Classificação da Série A 2016 – 10ª rodada

A classificação da Série A 2016 após 10 rodadas. Crédito: Superesportes

Lá em cima, o Palmeiras não só manteve a liderança da Série A, já passando de 25% da tabela, como abriu dois pontos sobre o Inter, que ficou no empate no Couto Pereira. Uma disputa que, hoje, está polarizada por causa da zebra em Porto Alegre, com o Vitória superando o Grêmio. Enquanto isso, os rivais das multidões tentam evitar a zona de rebaixamento. No caso coral, a entrada. No leonino, a saída. Na quarta, o Santa Cruz perdeu em casa do Flamengo, chegando a 5 derrotas nos últimos 6 jogos. Em relação à rodada anterior, caiu do 13º para o 15º lugar, com o Z4 ficando mais próximo, agora a dois pontos.

Na quinta, o Sport foi a São Paulo encarar o seu maior fantasma no Brasileiro, o São Paulo no Morumbi. Até então, eram 17 derrotas em 17 jogos, mas finalmente saiu sem perder. O Leão empatou com o Tricolor Paulista, estancando uma sangria de 42 anos. Ainda assim, perdeu uma posição (agora em 18º) e viu o 16º abrir dois pontos. Pior, é o Cruzeiro, que numa semana contratou Ábila (carrasco rubro-negro na última Sula) e Rafael Sóbis. Não luta contra o descenso…

A 11ª rodadas dos representantes pernambucanos: 

25/06 (21h00) – Corinthians x Santa Cruz (Arena Corinthians)
Histórico em São Paulo pela elite: 1 vitória coral, 1 empate e 5 derrotas 

26/06 (18h30) – Sport x Chapecoense (Ilha do Retiro)
Histórico no Recife pela elite: 2 jogos e 2 vitórias leoninas

Após 17 tentativas, o Sport enfim pontua diante do São Paulo na capital paulista

Série A 2016, 10ª rodada: São Paulo 0x0 Sport. Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net

O São Paulo segue sem sofrer derrotas para times pernambucanos atuando em casa no Brasileiro. É assim desde o primeiro confronto, em 1974, com 34 jogos do Trio de Ferro. O caso do Sport é ainda mais gritante, até então com 17 derrotas em 17 jogos, no cenário mais adversário do clube. A viagem “zerada” ao Morumbi era praxe, com a sensação de que ficar treinando no Recife seria mais produtivo. Mas não é que finalmente o rubro-negro conseguiu pontuar lá?

O empate em 0 x 0 foi importante psicologicamente, acabando a sina, além de deixar o time em condições de sair o Z4 em caso de vitória na próxima rodada, quando receberá a Chape. Pelo primeiro tempo, a expectativa foi até maior, com uma boa atuação, mesmo com míseros 31% de posse, segundo o Footstats. Apesar do pouco tempo com a bola nos pés, o time foi objetivo, com Diego Souza puxando dois ataques, entortando Maicon em ambos. Faltou caprichar nas finalizações. Em busca do G4, Bauza mudou o tricolor na etapa final. Durante 30 minutos, o leão ficou totalmente acuado.

O Sport ainda saiu no lucro, com o árbitro deixando passar um pênalti cometido por Matheus Ferraz, num carrinho incompreensível – com Ronaldo Alves regularizado, a sua titularidade parece fadada. Parte do sufoco se deve ao esgotamento físico, com Diego, Edmílson e Everton caindo de rendimento. Apenas o camisa 87 terminou o jogo, até pela liderança, conduzindo o time, reposicionando os companheiros (Mancha e Luis Antônio), com a autorização de Oswaldo de Oliveira. O susto final, numa bola raspando a meta de Magrão (com boa atuação) só lembrou a dificuldade da missão na capital paulista.

Série A 2016, 10ª rodada: São Paulo 0x0 Sport. Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net

Arena de Pernambuco, a 4ª denominação do estádio. O nome é o menor problema

Arena de Pernambuco ou Arena Pernambuco? A identidade visual no facebook

O consórcio Arena Pernambuco Negócios e Investimentos S.A. já é passado. A rescisão da concessão administrativa foi assinada, com o empreendimento voltando para as mãos do governo do estado, numa operação provisória até uma nova licitação – cujos termos dificilmente darão uma vantagem tão grande ao interessado quanto o primeiro contrato, com faturamento mínimo assegurado através de uma meta inatingível, de R$ 100 milhões/ano.

