Nos pênaltis, Sport vence o The Strongest e conquista o tri da Taça Ariano Suassuna

Taça Ariano Suassuna 2017: Sport 1 (4) x (2) 1 The Strongest. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Em seu terceiro ano, a Taça Ariano Suassuna foi decidida nos pênaltis pela primeira vez. No tempo regulamentar, 1 x 1, com o Sport segurando o The Strongest durante 64 minutos, depois da expulsão de Ronaldo Alves. No desempate, o time teve batedores reservas e o goleiro reserva. Com a mudança integral da equipe que começou a peleja na Arena Pernambuco, o tri veio com nomes improváveis. Matheus Ferraz, Lenis, Paulo Henrique e Marquinhos converteram e Agenor defendeu uma cobrança, com a série encerrada em 4 x 2.

Sobre o único teste leonino na pré-temporada, os cerca de oito mil espectadores viram um começo empolgante. Mas só durou 26 minutos, até o zagueiro puxar um adversário sendo o último leonino. Rigor do árbitro num amistoso? Não. Até ali, o Sport sobrava, criando seguidas oportunidades, com o campeão boliviano quase não passando do meio-campo. Diego Souza, convocado à Seleção, fez a primeira grande jogada. Na sequência, após escanteio, Rithely desviou um cruzamento de Everton Felipe e marcou o primeiro gol rubro-negro em 2017.

Taça Ariano Suassuna 2017: Sport x The Strongest. Foto: João de Andrade Neto/DP

Com dez (Leandro Pereira foi sacrificado na recomposição da defesa), o Leão se perdeu. Abusando de jogadas (bem) ensaiadas em escanteios, o Strongest passou a exigir Magrão. De contrato renovado, o goleiro fez três ótimas defesas. Só não evitou a última finalização da primeira etapa, de Bejarano.

Apesar da tarde complicada, Daniel Paulista pensou à frente, poupando os titulares. Na retomada, uma nova formação, com contratado (Marquinhos), gente sem espaço (Agenor, Mansur e Lenis) e garotos da base (Thallyson e Fábio). Sem entrosamento, ainda mais com Fábio de organizador, errando tudo. Entrou afobado e logo foi substituído, na última troca, com Paulo Henrique. Melhorou o time, dando mais força e tranquilidade, embora tenha desperdiçado duas chances. No fim, num jogo mais nervoso do que se imaginava, o empate ficou de bom tamanho. E nas penalidades, a primeira alegria leonina no ano.

Taça Ariano Suassuna 2017: Sport x The Strongest. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

As compras milionárias dos clubes de futebol do Nordeste no Plano Real

As compras milionárias do futebol nordestino no Plano Real. Arte: Cassio Zirpoli/DP

O perfil exportador do futebol nordestino é bem antigo, com craques negociados desde o início do profissionalismo no país, como Ademir Menezes, do Sport para o Vasco em 1942. E do clube carioca para a Copa do Mundo. Caminhos para o Sul-Sudeste e também para o exterior. Ainda bem, há o caminho inverso. Mais recente e numa rotação menor, o clubes da região também vêm contratando jogadores com cifras milionárias. O blog reuniu as negociações (divulgadas) no Plano Real, em circulação desde 1º de julho de 1994 – considerando ao menos R$ 1 milhão independentemente do percentual adquirido sobre os direitos.

À parte da década atual, surpreende o Vitória em 1997, com quatro compras seguidas, no embalo da parceria com o Banco Excel, que bancou R$ 10,8 milhões nos reforços, além de mediar o empréstimo de Túlio Maravilha, então no Corinthians, também patrocinado pelo banco. Na temporada seguinte, também respaldado por um banco (o Opportunity), o Bahia entrou na estatística. A partir de 2012, no início da era das supercotas da televisão, no Brasileirão, quatro clubes da região conseguiram realizar transações neste porte, até o Náutico, o único não cotista, mas presente na elite no ano da vinda de Kieza.

Número de jogadores comprados (17 nomes até 22/01/2017*)
7 – Vitória
6 – Sport
3 – Bahia
1 – Náutico
* O Bahia também comprou 55% de Hernane Brocador e 50% de Edgar Junio, mas com valores desconhecidos

Número de jogadores comprados por estado:
10 – Bahia
7 – Pernambuco

O ranking é apresentado tanto em reais quanto em dólares. Isso porque, em mais de duas décadas, o valor da moeda nacional já flutuou bastante. Se no início chegou a valer mais que o dólar, em determinado momento caiu para 1/4 da moeda americana. Por sinal, apesar de o euro ser a versão mais utilizada, hoje, no futebol internacional, o blog opta pelo dólar uma vez que a moeda europeia só foi criada em 1999, sendo impossível calcular valores anteriores.

