Podcast – Análise das vitórias de Náutico e Sport e da derrota do Santa Cruz

O sábado foi de vitórias para o futebol pernambucano, com o Alvirrubro somando três pontos em Curitiba, se mantendo firme na briga pelo acesso, e com o Leão surpreendendo o Peixe, integrante do G4 da Série A. No domingo, cenário adverso. Logo pela manhã, a 16ª derrota tricolor, num jogo crucial nas pretensões de permanência. No 45 minutos, analisamos as três partidas, com comentários sobre as formações, desempenhos individuais e as situações de cada um nas respectivas tabelas. Ao todo, 71 minutos. Ouça!

Paraná 1 x 2 Náutico (23 min)

Sport 1 x 0 Santos (21 min)

Figueirense 3 x 1 Santa Cruz (27 min)

Em manhã desastrosa, Santa é derrotado pelo Figueirense e agoniza no Brasileiro

Série A 2016, 27ª rodada: Figueirense 3 x 1 Santa Cruz. Foto: Rafael Martins/Mafalda Press/Estadão conteúdo

Ao perder o segundo jogo seguido como visitante, o Santa Cruz ficou numa situação agonizante na Série A. Tem a pior a defesa (44 gols), o maior número de derrotas (16) e apenas 28% de aproveitamento. Assim, vai se distanciando do 16º lugar e vendo a aproximação do lanterna América, que não perde há quatro rodadas. Hoje, apenas dois pontos separam os dois. E olhar para o fim da tabela parece mesmo ser uma visão racional sobre o desempenho coral, que perdeu do Figueirense por 3 x 1, com três gols bizarros, à parte do que é preciso para ensaiar uma reação. Sem poupar ninguém, como ocorreu na controversa decisão na Colômbia, o time apostava tudo no Orlando Scarpelli. Contra um concorrente direto e em crise técnica. Contudo, qualquer estratégia do tipo vai para o ralo ao sofrer um gol com apenas 31 segundos.

O time catarinense iniciou o jogo, avançou, perdeu a bola no meio-campo, recuperou e atacou pela lateral, com Ayrton entrando na diagonal e tocando na saída do goleiro. Entrou pela esquerda. Não, não foi em cima de Allan Vieira, barrado, mas de Luan Peres, não menos limitado. O campeão nordestino até teve chance de empatar, em jogadas de Keno pela esquerda, com Derley (fez o mais difícil) e Léo Moura desperdiçando. Depois, o mandante controlou a partida, defensivamente. Se arriscando (teve 60% de posse no primeiro tempo), o Santa conseguiu algumas oportunidades na bola parada. Numa delas, um escanteio, saiu o segundo gol do Figueira. Isso mesmo. Lins pegou o rebote, com a defesa totalmente aberta, e avançou. Tiago Cardoso saiu da área, mas mostrou indecisão frente ao atacante. Falhou e acabou tomando um banho. E o gol.

Com a boa vantagem no placar, o time catarinense seguiu retraído na etapa complementar, buscando contragolpes sempre com Rafael Moura. Enquanto isso, o visitante já contava com dois centroavantes, Bruno e Grafite. Mesmo sem forçar, o Figueirense ampliou, novamente com Lins. Outra lance insólito, com o chute, meia boca, desviando em Danny Morais e encobrindo o goleiro coral. Nem o belo gol de Keno diminuiu a frustração em Floripa, com uma reviravolta cada vez mais improvável. Quarta-feira, pela Sul-Americana, pode jogar a última cartada do ano. E já com a desvantagem de 2 x 0 na conta…

Série A 2016, 27ª rodada: Figueirense 3 x 1 Santa Cruz. Foto: Luiz Henrique/Figueirense (flickr)

Sport marca no começo, segura pressão do Santos e vence jogo importante na Ilha

Série A 2016, 27ª rodada: Sport x Santos. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

O Sport fez um ótimo primeiro tempo contra o Santos, um adversário qualificado, no G4 e com três vitórias seguidas até então. Forçando bastante, marcou na terceira tentativa de Rogério em dez minutos, e ainda teve três chances incríveis em cruzamentos rasteiros, duas com Gabriel Xavier e uma com Everton Felipe. Não ampliou, viu o adversário paulista chegar com perigo e no segundo tempo tomou um sufoco danado, suportando. A vitória por 1 x 0, “trocando” com o revés diante do Coxa, há uma semana, acalma o ambiente na Ilha do Retiro, com seguidas mudanças no time titular. Estamos no fim de setembro e o técnico Oswaldo de Oliveira ainda busca a formação ideal.

