Barcelona Legends na Arena Pernambuco em 2018, contra o Pernambuco Legends

Barcelona Legends

A Arena Pernambuco receberá o time de ex-craques do Barcelona, num amistoso festivo em 2018. Trata-se do ‘Barcelona Legends’, equipe criada pelo clube catalão para levar o nome blaugrana mundo afora. O time master do Barça tem uma premissa interessante: para fazer parte, o ex-jogador precisa ter conquistado ao menos um título da Champions League vestindo a camisa do clube, campeão em 1992, 2006, 2009, 2011 e 2015.

Segundo uma fonte ouvida pelo blog, a partida está agendada para o dia 14 de abril, às 20h, contra uma seleção master do futebol pernambucano. Batizada oportunamente de ‘Pernambuco Legends’, terá nomes que brilharam no Náutico, Santa e Sport. Os nomes estão sendo contatados pelo ex-zagueiro Sandro. Já no Barcelona, que tem Edmílson e Belletti como embaixadores, o clube ainda divulgará a lista de estrelas que virão ao Recife – na estreia do Legends na América do Sul. Neste ano, em amistosos na Espanha e na África, o time contou com Rivaldo e Ronaldinho Gaúcho.

Quais jogadores pernambucanos devem ser ‘convocados’? E no Barça?

O esquema de ingressos será divulgado no dia 11 pela arena, que já assinou o contrato de locação com o Grupo Manga, o promotor do evento.

Jogos disputados
28/04/2017 – Barcelona Legends 3 x 2 Real Madrid Legends
30/06/2017 – Barcelona Legends 1 x 3 Manchester United Legends
02/09/2017 – Barcelona Legends 2 x 2 Manchester United Legends
20/09/2017 – Barcelona Legends 2 x 3 Stoichkov e amigos
11/11/2017 – Barcelona Legends 1 x 0 Mambas All Stars

14/04/2018 – Barcelona Legends x Pernambuco Legends (Arena PE)

Descrição oficial do Barcelona
“Barça Legends é um projeto do FC Barcelona que tem como objetivo valorizar a imagem dos jogadores que vestiram a camisa do clube. Além disso, ajuda a contribuir com a globalização da marca Barça e seus valores através dos seus ex-jogadores. O projeto prevê a disputa de vários jogos e eventos paralelos em diferentes lugares do mundo.”

Em jogo na Europa, Brasil vence o Japão com Diego Souza atuando em 37 minutos

Amistoso da Seleção em 2017: Brasil x Japão. Foto: Lucas Figueiredo/CBF

O Brasil fez um ótimo primeiro tempo em Lille, na França. Rápido e objetivo, o time marcou três gols no Japão, com Neymar, Marcelo e Gabriel Jesus. No intervalo, Tite promoveu a estreia do goleiro Cássio. Na linha, passou a mexer aos 13 minutos, numa troca dupla, incluindo Diego Souza na vaga de Jesus. 

Pouco depois, Neymar e Willian foram substituídos por Taison e Douglas Costa, com DS87 atuando com o ataque reserva, num claro teste do treinador da Seleção, em busca de alternativas de jogo – além de manter a disputa por vagas no grupo para o Mundial de 2018. Mas a verdade é que no segundo tempo o ritmo da equipe caiu bastante, tanto em velocidade quanto em entrosamento. Os japoneses diminuíram o placar e o time brasileiro, já com seis mudanças, pouco fez em campo, numa atuação burocrática.

Na Europa, o meia do Sport entrou com o papel de retenção de bola e força na jogada aérea, mas limitou-se ao posicionamento. Pela convocação, ainda tem mais uma chance visando a Copa, em Londres. No Recife, o leão, em sua ausência, também parece ter mais uma oportunidade na Série A, em Goiânia.

