Ney Franco acerta com o Sport onze anos após a 1ª tentativa. Entre altos e baixos

Trabalhos de Ney Franco: Ipatinga (2005), Flamengo (2006), São Paulo (2012), Vitória (2013) e Coritiba (2015)

Após o péssimo rendimento no ano do centenário, o Sport recomeçou em 2006. Elenco e comissão técnica. À frente do futebol, Homero Lacerda optou por Ney Franco, treinador do Ipatinga, já campeão mineiro. Com 40 anos na época, Ney vivia a sua primeira experiência numa equipe profissional, embora cedido pelo Cruzeiro, onde era auxiliar. Como não chegou a um acordo com o time celeste sobre um novo empréstimo, optou por ficar no interior mesmo. Na Ilha, então, chegou Dorival Júnior. Já Ney, naquele mesmo ano, acabaria contratado pelo Flamengo, na reta final da Copa do Brasil. Ficou com o título.

Em outros bons momentos, a Sula de 2012, pelo São Paulo, o 5º lugar na Série A de 2013 com o Vitória e o título da Série B de 2010 com o Coritiba. Nos piores, problemas de relacionamento no São Paulo e trabalhos ruins entre 2014 e 2015, quando resolver parar, se reciclar. Onze anos após a primeira tentativa, e o Leão tentou mais três vezes no período, Ney enfim acertou com o Sport. Ele substitui Daniel Paulista com a missão de construir um padrão de jogo em um time com mata-matas em quatro torneios simultâneos…

Rubro-negro, o que você achou da contratação de Ney Franco?

Análise do podcast 45 minutos sobre o novo treinador leonino

Daniel Paulista deixa o comando do Sport com as 4 metas alcançadas, sem futebol

Pernambucano 2017, 8ª rodada: Sport 1 x 1 Santa Cruz. Foto: Ricardo Fernandes/DP

A decisão de escalar o time titular no clássico contra o Santa, com as quartas do Nordestão a seguir, foi de encontro ao discurso sobre o planejamento traçado no Sport. Tanto do presidente Arnaldo Barros quanto de Daniel Paulista. O técnico foi para o all in, numa aposta desnecessária. Com o time reserva, a análise seria outra. Com o time titular, que seguiu jogando mal, o treinador acabou fomentando a sua própria saída. Três horas após o empate.

Daniel, lembrando, assumiu o comando do Leão na 31ª rodada da Série A, após a saída de Oswaldo de Oliveira, que foi para o Corinthians. Com 4 vitórias, 1 empate e 3 derrotas, manteve o clube na elite, com direito à vaga na Sula. Porém, pela proposta de campanha do então candidato Arnaldo, ele seria o técnico do time B, o reserva, atuando integralmente no Estadual. Mas o tempo passou e um novo nome não chegou. Daniel, aos 34 anos, assumiu os dois times, A e B. Com o principal, alcançou todas as metas: quartas na Lampions, semifinal no Estadual e 4ª fase na Copa do Brasil. Só não fez o time jogar bola, não mesmo. E isso pesou na decisão sobre a sua saída.

Trecho da nota do Sport
“Ele (Daniel) marcou a trajetória do Leão como jogador e, na Praça da Bandeira, deu seus primeiros passos na carreira de treinador, que o Clube deseja que seja longa e vencedora. Por questões de planejamento, porém, Daniel Pollo Barion não ocupa mais o cargo de técnico do Sport. Jovem e talentoso, Paulista tem as ferramentas necessárias para seguir fazendo história no futebol. O Sport convidou Daniel a continuar trabalhando no Clube, exercendo outra função.”

Sport em 2017, com Daniel Paulista
Nordestão: 6 jogos, 4 vitórias, 1 empate, 1 derrota
Estadual: 8 jogos, 3 vitórias, 4 empates, 1 derrota
Copa do Brasil: 4 jogos, 4 vitórias

Total em 2016: 18 jogos; 11 vitórias, 5 empates e 2 derrotas

Ao todo, um aproveitamento de 70,3%. Número excelente, mas que não pode ser analisado tão friamente. Não houve confrontos de Série A.