Mesmo sem Ricardo Oliveira, o Peixe envolveu o dono da casa, com Lucas Lima (sobretudo) e Copete criando bastante e exigindo boas defesas de Magrão. Mas vale destacar que o início desta pressão, na etapa complementar, surgiu numa jogada errada do Sport, com Everton Felipe tentando um passe de letra no campo defensivo. O adversário pegou a bola e segundos depois já estava na cara do gol. No rebote, numa bomba, a bola bateu no braço de Ronaldo Alves. Reclamação justa de pênalti, não assinalado. E o jogo continuou favorável ao Santos, com Rithely e Paulo Roberto (acionado no lugar de Neto Moura, após a mudança de intensidade) se desdobrando para desarmar. Enquanto isso, o Leão não conseguia encaixar contragolpes. Diego Souza, marcado, encontrava dificuldade para prender a bola, especialidade sua.

O sinal de vitória só começou a aparecer numa bobeira de Elano. O experiente meia de 35 anos conseguiu ser expulso com dois amarelos por reclamação em dez segundos. Com um a mais nos quinze minutos finais, o Sport passou a ter um pouco mais de posse, mas o nervosismo pelo resultado atrapalhou, com o alvinegro indo com tudo. Nos acréscimos, numa trama enfim bem articulada, DS87 conseguiu finalizar com perigo. Acredite, o contra-ataque desta jogada quase acabou em empate, expondo a dificuldade do jogo. Mas deu Sport, que voltou a terminar um jogo sem sofrer gols, sendo apenas a 5ª vez em 27 apresentações. Nada mais justo para Magrão, com a camisa 600 nas costas.

Série A 2016, 27ª rodada: Sport x Santos. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Magrão completa 600 jogos no Sport e quebra o recorde em um clube do NE

Junto à família, Magrão recebe a camisa comemorativa pelos 600 jogos no Sport, em 24/09/2016. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Imagine um jogador presente durante 10% na vida de um clube de 111 anos. Quase sempre como titular, como ídolo, como símbolo. A história de Magrão já se confunde com a do Sport, com cada nova marca reafirmando o status. Contra o Santos, o goleiro chegou a 600 partidas vestindo a camisa rubro-negra. Além do número redondo, já um recorde na Ilha, Alessandro Beti Rosa tornou-se o atleta com mais jogos em um clube nordestino. Superou Givanildo Oliveira, que marcou época no Santa da década de 1970, chegando à Seleção.

No Leão, o goleiro sempre soube conviver com a concorrência, cruel em sua posição. O carisma manteve intacta a idolatria, mesmo em momentos adversos, naturais em uma passagem superior a uma década. Obviamente, para passar tanto tempo embaixo da trave com dez leoninos à frente, Magrão fez por onde, com bastante reflexo, elasticidade, saídas apuradas, 24 pênaltis defendidos e muitas taças, oito ao todo. Uma delas a da Copa do Brasil.

Lembrando que o goleiro tem contrato com o rubro-negro até o fim de 2017, onde deve encerrar a carreira, aos 40 anos e ainda mais recordista…

As marcas históricas de Magrão no Sport 
1º jogo (25/05/2005) – Sport 1 x 0 Guarani, Série B (Ilha do Retiro)
100º jogo (12/01/2008) – Sport 4 x 0 Salgueiro, Estadual (Ilha do Retiro)
200º jogo (07/06/2009) – Sport 4 x 2 Flamengo, Série A (Ilha do Retiro)
300º jogo (20/01/2011) – Sport 1 x 0 Ypiranga, Estadual (Ilha do Retiro)
400º jogo (30/08/2012) – Flamengo 1 x 1 Sport, Série A (Raulino de Oliveira)
500º jogo (21/05/2014) – Cruzeiro 2 x 0 Sport, Série A (Mineirão)
600º jogo (24/09/2016) – Sport 1 x 0 Santos, Série A (Ilha do Retiro)

