Blog de férias…

Destaque

Galera, estou entrando de férias.

A partir de agora, neste mês de novembro, o blog só será atualizado em casos excepcionais (e olhe lá). Afinal, o descanso é prioridade neste momento.

Em relação às postagens anteriores, caso haja qualquer comentário, continuarei moderando os textos (o debate é sempre válido).

Além do descanso, o foco também será no lançamento do livro que escrevi em parceria com André Gallindo: ’1987 – De fato, de direito e de cabeça’.

Abraço e saudações!

Santa perde do Boa e consolida queda à Série C. Ao todo, o 8º rebaixamento coral

Série B 2017, 35ª rodada: Boa Esporte 4 x 2 Santa Cruz. Crédito: Premiere/reprodução

Em 2016, quando retornou à Série A após uma década, o Santa Cruz teve o maior faturamento de sua história, com R$ 36,8 milhões. Caixa superior ao dobro da marca anterior. Ainda assim, na elite, o esse dado era irrelevante diante dos poderio dos concorrentes. Gastando mais do que poderia e nem assim evitando o descenso ou, no mínimo, se estruturando, a direção deixou o abacaxi para o ano seguinte.

Além da perda das principais peças na ocasião (Grafite, Keno, João Paulo, Léo Moura etc), o clube viveu uma crise administrativa enorme em 2017. O presidente Alírio Moraes alegou o bloqueio das (poucas) receitas, sendo incapaz de manter em dia uma folha bem mais modesta – de um time que tecnicamente esteve longe de ser brilhante, mas que não aparentava, ao menos, ser um dos quatro piores numa fraca Série B. Seguindo também sem dinheiro de bilheteria, o caos financeiro se instalou no Arruda.

Após a saída de Vinícius Eutrópio, desgastado pelas eliminações no Nordestão (Sport) e Estadual (Salgueiro), quando obteve vantagem no jogo de ida nas duas oportunidades, o tricolor trouxe Givanildo Oliveira, cuja exigência clássica é o pagamento regular dos salários. Não houve acerto, não houve resultado. Do bom início na competição ao desespero, já com quatro meses de atraso, entre o interino Adriano Teixeira e o último técnico, Martelotte, o tricolor chegou à marca de 1 vitória em 19 jogos. Inacreditável e inviável.

A derrota para o Boa por 4 x 2, em Varginha, sepultou a campanha, 7V, 12E e 16D.
Com o Santa somando o 8º rebaixamento em sua história, o 2º à terceirona.
E a caminhada de volta fica cada vez mais longa. Novamente…

Rebaixamentos do Santa Cruz (8)
1988 – A pra B (22º lugar de 24 times; caíram 4)
1993 – A pra B (23º lugar de 32 times; caíram 8*)
2001 – A pra B (25º lugar de 28 times; caíram 4)
2006 – A pra B (20º lugar de 20 times; caíram 4)
2007 – B pra C (18º lugar de 20 times; caíram 4)
2008 – C pra D (29º lugar de 63 times; caíram 43)
2016 – A pra B (19º lugar de 20 times; caíram 4)
2017 – B pra C (18º lugar de 20 times; caíram 4*)
* Foram rebaixados apenas os times dos grupos C e D (os 4 últimos de cada)
** Competição em andamento, com possibilidade de mudança dentro do Z4

Acessos do Santa Cruz (6)
1992 – B pra A (4º lugar de 32 times; 12 vagas)
1999 – B pra A (2º lugar de 22 times; 2 vagas)
2005 – B pra A (2º lugar de 22 times; 2 vagas)
2011 – D pra C (2º lugar de 40 times; 4 vagas)
2013 – C pra B (1º lugar de 21 times; 4 vagas)
2015 – B pra A (2º lugar de 20 times; 4 vagas)

Santa Cruz na Série C
56 jogos (78 GP e 57 GC, +21)
22 vitórias (39,2%)
18 empates (32,1%)
16 derrotas (28,5%)
3 participações: 2008 (29º), 2012 (14º) e 2013 (campeão)

Série B 2017, 35ª rodada: Boa Esporte 4 x 2 Santa Cruz. Crédito: Premiere/reprodução

