A largada do Nordestão 2018 em agosto de 2017, com a recém-criada preliminar

A fase preliminar da Copa do Nordeste 2018. Crédito: CBF/reprodução

Sem alarde, começa a Copa do Nordeste de 2018. Isso mesmo, a primeira partida oficial da 15ª edição será em 15 de agosto de 2017, durante o Campeonato Brasileiro. No Estádio Mão Santa, em Parnaíba, o time da casa abre a recém-criada fase preliminar contra o CSA, envolvido também na Série C. Com a reformulação do Nordestão, o torneio volta a ter 16 clubes na fase de grupos, em vez de 20. Para isso, foi preciso criar esta seletiva, na qual o Náutico enfrentará a Itabaiana, em data a ser detalhada pela confederação.

Definidos em sorteio, com potes divididos pelo Ranking da CBF, os confrontos Náutico x Itabaiana, Treze x Cordino, CSA e Parnahyba e Globo x Flu de Feira vão relacionar os últimos classificados à fase principal da Lampions. A próxima etapa começa em fevereiro, seguindo o fluxo normal do calendário.

Vale lembrar que a lista de participantes foi modificada após a desistência do Sport, influenciando até na distribuição de cotas – inicialmente, o Santa Cruz disputaria a etapa preliminar, mas foi alçado à fase seguinte, já no subgrupo 1 dos cotistas, de porte milionário. Com a vaga aberta, o Náutico entrou na competição na condição de 4º colocado no Estadual, o único neste contexto.

Obs. O sorteio da fase de grupos será em 6 de setembro, em São Luís.

Fase preliminar (8 clubes, passando 4)

Náutico (4º de PE) – 29º lugar no Ranking da CBF
Treze (vice da PB) – 69º
Globo (vice do RN) – 77º
CSA (vice de AL) – 90º
Panahyba (vice do PI) – 100º
Itabaiana (vice de SE) – 117º
Fluminense de Feria (3º na BA) – 131º
Cordino (vice do MA) – s/r

Fase de grupos (16 clubes, com 4 grupos de 4 clubes – abaixo, os potes do sorteio e as respectivas cotas)

Pote 1 (R$ 1 milhão)
Vitória (campeão na BA) – 20º
Bahia (vice na BA) – 21º
Ceará (campeão no CE) – 23º
Santa Cruz (3º de PE) – 26º

Pote 2 (R$ 850 mil)
ABC (campeão no RN) – 31º
Sampaio Corrêa (campeão do MA) – 36º
CRB (campeão em AL) – 37º
Botafogo (campeão na PB) – 46º

Pote 3 (R$ 775 mil)
Salgueiro (vice do PE) – 49º
Confiança (campeão em SE) – 56º
Altos (campeão no PI) – 136º
Ferroviário (vice no CE) – s/r

Pote 4 (R$ 750 mil)
Os quatro classificados da fase preliminar

O regulamento da Copa do Nordeste 2018, já com os critérios para a edição de 2019

O troféu da Copa do Nordeste. Foto: CBF/divulgação

Com o início da Copa do Nordeste de 2018, através da fase preliminar, a CBF divulgou o regulamento oficial. Pelo novo sistema de disputa, a seletiva com oito clubes (Náutico entre eles) irá relacionar quatro para a nova fase de grupos, que já tem doze pré-classificados (Salgueiro e Santa na lista). Assim, a etapa principal será performada por 16 times. O documento de 16 páginas ainda traz o Sport como um dos vinte participantes, embora o rubro-negro já tenha recebido o aval da entidade sobre a desistência do torneio. Já o artigo 26 detalha, em caráter oficial, o critério de classificação ao Nordestão de 2019.

O regional de 2019 adotará o mesmo sistema de 2018, mas só classificará nove times através dos Estaduais, os campeões, claro. Os outros onze virão do Ranking da CBF, na versão que será publicada em dezembro de 2017. Pernambuco seguirá com três vagas, sendo duas na fase de grupos (o campeão estadual e o melhor rankeado) e uma na seletiva (o segundo melhor rankeado). Ou seja, na prática, o Sport já está classificado à fase de grupos do Nordestão de 2019 – hoje, é o 17º lugar no ranking nacional. Caso não queira jogar, o leão terá que protocolar, novamente, um pedido de desistência…

Confira a íntegra do regulamento do Nordestão 2018.