A mudança no comando, em busca de uma melhor extração da capacidade técnica do grupo, era necessária. Não havia evolução. Será que a saída foi tarde demais? Veremos a partir de agora, com a maratona de mata-matas…

Alteração da FPF obriga o Sport a jogar no domingo e na segunda, entre 26 horas

Registro da FPF sobre a munda de Sport x Salgueiro, pela 9ª rodada do hexagonal estadual de 2017

Em abril, o Sport entrará em campo por quatro competições distintas. Todas oficiais, nos âmbitos estadual, regional, nacional e internacional. Calendário apertadíssimo, sem lacunas. Não por acaso, Sport x Danubio, na estreia leonina na Copa Sul-Americana, foi marcada para o dia 06/04. Um dia antes, entraria em campo pelo Estadual, contra o Salgueiro. Ambos na Ilha do Retiro.

Como o rubro-negro também joga em casa pelo Nordestão no domingo que abre esta semana, dia 2, parecia óbvia a remarcação para a terça. Embora num ritmo frenético, com jogos no domingo, terça e quinta, haveria um mínimo de “folga” – não há datas vagas no mês. E o que fez a FPF? Sem alarde, remanejou a partida para a segunda-feira! Ou seja, manteve o calendário com jogos em dias consecutivos. Em vez de quarta/quinta, domingo/segunda.

02/04 (16h00) – Sport x Campinense (Nordestão, Ilha)
03/04 (20h00) – Sport x Salgueiro (Estadual, Ilha)
06/04 (19h15) – Sport x Danubio (Sul-Americana, Ilha)

De acordo com o Regulamento Geral de Competições da CBF, na versão 2017, o intervalo mínimo entre os jogos de um mesmo clube é de 60 horas – no caso supracitado serão 26 horas. Porém, de pouco vale. Há um parágrafo, o 2º do artigo 25, só para validar qualquer situação. Trecho a seguir.

“Em casos excepcionais, a diretoria de competições, de forma fundamentada e amparada em autorização médica, poderá autorizar a participação de atletas sem a observância do intervalo mínimo aludido no caput deste artigo”.

Ainda que “legalmente” seja possível, moralmente não é. O que impressiona é a dificuldade para corrigir o próprio calendário – especificamente, a FPF. De fato, o meio da semana está cheio, com quatro jogos no Recife, sendo dois do Sport, além de Náutico e Santa (com mando do Belo Jardim) na quarta. Como a PM não libera dois jogos na capital, a ordem poderia ser a seguinte:

2ª feira – Náutico x Central, PE (não jogam no fim de semana pelo regional)
3ª feira – Sport x Salgueiro, PE
4ª feira – Belo Jardim x Santa Cruz, PE (pré-definido na Globo)
5ª feira – Sport x Danubio, Sula (pré-definido na Fox)

Mas a FPF parece se importar pouco com a valorização do seu torneio…

O caminho até o título do Nordestão 2017

O chaveamento da Copa do Nordeste de 2017. Arte: Cassio Zirpoli/DP

O caminho está traçado até o troféu dourado da Copa do Nordeste de 2017. O chaveamento com os oito classificados foi definido na sede da CBF, no Rio, através de um sorteio dirigido, transmitido na tevê. E Sport e Santa ficaram do mesmo lado, com Bahia e Vitória do outro. Logo, poderemos ter o Clássico das Multidões numa semifinal, como em 2014, e o Ba-Vi na outra. PE x BA na finalíssima? Calma. Para isso, o quarteto precisa confirmar o favoritismo nas quartas, naturalmente. Neste mata-mata, com cinco ex-campeões, o sistema de classificação é o mesmo adotado na Copa do Brasil. Quem fizer mais pontos nos 180 minutos, passa. Em caso de igualdade, vem saldo de gols, maior número de gols na casa do rival e, por último, pênaltis.

