Futebol estadual dividido por 22 títulos amadores e 78 títulos profissionais

Campeões pernambucanos no amadorismo (1915/1936) e profissionalismo (1937/2014). Crédito: Pedrom/DP/D.A Press

O Campeonato Pernambucano chegou a um século de história.

Hoje, trata-se de uma competição com investidores, transmissão na televisão, premiação e milhares de torcedores envolvidos. Em 1915, a  disputa era puramente amadora, com curiosos próximos aos campos.

Como em todo o país, a profissionalização do futebol foi lenta. Antes, alguns jogadores até pagavam para jogar, como mensalidades de 10 mil réis.

Foi assim até 1937, quando a Federação Pernambucana de Desportos (FPD), atual FPF, registrou o primeiro contrato profissional de um atleta no estado. O clube pioneiro foi o Central de Caruaru, que firmou um acordo com o Atlético Mineiro para trazer o zagueiro central Zago, visando o Estadual.

Aquele ato marcou o nosso futebol, que já vivia um amadorismo camuflado, pois vários atletas atuavam em troca de empregos em empresas no Recife. Clubes como Sport, América e Tramways já haviam flertado com o profissionalismo.

Apenas como curiosidade, vamos à divisão de campeões nas duas vertentes, amadora e profissional. Entre parênteses, o último título.

Confira um gráfico com as diferenças nas duas eras, tanto no esporte quanto no próprio Recife, clicando aqui.

Campeonato Pernambucano, 1915/2014 (100 edições)
40 – Sport (2014)
27 – Santa Cruz (2013)
21 – Náutico (2004)
6 – América (1944)
3 – Torre (1930)
2 – Tramways (1937)
1 – Flamengo (1915)

Era Amadora, 1915/1936 (22 edições)
7 – Sport (1928)
5 – América (1927)
4 – Santa Cruz (1935)
3 – Torre (1930)
1 – Flamengo (1915), 1 – Náutico (1934), 1 – Tramways (1936)

Era Profissional, 1937/2014 (78 edições)
33 – Sport (2014)
23 – Santa Cruz (2013)
20 – Náutico (2004)
1 – Tramways (1937), 1 – América (1944)

O segundo maior jejum da história timbu

Pernambucano 2014, final: Náutico 0x1 Sport. Foto: Edvaldo Rodrigues/DP/D.A Press

O Náutico de Lisca lutou o quanto pôde, com suas limitações técnicas e falta de dinheiro. O vice-campeonato estadual foi a melhor campanha nos últimos quatro anos. Porém, o revés transformou o jejum atual no segundo maior do clube.

Campeão em 1989, o Timbu só voltaria a erguer a taça em 2001. Portanto, de 1990 a 2000 foram onze campanhas sem conquistas, no maior período de seca.

No maior hiato entre os grandes clubes do estado, o Sport ficou sem vencer o Pernambucano no período que marcou a maior série de triunfos do Náutico, o hexa, e do Santa Cruz, o penta. Contudo, no intervalo de troféus locais, o Leão ainda conquistou o Torneio Norte-Nordeste de 1968.

O levantamento do blog considera o intervalo entre títulos estaduais. A explicação é necessária pois o Tricolor disputou o Pernambucano de 1915 a 1930 sem ganhar uma edição, assim como o Alvirrubro entre 1916 a 1933.

Sport (1962/1975) – 12 anos
Sport ( 1928/1938) – 9 anos

Náutico (1989/2001) – 11 anos
Náutico (2004 / presente) – 10 anos
Náutico (1974/1984) – 9 anos

Santa Cruz (1947/1957) – 9 anos
Santa Cruz (1959/1969) – 9 anos
Santa Cruz (1995/2005) – 9 anos

Jejuns dos demais clubes campeões pernambucanos:

América (1944 / presente) – 70 anos
América (1927/1944) – 16 anos

Torre (3 títulos), Tramways (2) e Flamengo do Recife (1) estão extintos.

Os prêmios aos campeões e vices do futebol, do Estadual à Libertadores

Dinheiro no futebol. Arte: Cassio Zirpoli/DP/D.A Press

Levantar o troféu de campeão significa, também, o faturamento da cota máxima de premiação. A verba que acompanha uma conquista é um plus nas receitas do clube.

