Com gol de Pitbull, Santa vence o Sport na Ilha e leva grande vantagem ao Arruda

Copa do Nordeste 2017, semifinal: Sport 1x2 Santa Cruz. Foto: Peu Ricardo/DP

Foi um Santa Cruz muito diferente em campo, o Santa que a torcida tanto pediu a Vinícius Eutrópio. Pediu não, exigiu. A enorme cobrança sobre o técnico visava uma equipe mais disposta a jogar futebol, justificando a sua tradição. O desempenho em Salgueiro, há uma semana, foi muito além do tolerável. Durante a semana, muita conversa e a certeza de que era, sim, preciso mudar. Não bastava tentar conter o Sport na Ilha, recebendo seu maior público no ano, 23.574. Para seguir na briga pelo bi da Copa do Nordeste, os corais precisariam confrontar de fato o adversário, como vem fazendo muito bem desde 2011.

Jogando com três meias e sem abdicar do jogo, mantendo a prudência necessária, o tricolor arrancou um resultado que o deixa pertinho da final. Venceu por 2 x 1. No Arruda, na próxima quarta, tem o empate e pode avançar até mesmo caso perca por 1 x 0. Aos leoninos, portanto, a obrigação de marcar dois gols. Não será fácil, tanto que ainda não conseguiu em três clássicos nesta temporada (1 x 1, 1 x 1 e 1 x 2). Na Ilha, o Sport sentiu a ausência de Rogério, suspenso. Sem o atacante, foram pouquíssimas jogadas de profundidade – coisa que Ney Franco só tentou aos 16 do segundo tempo, com a entrada de Lenis no lugar de Juninho, sem sucesso. Além disso, encontrou um adversário mais solto, com mais qualidade no passe. Após levar perigo duas vezes, em chutes de fora da área, a cobra coral acelerou. Assim, abriu o placar, aos 32 minutos. Thomás fez boa jogada pela esquerda e cruzou para um dos meias, Léo Costa, que escorou de peixinho.

Copa do Nordeste 2017, semifinal: Sport 1x2 Santa Cruz. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Jogando em seu ritmo, procurando espaço sem tanto pressa, o Sport só havia tido uma grande chance até ali, com Juninho. Mais pela linha de impedimento mal feita pelo adversário. Cara a cara com Jacsson, o jovem atacante perdeu. O goleiro foi escalado após o veto em Júlio César, com irritação no olho. Como no hexagonal estadual, quando o Santa atuou com os reservas, teve boa atuação. Só foi vencido em uma penalidade, marcada cinco minutos após o gol coral. Diego Souza carregou a bola no lado direito da área e foi derrubado por Tiago Costa. O camisa 87, que havia desperdiçado contra o Botafogo, converteu desta vez converteu. Chegou a dez gols no ano.

Se o primeiro tempo foi mais franco, no segundo o Santa conseguiu travar bem o meio-campo leonino, com Elicarlos e David ligados. Ronaldo e Fabrício encontraram dificuldades na saída de bola, enquanto Rithely errou muitos passes – inclusive a intensidade dos passes. Se Ney Franco mexeu no time para buscar a vitória, tentando aproveitar do maior volume, Eutrópio também ousou. Tirou Pereira e colocou André Luís, para tentar reter a bola à frente, forçando a jogada de linha de fundo. E o atacante, que entrara há dois minutos, fez fila, encontrando Halef Pitbull. Que hora para acabar o jejum! Eram oito partidas. O centroavante se desvencilhou logo da marcação de Matheus Ferraz e fuzilou as redes de Magrão, dando a vantagem definitiva no jogo de ida. A partir dali, um Sport sem imaginação, insistindo na bola aérea, já com os zagueiros no ataque. Por baixo, também errou, até na pequena área. Ao Santa, a já tradicional festa na geral do placar.