Os jogadores com mais partidas nos maiores clubes do Nordeste*
600 jogos – Sport (Magrão, goleiro 2005-2016)
599 jogos – Santa Cruz (Givanildo Oliveira, volante 1969-1979)
492 jogos – ABC (Jorginho, atacante 1946-1965)
476 jogos – América-RN (Ivan Silva, lateral-direito 1973-1983)
448 jogos – Bahia (Baiaco, volante 1967-1980)
402 jogos – Fortaleza (Dude, volante 1998-2008)
387 jogos – Sampaio Corrêa (Rodrigo Ramos, goleiro 2009-2016)
386 jogos – Náutico (Kuki, atacante 2001-2010)

363 jogos – Ceará (João Marcos, volante 2009-2016)
323 jogos – Vitória (Flávio Tanajura, zagueiro 1994-2000)
* Lista atualizada até 24/09/2016
** O zagueiro Miguel Rosas atuou no CRB de 1943 a 1963, sem dados oficiais

Os jogadores com mais clubes no Santa (Givanildo), Bahia (Baiaco), Fortaleza (Dude), Náutico (Kuki), Ceará (João Marcos) e Vitória (Flávio)

Náutico vence em Curitiba e se mantém a três pontos do G4, com tabela favorável

Série B 2016, 27ª rodada: Paraná 1x2 Náutico. Foto: Joka Madruga/Futura Press

O Náutico arrancou uma vitória importantíssima em Curitiba, se afirmando como candidato ao acesso. No quarto jogo sob o comando de Givanildo Oliveira, o alvirrubro fez 2 x 1 no Paraná, chegando a 39 pontos e se mantendo a três do G4, mas com uma tabela a favor na primeira quinzena de outubro, ao menos na condição de mandante. Dos próximos quatro jogos, três serão na Arena Pernambuco, incluindo “confrontos direitos” contra Brasil de Pelotas e Ceará. O que resume o quanto era significava pontuar no Durival de Britto. A princípio, lá, o técnico pernambucano não repetiu a formação com três meias ofensivos, que funcionou bem contra o Paysandu. Assim, Renan Oliveira cedeu o lugar ao volante Rodrigo Souza. Mais pegada, mas não menos ofensividade, nas palavras do próprio Giva antes de a bola rolar.

28ª rodada (01/10) – Náutico x Vasco (Arena PE)
29ª rodada (04/10) – Bragantino x Náutico (Nabi Abi Chedid)
30ª rodada (07/10) – Náutico x Brasil (Arena PE)
31ª rodada (15/10) – Náutico x Ceará (Arena PE) 

E não é que foi isso mesmo? Coube ao volante abrir o placar aos 26 minutos. Recebeu a bola na marca do pênalti, numa assistência de Marco Antônio, e bateu de primeira. Curiosamente, Renan Oliveira vinha pecando justamente neste fundamento, parando na trave. Ao segurar a pressão paranaense no restante do primeiro tempo, sobretudo em jogadas de linha de fundo, o Náutico teria que mudar um pouco a postura na etapa complementar. Não que a equipe tenha abdicado de atacar (até porque buscou contragolpes com Bergson), mas era preciso ter mais tranquilidade. O jogo se desenhou para isso logo no primeiro minuto após a retomada, em mais uma assistência de Marco Antônio, com Rony, enfim, concluindo. A boa vantagem permaneceu até os 17 minutos, quando o tricolor diminuiu. A partir daí, copeirismo timbu, com apenas 35% de posse e Gastón e Júlio César salvando. Que essa determinação siga em casa…

Série B 2016, 27ª rodada: Paraná 1x2 Náutico. Foto: Joka Madruga/Futura Press

A homenagem (e o agradecimento) do Sport aos 600 jogos do goleiro Magrão

O goleiro Magrão completa contra o Santos, na Ilha do Retiro, o seu 600º jogo vestindo a camisa rubro-negra, recorde do Sport, recorde no Nordeste. Iniciando a celebração do feito alcançado pelo ídolo, no clube desde 2005, o departamento de comunicação lançou um vídeo promocional de 30 segundos.

