A largada do Nordestão 2018 em agosto de 2017, com a recém-criada preliminar

A fase preliminar da Copa do Nordeste 2018. Crédito: CBF/reprodução

Sem alarde, começa a Copa do Nordeste de 2018. Isso mesmo, a primeira partida oficial da 15ª edição será em 15 de agosto de 2017, durante o Campeonato Brasileiro. No Estádio Mão Santa, em Parnaíba, o time da casa abre a recém-criada fase preliminar contra o CSA, envolvido também na Série C. Com a reformulação do Nordestão, o torneio volta a ter 16 clubes na fase de grupos, em vez de 20. Para isso, foi preciso criar esta seletiva, na qual o Náutico enfrentará a Itabaiana, em data a ser detalhada pela confederação.

Definidos em sorteio, com potes divididos pelo Ranking da CBF, os confrontos Náutico x Itabaiana, Treze x Cordino, CSA e Parnahyba e Globo x Flu de Feira vão relacionar os últimos classificados à fase principal da Lampions. A próxima etapa começa em fevereiro, seguindo o fluxo normal do calendário.

Vale lembrar que a lista de participantes foi modificada após a desistência do Sport, influenciando até na distribuição de cotas – inicialmente, o Santa Cruz disputaria a etapa preliminar, mas foi alçado à fase seguinte, já no subgrupo 1 dos cotistas, de porte milionário. Com a vaga aberta, o Náutico entrou na competição na condição de 4º colocado no Estadual, o único neste contexto.

Obs. O sorteio da fase de grupos será em 6 de setembro, em São Luís.

Fase preliminar (8 clubes, passando 4)

Náutico (4º de PE) – 29º lugar no Ranking da CBF
Treze (vice da PB) – 69º
Globo (vice do RN) – 77º
CSA (vice de AL) – 90º
Panahyba (vice do PI) – 100º
Itabaiana (vice de SE) – 117º
Fluminense de Feria (3º na BA) – 131º
Cordino (vice do MA) – s/r

Fase de grupos (16 clubes, com 4 grupos de 4 clubes – abaixo, os potes do sorteio e as respectivas cotas)

Pote 1 (R$ 1 milhão)
Vitória (campeão na BA) – 20º
Bahia (vice na BA) – 21º
Ceará (campeão no CE) – 23º
Santa Cruz (3º de PE) – 26º

Pote 2 (R$ 850 mil)
ABC (campeão no RN) – 31º
Sampaio Corrêa (campeão do MA) – 36º
CRB (campeão em AL) – 37º
Botafogo (campeão na PB) – 46º

Pote 3 (R$ 775 mil)
Salgueiro (vice do PE) – 49º
Confiança (campeão em SE) – 56º
Altos (campeão no PI) – 136º
Ferroviário (vice no CE) – s/r

Pote 4 (R$ 750 mil)
Os quatro classificados da fase preliminar

O regulamento da Copa do Nordeste 2018, já com os critérios para a edição de 2019

O troféu da Copa do Nordeste. Foto: CBF/divulgação

Com o início da Copa do Nordeste de 2018, através da fase preliminar, a CBF divulgou o regulamento oficial. Pelo novo sistema de disputa, a seletiva com oito clubes (Náutico entre eles) irá relacionar quatro para a nova fase de grupos, que já tem doze pré-classificados (Salgueiro e Santa na lista). Assim, a etapa principal será performada por 16 times. O documento de 16 páginas ainda traz o Sport como um dos vinte participantes, embora o rubro-negro já tenha recebido o aval da entidade sobre a desistência do torneio. Já o artigo 26 detalha, em caráter oficial, o critério de classificação ao Nordestão de 2019.

