Classificação da Série A 2016 – 4ª rodada

A classificação da Série A 2016 após 4 rodadas. Crédito: Superesportes

Em apenas quatro rodadas no Brasileiro, sete pontos já separam tricolores e rubro-negros. Enquanto o Santa empatou com a Chapecoense, fora, o Sport perdeu do Corinthians, em casa. Apesar da saída da liderança – agora dividida entre os arquirrivais Grêmio e Internacional -, os corais se mantêm no G4, ganhando em casa e empatando fora. Pontuando sempre até aqui. Focando o objetivo inicial do clube, já são cinco pontos de vantagem sobre o Z4.

Lá, na zona de rebaixamento, o time leonino seguem afundando, agora na lanterna. Somente uma grande combinação de resultados pode tirá-lo já na próxima rodada. Para tanto, teria que vencer o seu jogo, fora de casa, e torcer por empates de Figueirense, América e Cruzeiro e derrota do Atlético-PR. Por sinal, o jogo em questão é justamente o clássico local, num choque de contrastes com o cenário bem mais favorável ao Santa.

A 5ª rodadas dos representantes pernambucanos: 

01/06 (21h00) – Santa Cruz x Sport (Arruda)
Histórico com mando coral: 2 vitórias do Santa, 3 empates e 4 vitórias do Sport 

Até hoje foram treze Clássicos das Multidões na elite. Relembre aqui.

Confrontos pernambucanos na Série A (1971-2015)
20 – Clássico dos Clássicos
17 – Clássico das Emoções
13 – Clássicos das Multidões

Contra viagens longas na operação da CBF, Santa freta avião e ganha 20 horas

Voo fretado do Santa Cruz até Chapecó. Foto: Jamil Gomes/Santa Cruz

No Brasileirão, cada clube recebe 23 passagens aéreas para os deslocamentos durante a competição, exceção feita aos clássicos municipais. Por uma questão de contrato, apenas voos da Gol, patrocinadora da edição de 2016. Entretanto, a companhia reduziu os voos diretos, fazendo com que algumas rotas necessitem de escalas e conexões em demasia. Aos clubes pernambucanos, que já largam liderando o ranking de viagens, essa mudança torna ainda mais difícil a missão.

Por duas vezes nesta temporada, em março e maio, o Santa Cruz se viu obrigado a fretar um voo para otimizar o tempo. Primeiro na Copa do Brasil, onde a rota Recife/Vitória da Conquista tornou-se inviável pelo modelo da CBF. Em um investimento na casa dos R$ 100 mil, a delegação foi e voltou rapidamente. Na ocasião, o time se classificou à terceira fase, ganhando uma cota de R$ 660 mil. Retorno imediato. Em maio, contra a Chape, uma situação ainda pior.

Roteiro operacional da CBF: voo Recife-Florianópolis, com escala em Brasília e conexão em São Paulo. Da capital catarinense, 552 quilômetros de ônibus até Chapecó. Total: 16 horas.

Roteiro operacional do Santa: voo Recife-Campinas, fretando um avião (da Azul, concorrente) até o Aeroporto Serafin Enoss, em Chapecó. Total: 6 horas. 

Com a logística coral na ida e na volta, foram 20 horas a mais de descanso num período com dois jogos por semana. Logo, um investimento com retorno técnico.

Voo fretado do Santa Cruz até Chapecó. Foto: Jamil Gomes/Santa Cruz

Lanterna, Sport perde do Corinthians e tem seu pior início nos pontos corridos

Série A 2016, 4ª rodada: Sport 0 x 2 Corinthians. Foto: Ricardo Fernandes/DP

Quatro jogos, um empate, três derrotas e apenas um gol. Lanterna. O início do Sport em 2016 já é o pior do clube na era dos pontos corridos da Série A, em pontos, colocação e gols marcados. Consolida a má preparação para a competição, com um futebol sem consistência desde os primeiros torneios do ano, estadual e regional. No âmbito nacional, com uma demanda técnica muito maior, o time rubro-negro vem sendo inofensivo ofensivamente.

