Libertadores e Copa Sul-Americana com jogos de janeiro a dezembro de 2018

Taça Libertadores e Copa Sul-Americana; Crédito: Conmebol/site oficial

A Conmebol divulgou os calendários, fase por fase, da Libertadores e da Sul-Americana de 2018, com jogos já em 22 de janeiro, pela Pré-Libertadores, seguindo até 12 de dezembro, na decisão da Sula. A agenda precisou acomodar os dois torneios e ainda liberar datas para as confederações nacionais, fora as quatro paradas para os amistosos das seleções, sempre com dois jogos, e, sobretudo, o período para a Copa do Mundo na Rússia.

De forma simultânea, as copas internacionais vão ocorrer de fevereiro a novembro, repetindo o formato adotado em 2017. Entretanto, apesar do cronograma oficial, há uma data “pendente”. A entidade ainda estuda a mudança da final da Liberta para “jogo único”, que seria realizado em 1º de dezembro, num sábado, em vez de 7 e 28 de novembro, duas quartas-feiras.

Imitação da Champions League? Na América do Sul o cenário não parece propício, primeiro pela quebra da tradição histórica do torneio, e também devido às distâncias maiores e à pior infraestrutura de transporte.

Vale lembrar que o Brasil tem 7 vagas na Libertadores (Série A, do 1º ao 6º, e Copa do Brasil, com o campeão Cruzeiro) e 6 na Sul-Americana (Série A, do 7º ao 12º), fora as vagas extras em caso de títulos continentais na temporada vigente. Na Liberta, os brasileiros estreiam na 2ª fase, em 31 de janeiro. Na Sula, jogos a partir de 14 de fevereiro, com a 1ª fase até 9 de maio!

Com a divulgação deste calendário, a direção de competições da CBF deve se apressar em formular o cronograma do país para 2018. Depois, será a vez da FPF, com um novo formato do Campeonato Pernambucano

Participações pernambucanas na Conmebol
Liberta: Sport (1988 e 2009) e Náutico (1968)
Sula: Sport (2013, 2014, 2015, 2016 e 2017), Náutico (2013) e Santa (2016)

O calendário oficial da Conmebol para 2018. Crédito: Conmebol/site oficial

Conmebol divulga calendário das quartas da Sula, sem o Sport na televisão aberta

A Copa Sul-Americana. Foto: Conmebol/site oficial

A direção de competições da Conmebol divulgou a agenda completa das quartas de final da Copa Sul-Americana de 2017, com jogos de 24 de outubro a 2 de novembro. O Sport jogará em duas quintas-feiras, ou seja, fora da grade da tevê aberta – mas com exibição na Fox ou no SporTV. Para a tabela, a entidade entrou em acordo com as emissoras detentoras dos direitos, com o Fla-Flu caindo para o horário nobre da Globo em duas quartas-feiras.

Sobre o duelo entre o leão pernambucano e o tubarão colombiano, o confronto irá encerrar esta fase da Sula, cuja premiação, em caso de passagem à semi, é de R$ 1,7 milhão. O jogo de ida será na Ilha do Retiro, enquanto a volta será disputada no Estádio Metropolitano. No horário do Recife, ambos os jogos são às 21h45. Contudo, em Barranquilla são duas horas a menos no fuso.

A agenda do Leão durante a 4ª fase da Sula
23/10 (20h00) – Atlético-PR x Sport (Série A)
26/10 (21h45) – Sport x Junior (Sul-Americana)
29/10 (n/d) – Sport x Coritiba (Série A)
02/11 (21h45) – Junior x Sport (Sul-Americana)
05/11 (n/d) – Chapecoense x Sport (Série A)

A programação das quartas de final da Sul-Americana de 2017. Crédito: Conmebol/divulgação

As quartas de final da Sul-Americana de 2017 e os possíveis caminhos do Sport

As quartas de final da Copa Sul-Americana de 2017. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Definidos os 8 clubes classificados às quartas da Copa Sul-Americana 2017. Em jogo isolado, o Fluminense eliminou a LDU em Quito, diminuindo o trauma dos vices em 2008 (Liberta) e 2009 (Sula). Com isso, fechou a formatação da quarta fase do torneio, com 3 clubes brasileiros, 2 argentinos, 2 paraguaios e 1 colombiano. Entre os remanescentes, apenas um campeão da Sula, o Independiente, e um vice, o próprio tricolor carioca, que terá agora um Fla-Flu.