Copa do Nordeste 2017, semifinal: Sport x Santa Cruz. Foto: Santa Cruz/instagram (@santacruzfc)

Balanço do Santa em 2016, com a maior receita da história e redução do passivo

O balanço financeiro do Santa Cruz de 2011 a 2016. Arte: Cassio Zirpoli/D

Havia a certeza de que o Santa Cruz teria a maior receita de sua história em 2016. Apenas a cota de televisão pela participação na Série A, de R$ 23 milhões, já seria suficiente para superar todos os faturamentos anuais na década. Então, some a isso as premiações obtidas pelo clube no Nordestão (campeão), na Copa do Brasil (3ª fase) e na inédita participação na Sul-Americana (oitavas), além de patrocínios, sócios e bilheteria. Ao todo, R$ 36,8 milhões de receita operacional, num aumento de 143% em relação à temporada anterior, quando conquistou o acesso à elite nacional – o relatório foi publicado no Diario de Pernambuco. No histórico tricolor, foi muito dinheiro, mas num comparativo local, a cifra acabou abaixo do esperado.

E não se trata de uma comparação com o Sport, cuja receita em 2016 foi superior à soma dos últimos seis anos do Santa (129 mi x 115 mi), mas sim em relação ao Náutico, também na condição de “não cotista” da tevê. Em 2012 e 2013, em seus últimos anos na elite, o alvirrubro faturou 41 e 48 milhões, respectivamente. Desconsiderando o segundo dado, turbinado pelo contrato com a Arena Pernambuco, o primeiro já mostra uma captação maior.

Sobre o último exercício, o gasto com o futebol subiu consideravelmente, chegando a 31,1 milhões de reais, ou 84% de toda a receita – o rival leonino, por exemplo, gastou 45% com futebol. E justamente por isso surpreende o fato de o passivo ter caído tanto. A redução foi de 15 milhões de reais, a maior no Arruda desde que o blog passou a detalhar os balanços do Trio de Ferro. Via Profut (Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro), cujo parcelamento dobrou, chegando a R$ 29 milhões. Quadro importantíssimo, devido ao longo tempo de pagamento, desde que o clube honre o compromisso estabelecido.

Administrativamente, o clube ajustou o quadro de exercícios (anos) anteriores e quitou um empréstimo bancário de R$ 8,7 mi. Por outro lado, as obrigações tributárias seguem pesadas, tanto que não conseguiu todas as certidões negativas, a exigência da Caixa Econômica Federal para firmar patrocínios esportivos. Por isso, acabou sem o acordo previsto de R$ 3,6 milhões, estampando posteriormente a marca da MRV, por R$ 1,08 mi. Ou seja, é uma das explicações para o faturamento abaixo do esperado. Nesta equação com o futebol (custo alto e rebaixamento no fim), o Santa terminou com um déficit de R$ 3,8 milhões, empurrando o débito para a segunda divisão, onde tende a voltar ao patamar financeiro dos cinco anos anteriores.

Receita operacional
2011 – R$ 17.185.073
2012 – R$ 13.133.535 (-23%)
2013 – R$ 16.955.711 (+29%)
2014 – R$ 16.504.362 (-2%)
2015 – R$ 15.110.061 (-8%)
2016 – R$ 36.854.071 (+143%)

Passivo
2011 – R$ 69.775.333 
2012 – R$ 71.536.863 (+2%)
2013 – R$ 71.377.478 (-0,2%)
2014 – R$ 72.727.047 (+1%)
2015 – R$ 77.728.805 (+6%)
2016 – R$ 62.604.879 (-19%)

Superávit/déficit
2011 (+1.443.869)
2012 (-692.408)
2013 (+453.996)
2014 (-1.766.461)
2015 (-3.388.522)
2016 (-3.861.281)

Confira a postagem sobre o balanço anterior do tricolor aqui.

O balanço financeiro do Santa Cruz em 2016

Moedas e bolas exclusivas na semifinal do Nordestão, no Recife e em Salvador

As moedas dos árbitros no mata-mata do Nordestão 2017. Crédito: divulgação

Os clássicos mais populares da região decidem as vagas na decisão da Copa do Nordeste de 2017. Jogos de apelo e com características exclusivas. Tanto no Clássico das Multidões quanto no Ba-Vi, foram produzidas bolas com os escudos dos clubes e até moedinhas distintas aos árbitros.