Em nova derrota na Arena, Náutico volta a ser rebaixado à Série C após 19 anos

Série B 2017, 35ª rodada: Náutico 1 x 2 Londrina. Foto: Ricardo Fernandes/DP

A derrota para o Oeste, em 26 de novembro de 2016, mudou o rumo da história do Náutico como poucas vezes se viu – aliás, já se viu. A vitória naquela partida teria levado o alvirrubro à elite nacional, mas o surpreendente revés, diante de um time quase rebaixado, custou caro em Rosa e Silva. Pelo segundo ano seguido o clube terminava a Série B na 5ª posição, num cenário no qual os quatro primeiros subiam. No ano seguinte, o baque à Série C.

É impossível não traçar um paralelo com a sequência entre 1996 e 1998, com o alvirrubro ficando em 3º lugar na segundona nos dois primeiros anos, nos quais apenas os dois primeiros se classificavam, e desabando no terceiro. Pois é. Agora, jogando na arena, diante do Londrina, o revés por 2 x 1 encerrou a chance de permanência, com o timbu retornando à terceirona após 19 anos.

No entanto, apesar da coincidência, não é algo cabalístico. O descenso em 2017 é reflexo da irresponsabilidade financeira cometida pela gestão do Náutico, com quatro presidentes executivos no biênio (!). Basta lembrar da folha no Estadual, de R$ 1 milhão. O clube, claro, não conseguiu manter o quadro nem por dois meses, devido à óbvia previsão enxuta de receitas – como ignoraram isso?. Já na segundona, houve a venda de Erick junto ao Braga, de Portugal, por R$ 2,8 milhões. O objetivo era manter os salários em ordem para tentar evitar a queda, após um primeiro turno catastrófico. Só que o dinheiro foi bloqueado – e o clube ficou sem a grana e sem o atacante.

Apesar da reação da equipe, a terceira montada no ano, não foi possível.
Juntando os cacos, vem o único alento em 2018. A volta aos Aflitos.
Que seja uma nova mudança de rumo na história alvirrubra…

Rebaixamentos do Náutico (5)
1994 – A pra B (24º lugar de 24 times; caíram 2)
1998 – B pra C (21º lugar de 24 times; caíram 6)
2009 – A pra B (19º lugar de 20 times; caíram 4)
2013 – A pra B (20º lugar de 20 times; caíram 4)
2017 – B pra C (19º lugar de 20 times; caíram 4*)
* Competição em andamento, com possibilidade de mudança dentro do Z4

Acessos do Náutico (3)
1988 – B pra A (2º lugar de 24 times; 2 vagas)
2006 – B pra A (3º lugar de 20 times; 4 vagas)
2011 – B pra A (2º lugar de 20 times; 4 vagas)

Náutico na Série C
21 jogos (44 GP e 20 GC, +24)
13 vitórias (61,9%)
3 empates (14,2%)
5 derrotas (23,8%)
1 participação: 1999 (4º lugar)

Série B 2017, 35ª rodada: Náutico 1 x 2 Londrina. Foto: Ricardo Fernandes/DP

Em jogo na Europa, Brasil vence o Japão com Diego Souza atuando em 37 minutos

Amistoso da Seleção em 2017: Brasil x Japão. Foto: Lucas Figueiredo/CBF

O Brasil fez um ótimo primeiro tempo em Lille, na França. Rápido e objetivo, o time marcou três gols no Japão, com Neymar, Marcelo e Gabriel Jesus. No intervalo, Tite promoveu a estreia do goleiro Cássio. Na linha, passou a mexer aos 13 minutos, numa troca dupla, incluindo Diego Souza na vaga de Jesus. 

Pouco depois, Neymar e Willian foram substituídos por Taison e Douglas Costa, com DS87 atuando com o ataque reserva, num claro teste do treinador da Seleção, em busca de alternativas de jogo – além de manter a disputa por vagas no grupo para o Mundial de 2018. Mas a verdade é que no segundo tempo o ritmo da equipe caiu bastante, tanto em velocidade quanto em entrosamento. Os japoneses diminuíram o placar e o time brasileiro, já com seis mudanças, pouco fez em campo, numa atuação burocrática.

