Moedas e bolas exclusivas na semifinal do Nordestão, no Recife e em Salvador

As moedas dos árbitros no mata-mata do Nordestão 2017. Crédito: divulgação

Os clássicos mais populares da região decidem as vagas na decisão da Copa do Nordeste de 2017. Jogos de apelo e com características exclusivas. Tanto no Clássico das Multidões quanto no Ba-Vi, foram produzidas bolas com os escudos dos clubes e até moedinhas distintas aos árbitros.

O juízes indicados, Caio Max (Barradão) e Cláudio Francisco (Ilha do Retiro), vão decidir o lado do campo dos times e a posse de bola inicial através de uma peça dourada confeccionada. No duelo baiano, cada jogo tem uma moeda com a data específica gravada, o que só não ocorreu na versão pernambucana devido às várias mudanças na tabela. Logo, um perfil “genérico”.

Confira as moedas anteriores, utilizadas apenas nas finais: 2015 e 2016.

Clássico das Multidões
29/04 (18h30) – Sport x Santa Cruz, Ilha do Retiro
03/05 (21h45) – Santa Cruz x Sport, Arruda

Ba-Vi
27/04 (20h30) – Vitória x Bahia, Barradão
30/04 (16h00) – Bahia x Vitória, Fonte Nova 

Quanto à bola oficial, a Asa Branca IV, a Topper não deve comercializar as versões com os escudos dos clubes, com os modelos restritos a 180 minutos.

As bolas das semifinais da Copa do Nordeste de 2017. Crédito: divulgação

Cordel da semifinal da Copa do Nordeste

Cordel da semifinal da Lampions League. Crédito: Esporte Interativo/reprodução

O cordel é um gênero literário popular em folhetos e tradicional em feiras nordestinas. Com rimas e ritmo, está intimamente ligado à região, contando história e causos. A partir disso, Santanna, o Cantador, recitou o papel e as referências dos quatro semifinalistas da Copa do Nordeste de 2017, com Sport, Santa Cruz, Bahia e Vitória, nesta ordem. Trabalho encomendado pelo Esporte Interativo, detentor dos direitos de transmissão. Por sinal, a letra foi escrita por Andrey Raychtock, editor do canal. O regionalismo e esmero da produção valoriza a disputa, com 10 milhões de torcedores envolvidos – e não poderia ser diferente no tratamento do Nordestão como ‘produto’. Assista.

Entre os possíveis destaques do quarteto lembrados no vídeo, Diego Souza, Magrão, Anderson Salles, Régis, Hernane, Kieza e Willian Farias.

Clássico das Multidões
29/04 (18h30) – Sport x Santa Cruz, Ilha do Retiro
03/05 (21h45) – Santa Cruz x Sport, Arruda

Ba-Vi
27/04 (20h30) – Vitória x Bahia, Barradão
30/04 (16h00) – Bahia x Vitória, Fonte Nova 

E agora, quem vai ser o rei?

As redes sociais dos 40 principais clubes do Brasil até abril de 2017, via Ibope

As redes sociais dos principais clubes do Brasil em 17/04/2017. Crédito: Ibope-Repucom

O Ibope publicou a nova atualização das bases digitais dos clubes do país, somando os perfis oficiais nas redes sociais mais utilizadas no futebol. O levantamento de abril traz os 20 clubes da Série A e mais 20 clubes com os maiores quadros nas Séries B, C e D. Ao todo, são onze nordestinos presentes, sendo o Sport o melhor no âmbito nacional. Das quatro redes quantificadas nos últimos 30 dias, o rubro-negro foi o time da região que mais somou torcedores em três, e hoje só não lidera no face – são 39 mil pessoas de diferença em relação o Bahia, o vice nas demais redes. Se no quadro nacional o Trio de Ferro aparece com o Sport em 13º, Santa em 22º e Náutico em 31º, no ranking regional as colocações são 1º, 5º e 9º, respectivamente.

