Podcast – A análise do triunfo do Sport sobre o Vitória em Salvador, caindo o tabu

Série A 2017, 27ª rodada: Vitória 1 x 2 Sport. Foto: Mauricia da Mata/E. C. Vitória

O Sport não vencia o Vitória no Barradão desde 1995. Eram 22 anos de jejum, tendo como exceção um triunfo pernambucano em Feira de Santana, na Série A de 2014. De forma, o tabu acabou, inclusive neste Brasileirão, cuja sequência negativa chegava a nove rodadas. Numa gravação exclusiva, o 45 minutos comentou a apresentação nas questões técnica e tática, se estendendo às análises individuais (Diego Souza como maior destaque?). Terminando, claro, com a situação na tabela. Estou neste debate. Ouça!

12/10 – Vitória 1 x 2 Sport (42 min)

Após 74 dias de jejum, Sport vence Vitória no Barradão e vai do Z4 à zona da Sula

Série A 2017, 27ª rodada: Vitória x Sport. Foto: Romildo de Jesus/Futura Press/Estadão conteúdo

Eram 9 rodadas sem vitória na Série A, num jejum que derrubou o Sport da zona da Libertadores à zona de rebaixamento. Futebol e confiança abaixo, com foco em Diego Souza, cuja qualidade técnica molda o leão, positiva ou negativamente. Jogando mal e irascível, o meia acabou sofrendo a pressão que cabe a um atleta de sua categoria. Cabia ao próprio sair dessa, pois bola tem. E em Salvador, fez por onde, sendo o nome da vitória. Curiosamente, a última também havia sido na capital baiana, no 3 x 1 sobre o Bahia em 30 de julho. Em outro clássico nordestino, mas contra o Vitória, DS87 fez gol e deu assistência, tirando o time do Z4. Contando com uma rodada camarada, voltou à zona da Sula – a princípio, um objetivo mais modesto que o de outrora.

No Barradão, no duelo entre os rubro-negros, o pernambucano teve mais posse de bola no primeiro tempo. E não foi um falso domínio, pois o time rodou bastante, procurando o ataque. Em duas oportunidades o bom goleiro Caique apareceu muito bem, primeiro num chute cruzado de Diego, de canhota, e depois numa cabeçada de André, após boa trama com Wesley e Patrick. Tendo paciência, o visitante conseguiu abrir o placar aos 45 minutos, numa cobrança de falta. Diego Souza mandou no ângulo, golaço. Assim, tornou-se o maior goleador do Sport no Brasileirão, chegando a 34 gols.

Série A 2017, 27ª rodada: Vitória 1 x 2 Sport. Foto: Mauricia da Mata/E. C. Vitória

Embora tenha arrancado triunfos de peso atuando como visitante, sobre Corinthians, Flamengo, Botafogo e Atlético Mineiro, tendo o segundo melhor rendimento neste contexto, o Vitória deve bastante em casa. Tem apenas dois resultados positivos em 14 partidas, sendo o pior mandante. Daí a pressão por mudanças na equipe. Aos 15/2T, Mancini promoveu a entrada de André Lima (centroavante) e Patric (ala), lançando o time ao ataque. No mesmo instante, Luxemburgo tirou Wesley (atuação ok) e Osvaldo (destoou), colocando Rodrigo e Lenis, reforçando a marcação e o poder de contragolpes.

E na primeira bola recuperada o Sport conseguiu ser fatal, com André limpando a jogada no meio-campo e tocando para DS, livre. O camisa 87 avançou e, na saída do goleiro, rolou para Lenis, com o colombiano empurrando para o gol vazio. No feriado, o Sport enfim se apresentou para o jogo. O resultado só não foi efetivamente tranquilo porque o rival diminuiu aos 38, com o também colombiano Trellez, numa sobra. Sufoco até os descontos, mas com a vitória assegurada, 2 x 1. Faz tempo… Precisamente, 74 dias.