Diego Souza no Sport em 2017
51 jogos
20 gols
7 assistências

Diego Souza na Seleção em 2017
5 jogos (206 minutos)
2 gols

Participação de Diego Souza na Seleção Brasileira em 2017
25/01 – Brasil 1 x 0 Colômbia (titular, 64 minutos), Amistoso
23/03 – Uruguai 1 x 4 Brasil (reserva, 5 minutos), Eliminatórias
28/03 – Brasil 3 x 0 Paraguai (reserva, 6 minutos), Eliminatórias
09/06 – Brasil 0 x 1 Argentina (reserva, não entrou), Amistoso
13/06 – Austrália 0 x 4 Brasil (titular, 94 minutos e 2 gols), Amistoso
10/11 – Brasil 3 x 1 Japão (reserva, 37 minutos), Amistoso
14/11 – Inglaterra x Brasil (a disputar), Amistoso

Jogos em 2017 nos quais DS87 não foi convocado
31/08 – Brasil 2 x 0 Equador, Eliminatórias
05/09 – Colômbia 1 x 1 Brasil, Eliminatórias
05/10 – Bolívia 0 x 0 Brasil, Eliminatórias
10/10 – Brasil 3 x 0 Chile, Eliminatórias

Amistoso da Seleção em 2017: Brasil x Japão. Imagem: Rede Globo/reprodução

Em jogo insosso, Sport empata com o Junior em Barranquilla e deixa a Sula

Sul-Americana 2017, quartas de final: Junior Barranquilla 0 x 0 Sport. Foto: Conmebol/twitter (@conmebol)

Diante de 31 mil torcedores no estádio Metropolitano de Barranquilla, Junior e Sport disputaram um jogo bem insosso, que não trouxe problema algum ao mandante, já com a ótima vantagem construída no Recife, mas que também parece ter agradado ao visitante, evitando mais uma derrota no exterior. Pois é. Sem as suas principais peças (Diego Souza, André e Rithely não viajaram, poupados para o Brasileirão), o rubro-negro pernambucano foi inofensivo no jogo de volta das quartas de final da Copa Sul-Americana de 2017.

Assim, com o empate em 0 x 0, o time encerrou a sua 5ª participação. Foi a melhor de um clube nordestino, é verdade, mas a última apresentação, de um total de oito nesta edição, foi frustrante. Sem alma. Agora, fica a expectativa sobre quando o clube voltará a disputar uma copa internacional. Caso se mantenha na Série A, a chance é razoável, pois se Grêmio (Liberta) e Flamengo (Sula) forem campeões sobraria vaga até o 15º lugar, justamente onde encontra-se o leão. Bronca é contar com a permanência, pois é o pior do returno. O futebol na Colômbia é incapaz disso. Com o trio poupado, talvez.

Sul-Americana 2017, quartas de final: Junior Barranquilla 0 x 0 Sport. Foto: Total Sports/twitter (@totalspoorts)

O Sport atuando no exterior em torneios da Conmebol (9 jogos; 3V, 1E e 5D)
18/07/1988 – Universitario (PER) 1 x 0 Sport (Libertadores, Lima)
22/07/1988 – Alianza (PER) 0 x 1 Sport (Libertadores, Lima)
18/02/2009 – Colo Colo (CHI) 1 x 2 Sport (Libertadores, Santiago)
29/04/2009 – LDU (EQU) 2 x 3 Sport (Libertadores, Quito)
25/09/2013 – Libertad (PAR) 2 x 0 Sport (Sul-Americana, Luque)
30/09/2015 – Huracán (ARG) 3 x 0 Sport (Sul-Americana, Buenos Aires)
11/05/2017 – Danubio (URU) (2) 3 x 0 (4) Sport (Sul-Americana, Montevidéu)
27/07/2017 – Arsenal (ARG) 2 x 1 Sport (Sul-Americana, Buenos Aires)
02/11/2017 – Junior (COL) 0 x 0 Sport (Sul-Americana, Barranquilla)

As campanhas do Sport na Copa Sul-Americana
2013 – 1V, 0E e 3D (oitavas, US$ 240 mil/R$ 528 mil)
2014 – 0V, 0E e 2D (16 avos de final, US$ 150 mil/R$ 335 mil)
2015 – 1V, 1E e 2D (oitavas, US$ 375 mil/R$ 1,5 milhão)
2016 – 0V, 1E e 1D (16 avos de final, US$ 300 mil/R$ 974 mil)
2017 – 3V, 1E e 4D (quartas, US$ 1,375 milhão/R$ 4,45 milhões)

Total: 5V, 3E e 12D, com US$ 2,44 milhões em cotas (R$ 7,78 milhões)

Sul-Americana 2017, quartas de final: Junior Barranquilla 0 x 0 Sport. Foto: Conmebol/twitter (@conmebol)