Na briga pelo topo brasileiro, o Corinthians lidera, sendo o único já na casa de 18 milhões, mas o Flamengo vem reduzindo a diferença mês a mês. Na sequência, o São Paulo completa o patamar acima de 10 milhões.

Diferença entre Corinthians (1º) e Flamengo (2º)
01/2017 – 1.008.259 pessoas
02/2017 – 879.730 pessoas (-12,7%)
03/2017 – 775.363 pessoas (-11,8%)
04/2017 – 704.300 pessoas (-10,0%)

Voltando ao Nordeste, o Santa começa a se consolidar em 5º lugar, abrindo 9,5 mil pessoas sobre o Fortaleza na soma das plataformas, depois de meses numa disputa ferrenha. Já o Vitória manteve o maior crescimento mensal no facebook após revitalização de seu perfil oficial. Ainda assim, tem apenas a 6ª torcida nesta rede. No geral, segundo o levantamento, o leão baiano teve o 5º maior crescimento no quadro combinado, com 9,96% – lista liderada pelo Atlético-GO, com 14,64%. A seguir, a evolução dos times da região a partir da lista divulgada por José Colagrossi, diretor do Ibope-Repucom.

Os nordestinos com mais usuários nas redes e a evolução mensal
1º) Sport (2.621.394 seguidores) +47.011 (maior evolução no mês)
2º) Bahia (2.401.988) +32.417
3º) Vitória (1.532.134) +28.110
4º) Ceará (1.010.189) +8.088
5º) Santa Cruz (843.853) +14.631
6º) Fortaleza (834.353) +5.206
7º) América-RN (381.241) +2.717
8º) ABC (369.839) +6.066
9º) Náutico (354.629) +5.560
10º) CRB (227.263) +4.349
11º) Sampaio Corrêa (186.456) -46.777 (saída do perfil oficial no twitter)

Ranking do NE no facebook
1º) Bahia (1.094.509 curtidores) +297
2º) Sport (1.055.328) +5.768
3º) Ceará (644.225) +475
4º) Fortaleza (582.230) +455
5º) Santa Cruz (570.843) +1.960
6º) Vitória (410.167) +8.950 (maior evolução no mês)
7º) América-RN (245.312) -13
8º) ABC (222.104) +898
9º) Náutico (210.504) +808
10º) Sampaio Corrêa (142.255) +395
11º) CRB (133.607) +489

Ranking do NE no twitter*
1º) Sport (1.299.657 seguidores) +28.579 (maior evolução no mês)
2º) Bahia (1.144.366) +26.471
3º) Vitória (985.773) +13.736
4º) Ceará (217.091) +3.817
5º) Santa Cruz (144.613) +8.676
6º) Fortaleza (136.053) +2.135
7º) Náutico (101.588) +3.247
8º) ABC (98.019) +3.310
9º) América-RN (80.493) +1.564
10º) CRB (44.812) +1.909
* O Sampaio Corrêa não possui perfil oficial

Ranking do NE no instagram
1º) Sport (240.468 seguidores) +10.833 (maior evolução no mês)
2º) Bahia (141.348) +4.948
3º) Ceará (136.714) +3.262

4º) Vitória (128.734) +5.149
5º) Santa Cruz (108.106) +2.810
6º) Fortaleza (107.066) +2.508
7º) América-RN (52.763) +1.061
8º) ABC (47.120) +1.864
9º) CRB (45.357) +1.892
10º) Sampaio Corrêa (42.850) +996
11º) Náutico (42.537) +1.505

Ranking do NE no youtube*
1º) Sport (25.941 inscritos) +1.831 (maior evolução no mês)
2º) Bahia (21.765) +701

3º) Santa Cruz (20.291) +1.185
4º) Ceará (12.159) +534
5º) Fortaleza (9.004) +108
6º) Vitória (7.460) +275
7º) CRB (3.487) +59
8º) América-RN (2.673) +105
9º) ABC (2.596) +94
10º) Sampaio Corrêa (1.351) +65
* O Náutico não possui perfil oficial

Obs. Uma pessoa pode ter contas em diferentes plataformas, com a lista contando cada uma delas. E pode seguir perfis rivais, também contabilizados. 