Vitória x Sport na Bahia pelo Brasileirão (11 jogos)
6 vitórias do Leão da Barra
2 empates
3 vitórias do Leão da Ilha (1995, 2014 e 2017)

Série A 2017, 27ª rodada: Vitória x Sport. Foto: Lucio Tavora/Agência Tempo/Estadão conteúdo

A tabela da Copa do Nordeste de 2018, com a final durante o Mundial da Rússia

O troféu da Copa do Nordeste de 2018. Foto: Douglas Lunardi/CBF

A Confederação Brasileira de Futebol divulgou a tabela básica da Copa do Nordeste de 2018, que terá 16 clubes dos nove estados na fase principal. Serão 48 partidas nesta fase, composta por quatro grupos (abaixo), e mais 14 no mata-mata. Segundo o regulamento, os dois melhores de cada chave avançam às quartas. Depois, duelos eliminatórios em ida e volta até a posse da orelhuda dourada. A seguir, a agenda completa do regional, que ocorrerá em parte paralelamente ao Campeonato Pernambucano, ainda sem tabela.

Os grupos da Lampions
A – Santa Cruz, CRB, Confiança e Treze/Cordino
B – Vitória, ABC, Ferroviário-CE e Globo-RN
C – Bahia, Botafogo-PB, Altos-PI e Itabaiana/Náutico
D – Ceará, Sampaio Corrêa, Salgueiro e CSA

Em relação às datas, o cenário é preocupante, com o torneio se estendendo até julho, durante a Copa do Mundo, a ser disputada entre 14 de junho e 15 de julho. Pois é, a decisão nordestina acontecerá em 10 de julho, no mesmo dia de uma das semifinais do torneio na Rússia, em São Petersburgo. E a esta altura, o Brasileiro (A e B) já estará na 12ª rodada – começa em meados de abril. Portanto, quem for longe no Nordestão terá missões paralelas de peso.

Datas reservadas para as fases da Lampions
Fase de grupos (6): 17/01, 31/01, 14/02, 11/03, 21/03 e 28/03
Quartas de final (2): 02/05 e 23/05
Semifinal (2): 19/06 e 26/06
Final (2): 03/07 e 10/07

O futebol pernambucano será representado por Salgueiro (vice estadual), Santa Cruz (3º lugar) e Náutico (4º). O carcará estreia no Sertão contra o Ceará, enquanto o tricolor viaja até Aracaju para pegar o Confiança. Caso passe da fase preliminar, o alvirrubro jogaria contra o Altos como mandante. Lembrando que o Sport, campeão estadual em 2017, abdicou da vaga se queixando da premiação do Nordestão, com R$ 22,4 milhões em cotas, e do calendário. No segundo quesito, o clube parece ter um pingo de razão…

Veja o regulamento, já com o critério de classificação de 2019, clicando aqui.

As maiores goleadas dos clássicos em Pernambuco, do Ca-Fé ao Trio de Ferro

Pernambucano 2017, Série A2: Ferroviário do Cabo 0 x 9 Cabense. Crédito: FPF/mycujooo

No Gileno de Carli, em jogo válido pela segunda divisão estadual de 2017, ocorreu a maior goleada já vista num clássico local. Em mais uma edição do “Clássico Ca-Fé”, no Cabo, a Cabense goleou o Ferroviário por 9 x 0, em jogo transmitido pela FPF, que confirmou o resultado, também, como a vitória mais elástica nos 22 anos de história do clube – superando um 7 x 1 sobre o Íbis.

A partir do placar pra lá de incomum, e com o vencedor como “visitante”, vamos às maiores goleadas envolvendo o Trio de Ferro, estendendo também aos principais duelos do interior, com Caruaru, Vitória de Santo Antão e Petrolina. Todos os jogos (oficiais) ocorreram no Campeonato Pernambucano, em suas duas divisões. Entre os grandes, como curiosidade, o blog também listou os jogos apenas no período profissional, iniciado em 1937.