Sport x Campinense
Nos dois anos anteriores, o Leão da Ilha investiu mais a partir de abril/maio, visando o Brasileirão. Desta vez, a montagem do elenco foi em janeiro, com direito à aquisição de André por R$ 5,2 milhões, na maior compra do futebol nordestino. O elenco é qualificado, sobretudo ofensivamente, porém, ainda não rendeu o esperado, com atuações irregulares mesmo em uma chave fraca, como a C. Sem espaço para erros, agora encara um velho algoz, o  Campinense, que trocou de técnico logo após a 1ª fase. Nesta volta oficial da Lampions, a Raposa já eliminou o Sport duas vezes, nas quartas em 2013 e na semi em 2016. É o confronto mais difícil.
Datas: 30/03 (Amigão, 21h15) e 02/04 (Ilha do Retiro, 16h)

Santa Cruz x Itabaiana
A reformulação no Arruda foi completa. Do time campeão da Lampions em 2016, apenas o laterais Vítor (direito) e Tiago Costa (esquerdo) seguem no clube. Com Vinícius Eutrópio à frente deste processo, o time surpreendeu, com a terceira melhor campanha na fase de grupos. Sofreu apenas dois gols, mesmo sem a definição de uma dupla de zaga, com Anderson Salles ganhando a oportunidade nas últimas apresentações. Após avançar no grupo da morte, o tricolor acabou pegando a maior surpresa entre os classificados às quartas. É a primeira vez que o Itabaiana chega nesta etapa.
Datas: 29/03 (Etelvino Mendonça, 21h45) e 01/04 (Arruda, 16h)

Vitória x River
Maior campeão, com quatro títulos, o rubro-negro baiano investiu pesado no elenco para reconquistar o Nordestão após sete anos. Apesar disso, o time de Argel enfrentou lesões, como a do meia Dátolo, e a falta de encaixe das principais peças ofensivas, como André Lima. Por pouco ficou de fora do pote 1 no sorteio, mas conseguiu liderar o grupo E após vitórias suadas nas duas últimas rodadas. Nas quartas, terá a viagem mais longa, com 995 km. Pega o River, o primeiro time dos estados integrados em 2015 (PI e MA). O clube de Teresina vem jogando no acanhado Lindolfo Monteiro, em vez do Albertão, dando força ao seu mando de campo.
Datas: 29/03 (Lindolfo Monteiro, 19h15) e 01/04 (Barradão, 18h15)

Bahia x Sergipe
Já são 15 anos sem o título nordestino, mas o Baêa vem tentando. Tanto em 2016 quanto em 2017 fez a melhor campanha na fase de grupos. Neste ano, sequer sofreu gols. A defesa, aliás, vem sendo o foco do técnico Guto Ferreira, até pelo desempenho irregular da equipe como visitante desde a Série B, mesmo com o acesso. Na frente, os destaques são Régis, emprestado pelo Sport, e o Brocador, ambos com 4 gols. Nas quartas, irá reeditar um confronto ocorrido na Copa do Brasil deste ano. Na primeira fase, o Bahia fez 2 x 0 no Sergipe, em pleno Batistão. De lá para cá, o alvirrubro reagiu, tendo hoje o artilheiro do regional, Hiago, com 5 gols.
Datas: 29/03 (Batistão, 21h45) e 02/04 (Fonte Nova, 16h)

A vantagem no mando de campo nas fases seguintes será definida de acordo com a pontuação geral, somando a fase de grupos e os mata-matas. Vale lembrar que o campeão receberá R$ 2,85 milhões, na soma de todas as cotas, além de obter a vaga às oitavas da Copa do Brasil de 2018

Pitacos na semifinal: Sport x Santa Cruz e Bahia x Vitória (alguma surpresa?).

Abaixo, o debate do podcast 45 minutos sobre o chaveamento.