Na Europa, o meia do Sport entrou com o papel de retenção de bola e força na jogada aérea, mas limitou-se ao posicionamento. Pela convocação, ainda tem mais uma chance visando a Copa, em Londres. No Recife, o leão, em sua ausência, também parece ter mais uma oportunidade na Série A, em Goiânia.

Diego Souza no Sport em 2017
51 jogos
20 gols
7 assistências

Diego Souza na Seleção em 2017
5 jogos (206 minutos)
2 gols

Participação de Diego Souza na Seleção Brasileira em 2017
25/01 – Brasil 1 x 0 Colômbia (titular, 64 minutos), Amistoso
23/03 – Uruguai 1 x 4 Brasil (reserva, 5 minutos), Eliminatórias
28/03 – Brasil 3 x 0 Paraguai (reserva, 6 minutos), Eliminatórias
09/06 – Brasil 0 x 1 Argentina (reserva, não entrou), Amistoso
13/06 – Austrália 0 x 4 Brasil (titular, 94 minutos e 2 gols), Amistoso
10/11 – Brasil 3 x 1 Japão (reserva, 37 minutos), Amistoso
14/11 – Inglaterra x Brasil (a disputar), Amistoso

Jogos em 2017 nos quais DS87 não foi convocado
31/08 – Brasil 2 x 0 Equador, Eliminatórias
05/09 – Colômbia 1 x 1 Brasil, Eliminatórias
05/10 – Bolívia 0 x 0 Brasil, Eliminatórias
10/10 – Brasil 3 x 0 Chile, Eliminatórias

Amistoso da Seleção em 2017: Brasil x Japão. Imagem: Rede Globo/reprodução

O regulamento do Brasileirão de 1987

O livro 1987 – De fato, de direito e de cabeça traz detalhes sobre o regulamento oficial do Campeonato Brasileiro de 1987. Na produção da publicação de 288 páginas,uma parceria com o também jornalista André Gallindo, tivemos acesso ao livreto original, guardado na sede da CBF, no Rio. Confira o documento sobre os módulos amarelo e verde, totalizando os 32 competidores da ‘Copa Brasil’, se estendendo até a 4ª fase, correspondente ao quadrangular final, com os campeões e vices dos dois módulos.

A fórmula foi acordada em 08/09/1987, a três dias do início da competição.

Com hat-trick de William, Náutico vence o Santa Cruz de virada e leva o Troféu Gena

Série B 2017, 33ª rodada: Náutico 2 x 3 Santa Cruz. Foto: Roberto Ramos/DP

No último clássico entre Náutico e Santa Cruz em 2017, o jogo mais corrido, com cinco gols, duas viradas, polêmica e taça. Ah, também teve herói, como preza um bom clássico. No caso, o centroavante William. Pouco utilizado na Série B e acima do peso, mas com inegável faro de gols. O ‘Batoré’ marcou os três gols alvirrubros, com o terceiro, numa cobrança de pênalti, aos 50 do segundo tempo! O duelo já estava no apagar das luzes, mas ainda teria bastante jogo, com um pênalti não assinalado sobre o tricolor Augusto, aos 52. Com a discussão, resultando na expulsão de Derley, a partida no Arruda foi até os 59, quando enfim houve o apito final, com o 3 x 2 a favor do timbu.

Com o resultado, o clube de Rosa e Silva ficou com o Troféu Gena, instituído pela FPF pelos 100 anos do Clássico das Emoções, homenageando o lateral-direito hexa estadual pelo Náutico e tetra pelo Santa. Para isso, o timbu somou mais pontos nos oito confrontos no ano. Em 2009, no centenário do Clássico dos Clássicos, também ficara com a taça, dividida com o Sport após um 3 x 3 na Ilha – na ocasião, só valeu o placar daquele jogo. Sobre o atual Brasileiro, embora ambos sigam com 90% de chance de queda, a reação do Náutico parece mais factível, com dois jogos seguidos em casa. Vai animado pelo clássico, justificando o peso histórico independentemente da fase…