A pesquisa engloba valores divulgados na imprensa (jornais e sites), uma vez que os clubes não têm o costume de revelar os números oficiais – nem em seus balanços financeiros. Na maioria dos casos, cada compra foi informada em um valor (real, dólar ou euro), com o blog convertendo nas duas colunas abaixo de acordo com o câmbio de cada época, precisamente no dia da notícia.

Ah, existe a possibilidade de alguns nomes terem sido esquecidos. Por isso, caso lembre, pode deixar o seu comentário no post, que a lista será atualizada.

Com a 3ª campanha de sócios na década, Santa retoma plano de ingresso garantido

Setores do Arruda para a campanha de sócios "Santa Forte". Crédito: reprodução (santaforte.com.br)

Em menos de seis anos, a Santa Forte é a terceira campanha de sócios apresentada pelo Santa Cruz. O novo projeto é focado no escalonamento de descontos a todos os setores do Arruda aos associados, incluindo um acesso livre a partir do anel superior às quatro categorias (de um total de seis) a partir de R$ 25. Com isso, o clube tenta retomar o quadro adimplente, que teve uma queda de 50% no segundo semestre de 2016. No contexto voltado para o futebol, o plano básico é o Todos com o Santa, que também garante desconto de 75% para a arquibancada na barra do canal, à direita das cabines de televisão.

No topo está o plano Fita Azul, com os anéis inferior e superior liberados, além de 25% de desconto para as cadeiras cativas. Com a mudança drástica em relação ao projeto anterior, o “Santa Cruz de Corpo e Alma”, será feita a transição automática dos planos dos sócios em dia, hoje seis mil. Originalmente, o plano de metas de Alírio Moraes para o triênio 2015-2017 visava 45 mil sócios nesta temporada. Hoje, a meta está em 20 mil (número ainda bom).

O recorde do Santa é de 1999, na gestão de Jonas Alvarenga. Na ocasião, baratou a mensalidade para R$ 5, também atrelando exclusivamente ao futebol. Com Mancuso de garoto-propaganda, o clube passou de um quadro à beira do colapso, com apenas 464 torcedores em dia, para 27 mil adimplentes

Abaixo, as últimas campanhas e os planos (e maiores vantagens) de cada uma.

Santa Cruz Forte (2017, com descontos em ingressos no Mundão)
Fita Azul (R$ 99,99) – Cadeiras (25%) e sociais/escudo/barra/superior (100%)
Tri-Super ( R$ 54,99) – Cadeiras (25%), sociais (50%) e inferior/superior (100%)
Mais Querido (R$ 34,99) – Sociais (50%), escudo (75%) e barra/superior (100%)
Todos com o Santa (R$ 24,99) – Escudo (25%), barra (75%) e superior (100%)
Identidade Coral (R$ 9,99) – Prioridade de compra
Ninho tricolor (R$ 5) – Para crianças até 10 anos. Descontos em ações do clube

Lançamento (21/01/2017): 6.003 sócios

Campanha de sócios do Santa Cruz em 2017, "Santa Forte". Crédito: Santa Cruz/twitter (@SocioSANTAFORTE)

Santa Cruz de Corpo e Alma (2015-2017)
Sócio-família (R$ 50) – 50% de desconto para o titular e dependentes
Sócio-torcedor (R$ 30) – 50% de desconto para o titular
Sem fronteira (R$ 15) – para torcedores de outros estados
Curumim (R$ 10) – para crianças até 12 anos, com promoções exclusivas

Lançamento (26/01/2015): 4.332 sócios
Auge (05/2016): 12 mil titulares (+177% sobre o lançamento)
Fim (20/01/2017): 6.003 sócios (-50% sobre o auge e +38% sobre o lançamento)

Campanha de sócios do Santa Cruz em 2015-2017: Sou Santa Cruz de Corpo e Alma

Guerreiro Fiel (2011-2015)
Prata (R$ 30) – acesso livre às sociais
Ouro (R$ 50) – ingresso para o titular e desconto para dependentes
Master (R$ 100) – dois ingressos por jogo
Patrimonial (R$ 30) – ingresso para o titular e desconto para dependentes

Lançamento (07/07/2011): 4.900 sócios
Auge (10/2014): 16 mil titulares (+226% sobre o lançamento)
Fim (25/01/2015): 4.332 sócios (-72% sobre o auge e -11% sobre o lançamento)

