Com três clubes em 2018, Pernambuco tem a sua menor representatividade na Copa São Paulo de Juniores em 5 anos

A Copa São Paulo de Futebol Júnior de 2018. Crédito: FPF

Após duas edições seguidas emplacando cinco clubes, o futebol pernambucano vai bem desfalcado para a 49ª edição da Copa São Paulo de Juniores. Serão apenas três times, o menor número desde 2013, sendo o Santa a principal ausência. Imerso numa crise financeira, o tricolor não teve condições de bancar o time, o que não acontecia desde 2012. Presente em dose dupla no torneio anterior, Caruaru também sai de cena pelos mesmos motivos. Por outro lado, quem reaparece é o América, vice no Estadual Sub 20. Já Sport e Náutico se mantêm na disputa, fazendo valer os respectivos centros de treinamento e os nomes revelados na copinha, como o rubro-negro Joelinton (R$ 5,4 mi) e o alvirrubro Erick (R$ 2,8 mi), negociados à Europa.

Em 2018, o América começa na cidade de José Bonifácio, no grupo 3, encarando o homônimo time da casa, o Figueirense e o Mirassol. Em Penápolis, no 7, o Náutico pega Penapolense, Linense e Desportiva Paraense. Já no 18, em São Carlos, o Sport enfrenta o dono da casa, o Confiança e o São Raimundo de Roraima. Nesta edição, classificam-se ao mata-mata os dois primeiros colocados de cada chave. Isso se deve à nova ampliação na Copa SP, agora com 128 times. Agendado de 2 a 25 de janeiro, o torneio tem 32 grupos espalhados em 31 cidades. Depois, são seis fases eliminatórias seguidas, encerrando na capital no estádio do Pacaembu.

Desde 2001 foram 46 participações locais e em apenas 11 os representantes avançaram à fase eliminatória, chegando no máximo às quartas, uma vez. Por sinal, este é o melhor resultado geral, em 1992 (Santa), 1997 (Sport) e 2016 (Sport). No Nordeste, o ponto mais alto foi o vice do Bahia, em 2011.

Campanhas pernambucanas no século XXI
2001 – Santa Cruz (oitavas de final); Sport e Náutico (1ª fase)
2002 – Santa Cruz (1ª fase)
2003 – Santa Cruz (oitavas); Náutico (1ª fase)
2004 – Náutico e Santa Cruz (1ª fase)
2005 – Santa Cruz, Sport e Porto (1ª fase)
2006 – Porto e Santa Cruz (1ª fase)
2007 – Porto (oitavas)
2008 – Porto e Ypiranga (1ª fase)
2009 – Porto e Ypiranga (1ª fase)
2010 – Porto e Atlético Pernambucano (1ª fase)
2011 – Porto e Vitória (1ª fase)
2012 – Sport, Porto e Vitória (1ª fase)
2013 – Náutico e Santa Cruz (16 avos de final), Sport (1ª fase)
2014 – Sport (16 avos); Náutico, Porto e Santa (1ª fase)
2015 – Sport (16 avos); Náutico, Porto e Santa (1ª fase)
2016 – Sport (quartas de final); América, Náutico, Porto e Santa (1ª fase)
2017 – Náutico e Sport (16 avos); Santa (32 avos); Central e Porto (1ª fase)

Participações locais (1969-2018)
22 – Santa Cruz (primeira em 1981)
16 – Sport (1974)
12 – Porto (2005)
12 – Náutico (1990)
2 – Ypiranga (2008)
2 – Vitória (2011)
2 – América (2016)
1 – Atlético (2010)
1 – Central (2017)

Principais revelações pernambucanas na Copinha (na visão do blog)
2011 – Diogo (atacante), 2 gols pelo Porto
2012 – Érico Júnior (atacante), 4 gols pelo Vitória
2013 – Ruan (atacante), 5 gols pelo Sport
2014 – Joelinton (atacante), 3 gols pelo Sport
2015 – Raniel (meia), 1 gol pelo Santa Cruz
2016 – Adryelson (zagueiro), capitão do Sport
2017 – Erick (atacante), 4 gols pelo Náutico 

Confira a lista de atletas da Copinha 2017 aproveitados nos times locais aqui.