Enquanto não ocorre o processo, cabe à secretaria de turismo, esportes e lazer mediar acordos com os clubes de futebol, sobretudo o Trio de Ferro, além de shows e eventos no complexo, em falta desde a inauguração. Para um jogo de médio porte, o custo operacional chega a R$ 70 mil, sem surpresa o maior da capital. Entre tantos problemas ao alcance do estádio, com seguidos balanços negativos, eis a mudança de nome. De Arena Pernambuco para Arena de Pernambuco, com o “de” simbolizando a posse do povo, nesta volta do governo.

Francamente, que essa ideia de rebatizar o estádio – tendo que convencer o público, naturalmente – seja a última preocupação da gestão. De toda forma, a nova identidade visual já vem sendo adotada nos perfis oficiais da arena…

2009/2010 – Arena Capibaribe (na apresentação do projeto)
2010/2013 – Arena Pernambuco (inaugurada em 22/05/2013)
2013/2016 – Itaipava Arena Pernambuco (via naming rights)
2016 – Arena de Pernambuco

Desde 27 de agosto de 2009, um ano antes do início da obra do estádio, foi publicada no Diário Oficial de Pernambuco a lei nº 13.859, denominando o palco de “Estádio Governador Carlos Wilson Campos”. Tal nome, quase secreto, jamais foi utilizado pelo governo estadual, cuja primeira placa no canteiro, curiosamente em 27 de agosto de 2010, trouxe o nome “Arena Pernambuco”.

Argentina e Chile decidem novamente a Copa América, na 19ª final em 100 anos

A decisão da Copa América de 2016, Argentina x Chile. Crédito: Conmebol/twitter (@conmebol)

Separados pela Cordilheira dos Andes, argentinos e chilenos encaram um cenário inédito no futebol do continente, decidindo a Copa América em dois anos seguidos. Após a inédia conquista de La Roja em 2015, em casa, um novo confronto entre Messi, Vidal, Higuaín e Alexis Sánchez, agora em campo neutro. Bem longe, nos Estados Unidos, que recebem o torneio pela primeira vez, numa composição especial com dez seleções filiadas à Conmebol e seis à Concacaf.

Em 45 edições, esta é a 19ª final. Inicialmente chamado de Campeonato Sul-Americano, o torneio já teve inúmeros formatos. Começou com turno único, tendo uma decisão (“jogo desempate”) em caso de igualdade na pontuação. Assim, a primeira final ocorreu nas Laranjeiras, em 1919, no duelo entre brasileiros e uruguaios. Este clássico, aliás, é o mais recorrente, com quatro finais ao longo de um século. Em apenas três casos a decisão ocorreu em mais de um jogo, entre 1975 e 1983, com o formato sem sede fixa, em jogos de ida e volta. Em caso de empate, disputava-se um terceiro jogo em campo neutro.

Alguns jogos históricos, com status de final, na verdade aconteceram na última rodada de quadrangulares decisivos, como em 1989, com 132 mil pessoas no Maracanã assistindo ao gol de Romário sobre a Celeste. A partir de 1993, todas as edições tiveram fase de grupos, quartas, semi e final. Até hoje, considerando decisões de fato e de direito, foram onze confrontos distintos valendo a taça.

As finais da Copa América
1ª) 1919 – Brasil 1 x 0 Uruguai (Rio de Janeiro)
2ª) 1922 – Brasil 3 x 0 Paraguai (Rio de Janeiro)
3ª) 1937 – Argentina 2 x 0 Brasil (Buenos Aires)
4ª) 1949 – Brasil 7 x 0 Paraguai (Rio de Janeiro)
5ª) 1953 – Paraguai 3 x 2 Brasil (Lima)
6ª) 1975 – Peru x Colômbia: 0 x 1 (Bogotá), 2 x 0 (Lima) e 1 x 0 (Caracas)
7ª) 1979 – Paraguai x Chile: 3 x 0 (Assunção), 0 x 1 (Santiago) e 0 x 0 (B. Aires)
8ª) 1983 – Uruguai x Brasil: 2 x 0 (Montevidéu) e 1 x 1 (Salvador)
9ª) 1987 – Uruguai 1 x 0 Chile (Buenos Aires)
10ª) 1993 – Argentina 2 x 1 México (Guayaquil)
11ª) 1995 – Uruguai (5) 1 x 1 (3) Brasil (Montevidéu)
12ª) 1997 – Brasil 3 x 1 Bolívia (La Paz)
13ª) 1999 – Brasil 3 x 0 Uruguai (Assunção)
14ª) 2001 – Colômbia 1 x 0 México (Bogotá)
15ª) 2004 – Brasil (4) 2 x 2 (2) Argentina (Lima)
16ª) 2007 – Brasil 3 x 0 Argentina (Maracaibo)
17ª) 2011 – Uruguai 3 x 0 Paraguai (Buenos Aires)
18ª) 2015 – Chile (4) 0 x 0 (1) Argentina (Santiago)
19ª) 2016 – Argentina x Chile (Nova Jersey)