Confira o levantamento anterior clicando aqui.

Videocast – Qual é o maior estado no futebol fora do eixo Rio-SP-MG-RS?

Os estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul concentram 42 dos 46 títulos brasileiros e todas as 17 Libertadores e os 10 Mundiais conquistadas pelo país. Também têm, sem contestação, as dez maiores torcidas. Porém, há resistência fora desse eixo, sobretudo em três estados. Bahia, Paraná e Pernambuco, com times populares e feitos nacionais (e internacionais). Saindo da redoma das mesas redondas nacionais, qual seria o “5º estado” em termos de representatividade no futebol?

O 45 minutos debateu os pontos altos e baixo dos centros, também passando por Santa Catarina, uma força recente. História, estrutura, atualidade etc. No fim, o veredito, ordenando todos. Obviamente, a discussão segue…

Nesta gravação, estou com Celso Ishigami e Fred Figueiroa. Assista!

Parte 1 (23 minutos)

Parte 2 (21 minutos)

Os rankings de dívidas fiscais dos clubes brasileiros com a Previdência e a União

Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN)

O Sportv divulgou um interessante levantamento sobre as dívidas dos clubes brasileiros junto à Previdência, colhendo dados diretamente na Procuradora Geral da Fazenda Nacional, a PGFN. Somando todos os times, chega-se a R$ 800 milhões – o rombo previdenciário do país é de R$ 450 bi. A lista traz os quatro grandes do futebol carioca entre os cinco primeiros colocados, deixando claro como a gestão no Rio foi mal tratada durante muito tempo.

Entretanto, o ranking é extenso, com o Trio de Ferro do Recife presente, com Náutico 9º, Santa 13º e Sport 19º. Essas dívidas serão parceladas no acordo com o Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro, o Profut. O programa, sancionado pelo governo federal em 5 de agosto de 2015, tem como objetivo refinanciar as dívidas fiscais dos clubes em até vinte anos, com a primeira parcela sendo paga em 2018.

As maiores dívidas com a Previdência (abril/2017)
1º) R$ 83.863.163  Flamengo 
2º) R$ 54.950.505  Atlético-MG
3º) R$ 49.785.558  Fluminense
4º) R$ 45.667.430  Botafogo
5º) R$ 41.757.794  Vasco
6º) R$ 41.722.323 – Corinthians
7º) R$ 37.356.576 – Portuguesa
8º) R$ 34.474.615 – Guarani
9º) R$ 22.572.074 – Náutico
10º) R$ 16.878.668 – Vitória

As dívidas dos principais clubes do NE com a Previdência (abril/2017)
1º) R$ 22.572.074 – Náutico
2º) R$ 16.878.668 – Vitória
3º) R$ 14.907.200 – Santa Cruz 
4º) R$ 13.741.000 – Bahia 
5º) R$ 9.633.404 – Sport
Subtotal – 77,7 milhões de reais

A reportagem assinada por Fred Justo focou nas dívidas previdenciárias. Porém, a dívida com o poder público é bem maior. No futebol pernambucano, por exemplo, existem pendências de tributos federais, FGTS, INSS e demandas com a Justiça do Trabalho e com a Prefeitura do Recife.

Nesta escala ampla, o banco Itaú BBA esmiuçou os últimos balanços oficiais dos clubes, resultando no relatório Análise Econômico-Financeira dos Clubes de Futebol Brasileiros de 2016Para fins de avaliação, o banco utilizou “todas as dívidas fiscais registradas no passivo exigível a longo prazo”, que em tese abarcam todos os tributos renegociados. Assim, a dívida fiscal absoluta dos 27 clubes analisados chegou a 3,2 bilhões de reais (lista abaixo). O Botafogo, por exemplo, teria R$ 490 milhões a mais em relação ao ranking acima.