Contra o Corinthians, fez um bom primeiro tempo, e só. No calor das 11h, gastou logo todo todo o fôlego. Teve algumas boas chances, incluindo uma bola no travessão de Edmílson – de tão contestado, acabou tendo uma estreia decente, bem acima do antecessor. O aplauso no intervalo era justo. Até ali.

2007 – 4 pontos, 7 gols (13º)
2008 – 5 pontos, 3 gols (10º)
2009 – 2 pontos, 5 gols (18º)
2012 – 5 pontos, 3 gols (11º)
2014 – 7 pontos, 5 gols (6º)
2015 – 8 pontos, 9 gols (2º)
2016 – 1 ponto, 1 gol (20º)

Na segunda etapa, o campeão brasileiro, inteiro, esperou o erro do Leão para matar o jogo. Aconteceu, com Everton Felipe cercado por três e errando o passe no meio-campo. Segundos depois Lucca já estava cabeceando sem chances para Magrão, então com duas grandes defesas. O golaço de Marquinhos Gabriel logo na sequência só consolidou o óbvio, que não haveria reação, 2 x 0.

Antes do primeiro gol vale destacar a passividade de Oswaldo de Oliveira, que podia ter dado fôlego ao time. Só mexeu em desvantagem. Cabisbaixo, o time não conseguiu mais finalizar – Diego Souza esteve bem abaixo. Por sinal, esse abatimento precoce deixa o Sport em alerta máximo. Na vez anterior em que não venceu na largada o rendimento se manteve, com a última colocação. É cedo para este paralelo? Talvez. Sem reforços, talvez seja difícil é dizer outra coisa…

Série A 2016, 4ª rodada: Sport 0 x 2 Corinthians. Foto: Ricardo Fernandes/DP

Santa Cruz empata com a Chapecoense e pontua pela quarta vez consecutiva

Série A 2016, 4ª rodada: Chapecoense 1 x 1 Santa Cruz. Foto: Giba Pace Thomaz/Chapecoense

O Santa Cruz esteve perto da vitória em Chapecó. Vencia até os 38 minutos do segundo tempo, quando Lucas Gomes empatou de cabeça. A torcida tem o direito de lamentar o resultado, mas precisa ficar consciente que, em três temporadas, fazer o resultado na Arena Condá não é uma tarefa fácil. Organizado, o time da Chapecoense usufrui bastante do seu mando de campo, essencial para a surpreendente sequência na elite nacional.

Portanto, o gosto amargo do 1 x 1 tende a passar a rápido, com o tricolor, na verdade, consolidando uma excelente arrancada, vencendo em casa e empatando fora. Apesar do cenário com o inédito confronto valendo a liderança, o objetivo seguia o mesmo a ambos: a permanência. Da partida na fria noite catarinense, também foi possível fazer outras observações. Uma delas, a eficiência no ataque, com 10 dos 11 gols do time. Finalizou pouquíssimo, apenas duas vezes na barra. Porém, num lance repetido e esperado, um cruzamento de Keno para Arthur. Jogar por uma bola? Bem trabalhada, ok.

O outro ponto vai para uma situação também evidente, mas que acabou um pouco relegada devido aos resultados obtidos: reposição. O time do Santa está encaixado, o esquema está claro, sem tanta posse reduzida, mas com muita marcação e contragolpes. Porém, a cada desgaste, Milton Mendes precisa fazer malabarismos para tentar manter a estrutura, podendo levar bastante pressão (o que ocorreu). Terminar o jogo com 5, 6 atacantes, vários deles desempenhando outras funções, pode até parecer uma saída brilhante. Talvez seja um grito por reforços, essenciais para manter a pega do time, que segue firme. Pontuando.

