Como chegam Salgueiro e Sport à final do Estadual, 52 dias depois do jogo de ida

O troféu do Estadual 2017 exposto no município de Salgueiro. Foto: Salgueiro/facebook (@soucarcara)

O jogo de ida da final do Estadual, um empate em 1 x 1, aconteceu em 7 de maio. Já ali havia atraso, com os principais campeonatos regionais utilizando o dia para a volta. Pela falta de datas no calendário local, a segunda partida entre Salgueiro e Sport foi remarcada para 18 de junho. Posteriormente, a CBF vetou o dia, mantendo a data para as competições originais (Séries A e C). Agora, com uma folguinha mínima, devido à queda leonina na Copa do Brasil, vem a realização do jogo final, quase ‘perdido’ em 2017.

Para se ter uma ideia, o troféu de campeão está exposto no município sertanejo desde 5 de junho. Três semanas depois, finalmente a peça dourada será entregue a um clube. Nesses 52 dias, ocorreram 21 jogos envolvendo Salgueiro (7) e Sport (14) em outros torneios oficiais. Rendimentos abaixo da média, naturalmente devido ao maior nível técnico à parte do Pernambucano. No carcará, bronca com contratos expirados – e refeitos às pressas apenas para a decisão. No leão, técnico novo, de novo. Curiosamente, Luxemburgo trabalhará em apenas um jogo do Estadual, justamente o último. Com ambos os clubes pressionados no Brasileiro, o foco é outro problema…

Jogos do Salgueiro entre as finais do Estadual
15/05 – Confiança 2 x 1 Salgueiro (Série C, 1ª rodada)
21/05 – Salgueiro 2 x 0 Moto Club (Série C, 2ª rodada)
27/05 – Salgueiro 1 x 2 Fortaleza (Série C, 3ª rodada)
04/06 – Botafogo 1 x 0 Salgueiro (Série C, 4ª rodada)
11/06 – ASA 1 x 1 Salgueiro (Série C, 5ª rodada)
18/06 – Salgueiro 1 x 1 Cuiabá (Série C, 6ª rodada)
24/06 – Sampaio Corrêa 1 x 0 Salgueiro (Série C, 7ª rodada)

7 jogos; 1 vitória, 2 empates e 4 derrotas; 6 GP e 8 GP
23.8% de aproveitamento

10º lugar (lanterna) do grupo A da Série C. Está na zona de rebaixamento

Jogos do Sport entre as finais do Estadual
11/05 – Danubio (2) 3  x 0 (4) Sport (Sul-Americana, 1ª fase, volta)
14/05 – Ponte Preta 4 x 0 Sport (Série A, 1ª rodada)
17/05 – Sport 1 x 1 Bahia (Nordestão, final, ida)
21/05 – Sport 1 x 1 Cruzeiro (Série A, 2ª rodada)
24/05 – Bahia 1 x 0 Sport (Nordestão, final, volta)
28/05 – Sport 4 x 3 Grêmio (Série A, 3ª rodada)
31/05 – Sport 1 x 1 Botafogo (Copa do Brasil, oitavas, volta)
04/06 – Avaí 1 x 0 Sport (Série A, 4ª rodada)
07/06 – Sport 2 x 0 Flamengo (Série A, 5ª rodada)
10/06 – Vasco 2 x 1 Sport (Série A, 6ª rodada)
14/06 – Sport 0 x 0 São Paulo (Série A, 7ª rodada)
18/06 – Sport 1 x 3 Vitória (Série A, 8ª rodada)
21/06 – Atlético-MG 2 x 2 Sport (Série A, 9ª rodada)
24/06 – Santos 0 x 1 Sport (Série A, 10ª rodada)

14 jogos; 3 vitórias, 5 empates e 6 derrotas; 14 GP e 22 GC
33.3%  de aproveitamento

Classificado à 2ª fase da Sul-Americana (nos pênaltis)
Vice-campeão da Copa do Nordeste
Eliminado nas oitavas de final da Copa do Brasil
15º lugar na Série A. Fora da zona de rebaixamento