Troféu Gena poderá ser decidido no número de expulsões ou em sorteio

O regulamento do Troféu Gena, a simbólica disputa no centenário do Clássico das Emoções

Náutico e Santa já disputaram sete clássicos em 2017, contando Estadual, Nordestão e Brasileiro. O retrospecto é equilíbrio puro, com 2 vitórias pra cada, 6 gols pra cada e 1 vermelho pra cada, além de três empates. Oficialmente, resta apenas uma partida na temporada, pelo returno do Série B.

É o jogo que decidirá o campeão do Troféu Gena, a simbólica premiação celebrando o centenário do Clássico das Emoções. Só a agora a FPF publicou o “ato comemorativo nº 1″ com o regulamento oficial da taça, que soma os resultados de todas as competições oficiais no ano. Se em 2016, no Troféu Givanildo Oliveira, havia a possibilidade de divisão, em caso de igualdade em pontos, desta vez a federação resolveu adotar mais critérios.

Quem ganhar a 8ª partida, leva. Em caso de empate, são dois caminhos. Como o saldo de gols está empatado, na prática vale o número de expulsões! Hoje, também idêntico, com Luís Eduardo (alvirrubro) e Jaime (tricolor) expulsos logo no primeiro clássico, em janeiro. E se houver empate pela 4ª vez e nenhuma expulsão? Aí, teremos um sorteio às 16h30 do dia 6 de novembro, uma segunda-feira, na sede da FPF…

Jogos disputados em 2017
29/01 – Náutico 1 x 1 Santa Cruz, Estadual (Arena, 4.622 pessoas)
04/02 – Santa Cruz 1 x 0 Náutico, Nordestão (Arruda, 5.086)
12/03 – Náutico 1 x 0 Santa Cruz, Nordestão (Arena, 6.692)
10/04 – Santa Cruz 1 x 2 Náutico, Estadual (Arruda, 5.055)
06/05 – Náutico 1 x 2 Santa Cruz, Estadual (Arena, 2.592)
18/05 – Santa Cruz 1 x 1 Náutico, Estadual (Arruda, 3.387)
15/07 – Náutico 0 x 0 Santa Cruz, Série B (Arena, 13.450)
Média de público: 5.840

Jogo a disputar em 2017
04/11 – Santa Cruz x Náutico, Série B (Arruda) 

Classificação após 7 clássicos
Náutico – 9 pontos; 2 vitórias, 3 empates e 2 derrotas; 6 GP/6 GC; 1 vermelho
Santa – 9 pontos; 2 vitórias, 3 empates e 2 derrotas; 6 GP/6 GC; 1 vermelho

CBF confirma desistência do Sport no NE, Santa na fase de grupos e Náutico na preliminar

Ofício da CBF sobre a Copa do Nordeste 2018. Crédito: CBF/site oficial (reprodução)

Agora é oficial. A desistência solicitada pelo Sport em relação à Copa do Nordeste de 2018, em 3 de julho, foi confirmada pela CBF após um mês de dúvidas à respeito da formatação da competição. A entidade recebeu o pedido protocolado pela FPF e, sem maiores detalhes, excluiu o rubro-negro da próxima edição do regional – para as seguintes, o clube deverá pedir novos protocolos. A decisão ainda mal explicada pela direção de futebol do rubro-negro tem consequências imediatas (e positivas) para os rivais do Recife.

Inicialmente, o Santa Cruz teria que disputar uma fase preliminar, contra a Itabaiana, para chegar à fase de grupos, que agora volta a ter 16 participantes, após a reformulação da Lampions. Como Pernambuco tem direito a duas vagas diretas nesta etapa, para o campeão e o vice-campeão do Estadual, o tricolor herdou a classificação do Sport – o Salgueiro, vice, já estava garantido no regional. Ou seja, se os corais saíram da fase preliminar, logo outro clube local teria que herdar esta vaga. Pela classificação final do Estadual 2017, a vaga é do Náutico, também confirmado pela CBF.