O juízes indicados, Caio Max (Barradão) e Cláudio Francisco (Ilha do Retiro), vão decidir o lado do campo dos times e a posse de bola inicial através de uma peça dourada confeccionada. No duelo baiano, cada jogo tem uma moeda com a data específica gravada, o que só não ocorreu na versão pernambucana devido às várias mudanças na tabela. Logo, um perfil “genérico”.

Confira as moedas anteriores, utilizadas apenas nas finais: 2015 e 2016.

Clássico das Multidões
29/04 (18h30) – Sport x Santa Cruz, Ilha do Retiro
03/05 (21h45) – Santa Cruz x Sport, Arruda

Ba-Vi
27/04 (20h30) – Vitória x Bahia, Barradão
30/04 (16h00) – Bahia x Vitória, Fonte Nova 

Quanto à bola oficial, a Asa Branca IV, a Topper não deve comercializar as versões com os escudos dos clubes, com os modelos restritos a 180 minutos.

As bolas das semifinais da Copa do Nordeste de 2017. Crédito: divulgação

FPF aguarda aval da Fifa para utilizar árbitro de vídeo na final do Estadual

Tecnologia no futebol? Crédito: Fifa/reprodução

Os dois jogos entre Salgueiro e Sport, na decisão do título pernambucano de 2017, podem ser os primeiros no estado com a função do “árbitro de vídeo”. Já em uso na Europa e confirmado na Copa do Mundo de 2018, o recurso ainda tem alguns entraves, como formatação e custo. Há algum tempo a FPF vem tentando realizar uma partida com a experiência tecnológica. O primeiro ofício data de 2 de outubro de 2015. Na ocasião, a International Football Association Board (Ifab), o órgão que regulamenta as regras do futebol, negou porque a função ainda estava sob análise. O objetivo era o uso na final do Estadual de 2016 – que só teve um gol em duas partidas, irregular. Segundo o presidente da federação pernambucana, Evandro Carvalho, a solicitação se estendeu a 2017, já com o novo sistema, testado pela CBF.  

Em janeiro, o dirigente tentou implantar a função nos clássicos, mas a demora na captação da estrutura inviabilizou a ideia. Agora, para a final, avançou. Até a publicação deste post, a FPF já havia atendido a 10 das 12 exigências da Fifa sobre o tema. Além disso, reduziu o custo, caindo de R$ 700 mil para R$ 140 mil. Por partida! O gasto de 20% é resultado da negociação com a empresa responsável – que, em contrapartida, seria a “pioneira” no país. Evandro não revelou nem os itens em branco nem o nome da empresa.

Ao blog, o mandatário disse que a competição tem uma semana para ficar ok. Sobre o árbitro de vídeo, trata-se da produção e análise independente das imagens. Ou seja, o lance não será o da transmissão da tevê, mas sim observado nas 16 câmeras instaladas pela própria empresa contratada, com doze pessoas na operação. Segundo o dirigente, ocorreram nove testes na Granja Comary, com a resposta da central durante de 3 a 6 segundos nos lances duvidosos.

“O árbitro de vídeo só será utilizado num ‘lance ajustado’. Esse lance é aquele impedimento por poucos centímetros, a bola cruzando ou não a linha. Então, se houver dúvida, é para deixar o lance seguir. Só com o aviso do árbitro de vídeo, segundos depois, é que o lance será anulado. Quem vem comemorando isso são os bandeirinhas.”