Campanha de sócios do Santa Cruz em 2011-2015: Guerreiro Fiel

Reformulado e abraçado pela torcida, Santa vence o Papão e leva a Asa Branca

Taça Asa Branca 2017, final: Santa Cruz 1x0 Paysandu. Foto: Rodrigo Baltar/Santa Cruz (site oficial)

A partida já tinha começado, com a tarde caindo no Arruda e o público ainda chegando. Numeroso, no passo lento, nas bilheterias e portões. Com meia hora, o jogo com um visual razoável se transformou numa excelente presença, com 14.002 torcedores – dando a impressão até de mais gente. Público ansioso pelo primeiro jogo do Santa em 2017. Antes, um jogo-treino e um amistoso de portões fechados. Agora, além de matar a saudade de casa, ainda teria um adversário bem mais qualificado, o Paysandu. Para completar, uma taça em jogo. A Asa Branca, reunindo os últimos campeões do Nordestão e da Copa Verde.

Aí, sabemos, o copeirismo ajuda, pré-temporada à parte. Até mesmo porque o time de Vinicius Eutrópio foi totalmente reformulado em relação àquele rebaixado. Os principais nomes foram à Libertadores: Léo Moura/Grêmio, João Paulo/Botafogo, Arthur/Chape, Keno/Palmeiras e Grafite/Atlético-PR.

Taça Asa Branca 2017, final: Santa Cruz 1x0 Paysandu. Foto: Diego Borges/Esp. DP

No sábado, apenas um remanescente, o lateral Vítor. Tal simbolismo valeu até a braçadeira de capitão. Sobre as caras novas, um desencontro natural, mesmo com os 17 dias de treino. O time teve mais volume no primeiro tempo, mas numa atuação fraca, tecnicamente – até esperada, na visão do blog. O entrosamento não viria na estreia, com ou sem taça em disputa. Ainda assim, naquela correria, saiu o gol da vitória por 1 x 0, num belo chute de Léo Costa aos 34 minutos. Pegou da meia lua e mandou no cantinho. A torcida ainda vibrou com a primeira defesaça de Júlio César (um jogo, uma taça), espalmando no ângulo.

No intervalo, nada de (inúmeras) trocas. A formação se manteve para dar liga. Em vantagem, os corais atuaram nos contragolpes, de forma cadenciada e sem correr riscos – com o paraense (e futuro adversário na B) inoperante. Com a noite já viva, o povão presente viu mais uma taça na galeria. É sempre bom.

Taça Asa Branca 2017, final: Santa Cruz 1x0 Paysandu. Foto: Rodrigo Baltar/Santa Cruz (site oficial)

Os bastidores da pré-temporada do Sport

O Sport vem consolidando a sua pré-temporada dentro de sua própria estrutura, com campos em bom estado e departamento de fisiologia à disposição no Centro de Treinamento de Paratibe. Além do alojamento, com os jogadores dormindo no local. A partir disso, a TV Sport, numa produção de Lucas Fitipaldi, registrou um dia do elenco leonino (17 de janeiro de 2017), bem além dos treinos.

Num divertido vídeo de 12 minutos é possível conferir a resenha típica dos jogadores de futebol, com dominó (batida cruzada de Neto Moura), música (Samuel Xavier no violão), videogame (Rogério no Fifa) e até disputa de carnaval (Recife ou Salvador?). Há também a seriedade de Durval…

O retrospecto histórico do Sport, com 4.986 jogos de 1905 a 2016

Números do Sport. Arte: Maria Eugênia Nunes/DP

De Guilherme de Aquino, na introdução do futebol no Recife, passando por nomes como Ademir Menezes, Raúl Betancor, Dadá, Roberto Coração de Leão, Leonardo, Durval, Magrão e, recentemente, Diego Souza, o Sport escreveu mais de um século de história no futebol. Sobretudo, em sua casa, a Ilha do Retiro, que se torna octogenária em 2017, de uma tradição incomparável para a sua torcida.

Mergulhando no acervo de Carlos Celso Cordeiro e atualizando os dados mais recentes, totalizando 113 temporadas que dão consistência à história do Leão, vamos ao retrospecto geral nas principais competições oficiais disputadas pelo clube, nos âmbitos estadual, regional, nacional e internacional. Entre os dados, a colocação no ranking (quando possível) e o aproveitamento em cada torneio, sempre considerando 3 pontos por vitória, para padronizar o cálculo. Na sequência, o rendimento do Sport atuando na Ilha do Retiro, os maiores artilheiros, quem mais vestiu a camisa rubro-negra (Magrão, imbatível) e os maiores públicos.

