Moedas e bolas exclusivas na semifinal do Nordestão, no Recife e em Salvador

As moedas dos árbitros no mata-mata do Nordestão 2017. Crédito: divulgação

Os clássicos mais populares da região decidem as vagas na decisão da Copa do Nordeste de 2017. Jogos de apelo e com características exclusivas. Tanto no Clássico das Multidões quanto no Ba-Vi, foram produzidas bolas com os escudos dos clubes e até moedinhas distintas aos árbitros.

O juízes indicados, Caio Max (Barradão) e Cláudio Francisco (Ilha do Retiro), vão decidir o lado do campo dos times e a posse de bola inicial através de uma peça dourada confeccionada. No duelo baiano, cada jogo tem uma moeda com a data específica gravada, o que só não ocorreu na versão pernambucana devido às várias mudanças na tabela. Logo, um perfil “genérico”.

Confira as moedas anteriores, utilizadas apenas nas finais: 2015 e 2016.

Clássico das Multidões
29/04 (18h30) – Sport x Santa Cruz, Ilha do Retiro
03/05 (21h45) – Santa Cruz x Sport, Arruda

Ba-Vi
27/04 (20h30) – Vitória x Bahia, Barradão
30/04 (16h00) – Bahia x Vitória, Fonte Nova 

Quanto à bola oficial, a Asa Branca IV, a Topper não deve comercializar as versões com os escudos dos clubes, com os modelos restritos a 180 minutos.

As bolas das semifinais da Copa do Nordeste de 2017. Crédito: divulgação

O uniforme principal do Sport para a temporada 2017/2018, homenageando 87

Uniforme do Sport para a temporada 2017/2018

Com o título brasileiro de 1987 completando trinta anos, o uniforme principal do Sport para a temporada 2017/2018 fez uma homenagem ao modelo histórico. Como vem ocorrendo há alguns anos, a camisa chegou às lojas do Recife antes do lançamento oficial do clube, tradicionalmente no aniversário em 13 de maio.

A versão rubro-negra traz a gola vermelha em “v”, com três faixas pretas na frente – a versão 2016/2017 tem quatro. Vale a ressalva pois as costas do modelo ficaram apenas com a cor vermelha – como a camisa de 2015. Além disso, a frase no verso da gola, já recorrente nas linhas oficiais do leão, é a seguinte: “O Brasil é teu”. A expressão ficou eternizada na manchete do caderno de esportes do Diario de Pernambuco, em 8 de fevereiro de 1988.

O novo padrão chega com o mesmo preço da linha anterior: R$ 249,90.

Vale lembrar que esta é a 4ª linha de camisas via Adidas, cujo contrato vigente se encerra em 2018. Seguindo a ordem dos últimos lançamentos, as próximas camisas devem sair em junho (modelo II) e agosto (modelo III).

Rubro-negro, o que você achou da nova camisa do Sport?

Uniforme do Sport para a temporada 2017/2018

A bola dourada para a fase final do Campeonato Pernambucano de 2017

A bola da final do Campeonato Pernambucano de 2017. Crédito: FPF/divulgação

Pelo segundo ano seguido a bola da final do Campeonato Pernambucano será dourada. A versão exclusiva para a fase final surgiu no Mundial de 2006, quando a Adidas confeccionou uma bola para a decisão entre Itália e França, a Teamgeist Berlin, também dourada. Desde então, inúmeras competições copiaram a ideia. No futebol local, com a Penalty, vigora desde 2013.

Começou com a Duelo Final, marrom. No ano seguinte, a Gorduchinha, com as cores brasileiras. Após dois anos sem nome definido (apenas a cor distinta), voltou a Duelo Final, espalhada em dez estaduais. Fornecedora do campeonato local há uma década, a empresa ajustou a S11 Campo Pró, trocando os gomos nas cores laranja, roxa e preta por detalhes dourados.

A pelota foi apresentada na FPF aos dirigentes de Salgueiro, Náutico, Sport e Santa, uma vez que o modelo será utilizado em todos os mata-matas, com as semifinais, decisão de 3º lugar e decisão do título. Repete o formato de 2015. Ou seja, a bola dourada entra em campo em 8 dos 95 jogos do torneio.

As versões originais e exclusivas do PE: 2013201420152016 e 2017.