Eis os confrontos (definem em casa os times à esquerda):
Racing (Argentina) x Libertad (Paraguai)
Independiente (Argentina) x Nacional (Paraguai)
Junior (Colômbia) x Sport (Brasil)
Flamengo (Brasil) x Fluminense (Brasil)

Na próxima fase, os jogos de ida devem acontecer nos dias 24, 25 ou 26 de outubro, enquanto os de volta serão na semana seguinte, em 31 de outubro e 1 e 2 de novembro – a Conmebol ainda irá detalhar a agenda de cada partida.

Sport segue como um dos representantes do país na copa, chegando pela 1ª vez às quartas, cenário inédito em todo o futebol do Nordeste. A partir do chaveamento estabelecido, o blog compilou os possíveis rivais do leão, caso siga caminhando. Em relação à premiação da Sula, a passagem à semifinal valerá, a qualquer participante, o aporte de 550 mil dólares, ou R$ 1,7 milhão.

Possíveis adversários do Sport na Copa Sul-Americana 2017:
1ª fase – Danubio-URU, 3 x 0 e 0 x 3 (4 x 2 no pênaltis)
2ª fase – Arsenal-ARG, 2 x 0 e 1 x 2
Oitavas – Ponte Preta-BRA, 3 x 1 e 0 x 1
Quartas – Junior-COL, a disputar (ida no Recife, volta em Barranquilla)
Semifinal – Flamengo-BRA ou Fluminense-BRA*
Final – Racing-ARG, Libertad-PAR, Independiente-ARG ou Nacional-PAR*
* O leão jogaria a volta do confronto em Pernambuco

Participações (e melhores desempenhos) na Sula:
13 – Libertad (semifinal em 2013)
8 – Independiente (campeão em 2010)
6 – Fluminense (vice em 2009)
6 – Flamengo (quartas em 2017)
5 – Sport (quartas em 2017)
4 – Junior (quartas em 2004, 2016 e 2017)
4 – Racing (quartas em 2002 e 2017)
4 – Nacional (quartas em 2017)

Com o Sport, o Nordeste volta às quartas de uma copa internacional após 18 anos

Nordeste

Desde 1960, o futebol nordestino teve 29 participações nos torneios da Conmebol, considerando a Taça Libertadores (6), a Copa Conmebol (6) e a Sul-Americana (17). Ao todo, nove clubes da região já tiveram o gostinho, com o Trio de Ferro na lista. Em termos de boas campanhas, porém, o quadro é bem escasso. A classificação do Sport às quartas da Sula é apenas a sexta vez entre os oito melhores, sendo a primeira em quase duas décadas!

Anteriormente, cenários semelhantes já haviam ocorrido duas vezes com o Bahia, na Libertadores, e outras três na extinta Copa Conmebol, incluindo o melhor desempenho de todos, o do CSA, o único finalista internacional da região. Em 1999, o time alagoano estendia às penalidade a disputa com o Talleres até os descontos, quando tomou o gol decisivo, em Córdoba.

Os nordestinos que já chegaram às quartas em copas internacionais:

1960 – Bahia (Libertadores, quartas, 2 jogos; 1v-0e-1d)
- Participou como campeão da Taça Brasil
- Já estreou nas quartas, sendo eliminado pelo San Lorenzo-ARG

1989 – Bahia (Libertadores, quartas, 10 jogos; 5v-4e-1d)
- Participou como campeão da Série A
- Avançou na fase de grupos (Inter-BRA, Táchira-VEN e Maritimo-VEN) e eliminou o Universitario-PER nas oitavas, caindo nas quartas para o Inter-BRA