Primeiro jogo: Sport 2 x 2 Englis Eleven, em 22/06/1905, no Derby.

Confira também as estatísticas de Náutico e Santa Cruz.

Total (competições oficiais e amistosos*) 1905-2016
4.986 jogos (9.306 GP e 5.392 GC, +3.914)
2.593 vitórias (52,00%)
1.171 empates (23,48%)
1.212 derrotas (24,30%)
59,8% de aproveitamento
* 10 jogos com placar desconhecido

Estadual 1915-2016 (ranking: 1º)
2.197 jogos (4.921 GP e 2.038 GC, +2.873)
1.390 vitórias (63,26%)
428 empates (19,48%)
379 derrotas (17,25%)
100 participações (entre 1916 e 2016)
40 títulos (entre 1916 e 2014)
69,7% de aproveitamento

Copa do Nordeste 1994-2016 (ranking: 3º)
112 jogos (195 GP e 104 GC, +91)
56 vitórias (50,00%)
31 empates (27,67%)
25 derrotas (22,32%)
11 participações (entre 1994 e 2016)
Campeão em 1994, 2000 e 2014
59,2% de aproveitamento

Série A 1971-2016 (ranking: 17º)
857 jogos (990 GP e 1.042 GC, -52)
293 vitórias (34,18%)
240 empates (28,00%)
324 derrotas (37,80%)
35 participações (entre 1971 e 2016)
Campeão em 1987
43,5% de aproveitamento

Brasileiro unificado 1959-2016
874 jogos (1.022 GP e 1.061 GC, -39)
301 vitórias (34,43%)
245 empates (28,03%)
328 derrotas (37,52%)
38 participações (entre 1959 e 2016)
Campeão em 1987
43,7% de aproveitamento

Copa do Brasil 1989-2016
104 jogos (164 GPC e 110 GC, +54)
48 vitórias (46,15%)
24 empates (23,07%)
32 derrotas (30,76%)
22 participações (entre 1989 e 2016)
Campeão em 2008
53,8% de aproveitamento

Taça Libertadores da América 1960-2016
14 jogos (18 GP e 14 GC, +4)
7 vitórias (50,00%)
2 empates (14,28%)
5 derrotas (35,71%)
2 participações (1988 e 2009)
Oitavas em 2009
54,7% de aproveitamento

Copa Sul-Americana 2002-2016
12 jogos (9 GP e 16 GC, -7)
2 vitórias (16,66%)
2 empates (16,66%)
8 derrotas (66,66%)
4 participações (entre 2013 e 2016)
Oitavas em 2013 e 2015
22,2% de aproveitamento

Histórico em decisões no Estadual
Sport 12 x 12 Santa Cruz
Sport 11 x 6 Náutico

Sport na Ilha do Retiro* (1937/2016)
2.112 jogos
1.302 vitórias (61,64%)
459 empates (21,73%)
351 derrotas (16,61%)
68,8% de aproveitamento
* Competições oficiais e amistosos

Maiores artilheiros
202 gols – Traçaia
161 gols – Djalma Freitas
136 gols – Leonardo
108 gols – Luís Carlos
105 gols – Naninho

Quem mais atuou
Magrão – 611 jogos

Clássico das Multidões (1916-2016)
552 jogos
230 vitórias do Sport (41,66%)
156 empates (28,26%)
166 vitórias do Santa (30,07%)

Clássico dos Clássicos (1909-2016)*
544 jogos
209 vitórias do Sport (38,41%)
155 empates (28,49%)
179 vitórias do Náutico (32,90%)
*Um jogo disputado em 29 de março de 1931, no Torneio Abrigo Terezinha de Jesus, possui resultado desconhecido.

Maiores públicos
Clássico
80.203 – Náutico 0 x 2 Sport, no Arruda (Estadual, 15/03/1998)

Outros adversários (torcida única)
56.875 – Sport 2 x 0 Porto, na Ilha (Estadual, 07/06/1998)

O retrospecto histórico do Santa Cruz, com 4.990 jogos de 1914 a 2016

Números do Santa Cruz. Arte: Maria Eugênia Nunes/DP

Do pátio da Igreja de Santa Cruz, a diversão de alguns meninos tornou-se o amor de muita gente. Nesses mais de cem anos de futebol, já defenderam a camisa de três cores vários dos melhores jogadores do estado, como Tará, Givanildo, Nunes, Fumanchu, Ricardo Rocha, Zé do Carmo e Tiago Cardoso. Boa parte deles brilhando no Mundão, criado para abrigar o povo.

