Federer reina na grama de Wimbledon pela 8ª vez e amplia lenda no Grand Slam

Roger Federer conquista o grand slam na grama pela 8ª vez. Foto: Roger Federer/twitter (@rogerfederer)

Em plena forma, o tenista Roger Federer conquistou o título de Wimbledon pela 8ª vez na carreira. Assim, desempatou a disputa com Pete Sampras, tornando-se o maior vencedor na grama do All England Club. Aos 35 anos, o suíço venceu os sete jogos por 3 sets a 0, numa campanha impressionante. Na decisão de 2017, não deu chance ao croata Marin Cilic, fazendo 6/3, 6/1 e 6/4 e voltando a ganhar a taça dourada após cinco anos.

Claro, ampliou o recorde nos torneios de simples do Grand Slam, chegando a 19 conquistas. Abaixo, os maiores vencedores ma “era aberta”, com o profissionalismo em vigor desde 1968, tanto no masculino quanto no feminino. Por fim, o ace que rendeu mais um capítulo brilhante a esta lenda do tênis.

Os maiores vencedores na Era Aberta

Torneios masculinos
Australian Open – Novak Djokovic, 6 vezes (2008, 11-13, 15 e 16)
Roland Garros – Rafael Nadal, 10 vezes (2005-08, 10-14 e 17)
Wimbledon – Roger Federer, 8 vezes (2003-07, 09, 12 e 17)
US Open - Jimmy Connors, 5 vezes (1974, 76, 78, 82-83); Pete Sampras, 5 vezes (1990, 93, 95-96, 2002); Roger Federer, 5 vezes (2004-08)

Torneios femininos
Australian Open – Serena Williams, 7 vezes (2003, 05, 07, 09-10, 15, 17)
Roland Garros – Chris Evert, 7 vezes (1974-75, 79-80, 83, 85-86)
Wimbledon – Martina Navratilova, 9 vezes (1978-79, 82-87 e 90)
US Open - Chris Evert, 6 vezes (1975-78, 80, 82); Serena Williams, 6 vezez (1999, 2002, 08, 12-14)

Os maiores campeões (soma dos 4 torneios)
19 – Roger Federer (Suíça)
15 – Rafael Nadal (Espanha)
14 – Pete Sampas (EUA)
12 – Nova Djokovic (Sérvia)

As maiores campeãs (soma dos 4 torneios)
23 – Serena Williams (EUA)
22 – Steffi Graf (Alemanha)
18 – Chris Evert (EUA)
18 – Martina Navratilova (EUA)

Os 262 emojis do Twitter na Olimpíada

O Twitter conta com 310 milhões de perfis ativos, segundo o dado mais recente divulgado pela empresa, com 44% usando a rede social diariamente. Ou seja, 136 milhões. No cenário esportivo, o microblog aparece com mais força, sendo atualmente, na visão do blog, a melhor rede para o acompanhamento em tempo real de eventos e competições. Ciente disso, o Twitter vem criando “emojis” (ideogramas) específicos (e pontuais) para os torneios. Em 2016 já havia acontecido tanto na Eurocopa quanto na Copa América. Agora, o Twitter lançou um catálogo gigantesco para os Jogos Olímpicos de 2016.

São 262 emojis, sendo 9 gerais (Olimpíada, Rio, medalhas de ouro, prata e bronze e cerimônias de abertura e encerramento), 206 bandeiras dos países filiados ao COI, 2 para o time de refugiados olímpicos (a 207ª delegação no evento), e 45 sobre os esportes, com modalidades distintas – somente no ciclismo, por exemplo, são quatro emojis. Abaixo, a lista completa, em inglês.

Por sinal, caso não siga, o meu perfil no microblog é @cassito_z.

Nas redes sociais, a interação (informação, greia, imagens etc) deve ser lá…

Emoji dos Jogos Olímpicos de 2016 para o twitter

Emoji dos Jogos Olímpicos de 2016 para o twitter

Emoji dos Jogos Olímpicos de 2016 para o twitter

Emoji dos Jogos Olímpicos de 2016 para o twitter

Raio X da delegação recorde do Brasil para os Jogos Olímpicos de 2016

Infográfico do COB sobre a delegação brasileira nos Jogos Olímpicos de 2016

A uma semana dos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) divulgou um relatório sobre os 465 atletas do país confirmados no evento, sendo 256 homens e 209 mulheres. Gente espalhada entre os 12.500 competidores oriundos das 206 nações filiadas, além do “time de refugiados”. Da delegação verde e amarela, 68% dos convocados vão disputar a Olimpíada pela primeira vez. O perfil médio do Time Brasil, segundo o raio x, é de 1,76m, 73 quilos e 27 anos. Abaixo, o infográfico completo.

