
7) Cruzeiro (Umbro)
8) Internacional (Nike)
9) Vasco (Umbro)
10) Barcelona (Nike)

Há dois anos, a Netshoes apresentou o seu primeiro ranking de vendas, exibindo também quadros estaduais. Em Pernambuco, Sport 1º, São Paulo 2º e Náutico 3º. Na ocasião, o quadro levantou os sete primeiros meses.

Ranking em 2015
1) Flamengo (Adidas)
2) São Paulo (Under Armour)
3) Cruzeiro (Penalty)
4) Seleção Brasileira (Nike)
5) Corinthians (Nike)
6) Atlético-MG (Puma)
7) Botafogo (Puma)
8) Fluminense (Adidas)
9) Palmeiras (Adidas)
10) Vasco (Umbro)

Linha de uniformes do Náutico para a temporada 2017/2018, via Topper

Uniformes do Náutico para a temporada 2017/2018. Crédito: Náutico/twitter (@nauticope)

Após postergar o lançamento, o Náutico apresentou a linha de uniformes para a temporada 2017/2018, o segundo dos quatro anos da parceria do clube junto à Topper. Desta vez, o modelo masculino (R$ 219) traz uma gola com botão, enquanto a camisa feminina segue com uma gola decotada (R$ 209).

O novo padrão principal veio com um vídeo produzido pelo departamento de marketing nos Aflitos, onde o time deverá utilizá-lo no próximo ano.

“Se o futebol é uma paixão, o Náutico é amor incondicional. Um sentimento que vai além da compreensão. Um clube pra gente como você, que quando ama, ama de verdade. Todo dia, e não só de vez em quando. Na alegria ou na dificuldade, porque o Náutico não é só um clube, o Náutico é o seu clube. E essa é a sua camisa.”

Relembre a linha anterior com a Topper clicando aqui.

Alvirrubro, o que você achou do novo padrão?

A camisa 23 de Grafite retorna ao Santa Cruz, possivelmente até o fim da carreira

A camisa 23 de Grafite, de volta do ao Santa Cruz em 2017. Crédito: Santa Cruz/reprodução

Aos 38 anos, o atacante Grafite acertou o seu retorno ao Santa Cruz. Após uma rápida passagem no Atlético-PR, onde foi disputar a Libertadores depois de ter sido vice-artilheiro do Brasileirão, com 13 gols, o jogador decidiu dar uma pausaa na carreira. No Recife, onde mora, acabou mantendo contato com o tricolor, firmando um acordo até o fim da Série B de 2017, onde terá a missão de tirar o time da briga contra o rebaixamento, devendo se aposentar em seguida. Para o entendimento, perdoou algumas dívidas – saiu com quatro meses de atraso salarial – e ainda topou um salário no nível do elenco.

Esta é a 4ª passagem no clube do experiente jogador, após 2001, 2002 e 2015/2016. Celebrando a volta do camisa 23, a direção tricolor lançou um vídeo com o uniforme da marca Cobra Coral já estampado com o número e o nome do reforço, além de alguns momentos marcantes do Grafa.

Grafite trata a sua volta como “superação”. Resta ver o rendimento técnico.

Tricolor, o que você achou da volta do atacante ao Arruda?

Grafite no Santa Cruz
2001 – 22 jogos, 5 gols
2002 – 15 jogos, 11 gols
2015 – 15 jogos, 7 gols
2016 – 56 jogos, 24 gols

Total – 108 jogos, 47 gols