Finais mais repetidas
4 – Brasil x Uruguai
3 – Brasil x Paraguai e Brasil x Argentina
2 – Argentina x Chile
1 – Peru x Colômbia, Paraguai x Chile , Uruguai x Chile, Argentina x México, Brasil x Bolívia, Colômbia x México e Uruguai x Paraguai

Santa Cruz perde do Flamengo no Arruda, com 5 derrotas nas últimas 6 partidas

Série A 2016, 10ª rodada: Santa Cruz 0x1 Flamengo. Foto: Antônio Melcop/Santa Cruz

O Santa foi derrotado no Arruda outra vez. A terceira em casa nesta Série A. O revés diante do Flamengo foi o 5º nos últimos 6 jogos, acendendo o sinal de alerta no campeão nordestino, numa aproximação perigosa da zona de rebaixamento, outrora a léguas. A atuação contra o rubro-negro carioca oscilou bastante, com um bom número de oportunidades na primeira etapa, mesmo sem a posse de bola, praxe no sistema de jogo coral, de contragolpes, usando as pontas. Keno e Grafite (duas vezes) tiveram chances claras para marcar.

Enquanto isso, o adversário, se limitando a marcar forte (em alguns momentos além da conta), só finalizou uma vez na meta de Tiago Cardoso. Em todo o jogo! Claro, se arriscou outras vezes, mas na barra, apenas uma. Bastou. De longe, Willian Arão mandou no ângulo, com o goleiro coral adiantado. Em vantagem, o Fla foi cirúrgico, jogando sem pressa. Vem sendo assim como visitante, com o clube subindo na tabela. Apesar disso, o futebol tricolor no primeiro tempo, com disposição, deixou uma boa expectativa para a retomada.

O time pernambucano, entretanto, caiu demais. Só teve uma chance, com o Grafa, livre, batendo em cima de Muralha. Lance oriundo de uma falha na saída de jogo dos cariocas, pois criação propriamente dita não existiu. Com a vitória por 1 x 0, o Flamengo desempatou o retrospecto no Brasileiro, até então equilibradíssimo (7v-7e-7d). Ao Santa, as vaias, num protesto que já deixou de ser pontual. A necessidade de reforçar o meio-campo (Leandrinho e Daniel Costa como titulares mostram que a lacuna técnica existe) é urgente. Até porque a tabela segue complicada, ainda mais com 6 jogos em casa nos 10 disputados. Sábado, vai a São Paulo encarar o atual campeão nacional…

Série A 2016, 10ª rodada: Santa Cruz 0x1 Flamengo. Foto: Antônio Melcop/Santa Cruz

O mata-mata da Eurocopa 2016, com módulo amarelo e módulo verde

Mata-mata da Eurocopa 2016. Crédito: twitter.com/euro2016

O chaveamento da fase final da Eurocopa 2016 deixou as maiores forças do continente agrupadas em um lado. Alemanha, Itália, Espanha, França e Inglaterra, as seleções campeãs mundiais. Do ouro lado, os emergentes. Não há sequer um campeão europeu, com Portugal e Bélgica entre os principais nomes. O mata-mata lembra uma composição com Módulo Amarelo e Módulo Verde, num paralelo conhecido do torcedor pernambucano, remetendo a 1987.