As maiores dívidas fiscais do futebol brasileiro (julho/2016)
1º) R$ 535 milhões – Botafogo
2º) R$ 347 milhões – Flamengo
3º) R$ 268 milhões – Vasco
4º) R$ 258 milhões – Atlético-MG
5º) R$ 237 milhões – Fluminense
6º) R$ 190 milhões – Corinthians
7º) R$ 167 milhões – Cruzeiro
8º) R$ 166 milhões – Santos
9º) R$ 146 milhões – Bahia
10º) R$ 124 milhões – Coritiba

As dívidas fiscais dos principais clubes do NE (julho/2016)
1º) R$ 146 milhões – Bahia
2º) R$ 115 milhões – Náutico
3º) R$ 47 milhões – Sport
4º) R$ 26 milhões – Santa Cruz
5º) R$ 25 milhões – Vitória
Subtotal – 359 milhões de reais

Neste emaranhado, ainda há outro ranking. Há dois anos, a ESPN apresentou um relatório sobre as dívidas dos clubes na União (abaixo), também apurado junto à PGFN, mas sem detalhar a área. Vale destacar que a partir de 2018 o clube que disputar a Série A “não poderá ter dívidas perante a administração pública”, segundo a recém-criada Licença de Clubes da CBF. A regularização de todos os pagamentos – obtendo as certidões negativas – já seria suficiente para o cumprimento do item 30, que também será aplicado nas demais séries de forma escalonada: B (2019), C (2020) e D (2021). Haja Profut…

As maiores dívidas com a União (fevereiro/2015)
1º) R$ 284,2 milhões – Atlético-MG 
2º) R$ 235,0 milhões – Flamengo 
3º) R$ 215,4 milhões – Botafogo 
4º) R$ 186,5 milhões – Corinthians 
5º) R$ 173,9 milhões – Fluminense 
6º) R$ 148,8 milhões – Vasco 
7º) R$ 129,6 milhões – Internacional 
8º) R$ 101,9 milhões – Guarani 
9º) R$ 73,8 milhões – Palmeiras 
10º) R$ 68,6 milhões – Portuguesa

As dívidas dos principais clubes do NE com a União (fevereiro/2015)
1º) R$ 59,1 milhões – Sport
2º) R$ 50,3 milhões – Vitória

2º) R$ 45,6 milhões – Náutico
3º) R$ 42,4 milhões – Santa Cruz
4º) R$ 21,7 milhões – Bahia
Subtotal – 219,1 milhões de reais

Obs. Com a diferença de um ano em cada lista, obviamente é possível a mutação da dívida, para mais ou para menos.

CBF marca semifinal do Nordestão com jogos de ida apenas na tv por assinatura

Semifinais do Nordestão 2017. Crédito: CBF

A CBF precisou de cinco dias para apresentar a tabela da semifinal da Copa do Nordeste de 2017. Nesse tempo todo, mudanças nas datas e na grade, este o principal motivo da demora. Inicialmente, as semifinais, com clássicos populares no Recife e em Salvador, seriam realizados nos dias 23 (domingo) e 26 de abril (quarta-feira). Num ajuste de calendário, para que as semifinais do estadual também sejam disputadas em sequência (dias 16 e 23), a Lampions foi jogada um pouco mais para frente, nos dias 26 (quarta) e 30 (domingo).