O regional de 2019 adotará o mesmo sistema de 2018, mas só classificará nove times através dos Estaduais, os campeões, claro. Os outros onze virão do Ranking da CBF, na versão que será publicada em dezembro de 2017. Pernambuco seguirá com três vagas, sendo duas na fase de grupos (o campeão estadual e o melhor rankeado) e uma na seletiva (o segundo melhor rankeado). Ou seja, na prática, o Sport já está classificado à fase de grupos do Nordestão de 2019 – hoje, é o 17º lugar no ranking nacional. Caso não queira jogar, o leão terá que protocolar, novamente, um pedido de desistência…

Confira a íntegra do regulamento do Nordestão 2018.

Sport, Santa, Náutico e Salgueiro no Guia Oficial do Campeonato Brasileiro de 2017

Guia do Brasileirão 2017, via CBF

Em três volumes, a CBF lançou o Guia do Campeonato Brasileiro de 2017, com detalhes sobre os 128 clubes – com 69 dias de bola rolando, diga-se. Para a Série A, 121 páginas, sendo quatro páginas dedicadas a cada time, com textos em português e inglês, incluindo um depoimento de um torcedor ilustre – no Sport, coube ao ator Renato Góes. Na Série B, com 65 páginas, são duas para cada participante, com as Séries C e D dividindo outras 89, com duas páginas aos integrantes da terceirona e a tabela para a última divisão. Vamos aos principais registros dos representantes pernambucanos…

Para ter acesso à integra do guia, clique aqui.

Em tempo: no guia, o Flamengo aparece com 5 títulos brasileiros e 1 Copa União, em 1987. Ao contrário do que ocorre na Taça Brasil e no Torneio Roberto Gomes Pedrosa, conquistados por outros clubes, nesse caso não há o asterisco de reconhecimento, da CBF, como Campeonato Brasileiro.

Guia do Brasileirão 2017, via CBF: Sport

Guia do Brasileirão 2017, via CBF: Santa Cruz

Guia do Brasileirão 2017, via CBF: Náutico

Guia do Brasileirão 2017, via CBF: Salgueiro

A voz do torcedor sobre o Pernambucano de 2018: pontos corridos ou mata-mata?

Site "A Voz do Torcedor", sobre sugestões para o Pernambucano 2018. Crédito: FPF/reprodução

O torcedor pernambucano poderá sugerir o formato do campeonato estadual de 2018. O blog já havia antecipado a possibilidade, confirmada com o lançamento do site especial vozdotorcedor.com.br.

“A FPF abre um canal exclusivo para dar voz ao torcedor. Uma janela virtual para que o torcedor, de forma livre e democrática, contribua com a sua opinião para um Campeonato Pernambucano forte. É possível participar desde a indicação de uma fórmula para o campeonato até a opinião de quais pontos são fundamentais para que o torcedor esteja motivado a comparecer aos jogos no estádio. As sugestões serão apresentadas ao Conselho Arbitral.”

As respostas podem ser enviadas até 20 de agosto. Após o cadastro com idade, gênero e clube do coração, o torcedor responde imediatamente sobre a melhor fórmula: pontos corridos ou mata-mata. Pois é. Em tese, o campeonato pode deixar de ter uma final garantida após oito edições consecutivas.

Há um mês, a FPF anunciou que o Estadual de 2018 teria 11 times, subindo só um da segundona. Segundo o novo site, as 12 equipes seriam mantidas.

Nos pontos corridos, com 11 rodadas (supostamente), leva quem somar mais pontos. Entre 2004 e 2010, a competição ocorreu de forma parecida, com pontos corridos nos turnos. Porém, em caso de igualdade o regulamento previa jogos extras. Pelo novo questionário, o desempate seguiria o formato tradicional (vitórias, saldo, gols marcados, confronto direto e sorteio).

Caso o torcedor opte pelo mata-mata, é preciso responder duas perguntas.