Mergulhando no acervo de Carlos Celso Cordeiro e atualizando os dados mais recentes, totalizando 104 temporadas que dão consistência à história da Cobra Coral, vamos ao retrospecto geral nas principais competições oficiais disputadas pelo clube, nos âmbitos estadual, regional, nacional e internacional. Entre os dados, a colocação no ranking (quando possível) e o aproveitamento em cada torneio, sempre considerando 3 pontos por vitória, para padronizar o cálculo. Na sequência, o rendimento do Santa atuando no Arruda, os maiores artilheiros, quem mais vestiu a camisa tricolor e os maiores públicos.

Primeiro jogo: Santa Cruz 7 x 0 Rio Negro, em 08/03/1914, no Derby.

Confira também as estatísticas de Náutico e Sport.

Total (competições oficiais e amistosos*) 1914-2016
4.990 jogos (9.657 GP e 5.783 GC, +3.874)
2.534 vitórias (50,78%)
1.145 empates (22,94%)
1.299 derrotas (26,03%)
58,4% de aproveitamento
* 12 jogos com placar desconhecido

Estadual 1915-2016 (ranking: 2º)
2.237 jogos (4.871 GP e 2.253 GC, +2.618)
1.323 vitórias (59,14%)
435 empates (19,44%)
479 derrotas (21,41%)
102 participações (entre 1915 e 2016, 100%)
29 títulos (entre 1931 e 2016)
65,6% de aproveitamento

Copa do Nordeste 1994-2016 (ranking: 6º)
102 jogos (150 GP e 124 GC, +26)
49 vitórias (48,03%)
17 empates (16,66%)
36 derrotas (35,29%)
10 participações (entre 1994 e 2016)
Campeão em 2016
53,5% de aproveitamento

Série A 1971-2016 (ranking: 26º)
485 jogos (581 GP e 688 GC, -83)
145 vitórias (29,89%)
151 empates (31,13%)
189 derrotas (38,96%)
21 participações (entre 1971 e 2016)
4º lugar em 1975
40,2% de aproveitamento

Brasileiro unificado 1959-2016
519 jogos (615 GP e 741 GC, -102)
152 vitórias (29,28%)
166 empates (31,98%)
201 derrotas (38,72%)
24 participações (entre 1960 e 2016)
4º lugar em 1960 e 1975
39,9% de aproveitamento

Copa do Brasil 1989-2016
83 jogos (111 GP e 105 GC, +6)
34 vitórias (40,96%)
18 empates (21,68%)
31 derrotas (37,34%)
22 participações (entre 1990 e 2016)
Oitavas em 7 oportunidades
48,1% de aproveitamento

Copa Sul-Americana 2002-2016
4 jogos (4 GP e 3 GC, +1)
2 vitórias (50,00%)
1 empate (25,00%)
1 derrota (25,00%)
1 participação (2016)
Oitavas em 2016
58,3% de aproveitamento

Histórico em decisões no Estadual
Santa Cruz 12 x 12 Sport*
Santa Cruz 7 x 9 Náutico
*O Tricolor leva vantagem em finais na Ilha (9 x 6)

Santa Cruz no Arruda* (1967/2016)
1.467 jogos
880 vitórias (59,98%)
344 empates (23,44%)
243 derrotas (16,56%)
67,8% de aproveitamento
* Competições oficiais e amistosos

Maiores artilheiros
207 gols – Tará
174 gols – Luciano Veloso
148 gols – Ramon
143 gols – Betinho
123 gols – Fernando Santana

Quem mais atuou
Givanildo Oliveira – 599 jogos

Clássico das Multidões (1916-2016)
552 jogos
166 vitórias do Santa (30,07%)
156 empates (28,26%)
230 vitórias do Sport (41,66%)

Clássico das Emoções (1917-2016)*
511 jogos
199 vitórias do Santa (38,94%)
147 empates (28,76%)
164 vitórias do Náutico (32,09%)
*O jogo ocorrido em 29 de março de 1931, durante a final do Torneio Abrigo Terezinha de Jesus, possui resultado desconhecido.