Os grupos dos clubes pernambucanos na Copa São Paulo de juniores de 2018. Crédito: FPF/reprodução

A tabela do Pernambucano de 2018, com 34 partidas na TV (aberta, PPV e internet)

Campeonato Pernambucano de 2018: Afogados, América e Belo Jardim; Central, Flamengo, Náutico e Pesqueira; Salgueiro, Santa Cruz, Sport e Vitória

O Campeonato Pernambucano de 2018 terá uma fórmula diferente em relação às últimas quatro edições, com hexagonais. Agora, volta o modelo com turno único, mas com onze times, no início de uma redução gradativa no número de participantes. São onze rodadas na primeira fase, com cada clube folgando uma vez. Avançam os oito melhores colocados, iniciando o mata-mata a partir das quartas final, uma etapa inédita na história da competição.

Em relação à tabela detalhada pela FPF, é possível mensurar datas, horários e a grade de transmissão na televisão. Além das exibições na Globo e no Premiere, atendendo à última temporada do contrato de quatro anos, haverá transmissões via streaming, numa parceria da federação com o site mycujoo, que já vem exibindo jogos de categorias menores da entidade.

Ao todo, 34 partidas estão com algum tipo de transmissão agendada, o que corresponde a 61% dos 55 jogos da primeira fase – considerando apenas o sinal aberto, serão 11. Com o Sport fora do Nordestão, após desistência do próprio clube, a Globo priorizou o rubro-negro na fase classificatória, com nada menos que sete jogos. E as outras três apresentações do leão serão transmitidas via pay-per-view. Ou seja, nenhum jogo via FPF – ao contrário de Santa e Náutico, que, por outro lado, também terão jogos na copa regional.

Já sobre a fase eliminatória, a entidade só divulgou a tabela básica, com o dia 11 de março para as quartas de final, 18 e 25 de março nas semifinais, sendo uma data para cada chave, e 1 e 8 de abril na decisão, aí sim em ida e volta.

1ª rodada
17/01 (20h00) – Afogados x Central (Vianão)
17/01 (20h00) – Pesqueira x Belo Jardim (Joaquim de Brito) – FPF/internet
17/01 (21h30) – Flamengo x Sport (Áureo Bradley) – Globo
18/01 (20h00) – Santa Cruz x Vitória (Arruda) – Premiere
19/01 (20h00) – Náutico x América (Arena PE) – Premiere
Folga: Salgueiro

2ª rodada
20/01 (18h30) – Sport x Afogados (Ilha do Retiro) – Premiere
21/01 (16h00) – América x Santa Cruz (Ademir Cunha) – Globo
21/01 (16h00) – Central x Náutico (Lacerdão) – FPF/internet
21/01 (16h00) – Vitória x Salgueiro (a definir)
21/01 (16h00) – Belo Jardim x Flamengo (Mendonção)
Folga: Pesqueira

3ª rodada
24/01 (20h00) – Pesqueira x Vitória (Joaquim de Brito)
24/01 (20h00) – Salgueiro x América (Cornélio de Barros)
24/01 (20h00) – Afogados x Belo Jardim (Vianão) – FPF/internet
24/01 (21h30) – Náutico x Sport (Arena PE) – Globo
25/01 (20h00) – Santa Cruz x Central (Arruda) – Premiere
Folga: Flamengo

4ª rodada
28/01 (16h00) – Vitória x Náutico (a definir) – Globo
28/01 (16h00) – América x Afogados (Ademir Cunha) – FPF/internet
28/01 (16h00) – Central x Flamengo (Lacerdão)
28/01 (16h00) – Sport x Pesqueira (Ilha do Retiro) – Premiere
28/01 (16h00) – Belo Jardim x Salgueiro (Mendonção)
Folga: Santa Cruz

5ª rodada
03/02 (20h00) – Pesqueira x Náutico (Joaquim de Brito) – Premiere
03/02 (20h00) – Salgueiro x Santa Cruz (Cornélio de Barros)
04/02 (16h00) – Vitória x América (a definir)
04/02 (16h00) – Central x Sport (Lacerdão) – Globo
04/02 (16h00) – Flamengo x Afogados (Áureo Bradley) – FPF/internet
Folga: Belo Jardim