Série A 2016, 4ª rodada: Chapecoense 1 x 1 Santa Cruz. Foto: Giba Pace Thomaz/Chapecoense

A 4ª classificação da Segundona 2016

A classificação da Série B 2016 após 4 rodadas. Crédito: Superesportes

Duas vitórias em casa, duas derrotas fora. O Náutico goleou o Sampaio Corrêa na arena, confirmando o mando mais uma vez. Assim, voltou a subir na classificação. Até agora, o clube vive uma gangorra, natural na Série B. Para consolidar uma arrancada, só em caso de um bom resultado fora. Hoje, com seis pontos, voltou a ficar pertinho do G4, a um de distância. Na verdade, cinco clubes somam sete, um deles o Bahia, próximo adversário alvirrubro

1ª rodada – 15º (0 pt)
2ª rodada – 11º (3 pts)
3ª rodada – 15º (3 pts)
4ª rodada – 8º (6 pts)

No G4, um carioca, um goiano, um catarinense e um gaúcho.

A 5ª rodada do representante pernambucano
21/05 (19h15) – Bahia x Náutico (Fonte Nova, em Salvador)

Real Madrid, hendecacampeão da Europa

Champions League, final: Real Madrid x Atlético de Madri (gol de Sérgio Ramos). Foto: Champions League/twitter (@ChampionsLeague)

O Real Madrid é o clube mais vencedor da história do futebol. Sem discussão.

Alcançou o hendecacampeonato da Liga dos Campeões da Uefa.

1956 – Real Madrid 4 x 3 Stade Reims (campeão)
1957 – Real Madrid 2 x 0 Fiorentina (bi)
1958 – Real Madrid 3 x 2 Milan (tri)
1959 – Real Madrid 2 x 0 Stade Reims (tetra)
1960 – Real Madrid 7 x 3 Eintracht Frankfurt (penta)
1966 – Real Madrid 2 x 1 Partizan (hexa)
1998 – Real Madrid 1 x 0 Juventus (hepta)
2000 – Real Madrid 3 x 0 Valencia (octo)
2002 – Real Madrid 2 x 1 Bayer Leverkusen (enea)
2014 – Real Madrid 4 x 1 Atlético de Madri (deca)
2016 – Real Madrid (5) 1 x 1 (3) Atlético de Madri (hendeca)

Há dois anos, em Lisboa, o zagueiro Sérgio Ramos foi no terceiro andar para cabecear e empatar a final da Champions contra o Atlético, no último lance. Dois anos depois, num clássico agora em Milão, o capitão do Real foi novamente um dos nomes da conquista continental. Marcou aos quinze minutos, concluindo o desvio de Bale. Impedido, é verdade. Indicava um jogo sem drama, engano.

Champions League, final: Real Madrid x Atlético de Madri (gol de Sérgio Ramos). Foto: Champions League/twitter (@ChampionsLeague)

Armado por Simeone para compactar o jogo e tentar ser letal, o Atlético acabou retraído, mas nunca duvide desse time. Os colchoneros tiveram uma chance de ouro no primeiro minuto da etapa complementar, num pênalti mandrake, com Pepe sofrendo falta de Fernando Torres, o inverso da marcação. Griezmann acertou o travessão. O lance abateu o time. Mas na reta final, com o jogo já pendendo para o Real, com CR7 e Bale desperdiçando boas chances, Yannick Carrasco, acionado no decorrer da decisão, completou um cruzamento e empatou. Beijou a namorada, Miss Bélgica, na comemoração (isso mesmo).

Na prorrogação, um jogo com os times esgotados. Zidane já havia feito as três mudanças, com os atletas se arrastando, com câimbras. Com uma troca, Simeone deu fôlego ao time, mas não adiantou. A decisão sairia nos pênaltis, pela 11ª vez na história, inédita a ambos. Com cinco cobranças perfeitas, numa série finalizada por Cristiano Ronaldo, o Real fez 5 x 3, manteve a supremacia histórica no clássico (145 x 69) e levou a orelhuda mais uma vez ao Bernabéu.

Depois de La Décima, numa busca de doze anos, já chegou a Undecima.