Os 20 clubes da Copa do Nordeste 2018, com 11 já garantidos na fase de grupos

Os 20 clubes da Copa do Nordeste de 2018. Arte: Cassio Zirpoli/DP

A composição da Copa do Nordeste de 2018 está quase pronta. Ao menos, já saíram os nomes dos 20 clubes classificados. Uma pendenga na justiça atrasou o campeonato maranhense, que só agora definiu os seus finalistas, Sampaio e Cordino. Como cada clube ganhou um turno, ambos asseguraram vaga na 15ª edição do torneio regional. Entretanto, com a reformulação da Lampions, ainda não é possível dizer para qual etapa cada um se classificou.

O próximo Nordestão terá a mesma quantidade de participantes estabelecida em 2015, vinte, mas agora terá uma fase preliminar envolvendo oito times, com os vencedores dos quatro mata-matas avançando à fase de grupos, com doze já assegurados. Ou seja, apenas o campeão maranhense tem vaga nesta segunda fase, com o vice tendo que largar no “Pré-Nordestão”. A decisão no Maranhão está marcada para os dias 15 e 21 de junho. E essa definição tem relação direta com o Santa, que disputará a primeira fase nordestina, uma vez que os oito clubes serão divididos em dois potes no sorteio, de acordo com o Ranking da CBF – no pote 1, o tricolor enfrentará um time do 2. Se o Cordino for campeão estadual, o pote 2 teria CSA, Parnahyba, Itabaiana e Fluminense de Feira de Santana. Caso o Sampaio fique com a taça, o pote 2 teria Parnahyba, Itabaiana, Flu e Cordino.

Devido ao ranking nacional vigente, divulgado em dezembro de 2016, Sport, Vitória, Bahia e Ceará já estão assegurados como cabeças de chave no sorteio dos grupos. Caso passe da etapa preliminar, o Santa Cruz ficaria no pote 2 do novo sorteio, junto a ABC, CRB, já confirmados neste patamar. Os demais dependem dos classificados do “pré”. A premiação da próxima Copa do Nordeste deve chegar a R$ 23 milhões, num aumento de 24% em relação a edição de 2017, vencida pelo Baêa. Os estreantes da vez são Parnahyba e Cordino – até hoje, 53 clubes já participaram do regional.

Fase preliminar (8 clubes, passando 4)
Santa Cruz (3º de PE) – 26º no Ranking da CBF
Treze (vice da PB) – 69º
Globo (vice do RN) – 77º
CSA (vice de AL) – 90º
Panahyba (vice do PI) – 100º
Itabaiana (vice de SE) – 117º
Fluminense de Feria (3º na BA) – 131º
Vice do MA (indefinido)

Fase de grupos (16 clubes, com 4 grupos de 4)
Sport (finalista do PE) – 17º
Vitória (campeão na BA) – 20º
Bahia (vice na BA) – 21º
Ceará (campeão no CE) – 23º
ABC (campeão no RN) – 31º
CRB (campeão em AL) – 37º
Botafogo (campeão na PB) – 46º
Salgueiro (finalista do PE) – 49º
Confiança (campeão em SE) – 56º
Altos (campeão no PI) – 136º
Ferroviário (vice no CE) – s/r
Campeão do MA (indefinido)

A definir (fase de grupos, campeão estadual; fase pré, vice)
Sampaio Corrêa (finalista do MA) – 36º
Cordino (finalista do MA) – s/r

Dados dos participantes da Copa do Nordeste 2018:

Alagoas
CRB (campeão alagoano): 13 participações, com 1 vice
CSA (vice): 11 participações, com 2 semifinais 

Bahia
Vitória (campeão baiano): 13 participações, com 4 títulos, 3 vices e 2 semis
Bahia (vice): 13 participações, com 3 títulos, 3 vices e 3 semifinais
Fluminense de Feira (3º lugar): 6 participações, com 1 vice 