Quantos grupos na primeira fase?
1 (12 times)
2 (6 times)
3 (4 times)
4 (3 times) 

Quantos jogos de mata-mata?
Quartas de final, semifinal e final
Semifinal e final (formato em vigor desde 2010)
Apenas final

O projeto foi apresentado na sede da FPF durante a primeira reunião para a formatação do torneio, com a presença de dirigentes e de jornalistas. Qual seria a sua sugestão para o Campeonato Pernambucano de 2018? Comente.

Abaixo, à parte do questionário da FPF, uma enquete sobre o formato…

Qual a sua fórmula ideal para o Campeonato Pernambucano de 2018?

View Results

Loading ... Loading ...

Reunião na sede da FPF para debater o formato do Pernambucano 2018. Foto: FPF/twitter (@fpfpe)

Por unanimidade, o TJD veta impugnação da final e confirma título de 2017 ao Sport

Tribunal

O resultado era previsto. Mesmo que o Tribunal de Justiça Desportiva, o TJD, votasse a favor da impugnação da finalíssima do Campeonato Pernambucano, vencida pelo Sport por 1 x 0, é difícil imaginar que a instância superior, o STJD, aceitasse a resolução. Afinal, a jurisprudência teria efeito dominó, tornando qualquer (suposto) erro em base para anulação de jogos de futebol.

Por este viés jurídico e pela imprecisão da imagens da tevê para definir o erro na saída de bola no Cornélio de Barros, os oito auditores presentes (Vitor Fretas, Claudio Pessanha, João Firmino, Thales Cabral, Hilton Galvão, Carlos Gil, Gilmara Leal e Felipe Tadeu) negaram a petição de Luciano Rocha, o goleiro reserva do Salgueiro. Ele havia entrado na justiça em 6 de julho alegando um “erro de direito”. No julgamento, a sua tese foi sustentada pelo tiro de meta marcado pelo árbitro Wilton Sampaio, após sinalização do auxiliar Marcelo Van Gasse, em vez do prosseguimento da jogada, que terminaria num gol do carcará – lembrando que o artigo 84 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva prevê a anulação (em qualquer fase) em erros de direito. Porém, foi considerado “erro de fato”, ou interpretação equivocada do lance.

Com o resultado no tribunal, instalado dentro da sede da FPF, na Boa Vista, o título estadual de 2017 foi confirmado para o leão. Foi a segunda vez em uma década que o TJD local julgou um caso do tipo. Em 2007, chegou a modificar o resultado do jogo entre Central e Vera Cruz, de 2 x 1 para a 2 x 2, numa decisão bem polêmica – posteriormente anulada, por unanimidade, no STJD.

O título está decidido… Mas a bola saiu ou não após o escanteio?

Lista de campeões pernambucanos (1915-2017)
41 – Sport
29 – Santa Cruz
21 – Náutico
6 – América
3 – Torre
2 – Tramways
1 – Flamengo do Recife

Obs. Cabe recurso no STJD, onde a chance de reversão é irrisória.

Com subgrupos, premiação da Copa do Nordeste de 2018 chega a R$ 22.400.000

A evolução das cotas de premiação da Copa do Nordeste. Arte: Cassio Zirpoli/DP

A Copa do Nordeste de 2018 irá distribuir uma premiação 20,9% maior em relação à edição anterior. O blog já havia informado a estimativa de até R$ 23 milhões. Ficou quase nisso, chegando a R$ 22,4 milhões, levando em conta apenas as cotas de participação. Somando as passagens, hospedagens e arbitragem, bancadas pela verba arrecadada pela liga, o montante chega a R$ 30 mi. Porém, o blog seguiu o critério utilizado desde a volta oficial do torneio, em 2013, com os gráficos comparando apenas as premiações.