6ª rodada
06/02 (20h00) – Náutico x Salgueiro (Arena PE) – Premiere
07/02 (20h00) – Belo Jardim x Vitória (Mendonção)
07/02 (20h00) – Flamengo x Pesqueira (Áureo Bradley)
07/02 (20h00) – América x Central (Ademir Cunha) – FPF/internet
07/02 (21h30) – Afogados x Santa Cruz (Vianão) – Globo
Folga: Sport

7ª rodada
17/02 (18h30) – Santa Cruz x Náutico (Arruda) – Premiere
18/02 (16h00) – Central x Belo Jardim (Lacerdão) – FPF/internet
18/02 (16h00) – Salgueiro x Flamengo (Cornélio de Barros)
18/02 (16h00) – Afogados x Pesqueira (Vianão)
18/02 (16h00) – Sport x América (Ilha do Retiro) – Globo
Folga: Vitória

8ª rodada
20/02 (20h00) – Náutico x Afogados (Arena PE) – Premiere
21/02 (20h00) – Vitória x Central (a definir)
21/02 (20h00) – Flamengo x Santa Cruz (Áureo Bradley) – FPF/internet
21/02 (20h00) – Pesqueira x Salgueiro (Joaquim de Brito)
21/02 (21h45) – Belo Jardim x Sport (Mendonção) – Globo
Folga: América

9ª rodada
24/02 (18h30) – Sport x Vitória (Ilha do Retiro) – Premiere
25/02 (16h00) – América x Belo Jardim (Ademir Cunha) – FPF/internet
25/02 (16h00) – Salgueiro x Afogados (Cornélio de Barros)
25/02 (16h00) – Santa Cruz x Pesqueira (Arruda) – Globo
26/02 (20h00) – Náutico x Flamengo (Arena PE) – Premiere
Folga: Central

10ª rodada
04/03 (16h00) – Afogados x Vitória (Vianão)
04/03 (16h00) – Flamengo x América (Áureo Bradley)
04/03 (16h00) – Pesqueira x Central (Joaquim de Brito) – FPF/internet
04/03 (16h00) – Salgueiro x Sport (Cornélio de Barros) – Globo
04/03 (16h00) – Santa Cruz x Belo Jardim (Arruda)
Folga: Náutico

11ª rodada
07/03 (20h00) – Vitória x Flamengo (a definir)
07/03 (20h00) – América x Pesqueira (Ademir Cunha) – FPF/internet
07/03 (20h00) – Central x Salgueiro (Lacerdão)
07/03 (20h00) – Belo Jardim x Náutico (Mendonção) – Premiere
07/03 (21h45) – Sport x Santa Cruz (Ilha do Retiro) – Globo
Folga: Afogados

Nº de jogos transmitidos na Globo (11)
7 – Sport
4 – Santa Cruz
2 – América e Náutico
1 – Afogados, Belo Jardim, Central, Flamengo, Pesqueira, Salgueiro e Vitória

Nº de jogos transmitidos no Premiere (12)
7 – Náutico
3 – Santa Cruz e Sport
2 – Afogados, Pesqueira e Vitória
1 – América, Belo Jardim, Central, Flamengo e Salgueiro

Nº de jogos transmitidos pela FPF/internet (11)
4 – América, Belo Jardim e Central
3 – Afogados e Pesqueira
2 – Flamengo
1 – Náutico e Santa Cruz

Total de jogos transmitidos via Globo + Premiere + FPF/internet (34)
10 – Náutico e Sport
8 – Santa Cruz
7 – América
6 – Afogados, Belo Jardim, Central e Pesqueira
4 – Flamengo
3 – Vitória
2 – Salgueiro

Penalty produz a bola do Campeonato Pernambucano pelo 11º ano seguido

A bola oficial do Campeonato Pernambucano de 2018. Foto: FPF/divulgação

A Penalty irá produzir a bola oficial do Campeonato Pernambucano pelo 11º ano consecutivo. Após substituir a Dray, fornecedora em 2007, a fabricante firmou um duradouro acordo com a federação. Inicialmente, apresentou a sua bola mais tradicional no mercado, com oito gomos. No futebol local, esse modelo foi utilizado durante nove edições. A mudança aconteceu em 2017, com a pelota de onze gomos, o mesmo modelo para o Estadual de 2018. Ou seja, trata-se de uma atualização da S11 Campo Pró, com gomos em formatos distintos e, desta vez, o rosa como cor dominante (e novidade).