Sport x Santa Cruz
26/04 (19h45) – Ilha do Retiro (Esporte Interativo)
30/04 (16h00) – Arruda (Globo e Esporte Interativo)

Bahia x Vitória
27/04 (20h30) – Barradão (Esporte Interativo)
30/04 (16h00) – Fonte Nova (Globo e Esporte Interativo)

Em relação à televisão, a negociação entre Rede Globo, com os direitos em sinal aberto na região, e Esporte Interativo, que detém os direitos do torneio até 2022, envolvia o número de partidas que a Globo poderia passar ao vivo na própria cidade da partida. Sob contrato, há um limite. No caso, a emissora só tinha direito a mais quatro, independentemente da praça afiliada (Globo Nordeste ou Rede Bahia). Como obviamente irá transmitir a final, ida e volta, num duelo Pernambuco x Bahia, teria apenas dois jogos nas semis. Optou pela segunda partida de cada confronto – presentes também na grade do EI.

Ou seja, na ida, tanto na Ilha quanto no Barradão, tevê só por assinatura.

Em contrapartida, em vez de 21h45, horários mais flexíveis.

Pitaco: os quatro jogos devem receber mais de 120 mil torcedores…

Sport paga R$ 6 milhões por 50% dos direitos de Rogério. Recorde no Nordeste

Copa do Nordeste 2017, quartas de final: Sport (4) 3 x 1 (2) Campinense. Foto: Paulo Paiva/DP

Em fevereiro, após uma longa articulação o Sport repatriou André pagando uma fortuna, levando em conta o poder econômico do futebol nordestino. Precisou desembolsar R$ 5,2 milhões, num repasse dividido entre Sporting e Galo. Dois meses depois, nova investida milionária no mercado, com o leão contratando em definitivo o também atacante Rogério. Numa negociação realizada em dois momentos distintos, o montante absoluto transforma o novo negócio no maior já realizado por um clube da região: R$ 6 milhões.

Em 16 de junho de 2016, o Sport adquiriu 25% dos direitos econômicos de Rogério. Na ocasião, pagou R$ 2,5 milhões. Logo, o valor de mercado do atacante, estipulado pelo São Paulo, era de 10 milhões de reais. Pelo contrato, o clube pernambucano teria até maio de 2017 para exercer a cláusula de compra para permanecer com o jogador – sem que o tricolor paulista pudesse fazer nada a respeito, nem com o técnico Rogério Ceni solicitando a volta. Para isso, precisava adquirir mais 25%, mas desta vez por R$ 3,5 milhões – informação da ESPN, não confirmada pelo clube. Ou seja, independentemente do rendimento de Rogério no último Campeonato Brasileiro, hoje ele valeria 14 milhões, considerando 100% dos ativos.

Após captar receitas nos torneios desta temporada (R$ 2,83 mi até a 4ª fase da Copa do Brasil e R$ 1,6 mi até a semi do Nordestão), o leão bancou.

O novo contrato de Rogério na Ilha do Retiro vai até maio de 2021…

As 10 maiores compras do futebol nordestino no Plano Real*
1º) Rogério (2017, do São Paulo para o Sport) – R$ 6,00 milhões por 50%
2º) André (2017, do Sporting para o Sport) – R$ 5,23 milhões por 70%

3º) Petkovic (1997, do Real Madrid para o Vitória) – R$ 5,00 milhões por 100%
4º) Kieza (2016, do São Paulo para o Vitória – R$ 4,00 milhões por 100%
5º) Bebeto (1997, do Sevilla para o Vitória) – R$ 3,50 milhões por 100%
6º) Lenis (2016, do Argentinos Jrs. para o Sport) – R$ 3,16 milhões por 50%
7º) Jackson (2016, do Inter para o Bahia – R$ 3,00 milhões por 70%
8º) Régis (2014, da Chape para o Sport) – R$ 2,50 milhões por por 50%
8º) Diego Souza (2016, do Flu para o Sport) – R$ 2,50 milhões por 100%
10º) Bebeto Campos (1998, do Flu para o Bahia) – R$ 1,7 milhão por 100%

* Valores divulgados pela imprensa e/ou clubes nas respectivas épocas.

Confira todas as aquisições milionárias dos clubes da região aqui.