Após 36 jogos na fase de grupos, 16 dos 24 países avançaram às oitavas de final do torneio em andamento na França. Aliás, esta 15ª edição é a primeira com esta fase. De 1996 a 2012, o mata-mata começava nas quartas, enquanto de 1960 a 1992 ocorria ainda mais cedo, na semi. Com a ampliação da Euro, agora é preciso jogar sete vezes para levantar a taça. Tal formato, com alguns terceiros colocados passando da fase de grupos, é idêntico ao Mundial de 90 e 94. Curiosamente, o período de maior crítica acerca do nível técnico.

Pitacos do blog para a formação das quartas de final:

Polônia x Portugal, Gales x Bélgica, Alemanha x Itália e França x Inglaterra.

Confira a agenda da fase final do torneio europeu aqui.

Confira o retrospecto dos 18 países que já alcançaram ao menos a semifinal, com 8 deles ainda na disputa. Sendo cinco no “verde” e três no “amarelo”.

Os países que já ficaram entre os quatro melhores na Eurocopa de 1960 a 2012. Crédito: Wikipedia

A 11ª classificação da Segundona 2016

A classificação da Série B 2016 após 11 rodadas. Crédito: Superesportes

O Náutico pontuou em Caxias do Sul, mas acabou saindo do G4 da Série B, mesmo chegando aos 18 pontos. Após quatro rodadas lá em cima, foi ultrapassado por Criciúma e Ceará, caindo para o 6º lugar. Segue totalmente na briga, a dois pontos do grupo de acesso, mas tem como fator complicador para uma volta imediata o jogo seguinte, outra vez fora de casa. O Timbu parte para Fortaleza, onde enfrentará no sábado o ascendente Vozão, que entrou no G4 justamente nesta rodada, ao vencer o Oeste pelo placar mínimo.

Também digno de registro, o Bahia chegou à terceira derrota consecutiva na competição, incluindo um revés em casa para o Londrina e outro para o Tupi. Mesmo como visitante, era o favorito, pois o adversário tinha apenas uma vitória em dez apresentações. Com a segunda maior cota de tevê da Série B (R$ 35 milhões), o tricolor baiano começa a se complicar de graça…

Evolução da campanha timbu
1ª rodada – 15º (0 pt)

2ª rodada – 11º (3 pts)
3ª rodada – 15º (3 pts)
4ª rodada – 8º (6 pts)
5ª rodada – 9º (7 pts)
6ª rodada – 5º (10 pts)
7ª rodada – 4º (13 pts)
8ª rodada – 4º (16 pts)
9ª rodada – 4º (16 pts)
10ª rodada – 4º (17 pts)
11ª rodada – 6º (18 pts)

No G4, um carioca, um goiano, um catarinense e um cearense.

A 12ª rodada do representante pernambucano
25/06 (16h30) – Ceará x Náutico (Castelão, em Fortaleza)

Em partida fraca, no frio gaúcho, Náutico empata sem gols com o Brasil e sai do G4

Série B 2016, 11ª rodada: Brasil-RS 0x0 Náutico. Foto: Jonathan Silva/Brasil-RS

Sob um frio de 8 graus na serra gaúcha, o Náutico teve uma atuação muito discreta. Se não correu riscos, lá frente também foi quase inofensivo. Diante de um Brasil de Pelotas bem longe de Pelotas (379 km), o time acabou arrancando um pontinho importante para o decorrer da segundona. Não especificamente para esta 11ª rodada, uma vez que o resultado tirou o timbu do G4 após quatro rodadas consecutivas. Agora está a dois pontos, em 6º lugar.

Em Caxias do Sul, no estádio Centenário, substituindo o Bento Freitas, em obras, o Náutico jogou com uma formação bem diferente em relação àquela vista diante do Bragantino. Joazi voltou à lateral-direita, deslocando o zagueiro Rafael Pereira para a sua função original. A principal mudança efetuada por Gallo, esta negativa, foi a escalação de Caíque Valdívia no lugar de Renan Oliveira. O meia selecionado não fez absolutamente nada. Colaborou para o futebol pouco objetivo da equipe, cuja melhor chance foi consequência de uma “furada” da defesa gaúcha, com a bola sobrando para Rony, livre.

Como havia ocorrido contra o Vasco, Rony teve tudo para abrir o placar, aos 22 minutos. Perdeu, mostrando mais uma vez que o seu poder de decisão não é dos melhores. Na segunda etapa, com Renan acionado (no lugar de Caíque, obviamente), o Náutico deu uma melhorada, explorando mais o passe, cruzando com perigo algumas vezes. Enquanto isso, o Brasil, sentindo o campo às moscas, só exigiu Júlio César uma vez, numa prudente saída do gol. E nada mais além disso, com o 0 x 0 sendo um retrato da partida.