Podcast – Análise da última rodada do Trio de Ferro na fase de grupos do NE

Encerrada a primeira fase da Copa do Nordeste de 2017. Na 6ª rodada, os três pernambucanos jogaram simultaneamente, às 21h45, com destinos distintos. No Ceará, o alvirrubro aplicou a maior goleada da história do torneio, mas acabou eliminado. No Maranhão, o rubro-negro, já classificado, perdeu a chance de terminar com a melhor campanha geral. No Arruda, o tricolor não só conquistou a vaga às quartas como terminou no pote 1 para o sorteio do chaveamento. O 45 minutos analisou os jogos em gravações exclusivas, focando o desempenho e as perspectivas para as próximas apresentações.

Neste podcast, estou com Celso Ishigami, Fred Figueiroa, João de Andrade Neto e Rafael Brasileiro. Ouça!

Uniclinic 0 x 9 Náutico (14 min)

Sampaio Corrêa 2 x 1 Sport (31 min)

Santa Cruz 1 x 0 Campinense (16 min)

A classificação dos grupos do Nordestão de 2017, com Sport e Santa nas quartas

A classificação final da 1ª fase da Copa do Nordeste de 2017. Crédito: Superesportes

O pote 1 para o sorteio das quartas de final da Copa do Nordeste terá os três clubes presentes no Brasileirão e o atual campeão regional. Ou seja, as principais forças confirmaram o favoritismo. Assim, Bahia, Sport, Vitória e Santa evitaram confrontos de peso na próxima fase e ainda vão decidir os respectivos confrontos em seus domínios. Pelo segundo ano seguido o Baêa termina a 1ª fase com a melhor campanha. Desta vez, contou com a derrota do Sport para o eliminado Sampaio, passando na última rodada, 14 x 13.

Após três anos o Trio de Ferro disputou a fase de grupos. Faltou pouco para a tripla classificação. Por um ponto, o Náutico ficou de fora do mata-mata. Sport e Santa Cruz avançaram liderando os seus grupos e embolsaram R$ 450 mil – já haviam recebido uma cota de R$ 600 mil pela participação na primeira fase.

O sorteio das quartas de final, com a definição do caminho até a decisão, será na sede da CBF, no Rio, às 11h desta sexta-feira. Eis os potes do sorteio:

Pote 1: Bahia, Sport, Santa Cruz e Vitória (todos campeões)
Pote 2: Itabaiana, River, Campinense e Sergipe (um campeão)

Os clubes classificados às quartas do Nordestão (2013-2017):

2013 
ABC, ASA, Campinense, Ceará, Fortaleza, Santa Cruz, Sport e Vitória

2014
América-RN, Ceará, CRB, CSA, Guarany-CE, Santa Cruz, Sport e Vitória

2015
América-RN, Bahia, Campinense, Ceará, Fortaleza, Salgueiro, Sport e Vitória

2016
Bahia, Campinense, Ceará, CRB, Fortaleza, Salgueiro, Santa Cruz e Sport

2017
Bahia, Campinense, Itabaiana, River, Santa Cruz, Sergipe, Sport e Vitória

Número de classificações às quartas (2013-2017):

5 – Sport (100%)
4 – Campinense, Ceará, Santa Cruz e Vitória

3 – Bahia e Fortaleza
2 – América-RN, CRB e Salgueiro
1 – ABC, ASA, CSA, Guarany-CE, Itabaiana, Sergipe e River

Santa vence o Campinense e confirma a classificação às quartas do NE no pote 1

Copa do Nordeste 2017, 1ª fase: Santa Cruz 1x0 Campinense. Foto: Rodrigo Baltar/Santa Cruz (site oficial)

Um simples empate e o Santa Cruz seguiria em busca do bicampeonato nordestino. Uma vitória e a situação nas quartas de final seria um pouco melhor, decidindo em casa. Ou seja, era inegável o caráter decisivo contra o Campinense, num repeteco da última decisão. E o time paraibano, ano a ano, vai se mostrando um adversário complicado na Lampions. Já classificado, não deixou por menos, endurecendo o confronto e exigindo muita aplicação do tricolor. A vitória veio, suada, por 1 x 0. Em uma partida de poucas oportunidades reais de gol, em ambos os lados, o mandante marcou forte no meio-campo, jogando com o regulamento debaixo do braço.