Com 15 representantes (13 mulheres e 2 homens), Pernambuco corresponde a 3,2% da delegação. Do estado, vão à Cidade Maravilhosa os seguintes nomes: Keila Costa (saltos em distância e triplo), Érica Sena (marcha atlética), Cisiane Dutra (marcha atlética), Wagner Domingos (lançamento de martelo), Joanna Maranhão (natação, 200m e 400m medley e 200m borboleta), Etiene Medeiros (natação, 50m e 100m livres, 100m costas e revezamentos), Yane Marques (pentatlo moderno), Felipe Nascimento (pentatlo moderno), Teliana Pereira (tênis), Jaqueline (vôlei), Dani Lins (vôlei), Samira Rocha (handebol), Bárbara (futebol), Amanda Araújo (rúgbi) e Cláudia Jaqueline (rúgbi).

Infográfico do COB sobre a delegação brasileira nos Jogos Olímpicos de 2016

Infográfico do COB sobre a delegação brasileira nos Jogos Olímpicos de 2016

Infográfico do COB sobre a delegação brasileira nos Jogos Olímpicos de 2016

Infográfico do COB sobre a delegação brasileira nos Jogos Olímpicos de 2016

Infográfico do COB sobre a delegação brasileira nos Jogos Olímpicos de 2016

Infográfico do COB sobre a delegação brasileira nos Jogos Olímpicos de 2016

Infográfico do COB sobre a delegação brasileira nos Jogos Olímpicos de 2016

Os brasileiros campeões no Grand Slam

Brasileiros campeões de Grand Slam: Maria Esther Bueno, Gustavo Kuerten e Bruno Soares e Marcelo Melo; Thomaz Koch, Tiago Fernandes, Marcelo Zormann e Orlando Luz

Na história do Grand Slam, composto pelos quatro grandes torneios do tênis, oito brasileiros já conseguiram o título, considerando todas as categorias. Do simples ao juvenil. De Maria Esther Bueno, no US Open de 1959, a Bruno Soares, nas duplas da Austrália, em 2016. Ao todo são 31 conquistas. Eis a lista de títulos brazucas.

Post atualizado em 31 de janeiro de 2016

Maria Esther Bueno (19)
4 – US Open (simples – 1959, 1963, 1964 e 1966)
3 – Wimbledon (simples – 1959, 1960 e 1964)
5 – Wimbledon (duplas – 1958, 1960, 1963, 1965, 1966)
4 – US Open (duplas – 1960, 1962, 1966 e 1968)
1 – Australian Open (duplas – 1960)
1 – Rolando Garros (duplas – 1960)
1 – Roland Garros (duplas mistas – 1960)

Gustavo Kuerten (4)
3 – Roland Garros (simples – 1997, 2000 e 2001)
1 – Roland Garros (dupla juvenil – 1994)

Bruno Soares (4)
1 – Australian Open (duplas – 2016)
2 – US Open (duplas mistas – 2012 e 2014)
1 – Australian Open (duplas mistas – 2016)

Marcelo Melo
1 – Roland Garros (duplas – 2015)

Thomaz Koch
1 – Roland Garros (duplas mistas – 1975)

Tiago Fernandes
1 – Australian Open (simples juvenil – 2010)

Marcelo Zormann
1 – Wimbledon (dupla juvenil – 2014)

Orlando Luz
1 – Wimbledon (dupla juvenil – 2014)

Olimpíada de 2016 a um ano da abertura

Falta exatamente um ano para o início dos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, cujo orçamento em infraestrutura (esportes, mobilidade, meio ambiente, renovação urbana etc) chega a R$ 38 bilhões. Em relação ao campo esportivo, a estrutura principal do evento, o Parque Olímpico, apresenta uma execução de 82% nos trabalhos planejados, de acordo com o comitê organizador.