Série B 2017, 33 rodada: Santa Cruz 2 x 3 Náutico. Foto: João de Andrade Neto/DP

Jogos disputados em 2017
29/01 – Náutico 1 x 1 Santa Cruz, Estadual (Arena, 4.622 pessoas)
04/02 – Santa Cruz 1 x 0 Náutico, Nordestão (Arruda, 5.086)
12/03 – Náutico 1 x 0 Santa Cruz, Nordestão (Arena, 6.692)
10/04 – Santa Cruz 1 x 2 Náutico, Estadual (Arruda, 5.055)
06/05 – Náutico 1 x 2 Santa Cruz, Estadual (Arena, 2.592)
18/05 – Santa Cruz 1 x 1 Náutico, Estadual (Arruda, 3.387)
15/07 – Náutico 0 x 0 Santa Cruz, Série B (Arena, 13.450)
04/11 – Santa Cruz 2 x 3 Náutico, Série B (Arruda, 8.654)
Média de público: 6.192

Classificação final após 8 clássicos
Náutico – 12 pontos; 3V, 3E e 2D; 9 GP e 8 GC; 1 vermelho
Santa – 9 pontos; 2V, 3E e 3D; 8 GP e 9 GC; 2 vermelhos

Campeões dos clássicos centenários
2009 – Clássico dos Clássicos: Náutico e Sport, dividido (1 jogo; 1E)
2016 – Clássico das Multidões: Sport (8 jogos; 3V, 3E e 2D)
2017 – Clássico das Emoções: Náutico (8 jogos; 3V, 3E e 2D)

Série B 2017, 33ª rodada: Náutico 2 x 3 Santa Cruz. Foto: Roberto Ramos/DP

Em jogo insosso, Sport empata com o Junior em Barranquilla e deixa a Sula

Sul-Americana 2017, quartas de final: Junior Barranquilla 0 x 0 Sport. Foto: Conmebol/twitter (@conmebol)

Diante de 31 mil torcedores no estádio Metropolitano de Barranquilla, Junior e Sport disputaram um jogo bem insosso, que não trouxe problema algum ao mandante, já com a ótima vantagem construída no Recife, mas que também parece ter agradado ao visitante, evitando mais uma derrota no exterior. Pois é. Sem as suas principais peças (Diego Souza, André e Rithely não viajaram, poupados para o Brasileirão), o rubro-negro pernambucano foi inofensivo no jogo de volta das quartas de final da Copa Sul-Americana de 2017.

Assim, com o empate em 0 x 0, o time encerrou a sua 5ª participação. Foi a melhor de um clube nordestino, é verdade, mas a última apresentação, de um total de oito nesta edição, foi frustrante. Sem alma. Agora, fica a expectativa sobre quando o clube voltará a disputar uma copa internacional. Caso se mantenha na Série A, a chance é razoável, pois se Grêmio (Liberta) e Flamengo (Sula) forem campeões sobraria vaga até o 15º lugar, justamente onde encontra-se o leão. Bronca é contar com a permanência, pois é o pior do returno. O futebol na Colômbia é incapaz disso. Com o trio poupado, talvez.

Sul-Americana 2017, quartas de final: Junior Barranquilla 0 x 0 Sport. Foto: Total Sports/twitter (@totalspoorts)

O Sport atuando no exterior em torneios da Conmebol (9 jogos; 3V, 1E e 5D)
18/07/1988 – Universitario (PER) 1 x 0 Sport (Libertadores, Lima)
22/07/1988 – Alianza (PER) 0 x 1 Sport (Libertadores, Lima)
18/02/2009 – Colo Colo (CHI) 1 x 2 Sport (Libertadores, Santiago)
29/04/2009 – LDU (EQU) 2 x 3 Sport (Libertadores, Quito)
25/09/2013 – Libertad (PAR) 2 x 0 Sport (Sul-Americana, Luque)
30/09/2015 – Huracán (ARG) 3 x 0 Sport (Sul-Americana, Buenos Aires)
11/05/2017 – Danubio (URU) (2) 3 x 0 (4) Sport (Sul-Americana, Montevidéu)
27/07/2017 – Arsenal (ARG) 2 x 1 Sport (Sul-Americana, Buenos Aires)
02/11/2017 – Junior (COL) 0 x 0 Sport (Sul-Americana, Barranquilla)