Era uma noite na qual não cabia vacilo. Quando a partida no Arruda começou, o outro jogo do grupo, em Horizonte, já estava com 7min26s. E com apenas 14 o Náutico já fazia o placar necessário, marcando quatro gols. O gol da vitória foi marcado por Anderson Salles, grata surpresa na bola parada. Cobrou uma falta no travessão e depois converteu bem o pênalti sofrido por Éverton Santos – ter um jogador assim é essencial em mata-matas. No segundo tempo, com a Raposa buscando o empate, que a deixaria na liderança, o zagueiro foi novamente decisivo, salvando uma bola em cima da linha. Foi o nome da noite, confirmando a sua vaga numa defesa ainda observada pelo técnico Vinícius Eutrópio.

No fim das contas, o Santa saiu com todos os objetivos alcançados, ficando no pote 1 do primeiro mata-mata e evitando confrontos contra Bahia, Vitória e Sport. Ah, ganhou mais R$ 450 mil, um verba importante para otimizar a folha.

Santa Cruz na fase de grupos
2013 – 15 pontos (5v-0e-1d, 1º)
2014 – 11 pontos (3v-2e-1d, 2º)
2016 – 10 pontos (3v-1e-2d, 2º)
2017 – 13 pontos (4v-1e-1d, 1º)

Campanhas do Santa na volta do Nordestão (entre parênteses, a premiação)
2013 – Quartas de final (R$ 300 mil)
2014 – Semifinal (R$ 850 mil)
2015 – não participou
2016 – Campeão (R$ 2,385 milhões)
2017 – Mata-mata… (R$ 1,05 milhão até as quartas*) 

Total de cotas: R$ 4,585 milhões*

Copa do Nordeste 2017, 1ª fase: Santa Cruz 1x0 Campinense. Foto: Rodrigo Baltar/Santa Cruz (site oficial)

Náutico goleia Uniclinic, mas amarga a 3ª eliminação seguida na 1ª fase do regional

Copa do Nordeste 2017, 1ª fase: Uniclinic 0x9 Náutico. Crédito: Rede Globo Nordeste/reprodução

O Náutico aplicou a maior goleada da história da Copa do Nordeste, 9 x 0, superando Bahia 10 x 2 Confiança, há quinze anos. Numa noite chuvosa em Horizonte, a 50 km de Fortaleza, o alvirrubro atropelou o time reserva do lanterna Uniclinic, que encerrou a primeira fase com a pior campanha da história, nenhum ponto e -24 de saldo. Apesar da elasticidade, com hat-tricks de Erick e Giva, o time pernambucano também foi eliminado.

Embora tenha feito a sua parte com apenas 14 minutos, marcando os quatro gols necessários, o timbu terminou na terceira colocação do grupo A porque o Santa também fez a sua parte no Arruda. O Náutico somou dez pontos, com onze gols de saldo. Essa campanha teria sido suficiente para ser o vice-líder em outros três grupos. Ou seja, o A foi mesmo o da “morte”.

Nesta volta da Lampions ao calendário oficial, há cinco temporadas, esta foi a terceira participação do timbu, com a terceira eliminação precoce – deixando de ganhar R$ 950 mil apenas com as vagas nas quartas. E todos os outros representantes locais, o que inclui até o Salgueiro, já foram mais longe. Ao Náutico, portanto, resta focar o Estadual, onde deve confirmar a vaga à semi no sábado. Nesta disputa, também árdua, o jejum vem desde 2004…

Náutico na fase de grupos
2014 – 6 pontos (1v-3e-2d, 3º)
2015 – 8 pontos (2v-2e-2d, 2º)
2017 – 10 pontos (3v-1e-2d, 3º)