Transmissão na televisão, bilheteria, direitos econômicos de jogadores, patrocinadores e sócios são as tradicionais fontes de receita no futebol do país. Contudo, no alto do pódio o dinheiro vem através da meritocracia nos gramados, cabendo inclusive prêmios menores aos vice-campeões e demais participantes.

Confira os principais prêmios das competições oficiais em 2014, bancados por federações e patrocinadores, do Estadual à Libertadores. A cotação foi US$ 1 / R$ 2,21.

Apenas com premiações, o Sport já ganhou R$ 2,3 milhões no ano.

Taça Libertadores da América
Campeão: R$ 11.870.000 (US$ 5,35 milhões)
Vice: R$ 8.986.000 (US$ 4,05 milhões)

Copa Sul-Americana
Campeão: R$ 3.411.000 (US$ 1,54 milhão)
Vice: não informado

Série A*
Campeão: R$ 9.000.000
Vice: R$ 6.000.000

Copa do Brasil
Campeão: R$ 6.190.000
Vice: R$ 4.990.000

Copa do Nordeste
Campeão: R$ 1.900.000
Vice: R$ 1.200.000

Campeonato Pernambucano
Campeão: R$ 400.000
Vice: não informado

*Valores de 2013. Os dados de 2014 ainda não foram confirmados.

FPF embolsa R$ 751 mil no Estadual, com o “maior público do país”

Evandro Carvalho entrega a Magrão a medalha de campeão pernambucano de 2014. Foto: Imprensa FPF/Flickr

“Dever cumprido e sucesso. Chegamos ao final de um campeonato num ano complicado de calendário. Graças a Deus, tudo bem, com a maior média de público do Brasil. Um sucesso.”

A declaração às rádios do presidente da FPF, Evandro Carvalho, foi dada durante a entrega do troféu e das medalhas de campeão do 100º Estadual.

Ali, o dirigente já sabia que a final havia registrado 30.061 torcedores, sendo a única partida com mais de trinta mil pessoas entre todos os 140 jogos realizados na emblemática competição local.

O mandatário da federação também sabia da média de 6.318 pessoas por jogo, num dado que, francamente, não pode ser levado a sério nesta temporada, tamanha a quantidade de denúncias de públicos fantasmas no interior.

Apesar disso, aconteceu o esperado sobre os números nas arquibancadas.

Evandro promoveu o público da competição, oficialmente o maior entre os estaduais de 2014, mesmo com o número local sendo o segundo mais baixo desde 2009. Vale destacar que, independentemente do público presente no campo, a FPF tem direito a 8% dos ingressos registrados no borderô.

Ao todo, o Campeonato Pernambucano gerou uma arrecadação de R$ 9.391.936. A federação embolsou R$ 751.354. Realmente, foi um sucesso.

Médias de público do Campeonato Pernambucano de 1990 a 2014

Cais da Alfândega, o novo local da Fan Fest da Copa, segundo a Fifa

Festa do Quanta Ladeira no palco Rec-Beat, no carnaval 2013. Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press

Mudança de última hora na Fan Fest do Recife para a Copa do Mundo…

Como se sabe, a Prefeitura do Recife abriu mão da realização do evento oficial do Mundial de 2014, alegando o alto custo da estrutura. Após intensa negociação, caiu de R$ 20 milhões para R$ 6 milhões. Ainda assim, a fan fest só teria o aval da prefeitura se o investimento for plenamente privado.

O impasse segue (seguia?), mas nesta quinta-feira, a Fifa divulgou a localização das doze fan fests (veja aqui).

Localização dos palcos da Fifa Fan Fest. crédito: FifaEm Pernambuco, uma surpresa.

A festa se mantém, segundo a entidade. Mas não no plano original.

A estrutura segue programada para o Recife Antigo, mas no Cais da Alfândega em vez do Marco Zero.

No carnaval, o Marco Zero costuma receber o palco principal, enquanto no Cais da Alfândega é montada a estrutura do festival Rec-Beat.

A capacidade de público é menor, o que deve explicar a diminuição das despesas, algo necessário para a realização do evento na capital pernambucana.