Quando o presidente leonino, Arnaldo Barros, comunicou a desistência, a coletiva também contou com a presença de Ivan Brondi, o mandatário alvirrubro. Ocorre que havia um impasse nos Aflitos sobre a saída. O conselho deliberativo não aprovou. Muito menos o novo presidente eleito, Edno Melo.

Desta forma, aconteceu o segundo dos quatro cenários imaginados pelo blog. E o Sport, que tentou articular um torneio paralelo, acabou ficando isolado…

Em relação às cotas da Lampions League, o Santa receberá R$ 1 milhão pela participação na fase de grupos. O alvirrubro ganhará R$ 750 mil caso avance na fase preliminar. Se cair já na primeira fase, receberá um cota de R$ 250 mil. Já o Sport abriu mão de R$ 1 milhão, o valor pago aos quatro times do “subgrupo 1″, formado através do Ranking da CBF por Bahia, Vitória e Ceará.

Até agora, o Sport não justificou, em termos de disputa , a sua saída.

Obs. O leão também já havia desistido do Nordestão em 2003 e 2010.

Roberto Fernandes, o 5º treinador do Náutico em 2017, o 5º perfil diferente

Os 5 técnicos do Náutico em 2017. Fotos: Diario de Pernambuco

Pela 4ª vez em uma década Roberto Fernandes assume o comando do Náutico. O técnico já esteve em diferentes momentos do clube, com destaque para a estreia, em 2007, com uma recuperação sensacional no returno do Brasileirão, evitando a queda. Repetiria isso em 2008 e ainda voltaria em outras oportunidades, mas sem o mesmo rendimento. Agora, um encontro em baixa, tanto do técnico, que estava no Confiança de Sergipe, quanto do próprio Náutico, com o rebaixamento à Série C se aproximando.

Com a missão bem indigesta, para não dizer inglória, o treinador de 46 anos deve chegar focado em arrumar a casa para 2018, quando o time deverá ter a volta do estádio dos Aflitos, no segundo semestre, além de uma temporada nacional mais escassa em termos de direitos de transmissão. Sendo o 5º técnico timbu em 2017, Roberto Fernandes terá 20 jogos até o fim do ano, já descontando a partida comandada pelo eterno interino Levi Gomes.

Se essa visão de reorganização já havia sido aplicada ao antecessor, Beto Campos, por qual motivo seria diferente agora? Resta torcer pelo bom senso em Rosa e Silva, cuja pressão vem findando trabalhos de apenas 10 jogos…

Roberto Fernandes (2007, 2008/2009 e 2010/2011; apto. de 53,2%)
104 jogos
47 vitórias
25 empates
32 derrotas

Os técnicos anteriores do alvirrubro em 2017:

Dado Cavcalcanti (7 jogos no PE, NE e Copa do Brasil; apto. de 33,3%)
2 vitórias
1 empate
4 derrotas

Foi a aposta para a montagem do elenco. Apesar das indicações, não conseguiu encaixar o time, sem transição durante a rápida passagem.

Milton Cruz (12 jogos no PE e NE; apto. 52,7%)
5 vitórias
4 empates
3 derrotas 

Taticamente, foi o melhor nome do ano e os resultados deixam isso claro. Mostrou-se competitivo na semifinal estadual, com um time veloz.

Waldemar Lemos (8 jogos no PE e Série B; apto. de 12,5%)
0 vitória
3 empates
5 derrotas 

Trabalha mais o lado psicológico da equipe, servindo quase sempre como bombeiro. Taticamente, pouco apresenta, além das improvisações.

Beto Campos (9 jogos na Série B. apto. de 22,2%)
1 vitória
3 empates
5 derrotas

Campeão gaúcho em 2017, ele chegou como indicação para remontar a defesa, o setor mais criticado do time. Até melhorou um pouco, mas mexeu mal no ataque.

Após sete clássicos, o Troféu Gena segue empatado. Decisão sai no 8º. Ou divisão?