As bolas do hexagonal e do mata-mata de 2017 (S11)

As bolas oficiais do Campeonato Pernambucano de 2017

As bolas do hexagonal/semifinal e da final de 2016 (Bola 8)

As bolas oficiais do Campeonato Pernambucano de 2016

Cartão pré-pago do Náutico, o futuro ingresso timbu na Arena Pernambuco

Cartão de crédito do Náutico. Imagem: Náutico/reprodução

Entre as ações no aniversário de 116 anos do Náutico, o lançamento de um cartão de débito voltado para o público alvirrubro. Em versões para o público geral (acima) e para o sócio-torcedor (abaixo), o cartão adota o modelo pré-pago, sendo adquirido por R$ 19. Segundo a rede Brasil Pré-Pagos, trata-se de “cartão recarregável que efetua compras, saques e transferências, sem a burocracia de abrir uma conta nos bancos tradicionais.”

Com a bandeira Visa, o cartão tem site um especial: cartoesnautico.com.br.

O time de Rosa e Silva é o primeiro do estado a firmar a parceria, já feita por clubes como Flamengo e Atlético-PR, também no modelo pré-pago. Na década de 1990, os três times do Recife tiveram cartões de crédito personalizados, mas a ideia não durou muito – o último modelo foi em 2011, numa parceria Sport/Banorte, com anuidade a partir do segundo ano.

Agora, com a tecnologia visivelmente mais acessível, a ideia é ampliar a função do cartão, virando um “ingresso digital”, revertendo o crédito em bilhetes para os jogos com mando do Náutico na Arena (ou nos Aflitos).

O valor mínimo na primeira recarga é de R$ 100.
Confiras as tarifas do cartão alvirrubro aqui.

Cartão de crédito do Náutico. Imagem: Náutico/reprodução

Zequinha, o novo mascote do Náutico

Zequinha, o novo mascote do Náutico

Nas sociais dos Aflitos, Zequinha era a alegria onipresente nos jogos do Náutico. Durante décadas foi assim, numa época hoje remota, com o Balança mas não cai e com a orquestra da Timbucana. Entre outros nomes, era contemporâneo de Dona Lia, que dizia ter se casado com o Alvirrubro.

Folclórico, Zequinha tinha bordões clássicos, conhecidos pelas três torcidas.

Sobre o seu time, era direto…  “O maior do mundo!”
E para resenhar com a torcida, gritava bem alto… “Miaaaauuuuu!”

O carismático torcedor faleceu em 2007, aos 75 anos.

Em 2017, o Náutico repaginou o mascote oficial, cuja estreia ocorreu em 12 de março, no Clássico das Emoções pelo Nordestão, na Arena. Na construção do novo personagem, o clube resolveu fazer a homenagem, batizando o timbu. Com a camisa 34, alusiva ao primeiro título pernambucano, “Zequinha” foi apresentado na mesma Arena, agora contra o Central, pelo Estadual.

No texto da justificativa oficial, a “homenagem ao torcedor símbolo, que tinha a alegria como marca registrada nos Aflitos”. Tinha mesmo.

Patch na camisa da 5ª Sula do Sport, já com a numeração oficial, do 1 ao 30

Patch da Copa Sul-Americana 2017 no uniforme do Sport. Crédito: Sport/twitter (@sportrecife)

Em 2017, o Sport disputa a Sul-Americana pela 5ª vez. Há tempos o clube coloca uma boa participação entre suas principais metas. Ao contrário dos anos anteriores, a estreia já será contra um adversário do exterior, o Danubio. No embalo da classificação no Nordestão, quatro dias antes. Paralelamente a isso, as camisas já receberam o novo patch da Sula – na linguagem do marketing futebolístico, trata-se da marca do torneio, neste caso estampada nas mangas. Além disso, foi definido o grupo de inscritos, com 30 jogadores, como preza o regulamento. São doze da base. Lembrando que a numeração (abaixo) é diferente, do 1 ao 30. Diego Souza, por exemplo, não vestirá a 87, mas a 10.