As situações no raio do árbitro de vídeo:

a) Dúvida se a bola entrou ou não no gol.
b) Saídas da bola pela linha de fundo, quando na mesma jogada ou contexto for marcado gol ou pênalti.
c) Definição do local das faltas nos limites da grande área, para definir se houve ou não pênalti.
d) Gols e pênaltis marcados, possibilitados e evitados em razão de erro em lances de faltas claras/indiscutíveis, não vistas ou marcadas equivocadamente.
e) Impedimentos por interferência no jogo, caso na jogada haja gol ou pênalti.
f) Jogo brusco grave ou agressão física (conduta violenta) indiscutíveis não vistos ou mal decididos pela arbitragem.

Vagas no Nordestão e na Copa do Brasil, a disputa de Santa e Náutico pelo 3º lugar

Jogos pelo Estadual 2017: Náutico 1x1 Santa Cruz e Santa Cruz 1x2 Náutico. Fotos: Peu Ricardo/DP (Arena) e Ricardo Fernandes/DP (Arruda)

Nem em Copa do Mundo a disputa pelo 3º lugar é atrativa. Em Pernambuco, o confronto foi criado em 2013, com o objetivo de definir o terceiro representante do futebol local no Nordestão e na Copa do Brasil do ano seguinte. Pelo vigor do regional, técnico e econômico, a medalha de bronze passou a ter valor, assim como a certeza na copa nacional, sem depender das vagas via ranking nacional, divulgado pela CBF apenas em dezembro, após o Brasileiro.

Creio que Santa Cruz e Náutico, envolvidos no primeiro clássico nesta fase, devam encarar o confronto pensando estritamente no planejamento de 2018. Mesmo que nos últimos quatro anos os jogos, na véspera das finais, tenham sido marcados por disputas insossas, a começar pelo público presente. Desta vez, ida na Arena Pernambuco e volta no Arruda – devido ao melhor saldo dos corais, 8 x 5, após a igualdade na campanha, com 19 pontos e 5 vitórias cada.

Considerando as primeiras cotas de 2017, o jogo vale no mínimo
R$ 600 mil – Copa do Nordeste
R$ 300 mil – Copa do Brasil

Os vencedores da disputa pelo 3º lugar no Estadual
2013 – Náutico (vs Ypiranga, 1 x 1 e 3 x 0)
2014 – Salgueiro (vs Santa Cruz, 1 x 1 e 2 x 1)
2015 – Sport (vs Central, 5 x 0 e 0 x 0)
2016 – Náutico (vs Salgueiro, 1 x 0 e 3 x 0)

Por fim, a agenda do Troféu Gena, o simbólico título em homenagem ao centenário do Clássico das Emoções, em 29 de junho. Com a disputa, chegou-se a oito jogos confirmados nesta temporada. Além dos quatro realizados, mais dois jogos pelo bronze estadual e dois pela Série B.

Troféu Gena*
7 pontos – Náutico (2v, 1e, 1d)
4 pontos – Santa (1v, 1e, 2d)
* Em homenagem ao centenário do clássico, somando os duelos em 2017

Podcast – Análise da classificação à final do Salgueiro diante do Santa Cruz

Pernambucano 2017, semifinal: Salgueiro 2x0 Santa Cruz. Crédito: Genival Paparazzi/FPF

Jogando muito melhor que o adversário, o Salgueiro venceu com autoridade e se classificou pela segunda vez em três anos à decisão do Campeonato Pernambucano. Marcou melhor e buscou o ataque, tudo o que o Santa não fez, desperdiçando a chance de buscar um tricampeonato. O 45 minutos analisou o jogo de volta da semifinal numa gravação exclusiva, focando na péssima jornada coral e já projetando a participação do Carcará na disputa pela taça. Estou nessa com Celso Ishigami e João de Andrade Neto. Ouça!