Confira um passeio nas arenas em construção, tanto no Parque Olímpico da Barra quanto no Complexo Esportivo de Deodoro. Vale lembrar que a abertura (e a final dos torneios de futebol) será no Maracanã, enquanto as provas de atletismo ocorrerão no Engenhão, cuja pista está sendo trocada.

Ao todo são 7,5 milhões de ingressos para as disputas olímpicas nas 37 arenas.

Parque Olímpico da Barra

Faltando 1 ano para a Olimpíada 2016, as Arenas Cariocas 1, 2 e 3. Foto: Gabriel Heusi/brasil2016.gov.br

Arena Carioca 1 – 85%
Capacidade: 16 mil
Modalidade: basquete

Arena Carioca 2 – 91%
Capacidade: 10 mil
Modalidades: judô, luta greco-romana e luta livre

Arena Carioca 3 – 93%
Capacidade: 10 mil
Modalidades: esgrima e taekwondo

Faltando 1 ano para a Olimpíada 2016, a Arena do Futuro. Foto: Gabriel Heusi/brasil2016.gov.br

Arena do Futuro – 74%
Capacidade: 12 mil
Modalidade: handebol

Faltando 1 ano para a Olimpíada 2016, o Estádio Aquático. Foto: Gabriel Heusi/brasil2016.gov.br

Estádio Aquático – 81%
Capacidade: 18 mil
Modalidades: natação e polo aquático

Faltando 1 ano para a Olimpíada 2016, o Centro de Tênis. Foto: Gabriel Heusi/brasil2016.gov.br

Centro de Tênis – 68%
Quadra principal: 10 mil
Quadra 2: 5 mil
Quadra 3: 3 mil
7 quadras de jogo: 250 lugares cada

Faltando 1 ano para a Olimpíada 2016, o Velódromo. Foto: Gabriel Heusi/brasil2016.gov.br

Velódromo – 61%
Capacidade: 5 mil
Modalidade: ciclismo (pista)

Faltando 1 ano para a Olimpíada 2016, o Parque Maria Lenk. Foto: Gabriel Heusi/brasil2016.gov.br

Parque Aquático Maria Lenk – % não divulgado
Capacidade: 5 mil
Modalidades: saltos ornamentais e nado sincronizado

Faltando 1 ano para a Olimpíada 2016, Centro Internacional de Transmissão (IBC), Hotel de Mídia e Centro Principal de Imprensa (MPC). Foto: Gabriel Heusi/brasil2016.gov.br

Centro Internacional de Transmissão (IBC, 81%) e Hotel de Mídia e Centro Principal de Imprensa (MPC, 77%)

Complexo Esportivo de Deodoro

Faltando 1 ano para a Olimpíada 2016, o complexo de canoagem. Foto: Gabriel Heusi/brasil2016.gov.br

Canoagem – 79%
Capacidade: 8.424
Modalidade: canoagem slalom

Faltando 1 ano para a Olimpíada 2016, o Centro BMX. Foto: Gabriel Heusi/brasil2016.gov.br

Centro BMX – 79%
Capacidade: 7,5 mil
Modalidade: ciclismo BMX

Faltando 1 ano para a Olimpíada 2016, a Arena da Juventude. Foto: Gabriel Heusi/brasil2016.gov.br

Arena da Juventude – 62%
Capacidade: 5 mil
Modalidades: esgrima do pentatlo moderno e basquete feminino

Faltando 1 ano para a Olimpíada 2016, o Centro de Hipismo. Foto: Gabriel Heusi/brasil2016.gov.br

Centro de Hipismo – % não divulgado
Capacidade: 14,2 mil
Modalidades: hipismo olímpico (saltos, adestramento e concurso completo de equitação)

Faltando 1 ano para a Olimpíada 2016, o Centro de Hóquei Sobre Grama. Foto: Gabriel Heusi/brasil2016.gov.br

Centro de Hóquei Sobre Grama – % não divulgado
Quadra principal: 8 mil
Quadra secundária: 5 mil
Modalidades: hóquei sobre grama

Faltando 1 ano para a Olimpíada 2016, o Estadádio de Deodoro. Foto: Gabriel Heusi/brasil2016.gov.br