Maiores públicos
Clássico
78.391 – Santa Cruz 1 x 1 Sport, no Arruda (Estadual 21/02/1999) 

Outros adversários (torcida única)
65.023 – Santa Cruz 2 x 1 Portuguesa, no Arruda (Série B, 26/11/2005)

O retrospecto histórico do Náutico, com 4.668 jogos de 1909 a 2016

Números do Náutico. Arte: Maria Eugênia Nunes/DP

Do remo aos gramados, oito anos depois de sua fundação e já ganhando um clássico na primeira apresentação, o Náutico se faz presente no futebol há mais de cem anos, com nomes de muita técnica e garra, como os irmãos Carvalheira, Bita, Nado, Ivan Brondi (hoje presidente), Jorge Mendonça, Bizu e Kuki. No bairro dos Aflitos, fincou raízes em 1918, adquirindo o terreno de sua sede, já tombada. Lá, obteve seus maiores resultados, tendo hoje a Arena Pernambuco como segunda casa.

Mergulhando no acervo de Carlos Celso Cordeiro e atualizando os dados mais recentes, totalizando 109 temporadas que dão consistência à história do Timbu, vamos ao retrospecto geral do nas principais competições oficiais disputadas pelo clube, nos âmbitos estadual, regional, nacional e internacional. Entre os dados, a colocação no ranking (quando possível) e o aproveitamento em cada torneio, sempre considerando 3 pontos por vitória, para padronizar o cálculo. Na sequência, o rendimento timbu atuando nos Aflitos (palco hoje desativado), os maiores artilheiros, quem mais vestiu a camisa vermelha e branca e os maiores públicos.

Primeiro jogo: Náutico 3 x 1 Sport, em 25/07/1909, no British Club.

Confira também as estatísticas de Santa Cruz e Sport.

Total (competições oficiais e amistosos*) 1909-2016
4.668 jogos (8.578 GP e 5.591 GC, +2.987)
2.288 vitórias (49,01%)
1.038 empates (22,23%)
1.339 derrotas (28,68%)
56,4% de aproveitamento
* 3 jogos com placar desconhecido

Estadual 1915-2016 (ranking: 3º)
2.220 jogos (4.790 GP e 2.377 GC, +2.413)
1.280 vitórias (57,65%)
432 empates (19,45%)
508 derrotas (22,88%)
101 participações (entre 1916 e 2016)
21 títulos (entre 1934 e 2004)
64,1% de aproveitamento

Copa do Nordeste 1994-2016 (ranking: 11º)
72 jogos (109 GP e 97 GC, +12)
28 vitórias (38,88%)
23 empates (31,94%)
21 derrotas (29,16%)
8 participações (entre 1994 e 2015)
Semifinal em 2001 e 2002
49,5% de aproveitamento

Série A 1971-2016 (ranking: 23º)
612 jogos (703 GP, 859 GC, -156)
192 vitórias (31,37%)
144 empates (23,52%)
276 derrotas (45,09%)
27 participações (entre 1972 e 2013)
6º lugar em 1984
39,2% de aproveitamento

Brasileiro unificado 1959-2016
666 jogos (777 GP e 930 GC, -153)
213 vitórias (31,9%)
154 empates (23,1%)
299 derrotas (44,8%)
34 participações (entre 1961 e 2013)
Vice em 1967
39,6% de aproveitamento

Copa do Brasil 1989-2016
89 jogos (135 GP e 111 GC, +24)
40 vitórias (44,94%)
20 empates (22,47%)
29 derrotas (32,58%)
21 participações (entre 1989 e 2016)
Semifinal em 1990
52,4% de aproveitamento

Taça Libertadores 1960-2016
6 jogos (7 GP e 8 GC, -1)
1 vitória* (16,66%)
2 empates (33,33%)
3 derrotas (50,00%)
1 participação (1968)
Fase de grupos em 1968
27,7% de aproveitamento
* O clube venceu 2 jogos, mas perdeu os pontos de um por substituição irregular

Copa Sul-Americana 2002-2016
2 jogos (2 GP, 2 GC, 0)
1 vitória (50,00%)
0 empate (0%)
1 derrota (50,00%)
1 participação (2013)
16 avos de final em 2013
50,0% de aproveitamento

Histórico em decisões no Estadual
Náutico 9 x 7 Santa Cruz
Náutico 6 x 11 Sport

Náutico nos Aflitos* (1917/2015)
1.768 jogos
1.138 vitórias (64,37%)
336 empates (19,00%)
294 derrotas (16,62%)
70,7% de aproveitamento
* Competições oficiais e amistosos

Maiores artilheiros
224 gols – Bita
185 gols – Fernando Carvalheira
181 gols – Baiano
179 gols – Kuki 
118 gols- Ivson

Quem mais atuou
Kuki – 387 jogos

Clássico dos Clássicos (1909-2016)*
544 jogos
179 vitórias do Náutico (32,90%)
155 empates (28,49%)
209 vitórias do Sport (38,41%)
*O jogo ocorrido em 29 de março de 1931, durante a final do Torneio Abrigo Terezinha de Jesus, possui resultado desconhecido.