Versões da bola oficial do Campeonato Pernambucano, via Penalty
2008 – Bola 8 (15 estaduais)
2009 – Bola 8 (14 estaduais)
2010 – Bola 8 (15 estaduais)
2011 – Bola 8 (15 estaduais)
2012 – S11 Campo Pró (11 estaduais)
2013 – S11 Campo Pró (11 estaduais)
2014 – S11 Campo Pró (11 estaduais)
2015 – S11 Campo Pró (16 estaduais)
2016 – Bola 8 (11 estaduais)
2017 – S11 Campo Pró (10 estaduais)
2018 – S11 Campo Pró (nº de competições a definir)

A nova bola será utilizada em outros campeonatos estaduais, com a empresa negociando os direitos com cada federação. No torneio promovido pela FPF, o modelo rosa vai a campo em 61 partidas. Como ocorre desde 2013, a decisão deve contar com uma bola exclusiva, no caso os jogos 62 e 63.

As bolas anteriores do Estadual: 20112012201320142015, 2016 e 2017.

Com 11 clubes, Pernambucano de 2018 terá turno único, quartas, semi e final

FPF

O conselho arbitral na FPF, envolvendo os clubes e a direção da entidade, resultou numa mudança drástica para o Campeonato Pernambucano em 2018. De fato, era preciso fazer algo após três torneios desinteressantes, tendo como expoente a esvaziada (e problemática) edição de 2017, com média de 2.402 pessoasPelo acordo, nada de fase classificatória sem o Trio de Ferro, que só vinha entrando no hexagonal. Agora, todos os clubes voltam a se enfrentar, o que não acontecia desde 2013 – a ideia é, também, que os grandes do futebol local voltem a atuar no interior, o que quase não vinha ocorrendo devido à regra diferenciada sobre o tipo de gramado para “clubes das Séries A e B”. Tem mais. Agora, serão três fases de mata-mata.

Para isso, segundo a federação, valeu em parte o relatório Voz do Torcedor, que colheu a opinião de 4.040 torcedores, com o mata-mata à frente dos pontos corridos (52,87% x 47,13%). Considerando o formato dos jogos eliminatórios, a ordem foi a seguinte: semi+final 51%, quartas+semi+final 43% e apenas final 5%. Apesar deste segundo indicativo, os clubes optaram por implantar as quartas de final. No mata-mata, uma maior exigência estrutural só virá a partir da semifinal, com estádios com ao menos 10 mil lugares.

Lembrando que o Estadual não terá doze participantes após dez anos. Iniciando um processo de redução – caindo dois e subindo apenas um -, o campeonato terá onze times em 2018, cuja regra será novamente aplicada, chegando a dez em 2019. Vamos aos detalhes do novo regulamento…

Obs. A proposta 2 foi aprovada com 44 x 31 em pontos qualitativos. Os grandes clubes optaram pela proposta 1, sem quartas, mas foram derrotados.

Proposta para o Campeonato Pernambucano de 2018 

Nº de participantes: 11 clubes
Os dez melhores de 2017 (Sport, Salgueiro, Santa Cruz, Náutico, Belo Jardim, Central, Flamengo de Arcoverde, Afogados, América e Vitória) e o campeão da Série A2 (em disputa) 

1ª fase: turno único
Todos os clubes se enfrentam em jogos de ida, se classificando os oito melhores colocados. Os dois últimos serão rebaixados. A etapa prevê 55 partidas ao longo de onze rodadas, com cada clube jogando dez vezes (cinco como mandante e cinco como visitante) e folgando em uma rodada.

2ª fase: quartas de final
Pela primeira vez o Estadual conta com esta disputa. Devido ao calendário enxuto, a definição ocorre em jogos únicos, com mando de campo para quatro melhores colocados (1 x 8, 2 x 7, 3 x 6 e 4 x 5). Persistindo o empate, pênaltis.

3ª fase: semifinal
Esta fase foi implantada em 2010, mudando apenas o critério de desempate desde então (melhor campanha, saldo de gols, gol qualificado etc). Desta vez, definição apenas no jogo de “ida”, nos mesmos moldes das quartas. 