Agora começa a saga incessante pelo 12º título. Ou “duodecampeonato”…

Champions League, final: Real Madrid x Atlético de Madri (gol de Sérgio Ramos). Foto: Champions League/twitter (@ChampionsLeague)

As maiores invencibilidades do futebol pernambucano, brasileiro e mundial

Time do ASEC Abidjan em 1990, durante a histórica sequência invicta de 108 jogos na Costa do Marfim. Foto: Asec/site oficial (www.asec.ci)

Entre 1989 e 1994, o aurinegro ASEC Abidjan estabeleceu uma sequência sem precedentes no futebol, com uma invencibilidade de 108 partidas no campeonato nacional da Costa do Marfim. Foram 96 vitórias (uma delas por 11 x 0) e 12 empates, ganhando quatro vezes a competição no período. A marca só seria quebrada em 19 de junho de 1994, num revés diante do Armée, por 2 x 1, na capital Yamoussoukro. A marca passou à margem do mundo, com os olhos voltados para a Copa do Mundo nos EUA, que naquele mesmo dia viu o empate entre Suécia e Camarões, no Rose Bowl. No país africano, não. Lá, a turma acompanhou o Les Mimosas, até porque o clube tem um domínio absoluto da torcida, com 8 milhões de torcedores entre os 20 milhões de habitantes (40%). 

Já tinha ouvido falar deste recorde? Talvez bata a dúvida devido à presença do Steaua, com 106 partidas, com uma cobertura mais efetiva, e compartilhada, devido ao CEP na Europa. Com mais de 150 anos de bola rolando, detalhar as maiores invencibilidades não é uma tarefa fácil. Por causa do desencontro de informações, pela pluralidade de critérios, pelo alcance mundial do esporte, com sequências em lugares remotos. Portanto, as listas abaixo (separadas entre campeonatos nacionais, jogos oficiais e absoluta, incluindo amistosos) não são definitivas, mas apenas uma tentativa de aproximar a realidade sobre as maiores sequências sem derrota dos clubes.

Para elaborar o ranking, o blog fez um apanhado do site RSSSF, de onde se faz presente o recorde do ASEC, dos jornalistas Celso Unzelte/ESPN, Fernando Olivieri/Yahoo e Rodolfo Rodrigues/Uol, do site oficial da Uefa, além de pesquisa pessoal, cruzando dados. O levantamento desconsiderou marcas ainda em análise. O Santos, por exemplo, busca o reconhecimento de uma sequência de 1960 a 1963, que somaria 54 jogos. Seria o recorde nacional. 

Listas atualizadas até 28/05/2016

As maiores invencibilidades, considerando apenas campeonatos nacionais
1º) ASEC Abidjan (Costa do Marfim) – 108 partidas (1989/1994)
2º) Steaua Bucareste (Romênia) – 106 partidas (1986/1989)
3º) Lincoln (Gibraltar) – 88 partidas (2009/2014)
4º) Espérance (Tunísia) – 85 partidas (1997/2001)
5º) Al-Ahly (Egito) – 71 partidas (2004/2007)
6º) Sheriff Tiraspol (Moldávia) – 63 partidas (2006/2008)
6º) Mazembe (Congo) – 63 partidas (2008/2012
8º) Celtic (Escócia) – 62 partidas (1915/1917)
9º) Levadia Tallin (Estônia) – 61 partidas (2008/2009)
10º) Union Saint-Gillose (Bélgica) – 60 partidas (1933/1935)
11º) Boca Juniors (Argentina) – 59 partidas (1924/1927)
11º) Shirak (Armênia) – 59 partidas (1993/1995)
11º) Pyunik (Armênia) – 59 partidas (2002/2004)
11º) Sunrise Flacq (Ilhas Maurício) – 59 partidas (1993/1997)
15º) Olympiacos (Grécia) – 58 partidas (1972/1974)
15º) Milan (Itália) – 58 partidas (1991/1993)
15º) Skonto (Letônia) – 58 partidas (1993/1996)
18º) Al-Hilal (Sudão) – 57 partidas (2011/2013)
19º) Benfica (Portugal) – 56 partidas (1976/1978)
20º) Shakhtar Bonetesk (Ucrânica) – 55 partidas (2000/2002)
20º) Porto (Portugal) – 55 partidas (2010/2012)

Saindo da fronteira, o recordista ASEC perdeu algumas pelejas na Liga dos Campeões da África, como nas oitavas em 1991, e nas semifinais em 1992 e 1993. Idem com os romenos do Steaua, que conseguiram ficar invictos de fato, no período, por no máximo 29 jogos, ao somar os jogos da Champions.