Clássico das Emoções (1917-2016)*
511 jogos
164 vitórias do Náutico (32,09%)
147 empates (28,76%)
199 vitórias do Santa (38,94%)
*O jogo ocorrido em 29 de março de 1931, durante a final do Torneio Abrigo Terezinha de Jesus, possui resultado desconhecido.

Maiores públicos
Clássico
80.203 – Náutico 0 x 2 Sport, no Arruda (Estadual, 15/03/1998)

Outros adversários (torcida única)
44.424 – Náutico 3 x 0 Palmeiras, no Arruda (Série A, 17/04/1983)

Quase sem água, os precários campos da primeira fase do Pernambucano de 2017 estão ameaçados de veto no hexagonal

Estádio Pereirão em 13/12/2016. Foto: Serra Talhada/twitter (@Serra_TalhadaFC)

A crise hídrica, com o Nordeste vivendo a maior seca em um século, age diretamente na qualidade dos gramados dos times intermediários, da região metropolitana ao sertão. Com receitas modestas e pouca ajuda das prefeituras para bancar seguidos caminhões-pipa (de uma forma geral), o quadro é dos piores já vistos no futebol pernambucano. Tanto que a fase principal, o hexagonal do título, pode não contar com os palcos hoje autorizados. É o que diz primeira circular do ano, publicada pela FPF, chamando a atenção dos nove intermediários sobre o estado dos gramados. Todos foram alertados sobre a possibilidade de veto. Ainda que não haja tal regra no regulamento do Estadual 2017 (que exige, apenas, uma capacidade mínima de 10 mil espectadores a partir do mata-mata), no regulamento geral de competições da FPF há um artigo que dá à entidade o poder de veto, independentemente dos laudos técnicos.

Em caráter preventivo, a federação lembrou um artigo presente no RGC (abaixo, em itálico) e também a diretriz operacional quando os locais são utilizados por equipes das Séries A e B, caso do Trio de Ferro. Uma nova vistoria (já surpreende a primeira) será feita entre os dias 21 e 24 de janeiro.

Artigo 5º – Incumbe à diretoria de competições da FPF, na qualidade de órgão gestor técnico das competições:
VI – “Validar os estádios ao termino de cada fase/turno das competições, independentemente da vigência dos Laudos Técnicos estabelecidos em Lei, objetivando a qualificação do evento, exigida em face dos contratos de televisionamento e da premissa do programa de Projetos de Gramado, implantado pela CBF, em 2016.”

Dos nove times, oito estão no interior. Um deles já não joga em seu município, o Belo Jardim. Com o Sec-Mendonção castigado (imagine a situação!), o Calango acabou acertando com a liga caruaruense o aluguel do Antônio Inácio. Abaixo, imagens recentes dos campos de cada clube, todas registradas em janeiro.

América – Estádio Ademir Cunha (Paulista, a 17 km do Recife)
Foto em 17/01, no treino do América

O Mequinha toma conta do estádio municipal desde 2010. No último ano, o local acabou sendo bastante usado por categorias de base de outros clubes, além de peladas de fim de ano e ações sociais. Devolvido em péssimo estado, o campo vem recebendo placas de grama, compradas pelo próprio alviverde.

Estádio Ademir Cunha em 17/01/2017. Foto: América/twitter (@america_pe)

Atlético Pernambucano – Estádio Paulo Petribú (Carpina, 45 km)
Foto em 15/01, Atlético 0 x 2 América

O acanhado estádio, que começou sendo utilizado sem torcida, por falta de laudos técnicos de segurança e bombeiros, tem inúmeros buracos, com um piso duro. Ao menos, tem uma grama verdinha acima da média.

Estádio Paulo Petribú em 15/01/2017. Foto: América/facebook (@americafcpe)

Acadêmica Vitória – Estádio Carneirão (Vitória de Santo Antão, 50 km) 
Foto em 04/01, Vitória 3 x 0 América

O campo do Severino Cândido Carneiro foi o primeiro a chamar atenção negativamente, por causa da inédita transmissão via internet, com o globo.com exibindo Vitória x América. A quantidade de buracos nas laterias gerou críticas da FPF. Apesar da capacidade de público apta ao hexagonal, está ameaçado.