22/04 – Salgueiro 2 x 0 Santa Cruz (27 min)

Dominando, Salgueiro vence o Santa e vai à 2ª final na história. E decidirá no Sertão

Pernambucano 2017, semifinal: Salgueiro 2x0 Santa Cruz. Crédito: Vandinho Dias/SG10

A vantagem era coral. O pênalti convertido por Anderson Salles garantia o empate ao Santa Cruz, em busca do tricampeonato. Confiava na boa postura defensiva e na pressão sobre o Salgueiro, dono da melhor campanha, mas que vinha de uma atuação fraca no Arruda. Pois no Cornélio de Barros o clube sertanejo não deu qualquer chance ao tricolor. Foi melhor do início ao fim. Foi quem basicamente buscou o ataque, com os corais enfrentando dificuldades para produzir jogadas. Não dá para tirar o mérito do time de Evandro Guimarães, que fez 2 x 0 e reverteu o confronto no tempo normal.

O resultado coloca o Carcará mais uma vez na decisão do Pernambucano. Em 2015, perdeu o título para o próprio Santa, no Arruda. Agora, em 2017, irá brigar pela taça em seu reduto, com jogo de volta no Cornélio de Barros, numa partida desde já histórica para o futebol local – nunca houve uma finalíssima no interior, embora o título já tenha sido comemorado lá em 1997 e 2005.

Campanha do Carcará (1ª fase + hexagonal + semifinal)
18 jogos
13 vitórias
3 empates
2 derrotas
30 gols marcados
10 gols sofridos
77% de aproveitamento

No jogo que recolocou o clube na final, o domínio foi completo. Ganhou o meio-campo, avançando com a marcação frouxa. Basta ver a quantidade de arremates na entrada da área. Com cinco minutos Valdeir já havia assustado duas vezes. Quanto ao visitante, a bola parada de Anderson Salles desta vez ficou à parte – só teve uma chance frontal, aos 48/2T. À frente, Pitbull pouco fez, mas ainda deixou Everton Santos em condições uma vez. E o contestado atacante (embora seja o artilheiro, com 5 gols) bateu pra fora. No intervalo, Eutrópio, não satisfeito com o time pregado na defesa, tirou Pereira e colocou Elicarlos, atuando com três volantes. Se a produção já estava escassa, beirou a covardia. Chamou o adversário, com a bola rondando a meta de Júlio César a todo instante. Até a pressão dar resultado. Aos 20, bola no travessão de Toty. Aos 22, Rodolfo Potiguar recebeu na área e fuzilou. Aos 24, Jean ganhou a disputa na área (com a bola batendo no braço) e ampliou de bico.

Se antes disso os corais estavam retendo a bola, depois, como de praxe em mata-matas, foi o Salgueiro, cavando faltas e gastando tempo, deixando o rival nervoso. Vantagem construída e mantida. Seja contra Sport ou Náutico, será a 13ª final distinta na história local. E a capital vai ver pela tevê…

Pernambucano 2017, semifinal: Salgueiro 2x0 Santa Cruz. Crédito: Vandinho Dias/SG10

Cordel da semifinal da Copa do Nordeste

Cordel da semifinal da Lampions League. Crédito: Esporte Interativo/reprodução

O cordel é um gênero literário popular em folhetos e tradicional em feiras nordestinas. Com rimas e ritmo, está intimamente ligado à região, contando história e causos. A partir disso, Santanna, o Cantador, recitou o papel e as referências dos quatro semifinalistas da Copa do Nordeste de 2017, com Sport, Santa Cruz, Bahia e Vitória, nesta ordem. Trabalho encomendado pelo Esporte Interativo, detentor dos direitos de transmissão. Por sinal, a letra foi escrita por Andrey Raychtock, editor do canal. O regionalismo e esmero da produção valoriza a disputa, com 10 milhões de torcedores envolvidos – e não poderia ser diferente no tratamento do Nordestão como ‘produto’. Assista.

Entre os possíveis destaques do quarteto lembrados no vídeo, Diego Souza, Magrão, Anderson Salles, Régis, Hernane, Kieza e Willian Farias.

Clássico das Multidões
29/04 (18h30) – Sport x Santa Cruz, Ilha do Retiro
03/05 (21h45) – Santa Cruz x Sport, Arruda

Ba-Vi
27/04 (20h30) – Vitória x Bahia, Barradão
30/04 (16h00) – Bahia x Vitória, Fonte Nova 

E agora, quem vai ser o rei?