A tabela detalhada da Série A de 2017, com a agenda da 1ª até a 10ª rodada

Sport no Campeonato Brasileiro da Série A. Arte: Cassio Zirpoli/DP (sobre imagem da CBF)

A CBF divulgou a tabela detalhada sobre as 10 primeiras rodadas da Série A, com locais, horários e transmissões na tevê. Único representante do estado em 2017, o Sport terá dois jogos exibidos na Globo Nordeste neste primeiro recorte, a estreia contra a Ponte (domingo) e o confronto contra o Galo (quarta-feira). Em relação à elaboração da tabela há uma ressalva. Com o Maracanã num imbróglio administrativo, vários jogos no Rio estão com o local “a definir”.

Tabela do Leão (entre parênteses, os jogos com tv para o Recife*)
1ª) Ponte Preta x Sport (14/05, 16h) – Globo
2ª) Sport x Cruzeiro (21/05, 19h)
3ª) Sport x Grêmio (29/05, 20h)
4ª) Avaí x Sport (04/06, 18h30)
5ª) Sport x Flamengo (07/06, 21h45)
6ª) Vasco x Sport (10/06, 19h)
7ª) Sport x São Paulo (15/06, 19h)
8ª) Sport x Vitória (18/06, 19h)
9ª) Atlético-MG x Sport (21/06, 21h45) – Globo
10ª) Santos x Sport (24/06, 19h)
* À parte do pay-per-view, presente em todos os jogos

Confira a tabela básica da competição, com as 38 rodadas, clicando aqui.

Abaixo, as 100 partidas já programadas pela confederação.

Com clássicos no Recife e em Salvador, semifinal do Nordestão 2017 reúne 9,8 milhões de torcedores e 10 títulos

Semifinais da Copa do Nordeste de 2017: Sport x Santa Cruz e Bahia x Vitória. Fotos: Williams Aguiar/Sport, Rodrigo Baltar/Santa Cruz, Felipe Oliveira/Bahia e Vitória/twitter (@ECVitoria)

Os clássicos mais populares dos principais centros futebolísticos da região compõem a semifinal da Copa do Nordeste de 2017. De um lado, o Clássico das Multidões. Do outro, o Ba-Vi. Já está assegurada a decisão Pernambuco x Bahia, que não ocorre há 16 anos. Com Sport, Santa Cruz, Bahia e Vitória envolvidos, a reta final traz uma carga pesada de tradição. São dez títulos entre os 13 torneios oficiais desde 1994. Nas arquibancadas, os confrontos têm a atenção direta de 9.891.907 torcedores. Gente demais, numa projeção a partir da último levantamento nacional, do Paraná Pesquisa. São 4,12 milhões de aficionados no clássico recifense e 5,77 milhões no clássico soteropolitano.

Torcida nacional
11º) Bahia – 2,0% (4.121.628)

14º) Sport – 1,3% (2.679.058)
16º) Vitória – 0,8% (1.648.651)
19º) Santa Cruz – 0,7% (1.442.570)

Títulos do Nordestão
4 – Vitória (7 finais)
3 – Sport (4 finais)
2 – Bahia (5 finais)
1 – Santa (1 final) 

Enquanto o Santa tenta manter a orelhuda dourada no Arruda, os outros três, presentes na Série A desta temporada, querem matar logo a saudade da taça, de 3 anos no Sport, 7 no Vitória e 15 no Bahia. Caso o Leão da Ilha avance, repetirá a final. Seja contra o Bahia (foi vice em 2001), seja contra o Vitória (foi campeão em 2000). Em caso de classificação da cobra coral, a decisão seria inédita – até hoje, o clube só fez semifinais contra os dois rivais baianos.

Em relação à premiação, cada clube já acumulou R$ 1,6 milhão em cotas, somando a fase de grupos, as quartas de final e a semi. Agora, a premiação oferece mais R$ 550 mil ao vice e R$ 1,25 milhão para o grande campeão, além da pré-classificação às oitavas da Copa do Brasil de 2018.