Ceará
Ceará (campeão cearense): 12 participações, com 1 título, 1 vice e 2 semis
Ferroviário (vice): 2 participações, com 2 fases de grupos 

Maranhão
Sampaio Corrêa (finalista estadual): 3 participações, com 3 fases de grupos
Cordino (finalista estadual): estreante

Paraíba
Botafogo (campeão paraibano): 13 participações, com 1 semifinal
Treze (vice): 7 participações, com 1 semifinal 

Pernambuco
Sport (finalista estadual): 12 participações, com 3 títulos, 2 vices e 4 semis
Salgueiro (finalista estadual): 3 participações, com 2 quartas de final
Santa Cruz (3º lugar): 11 participações, com 1 título e 3 semifinais 

Piauí
Altos (campeão piauiense): 1 participação, com 1 fase de grupos
Parnahyba (vice): estreante 

Rio Grande do Norte
ABC (campeão potiguar): 12 participações, com 1 vice e 1 semifinal
Globo (vice): 1 participação, com 1 fase de grupos 

Sergipe
Confiança (campeão sergipano): 9 participações, com 9 fases de grupos
Itabaiana (vice): 2 participações, com 1 quartas de final

A seleção da Copa do Nordeste de 2017, com 3 jogadores do Sport e 1 do Santa

A seleção oficial da Copa do Nordeste. Crédito: Bahia/twitter

O Bahia dominou a seleção da Copa do Nordeste de 2017. No embalo do título, o tricolor de aço emplacou seis jogadores na lista dos melhores, além do craque (Régis, também artilheiro, com 6 gols) e do técnico, Guto Ferreira, que partiu para o Inter logo depois da taça. No Sport, o vice, foram três nomes: Magrão, Rithely e Diego Souza. Curiosamente, os três já haviam sido premiados em edições anteriores do regional. Completaram a seleção o zagueiro coral Anderson Salles e o atacante David, do rubro-negro baiano. Ou seja, onze nomes presentes entre os quatro melhores colocados.

Abaixo, a lista de 2017 (divulgada pelo Bahia) e as demais seleções oficiais do Nordestão desde a retomada no calendário da CBF, há cinco temporadas. A escolha já teve vários formatos, sempre estabelecidos pelos organizadores, a Liga do Nordeste e o Esporte Interativo, detentor dos direitos de transmissão.

2017 (Formação 4-4-2). Craque: Régis (Bahia)
Magrão (Sport); Eduardo (Bahia), Anderson Salles (Santa Cruz), Tiago (Bahia) e Armero (Bahia); Rithely (Sport), Edson (Bahia), Diego Souza (Sport) e Régis (Bahia); David (Vitória) e Edigar Junio (Bahia). Técnico: Guto Ferreira (Bahia)

2016 (Formação 4-3-3). Craque: Grafite (Santa Cruz)
Tiago Cardoso (Santa Cruz); Samuel Xavier (Sport), Tiago Sala (Campinense), Durval (Sport) e Tiago Costa (Santa Cruz); Uillian Correia (Santa Cruz), Juninho (Bahia) e Roger Gaúcho (Campinense); Keno (Santa Cruz), Grafite (Santa Cruz) e Rodrigão (Campinense). Técnico: Francisco Diá (Campinense)

2015 (Formação 4-3-3). Craque: Ricardinho (Ceará)
Luís Carlos (Ceará); Nino Paraíba (Vitória), Charles (Ceará), Thales (Bahia) e Renê (Sport); Souza (Bahia), Ricardinho (Ceará) e Diego Souza (Sport); Kieza (Bahia), Magno Alves (Ceará) e Robert (Sampaio Corrêa). Técnico: Sérgio Soares (Bahia)

2014 (Formação 4-4-2). Craque: Neto Baiano (Sport)
Magrão (Sport); Patric (Sport), Sandro (Ceará), Durval (Sport) e Renê (Sport); Luciano Sorriso (Santa Cruz), Rithely (Sport), Daniel Costa (CSA) e Ricardinho (Ceará); Magno Alves (Ceará) e Neto Baiano (Sport). Técnico: Eduardo Baptista (Sport)