Dados atualizados até 04/10/2017, considerando os clubes em atividade

Clássico dos Clássicos
Geral
01/10/1916 – Sport 8 x 0 Náutico (Ponte d’Uchoa, A1)
31/03/1935 – Náutico 8 x 1 Sport (Avenida Malaquias, A1)

Na era profissional
19/10/1941 – Sport 8 x 1 Náutico (Aflitos, A1)
27/10/1974 – Náutico 5 x 0 Sport (Aflitos, A1)

Clássico das Multidões
Geral
15/08/1934 – Santa Cruz 7 x 0 Sport (Avenida Malaquias, A1)
25/05/1986 – Sport 5 x 0 Santa Cruz (Ilha do Retiro, A1)

Na era profissional
28/05/1976 – Santa Cruz 5 x 0 Sport (Arruda, A1)
25/05/1986 – Sport 5 x 0 Santa Cruz (Ilha do Retiro, A1)

Clássico das Emoções
Geral (e profissional)
09/07/1944 – Náutico 5 x 0 Santa Cruz (Aflitos, A1)
06/10/1991 – Santa Cruz 5 x 0 Náutico (Arruda, A1)

Clássico Matuto – Caruaru
Geral (e profissional)
26/03/2014 – Central 5 x 0 Porto (Lacerdão, A1)
20/03/2011 – Porto 4 x 0 Central (Lacerdão, A1)

Clássico Vi-Ver – Vitória de Santo Antão
Geral (e profissional)
13/06/2004 – Vitória 4 x 1 Vera Cruz (Carneirão, A2)
11/04/2010 – Vera Cruz 4 x 1 Vitória (Carneirão, A1)

Clássico de Petrolina – Petrolina
Geral (e profissional)*
13/06/2010 – Petrolina 3 x 1 1º de Maio (Paulo Coelho, A2)
21/03/1999 – 1º de Maio 4 x 3 Petrolina (Paulo Coelho, A2)
* Nunca houve uma goleada

Clássico Ca-Fé - Cabo de Santo Agostinho
Geral (e profissional)*
04/10/2017 – Cabense 9 x 0 Ferroviário (Gileno de Carli, A2)
18/09/2016 – Ferroviário 2 x 1 Cabense (Gileno de Carli, A2)
* O Ferroviário nunca goleou

As redes sociais dos 40 principais clubes do Brasil até outubro de 2017, via Ibope

As redes sociais dos principais clubes do Brasil em 05/10/2017. Crédito: Ibope-Repucom

O Ibope publicou a atualização das bases digitais dos clubes do país, somando os perfis oficiais nas quatro redes sociais mais utilizadas no futebol. O levantamento de outubro traz os 20 clubes da Série A e mais 20 clubes com os maiores quadros nas Séries B (13), C (3) e D (4). Ao todo, são dez times nordestinos, com o Sport sendo o mais numeroso, em 12º no geral. Há vários meses o blog acompanha o quadro e desta vez chamou a atenção a involução no facebook. Isso mesmo, o Trio de Ferro reduziu o número de adeptos na maior rede. O desempenho se estendeu ao Bahia e aos times de Natal. Quadro saturado, desativação de perfis ou má fase dos clubes no Brasileiro?

Considerando as quatro redes quantificadas, o Sport ampliou a liderança na região, numa disputa com o Bahia, passando de 288 mil para 296 mil. Só não lidera no face, cuja diferença se manteve na casa de 26 mil. Na região, o destaque foi o Fortaleza. No embalo do acesso à Série B, foi o time que mais cresceu em três canais: face, insta e no twitter. A seguir, a evolução dos times da região na lista divulgada por José Colagrossi, diretor do Ibope-Repucom.

Os nordestinos com mais usuários nas redes e a evolução mensal
1º) Sport (2.878.690 seguidores) +24.811 (maior evolução no mês)
2º) Bahia (2.582.450) +16.850
3º) Vitória (1.639.344) +16.240
4º) Ceará (1.051.211) +7.709
5º) Santa Cruz (904.230) +6.047
6º) Fortaleza (882.541) +24.623
7º) América-RN (394.025) +535
8º) ABC (384.554) +1.041
9º) Náutico (368.840) +1.222
10º) CRB (252.763) +3.374

Ranking do NE no facebook
1º) Bahia (1.112.037 curtidores) -868
2º) Sport (1.085.739) -1.022
3º) Ceará (652.623) +1.462
4º) Fortaleza (592.132) +8.421 (maior evolução no mês)
5º) Santa Cruz (573.143) -1.568
6º) Vitória (429.329) +3.069
7º) América-RN (245.201) -621
8º) ABC (224.129) -278
9º) Náutico (212.231) -1
10º) CRB (138.207) +481