Série B 2017, 14ª rodada: Náutico x Santa Cruz. Foto: Peu Ricardo/DP

O empate sem gols na 14ª rodada da Série B deixou a decisão sobre o simbólico título do centenário do Clássico das Emoções para o último confronto do ano. Após sete jogos, são 2 vitórias do Náutico, 2 do Santa e 3 empates, com qualquer placar valendo um destinto diferente para o Troféu Gena. Literalmente. Além da óbvia situação de resultado positivo para cada um, o empate dividira o prêmio. Pois é. Pelo regulamento, o mesmo adotado no Troféu Givanildo Oliveira, no centenário de Sport x Santa em 2016, não há saldo de gols, valendo apenas a pontuação somada em competições oficiais.

A princípio, a FPF só encomendou um troféu, que faz homenagem ao lateral-direito hexacampeão pernambucano pelo alvirrubro (63-68) e tetra pelo tricolor (70-73). Em caso de empate (e, consequentemente, divisão do título), uma peça idêntica seria produzida, com os dois clubes agraciados posteriormente. À parte disso, o Santa Cruz passa ter uma leve vantagem, uma vez que decidirá em casa, além de ter uma campanha melhor no Campeonato Brasileiro, embora o jogo esteja agendado para daqui a quatro meses.

Apesar do ano emblemático, o público não foi bom. Apenas um jogo passou de 10 mil pessoas. Ao todo, 40.884 espectadores, com média de 5.840.

Jogos disputados em 2017
29/01 – Náutico 1 x 1 Santa Cruz, Estadual (Arena, 4.622)
04/02 – Santa Cruz 1 x 0 Náutico, Nordestão (Arruda, 5.086)
12/03 – Náutico 1 x 0 Santa Cruz, Nordestão (Arena, 6.692)
10/04 – Santa Cruz 1 x 2 Náutico, Estadual (Arruda, 5.055)
06/05 – Náutico 1 x 2 Santa Cruz, Estadual (Arena, 2.592)
18/05 – Santa Cruz 1 x 1 Náutico, Estadual (Arruda, 3.387)
15/07 – Náutico 0 x 0 Santa Cruz, Série B (Arena, 13.450) 

Jogo a disputar em 2017
04/11 – Santa Cruz x Náutico, Série B (Arruda) 

Classificação após 7 clássicos
9 pontos – Náutico (2v-3e-2d)
9 pontos – Santa Cruz (2v-3e-2d)

Para a CBF, o Santa Cruz segue na fase preliminar do Nordestão 2018. E o Sport?

Ofício da CBF sobre a Copa do Nordeste 2018. Crédito: CBF/site oficial (reprodução)

Em Salvador, em 13 de julho, uma reunião envolvendo os clubes da Liga do Nordeste confirmou a saída do Sport, que pediu desfiliação, abrindo mão da participação no Nordestão de 2018. A primeira consequência direta foi a efetivação do Santa Cruz, da fase preliminar (devido à terceira colocação no Estadual) à fase de grupos, agora na condição de segundo representante de Pernambuco (após o Salgueiro). Curiosamente, no dia seguinte à decisão, a CBF foi na contramão, confirmando os quatro confrontos sorteados para o chamado “Pré-Nordestão”, a recém-criada fase preliminar do torneio – ofício acima. Ao que parece, a confederação brasileira não reconheceu o pedido de desistência do Sport, feito fora do prazo legal, até 30 de junho. Neste dia, o leão avisou à liga. Porém, só protocolou à CBF no dia 5 de julho, via FPF.

Fase preliminar da Copa do Nordeste 2018
Treze (PB) x Cordino (MA)
Santa Cruz x Itabaiana (SE)
CSA (AL) x Parnahyba (PI)
Globo (RN) x Fluminense de Feira (BA)

Segundo a definição de cotas do torneio, os quatro eliminados vão ganhar R$ 250 mil pela participação mínima, enquanto os quatro vencedores vão receber R$ 750 mil pela presença na fase de grupos, num valor correspondente ao 4º subgrupo de cotas, um modelo também recém-criado.

Entre as observações feitas pelo blog sobre a permanência do Santa na liga, em publicação feita mais cedo, a quarta dizia o seguinte:

4) A direção de competições da CBF alega que o Sport não comunicou a saída dentro do prazo legal. Seria um mecanismo para uma possível volta? Em vídeo vazado no twitter, o mandatário leonino afirmou que “não é homem para se torar”, mantendo a saída – e a liga já dá o fato como consumado.