2013 (Formação 4-4-2)
Pantera (Campinense); Osmar (ASA), Edivânio (Campinense), Roberto Dias (Campinense) e Glaybson (Campinense); Panda (Campinense), Lucas (Fortaleza), Bismarck (Campinense) e Ricardinho (Ceará); Assisinho (Fortaleza) e Léo Gamalho (ASA). Técnico: Oliveira Canindé (Campinense)

Total de premiações (na seleção):
13 Sport
10 Bahia
9 Campinense
Ceará
7 Santa Cruz
2 ASA, Fortaleza e Vitória
1 CSA e Sampaio Corrêa

Finais do Nordestão registram 4,4 milhões de telespectadores em Recife e Salvador

Nordestão 2017, final: Bahia 1 x 0 Sport. Crédito: Rede Globo/reprodução

A decisão da Copa do Nordeste de 2017, entre Sport e Bahia, atraiu uma massiva atenção nas duas capitais, com as torcidas estáticas diante da televisão – incluindo os rivais, à parte do jogo. Tanto a ida, na Ilha, quanto a volta, na Fonte Nova, foram transmitidas em sinal aberto, via Globo Nordeste e Rede Bahia. E considerando os dois jogos e os dados do Recife e Salvador, foram 4.404.900 telespectadores, com 52% concentrado em Pernambuco.

Segundo o Kantar Media Ibope, o instituto que mensura as 15 maiores regiões metropolitanas do país, o Recife liderou tanto em pontos quanto na projeção de indivíduos, mesmo sendo um mercado televisivo de alcance um pouco menor em relação à capital baiana. A maior audiência foi, naturalmente, no jogo de volta, com o Recife registrando uma média superior a 41 pontos. Por sinal, naquele dia, as duas cidades lideraram o ranking do futebol na tevê.

17/05 – Sport 1 x 1 Bahia
1.107.600 telespectadores no Recife
953.100 telespectadores em Salvador

As maiores audiências médias em 17/05
38,4 pontos – Manaus (San Lorenzo 2 x 1 Flamengo)
38,2 pontos – Recife (Sport 1 x 1 Bahia)
34,8 pontos – Rio de Janeiro (San Lorenzo 2 x 1 Flamengo)
32,6 pontos – Porto Alegre (Palmeiras 1 x 0 Internacional)
32,1 pontos – Salvador (Sport 1 x 1 Bahia)

24/05 – Bahia 1 x 0 Sport
1.184.400 telespectadores no Recife
1.159.800 telespectadores em Salvador

As maiores audiências médias em 24/05
41,4 pontos – Recife (Bahia 1 x 0 Sport)
37,8 pontos – Salvador (Bahia 1 x 0 Sport)
33,6 pontos – Rio de Janeiro (Atlético-GO 1 x 2 Flamengo)
33,4 pontos – Manaus (Atlético-GO 1 x 2 Flamengo)
26,6 pontos – Vitória (Atlético-GO 1 x 2 Flamengo)

Foi a 3ª vez neste ano, no estado, que um jogo envolvendo clubes ultrapassou a barreira de 1 milhão de telespectadores. Antes, o jogo de ida e o desfecho da semifinal das multidões, com 46,5 pontos pontos para Santa 0 x 2 Sport, numa audiência comparável à Copa do Mundo – com 1,3 milhão de pessoas. Até então, nesta década, levando em conta os dados oficiais já divulgados, apenas quatro jogos haviam alcançado esse patamar, o último em 2014.