4ª fase – final
Enfim, um mata-mata em ida e volta. Em relação ao desempate, após a igualdade da pontuação na fase, adotou-se o saldo. Seguindo o empate, pênaltis. Ao todo, o campeão pernambucano entra em campo 14 vezes. Lembrando que, com o novo formato do Nordestão, apenas o campeão estadual vai ao regional – no caso, à edição de 2019. As outras duas são designadas aos times locais mais bem colocados no Ranking da CBF.

Total de jogos: 63, ou 32 a menos em relação a 2017.

O conselho arbitral do Pernambucano 2018. Foto: FPF/twitter

A voz do torcedor sobre o Pernambucano de 2018: pontos corridos ou mata-mata?

Site "A Voz do Torcedor", sobre sugestões para o Pernambucano 2018. Crédito: FPF/reprodução

O torcedor pernambucano poderá sugerir o formato do campeonato estadual de 2018. O blog já havia antecipado a possibilidade, confirmada com o lançamento do site especial vozdotorcedor.com.br.

“A FPF abre um canal exclusivo para dar voz ao torcedor. Uma janela virtual para que o torcedor, de forma livre e democrática, contribua com a sua opinião para um Campeonato Pernambucano forte. É possível participar desde a indicação de uma fórmula para o campeonato até a opinião de quais pontos são fundamentais para que o torcedor esteja motivado a comparecer aos jogos no estádio. As sugestões serão apresentadas ao Conselho Arbitral.”

As respostas podem ser enviadas até 20 de agosto. Após o cadastro com idade, gênero e clube do coração, o torcedor responde imediatamente sobre a melhor fórmula: pontos corridos ou mata-mata. Pois é. Em tese, o campeonato pode deixar de ter uma final garantida após oito edições consecutivas.

Há um mês, a FPF anunciou que o Estadual de 2018 teria 11 times, subindo só um da segundona. Segundo o novo site, as 12 equipes seriam mantidas.

Nos pontos corridos, com 11 rodadas (supostamente), leva quem somar mais pontos. Entre 2004 e 2010, a competição ocorreu de forma parecida, com pontos corridos nos turnos. Porém, em caso de igualdade o regulamento previa jogos extras. Pelo novo questionário, o desempate seguiria o formato tradicional (vitórias, saldo, gols marcados, confronto direto e sorteio).

Caso o torcedor opte pelo mata-mata, é preciso responder duas perguntas.

Quantos grupos na primeira fase?
1 (12 times)
2 (6 times)
3 (4 times)
4 (3 times) 

Quantos jogos de mata-mata?
Quartas de final, semifinal e final
Semifinal e final (formato em vigor desde 2010)
Apenas final

O projeto foi apresentado na sede da FPF durante a primeira reunião para a formatação do torneio, com a presença de dirigentes e de jornalistas. Qual seria a sua sugestão para o Campeonato Pernambucano de 2018? Comente.

Abaixo, à parte do questionário da FPF, uma enquete sobre o formato…

Qual a sua fórmula ideal para o Campeonato Pernambucano de 2018?

  • Mata-mata (50%, 522 Votes)
  • Pontos corridos (50%, 518 Votes)

Total Voters: 1.040

Loading ... Loading ...

Reunião na sede da FPF para debater o formato do Pernambucano 2018. Foto: FPF/twitter (@fpfpe)

Classificação da Série B 2017 – 9ª rodada

A classificação da 9ª rodada da Série B de 2017. Crédito: Superesportes

Terça-feira cheia na Série B com duas derrotas pernambucanas. Numa rodada em que apenas um mandante venceu, pior para o Santa Cruz, derrotado pelo América Mineiro em Belo Horizonte. Com isso, o tricolor saiu do G4, caindo do 4º para o 7º lugar. Na Arena Pernambuco, numa partida de muitos erros, o Náutico perdeu do Goiás, chegando a sete derrotas na competição. Na lanterna, o timbu já está seis pontos atrás do penúltimo, o Figueirense, num situação já difícil de reverter. Nesta 9ª rodada caiu o último invicto. Jogando em casa, o líder Juventude perdeu o clássico do interior gaúcho para o Brasil de Pelotas, que subiu na tabela.