Qual será a final da Copa do Nordeste de 2017?

  • Sport x Bahia (35%, 1.514 Votes)
  • Sport x Vitória (31%, 1.325 Votes)
  • Santa Cruz x Bahia (22%, 944 Votes)
  • Santa Cruz x Vitória (12%, 526 Votes)

Total Voters: 4.308

Loading ... Loading ...

Sport x Santa Cruz
Mais uma semifinal das multidões. Em 2014, disputaram uma vaga na mesma condição, com a volta no Mundão. Nesta edição, o Sport investiu bastante, com direito à aquisição de André por R$ 5,2 milhões. O “time principal” atuou poucas vezes, hora com a lesão de Rithely, hora com a convocação de Diego Souza. Agora, de comando novo, chega completo. No Santa, com uma campanha até melhor, a crítica vai para o excesso de precaução de Eutrópio, com seguidas atuações quase sem atacar – com a bola parada de Anderson Salles decidindo. Defende-se bem, mas não se impõe à frente, com Pitbull disputando jogadas praticamente sozinho. Ataque contra defesa?

Datas: 26/04 (Ilha do Retiro, 19h45) e 30/04 (Arruda, 16h)
Santa Cruz: 19 pontos, 6 vitórias, 1 empate e 1 derrota; 11 GP e 2 GC
Sport: 16 pontos, 5 vitórias, 1 empate e 2 derrotas; 16 GP e 9 GC
Em mata-matas no torneio: Sport 1 x 0 Santa (semi de 2014)

Bahia x Vitória
Sem dúvida alguma, um dos Ba-Vis mais importantes dos últimos tempos. Após as três finais regionais, sendo a última em 2002, com triunfo tricolor, poucos duelos tiveram tanto destaque. Exceção feita à inauguração da Fonte Nova, com goleada leonina por 5 x 1. Nesta chave, ambos chegam com força. Venceram lá e lô nas quartas. No Baêa, a boa fase de Régis, artilheiro do time no ano (7 gols), ajuda a dividir as atenções com o Brocador e outras peças, como o polivalente Juninho. No rival, Argel mantém a estrutura tática de um time pegador, rápido. No ataque, Kieza e David se destacam, com a equipe precisando de mais intensidade em Cleiton e Gabriel Xavier.

Datas: 27/04 (Barradão, 20h30) e 30/04 (Fonte Nova, 16h)
Bahia: 20 pontos, 6 vitórias e 2 empates; 18 GP e 2 GC
Vitória: 19 pontos, 6 vitórias, 1 empate e 1 derrota; 14 GPC e 9 GC
Em mata-matas no torneio: Vitória 2 x 1 Bahia (finais em 1997, 1999 e 2002)

Pitaco do blog sobre a decisão: Sport x Vitória…

A análise do podcast 45 minutos sobre as semifinais nordestinas

O ranking de patrocínio-master no Brasil em 2017, com disputa acirrada no NE

Os maiores patrocínios do Nordeste em 2017: Sport, Bahia, Vitória, Náutico, Ceará, CRB, ABC, Santa Cruz e Fortaleza

À parte do investimento da Crefisa no Palmeiras, com um valor visivelmente acima do mercado, quase todos os outros grandes clubes seguem com instituições bancárias como patrocínio-master. Com a baixa entre as empresas privadas, os clubes toparam até os valores congelados por parte da Caixa Econômica Federal, que cedeu apenas os bônus por títulos na temporada. O blog compilou os valores líquidos dos principais patrocínios dos clubes, o que não necessariamente é o valor total. Como exemplo, Flamengo, Corinthians e São Paulo, os mais populares do país, que expõem marcas nas mangas, barra da camisa e até dentro dos números. Aqui, reforçando, estão os valores de 2017 relacionados ao “master”, no peito da camisa, sem possíveis bônus.

O valor do Palmeiras, quase três vezes o do vice, é mesmo uma exceção, até porque contempla todo o uniforme, pois o clube não detalhou os espaços.