Ainda vale destacar outro medidor de audiência televisiva, o Kim MW Telereport, utilizado pela Globo Nordeste. Neste, o jogo que marcou a conquista do tricolor de aço teve 42,5 pontos (1,1 a mais que a Kantar), com 1.032.325 telespectadores, num cálculo que considera um raio de estudo menor no Grande Recife. De acordo com a Telereport, 68 de cada 100 aparelhos ligados na cidade estavam sintonizados no clássico regional…

Obs. E olhe que o jogo também passou na tevê por assinatura, via EI…

Nordestão 2017, final: Sport 1x1 Bahia. Crédito: Rede Globo/reprodução

O ranking histórico da Copa do Nordeste, com 53 clubes entre 1994 e 2017

Todas as campanhas no G4 na Copa do Nordeste (1994-2017). Arte: Cassio Zirpoli/DP

A Copa do Nordeste teve 14 edições oficiais de 1994 a 2017. Até hoje, 53 clubes dos nove estados da região já participaram do torneio. Indo além da lista de campeões, com sete times, sendo o Vitória o maior vencedor, tetra, o blog compilou todas as campanhas, literalmente. Da pioneira edição em Alagoas, quando o nome foi estabelecido, até a decisão na Fonte Nova em 2017, foram realizadas 979 partidas, com 2.702 gols marcados. No geral, uma média de 2,75. Em relação à pontuação absoluta, o Bahia assumiu a liderança isolada. Com a campanha do tri, o tricolor de aço desempatou a disputa com arquirrival, até então 239 x 239. Agora, tem cinco pontos de vantagem. Curiosamente, ambos disputaram o mesmo número de jogos (140).

Em seguida vem o Sport, cuja ausência em 2010 pesa bastante no histórico geral, pois naquele ano houve um turno com 14 rodadas – em disputa marcada pela imposição da Liga do Nordeste frente à CBF, numa batalha judicial. Apesar do vice em 2017, o leão somou menos pontos que o Vitória, semifinalista (20 x 22). Portanto, a diferença aumento em relação aos dois primeiros. Já o Santa Cruz, 3º colocado em 2017, subiu duas posições no ranking de pontos, ultrapassando Ceará e América de Natal. Entrou no G4. Enquanto isso, o Náutico amargou a terceira eliminação seguida na fase de grupos. Ainda assim, conseguiu voltar ao top ten histórico.

Outra curiosidade está lá no fim da tabela. O Uniclinic, um dos dois estreantes em 2017, registrou a pior campanha da história. Seis jogos, seis derrotas, nenhum gol marcado e -24 de saldo. É, com toda justiça, o 53º e último lugar.

Observações do blog sobre a composição dos dois quadros expostos (ranking de pontos, abaixo; ranking de colocações no G4, acima):

1) Vitória, 3 pontos. Empate, 1 ponto. Resultados da fase preliminar à final.

2) A ordem dos times no ranking de pontos foi estabelecida da seguinte forma: pontos, vitórias, saldo de gols, gols marcados. O índice de aproveitamento aparece como adendo ao rendimento de cada clube

3) A ordem no ranking de colocações foi estabelecida da seguinte forma: títulos, vice-campeonatos e semifinais (em 1998, com a fase semifinal em dois quadrangulares, foi considerada a pontuação total). O número de vezes no G4 (última coluna) aparece como adendo ao desempenho de cada clube.

4) O Torneio José América de Almeida Filho, realizado em 1976, é considerado pelo Vitória como um título nordestino. O blog entende como título de porte regional, mas não referente à mesma competição. Por sinal, em 2016 a Liga do Nordeste, através de Alex Portela (também ex-presidente do Vitória), teria enviado um ofício à CBF pedindo a oficialização do torneio, o que incluiria até a primeira edição, de 1975, que teve o CRB como vencedor. Como segue sem uma resposta oficial (e pública), o blog manteve a disputa à parte. 

5) Os asteriscos em Botafogo e Sampaio se referem às punições do STJD, perdendo 4 (2014) e 6 (2015) pontos, respectivamente. A pena se mantém.