A grande novidade para a próxima edição – à parte da surpreendente ausência do Sport, que se desfiliou – é a criação de subgrupos de cotas. No mínimo, uma consequência da celeuma. Durante o imbróglio causado pela saída de rubro-negros e alvirrubros da Liga do Nordeste, o blog chegou a comentar sobre a elaboração de um critério técnico para a formação de subgrupos na primeira fase, como já ocorre na Copa do Brasil. Dito e feito. Na reunião da Liga do Nordeste, em Salvador, os clubes decidiram criar quatro categorias, a partir do Ranking da CBF – cuja atualização é anual. A regra vale para os três primeiros subgrupos, compostos pelos 12 classificados à fase principal. Os quatro oriundos do Pré-Nordestão, independentemente o rankeamento, ficam no quarto subgrupo. E para quem deixar o torneio muito cedo, ainda na fase de Pré, foi designada uma cota mínima.

Com a desistência do leão, o Santa foi alçado da fase preliminar à fase de grupos, assegurando R$ 1 milhão. Já o Salgueiro, que não se envolveu na polêmica dos rivais da capital, garante R$ 775 mil, verba inferior apenas a de 2016, quando o clube sertanejo chegou às quartas (R$ 935 mil).

Abaixo, as premiações de cada fase da Lampions 2018. Os dados foram apurados pelo repórter Vitor Villar, do jornal baiano Correio*.

Pré Nordestão – R$ 250 mil (apenas para os 4 clubes eliminados) 

Fase de grupos
Subgrupo 1 – R$ 1 milhão (Bahia, Vitória, Ceará e Santa Cruz)
Subgrupo 2 – R$ 850 mil (ABC, Sampaio Corrêa, CRB e Botafogo-PB)
Subgrupo 3 – R$ 775 mil (Salgueiro, Confiança, Altos e Ferroviário)
Subgrupo 4 – R$ 750 mil (os 4 vencedores do Pré-Nordestão) 

Quartas de final – R$ 450 mil
Semifinal – R$ 550 mil
Vice – R$ 600 mil
Campeão – R$ 1,5 milhão

A evolução da cotas absoluta da Copa do Nordeste. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Eis as cotas absolutas (somando as fases) para as campanhas no Nordestão:

2018*
Campeão – R$ 3,5 milhões
Vice – R$ 2,6 milhões
Semifinalista – R$ 2 milhões
Quartas de final – R$ 1,45 milhão
Fase de grupos – R$ 1 milhão
* Soma dos valores para o subgrupo 1

2017
Campeão – R$ 2,85 milhões (Bahia)
Vice – R$ 2,15 milhões (Sport)
Semifinalista – R$ 1,6 milhão (Santa Cruz e Vitória)
Quartas de final (1) – R$ 1,05 milhão (Campinense, Itabaiana e Sergipe)
Quartas de final (2) – R$ 780 mil (River)

Fase de grupos (PE, BA, CE, RN, AL, PB e SE) – R$ 600 mil
Fase de grupos (MA e PI) – R$ 330 mil
Total – R$ 18.520.000

2016
Campeão – R$ 2,385 milhões (Santa Cruz)
Vice – R$ 1,885 milhão (Campinense)
Semifinalista – R$ 1,385 milhão (Bahia e Sport)
Quartas de final – R$ 935 mil (Ceará, Salgueiro, CRB e Fortaleza)
Fase de grupos – R$ 505 mil*
Total: R$ 14.820.000
* Exceto para os clubes do Piauí e do Maranhão

2015
Campeão – R$ 2,74 milhões** (Ceará)
Vice – R$ 1,24 milhão (Bahia)
Semifinalista – R$ 890 mil (Vitória e Sport)
Quartas de final – R$ 615 mil (Fortaleza, América-RN, Salgueiro e Campinense)
Fase de grupos – R$ 365 mil*
Total: R$ 11.140.000
* Exceto para os clubes do Piauí e do Maranhão
** Com bônus de R$ 500 mil, pago pela CBF

2014
Campeão – R$ 1,9 milhão (Sport)
Vice – R$ 1,2 milhão (Ceará)
Semifinalista – R$ 850 mil (América-RN e Santa Cruz)
Quartas de final – R$ 600 mil (CSA, CRB, Vitória e Guarany-CE)
Fase de grupos – R$ 350 mil
Total: R$ 10.000.000