1997 – Vitória (Copa Conmebol, quartas, 4 jogos; 3v-0e-1d)
- Participou como campeão do Nordestão
- Eliminou o Luqueño-PAR (oitavas) e caiu para o Lanús-ARG (quartas)

1998 – Sampaio Corrêa (Copa Conmebol, semifinal, 6 jogos; 3v-2e-1d)
- Participou como campeão da Copa Norte
- Eliminou América de Natal-BRA (oitavas) e Deportes Quindío-COL (quartas), caindo na semifinal para o Santos-BRA

1999 – CSA (Copa Conmebol, vice-campeão, 8 jogos; 4v-1e-3d)
- Participou como 4º lugar no Nordestão (Vitória, Bahia e Sport desistiram)
- Eliminou Vila Nova-BRA (oitavas), Estudiantes-VEN (quartas) e São Raimundo-BRA (semifinal), perdendo a decisão para o Talleres-ARG

2017 – Sport (Sul-Americana, quartas, 8 jogos; 3v-0e-3d)
- Participou como 14º colocado na Série A
- Eliminou Danubio-URU (32 avos), Arsenal-ARG (16 avos) e Ponte Preta-BRA (oitavas), tendo as quartas a disputar com o Junior-COL

Confira um resumo das 29 participações nordestinas clicando aqui.

Podcast – A análise da classificação do Sport na Sula, mesmo perdendo da Ponte

Sul-Americana 2017, oitavas de final: Ponte Preta 1 x 0 Sport. Foto: Fábio Leoni/Ponte Press

Após fazer 3 x 1 na Ilha do Retiro, jogando um bom futebol, o Sport voltou a mostrar apatia como visitante, perdendo em Campinas por 1 x 0. Nos 180 minutos, o leão se classificou diante da Ponte, chegando às quartas de final da Sul-Americana. Apesar da vaga, não escapou das críticas, com o sistema defensivo desorganizado e o ataque sem criatividade, sem apetite. O 45 minutos analisou o jogo, os desempenhos individuais e o coletivo, e já projetou o próximo confronto na copa internacional, contra o Junior de Barranquilla.

20/09 – Ponte Preta 1 x 0 Sport (44 min)

Sport x Junior da Colômbia nas quartas da Sul-Americana, valendo R$ 1,7 milhão

Sport x Junior de Barranquilla nas quartas de final da Sula 2017. Arte: Cassio Zirpoli/DP (sobre imagem da Conmebol)

O Sport se classificou para as quartas de final da Sula e ficou no chaveamento do Junior de Barranquilla, valendo R$ 1,7 milhão em caso de passagem à semi. Será a primeira vez que o time pernambucano irá atuar de forma oficial na Colômbia. Assim, somando todas as copas da internacionais, será o 7º país estrangeiro, restante apenas Bolívia e Venezuela entre os filiados da Conmebol. Ao todo, o Sport já disputou 16 jogos contra os hermanos. Somando a Libertadores, o desempenho é até bom, com 8 vitórias, 2 empates e 6 derrotas. No recorte da Sula, porém, são 2 vitórias em 8 jogos.

Prováveis datas: 25/10 (Recife) e 01/11 (Barranquilla)

Vindo da Libertadores, o Junior estreou na Sula na 2ª fase. Segue invicto após dois confrontos (Deportivo Cali-COL e Cerro Porteño-PAR), com uma vitória e três empates. Em seu reduto, está invicto há dez jogos, sete sem sofrer gols – dureza para quem vem jogando mal como visitante, como é o caso do leão.

Com 7 títulos nacionais, o último deles em 2011, o Junior é o sexto maior campeão do país. Fora da Colômbia, ainda briga por um maior êxito, tendo 13 participações na Libertadores (semifinal em 1994) e 4 na Sul-Americana, onde tem como melhor desempenho justamente a classificação às quartas.