As maiores invencibilidades entre as maiores ligas*, com todos os torneios
1º) Juventus (Itália) – 43 partidas (2011/2012)
2º) Milan (Itália) – 42 partidas (1992/1993)
3º) Nottingham Forest (Inglaterra) – 40 partidas (1978)
4º) Barcelona (Espanha) – 39 partidas (2015/2016)
5º) Milan (Itália) – 36 partidas (1991/1992)
6º) Real Madrid (Espanha) – 34 partidas (1988/1999)
7º) Manchester United (Inglaterra) – 33 partidas (1998/1999)
8º) Arsenal (Inglaterra) – 28 partidas (2007)

O Top 5 da Europa, em nível técnico e investimento, é formado por Alemanha, Espanha, França, Inglaterra e Itália. Nesta conta “geral”, entram a liga nacional, copa nacional, supercopa nacional, Liga dos Campeões da Uefa, Liga Europa, Supercopa da Europa e Mundial/Intercontinental.

As maiores invencibilidades do Brasil, somando todos os jogos
1º) Botafogo – 52 partidas (21/09/1977 a 20/07/1978)
1º) Flamengo – 52 partidas (22/10/1978 a 27/05/1979)
3º) Desportiva – 51 partidas (1967/1968)
4º) Santa Cruz – 48 partidas (1978/1979)
4º) Bahia – 48 partidas (1982)
4º) Grêmio – 48 partidas (1931/1933)
7º) São Paulo – 46 partidas (1975)
8º) Grêmio – 42 partidas (1981)
9º) Sport – 40 partidas (1960)
10º) Internacional – 39 partidas (1984)
11º) Internacional – 38 partidas (1975)
11º) Botafogo – 38 partidas (1960/1961)

Renato Sá é um personagem marcante nas marcas brasileiras. Coube ao ponta-esquerda por fim nas duas maiores sequências, de Botafogo e Flamengo. Em 1978, defendendo o Grêmio, ajudou na goleada por 3 x 0, brecando o alvinegro, então com 52 jogos. Acabou se transferindo para a própria estrela solitária, onde marcou o gol da vitória no clássico contra o Fla, que teve na partida a chance de superar a marca. Um jogo diante de 139.098 torcedores no Maracanã.

As maiores invencibilidades da Série A do Brasileiro
1º) Botafogo – 42 partidas (16/10/1977 a 16/07/1978)
2º) Santa Cruz – 35 partidas (7/12/1977 a 23/07/1978)
3º) Palmeiras – 26 partidas (13/12/1972 a 18/11/1973)
4º) Internacional – 23 partidas (06/08/1978 a 23/12/1979)
5º) Atlético-MG – 22 partidas (16/10/1977 a 29/03/1978)
6º) Cruzeiro – 21 partidas (20/09/1987 a 25/09/1988)
7º) Grêmio – 19 partidas (04/06/1978 a 03/10/1979)
7º) Corinthians – 19 partidas (17/10/2010 a 20/07/2011)
9º) América-MG – 18 partidas (20/10/1973 a 20/1/1974)
9º) Bangu – 18 partidas (24/03/1985 a 31/07/1985)
9º) Atlético-PR – 18 partidas (28/07/2004 a 17/10/2004)
9º) São Paulo – 18 partidas (20/08/2008 a 07/12/2008)
9º) Sport – 18 partidas (02/11/2014 a 05/07/2015)

Considerando a marca dentro de uma mesma edição, a maior pertence ao Santa Cruz, com 27 dos 35 jogos realizados em 1978, quando acabou em 5º lugar, sofrendo a primeira derrota apenas nas quartas de final, para o Inter.

As maiores invencibilidades no Campeonato Pernambucano
1º) Sport – 49 partidas (1997/1999)
2º) Sport – 48 partidas (2008/2010)
3º) Náutico – 42 partidas (1974/1975)
4º) Náutico – 36 partidas (1963/1965)
5º) Náutico – 35 partidas (1966/1968)
5º) Santa Cruz – 35 partidas (1973)
7º) Tramways – 29 partidas (1936/1937)
8º) Santa Cruz – 24 partidas (1932/1933)
8º) Santa Cruz – 24 partidas (1978/1979)

Todas séries locais foram marcadas por períodos de títulos. O único ano sem taça foi em 1975, com o Náutico, que no fim perderia a decisão para o Sport.