2013
Campeão – R$ 1,1 milhão (Campinense)
Participação – R$ 300 mil
Total: R$ 5.600.000

A evolução da cotas absoluta da Copa do Nordeste. Arte: Cassio Zirpoli/DP

10 anos depois, nova ação para anular um jogo do Estadual. Não deve progredir…

Pernambucano 2017, final: Sport 1x1 Salgueiro. Imagem: Rede Globo/reprodução

O Tribunal de Justiça Desportiva (TJD) de Pernambuco irá julgar o pedido de impugnação da final do Campeonato Pernambucano de 2017, numa petição impetrada pelo goleiro Luciano, reserva do Salgueiro. Saiba mais aqui.

A princípio, não significa uma mudança efetiva no título conquistado pelo Sport, mas basicamente o regimento normal do tribunal. De toda forma, entramos em mais uma discussão sobre “erro de fato” e “erro de direito” no futebol, um vez que o artigo 84 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva, o CBJD, prevê a anulação (em qualquer fase) em caso de erros de direito.

Sobre a diferença dos erros, alguns exemplos:

Erro de fato
Interpretação equivocada dos lances, não das regras. Exemplos: não enxergar um impedimento ou se a bola entrou ou não no gol, em lances ajustados.

Erro de direito
Ir de encontro às regras do jogo, como não enxergar um time com 12 jogadores em campo, quatro substituições de um mesmo time, três cartões amarelos para um mesmo atleta etc.

A ação sertaneja sobre a anulação é baseada no livro de regras da CBF, que determina que o assistente esteja alinhado “atrás da bandeira do escanteio, no prolongamento ideal da linha de meta”. O auxiliar Marcelo Van Gasse não estava nesse posicionamento no Cornélio. Contudo, o “alinhamento” também pode ser subjetivo, a partir do melhor ângulo do assistente.

Sobre a decisão de um tribunal acerca de um resultado, esta é a segunda vez que isso ocorre no Estadual, dez anos depois. Em 18 março de 2007, o Central venceu o Vera Cruz por 2 x 1. Porém, o visitante chegou a empatar, através de Rivelino. No chute aos 39/2T, de fora da área, a bola furou a rede. E o árbitro Wilson Souza não viu! Deu tiro de meta. Então, o clube de Vitória de Santo Antão entrou com uma ação alegando erro de direito. E ganhou em primeira instância. Em 4 de abril, no TJD, teve 4 x 2 a favor, mudando o jogo para 2 x 2. Ocorre que a patativa recorreu e o caso chegou ao STJD, onde a decisão anterior caiu por unanimidade – com isso, o Central acabou sendo vice-campeão pernambucano, assegurando vaga na Copa do Brasil de 2008. Na decisão superior, o seguinte texto:

“Por unanimidade de votos, rejeitada preliminar de intempestividade (com a ressalva do Dr. Auditor Paulo Valed Perry , que existe nos autos, prova do requerimento tempestivo da lavratura do acórdão), para no mérito, dar-lhe integral provimento, declarando improcedente a impugnação de partida , mantendo o resultado obtido em campo entre as equipes: Central Sport Club x Vera Cruz Futebol Club.”

Neste novo caso local não seria alteração do placar, mas a anulação completa do jogo. Além da questão sobre o posicionamento do assistente, pesa a definição se a bola saiu ou não após a cobrança de escanteio. É preciso ter certeza, pois trata-se de um lance objetivo – mesmo com a utilização, em tese no país, do árbitro de vídeo. Por sinal, após a final no Cornélio de Barros, o blog foi contatado pela FPF, que também ouviu outros três jornalistas. Em todos os casos foram feitas duas perguntas, anexadas ao relatório sobre o árbitro de vídeo, encaminhado à Fifa. Reproduzo o meu caso:

1) Com o recurso das imagens da transmissão (ângulos distintos e replay), você diria que a bola saiu?
Acho que a bola não saiu. 