Ao que parece, a Fifa antecipou o acordo com a PCR. Oficialmente, no entanto, a gestão da cidade segue sem uma confirmação…

Leão campeão no campo e nas arquibancadas

Pernambucano 2014: Sport 1x0 Santa Cruz, Santa Cruz 0x0 Náutico e Náutico 0x1 Sport. Fotos: Daniel Leal, Celso Ishigami e Rafael Brasileiro, todos do DP/D.A Press

Nas imagens, os maiores públicos de cada grande clube um como mandante no campeonato estadual de 2014: Sport 1 x 0 Santa Cruz (26.173), Santa Cruz 0 x 0 Náutico (28.712) e Náutico 0 x 1 Sport (30.061).

Os dados são econômicos, caso comparados ao histórico recente. Apesar do dado mais baixo entre os três maiores públicos, o Sport venceu o “campeonato das multidões”, desbancando o Santa Cruz, após cinco anos seguidos com os corais à frente. Campeão no campo e nas catracas. O Rubro-negro manteve a regularidade, com quase 17 mil pessoas por jogo na Ilha.

Somente a finalíssima ultrapassou a marca de trinta mil torcedores. No geral, uma média de 6.318 torcedores em 140 jogos, somando uma infinidade de fantasmas nos jogos disputados no interior, com o uso questionável do TCN.

As médias de público de Náutico, Santa Cruz e Sport no Estadual de 2005 a 2014

Curiosamente, o maior público absoluto da competição foi do Salgueiro, com 119 mil torcedores. Porém, foram necessárias 15 partidas no Cornélio de Barros para estabelecer a marca. O Sport levou 118 mil pessoas à Ilha em 7 jogos.

Abaixo, confira os dados finais da competição, separados pela fase principal e com o torneio completo.

1º) Sport (7 jogos como mandante)
Total: 118.823
Média: 16.974
Taxa de ocupação: 51,46%
Contra intermediários (3) – T: 36.030 / M: 12.010

2º) Santa Cruz (7 jogos como mandante)
Total: 109.983
Média: 15.711
Taxa de ocupação: 26,16%
Contra intermediários (4) – T: 39.416 / M: 9.854

3º) Náutico (7 jogos como mandante)
Total: 87.766
Média: 12.538
Taxa de ocupação: 27,13%
Contra intermediários (4) – T: 33.238 / M: 8.309

4º) Salgueiro (15 jogos como mandante)
Total: 119.607
Média: 7.973
Taxa de ocupação: 80,40%

5º) Central (13 jogos como mandante)
Total: 98.691
Média: 7.591
Taxa de ocupação: 38,97%

6º) Porto (13 jogos como mandante)
Total: 74.682
Média: 5.744
Taxa de ocupação: 29,49%

Capacidade oficial dos estádios: Arruda (60.044), Arena Pernambuco (46.214), Ilha do Retiro (32.983), Lacerdão (19.478) e Cornélio de Barros (9.916).

Geral – 140 jogos (1ª fase, hexagonal do título e hexagonal da permanência)
Público total: 884.611
Média: 6.318 pessoas
TCN: 685.555 (77,49% da torcida)
Média: 4.896 bilhetes
Arrecadação total: R$ 9.391.936
Média: R$ 67.085

Fase principal – 38 jogos (hexagonal do título e mata-mata)
Público total: 450.655
Média: 11.859 pessoas
TCN: 267.284 (59,31% da torcida)
Média: 7.033 bilhetes
Arrecadação total: R$ 6.796.030
Média: R$ 178.842

Confira todas as médias desde 1990 clicando aqui.

A histórica foto do primeiro troféu estadual na Arena, erguido pelos rubro-negros

Pernambucano 2014, final: Náutico 0x1 Sport. Foto: Rafael Brasileiro/DP/D.A Press

A cena já faz parte da história do Sport, tradicional até.

Primeiro, Durval recebe o troféu das mãos do organizador da competição.

Em seguida, os demais rubro-negros se aproximam, com o capitão ao centro.

Com todo mundo reunido, a taça erguida pelo xerife em mais um título do Leão.

Este foi o 5º título pernambucano do zagueiro em 5 campeonatos estaduais com a camisa rubro-negra. Aproveitamento absoluto.