Série B 2016, 11ª rodada: Brasil-RS 0x0 Náutico. Foto: GEREMIAS ORLANDI/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Arena das Dunas recebe a Seleção pelas Eliminatórias da Copa, a 286 km do Recife

Arena das Dunas, em Natal. Foto: arenadunas.com.br

O jogo entre Brasil e Bolívia, em 3 de outubro, completa a passagem da Seleção nas arenas do Nordeste pelas Eliminatórias da Copa de 2018. Após Fortaleza, Salvador e Recife, chegou a vez de Natal, com a Arena das Dunas recebendo o time verde e amarelo pela primeira vez. Até hoje, a capital potiguar só tinha um jogo oficial da Canarinha, uma vitória sobre a Alemanha Oriente por 3 x 1, em 1982, num amistoso no antigo Castelão. O giro na região, em detrimento de outras arenas do Sul/Sudeste, soa como um claríssimo indício de uma busca por apoio, devido ao mau momento da equipe, agora comandada por Tite.

O jogo deve ser a oportunidade mais próxima do Recife neste ciclo mundialista, com 286 km via estrada, pela BR-101, ou 254 km no trajeto aéreo, com voos diretos. A tendência é de pelo menos 16% do público oriundo de estados próximos, repetindo o perfil da torcida no clássico entre Brasil e Uruguai.

O palco natalense é o menor dos quatro nordestinos erguidos para a Copa do Mundo de 2014, com 33 mil cadeiras – no torneio chegou a 43 mil, através de arquibancadas provisórias. Pela capacidade, o valor dos ingressos (com setores semelhantes, incluindo arquibancada superior e inferior, além do setor premium) deve ser próximo ao aplicado em março em São Lourenço. Não por acaso, o Castelão, o maior estádio neste contexto, foi o de menor tíquete médio.

Arena das Dunas (03/10/2016)
Setores à disposição: arquibancada superior, arquibancada inferior e premium

Arena Pernambuco (25/03/2016): Brasil 2 x 2 Uruguai
Arquibancada superior: R$ 100 (inteira) e R$ 50 (meia)
Arquibancada inferior: R$ 160 (inteira) e R$ 80 (meia)
Lounge (oeste inferior): R$ 200
Deck premium (leste): R$ 200
Camarote: R$ 300 (por pessoa)
Setor Villa Mix: R$ 250

Público: 45.010
Renda: R$ 4.961.890
Tíquete médio: R$ 110,23

Fonte Nova (17/11/2015): Brasil 3 x 0 Peru
Arquibancada superior: R$ 60 (inteira) e R$ 30 (meia)
Arquibancada inferior: R$ 120 (inteira) e R$ 60 (meia)

Lounge: R$ 200 (inteira)
Camarote: R$ 300 (por pessoa)  

Público: 45.558
Renda: R$ 4.186.790
Tíquete médio: R$ 91,90

Castelão (13/10/2015): Brasil 3 x 1 Venezuela
Arquibancada superior: R$ 70 (inteira) e R$ 35 (meia)
Arquibancada inferior: R$ 100 (inteira) e R$ 50 (meia)
Premium: R$ 180 (inteira)
Premium VIP: R$ 220 (inteira)
Camarote: R$ 300 (por pessoa)

Público: 38.970
Renda: R$ 2.722.220
Tíquete médio: R$ 69,85

Diego Souza emplaca o primeiro golaço da rodada do Sport no Brasileiro

A arrancada do meio-campo, ganhando de dois marcadores e passando por Cavalieri, rendeu ao meia Diego Souza o “gol da rodada” da Série A. Através do Facegol, a CBF elegeu o lance, que definiu a vitória do Sport sobre o Fluminense, como o mais bonito da 9ª rodada.

O gol de DS87 teve 51% dos votos, segundo a enque promovida na página oficial da confederação no facebook, numa disputa com Marquinhos Gabriel (35%), do Corinthians, e Vitinho (14%), do Internacional. 

Essa é a terceira vez, em 2016, que um clube pernambucano emplaca o golaço da rodada. Grafite já havia sido eleito duas vezes (veja aqui).