2) Com as imagens exibidas sobre o lance, você cravaria que a bola não saiu?
Não, não cravo.

A incerteza se estendeu aos demais.

Portanto, embora considere que o Salgueiro (ou Luciano) tenha o direito de buscar os seus direitos na justiça desportiva, o êxito neste caso é improvável. No TJD e sobretudo no STJD, pouco afeito a jurisprudências do tipo.

Pernambucano 2007, 2º turno: Central 2 x 1 Vera Cruz. Crédito: Rede Globo/reprodução

As possíveis vagas pernambucanas no Nordestão de 2018. Do campeão ao 6º

Sorteio da Copa do Nordeste. Foto: Lucas Figueiredo/CBF

A notícia sobre a desfiliação de Sport e Náutico na Copa do Nordeste pode mudar bastante a composição pernambucana na competição. Por sinal, paralelamente ao anúncio houve o sorteio da fase preliminar do regional, na CBF, com Santa x Itabaiana valendo um lugar na fase principal do torneio. À parte de possíveis adesões ao movimento de saída idealizado pelos clubes do Recife, veja os quatro cenários locais para o regional de 2018. Até porque, independentemente da escolha dos filiados, a FPF tem direito a três vagas.

Em todos os cenários, apenas um clube estaria garantido: o Salgueiro.

Sport e Náutico fora
Os dois clubes formalizaram o pedido de desfiliação da Liga do Nordeste em 30 de junho, último dia do prazo para desistências do Nordestão 2018. A CBF ainda irá consultar os clubes sobre o ato. Na prática, apenas a saída do Sport mudaria a composição local.

Fase de grupos: Salgueiro (vice no PE) e Santa Cruz (3º no PE)
Pré: Belo Jardim (5º no PE)

Sport fora, Náutico dentro
O presidente leonino, Arnaldo Barros, afirmou que desfiliação significa a saída do leão do torneio no “modelo atual”. No caso alvirrubro, a decisão foi tomada pelo presidente executivo, Ivan Brondi. Contudo, o conselho deliberativo do timbu entende que o ato também deveria ter a aprovação do órgão. Impasse.

Fase de grupos: Salgueiro (vice em PE) e Santa Cruz (3º no PE)
Pré: Náutico (4º no PE)

Sport, Náutico e Santa fora
Na coletiva, com dirigentes rubro-negros e alvirrubros, foi dito que o Santa havia solicitado à CBF a retirada de seu nome do sorteio da fase Pré – o que não ocorreu. Em nota oficial, o tricolor informou que ainda irá submeter a ideia de desfiliação da liga ao conselho (sem data). Ao considerar esta hipótese, é preciso ignorar o prazo dado pela CBF para desistências (até 30/06).

Fase de grupos: Salgueiro (vice em PE) e Belo Jardim (5º no PE)
Pré: Central (6º no PE)

Sport e Náutico dentro
Caso a desfiliação não seja suficiente – juridicamente falando – para a saída da próxima Lampions League, as três vagas locais seguiriam com o pódio do último Campeonato Pernambucano. E o timbu seguiria fora.

Fase de grupos: Sport (campeão em PE) e Salgueiro (vice no PE)
Pré: Santa Cruz (3º no PE)

Sport e Náutico se desfiliam da Liga NE. Pressão ou articulação por novo torneio?

G7 do Nordeste

“O Sport formalizou a sua desfiliação da Liga do Nordeste, que é responsável pela organização da Copa do Nordeste, na tarde da última sexta-feira (30/6). O documento é assinado também pelo Náutico.”