Ranking de pontos da Copa do Nordeste (1994-2017). Crédito: Cassio Zirpoli/DP

A evolução da movimentação financeira da Copa do Nordeste, de 2013 a 2017

Bilheteria, Cotas de TV e marketing do Nordestão, de 2013 a 2017. Arte: Cassio Zirpoli/Infogram

Pela primeira vez a movimentação financeira do Nordestão passou da casa de R$ 30 milhões. Somando as rendas dos jogos, as cotas de participação e o investimento realizado em marketing, a edição vencida pelo Bahia registrou R$ 31.889.146. Em relação ao ano anterior, o torneio de 2017 subiu 23%. Esse dado é baseado, sobretudo, na premiação da competição, a maior da história, com R$ 18,5 milhões distribuídos aos vinte participantes.

Entretanto, nem tudo foi positivo. Embora tenha tido semifinais poderosas em termos de mercado, com Bahia x Vitória e Sport x Santa, a renda bruta das partidas não alcançou a marca de 2015, com R$ 2,76 milhões a menos. Já numa comparação com o ano anterior, os 74 jogos proporcionaram uma arrecadação de R$ 8,3 milhões (+26,9%), com quase seis mil torcedores a cada apresentação (+1,8%). Os recordes de renda e público ocorreram na finalíssima na Fonte Nova, com R$ 1,6 milhão e 41 mil espectadores.

Para que os melhores números, em termos de assistência, não fiquem restritos ao mata-mata, a Liga do Nordeste, após votação com os membros, decidiu pela redução da fase de grupos, de 20 para 16 clubes, com uma fase preliminar no estilo “Pré-Libertadores”. Ou seja, oito jogos em mata-matas e mais 62 na fase principal, com quatro grupos, quartas semi e final. O objetivo é elevar de cara a média de público para 8/9 mil torcedores. Para o próximo ano, a cota de participação deve subir 24%, chegando a R$ 23 milhões

Eis os dados de público da Lampions League nesta retomada…

Média de público do Nordestão, de 2013 a 2017. Arte: Cassio Zirpoli/Infogram

2017 (73* jogos)
Público pagante: 442.454
Média: 5.979

2016 (74 jogos)
Público pagante: 434.604
Média: 5.873

2015 (74 jogos, sendo 1 de portões fechados)
Público pagante: 570.777
Média: 7.818

2014 (62 jogos, sendo 1 de portões fechados)
Público pagante: 463.749
Média: 7.602

2013 (62 jogos, sendo 1 de portões fechados)
Público pagante: 517.709
Média: 8.487 

Ao analisar a soma de todas as receitas da Copa do Nordeste (direitos de transmissão na televisão, renda e marketing), fica consolidado o status de principal torneio da região, bem à frente dos estaduais. Porém, o número corresponde, hoje, a 63% da meta estimada pelo presidente da Liga do Nordeste, Alexi Portela, para o auge do torneio. Em entrevista ao blog na retomada do torneio, ele imaginou o auge justamente na próxima edição, em 2018. Na projeção, R$ 50 milhões e média de 20 mil pessoas. É possível?

A movimentação financeira do Nordestão de 2013 a 2017. Arte: Cassio Zirpoli/Infogram

Podcast – Análise da final do Nordestão e das consequências no Sport após o vice

Nordestão 2017, final: Bahia 1 x 0 Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Mal escalado e desorganizado, o Sport foi derrotado pelo Bahia e acabou como vice-campeão da Copa do Nordeste de 2017. O jogo na Fonte Nova foi analisado pelo 45 minutos, com as virtudes (quase todas do Bahia) e defeitos (quase todos do Sport) dos dois times, com destaque para o trabalho de Ney Franco nos 90 minutos. Depois, um podcast voltado para o futuro rubro-negro, encerrada o regional. Novo técnico na agenda, diretoria pressionada pelos atropelos de gestão e as visíveis carências técnicas do time visando a Série A. Estou nessas gravações com Celso Ishigami, Fred Figueiroa e João de Andrade Neto, além da participação especial de Lucas Fitipaldi. Ouça!