Ranking do NE no twitter
1º) Sport (1.447.654 seguidores) +21.219 (maior evolução no mês)
2º) Bahia (1.249.525) +13.957
3º) Vitória (1.053.165) +10.381
4º) Ceará (229.367) +1.535
5º) Santa Cruz (186.809) +6.160
6º) Fortaleza (151.874) +2.821
7º) Náutico (109.111) +355
8º) ABC (106.228) +906
9º) América-RN (87.002) +804
10º) CRB (56.049) +1.278

Ranking do NE no instagram
1º) Sport (293.560 seguidores) +3.937
2º) Bahia (182.112) +3.334
3º) Ceará (154.001) +3.839

4º) Vitória (148.049) +2.468
5º) Fortaleza (126.029) +11.887 (maior evolução no mês)
6º) Santa Cruz (118.972) +1.007
7º) América-RN (55.996) +244
8º) CRB (53.724) +1.498
9º) ABC (51.253) +382
10º) Náutico (47.498) +868

Ranking do NE no youtube*
1º) Sport (51.737 inscritos) +677
2º) Bahia (38.776) +427

3º) Santa Cruz (25.306) +448
4º) Ceará (15.220) +873
5º) Fortaleza (12.506) +1.494 (maior evolução no mês)
6º) Vitória (8.801) +322
7º) América-RN (5.826) +108
8º) CRB (4.783) +117
9º) ABC (2.944) +31
* O Náutico não possui perfil oficial

Obs. Uma pessoa pode ter contas em diferentes plataformas, com a lista contando cada uma delas. E pode seguir perfis rivais, também contabilizados. 

Confira o levantamento anterior, com o viés dos nordestinos, clicando aqui.

Na briga pela liderança, o Flamengo finalmente ultrapassou o Corinthians, no duelo particular (de mercado). Em dez meses, o rubro-negro carioca tirou uma diferença de 1 milhão, tornando-se o clube com a maior base digital no país.

Diferença entre Corinthians e Flamengo na lista combinada
01/2017 – 1.008.259 pessoas a favor do Timão
02/2017 – 879.730 pessoas a favor do Timão
03/2017 – 775.363 pessoas a favor do Timão
04/2017 – 704.300 pessoas a favor do Timão
05/2017 – 449.539 pessoas a favor do Timão
06/2017 – 352.891 pessoas a favor do Timão
07/2017 – 281.020 pessoas a favor do Timão
08/2017 – 166.028 pessoas a favor do Timão
09/2017 – 81.951 pessoas a favor do Timão
10/2017 – 34.878 pessoas a favor do Fla

Forbes aponta os 50 clubes mais valiosos das Américas, com o Sport em 46º lugar

Os clubes brasileiros mais valiosos nas Américas, em 2017 e 2016, segundo a Forbes. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Os clubes brasileiros presentes nas últimas duas listas da Forbes

Texto atualizado após a retificação da Forbes, em 04/10

A revista Forbes é uma das mais conceituadas em economia no mundo e, vez ou outra, costuma aventurar-se no âmbito esportivo. Em 2017, publicou a atualização de sua lista voltada para o futebol das Américas. A versão mexicana da revista divulgou o ranking com os 50 clubes mais valiosos nos três continentes, numa pesquisa a partir das 15 principais ligas nacionais, totalizando mais de 150 times. Mais uma vez, o Sport figura no ranking.

Segundo a revista, “o ranking considera três fatores: o valor da equipe (apenas os jogadores que pertencem ao clube, sem os atletas emprestados), o valor da marca e o custo do estádio (caso seja particular)”.