A nota oficial do Sport sobre a decisão tomada pelo presidente Arnaldo Barros, já informada ao conselho deliberativo, escancarou uma batalha política acerca da organização do Nordestão. O ponto é claro: dinheiro. O clube rubro-negro entende que a divisão de cotas na primeira fase tem que ser revista. Em 2017, cada um dos 20 clubes recebeu recebeu R$ 600 mil. De Sport, Santa e Náutico a Uniclinic, Altos e Juazeirense. Somando todas as fases foram R$ 18,5 milhões em cotas, com previsão de R$ 23 milhões em 2018.

E aí entra uma discussão sobre a equidade disso. Ao reclamar da disparidade de cotas no Campeonato Brasileiro, como querer o mesmo no cenário regional? Por outro lado, o blog entende que, através da elaboração de um critério técnico (ranking?), seria possível, sim. Como já ocorre na Copa do Brasil, com três grupos de cotas distintas nas duas primeiras fases.

Entretanto, neste embate político, Sport e Náutico tomaram uma atitude capital, deixando a liga fundada por eles mesmos há 17 anos. A Associação dos Clubes de Futebol do Nordeste (ACFN), hoje “Liga do Nordeste”, foi criada em 30 de outubro de 2000 por 16 clubes, os principais da região, excetuando Maranhão e Piauí, na época integrados à extinta Copa Norte. O objetivo foi organizar a (bem sucedida) edição de 2001. Eis os fundadores: Bahia, Vitória, Fluminense de Feira, Náutico, Santa Cruz, Sport, Ceará, Fortaleza, ABC, América-RN, CRB, CSA, Botafogo-PB, Treze, Confiança e Sergipe.

Na época, indo de encontro às federações estaduais – e na nota atual, o Sport teve o apoio da FPF -, a liga foi idealizada pelos presidentes de Sport e Vitória, Luciano Bivar e Paulo Carneiro, respectivamente. Por sinal, os primeiros presidente e vice-presidente da associação, hoje comandada por Alexi Portela, também ligado ao rubro-negro baiano.

A princípio, ao menos até a coletiva agendada pelo leão, a desfiliação não é sinônimo de ausência do Nordestão 2018, cuja organização passa pela liga e pelo canal Esporte Interativo, detentor dos direitos na TV até 2022. Até porque mexeria em toda a composição – o Santa, por exemplo, seria alçado da fase pré para a fase de grupos. Contudo, considerando a visão mais radical, uma articulação por um torneio paralelo enxuto, com outros clubes, pontuado por novas cotas e parceiros comerciais, soaria mais como uma “Copa União”. E justamente por quem disputou o módulo amarelo na época… A conferir.

Cotas* do Sport no Nordestão: R$ 6,625 milhões
2013 – R$ 300 mil (quartas)
2014 – R$ 1,9 milhão (campeão)
2015 – R$ 890 mil (semi)
2016 – R$ 1,385 milhão (semi)
2017 – R$ 2,15 milhões (vice) 

Cotas* do Santa Cruz no Nordestão: R$ 5,135 milhões
2013 – R$ 300 mil (quartas)
2014 – R$ 850 mil (semi)
2016 – R$ 2,385 milhões (campeão)
2017 – R$ 1,6 milhão (semi)

Cotas* do Salgueiro no Nordeste: R$ 1,850 milhão
2013 – R$ 300 mil (grupo)
2015 – R$ 615 mil (quartas)
2016 – R$ 935 mil (quartas)

Cotas* do Náutico no Nordestão: R$ 1,315 milhão
2014 – R$ 350 mil (grupo)
2015 – R$ 365 mil (grupo)
2017 – R$ 600 mil (grupo 
* Após o retorno oficial do torneio

Atualização: na coletiva, Arnaldo Barros confirmou a intenção de sair do torneio com o “modelo atual”, propondo, caso tenha outras adesões, a formatação de outra competição, com nova venda de direitos. Acha o Nordestão deficitário… Já o Santa vai submeter a ideia ao conselho.