Ou seja, enquanto o rubro-negro e a liga, a contragosto, enxergam a saída de forma consumada, há um entrave, que deve proporcionar novos capítulos…

Atualização: Alírio Moraes (Santa) e Evandro Carvalho (FPF) entendem que foi um erro da CBF e a decisão da liga deve ser homologada segunda-feira.

Com subgrupos, premiação da Copa do Nordeste de 2018 chega a R$ 22.400.000

A evolução das cotas de premiação da Copa do Nordeste. Arte: Cassio Zirpoli/DP

A Copa do Nordeste de 2018 irá distribuir uma premiação 20,9% maior em relação à edição anterior. O blog já havia informado a estimativa de até R$ 23 milhões. Ficou quase nisso, chegando a R$ 22,4 milhões, levando em conta apenas as cotas de participação. Somando as passagens, hospedagens e arbitragem, bancadas pela verba arrecadada pela liga, o montante chega a R$ 30 mi. Porém, o blog seguiu o critério utilizado desde a volta oficial do torneio, em 2013, com os gráficos comparando apenas as premiações.

A grande novidade para a próxima edição – à parte da surpreendente ausência do Sport, que se desfiliou – é a criação de subgrupos de cotas. No mínimo, uma consequência da celeuma. Durante o imbróglio causado pela saída de rubro-negros e alvirrubros da Liga do Nordeste, o blog chegou a comentar sobre a elaboração de um critério técnico para a formação de subgrupos na primeira fase, como já ocorre na Copa do Brasil. Dito e feito. Na reunião da Liga do Nordeste, em Salvador, os clubes decidiram criar quatro categorias, a partir do Ranking da CBF – cuja atualização é anual. A regra vale para os três primeiros subgrupos, compostos pelos 12 classificados à fase principal. Os quatro oriundos do Pré-Nordestão, independentemente o rankeamento, ficam no quarto subgrupo. E para quem deixar o torneio muito cedo, ainda na fase de Pré, foi designada uma cota mínima.

Com a desistência do leão, o Santa foi alçado da fase preliminar à fase de grupos, assegurando R$ 1 milhão. Já o Salgueiro, que não se envolveu na polêmica dos rivais da capital, garante R$ 775 mil, verba inferior apenas a de 2016, quando o clube sertanejo chegou às quartas (R$ 935 mil).

Abaixo, as premiações de cada fase da Lampions 2018. Os dados foram apurados pelo repórter Vitor Villar, do jornal baiano Correio*.

Pré Nordestão – R$ 250 mil (apenas para os 4 clubes eliminados) 

Fase de grupos
Subgrupo 1 – R$ 1 milhão (Bahia, Vitória, Ceará e Santa Cruz)
Subgrupo 2 – R$ 850 mil (ABC, Sampaio Corrêa, CRB e Botafogo-PB)
Subgrupo 3 – R$ 775 mil (Salgueiro, Confiança, Altos e Ferroviário)
Subgrupo 4 – R$ 750 mil (os 4 vencedores do Pré-Nordestão) 

Quartas de final – R$ 450 mil
Semifinal – R$ 550 mil
Vice – R$ 600 mil
Campeão – R$ 1,5 milhão

A evolução da cotas absoluta da Copa do Nordeste. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Eis as cotas absolutas (somando as fases) para as campanhas no Nordestão:

2018*
Campeão – R$ 3,5 milhões
Vice – R$ 2,6 milhões
Semifinalista – R$ 2 milhões
Quartas de final – R$ 1,45 milhão
Fase de grupos – R$ 1 milhão
* Soma dos valores para o subgrupo 1

2017
Campeão – R$ 2,85 milhões (Bahia)
Vice – R$ 2,15 milhões (Sport)
Semifinalista – R$ 1,6 milhão (Santa Cruz e Vitória)
Quartas de final (1) – R$ 1,05 milhão (Campinense, Itabaiana e Sergipe)
Quartas de final (2) – R$ 780 mil (River)