O clube é sediado em Barranquilla, que tem 1,8 milhão de habitantes, sendo a 4ª maior metrópole do país, atrás de Bogotá, Medellín e Cali. O estádio é Metropolitana Roberto Meléndez, com capacidade para 46 mil torcedores. Inaugurado em 1986, o palco foi remodelado em 2011, com cadeiras em todos os setores, todos cobertos. Nesta edição da Sula, o clube proporcionou um dos maiores públicos, com 29 mil pessoas no duelo contra o Deportivo Cali.

Sport como mandante contra times do exterior nas copas internacionais:
2 – Peru (Alianza, 5 x 0, 1988; Universitario, 0 x 0, 1988)
2 – Argentina (Huracán, 1 x 1, 2015; Arsenal, 2 x 0, 2017)
1 – Equador (LDU, 2 x 0, 2009)
1 – Chile (Colo Colo, 2 x 1, 2009)
1 – Paraguai (Libertad, 1 x 2, 2013)
1 – Uruguai (Danubio, 3 x 0, 2017)
1 – Colômbia (Junior, a disputar, 2017)
0 – Bolívia
0 – Venezuela

Geral (Liberta + Sula)
8 jogos; 5 vitórias, 2 empates e 1 derrota; 16 GP e 4 GC; +12 SG

Sport como visitante contra times do exterior nas copas internacionais:
2 – Peru (Universitario, 0 x 1, 1988; Alianza, 1 x 0; 1988)
2 – Argentina (Huracán, 0 x 3, 2015; Arsenal, 1 x 2*, 2017)
1 – Chile (Colo Colo, 2 x 1, 2009)
1 – Equador (LDU, 3 x 2, 2009)
1 – Paraguai (Libertad, 0 x 2, 2013)
1 – Uruguai (Danubio, 0 x 3*, 2017)
1 – Colômbia (Junior, a disputar, 2017)
0 – Bolívia
0 – Venezuela
* Obteve a classificação no mata-mata apesar da derrota

Geral (Lberta + Sula)
8 jogos; 3 vitórias e 5 derrotas; 7 GP e 14 GC; – 7 SG

Magrão faz milagre nos descontos e Sport confirma vaga inédita nas quartas da Sula

Sul-Americana 2017, oitavas de final: Ponte Preta 1 x 0 Sport. Foto: Conmebol/twitter (@conmebol)

Em Campinas, o Sport repetiu o mesmo roteiro das duas fases anteriores. Vitória com boa atuação na Ilha do Retiro e desorganização no jogo de volta, com derrota. Felizmente, para a torcida rubro-negra, o sufoco acabou encerrado também do mesmo jeito, com a classificação. Desta vez, inédita. Ao perder da Ponte Preta por 1 x 0, o leão chegou às quartas de final da Copa Sul-Americana. Em sua quinta participação, o clube coloca o Nordeste pela primeira vez entre os oito melhores do torneio.

Desde já: a vaga não apaga a má fase. A defesa foi vazada em nove das últimas dez apresentações. Não é acaso, pois o time se mostra desorganizado e Luxemburgo não vem conseguindo o encaixe necessário. Em alguns momentos no Moisés Lucarelli, a falta de consciência tática do time fazia com que três jogadores saíssem de suas posições para fechar no mesmo adversário, deixando rombos desnecessários. É verdade que o gol sofrido foi uma infelicidade – não pelo passe errado de Lenis, que gerou a falta na intermediária. Na cobrança de Cajá, a bola bateu na barreira e sobrou limpa para Lucca marcar. Com apenas 16 minutos de bola rolando, a vantagem do Sport, que chegou a ser de três gols no Recife, já estava no limite.

Sul-Americana 2017, oitavas de final: Ponte Preta 1 x 0 Sport. Foto: Fábio Leoni/Ponte Press

O time acusou o golpe e só tranquilizou, um pouco, após a bobeira de Nino Paraíba, expulso após a segunda falta violenta, aos 34. Somando os descontos, o Sport jogou no 10 x 11 durante 62 minutos! Porém, não conseguiu administrar melhor a sua vantagem, sem criação alguma, mesmo numa atmosfera favorável, com apenas 3.890 espectadores.