As campanhas do Sport na Copa Sul-Americana
2013 – 1V, 0E e 3D (oitavas, US$ 240 mil/R$ 528 mil)
2014 – 0V, 0E e 2D (16 avos de final, US$ 150 mil/R$ 335 mil)
2015 – 1V, 1E e 2D (oitavas, US$ 375 mil/R$ 1,5 milhão)
2016 – 0V, 1E e 1D (16 avos de final, US$ 300 mil/R$ 974 mil)
2017 – 3V, 1E e 4D (quartas, US$ 1,375 milhão/R$ 4,45 milhões)

Total: 5V, 3E e 12D, com US$ 2,44 milhões em cotas (R$ 7,78 milhões)

Sul-Americana 2017, quartas de final: Junior Barranquilla 0 x 0 Sport. Foto: Conmebol/twitter (@conmebol)

Nordestão muda de TV aberta em 2018, da Globo ao SBT. Jogos às terças e sábados

A Copa do Nordeste 2018 será transmitida pelo SBT/TV Jornal. Montagem: Cassio Zirpoli/DP

A Copa do Nordeste voltou ao calendário oficial do futebol em 2013, após um milionário acordo judicial entre a Liga do Nordeste e a CBF, que precisou recuar após a pesada indenização devido à retirada forçada do torneio em 2003 – ocorrendo apenas sub judice. Nesta volta, o Esporte Interativo pôde aplicar o seu contrato de dez anos, valendo até 2022. O canal detém todos os direitos de transmissão, sublicenciando para a Rede Globo apenas o sinal aberto. Especificamente para as três principais praças: Recife, Salvador e Fortaleza. No entanto, a Globo não quis renovar o contrato para 2018 pelos termos propostos, saindo da jogada – num cenário que, coincidentemente, resultou na desistência do Sport, que abriu mão de sua vaga.

Apesar disso, o EI, responsável pela tevê por assinatura, internet e parabólicas, garantiu a manutenção da cota de participação acordada para a 15ª edição, de R$ 22,4 milhões, fora o custeio com viagens e hospedagens dos clubes e as taxas de arbitragem. Claro, precisaria de aporte e de um novo parceiro na tevê aberta. Após meses de articulação, acabou fechando com o SBT, há tempos fora do âmbito futebolístico. Contudo, na região as suas afiliadas têm um peso maior, fazendo com que a transmissão seja voltada para o Nordeste, com dois horários definidos: terças à noite e sábados à tarde. De cara, os jogos fogem da concorrência da grade regular da Globo, que terá Estaduais, Copa do Brasil e Libertadores às quartas e domingos.

Ao contrário do modelo anterior, com apenas três estados na tevê aberta, agora serão oito, exceção a Sergipe. Em Pernambuco, a TV Jornal assume o torneio deixado pela Globo Nordeste, que passou 8 das últimas 10 edições (2000, 2001, 2002, 2013, 2014, 2015, 2016 e 2017). Embora tenha raras incursões no futebol, a TV Jornal tem em seu histórico o último jogo do Brasileirão de 1987, entre Sport e Guarani, retransmitido para todo o país. Será curioso ver, depois de tanto tempo, a concorrência interna, com a Globo passando o Campeonato Pernambucano em 15 datas (de 21/01 a 08/04) e a TV Jornal transmitindo a Copa do Nordeste em 12 datas (de 17/01 a 10/07). O ano será um termômetro sobre a força do Nordestão à parte canal. A conferir.

As finais da Lampions 2017 tiveram 4,4 milhões de telespectadores na Globo.

Afiliadas do SBT no Nordeste*
TV Jornal (PE), TV Aratu (BA), TV Jangadeiro (CE), TV Ponta Verde (AL), TV Difusora (MA), TV Tambaú (PB, João Pessoa), TV Borborema (PB, Campina Grande), TV Cidade Verde (PI) e TV Ponta Negra (RN)
* A emissora não tem afiliada em Sergipe desde 2006

A cota absoluta do Nordestão via televisão
2000 – R$ 2 milhões*
2001 – R$ 8 milhões**
2002 – R$ 8,75 milhões
2003 – R$ 1,5 milhão***
2010 – R$ 3,75 milhões****
2013 – R$ 5,6 milhões
2014 – R$ 10 milhões
2015 – R$ 11,14 milhões
2016 – R$ 14,82 milhões
2017 – R$ 18,52 milhões
2018 – R$ 22,40 milhões****
* A primeira edição transmitida em sinal aberto
** A primeira edição organizada pela liga, com os sete maiores clubes
*** Bahia, Sport, Santa Cruz, Náutico e Fortaleza não quiseram participar