Fase de grupos (PE, BA, CE, RN, AL, PB e SE) – R$ 600 mil
Fase de grupos (MA e PI) – R$ 330 mil
Total – R$ 18.520.000

2016
Campeão – R$ 2,385 milhões (Santa Cruz)
Vice – R$ 1,885 milhão (Campinense)
Semifinalista – R$ 1,385 milhão (Bahia e Sport)
Quartas de final – R$ 935 mil (Ceará, Salgueiro, CRB e Fortaleza)
Fase de grupos – R$ 505 mil*
Total: R$ 14.820.000
* Exceto para os clubes do Piauí e do Maranhão

2015
Campeão – R$ 2,74 milhões** (Ceará)
Vice – R$ 1,24 milhão (Bahia)
Semifinalista – R$ 890 mil (Vitória e Sport)
Quartas de final – R$ 615 mil (Fortaleza, América-RN, Salgueiro e Campinense)
Fase de grupos – R$ 365 mil*
Total: R$ 11.140.000
* Exceto para os clubes do Piauí e do Maranhão
** Com bônus de R$ 500 mil, pago pela CBF

2014
Campeão – R$ 1,9 milhão (Sport)
Vice – R$ 1,2 milhão (Ceará)
Semifinalista – R$ 850 mil (América-RN e Santa Cruz)
Quartas de final – R$ 600 mil (CSA, CRB, Vitória e Guarany-CE)
Fase de grupos – R$ 350 mil
Total: R$ 10.000.000

2013
Campeão – R$ 1,1 milhão (Campinense)
Participação – R$ 300 mil
Total: R$ 5.600.000

A evolução da cotas absoluta da Copa do Nordeste. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Santa segue no Nordestão, com Náutico em dúvida e Sport possivelmente isolado

O racha entre os fundadores da Luga do Nordeste. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Entre os dias 3 e 13 de julho, Liga do Nordeste viveu a expectativa sobre a decisão do Santa Cruz acerca da disputa do Nordestão de 2018. Seguiria o movimento de Sport e Náutico e deixaria a competição ou aumentaria o apoio ao torneio? Na visão do blog, a posição tricolor era determinante para o “tamanho” da Lampions, uma vez que a saída significaria, de fato, a ausência do Recife na audiência – e os dados da capital são os maiores da região.

Após ponderar sobre o que seria melhor para o seu clube, naturalmente, o presidente Alírio Moraes optou por permanecer. Comunicou a decisão durante a reunião da liga, em Salvador, onde foram definidas as cotas de participação da edição de 2018, com R$ 22,5 mi ao todo. De cara, assegurou R$ 1 milhão na fase de grupos – na situação financeira em que o clube se encontra, seria bem difícil, pra não dizer impossível, convencer o torcedor do contrário.

Com a desistência do Sport, confirmada pela liga, o Santa entra diretamente na fase de grupos, evitando o Pré-Nordestão, que seria contra a Itabaiana.

Fundadores favoráveis à continuidade da Copa do Nordeste
ABC, Bahia, Botafogo-PB, Ceará, Confiança, CRB, CSA, Fluminense de Feira, Treze e Vitória, América-RN e Fortaleza, Sergipe e Santa Cruz

Fundadores que se desfiliaram da Liga do Nordeste
Náutico (sub judice) e Sport

Algumas observações do blog sobre as consequências da decisão coral:

1) O Náutico, fora do Nordestão 2018, passa da cor vermelha, de “saída”, ao amarelo, de “indefinição”, devido ao impasse entre o executivo (que optou pela saída da liga) e o conselho deliberativo (que comunicou a permanência). Com a 3ª vaga do estado em aberto, não surpreenderia uma adesão timbu, visto que a simples participação na fase “Pré” renderia R$ 250 mil – podendo chegar a R$ 750 mil caso alcance a fase de grupos.

2) Caso o Náutico siga mesmo fora da Liga do Nordeste, a 3ª vaga de Pernambuco ficaria com o Belo Jardim, que terminou em 5º lugar no Estadual de 2017. Numa hipotética participação inédita, o calango, cujo estádio está sem os laudos técnicos, entraria num novo sorteio do Pré-Nordestão.