Estádio Carneirão em 04/01/2017. Foto: Márcio Souza/A Voz da Vitória (avozdavitoria.com)

Central – Estádio Luiz Lacerda (Caruaru, 130 km) 
Foto em 15/01, Central 2 x 0 Belo Jardim

Vale lembrar que em 2016 a Patativa firmou um acordo para a reutilização da água da Compesa. Em um mês, na ocasião, a reutilização gerou 120 caminhões com 12 mil litros cada. Ou seja, 1,44 milhão de litros sem uso aparente deixaram o campo verde. Neste ano, nem esse tipo de água foi suficiente. Além de caminhões-pipa, o clube vem usando água do poluído Rio Ipojuca.

Estádio Lacerdão em 15/01/2017. Foto: Belo Jardim/facebook (@CalangolBJFC)

Belo Jardim – Estádio Antônio Inácio (Caruaru, 130 km)
Foto em 08/01, Belo Jardim 3 x 0 Vitória

O estádio, também conhecido como Vera Cruz, apresenta remendos, mas conta com um campo melhor que o do outro estádio da cidade. Tende a receber o Central caso o Lacerdão seja vetado ou não seja melhorado a tempo. Quanto ao Belo Jardim, o time é mandante a 49 km de distância. Às moscas. Em Belo Jardim, já treinou no estádio do rival local, o campo sintético da “Gameleira”.

Estádio Antônio Inácio em 08/01/2017. Foto: Belo Jardim/facebook (@CalangolBJFC)

Flamengo – Estádio Áureo Bradley (Arcoverde, 256 km) 
Foto em 04/01, Flamengo 2 x 1 Belo Jardim

Apontado pela FPF como o melhor campo no interior, neste ano, o gramado de Arcoverde é o único que vinha sendo cuidado pela prefeitura de maneira prévia, com acordo para fornecimento de água em níveis satisfatórios. O Fla só deixaria o local em caso de mata-mata (por falta de arquibancadas maiores).

Estádio Áureo Bradley em 04/01/2017. Crédito: Dárcio Rabêlo (darciorabelo.com.br) / Youtube (reprodução)

Afogados – Estádio Vianão (Afogados da Ingazeira, 386 km) 
Foto em 11/01, Afogados 1 x 3 Salgueiro

Utilizado pela primeira vez na primeira divisão estadual, o local tem um tom mais uniforme de grama, ainda que a irrigação também sofra com a estiagem.

Estádio Vianão, em Afogados, no dia 11/01/2017. Foto: Salgueiro/twitter (@CarcaraNet)

Serra Talhada – Estádio Nildo Pereira (Serra Talhada, 415 km) 
Foto em 08/01, Serra Talhada 3 x 3 Atlético

Uma calamidade o cenário no Pereirão. Sem grama em diversos pontos, com o Cangaceiro precisando implantar, desde dezembro, placas de grama – ainda insuficientes para todo o campo, como a grande área, de areia.

Estádio Pereirão em 08/01/2017. Foto: Geovani / Serra Talhada (ascom)

Salgueiro – Estádio Cornélio de Barros (Salgueiro, 518 km) 
Foto em 02/01, treino do Salgueiro

A casa do Salgueiro seria a única, hoje, a atender tanto a capacidade mínima na semifinal quanto o gramado. Ainda assim, vem tentando melhorar desde dezembro, uma vez que o piso estava completamento seco. Alega-se à falta d’água e de manutenção a disputa eleitoral. O prefeito eleito acabou sendo Clebel Cordeiro, ex-mandatário do Carcará.

Estádio Cornélio de Barros em 02/01/2017. Foto: Salgueiro/twitter (@CarcaraNet)

Podcast – Análise da convocação de Diego Souza e histórico do NE na Seleção

Meme no twitter sobre a camisa de Diego Souza na Seleção Brasileira. Crédito: reprodução

A convocação de Diego Souza à Seleção, a sua primeira enquanto jogador do Sport, rendeu uma análise especial do 45 minutos. Além de traçar um perfil sobre a sua escolha (em detrimento do volante Rithely, que era até mais cotado), analisamos os outros nomes, numa lista formada apenas por jogadores que atuam no país. Ao todo, a CBF consultou 14 clubes sobre a situação de 48 atletas (incluindo os dois leoninos), afunilando a convocação especial para 23. Todos deverão jogar contra a Colômbia, em 25 de janeiro, no Engenhão. Por fim, um passeio no histórico do Nordeste, agora com 61 convocados. Ouça!

Nesta gravação (30 min), estou ao lado de Celso Ishigami e Fred Figueiroa.

A camisa é meramente ilustrativa, personalizada por torcedores rubro-negros.