Confira o levantamento do Ibope com todos os patrocínios da Série A aqui.

Já no caso corintiano, que recebeu R$ 30 milhões da Caixa em 2016, o novo contrato é de oito meses. Em tese, justifica a redução de 12 milhões de reais. Porém, caso fosse proporcional, o valor de maio a dezembro deveria ser de 20 mi, e não 18 mi. Já o tricolor paulista receberia R$ 15,7 milhões da Prevent Senior, mas a empresa quis o distrato. Assim, com o espaço vago, acertou um contrato pontual, de três meses – caso fosse anual, a Corr Plastik pagaria R$ 20 milhões, o possível “valor da marca”. Entre os principais times do eixo Rio-SP-RS-MG, apenas o Fluminense seguia sem um patrocinador-master.

Ranking de patrocínio-master no Brasil
1º) R$ 72,0 milhões – Palmeiras (Crefisa – privado)*, Série A
2º) R$ 25,0 milhões – Flamengo (Caixa), A
3º) R$ 18,0 milhões – Corinthians (Caixa)**, A
4º) R$ 12,9 milhões – Grêmio (Banrisul), A
4º) R$ 12,9 milhões – Internacional (Banrisul), B
6º) R$ 11,0 milhões – Cruzeiro (Caixa), A
6º) R$ 11,0 milhões – Atlético-MG (Caixa), A
6º) R$ 11,0 milhões – Santos (Caixa), A
6º) R$ 11,0 milhões – Vasco (Caixa)**, A
10º) R$ 10,0 milhões – Botafogo (Caixa), A
11º) R$ 6 milhões – Sport (Caixa), A
11º) R$ 6 milhões – Bahia (Caixa), A
11º) R$ 6 milhões – Vitória (Caixa), A
11º) R$ 6 milhões – Atlético-PR (Caixa), A
11º) R$ 6 milhões – Coritiba (Caixa), A
16º) R$ 5 milhões – São Paulo (Corr Plastik – privado)***,A 

* O valor pago por todo o uniforme 

** Em negociação, de maio a dezembro
*** Válido por três meses (abril, maio e junho)

No cenário nordestino há um triplo empate neste quesito, entre Sport, Bahia e Vitória, justamente os representantes da região na Série A desta temporada. Os dois rubro-negros, do Recife e Salvador, já recebem este valor (R$ 6 mi) há três anos. Caso o banco tivesse ao menos corrigido o patrocínio a partir da inflação, a cota hoje seria de R$ 7,3 milhões. Detalhe: caso um dos três conquiste a Copa do Nordeste, a Caixa daria mais R$ 300 mil.

Também chama a atenção o valor do Santa Cruz, pouco mais de 1 milhão, abaixo até de ABC e CRB, com torcidas (e marcas) bem menores – e o contrato foi assinado enquanto o tricolor estava na elite. Os corais chegaram a encaminhar um acordo de R$ 3,6 milhões com a Caixa, que acabou não se concretizando (até aqui) devido à ausência das certidões negativas por parte do clube, uma exigência burocrática. Hoje, os dois menores contratos entre os grandes do Nordeste são justamente os não estatais. Ambos com a MRV.

Ranking de patrocínio-master no Nordeste
1º) R$ 6 milhões – Sport (Caixa), Série A
1º) R$ 6 milhões – Bahia (Caixa), A
1º) R$ 6 milhões – Vitória (Caixa), A
4º) R$ 2,4 milhões – Náutico (Caixa), B
4º) R$ 2,4 milhões – Ceará (Caixa), B
6º) R$ 1,5 milhão – CRB (Caixa), B
6º) R$ 1,5 milhão – ABC (Caixa), B
8º) R$ 1,08 milhão – Santa Cruz (MRV Engenharia – privado)*, B
9º) R$ 840 mil – Fortaleza (MRV Engenharia – privado), C
* Válido até abril