Número de clubes por país
12 – Brasil e México
10 – Estados Unidos
7 – Argentina
3 – Canadá e Equador
2 – Chile
1 – Colômbia e Peru

Fazendo valer a maior economia do mundo, a Major League Soccer mostra força. Além da maior média de público, acima de 21 mil torcedores, conta com 13 clubes no estudo, sendo dez norte-americanos e três canadenses, que também jogam a MLS, como ocorre na NBA. Em seguida vem o vizinho México, com leve aumento, passando de 11 para 12. Empatado com o Brasil, que fez o caminho inverso, caindo de 13 para 12 clubes – quadro detalhado acima. Inicialmente, a revista publicou a lista com 11 brasileiros, excluindo o Palmeiras. Como dito na primeira versão deste texto, não fazia sentido a ausência, ainda mais no ano em que o alviverde foi o campeão da Série A. A Forbes reconheceu o ‘esquecimento’ e pôs o clube em 2º lugar de novo.

O rival Corinthians segue líder, já se aproximando da marca de R$ 2 bilhões. Segundo a publicação, pesou o novo contrato com a Nike, de 145 milhões de dólares, até 2022, tanto que o clube é o 16º no mundo. Já o Sport, assim como na lista de 2016, ficou no top 50. Até melhorou a colocação, ganhando quatro posições, firmando-se em 46º. Contudo, a projeção ficou mais modesta, de US$ 51,4 milhões para 43,2 mi. A Forbes não detalhou a sua análise sobre o leão pernambucano – aliás, só comentou os dez primeiros. No Nordeste, o clube só aparece atrás do Vitória – novidade este ano.

Abaixo, os 51 clubes listados, com os valores em dólar, a moeda utilizada pela revista, e em real, com a cotação de 3 de outubro (R$ 3,11 = US$ 1,00).

Confira o ranking de marcas da consultoria BDO com 40 times brasileiros aqui.

Os 50 clubes mais valiosos nas Américas em 2017, segundo a Forbes. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Com 11 clubes, Pernambucano de 2018 terá turno único, quartas, semi e final

FPF

O conselho arbitral na FPF, envolvendo os clubes e a direção da entidade, resultou numa mudança drástica para o Campeonato Pernambucano em 2018. De fato, era preciso fazer algo após três torneios desinteressantes, tendo como expoente a esvaziada (e problemática) edição de 2017, com média de 2.402 pessoasPelo acordo, nada de fase classificatória sem o Trio de Ferro, que só vinha entrando no hexagonal. Agora, todos os clubes voltam a se enfrentar, o que não acontecia desde 2013 – a ideia é, também, que os grandes do futebol local voltem a atuar no interior, o que quase não vinha ocorrendo devido à regra diferenciada sobre o tipo de gramado para “clubes das Séries A e B”. Tem mais. Agora, serão três fases de mata-mata.

Para isso, segundo a federação, valeu em parte o relatório Voz do Torcedor, que colheu a opinião de 4.040 torcedores, com o mata-mata à frente dos pontos corridos (52,87% x 47,13%). Considerando o formato dos jogos eliminatórios, a ordem foi a seguinte: semi+final 51%, quartas+semi+final 43% e apenas final 5%. Apesar deste segundo indicativo, os clubes optaram por implantar as quartas de final. No mata-mata, uma maior exigência estrutural só virá a partir da semifinal, com estádios com ao menos 10 mil lugares.

Lembrando que o Estadual não terá doze participantes após dez anos. Iniciando um processo de redução – caindo dois e subindo apenas um -, o campeonato terá onze times em 2018, cuja regra será novamente aplicada, chegando a dez em 2019. Vamos aos detalhes do novo regulamento…

Obs. A proposta 2 foi aprovada com 44 x 31 em pontos qualitativos. Os grandes clubes optaram pela proposta 1, sem quartas, mas foram derrotados.

Proposta para o Campeonato Pernambucano de 2018 

Nº de participantes: 11 clubes
Os dez melhores de 2017 (Sport, Salgueiro, Santa Cruz, Náutico, Belo Jardim, Central, Flamengo de Arcoverde, Afogados, América e Vitória) e o campeão da Série A2 (em disputa) 

1ª fase: turno único
Todos os clubes se enfrentam em jogos de ida, se classificando os oito melhores colocados. Os dois últimos serão rebaixados. A etapa prevê 55 partidas ao longo de onze rodadas, com cada clube jogando dez vezes (cinco como mandante e cinco como visitante) e folgando em uma rodada.