Náutico aplica 5 x 0 no Sampaio Corrêa e agora busca o equilíbrio fora da Arena

Série B 2016, 4ª rodada: Náutico 5 x 0 Sampaio Corrêa. Foto: Rafael Martins/Esp. DP

Foi a maior goleada do Brasileiro, implacável do começo ao fim. Na arena, que especificamente nesta noite merecia um público bem melhor, o Náutico fez 5 x 0 no Sampaio Corrêa e manteve o ritmo, perdendo fora e vencendo em casa. A inhaca como visitante, ainda zerado, destoa completamente deste início de Série B nos jogos como mandante, com oito gols. Encontrar o equilíbrio é o objetivo, válido a qualquer um em busca de algo mais na competição, claro.

Na goleada sobre o time maranhense, que chegou ao Recife como lanterna e sai ainda mais, Rony foi o destaque. Marcou um gol, deu uma assistência, ajudando Rafael Coelho a desencantar, sofreu um pênalti, convertido por Bergson, em seu primeiro tento após 100 dias de recuperação, e ainda cruzou no lance que o goleiro se atrapalhou, no gol de Jefferson Nem. Ou seja, participou diretamente de quatro gols. O próprio jogador classificou a atuação como sua melhor.

Uma surpresa e tanto para os 1.546 alvirrubros, querendo acreditar no potencial do time, cuja obrigação, histórica, é de brigar pelo G4. Voltou a se aproximar do pelotão. Para entrar, precisa se impor fora de casa também. Na próxima terça, numa rodada cheia, o time pernambucano vai à Fonte Nova enfrentar o Bahia, um dos favoritos ao acesso. Que a atmosfera de “arena” inspire o ataque a manter a pegada longe de São Lourenço. O crescimento depende disso.

Série B 2016, 4ª rodada: Náutico 5 x 0 Sampaio Corrêa. Foto: Rafael Martins/Esp. DP

Pelos direitos da mulher, o necessário engajamento dos clubes de futebol

Uma jovem de 16 anos foi estuprada por 33 homens, no Rio de Janeiro, em um caso que chocou o país, levantando, mais uma vez, a importante bandeira sobre os direitos da mulher, implicando na luta contra a cultura do estupro. Chegou ao futebol, onde o machismo se faz presente há tempos. Alguns clubes se engajaram na campanha, conscientes do alcance, incluindo Sport e Santa, que criaram mensagens para as suas redes sociais, à parte do Instituto Tolerância. 

Post atualizado em 28/05/2016.

Sport

Santa Cruz

Náutico


Grêmio

Internacional

Botafogo

O descabido artigo 15 do regulamento da Série A, quase ignorado pelos clubes

Regulamento sobre o preço dos ingressos na Série A de 2016. Crédito: CBF

Dos vinte clubes inscritos no Brasileirão de 2016, apenas seis respeitaram, em suas respectivas estreias como mandantes, ao artigo 15 do regulamento da competição, que estipula um preço mínimo para o ingresso, de R$ 40 para a inteira e R$ 20 para a meia. Seja por promoções ou descontos para sócios, os demais times baratearam os valores de alguma forma. Desconsiderando os programas de acesso livre (que o texto não especifica como deve agir), o ingresso mais barato custou R$ 7,50, do plano de sócios “Sou Mais Vitória”. Ao todo, 6.003 bilhetes foram vendidos no primeiro jogo do leão baiano no Barradão.

Em Salvador, o borderô apontou 12.417 espectadores. Em Porto Alegre, Grêmio e Inter atenderam à norma, com dados semelhantes, 12.092 torcedores no Beira-Rio e 15.976 na Arena. Na visão do blog, essa norma da CBF é descabida, ignorando realidades econômicas distintas, além de tirar do mandante a decisão de avaliar situações de jogo. Deveria haver, sim, um preço mínimo para o visitante, para evitar abuso, com preços distorcidos em setores equivalentes.