3) Na coletiva em que anunciou a saída do Sport, o presidente Arnaldo Barros falou sobre a formação de um torneio paralelo. Contudo, com 14 dos 16 clubes fundadores confirmando apoio à liga nordestina, a ideia fracassou. Portanto, o Sport vai ao ‘Plano B’, não revelado por ele. Primeira Liga? A princípio, o dirigente simplesmente abriu mão de R$ 1 milhão (por 6 datas), além de confrontar parte da torcida, insatisfeita pela saída do regional.

4) A direção de competições da CBF alega que o Sport não comunicou a saída dentro do prazo legal. Seria um mecanismo para uma possível volta? Em vídeo vazado no twitter, o mandatário leonino afirmou que “não é homem para se torar”, mantendo a saída – e a liga já dá o fato como consumado.

5) Embora o Sport tenha tido três jogos com audiência acima de 1 milhão de telespectadores (recorde em 2017), a sua ausência (pontual?) pode ser digerida pelo Nordestão, como ocorreu com Santa (2015), Vitória (2016) e Ceará (2017) – nesses casos, não se classificaram nos estaduais. Lembrando que o leão também não participou em 2003 e 2010, também por divergências.

Torcedor, o que você achou da posição do Santa Cruz?
Sem um regional paralelo, o Sport deve aderir à Primeira Liga?
O Náutico deveria lutar pela terceira vaga local na Copa do Nordeste?

O impacto do Nordestão nas receitas, distinto entre cotistas e não cotistas

Comparativo "cotas do Nordestão 2018 x faturamento anual (2016)". Crédito: Tiago Nunes/twitter (@TiagoJNunes)

A Copa do Nordeste voltou ao calendário oficial em 2013, após longa batalha judicial, e desde então tornou-se a principal competição para os clubes da região até o início do Brasileiro, em maio. Com cotas ascendentes ano a ano, chegou a R$ 14,8 milhões em 2016. Por que este recorte? Para traçar um comparativo com os últimos balanços financeiros divulgados pelos clubes, do chamado “G7″, com os relatórios sobre 2016 divulgados em abril.

Ideia do físico Tiago Nunes, que elaborou um quadro com a representatividade de cada cada companha possível no regional, vencido pelo Santa Cruz, sobre as receitas operacionais anuais. Fica claro que no caso de Bahia, Sport e Vitória, com contratos vultosos com a Rede Globo, nem mesmo o título mudaria muita coisa – a não ser, claro, a honra de erguer a orelhuda dourada. Nos três casos, a cota pela conquista não teria alcançado 2%. Nos demais, há impacto, com a jornada até a semi significando 3% e a final em pelo menos 5%. Obviamente, existem outras (importantes) variáveis na Lampions League, como bilheteria, baixo custo (viagens, hospedagens e arbitragem pagas), além de ganhos intangíveis, como visibilidade da marca. Campeã, a cobra coral faturou R$ 3,5 milhões na competição, com 66% oriundo da premiação.

Reforçando: trata-se de um debate baseado da desfiliação de Sport e Náutico na Liga do Nordeste, que saíram reclamando justamente das “cotas” de 2018.

Faturamento absoluto dos clubes em 2016
R$ 129.850.000 – Bahia
R$ 129.596.886 – Sport
R$ 111.976.212 – Vitória
R$ 36.854.071 – Santa Cruz
R$ 28.456.481 – Ceará
R$ 23.383.609 – Fortaleza
R$ 16.723.513 – Náutico

Premiação no Nordestão 2016*
R$ 2.385.000 – Santa Cruz (6,47%), campeão
R$ 1.385.000 – Bahia (1,06%), semi
R$ 1.385.000 – Sport (1,06%), semi
R$ 935.000 – Ceará (3,28%), quartas
R$ 935.000 – Fortaleza (3,99%), quartas
* Vitória e Náutico não participaram

Abaixo, o quadro de 2015, com percentuais mais representativos, uma vez que os balanços anuais do trio não tiveram o impacto das luvas dos Nacional. Impressiona o caso tricolor, que, curiosamente, sequer disputou a Lampions.

Comparativo "cotas do Nordestão 2015 x faturamento anual (2015)". Crédito: Tiago Nunes/twitter (@TiagoJNunes)