24/05 – Bahia 1 x 0 Sport (43 min)

Saída de Ney Franco e análise da direção e do elenco pós-regional (1h57)

Com cheque na final e bônus da Caixa, Bahia fatura R$ 6 milhões no Nordestão

Nordestão 2017, final: Bahia 1 x 0 Sport. Foto: Bahia/twitter (@ECBahia)

Ao vencer o leão pernambucano, o Bahia conquistou o Nordestão 2017 e uma série de benesses. No pódio, além da cobiçada orelhuda dourada, o tricolor de aço também recebeu um enorme cheque, simbolizando a premiação oficial da decisão: R$ 1,25 milhão. Com o valor, o Bahia terminou com a cota máxima de participação, R$ 2,85 milhões – a maior cifra já paga ao campeão, inserida na premiação absoluta do torneio, de R$ 18,52 milhões (divisão abaixo). No embalo, o clube ganhou mais R$ 300 mil pelo inédito bônus oferecido pela Caixa Econômica Federal aos seus patrocinados – obviamente, em caso de título o Sport teria tido o mesmo repasse por parte do banco. Somando tudo isso à bilheteria nas seis partidas realizadas na Fonte Nova, o Baêa registrou um faturamento de R$ 6 milhões, o maior entre os vinte times desta edição. 

Outro afago, este esportivo, é a pré-classificação às oitavas de final da Copa do Brasil de 2018. A cota desta fase do torneio nacional foi de R$ 1,05 milhão nesta temporada, valor que deve ser ampliado pela CBF na próxima edição.

Balanço de receita do Bahia, o campeão de 2017
Público: 101.699 pessoas em 6 jogos (média: 16.949)
Renda bruta: R$ 2.882.573
Cota: R$ 2,85 milhões
Bônus da Caixa: R$ 300 mil
Total: R$ 6.032.573

Analisando o Trio de Ferro, naturalmente o Sport foi o clube que mais faturou, chegando a 3,9 milhões de reais. O aumento da cota neste ano inclusive foi decisivo para que o leão alcançasse um dado maior que o Santa no título nordestino de 2016 (R$ 3,5 milhões). Já o Náutico teve apenas R$ 132 mil de renda, ou menos de 1/4 da cota (e só recebeu uma, pela primeira fase).

Balanço de receita dos pernambucanos na Lampions 2017
Sport (vice)

Público: 87.358 pessoas em 6 jogos (média: 14.559)
Renda bruta: R$ 1.756.205
Cota: R$ 2,15 milhões
Total: R$ 3.906.205

Santa Cruz (3º lugar)
Público: 74.633 pessoas em 5 jogos (média: 14.926)
Renda bruta: R$ 700.550
Cota: R$ 1,6 milhão
Total: R$ 2.300.550

Náutico (9º lugar)
Público: 11.266 pessoas em 3 jogos (média: 3.755)
Renda bruta: R$ 132.355
Cota: R$ 600 mil
Total: R$ 732.335

Confira os borderôs dos três clubes locais, jogo a jogo, clicando aqui.

Cotas de participação da Lampions 2017
R$ 2,85 milhões (campeão) – Bahia
R$ 2,15 milhões (vice) – Sport
R$ 1,60 milhão (semifinalista) – Santa Cruz e Vitória
R$ 1,05 milhão (quartas de final) – Campinense, Itabaiana e Sergipe
R$ 780 mil (quartas de final) – River*
R$ 600 mil (fase de grupos) – Náutico, Uniclinic, Fortaleza, Juazeirense, CRB, ABC, CSA, América-RN e Botafogo
R$ 330 mil (fase de grupos) – Altos*, Moto Club* e Sampaio Corrêa* 

* Os clubes do Piauí e do Maranhão, integrados ao torneio em 2015, receberam uma cota menor na primeira fase

Bahia domina o Sport, vence na Fonte Nova e é tricampeão da Copa do Nordeste

Nordestão 2017, final: Bahia 1 x 0 Sport. Foto: Bahia/twitter (@ECBahia)

O Bahia foi melhor na Ilha do Retiro e muito melhor na Fonte Nova. Confiante, mais organizado taticamente e com a volta de sua principal peça, o meia Régis, o tricolor de aço entrou em campo para decidir logo a partida. Jogou pilhado pelo título do Nordestão. Do outro lado, o pressionado Ney Franco escalou o Sport com três zagueiros, uma formação testada durante um mísero treino. O técnico imaginava conter o rápido ataque baiano e aproveitar as (poucas) chances. Fez nem uma coisa nem outra.