San Lorenzo na pré-temporada do Recife em 2018? Houve contato, novamente…

O scretário de turismo e esportes de Pernambuco, Felipe Carreras, em encontro com o gerente do San Lorenzo, Bernardo Romeo. Foto: Felipe Carreras/instagram (@felipecarreras)

Em janeiro de 2015, quando foi iniciado o voo Recife-Buenos Aires, com rota semanal, a secretaria de turismo, esportes e lazer do estado articulou junto à iniciativa privada um quadrangular amistoso envolvendo dois clubes pernambucanos e dois argentinos, previsto para 2016 – na época, houve contato com Boca Juniors, River Plate, Racing e San Lorenzo. Não saiu da sondagem, tornando-se mais um projeto engavetado, como a histórica ideia sobre a pré-temporada do Real Madrid em 2012 – lembra? Porém, de lá para cá, a rota direta para a Argentina foi consolidada, com 100 mil hermanos visitando Pernambuco e com oito frequências semanais firmadas em 2018. Ou seja, a ligação ficou estreita. E o titular da pasta, Felipe Carreras, voltou a negociar uma parceria com um clube tradicional do país vizinho. Em viagem à capital, encontrou-se com o gerente do San Lorenzo, Bernardo Romeo.

“Como todos sabem, a Argentina é o nosso principal emissor de turistas internacionais. (…) Então, por que não misturar o esporte com turismo? (…) Na pauta, uma parceria para movimentarmos a pré-temporada do futebol pernambucano! Ficamos muito animados com as possibilidades e em breve esperamos dar boas notícias”

Pela gestão da secretaria, a partida (as partidas) aconteceria (m) na Arena Pernambuco, sem mais detalhes sobre quais clubes locais seriam convidados. Taça Ariano Suassuna, Troféu Chico Science ou outro? Em caso de sucesso com o clube do Papa Francisco, seria necessário encontrar uma brecha no calendário do próximo ano, apertado devido à Copa do Mundo. O alvirrubro, por exemplo, entrará em campo, de forma oficial, com menos de dez dias após o réveillon. Além disso, é preciso que o próprio campeão da Libertadores 2014 folgue em janeiro, geralmente com jogos da pré-temporada argentina. Em 2017, por exemplo, jogou três amistosos de ‘verano’. Todos em seu país.

Ao menos a vinda não deixaria de acontecer por falta de voos…

Estreias oficiais do Trio de Ferro em 2018
09/01 – Náutico (vs Itabaiana, pela fase preliminar do Nordestão)
17/01 – Santa Cruz (vs Confiança, pela fase de grupos do Nordestão)
21/01 – Sport (adversário a definir, pelo turno classificatório do Estadual)

Número de jogos do San Lorenzo nos “torneos de verano”
2014 – 4 (Copas Salta, San Juan, Luis Caballero e Río de la Plata)
2015 – 0
2016 – 2 (Copa de Oro)
2017 – 3 (2 na Copa Mar del Plata e 1 na Copa Buenos Aires)

Clubes argentinos que já jogaram no Recife
Atlanta (1937), Vélez Sarsfield (1951), Chacarita (1952 e 1953), Independiente (1956), Argentinos Juniors (1973 e 2016), Huracán (2015) e Arsenal (2017)

Saiba mais sobre jogos entre clubes pernambucanos e argentinos aqui.

Mundial de Clubes reconhecido pela Fifa a partir da Intercontinental. E sempre foi

Os troféus dos campeões mundiais de clubes: Intercontinental, Copa Toyota e Mundial da Fifa (2000 e 2005-2016)

A Copa Intercontinental foi criada num acordo entre a Confederação Sul-Americana, atual Conmebol, e a Uefa, em 1960. O objetivo era medir forças entre os clubes dos continentes mais desenvolvidos do futebol na época. Na Europa, havia a Copa dos Campeões, atual “Liga”, já com quatro edições. Portanto, surgiu aqui a Taça Libertadores. O regulamento era bem simples, com o duelo entre os campeões em jogos de ida e volta. Pelo título mundial.

E o vencedor sempre foi tratado como campeão mundial interclubes, inclusive no velho mundo, onde há uma meia verdade sobre o desdém. Foi assim até 1979, com duas edições canceladas por falta de acordo entre as datas (1975 e 1978). Em 1980, solucionando o impasse, as entidades firmaram um acordo com a federação japonesa, com o patrocínio da montadora Toyota, com a disputa de jogo único, em dezembro. Dali até 2004, o campeão recebeu duas taças, a Copa Intercontinental e a Copa Toyota, ambas valorizadas.