O vídeo “600 vezes Magrão” compila lances como a saída precisa no chute de Acosta, nos minutos finais da decisão da Copa do Brasil, a defesa no ângulo, que garantiu a vitória sobre o Colo Colo no Chile, e pênaltis defendidos, incluindo o de Rogério Ceni e os da Copa Sul-Americana contra o Náutico…

Recorde de ex-campeões nas quartas de final da Copa do Brasil de 2016: oito times

O mata-mata final da Copa do Brasil de 2016. Crédito: CBF/youtube

Pela primeira vez, em 28 edições, todos os oito clubes classificados às quartas de final da Copa do Brasil chegam com status de “ex-campeões”. No currículo, ao menos uma taça para cada. Ao todo, 18 títulos, que correspondem a 66% de todas as copas já erguidas. Na reta final de 2016 seguem os recordistas Grêmio e Cruzeiro, tetracampeões, o atual campeão Palmeiras e uma surpresa, o Juventude, campeão em 1999 diante de 100 mil botafoguenses no Maracanã.

Curiosamente, o clube gaúcho definiu o último confronto, contra São Paulo. Embora tricampeão mundial. o tricolor paulista jamais conquistou a Copa do Brasil - foi vice em 2000, sofrendo um gol aos 45 minutos do segundo tempo. Ou seja, a zebra (?) garantiu um mata-mata 100% copeiro nesta temporada. Na manhã seguinte ao encerramento das oitavas de final, com a eliminação de nordestinos e cariocas, a CBF sorteou o chaveamento até a decisão. Nas quartas, decidem em casa Juventude, Inter, Palmeiras e Cruzeiro.

Pitacos para as semifinais?
Pelo blog: Atlético-MG x Santos e Palmeiras x Cruzeiro

Títulos da Copa do Brasil entre os quadrifinalistas de 2016
4 – Grêmio (1989, 1994, 1997 e 2001) e Cruzeiro (1993, 1996, 2000 e 2003)
3 – Corinthians (1995, 2002 e 2009) e Palmeiras (1998, 2012 e 2015)
1 – Inter (1992), Juventude (1999), Santos (2010) e Atlético-MG (2014)

Número de clubes campeões nas quartas de final em cada edição*
8 campeões – 2016
7 campeões – nenhuma edição
6 campeões – 1996 e 2015
5 campeões – 2013
4 campeões – 1997, 2004, 2009 e 2014
3 campeões – 1995, 1999, 2000, 2001 e 2010
2 campeões – 1992, 1993, 1994, 2003, 2006, 2008, 2011 e 2012
1 campeão – 1991, 1998, 2002 e 2005
Nenhum campeão – 1989, 1990 e 2007
*Obviamente, a pesquisa sobre os campeões vai até o ano de cada edição

Os níveis e uniformes oficiais de Santa Cruz e Sport no game Fifa Football 17

Times de Santa Cruz e Sport no game Fifa 17

Santa Cruz e Sport voltam a figurar juntos na franquia Fifa Football após nove anos. No game Fifa 17, os rivais das multidões estão entre os 23 clubes brasileiros licenciados junto à produtora EA Sports. No caso dos recifenses, nomes e uniformes originais, com dois modelos para cada. No rubro-negro, padrões da linha 2016/2017, enquanto os corais estão com os modelos da linha 2016 – acima, imagens do console Xbox One. Ao contrário do Pro Evolution Soccer, a camisa leonina traz o patrocínio da Caixa Econômica Federal. No tricolor, os dois games digitalizaram todas as marcas estampadas na camisa.

Em relação aos nomes e características físicas, todos os jogadores são genéricos. No Sport, nada de Magrão, Durval, Rithely e Diego Souza, mas Serpinho, Barbosaldinho, Sandinho e Rocha. No Santa, em vez de Tiago Cardoso, João Paulo, Keno e Grafite, Adrianiscito, Acunha, Milaçar e Boas Santos. Há a promessa da EA Sports de uma atualização online dos elencos.

Presentes na “Liga Brasil”, composta por 18 participantes da Série A de 2016 (os outros cinco estão na opção “resto do mundo”), os times de Santa e Sport serão jogáveis no modo carreira, no qual o player vai “evoluindo” o seu personagem (soma de técnico e dirigente) com resultados nacionais e internacionais, exposição da marca, finanças, revelação de atletas etc.