Resultados da 9ª rodada
Juventude 1 x 2 Brasil
América 1 x 0 Santa Cruz
Náutico 2 x 3 Goiás
ABC 1 x 3 CRB
Figueirense 2 x 3 Luverdense
Londrina 0 x 1 Criciúma
Paysandu 0 x 0 Boa
Internacional 0 x 0 Paraná
Guarani 0 x 0 Oeste
Vila Nova 1 x 1 Ceará 

Balanço da 9ª rodada
1V dos mandantes (8 GP), 4E e 5V dos visitantes (13 GP) 

Agenda da 10ª rodada
23/06 (19h15) – CRB x Paysandu (Rei Pelé)
23/06 (20h30) – Boa x ABC (Dilzon Melo)
23/06 (21h30) – Criciúma x Paraná (Heriberto Hülse)
23/06 (21h30) – Luverdense x América (Passo das Emas)
24/06 (16h30) – Brasil x Internacional (Bento FreitaS)
24/06 (16h30) – Goiás x Vila Nova (Serra Dourada)
24/06 (16h30) – Londrina x Juventude (Estádio do Café)
24/06 (16h30) – Ceará x Oeste (Presidente Vargas)
24/06 (16h30) – Santa Cruz x Figueirense (Arena Pernambuco)
24/06 (19h00) – Guarani x Náutico (Brinco de Ouro)

Campeonato Pernambucano terá redução de clubes em 2018 e 2019. Talvez em 2020

FPF

Em 2007, a segunda divisão pernambucana foi vencida pelo Salgueiro, numa final contra o Sete de Setembro, no Gigante do Agreste. Entretanto, o torneio acabou na justiça, com Petrolina e Centro Limoeirense, eliminados na semi, pleiteando as duas vagas. O presidente da FPF na época, Carlos Alberto Oliveira, tomou uma decisão sui generis. O dirigente promoveu o acesso dos quatro clubes, inchando a primeira divisão, que a partir de 2008 teria 12 clubes, apertando como nunca o calendário. Embora a federação tivesse sinalizado posteriormente, já sob comando de Evandro Carvalho, que o ideal era reduzir, emperrou na vontade dos clubes, contra a queda de quatro times.

Ao menos esta era a versão da entidade, que realizou dez edições sem mexer na lista de participantes. Mas, até que enfim, o cenário deverá mudar. Para isso, em vez de ampliar o número de rebaixados, a FPF irá reduzir o acesso. Ao blog, o diretor de competições da FPF, Murilo Falcão, confirmou que a segunda divisão estadual de 2017, a “Série A2″, só irá promover o campeão, numa decisão administrativa já comunicada aos clubes – são 14 interessados na disputa. De 1995 a 2016, os dois melhores colocados sempre subiram. Logo, o objetivo é reduzir o tamanho da elite, de onde caíram dois, Serra Talhada e Atlético Pernambucano. Conforme preza o Estatuto do Torcedor, o regulamento irá vigorar por duas temporadas. Ou seja, uma redução paulatina na primeirona, com 11 clubes em 2018 e 10 clubes em 2019.

Hoje, o calendário oficial da CBF disponibiliza 14 datas para os estaduais do Nordeste, que tem, paralelamente, a Copa do Nordeste de fevereiro a maio. Com menos clubes, espera-se que a competição local adote um novo regulamento – a ser decidido no conselho arbitral em novembro -, deixando de lado o insosso (e previsível) hexagonal do título. E ainda há a possibilidade de uma extensão da redução, até 2020, chegando a 9 clubes. Número ímpar? Sim, pois, segundo federação, possibilitaria a realização de triangulares, com o Trio de Ferro como cabeça de chave. A conferir.

Abaixo, a movimentação de participantes no Pernambucano…

Entre os clubes que subiram, um asterisco em 1995, com o Sete de Setembro. O campeão da segundona pediu licença antes da estadual de 1996.