**** Sport não quis participar

Classificação da Série A 2017 – 31ª rodada

A classificação da Série A 2017 após 31 rodadas. Crédito: Superesportes

O leão voltou a perder na Ilha do Retiro e ampliou o drama no Brasileirão. O clube até manteve a 15ª colocação, mas agora divide a pontuação com outros três concorrentes. Logo, está por um triz em relação à zona de rebaixamento – por sinal, tem apenas um ponto a mais que o vice-lanterna. Sem qualquer gordura na competição, o Sport precisará vencer para tentar se manter. E aí está o grande o problema: o rubro-negro venceu apenas 1 vez nas últimas 14 rodadas. Com mais sete jogos pela frente, precisa de, pelo menos, dez pontos – para chegar à margem clássica de 45 pontos.

Na briga pelo título, o Corinthians voltou a dar chance. Somou apenas um ponto nos últimos doze disputados. Na “Segunda Campeã”, no encerramento da rodada, o rival Palmeiras poderia ter ficado a três pontos, com o dérbi no próximo domingo, mas acabou num empate. De toda forma, reduziu para a diferença para cinco pontos. Habemus disputa pela taça?

Resultados da 31ª rodada
São Paulo 2 x 1 Santos
Flamengo 0 x 0 Vasco
Atlético-PR 0 x 0 Chapecoense
Fluminense 1 x 1 Bahia
Atlético-MG 0 x 0 Botafogo
Ponte Preta 1 x 0 Corinthians
Vitória 1 x 1 Atlético-GO
Sport 3 x 4 Coritiba
Avaí 2 x 2 Grêmio
Palmeiras 2 x 2 Cruzeiro 

Balanço da 31ª rodada
2V dos mandantes (12 GP), 7 empates e 1V dos visitantes (11 GP)

Agenda da 32ª rodada (horários do Recife)
04/11 (16h00) – Santos x Atlético-MG (Vila Belmiro)
04/11 (18h00) – Botafogo x Fluminense (Nilton Santos)
04/11 (18h00) – Atlético-GO x São Paulo (Serra Dourada), SporTV*
04/11 (20h00) – Coritiba x Avaí (Couto Pereira)
05/11 (16h00) – Corinthians x Palmeiras (Arena Corinthians), Globo*
05/11 (16h00) – Grêmio x Flamengo (Arena do Grêmio)
05/11 (16h00) – Chapecoense x Sport (Arena Condá)
05/11 (16h00) – Cruzeiro x Atlético-PR (Mineirão)
05/11 (17h00) – Bahia x Ponte Preta (Fonte Nova)
05/11 (18h00) – Vasco x Vitória (Maracanã), SporTV*
* Considerando as transmissões para o Recife, fora o Premiere (PPV)  

Histórico de Chape x Sport em Santa Catarina, pelo Brasileirão (3 jogos)
Nenhuma vitória leonina, 1 empate e 2 derrotas

A segunda-feira do futebol pernambucano

Charge publicada no Diario de Pernambuco em 30/10/2017. Crédito: Samuca/DP

O segundo semestre tem sido bem difícil para o Trio de Ferro, ladeira abaixo no Campeonato Brasileiro de 2017. Na Série B, tricolores e alvirrubros estão na zona de rebaixamento, a seis rodadas do fim, tendo o clássico na próxima rodada. Na Série A, o leão não ruge mais em casa, com oito jogos seguidos sem vitória como mandante. Embora fora do Z4, é o pior time do returno.

Nos traços de Samuca, a charge no Diario de Pernambuco, em 30/10, sobre o debate em relação ao representante local na Segundona de 2018… Haverá?

As últimas apresentações
24/10 – Juventude 0 x 0 Náutico (3 jogos sem vitória, 19º na B)
28/10 – Santa Cruz 0 x 0 Luverdense (8 jogos sem vitória, 18º na B)
29/10 – Sport 3 x 4 Coritiba (4 jogos sem vitória, 15º na A)