2ª fase: quartas de final
Pela primeira vez o Estadual conta com esta disputa. Devido ao calendário enxuto, a definição ocorre em jogos únicos, com mando de campo para quatro melhores colocados (1 x 8, 2 x 7, 3 x 6 e 4 x 5). Persistindo o empate, pênaltis.

3ª fase: semifinal
Esta fase foi implantada em 2010, mudando apenas o critério de desempate desde então (melhor campanha, saldo de gols, gol qualificado etc). Desta vez, definição apenas no jogo de “ida”, nos mesmos moldes das quartas. 

4ª fase – final
Enfim, um mata-mata em ida e volta. Em relação ao desempate, após a igualdade da pontuação na fase, adotou-se o saldo. Seguindo o empate, pênaltis. Ao todo, o campeão pernambucano entra em campo 14 vezes. Lembrando que, com o novo formato do Nordestão, apenas o campeão estadual vai ao regional – no caso, à edição de 2019. As outras duas são designadas aos times locais mais bem colocados no Ranking da CBF.

Total de jogos: 63, ou 32 a menos em relação a 2017.

O conselho arbitral do Pernambucano 2018. Foto: FPF/twitter

Classificação da Série A 2017 – 26ª rodada

A classificação da 26ª rodada da Série A de 2017. Crédito: Superesportes

Do G6 ao Z4. O Sport perdeu no Morumbi e chegou a nove jogos sem vitória. Nos pontos corridos, a pior série do clube foi em 2012, quando passou onze rodadas na seca. Acabaria rebaixado na edição. Agora, a sequência derrubou o time da zona de classificação à Libertadores à disputa contra o rebaixamento. Lanterna do returno, o time pernambucano precisou esperar o desfecho da rodada, na “Segunda Campeã”, secando a Ponte diante do Flamengo. Não adiantou muito, com a Macaca vencendo após duas derrotas. Assim deixou o leão na zona, onde havia estado pela última vez na 9ª rodada. Hoje, é mesmo um cenário condizente com o futebol praticado.

Na disputa pelo título, mesmo com apenas uma vitória nos últimos cinco jogos, o Corinthians segue bem à frente, com 8 pontos sobre o vice-líder Santos.

Resultados da 26ª rodada
Bahia 1 x 1 Coritiba
Vasco 1 x 1 Chapecoense
Palmeiras 0 x 1 Santos
Avaí 0 x 2 Atlético-GO
Grêmio 1 x 0 Fluminense
Cruzeiro 1 x 1 Corinthians
Botafogo 2 x 3 Vitória
São Paulo 1 x 0 Sport
Atlético-PR 0 x 2 Atlético-MG
Ponte Preta 1 x 0 Flamengo 

Balanço da 26ª rodada
3V dos mandantes (8 GP), 3E e 4V dos visitantes (11 GP)

Agenda da 27ª rodada
11/10 (19h30) – Atlético-PR x Atlético-GO (Arena da Baixada)
11/10 (19h30) – Botafogo x Chapecoense (Nilton Santos)
11/10 (21h00) – Corinthians x Coritiba (Arena Corinthians)
11/10 (21h45) – Atlético-MG x São Paulo (Independência)
11/10 (21h45) – Grêmio x Cruzeiro (Arena do Grêmio)
11/10 (21h45) – Avaí x Vasco (Ressacada)
12/10 (17h00) – Flamengo x Fluminense (Maracanã)
12/10 (17h00) – Vitória x Sport (Barradão)
12/10 (17h00) – Ponte Preta x Santos (Moisés Lucarelli)
12/10 (21h00) – Palmeiras x Bahia (Pacaembu) 

Histórico de Vitória x Sport na Bahia, pelo Brasileiro (10 jogos)
2 vitórias do Leão da Ilha (1995 e 2014), 2 empates e 6 derrotas

A evolução de mercado das marcas dos clubes do Nordeste, via consultoria BDO

As projeções das marcas dos maiores clubes do Nordeste de 2011 a 2017, via BDO. Arte: Cassio Zirpoli/DP, via infogram

A consultoria BDO RCS publica avaliações sobre as marcas dos clubes brasileiros desde 2009. Inicialmente, no entanto, focava (ou divulgava) apenas os principais clubes de SP, RJ, MG e RS. Os times do nordeste começaram a aparecer com regularidade a partir do levantamento de 2011. Desde então, o “G7″ da região sempre figurou no estudo de mercado. A partir disso, o blog compilou os dados brutos de cada um, considerando os três principais clubes do Recife, os dois de Salvador e os dois de Fortaleza. Somente em 2017 outros dois nordestinos foram mensurados, ABC (9,0 mi) e Sampaio (6,3 mi).