Campanhas do Náutico na volta do Nordestão (entre parênteses, a premiação)
2013 – não participou
2014 – Fase de grupos (R$ 350 mil)
2015 – Fase de grupos (R$ 365 mil)
2016 – não participou
2017 – Fase de grupos (R$ 600 mil)

Total de cotas: R$ 1,315 milhão

Copa do Nordeste 2017, 1ª fase: Uniclinic 0x9 Náutico. Crédito: Esporte Interativo/reprodução

Jogando mal, Sport perde do Sampaio e desperdiça o 1º lugar geral no Nordestão

Copa do Nordeste 2017, 1ª fase: Sampaio Corrêa 2x1 Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

O jogo valia bastante ao rubro-negro. Diante do já eliminado Sampaio Corrêa, a vitória renderia ao Sport a melhor campanha da fase de grupos do Nordestão. Por isso, o time titular em campo, embora com dois desfalques de peso, Rithely, poupado, e Diego Souza, servindo à Seleção. Em sua 17ª apresentação oficial na temporada, esperava-se uma equipe mais acertada taticamente e, pelo contexto do jogo em São Luís, mais dedicado. Nada disso. Numa atuação lamentável, marcando muito mal e atacando (pouco) de forma desorganizada, o Leão foi derrotado por 2 x 1. Terminou na liderança do grupo C, no pote 1 para o sorteio das quartas, mas abaixo do Bahia na classificação geral – os mandos na semi e na final consideram todos os pontos somados.

Sobre o jogo no Castelão, o Sport não se impôs. Começou com os setores distantes e jogando mais uma vez em marcha lenta. Apesar da situação no torneio, o Sampaio mostrou disposição e pressionou bastante o visitante nos vinte primeiros minutos, até abrir o placar numa cobrança de falta. Nem assim o Leão acordou, com André e Leandro Pereira pouco eficazes.

No segundo tempo, com apenas oito minutos, num contragolpe, o Sampaio fez o segundo. Àquela altura, o placar era um retrato fiel dos dois times. Apesar de ter diminuído com Rogério, que agora é o artilheiro leonino no ano, com 6 gols, o rubro-negro não melhorou. Só teve uma chance efetiva, com André batendo pra fora. A perda da invencibilidade no regional escancarou os problemas do Sport em 2017.

Sport na fase de grupos
2013 – 12 pontos (3v-3e-0d, 1º)
2014 – 8 pontos (2v-2e-2d, 2º)
2015 – 10 pontos (3v-1e-2d, 1º)
2016 – 11 pontos (3v-2e-1d, 1º)
2017 – 13 pontos (4v-1e-1d, 1º)

Campanhas do Sport na volta do Nordestão (entre parênteses, a premiação)
2013 – Quartas de final (R$ 300 mil)
2014 – Campeão (R$ 1,9 milhão)
2015 – Semifinal (R$ 890 mil)
2016 – Semifinal (R$ 1,385 milhão)
2017 – Mata-mata… (R$ 1,05 milhão até as quartas*)

Total de cotas: R$ 5,525 milhões*

Copa do Nordeste 2017, 1ª fase: Sampaio Corrêa 2x1 Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Videocast – Qual é o G4 do Nordeste?

No futebol nordestino, quais são os quatro maiores clubes? O debate é histórico na região, que conta com sete times de grande porte nas cidades do Recife, Salvador e Fortaleza e listas (e ordens) diferentes a cada década.

Entrando neste vespeiro, sem direito a ‘muro’, o 45 minutos analisou a formação do “G4 do Nordeste”, em um vídeo de 33 minutos. Para isso, consideramos rankings, da CBF e da Placar, títulos, torcida mensuradas em pesquisas e rivalidades, entre Náutico, Santa e Sport; Bahia e Vitória; Ceará e Fortaleza. Filtrando tudo, chegamos a um veredito. Obviamente, a discussão segue…

Nesta gravação, estou com Celso Ishigami e Fred Figueiroa. Assista!