Estádio de Deodoro – % não divulgado
Capacidade: 15 mil
Modalidades: rúgbi, hipismo do pentatlo moderno e combinado (corrida e tiro) do pentatlo moderno

Faltando 1 ano para a Olimpíada 2016, o Centro de Tiro. Foto: Gabriel Heusi/brasil2016.gov.br

Centro de Tiro – % não divulgado
Capacidade: 7.577
Modalidades: tiro esportivo olímpico

Teliana Pereira, uma pernambucana no top 50 do ranking mundial da WTA

Teliana aparece em 48º lugar no ranking da WTA em 3 de agosto de 2015. Crédito: reprodução

O ranking feminino de tênis é atualizado semanalmente desde o dia 3 de novembro de 1975. Embora tenha conquistado sete títulos de Grand Slam, a brasileira Maria Esther Bueno jamais liderou a lista profissional (Open Era), uma vez que o seu auge ocorreu nas décadas anteriores à criação. Cronologicamente é uma “pena”, pois o International Tennis Hall of Fame chegou a apontá-la como a melhor do mundo em 1964 e 1966.

Já veterana, aos 37 anos, Maria Esther chegou a aparecer em 29º lugar no ranking da WTA, em 1976. Ainda assim, um feito notável, uma vez que figurar entre as 50 primeiras do circuito é algo raro no país, com hiatos enormes. E aí entra a figura da pernambucana Teliana Pereira, que nesta temporada vem derrubando marcas impressionantes nas quadras (sobretudo de saibro).

A tenista de Águas Belas já soma dois títulos do WTA. O primeiro, em Bogotá, em 19 de abril, encerrou o jejum de títulos das brasileiras, que vinha desde Barcelona, em 1988. O segundo troféu, em Florianópolis, derrubou outro tabu, o de conquistas no país, desde o torneio no Guarujá, em 1987. Ambos vencidos pela gaúcha Niege Dias, que viu outra marca particular ser superada. Ela havia sido a nossa última representante no Top 50, com o 31º lugar em 1988. Até este 3 de agosto de 2015, com a lista atualizada pela Women’s Tennis Association, colocando Teliana, de 27 anos, em 48º, com 1.034 pontos.

Será que Teliana alcançará o melhor ranking de uma brasileira…?

Brasileiras entre as 50 primeiras do ranking da WTA
29ª – Maria Esther Bueno (1976)
31ª – Niege Dias (1988)
48ª – Patrícia Medrado (1982)
48ª – Teliana Pereira (2015)

Brasileiras com títulos na WTA
2 – Niege Dias (Guarujá 1987 e Barcelona 1988)
2 – Teliana Pereira (Bogotá 2015 e Florianópolis 2015)

Os títulos de WTA de Teliana Pereira em 2015: Florianópolis (02/08) e Bogotá (19/04). Imagens: divulgação

A pernambucana Teliana Pereira ganha 1º título de WTA e recoloca o Brasil na elite

Teliana Pereira em Bogotá. Foto: Copa WTA Bogotá/facebook

Em 2013, Teliana Pereira tornou-se a sexta brasileira a figurar no top 100.

Dois anos depois, outro grande feito desta pernambucana de Águas Belas, com a histórica conquista do WTA de Bogotá.

Após 27 anos de jejum nos torneios de elite da associação profissional feminina, uma tenista brasileira voltou a ser campeã. Ela faturou a taça ao derrotar na final a cazaque Yaroslava Shvedova por 2 sets a 0 (76, 6/1), na sua quinta vitória seguida, em uma jornada para jamais esquecer.

Este é o ponto mais alto de uma longa caminhada, com títulos de challengers e torneios mais modestos. Teliana, radicada no Paraná, vinha preenchendo a sua estante com muita determinação nas quadras, sobretudo de saibro. O triunfo na Colômbia, o seu 23º em simples, deverá ter um lugar especial.

Teliana nasceu justamente em 1988, ano da última conquista brasileira, com a vitória da gaúcha Niege Dias em Barcelona.Voltando ao presente, o WTA de Bogotá recolocou Teliana entre as 100 melhores do mundo.

“É um dia muito especial. O mais feliz de toda a minha vida”.

Palavras de Teliana ao receber o troféu, antes das lágrimas.