Só nos minutos finais, com a Macaca no tudo ou nada, é que os contragolpes apareceram. Desperdiçados, pois a más fase também se estende ao ataque (após brigar com a bola, André acertou um lance aos 42). Ao menos um em campo mantinha a regularidade, Magrão. Havia feito uma ótima defesa no primeiro tempo e no último lance do jogo, aos 47, espalmou um chute à queima roupa de Gamalho. A defesa que manteve o Sport na Sula, com Junior Barranquilla na rota. Nas quartas, fazer só o dever de casa será pouco. O time colombiano está invicto há dez jogos em seu estádio. E a volta será lá…

O leão já acumula 1,375 milhão de dólares em cotas, ou R$ 4,26 milhões.

Cotas do Sport na Copa Sul-Americana
1ª fase – US$ 250 mil (vs Danubio-URU)
2ª fase – US$ 300 mil (vs Arsenal-ARG)
Oitavas – US$ 375 mil (vs Ponte Preta-BRA)
Quartas – US$ 450 mil (vs Junior-COL)
Semifinal – US$ 550 mil?

Sul-Americana 2017, oitavas de final: Ponte Preta 1 x 0 Sport. Foto: Conmebol/twitter (@conmebol)

Podcast – A análise da vitória do Sport no jogo de ida das oitavas da Sul-Americana

Copa Sul-Americana 2017, oitavas: Sport 3 x 1 Ponte Preta. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

O Sport venceu a Ponte no jogo de ida das oitavas da Sula, abrindo vantagem no confronto internacional. O time pernambucano chegou a abrir três gols de diferença e embora tenha tomado um gol no fim, deixando a chave aberta, deu confiança à torcida pelo bom futebol apresentado na Ilha do Retiro. O 45 minutos analisou a partida, com os desempenhos individuais (Rithely, DS, Mena…) e o coletivo. Estou nessa com Fred Figueiroa e Lucas Fitipaldi. Ouça!

13/09 – Sport 3 x 1 Ponte Preta (31 min)

Sport vence Ponte Preta e abre vantagem visando inédita vaga nas quartas da Sula

Copa Sul-Americana 2017, oitavas: Sport 3 x 1 Ponte Preta. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

A duradoura má fase no Brasileirão, há seis rodadas sem vitória, trouxe uma desconfiança enorme para a meta paralela do Sport neste segundo semestre, a Copa Sul-Americana. Após eliminar um time do Uruguai e outro da Argentina, os leoninos teriam um duelo nacional nas oitavas de final. E em dois jogos pela Série A, sequer conseguiram balançar as redes da Ponte. Ajustes na escalação (4 mudanças) e na organização (volta dos pontas) e imposição, um combo necessário para reverter o cenário. O que aconteceu.

O Sport venceu por 3 x 1, um placar até econômico para a disparidade vista na Ilha. O mandante foi superior o jogo inteiro, com posse de bola, criação de jogadas e finalizações certas (11 x 2). No lado esquerdo, Luxa voltou à composição Mena/Sander, deixando o chileno à frente, região onde rendeu mais – e também foi o responsável pela bola parada, de melhor aproveitamento que os demais companheiros. Na direta, Raul Prata ganhou a preferência do técnico, ocupando o lugar do inconstante Samuel Xavier. Não teve uma grande atuação, mas a regularidade na recomposição já foi suficiente para melhorar o setor – no fim, seria premiado com uma assistência.

Copa Sul-Americana 2017, oitavas: Sport 3 x 1 Ponte Preta. Foto: Conmebol/twitter (@conmebol)

Mas foi no meio-campo onde ocorreu a transformação para uma atuação consistente. Patrick foi o motorzinho do time, tendo, enfim, um companheiro de ótimo rendimento técnico. Em baixa e cobrado, Rithely conseguiu fazer o time andar, na antecipação e recuperação de bolas e na distribuição, sobretudo nos passes verticalizados. Com o time jogando acima da média, seria natural que outras peças também melhorassem, como Diego Souza. O meia, que na Sula joga com a 10, voltou a carregar a bola a partir do círculo central, como em seus melhores momentos no clube, na visão do blog.