Sport lidera o público do Estadual 2017, o segundo mais esvaziado em 28 anos

Pernambucano 2017, final: Sport 1x1 Salgueiro. Imagem: Rede Globo/reprodução

Na década atual, o campeão pernambucano sempre teve como característica a liderança conjunta no ranking de público. Foi assim com o Santa Cruz em 5 oportunidades e com o Sport em 2, a última agora em 2017, já marcada como a segunda edição mais esvaziada desde que a FPF passou a contabilizar a presença média de torcedores na competição, em 1990. Caiu pelo terceiro ano seguido, chegando a 2.402 pessoas. Em termos absolutos não teve jeito. Com 209 mil espectadores, entre pagantes e não pagantes, foi a pior edição.

Para se ter uma ideia, o índice leonino não chegou nem a 10 mil pessoas, sendo a primeira vez entre os dados levantados pelo blog, a partir de 2005 (gráfico abaixo). Até porque jogou 6 vezes com formações reservas. Não por acaso, o seu maior público (e também do Pernambucano) foi bem modesto, com 22 mil torcedores no jogo de ida da final. E a grande decisão, no Sertão, acabou sendo a de público mais baixo que se tem notícia no futebol local: 5.544 torcedores. Além da capacidade reduzida do Cornélio, pesou, bastante, a desorganização do torneio, com seguidas mudanças de data.

Naturalmente, a arrecadação seguiu a mesma curva descendente. E o dado geral assusta. Em 87 jogos com borderô, pois 8 partidas sequer puderam ter público devido à falta de laudos técnicos, a bilheteria foi de R$ 2,4 milhões, com queda de 43% em relação a 2016, com R$ 4,7 mi ao todo. Com direito a 8% de todas rendas, a FPF ficou com R$ 213 mil.

Os números de público e renda do Campeonato Pernambucano de 2017…

Os 5 maiores públicos
22.757 – Sport 1 x 1 Salgueiro (Ilha do Retiro, 06/05)
22.056 – Santa Cruz 1 x 0 Salgueiro (Arruda, 15/04)
19.541 – Náutico 1 x 1 Sport (Arena, 23/04)
15.082 – Sport 3 x 2 Náutico (Ilha do Retiro,16/04)
12.408 – Santa Cruz 1 x 1 Sport (Arruda, 18/02)

1º) Sport (7 jogos como mandante, na Ilha do Retiro)
Público: 62.428 torcedores
Média de 8.918 
Renda: R$ 1.102.285
Média de R$ 157.469 

2º) Santa Cruz (7 jogos como mandante, no Arruda)
Público: 53.299 torcedores
Média de 7.614
Renda: R$ 466.550
Média de R$ 66.650 

3º) Náutico (7 jogos como mandante, na Arena Pernambuco)
Público: 37.420 torcedores
Média de 5.345 
Renda: R$ 525.390
Média de R$ 75.055 

4º) Salgueiro (10 jogos como mandante, no Cornélio de Barros)
Público: 29.697 torcedores
Média de 2.969 
Renda: R$ 295.980 
Média de R$ 29.598 

5º) Central (8 jogos como mandante; 3 no Antônio Inácio, 2 no Lacerdão, 1 na Arena, 1 no Carneirão e 1 no Arruda)
Público: 8.573 torcedores
Média de 1.071  
Renda: R$ 116.750  
Média de R$ 14.593  

6º) Belo Jardim (8 jogos como mandante; 5 no Antônio Inácio, 2 no Arruda e 1 na Arena)
Público: 3.572 torcedores
Média de 446 
Renda: R$ 26.522 
Média de R$ 3.315 

Geral – 87* jogos (1ª fase, hexagonais e mata-mata)
Público total: 209.059 
Média: 2.402 pessoas
Arrecadação: R$ 2.673.367 
Média: R$ 30.728 
* Mais 8 jogos ocorreram de portões fechados 

Fase principal – 38 jogos (hexagonal do título e mata-mata)
Público total: 182.724 
Média: 4.808 pessoas
Arrecadação total: R$ 2.444.211 
Média: R$ 64.321