A movimentação dos clubes no Campeonato Pernambucano, de 1995 a 2017

O patrimônio dos clubes pernambucanos através dos balanços financeiros de 2016

Aflitos, Ilha do Retiro e Arruda. Crédito: Google Maps/reprodução

O patrimônio do Trio de Ferro consiste em 209 mil metros quadrados de área no Recife. Dado referente às sedes sociais, à parte dos centros de treinamento no subúrbio. Mensurar o valor dos terrenos e das (enormes) estruturas não é tão simples, devido aos números apresentados por Náutico, Santa e Sport em seus balanços. Considerando os demonstrativos financeiros de 2016, divulgados em abril, a soma patrimonial seria de R$ 331.233.365 – hoje, inferior ao passivo acumulado, de 343 milhões de reais. No mercado, seria uma pechincha. Para explicar, vamos às ressalvas. Tanto o alvirrubro quanto o tricolor congelaram (dentro da lei) os valores, ignorando a especulação imobiliária, sobretudo nos Aflitos. Idem com o Sport, que, por outro lado, calculou a depreciação dos bens construídos, com queda de 19,6% num ano, ou R$ 32,4 milhões a menos. Como consequência, o patrimônio leonino tornou-se menor que o alvirrubro (133 mi x 134 mi). 

Um ponto interessante sobre a depreciação é o caráter meramente contábil, não relacionado, necessariamente, ao valor real de mercado. Como exemplo, o Arruda. A comissão patrimonial do Santa encomendou uma avaliação independente do estádio, sem contar os terrenos do CT Waldomiro Silva, em Beberibe, e CT Ninho das Cobras, na Guabiraba (ambos sem estrutura). Nesta análise, o Mundão valeria R$ 274 milhões, num aumento de 330% em relação ao balanço oficial, com a cifra pregada há anos. Pela falta de atualização, o patrimônio coral ficou abaixo do Central. Localizado num bairro nobre de Caruaru, Maurício de Nassau, o estádio alvinegro é sondado por construtoras de forma recorrente. Valeria R$ 88 milhões.

A lista abaixo apresenta os clubes locais acima de R$ 1 milhão, considerando imóveis, como sede, estádio, ginásios, parque aquático, centros de treinamento, terrenos etc. Vale destacar que Náutico e Sport não consideram os CTs nos ajustes patrimoniais, ainda atrelados como bens paralelos. E olhe que alguns clubes informam até maquinário, equipamentos eletrônicos e veículos. O Sport, por exemplo, soma R$ 5 milhões neste quesito, desconsiderado aqui. Em tempo: nada está à venda.

Patrimônio social
1º) Náutico, R$ 134.489.197 (Aflitos e clube)
2º) Sport, R$ 133.005.168 (Ilha do Retiro e clube)
3º) Central, R$ 96.400.000 (Lacerdão e terreno)
4º) Santa Cruz, R$ 63.739.000 (Arruda e clube)
5º) Sete de Setembro, R$ 18.000.000 (Gigante do Agreste e terreno)
6º) América, R$ 1.700.319 (imóvel)*
7º) Porto, R$ 1.610.293 (CT e imóveis)
* Dados de 2015, os últimos presentes no site da FPF

Observações:
1) A lista milionária poderia ser maior caso Centro Limoeirense e Ypiranga detalhassem seus respectivos estádios, o José Vareda e Limeirão.

2) O casarão na Estrada do Arraial é alvo de disputa pelo América, que perdeu o imóvel em 2012 num leilão para abater uma dívida. O clube tenta anular o processo. De toda forma, em 2015, passou a ser classificado como Imóvel Especial de Preservação (IEP) e não pode mais ser demolido.

Área dos clubes no Recife
1º) Ilha do Retiro, 110 mil m²
2º) Arruda, 58 mil m²
3º) Aflitos, 41 mil m²

Área dos principais centros de treinamento
1º) Wilson Campos (Náutico), 49 hectares
2º) Ninho do Gavião (Porto), 20 hectares
3º) Ninho das Cobras (Santa), 10,5 hectares (em construção)

4º) José de Andrade Médicis (Sport), 8,4 hectares

Náutico chega a 13 edições sem ganhar um título pernambucano, o maior jejum

Pernambucano 2017, semifinal: Náutico x Sport. Foto: Náutico/instagram (@nauticope)

Em 2016 e 2017, o Náutico fez melhor campanha que o rival da semifinal, tendo o direito de decidir na Arena a vaga na decisão. Nos dois casos, ambos com clássicos, acabou eliminado, por Santa e Sport. Com o revés diante dos leoninos, chegou a treze edições consecutivas sem levantar a taça, com o jejum tornando-se o maior em todos os tempos de um grande clube do estado.