Em 2000, como se sabe, a Fifa organizou pela primeira vez o “Mundial de Clubes”, ignorando o passado. E olhe que, por diversas vezes, a própria entidade avalizou a disputa anterior como mundial – no youtube é possível conferir as placas da Fifa nos jogos disputados no estádio em Tóquio. Desde 2005, com a descontinuação da Copa Intercontinental, o Mundial de Clubes passou a ocupar o calendário, já com os demais continentes, cuja presença é, sim, justa. Porém, não apagou quatro décadas de glórias…

Tanto que a própria Fifa, enfim, reconheceu a antiga disputa como Mundial, com o mesmo peso do seu torneio. Embora apenas por barganha política, legitimou o que Santos, Flamengo, Grêmio e São Paulo sempre foram.

Obs. O blog já considerava a Copa Intercontinental.

Os campeões chancelados pela Fifa (Intercontinental + Mundial de Clubes)

5 – Real Madrid (1960, 1998, 2002, 2014 e 2016) 

4 – Milan (1969, 1989/1990 e 2007) 

3 – Peñarol (1961, 1966 e 1982) , Nacional (1971, 1980 e 1988), Boca Juniors (1977, 2000 e 2003), São Paulo (1992/1993 e 2005), Internazionale (1964/1965 e 2010), Bayern de Munique (1976, 2001 e 2013) e Barcelona (2009, 2011 e 2015) 

2 – Santos (1962/1963), Independiente (1973 e 1984), Ajax (1972 e 1995), Juventus (1985 e 1996), Porto (1987 e 2004), Manchester United (1999 e 2008) e Corinthians (2000 e 2012) 

1 – Racing (1967), Estudiantes (1968), Feyenoord (1970), Atlético de Madrid (1974), Olimpia (1979), Flamengo (1981), Grêmio (1983), River Plate (1986), Estrela Vermelha (1991), Vélez Sarsfield (1994), Borussia Dortmund (1997) e Internacional (2006)

Sport é dominado pelo Junior e amarga derrota em casa pelas quartas da Sula

Sul-Americana 2017, quartas de final: Sport 0 x 2 Junior Barranquilla. Foto: Conmebol/site oficial

O cartel do Junior Barranquilla era excelente. Na liga colombiana, aparece em 3º lugar. Na copa nacional, é finalista, tendo empatado o jogo de ida, fora de casa. No ataque, conta com dois jogadores convocados para a última partida do país nas Eliminatórias. Para completar, havia perdido apenas um dos últimos seis jogos. Sem dúvida, um nível de confiança bem acima do Sport. Mas não só nisso. Havia bastante organização, o grande diferencial da técnica equipe vista no Recife. Confrontando tudo isso uma atmosfera pulsante. A torcida rubro-negra fez a sua parte, proporcionando o maior público do clube em cinco participações na Sul-Americana. Com o apoio de 21 mil torcedores, cabia ao Sport tentar desarticular o bem armado adversário. Não deu.

Do começo ao fim, o Junior foi superior, propondo o jogo. Se na Série A até as equipes mais qualificadas costumam atuam de forma reativa, o que se viu aqui foi um time com boas triangulações, num ritmo rápido, forçando bastante a defesa leonina, falha há tempos. O placar em branco na primeira etapa foi até aceitável, uma vez que o meio-campo estava perdido – Rodrigo, escalado no lugar do machucado Rithely, só fazia cercar, marcando mal. Nas laterais, Samuel Xavier e Mena deram o espaço necessário ao adversário, com o chileno fazendo a sua pior partida no clube, com erros técnicos primários.