Acima, os números de cada clube, em milhões de reais. Abaixo, a evolução numérica em quatro cenários distintos.

Lembrando que a metodologia de escolha e análise dos clubes utiliza dados financeiros, pesquisas com torcedor, informações de marketing de cada clube e dados econômicos e sociais dos brasileiros. Ao todo são 21 variáveis.

Confira os rankings nacionais: 2011, 2012, 2013, 2014, 2015, 2016 e 2017.

Nordeste (Náutico, Santa, Sport, Bahia, Vitória, Ceará e Fortaleza)
No cenário regional, a dupla Ba-Vi dominou o topo nos cinco primeiros anos, com Vitória 1x (2011) e Bahia 4x (2012, 2013, 2014 – o ano mais achatado no pódio – e 2015). Em 2016, quando superou a barreira de R$ 100 milhões, o Sport assumiu a liderança, mantendo também em 2017. Considerando os outros times, a melhor marca foi do Náutico, com R$ 38,3 milhões em 2014. Na última edição do estudo, a diferença entre esses quatro foi de 9,4 mi, num sinal de equilíbrio pela 4ª força – mantida pelo timbu há sete anos.

As projeções das marcas dos maiores clubes do Nordeste de 2011 a 2017, via BDO. Arte: Cassio Zirpoli/DP, via infogram

Pernambuco (Náutico, Santa Cruz e Sport)
Em 2017, o leão pernambucano estabeleceu uma diferença de R$ 72,3 milhões sobre a soma de Náutico e Santa. Já são três anos consecutivos com a projeção do Sport acima dos rivais agregados. A última vez em que alvirrubros e tricolores, juntos, superaram o rubro-negro foi em 2014, por 1 milhão de reais – neste contexto, a maior diferença foi em 2013, com R$ 18,2 mi. Numa comparação apenas entre Náutico e Santa, o timbu segue à frente desde o início, impressionando a vantagem nos últimos dois anos, quando os corais conseguiram o acesso à elite e ainda ganharam o Nordestão.

As projeções das marcas dos maiores clubes de Pernambuco de 2011 a 2017, via BDO. Arte: Cassio Zirpoli/DP, via infogram

Bahia (Bahia e Vitória)
O Baêa ficou sete anos fora da elite nacional, de 2004 a 2010. A má situação nos gramados refletiu na avaliação de 2011, ano de sua volta, com R$ 12,3 milhões a menos que o maior rival. Seria a única vez. Desde então são seis anos na liderança do estado, impondo até R$ 34,3 milhões a mais, em 2016. A aquisição do CT “Cidade Tricolor” deve influenciar ainda mais em 2018.

As projeções das marcas dos maiores clubes da Bahia de 2011 a 2017, via BDO. Arte: Cassio Zirpoli/DP, via infogram

Ceará (Ceará e Fortaleza)
O vozão sempre esteve à frente do rival. Porém, a maior diferença entre os alencarinos ocorreu em 2011, ano em que o Ceará disputou a Série A pela última vez. A marca alvinegra ficou R$ 6,1 milhões à frente do FEC, que já estava na terceira divisão, onde seguiria até 2017. As melhores avaliações de ambos foram nesta última versão.