Nesta quarta, a conquista, num palco armado pelo patrocinador do Estadual no centro do campo da Arena Pernambuco, mereceu até camisa especial, preparada pelo clube na véspera…

Camisa preta e letras amarelas: “O campeão voltou. 40 títulos pernambucanos.”

O gol de Durval, o gol do 40º título pernambucano, o gol da 1ª taça na Arena

Pernambucano 2014, final: Náutico 0x1 Sport. Foto: Paulo Paiva/DP/D.A.Press

O Campeonato Pernambucano de futebol começou em 1915.

A partir disso, eis o domínio o Sport desde a edição pioneira.

10º título – 1942 (27 anos depois)
20º título – 1975 (33 anos depois)
30º título – 1997 (22 anos depois)
40º título – 2014 (17 anos depois)

Nunca o Rubro-negro havia precisado de tão pouco tempo para mudar de patamar em relação às conquistas estaduais.

Nesta sequência, metade dos triunfos tiveram a presença do experiente zagueiro Durval, essencial nesta sua segunda passagem na Ilha do Retiro.

Com o 40º título pernambucano, o Leão entrou num grupo seleto entre os maiores campeões estaduais do país. Apenas outros oito times já alcançaram a marca.

A nova conquista, é verdade, até demorou a sair, devido aos vice-campeonatos na temporadas anteriores. Contudo, o clube retomou o gosto pelas vitórias, pela hegemonia no estado.

Aliás, não só em Pernambucano… O tri da Copa do Nordeste que o diga.

Pernambucano 2014, final: Náutico 0x1 Sport. Foto: Edvaldo Rodrigues/DP/D.A Press

Dois troféus no mesmo mês, aumentando bastante galeria leonina.

Ao vencer a centésima edição do Campeonato Pernambucano, o Sport firmou também o seu nome como o primeiro campeão profissional da Arena Pernambuco.

O regional já tinha sido num Castelão repleto. Agora, diante de trinta mil pessoas em São Lourenço. Conquistas num intervalo de duas semanas.

Diante do Náutico, após a vitória há uma semana, na Ilha do Retiro, o time comandado por Eduardo Batista soube aproveitar muito bem a vantagem.

O Alvirrubro bem que tentou forçar no primeiro tempo. No segundo, com as mexidas e o melhor condicionamento físico do Leão, a final ganhou uma cara vermelha e preta.

O jogo já estava controlado pelos rubro-negros, quando veio a definição, a quinze minutos do fim. Começou na falta dura de Leonardo Luiz, expulso.

Na cobrança da falta, Ailton mandou com efeito e o capitão Durval desviou de cabeça, de costas para a trave. Bola na rede, 1 x 0, no primeiro gol do xerife na temporada.

O gol que valeu a 100º Campeonato Pernambucano, o 1º na Arena Pernambuco.

Pernambucano 2014, final: Náutico 0x1 Sport. Foto: Paulo Paiva/DP/D.A.Press

Os supostos torcedores rivais na arquibancada alheia

Pernambucano 2014, final: Sport x Náutico. Foto: Celso Ishigami/DP/D.A Press

Aconteeceu o que se esperava.

Torcedores sem uniformes dos clubes, sentados próximos à torcida visitante, quietos. Aos poucos a aglomeração foi aumentando.

Ação seguida pelos torcedores mandantes, insatisfeitos com a presença dos “estranhos”, mesmo sem qualquer ação dos demais.

Já havia ocorrido no mesmo clássico, há menos de um ano.

Náutico x Sport, na Arena Pernambuco.

Na Copa Sul-Americana 2013 foram 2 mil ingressos aos visitantes.

Na final do Pernambucano 2013 foram 6,4 mil ingressos aos visitantes.

Cargas de acordo com a lei e esgotadas rapidamente.

Daí, a “ideia” de adquirir bilhetes da torcida mandante, à disposição.

Nos dois jogos, o Batalhão de Choque precisou intervir, de forma pacífica, é bom ressaltar.

Remanejando o público ou mesmo retirando do estádio…

De fato, a ação dos rubro-negros não foi correta. A mesma visão se aplica aos alvirrubros que se arriscaram como homens da lei.

A confusão durou meia hora para ser solucionada…

Pernambucano 2014, final: Sport x Náutico. Foto: Celso Ishigami/DP/D.A Press