Um dia especial para todos nós…

Teliana Pereira em Bogotá. Foto: Copa WTA Bogotá/facebook

Os valores dos 7,5 milhões de ingressos da Olimpíada de 2016

O comitê organizador dos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, divulgou a tabela oficial de preços de todas as competições agendadas. Ao todo, serão 7,5 milhões de ingressos à venda para 717 sessões em 28 modalidades. Deste total, 3,8 milhões serão vendidos por preços inferiores a R$ 70.

Como ocorreu na Copa do Mundo, a venda será online. Antes, haverá um cadastramento no mês de novembro, através do site www.rio2016.com.

O ingresso mais barato custará R$ 40, para modalidades como tiro esportivo, marcha atlética e maratona. Os mais caros vão sair por até R$ 1.200 para as finais de vôlei e basquete. A final do futebol, que deverá ocorrer no Maracanã, custará R$ 900. Sobre as cerimônias, valores de R$ 200 a R$ 4.600 na abertura e R$ 200 a R$ 3.000 no encerramento.

Confira a tabela com os bilhetes da primeira Olimpíada na América do Sul.

Temperatura máxima no Grand Slam

Alta temperatura no Australian Open 2014. Crédito: https://twitter.com/DjokerNole

O primeiro grande torneio de tênis na temporada é o Australian Open.

É o primeiro dos quatro grand slams do circuito profissional.

Tradicionalmente disputada com sol forte, em janeiro, a competição em Melbourne alcançou índices alarmantes em 2014.

Alguns jogos chegaram a ser disputados com 44º C.

Foram dez desistências só na primeira rodada, devido ao calor. Outras partidas foram reagendadas para evitar o desgaste.

Para chamar a atenção dos organizadores, o francês Jo-Wilfried Tsong quebrou dois ovos numa panela no intervalo de uma disputa. Em seguida, o tenista postou a imagem no twitter.

Ainda mais curioso foi o desfecho da ideia do sérvio Novak Djokovic, também na rede social. Uma das estrelas do circuito e conhecido pelo bom humor, usou uma forma incrível para protestar sobre as condições de jogo.

Quebrou um ovo na quadra, com o piso numa temperatura ainda mais elevada.

E o ovo acabou sendo fritado…

Alta temperatura no Australian Open 2014. Crédito: https://twitter.com/DjokerNole

Em quatro anos, duas reformas milionárias nas quadras de tênis de Boa Viagem

Reforma das quadras de tênis da orla de Boa Viagem em 2013. Foto: Cassio Zirpoli/DP/D.A Press

As quatro quadras de tênis da orla de Boa Viagem estão sendo reformadas após quatro anos da última obra realizada no local.

Em 12 de setembro de 2009 foi entregue a segunda etapa do “Projeto Orla”, com a reforma completa das quadras, incluindo novo piso e troca no sistema de iluminação, com 48 refletores. Porém, o projeto geral também contava com a requalificação de 61 quiosques na orla, com custo de R$ 4,1 milhões.

Agora, uma nova reforma parcial nas quadras foi autorizada pela Prefeitura do Recife por causa da destruição da estrutura da tela de proteção, provocada pelos fortes ventos neste ano, além da falta de manutenção.

Com prazo de conclusão de 90 dias, a obra está orçada em R$ 1.599.917,45.

Reforma das quadras de tênis da orla de Boa Viagem em 2013. Foto: Cassio Zirpoli/DP/D.A Press

Segundo a placa instalada na frente, a obra inclui “serviços de recuperação de quiosques e quadras de tênis, localizados na Orla de Boa Viagem”.

A nova previsão de gasto – desconsiderando os reajustes da inflação, diga-se – corresponde a 39% da verba anterior, que, repetindo, foi uma reforma completa, tanto nas quadras quanto nos quiosques espalhados na avenida.

Levando em consideração que a obra anterior foi feita há apenas quatro anos – com uma troca completa da quadra e dos quiosques -, podemos imaginar que ou a reforma passada foi mal feita ou a nova está com um custo elevado.

Curiosidade: de forma informal, uma pesquisa sobre preços de uma nova quadra de tênis aponta valores de até R$ 60 mil, incluindo a terraplenagem.

Reforma das quadras de tênis da orla de Boa Viagem em 2013. Foto: Cassio Zirpoli/DP/D.A Press