Sul-Americana 2017, quartas de final: Sport 0 x 2 Junior Barranquilla. Foto: Aníbal Monteiro/cortesia

Na etapa complementar, descontando a bola no travessão de Lenis, no único acerto de uma insistente jogada (lançamento da defesa e casquinha de Diego Souza para os atacantes), a frieza do visitante deu resultado. Mantendo a velocidade, seguiu perigoso. A partir das esperadas falhas de cobertura do leão, sobretudo em cruzamentos rasteiros, saíram os gols de González, 0 x 2. Graças a Magrão, não virou goleada. De toda forma, o resultado praticamente apaga o sonho internacional do Sport em 2017. Certeza mesmo, após o apito final, foi a saída de Vanderlei Luxemburgo após a fraca apresentação…

Os maiores públicos do Sport como mandante na Copa Sul-Americana
21.343 – Sport 0 x 2 Junior (COL), em 26/10/2017 (Ilha, quartas)
17.575 – Sport 1 x 2 Libertad (PAR), em 23/10/2013 (Arena PE, oitavas)
16.125 – Sport 2 x 0 Náutico (BRA), em 20/08/2013 (Ilha, 16 avos)
13.582 – Sport 3 x 0 Danubio (URU), em 06/04/2017 (Ilha, 32 avos)
8.201 – Sport 4 x 1 Bahia (BRA), em 27/08/2015 (Ilha, 16 avos)
7.726 – Sport 1 x 1 Huracán (ARG), em 23/09/2015 (Ilha, oitavas)
7.694 – Sport 2 x 0 Arsenal (ARG), em 06/07/2017 (Ilha, 16 avos)
6.570 – Sport 0 x 1 Santa Cruz (BRA), em 31/08/2016 (Arena PE, 16 avos)
6.254 – Sport 3 x 1 Ponte Preta (BRA), em 13/09/2017 (Ilha, oitavas)
6.025 – Sport 0 x 1 Vitória (BRA), em 28/08/2014 (Ilha, 16 avos)

10 jogos; 5V, 1E e 4D (53%); 16 GP e 9 GC; Público médio de 11.109

Sul-Americana 2017, quartas de final: Sport 0 x 2 Junior Barranquilla. Foto: Conmebol/site oficial

O jogo internacional mais importante do Sport em 8 anos. Desde São Marcos…

Sport x Junior (COL), pelas quartas da Sul-Americana 2017. Crédito: Sport/twitter

O confronto contra o Palmeiras, pelas oitavas de final da Taça Libertadores de 2009, foi, sem dúvida, o ponto alto do Sport no cenário internacional. Nas mãos de Marcos, que pegou três pênaltis, o leão parou ali. Desde então, o time voltou cinco vezes às disputas da Conmebol, sempre na Copa Sul-Americana. Após desempenhos bem modestos, enfim uma boa campanha, alcançando as quartas de final. Diante do Junior Barranquilla, torna-se o primeiro nordestino entre os oito melhores da Sula. Vai por mais.

Historicamente, como mandante, o rendimento é bom diante de adversários estrangeiros: 70%. Com média de 15 mil pessoas, foram 5 vitórias em 8 jogos.

Assista ao vídeo do Sport sobre a convocação para o jogo de 26/10…

O leão como mandante contra os gringos nas copas internacionais
16/08/1988 – Sport 5 x 0 Alianza (Peru) – Libertadores (15.213)
23/08/1988 – Sport 0 x 0 Universitario (Peru) – Libertadores (22.628)
04/03/2009 – Sport 2 x 0 LDU (Equador) – Libertadores (20.184)
22/04/2009 – Sport 2 x 1 Colo Colo (Chile) – Libertadores (20.050)
23/10/2013 – Sport 1 x 2 Libertad (Paraguai) – Sul-Americana (17.575)
23/09/2015 – Sport 1 x 1 Huracán (Argentina) – Sul-Americana (7.726)
06/04/2017 – Sport 3 x 0 Danubio (Uruguai) – Sul-Americana (13.582)
06/07/2017 – Sport 2 x 0 Arsenal (Argentina) – Sul-Americana (7.694)
26/10/2017 – Sport x Junior (Colômbia) – Sul-Americana (a disputar)

8 jogos; 5V, 2E e 1D; 16 GP e 4 GC. Público médio de 15.581

Cristiano Ronaldo é o melhor do mundo pela 5ª vez e iguala recorde de Messi

Cristiano Ronaldo (2008, 2013,2014, 2016 e 2017) e Lionel Messi (2009, 2010,2011, 2012 e 2015) recebendo os prêmios de "melhor jogador do mundo", da Fifa

“Espero apanhar o Messi já na próxima época” 

A frase foi dita por Cristiano Ronaldo em 2014, durante a cerimônia na Suíça, quando foi premiado pela terceira vez. Ali, agraciado como o melhor do mundo, Cristiano já deixava claro o seu objetivo máximo, o de quebrar o maior número de recordes na carreira. Ser o melhor num ano já não bastava. Queria ser o jogador mais vezes eleito pela Fifa. Ganhando tudo no Real Madrid, com três títulos da Champions League nos últimos quatro anos, além da Eurocopa com Portugal, CR7 trilhou uma caminhada de sucesso até este momento, onde enfim igualou a marca de Lionel Messi. E o rendimento precisava ser absurdo. De fato, foi, com quatro eleições nos últimos cinco anos.