O hiato desde 2004 superou a seca do Sport de 1962 a 1975, período com a maior série de títulos do alvirrubro (hexa) e do tricolor (penta). Porém, neste intervalo de taças locais, o Leão conquistou o Torneio Norte-Nordeste 1968, o que torna a situação do clube de Rosa e Silva ainda mais gritante, pois não venceu nenhuma competição oficial no período. E esteve quase sempre distante, disputando o título à vera apenas duas vezes (2010 e 2014).

No jejum anterior do timbu, de 1989 a 2001, o time só voltou a dar a volta olímpica em seu centenário, evitando o hexa dos rubro-negros. Agora, uma pressão ainda maior, proporcional ao distanciamento da torcida. Abaixo, o levantamento do blog, considerando o intervalo entre títulos estaduais. A explicação é necessária pois o Santa disputou o Estadual de 1915 a 1930 (16 edições) sem ganhar, assim como o Náutico entre 1916 a 1933 (18).

Maiores jejuns do Trio de Ferro
Náutico (2004 / presente) – 13 anos
Náutico (1989/2001) – 11 anos
Náutico (1974/1984) – 9 anos

Sport (1962/1975) – 12 anos
Sport ( 1928/1938) – 9 anos

Santa Cruz (1947/1957) – 9 anos
Santa Cruz (1959/1969) – 9 anos
Santa Cruz (1995/2005) – 9 anos

Jejuns dos demais clubes campeões pernambucanos
América (1944 / presente) – 73 anos
América (1927/1944) – 16 anos

Torre (3 títulos), Tramways (2) e Flamengo do Recife (1) foram extintos.

Após 20 anos, Fla de Arcoverde ganha vaga no Brasileiro. E vai esperar mais 1

Pernambucano 2017, hexagonal da permanência: Flamengo de Arcoverde 2 x 2 Afogados. Foto: Flamengo/facebook (@Flamengodearcoverde)

Com o apoio de 672 torcedores no acanhado estádio Aureo Bradley, o Flamengo de Arcoverde empatou com o Afogados e terminou como líder do hexagonal da permanência do Estadual 2017. Precisou virar o jogo e depois viu a situação facilitada após a expulsão de dois adversários. No fim, 2 x 2 e muita festa no gramado, a 255 quilômetros da capital. A permanência na elite local já estava assegurada, mas o resultado recolocou o clube no Campeonato Brasileiro.

Veja a comemoração da vaga no perfil oficial do clube no facebook clicando aqui.

Há vinte anos, o Tigre disputou a terceirona, que era o último degrau. Acabou ficando na última colocação do grupo 5, que também contou com ASA, Juazeiro-BA e Centro Limoeirense. Desta vez, vai à Série D, sendo o 10º clube do estado a disputar a competição. No entanto, a vaga é para a próxima temporada, devido à reorganização do calendário da CBF, visando o “planejamento dos clubes”. De fato, o rubro-negro sertanejo terá tempo. Serão 15 meses até junho de 2018.

Antes disso, a Série D de 2017, com Belo Jardim, Central e Serra Talhada, que curiosamente acabou rebaixado no Pernambucano. Ficou a um ponto da permanência e da própria vaga ao Nacional de 2018. Desde já, a lição ao Fla.

Todos os times pernambucanos na Série D (entre parênteses, a colocação)
2009 – Central (12º) e Santa Cruz (28º)
2010 – Santa Cruz (14º) e Central (32º)
2011 – Santa Cruz* (2º) e Porto (38º)
2012 – Ypiranga (28º), Petrolina (39º)
2013 – Salgueiro* (4º), Central (14º) e Ypiranga (23º)
2014 – Central (16º) e Porto (18º)
2015 – Central (14º) e Serra Talhada (25º)
2016 – América (26º), Central (36º) e Serra Talhada (67º)
2017 – Central, América e Serra Talhada
2018 – Belo Jardim, Central e Flamengo
* Os clubes que conseguiram o acesso

Nº de participações na Série D (2009-2018)
8 – Central
3 – Santa Cruz e Serra Talhada
2 – Ypiranga, Porto e América
1 – Petrolina, Salgueiro, Belo Jardim e Flamengo

Pernambucano 2017, hexagonal da permanência: Flamengo de Arcoverde 2 x 2 Afogados. Foto: Afogados/site oficial (afogadosfc.com.br)