Santa e Sport em ação no Fifa 17

Eis o scout da dupla pernambucana…

Santa Cruz
Fundado em 1914, o Santa Cruz Futebol Clube tem a sua sede no Recife. Compete atualmente na Série A, o nível mais alto do Campeonato Brasileiro
Estrelas: 3,0
Força média: 70,3

Transferências: $ 1.713.800
Valor do clube: $ 4.510.000 

Sport
Fundado em 1905, o Sport Club do Recife tem a sua sede no Recife. O clube conquistou o campeonato nacional uma vez e também uma copa do país
Estrelas: 3,0
Força média: 69,0

Transferência: $ 2.970.000
Valor do clube: $ 9.900.000

Abaixo, imagens do Playstation 4…

Fichas de Santa Cruz e Sport no game Fifa 17

Ficha do Santa Cruz no game Fifa 17

Ficha do Sport no game Fifa 17

Poupando três titulares, Santa perde em Medellín e vê situação difícil no Arruda

Sul-Americana 2016, oitavas de final: Independiente Medellín x Santa Cruz. Foto: Raul Arboleda/AFP

O adversário era dos mais complicados nas oitavas da Sul-Americana, o atual campeão colombiano, investindo em seu primeiro título internacional. Ainda assim, esse cartaz foi sumindo durante o jogo, numa atuação bem irregular do Independiente Medellín. Errando passes no ataque, sem tanta cobertura no meio-campo. E mesmo assim construiu uma vantagem considerável jogando em casa, 2 x 0. Para isso, um Santa Cruz sem força ofensiva, resguardado na defesa durante os noventa minutos e penalizado mais uma vez no fim. Apesar do comunicado oficial da direção coral, na véspera, negando a formação mista, o qual o blog não concordou, a ausência de Keno, João Paulo e Léo Moura, sobretudo os dois primeiros, foi bastante sentida pelo time.

Não houve escape. À frente, Grafite batalhou pela bola, mas sequer finalizou, chegando a 13 jogos sem balançar as redes. Bruno Moraes ficou no banco e lá permaneceu até o fim, numa decisão controversa de Doriva – afinal, se viajou, tinha condições de jogar. Com uma formação 4-1-4-1, mas marcando bem atrás da linha da bola, a peça mais próxima ao Grafa foi Arthur, limitado uma (boa) cobrança de falta no primeiro tempo. Cumpriu o papel tático de combater a saída de jogo do DIM, mas não agrediu a meta a adversária.

Sul-Americana 2016, oitavas de final: Independiente Medellín x Santa Cruz. Foto: Raul Arboleda/AFP

Após a pressão inicial dos colombianos, com a bandinha tocando sem parar no Atanasio Girardot, os corais esfriaram o jogo. E justamente neste momento saiu o gol do mandante, aos 38, numa ótima infiltração. Caicedo tocou para Hechalar, que, cara a cara com Tiago Cardoso, bateu rápido, sem chances. Apesar de ter ido para o vestiário em desvantagem, o time pernambucano, em sua primeira apresentação oficial fora do país, jogava de forma organizada. Faltava Keno no contragolpe. Ou seja, faltava tudo. E era preciso também diminuir erros nas laterais, sobretudo na esquerda, com Allan Vieira – a cada má atuação, aumenta a lamentação pela longa contusão de Tiago Costa.

Se não levava perigo, lá atrás Néris e Danny Morais tiravam tudo. Mas a recorrente deficiência na bola cruzada se fez presente, de forma cruel. Aos 42, outra vez com a bola de pé em pé, o Independiente virou o jogo para a direita, com o cruzamento de lá à pequena área. Falha de marcação de Danilo Pires, bem distante de Cortés, que cabeceou no contrapé do goleiro coral. O time foi vazado após os 40 minutos do segundo tempo em 4 dos últimos 5 jogos, numa situação que vem minando a confiança. Dentro de uma semana, o Santa precisará de confiança, de Keno, João Paulo, Léo Moura e de sua torcida. Talvez essa soma empurre o time às quartas, feito ainda inédito para o Nordeste.

Sul-Americana 2016, oitavas de final: Independiente Medellín x Santa Cruz. Foto: Raul Arboleda/AFP

Os jogos no exterior de Santa Cruz, Sport e Náutico em torneios da Conmebol

A partida entre Santa e Independiente, em Medellín, completou o ciclo de jogos no exterior do Trio de Ferro. Agora, todos têm experiências em competições oficiais da Conmebol. Um histórico iniciado em 1968, com o Náutico, representando o Brasil como vice da Taça Brasil. Em nove partidas, visitas a Venezuela, Peru, Chile, Equador, Paraguai, Argentina e Colômbia, com 3 vitórias, 1 empate e 5 derrotas, considerando apresentações na Libertadores (1968, 1988 e 2009) e na Sul-Americana (2013-2016). Abaixo, registros de agências fotográficas que cederam imagens ao Diario de Pernambuco ao longo dos anos. Por sinal, nota-se o avanço das imagens, da dificuldade em jogos noturnos, impressões em preto e branco e, enfim, câmeras digitais.