Com o elenco mais qualificado nesta temporada, fica a expectativa sobre a campanha – cuja vaga foi conquistada na última rodada da Série A. Até hoje foi frustrante, tanto no desempenho técnico quanto na presença da torcida. Em 2013, ano de estreia, viveu o melhor momento, em dois casos justificáveis. Na estreia, um clássico local. Nas oitavas, a primeira apresentação na Arena Pernambuco, então novidade. Desde então, nenhum jogo chegou a 10 mil, nem o pioneiro Clássico das Multidões num torneio da Conmebol. Será diferente?

Mando de campo na Copa Sul-Americana (4 participações rubro-negras)
20/08/2013 – Sport 2 x 0 Náutico – 16.125 (Ilha, 2ª fase)
23/10/2013 – Sport 1 x 2 Libertad (PAR) – 17.575 (Arena PE, oitavas)
28/08/2014 – Sport 0 x 1 Vitória – 6.025 (Ilha, 2ª fase)
27/08/2015 – Sport 4 x 1 Bahia – 8.201 (Ilha, 2ª fase)
23/09/2015 – Sport 1 x 1 Huracán (ARG) – 7.726 (Ilha, oitavas)
31/08/2016 – Sport 0 x 1 Santa Cruz – 6.570 (Arena PE, 2ª fase)
06/04/2017 – Sport x Danubio (URU) – ??? (Ilha, 1ª fase)

62.222 torcedores em 6 partidas, média de 10.370

Numeração das camisas do Sport na Sul-Americana de 2017. Crédito: Sport/twitter (@sportrecife)

Do sofá à arquibancada, a convocação do Santa. Iniciativa focada no torcedor atual

Campanha do Santa Cruz, convocando a torcida. Crédito: Santa Cruz/twitter (@SantaCruzFC)

Em 3 de novembro de 2013, num jogo complicado, valendo o acesso à segunda divisão, Flávio Caça-Rato marcou o gol da vitória coral, balançando o Arruda. Na ocasião, com 60.040 torcedores presentes. Lotação máxima, proporcionando a maior bilheteria do futebol pernambucano, com R$ 1.392.610. Hoje, na condição de atual campeão estadual e regional, o Santa Cruz vem registrando borderôs bem aquém de seu histórico recente. Nos seis primeiros jogos oficiais no Arruda em 2017, incluindo dois clássicos, foram 33 mil pessoas girando as catracas. Na média, 5,5 mil espectadores, ou 10% da capacidade atual do Mundão.

Por isso, a campanha do tricolor convocando o torcedor, na véspera do confronto decisivo contra o Campinense, em busca da vaga às quartas de final da Copa do Nordeste. O apelo é direto: “sai do sofá, vem pro Arruda”.

A iniciativa faz sentido, pois os seis jogos do clube como mandante foram transmitidos pela tevê para o Recife, entre Globo (2), Esporte Interativo (2) e Premiere (2). Essa comodidade é recorrente em clubes de massa, sempre com essa contrapartida – ao menos neste período de transição sobre a forma de acompanhamento do time de coração. Por sinal, essa convocação do Santa poderia ser muito bem aplicada aos rivais, com estádios tão esvaziados quanto.

À parte do que também afasta o torcedor (violência, transporte, horários e preço), a experiência de um jogo de futebol dentro do estádio é inigualável…

Os 6 jogos do Santa mandante (Estadual + Nordestão)
Público: 33.099 torcedores
Média de 5.516
Renda: R$ 313.510
Média de R$ 52.251 

Náutico acerta renovação de patrocínio com a Caixa, com até R$ 3,7 milhões

Camisa do Náutico com a Caixa em 2017. Foto: Náutico/instagram (@nauticope)

O Náutico passou a estampar a marca da Caixa Econômica Federal na área nobre de seu uniforme em setembro de 2016. Na ocasião, o alvirrubro tornou-se o 17º clube patrocinado pela instituição bancária. Contudo, o contrato foi curto, de apenas quatro meses, com aproximadamente R$ 300 mil mensais. Agora, um novo acordo com a Caixa. Duradouro. O extrato saiu no Diário Oficial da União (abaixo), com aporte de até R$ 3,7 milhões em 2017. Porém, o valor considera possíveis bonificações, como R$ 500 mil pela Série B e Copa do Brasil e R$ 300 mil pelo Nordestão, no novo modelo adotado pelo banco. Logo, 2,4 mi líquidos.