Entretanto, como o regulamento não detalha a consequência, os clubes vêm driblando a situação. Não por acaso, a regra foi criada em 2015, com inúmeras promoções na ocasião. Inclusive do Sport, que após a estreia nesta temporada com apenas seis mil espectadores, bancando os valores mínimos, consultou a confederação e realizou uma venda promocional na segunda partida na Ilha do Retiro, contra o Corinthians. Com o alinhamento, a tendência deve se manter, até que ocorra algum posicionamento definitivo da entidade. Abaixo, a situação de cada clube, segundo o borderô publicado no site da CBF e os sites oficias dos clubes (São Paulo e Colorado). Entre os pernambucanos, o blog analisou a venda de ingressos dos dois primeiros jogos de cada um.

Obs. No caso de ingressos de sócio de acesso livre, os clubes lançam valores na renda bruta, para efeitos de descontos de INSS, ISS e do IRRF.

5 times respeitaram a norma plenamente
9  times atenderam parcialmente a norma (com público geral ou sócios)
6 times não atenderam à norma

Situação dos clubes pernambucanos:
Sport
2ª rodada (situação: ok)
Público geral – R$ 40 (meia a R$ 20)
Sócio – R$ 20

4ª rodada (situação: não atendeu)
Público geral – R$ 15 (geral, antecipado)
Sócio – R$ 10 (antecipado)

Santa Cruz
1ª rodada (situação: não atendeu)
Público geral – R$ 15 (anel superior)
Sócio – R$ 15

3ª rodada (situação: apenas para o sócio)
Público geral – R$ 15 (anel superior)
Sócio – R$ 20

Demais clubes…

Situação ok:
Botafogo (situação: ok)
Público geral – R$ 60 (meia a R$ 30)
Sócio – R$ 30

Santos (situação: ok)
Público geral – R$ 40 (meia a R$ 20)
Sócio – R$ 20

Internacional (situação: ok)
Público geral – R$ 60 (meia a R$ 30)
Sócio – R$ 20 (antecipado)

Grêmio (situação: ok)
Público geral – R$ 50 (meia a R$ 25)
Sócio – R$ 20

Coritiba (situação: ok)
Público geral – R$70 (meia a R$ 20)
Sócio – R$ 20

Atenderam apenas de forma parcial:
Corinthians (situação: apenas público geral)
Público geral – R$ 50 (meia a R$ 25)
Sócio – embutido na mensalidade

Palmeiras (situação: apenas público geral)
Público geral – R$ 80 (meia a R$ 40)
Sócio – embutido na mensalidade

Ponte Preta (situação: apenas público geral)
Público geral – R$ 40 (meia a R$ 20)
Sócio – R$ 10

Cruzeiro (situação: apenas público geral)
Público geral – R$ 40 (meia a R$ 20)
Sócio – embutido na mensalidade

América-MG (situação: apenas público geral)
Público geral – R$ 80 (meia a R$ 40)
Sócio – embutido na mensalidade

Atlético-PR (situação: apenas público geral)
Público geral – R$ 100 (meia a R$ 50)
Sócio – R$ 10

Vitória (situação: apenas público geral)
Público geral – R$ 100 (meia a R$ 50)
Sócio – R$ 7,5

Figueirense (situação: apenas público geral)
Público geral – R$ 40 (meia a R$ 20)
Sócio – R$ 10

Chapecoense (situação: apenas público geral)
Público geral – R$ 60 (meia a R$ 30)
Sócios – R$ 10

Não atenderam ao artigo:
Flamengo (situação: não atendeu)
Promocional – R$ 10 (antecipado)
Sócio – R$ 10 (meia)

Fluminense (situação: não atendeu)
Público geral – R$ 20 (promocional)
Sócio – não divulgado

São Paulo (situação: não atendeu)
Público geral – R$ 20 (meia a R$ 10)
Sócio – R$ 10

Atlético-MG (situação: não atendeu)
Público geral – R$ 30 (meia a R$ 15)
Sócio – embutido na mensalidade