Em relação aos demais países filiados da Conmebol, faltam viagens pernambucanas a Uruguai e Bolívia. Esperamos em breve…

21/09/2016 – Independiente (COL) 2 x 0 Santa Cruz (Sul-Americana, Medellín)
O duelo entre o campeão colombiano e o campeão nordestino foi transmitido para toda a América Latina pelo canal Fox Sports. Em campo, os corais jogaram sem três titulares, sofrendo o segundo gol no finzinho, dificultando bastante o jogo de volta, no Arruda.

Sul-Americana 2016, oitavas de final: Independiente Medellín 2 x 0 Santa Cruz. Foto: Conmebol/twitter (@conmebol)

30/09/2015 – Huracán (ARG) 3 x 0 Sport (Sul-Americana, Buenos Aires)
Após o empate no Recife, com André marcando para o rubro-negro, a igualdade permaneceu durante todo o primeiro tempo em Buenos Aires. Nos 45 minutos finais, porém, três gols do mandante, que posteriormente seria vice na Sula 

Sul-Americana 2015, oitavas de final: Huracán 3x0 Sport

25/09/2013 – Libertad (PAR) 2 x 0 Sport (Sul-Americana, Luque)
O primeiro jogo internacional de um clube do estado pela Sul-Americana inicialmente ocorreria na casa do Libertad, em Assunção, mas mudou de palco porque rubro-negro exigiu o cumprimento do regulamento, que demandava uma capacidade mínima de 10 mil. A Conmebol atendeu. Em campo, não adiantou. Na volta, reservas e outro revés.

Sul-Americana 2013, oitavas de final: Libertad 2 x 0 Sport

29/04/2009 – LDU (EQU) 2 x 3 Sport (Libertadores, Quito)
Com dois gols de Andrade, o Leão virou o jogo sobre o atual campeão continental e terminou na liderança do “grupo da morte”. Foi a primeira vitória de um clube brasileiro no estádio Casa Blanca em jogos na Libertadores.

Libertadores 2009, LDU 2x3 Sport

18/02/2009 – Colo Colo (CHI) 1 x 2 Sport (Libertadores, Santiago)
O jogo (e estreia) teve a presença de 1.800 torcedores rubro-negros no estádio David Arellano, o recorde de uma torcida estrangeira no local até então, superando o Boca Juniors. A vitória veio com gols dos atacantes Ciro e Wilson.

Libertadores 2009, fase de grupos: Colo Colo 1x2 Sport

22/07/1988 – Alianza (PER) 0 x 1 Sport (Libertadores, Lima)
De muito longe, o lateral-direito Betão marcou o solitário gol da vitória leonina, num jogo transmitido ao vivo para o Recife, pela Globo Nordeste. O resultado deu sobrevida à primeira campanha internacional do rubro-negro.

Libertadores 1988, fase de grupos: Alianza 0x1 Sport

18/07/1988 – Universitario (PER) 1 x 0 Sport (Libertadores, Lima)
Foi a segunda derrota seguida do time pernambucano na competição, pressionando bastante o jogo seguinte. No fim daquela campanha, perderia a vaga justamente para o Universitario, com um empate sem gols em casa.

Libertadores 1988, fase de grupos: Universitario 1x0 Sport

31/01/1968 – Deportivo Galicia (VEN) 2 x 1 Náutico (Libertadores, Caracas)
O segundo gol do Galicia foi irregular, segundo relato do jornal na época. Com status de vice-campeão brasileiro, o Timbu decepcionou em solo venezuelano, com críticas da crônica esportiva recifense pelos dois jogos sem vitória por lá.

Libertadores 1968: Deportivo Galicia 2 x 1 Náutico. Foto: Arquivo/DP

27/01/1968 – Deportivo Portugués (VEN) 1 x 1 Náutico (Libertadores, Caracas)
O meia Ivan Brondi, atual presidente do clube alvirrubro, empatou o jogo, garantindo o primeiro ponto do clube no grupo 5 da Liberta.

Libertadores 1968: Deportivo Portugués 1 x 1 Náutico. Foto: Arquivo/DP