As projeções das marcas dos maiores clubes do Ceará de 2011 a 2017, via BDO. Arte: Cassio Zirpoli/DP, via infogram

As marcas de Santa Cruz, Náutico e Sport valem R$ 165,5 milhões no mercado

Santa Cruz, Náutico e Sport. Arte: DP

As centenárias marcas do Trio de Ferro valem R$ 165,5 milhões. Essa é a avaliação feita pela consultoria BDO RCS Auditores Independentes, que pela 8ª projetou o Trio de Ferro. Ao todo, o relatório de 2017 tem 40 times, seis a mais que a versão anterior. Embora o número seja elevado, na prática equivale à projeção do Atlético Paranaense. Mas vale a ressalva de que o Sport detém a melhor projeção no futebol nordestino, tendo subido um pouco no último. Já as avaliações dos rivais pioraram. Com isso, a marca agregada do Trio de Ferro caiu 6,4% em relação ao estudo anterior.

O cálculo conta com 21 variáveis em três frentes: dados financeiros (marketing, estádio, sócios e mídia, à parte das transferências de atletas), torcida (tamanho, faixa etária, nível de renda e distribuição geográfica) e mercado local (informações econômicas e sociais sobre a região em que os clubes atuam). Entre os clubes levantados estão nove nordestinos.

Marcas mais valorizadas no Nordeste
1º) Sport (118,9 milhões, em 15º no país)
2º) Bahia (110,4 mi, em 16º)
3º) Vitória (78,7 mi, em 17º)
4º) Náutico (25,1 mi, em 28º)
5º) Santa Cruz (21,5 mi, em 29º)
6º) Ceará (20,5 mi, em 30º)
7º) Fortaleza (15,7 mi, em 32º)
8º) ABC (9,0 mi, em 35º)
9º) Sampaio Corrêa (6,3 mi, em 39º)

Lá no topo, três times brasileiros já ultrapassaram a barreira bilionária: Flamengo (R$ 1,693 bi), Corinthians (R$ 1,593 bi) e Palmeiras (R$ 1,123 bi), o atual campeão brasileiro. O time carioca lidera pelo terceiro ano, após cinco temporadas de domínio corintiano.

A avaliação das marcas dos clubes em 2017. Crédito: BDO

Confira a evolução dos recifenses, tanto nos valores quanto no ranking nacional.

Sport
2017 (15º) – 118,9 mi (Série A), +1.6%
2016 (15º) – 117,0 mi (Série A), +33.8%
2015 (16º) – 87,4 mi (Série A), +39.6%
2014 (17º) – 62,6 mi (Série A), +50.8%
2013 (19º) – 41,5 mi (Série B), -0.9%
2012 (17º) – 41,9 mi (Série A), +6.6%
2011 (16º) – 39,3 mi (Série B), +5.3%
2010 (15º) – 37,3 mi (Série B)

Náutico
2017 (28º) – 25,1 mi (Série B), -28.0%
2016 (25º) – 34,9 mi (Série B), -4.1%
2015 (23º) – 36,4 mi (Série B), -4.9%
2014 (20º) – 38,3 mi (Série B), +0.7%
2013 (20º) – 38,0 mi (Série A), +23.3%
2012 (20º) – 30,8 mi (Série A), +16.2%
2011 (21º) – 26,5 mi (Série B), -1.8%
2010 (19º) – 27,0 mi (Série B)

Santa Cruz
2017 (29º) – 21,5 mi (Série B), -7.3%
2016 (27º) – 23,2 mi (Série A), -29.4%
2015 (25º) – 32,9 mi (Série B), +30.0%
2014 (25º) – 25,3 mi (Série B), +16.5%
2013 (25º) – 21,7 mi (Série C), +0.9%
2012 (24º) – 21,5 mi (Série C), +10.8%
2011 (23º) – 19,4 mi (Série D), +4.3%
2010 (23º) – 18,6 mi (Série D)

Trio de Ferro
2017 – 165,5 mi,  -6.4%
2016 – 175,1 mi, 11.7%
2015 – 156,7 mi, +24.1%
2014 – 126,2 mi, +24.7%
2013 – 101,2 mi, +7.4%
2012 – 94,2 mi, +10.5%
2011 – 85,2 mi, +2.7%
2010 – 82,9 mi

Desde 2010, o trio, então com R$ 82,9 milhões, valorizou 99,6%.

A avaliação das marcas dos 40 principais clubes do país em 2017. Crédito: BDO