Em Londres, Cristiano recebeu o troféu “The Best”, a nomenclatura criada na temporada passada, após o fim da parceria entre a Fifa e a revista France Football, com o Ballon d’Or. A principal mudança nesta edição foi o período de análise dos candidatos. Em vez do ciclo de janeiro a dezembro, agora vale a temporada europeia. Ou seja, num processo de adaptação, valeu entre 20/11/2016 e 02/07/2017. Campeão espanhol, europeu e mundial com o Real, o craque superou Messi e Neymar, os concorrentes.

Burocracia à parte, são dez anos com o português e o argentinos revezando o status de melhor na eleição oficial da Fifa. Ambos recordistas e já na história entre os maiores de todos os tempos. Quanto ao merengue, com um poder de fogo gigantesco, a meta agora parece ser o desempate. Cristiano não gosta de dividir recordes… E em 2017 lembrou estar sempre na disputa.

“Há 11 anos que estou aqui no palco. É um momento único”

A premiação Fifa The Best, de 2017. Foto: Alexander Hassenstein /Fifa/Getty Images

As últimas dez premiações para o ‘melhor jogador do mundo’
2008 – Cristiano Ronaldo (Manchester United), 35 gols em 58 jogos (0,60)
2009 – Messi (Barcelona), 41 gols em 64 jogos (0,64)
2010 – Messi (Barcelona), 60 gols em 64 jogos (0,93)
2011 – Messi (Barcelona), 59 gols em 70 jogos (0,84)
2012 – Messi (Barcelona), 91 gols em 69 jogos (1,31)
2013 – Cristiano Ronaldo (Real Madrid), 69 gols em 58 jogos (0,60)
2014 – Cristiano Ronaldo (Real Madrid), 61 gols em 60 jogos (0,98)
2015 – Messi (Barcelona), 52 gols em 61 jogos (0,85)
2016 – Cristiano Ronaldo (Real Madrid), 55 gols em 57 jogos (0,96)
2017 – Cristiano Ronaldo (Real Madrid), 44 gols em 47 jogos (0,93)

Com o penta de Cristiano, Portugal tornou-se o segundo país com mais eleitos, ultrapassando a Argentina, considerando a premiação oficial da Fifa, com três nomes distintos: Player of the Year (1991-2009); Fifa Ballon d’Or (2010-2015); The Best (2016-2017). Sem nomeações desde 2007, quando Kaká foi premiado, o Brasil segue à frente na lista, com oito troféus.

Ranking de premiações do melhor do mundo (1991-2017)
8 – Brasil (Ronaldo 3, Ronaldinho 2, Romário 1, Rivaldo 1 e Kaká 1)
6 – Portugal (Cristiano Ronaldo 5, Luís Figo 1)
5 – Argentina (Messi 5)
3 – França (Zidane 3)
2 – Itália (Baggio 1 e Cannavaro 1)
1 – Alemanha (Matthäus)
1 – Holanda (Van Basten)
1 – Libéria (Weah) 

A premiação Fifa The Best, de 2017. Foto: Alexander Hassenstein /Fifa/Getty Images

A seleção da Fifa com os 11 melhores na temporada 2016/2017, na formação 4-3-3

A seleção da Fifa para a temporada 2016/2017. Foto: Fifa/youtube (reprodução)

Em 20 de setembro, a Fifa divulgou uma lista com os 55 nomes mais votados para a escolha da “seleção do ano”. Ao afunilar a lista, um mês depois, o time acabou bem parecido com o da última edição do The Best. Utilizando a formação 4-3-3 como estrutura-base, o anúncio de 2017, em Londres, trouxe apenas jogadores de Real Madrid, Barcelona e Juventus. E com apenas três mudanças: Buffon no lugar de Neuer, no gol, Bonucci na vaga de Piqué, na zaga, e Neymar substituindo Suárez, no ataque. Da lista apresentada, na visão do blog, o meia Iniesta destoou tecnicamente, abaixo dos demais.