Além da visível falta de entrosamento da defesa, sobretudo no posicionamento, o ataque rubro-negro seguiu distante, sem conseguir trocar três passes verticalizados. Pior, com onze minutos Edigar Junio recebeu na meia lua, girou sobre Durval e tocou na saída de Magrão. Ali, o empate com gols no Recife tornava-se uma vantagem ainda maior. Apesar disso, o leão seguia, em tese, por um gol. Caso chegasse ao empate, ao menos estenderia a disputa para os pênaltis. Então era manter a tranquilidade, o que não ocorreu, com amarelos por reclamação (Ronaldo) e falta (Rogério).

Nordestão 2017, final: Bahia 1 x 0 Sport. Foto: Romildo de  Jesus/Futura Press/Estadão conteúdo

Aos 32 minutos, a final tornou-se inglória aos rubro-negros. Rogério, apagado há semanas, foi expulso após receber o segundo amarelo numa simulação de pênalti. Desorganizado, sem ímpeto ofensivo e com dez jogadores, o Sport foi engolido em campo. A partir disso, Zé Rafael, Allione, Régis, Edigar Junior e Juninho (no segundo tempo) finalizaram com muito perigo. Então, entrou a figura de Magrão. O goleiro quarentão destoou do time com ótima atuação, mantendo o magro 1 x 0.

Lá na frente, Diego Souza não desequilibrou. Nem armou nem chutou. André batalhou bastante, mas esteve isolado durante quase toda a partida. E o leão acabou finalizando apenas uma vez, com Everton Felipe aos 25 do segundo tempo – entrara pouco antes, com rara lucidez na noite. Com um rendimento assim, a taça dourada passou longe do leão, cuja derrota em Salvador ampliou a má estatística de Ney Franco, agora com 1 vitória nos últimos 11 jogos. A verdade é que não houve superação suficiente para tirar o tri do Baêa. Melhor time desta edição, o clube festejou diante 41.175 torcedores, incluindo dois mil rubro-negros incrédulos diante de uma atuação tão fraca…

Atualização: sem surpresa, Ney Franco foi demitido logo após o jogo.

Nordestão 2017, final: Bahia 1 x 0 Sport. Foto: Romildo de  Jesus/Futura Press/Estadão conteúdo

Troféu, bola e moeda de arbitragem especiais para a decisão do Nordestão

Na véspera da decisão da Copa do Nordeste de 2017, a Fonte Nova foi iluminada em caráter especial para a produção de imagens de divulgação, com algumas das principais peças do torneio. Sobretudo a orelhuda dourada, disputada por Bahia e Sport e colocada na beira do campo soteropolitano. Confira os elementos criados pela organização do torneio.

O troféu tem mesmo modelo desde 2015, com nove anéis simbolizando os estados da região. A posse é definitiva, com uma nova taça replicada a cada edição. Nas alças, fitas nas cores dos finalistas (rubro-negras e tricolores). Após o apito final, as duas alças terão fitas idênticas, do campeão.

A taça da Copa do Nordeste de 2017 na Fonte Nova. Foto: divulgação

A bola Asa Branca IV passou a ter modelos exclusivos, nesta edição, durante semifinal. Além dos escudos dos clubes, há a data e a fase corresopndente. O modelo personalizado não é comercializado pela Topper.

A bola oficial da decisão da Copa do Nordeste 2017. Crédito: divulgação

As moedinhas da arbitragem seguem a mesma lógica das bolas oficiais, com detalhes personalizados sobre a partida (escudos, data e fase). Fica como lembrança. No caso, para o juiz alagoano Francisco Carlos do Nascimento.

A moeda do árbitro para a decisão da Copa do Nordeste. Foto: divulgação