Num jogo em que o placar eletrônico chegou a registrar 3 x 0, com gols de Ronaldo Alves, Rithely e André, o tento campineiro, através de Felipe Saraiva, aos 37/2T, acabou sendo um “castigo”. A enorme vantagem virou uma boa vantagem, devido ao gol qualificado, mas com a vaga ainda ao alcance de uma classificação inédita para o futebol nordestino…

Os jogos do Sport como mandante na Copa Sul-Americana
20/08/2013 – Sport 2 x 0 Náutico – 16.125 pessoas (Ilha, 2ª fase)
23/10/2013 – Sport 1 x 2 Libertad (PAR) – 17.575 (Arena PE, oitavas)
28/08/2014 – Sport 0 x 1 Vitória – 6.025 (Ilha, 2ª fase)
27/08/2015 – Sport 4 x 1 Bahia – 8.201 (Ilha, 2ª fase)
23/09/2015 – Sport 1 x 1 Huracán (ARG) – 7.726 (Ilha, oitavas)
31/08/2016 – Sport 0 x 1 Santa Cruz – 6.570 (Arena PE, 2ª fase)
06/04/2017 – Sport 3 x 0 Danubio (URU) – 13.582 (Ilha, 1ª fase)
06/07/2017 – Sport 2 x 0 Arsenal (ARG) – 7.694 (Ilha, 2ª fase)
13/09/2017 – Sport 3 x 1 Ponte Preta – 6.254 (Ilha, oitavas)

9 jogos; 5 vitórias, 1 empate e 3 derrotas; 16 GP e 7 GP; 59% de apto.

Copa Sul-Americana 2017, oitavas: Sport 3 x 1 Ponte Preta. Foto: Conmebol/twitter (@conmebol)

Ilha do Retiro com gramado reparado e agenda de 9 a 11 jogos até dezembro

Gramado da Ilha do Retiro após o reparo. Fotos: Greenleaf Gramados/instagram (@greenleafgramados)

Gramado da Ilha do Retiro após o reparo. Fotos: Greenleaf Gramados/instagram (@greenleafgramados)

De janeiro a agosto, a Ilha recebeu 28 jogos de futebol do time profissional.

Após uma temporada intensa, com jogos do time profissional em quase todas as semanas, além de apresentações das equipes juvenil, júnior e feminina, o gramado da Ilha do Retiro entrou em colapso no inverno. Buracos, poças d´água e drenagem sobrecarregada. Com isso, o Sport acabou indo jogar duas partidas na Arena Pernambuco, tirando da Ilha também os jogos das outras categorias. O time principal ainda retornou ao local para enfrentar Fluminense e Ponte Preta, mas o campo foi bem criticado nos dois empates. Com a pausa na tabela para as Eliminatórias da Copa, a equipe contratada ganhou tempo, 27 dias de intervalo, entre os dias 14 de agosto e 9 de setembro.

Em 10 de julho, o clube havia assinado um contrato de um ano com a Greenleaf Gramados, que atua em outros campos do país, como o Maracanã e o Mineirão, os estádios escolhidos das finais da Copa do Brasil de 2017. Também responsável pela requalificação do campo auxiliar, a empresa apresentou sem seu perfil no instagram as primeiras imagens comparativas.

Pelo cenário anterior, o Sport escapou de um veto. Não teria sido injusto…

Agora, com o gramado reparado, o time terá oito jogos pela Série A e ao menos um pela Copa Sul-Americana, podendo chegar a no máximo a três – uma hipotética decisão não poderia ocorrer no estádio devido à capacidade. Logo, de 9 a 11 jogos até dezembro, com o ritmo acelerando de novo.

Gramado da Ilha do Retiro antes do reparo. Fotos: Greenleaf Gramados/instagram (@greenleafgramados)

Gramado da Ilha do Retiro antes do reparo. Fotos: Greenleaf Gramados/instagram (@greenleafgramados)