A Caixa deve seguir como a maior patrocinadora do futebol brasileiro. Em 2016 o banco patrocinou 21 clubes, com períodos de 2 a 12 meses. Nesta temporada, ainda que as equipes mantenham a marca “master”, o anúncio oficial vem a conta-gotas. Com as certidões negativas regularizadas (exigência da Caixa), o Náutico é apenas o 9º confirmado, o terceiro nordestino. Também na segundona, o Ceará receberá no máximo R$ 3,4 mi, uma vez que ficou de fora da Lampions.

Contratos já publicados no Diário Oficial: Flamengo (até R$ 30 mi, somando bonificação por títulos), Atlético-MG (até 16 mi), Cruzeiro (até 12,5 mi), Náutico (até 3,7 mi), Ceará (até 3,4 mi), Figueirense (até 3,4 mi), Paysandu (até 3,2 mi), América-MG (até 3,0 mi) e CRB (até 1,5 mi)

Próximos nordestinos na lista: Sport e Vitória

Registro do Diário Oficial da União sobre o patrocínio do Náutico com a Caixa em 2017

O Dia da Mulher para 2,5 milhões de alvirrubras, tricolores e rubro-negras

Torcidas femininas de Náutico, Santa Cruz e Sport. Fotos: Timbuzeiras/twitter (@timbuzeiras), Elas e o Sport/instagram (@elaseosport) e Fechadas com o Santa/facebook (@fechadascomosanta)

No Dia Internacional da Mulher, eis as homenagens de Náutico, Santa Cruz e Sport em 2017, através de suas páginas oficiais nas redes sociais.

Nada mais justo, com as mulheres cada vez mais presentes com os uniformes locais e nos estádios, num momento de amplo debate sobre o tema, sobre o respeito às torcedoras. Levando em conta a última divisão por sexo divulgada em uma pesquisa de torcida, da Paraná Pesquisa, em dezembro de 2016, seriam mais de 2,5 milhões de mulheres apaixonadas pelo três clubes da capital. Correspondem a mais da metade de cada um, 52%! Esse número deveria receber muito mais atenção das agremiações. Na web, elas já se organizam à parte, para jogos de futebol e eventos, através das Timbuzeiras, Fechadas com o Santa e Elas e o Sport. Abaixo, as projeções das torcidas femininas do Trio de Ferro no âmbito nacional. Na sequência, as mensagens dos clubes.

Estimativa de torcida feminina
1º) Sport – 1.393.110
2º) Santa Cruz – 750.136
3º) Náutico – 443.944

Entre as 2.587.190 torcedoras do trio de ferro, os percentuais absolutos são os seguintes: Sport 53,8%, Santa Cruz 29,0% e Náutico 17,1%.

Parabéns a todas as mulheres. Hoje e sempre!

 

 

O legado do Sport no Sete de Dourados, com a produção de uma camisa especial

Camisa do Sete de Setembro de Dourados em homenagem ao Sport. Crédito: Sete de Dourados/facebook (@cdsetedesetembrooficial)

O modesto Sete de Dourados fez a sua estreia na Copa do Brasil em 2017. Com uma folha de apenas R$ 98 mil, o clube sul-mato-grossense conseguiu avançar à segunda fase, onde enfrentou o Sport. O jogo no Recife foi apontado pela direção como o “mais importante da história do clube”. À frente até da final do campeonato estadual de 2016, quando ficou com o título. Em campo, pouco fez, sendo facilmente batido por 3 x 0. Deixou a competição com R$ 565 mil em cotas, o maior valor já arrecadado pelo clube desde a sua profissionalização.

A passagem no Recife, com o time tirando fotos com atletas rubro-negros e da própria Ilha, gerou um engajamento da torcida do Sport na página oficial do clube no facebook. Simpatia mútua com uma ação curiosa por parte do tricolor. Duas semanas após a partida, com 500 rubro-negros passando a seguir o perfil do ex-rival, o Sete anunciou a produção de uma camisa em homenagem ao Sport. À parte dos dois uniformes oficiais, azul com detalhes vermelhos e branco, o modelo especial tem listras horizontais nas cores azul e vermelha, emulando o design utilizado pelo clube pernambucano. Em vez de Adidas, RM Camisetas.

“Em breve, uma singela homenagem ao Maior do Nordeste, Sport Recife, e essa torcida que tem demonstrado um carinho imenso com nosso clube”