Neste ano, lembrando, o prêmio passou a considerar o período da temporada europeia, em vez de um ano regular, de janeiro a dezembro. Ou seja, foram contabilizados os jogos de 20/11/2016 a 02/07/2017. Logo, a velha senhora se destacou devido à participação na final da Liga dos Campeões da Uefa.

Em termos de nacionalidade dos craques escolhidos, o futebol brasileiro acabou sendo o mais presente, com três nomes. Curiosamente, dois deles mudaram de camisa após o fim do ciclo de análise. Embora estejam hoje no Paris Saint-Germain, Daniel Alves e Naymar foram eleitos pelo desempenho nos clubes anteriores, Juve e Barça, respectivamente.

Número de indicados por clube em 2017
5 – Real Madrid
3 – Juventus
3 – Barcelona

Número de indicados por país de origem em 2017
3 – Brasil
2 – Espanha e Itália
1 – Alemanha, Argentina, Croácia e Portugal

Seleção FifPro de 2017 (4-3-3)
Buffon (ITA/Juventus); Daniel Alves (BRA/Juventus), Sergio Ramos (ESP/Real Madrid). Bonucci (ITA/Juventus) e Marcelo (BRA/Real Madrid); Toni Kroos (ALE/Real Madrid), Modric (CRO/Real Madrid) e Iniesta (ESP/Barcelona); Neymar (BRA/Barcelona), Messi (ARG/Barcelona) e Cristiano Ronaldo (POR/Real Madrid). Técnico: Zidane (FRA/Real Madrid)

Seleção FifPro de 2016 (4-3-3)
Neuer (ALE/Bayern de Munique); Daniel Alves (BRA/Juventus), Piqué (ESP/Barcelona), Sergio Ramos (ESP/Real Madrid) e Marcelo (BRA/Real Madrid); Toni Kroos ALE/Real Madrid), Modric (CRO/Real Madrid) e Iniesta (ESP/Barcelona); Messi (ARG, Barcelona), Luis Suárez (URU, Barcelona) e Cristiano Ronaldo (POR, Real Madrid). Técnico: Claudio Ranieri (ITA/Leicester)

A seleção de 2017, segundo a Fifa. Foto: Alexander Hassenstein /Fifa/Getty Images

A pedido da CBF, clubes do país analisam rivais da Seleção na Copa. Sport na lista

Os países selecionados pela CBF para que os analistas dos clubes brasileiros. Crédito: CBF

A preparação da Seleção para a Copa do Mundo de 2018, visando o estudo sobre os países adversários, contará com a participação de 19 clubes brasileiros, incluindo os nordestinos Sport, Bahia e Vitória. A partir da ideia do coordenador Edu Gaspar, aprovada pelo técnico Tite, os analistas de desempenho dos clubes da Série A de 2017 – exceção feita ao Flamengo, que não pôde participar – ficarão responsáveis pela análise de 27 países. Das 32 seleções classificadas ao torneio da Rússia, só ficam fora dessa lista os sul-americanos e o próprio Brasil, com dados detalhados pelo Centro de Pesquisa e Análise (CPA) da Confederação Brasileira de Futebol.

A escolha foi feita mediante sorteio, na CBF. No caso do rubro-negro pernambucano, a bolinha trouxe a Sérvia, centro da antiga Iugoslávia, que, mesmo sendo dissolvida durante décadas, esteve em nove Mundiais. Como Sérvia, duas participações: 2010 e 2018. Na eliminatória europeia, os sérvios lideraram o grupo D, obtendo a vaga direta numa chave com Irlanda, Gales e Áustria. Em Salvador, o departamento de análise do Bahia vai se debruçar sobre o Irã! Já o Vitória espera a definição na África, com três possibilidades: Senegal, Burkina Faso e Cabo Verde. Em vários outros casos os clubes ainda dependem das repescagens para definir o país a ser analisado.

Número de países analisados por cada clube
5 – Centro de Análise da CBF
2 – Atlético-PR, Botafogo, Corinthians, Cruzeiro, Grêmio, Palmeiras, São Paulo e Vasco
1 – Atlético-GO, Atlético-MG, Avaí, Bahia, Chapecoense, Coritiba, Fluminense, Ponte Preta, Santos, Sport e Vitória