O calendário do futebol pernambucano até 31/05, com 25 jogos em 6 torneios

Fórmula

Com o Sport disputando quatro torneios oficiais simultaneamente, o calendário de 2017 foi asfixiado. E olhe que o rubro-negro está na verdade em cinco torneios, com o Brasileirão começando após o fim do Estadual. Obviamente, tamanha agenda não é culpa do clube, que conquistou as classificações no campo. Entretanto, o desempenho mostrou a fragilidade da agenda programada pela FPF e pela CBF, sem datas vagas para casos do tipo.

Por isso, a tabela das oitavas de final da Copa do Brasil acabou refletindo nas fases decisivas da Copa do Nordeste e do Campeonato Pernambucano, com mudanças de datas e consequências inclusive nos rivais. A semifinal das multidões no regional, que começaria em 26 de abril, foi adiada para o sábado, com a data original sendo preenchida por Botafogo x Sport. A volta? Até a publicação deste post, seguia sem data, mas Constantino Júnior, vice-presidente coral, adiantou a terça-feira como dia possível. Ou seja, ida e volta em horários alternativos, sem tevê aberta e com públicos comprometidos.

O blog compilou todas as datas marcadas (e anunciadas). Analisando com cuidado, é difícil imaginar que a tabela não seja flexibilizada até junho.

A seguir, a tabela geral, com jogos separados em intervalos de 48 horas ou até menos. Lembrando que isso já aconteceu nesta temporada, com o Sport jogando duas partidas em menos de 26 horas, com o Nordestão no domingo e o Estadual na segunda. Caso aquele cenário não tivesse ocorrido (com o Sub 20 atuando no torneio local), a bola de neve estaria ainda maior…

Agenda atualizada em 24/04

Tabela geral (25 jogos)
22/04 – Santa Cruz x Salgueiro (Estadual, semifinal, volta)
23/04 – Náutico x Sport (Estadual, semifinal, volta)
26/04 – Botafogo x Sport (Copa do Brasil, oitavas, ida)
29/04 – Sport x Santa Cruz (Nordestão, semifinal, ida)
03/05 – Santa Cruz x Sport (Nordestão, semifinal, volta)
05/05 – Final do Estadual/Decisão do 3º lugar (Estadual, ida)*
09/05 – Final do Estadual/Decisão do 3º lugar (Estadual, volta)*
10/05 – Santa Cruz x Atlético-PR (Copa do Brasil, oitavas, ida)*
11/05 – Danubio x Sport (Sul-Americana, 1ª fase, volta)
12/05 – Náutico x América (Série B, 1ª rodada)
13/05 – Criciúma x Santa Cruz (Série B, 1ª rodada)
14/05 – Ponte Preta x Sport (Série A, 1ª rodada)
17/05 – Final do Nordestão (ida)
20/05 – Santa Cruz x Guarani e Figueirense x Náutico (Série B, 2ª rodada)
21/05 – Sport x Cruzeiro (Série A, 2ª rodada)
23/05 – CRB x Santa Cruz (Série B, 3ª rodada)
24/05 – Final do Nordestão (volta)
27/05 – Náutico x Ceará (Série B, 3ª rodada)
29/05 – Sport x Grêmio (Série A, 3ª rodada)
30/05 – Brasil x Náutico (Série B, 4ª rodada)*

31/05 – Sport x Botafogo* e Atlético-PR x Santa (Copa do Brasil, oitavas, volta)
* Datas sob revisão

Agenda do Sport (de 11 a 13 jogos em 39 dias)
23/04 – Náutico x Sport (Estadual, semifinal, volta)
26/04 – Botafogo x Sport (Copa do Brasil, oitavas, ida)
29/04 – Sport x Santa Cruz (Nordestão, semifinal, ida)
03/05 – Santa Cruz x Sport (Nordestão, semifinal, volta)
05/05 – Final do Estadual/Decisão do 3º lugar (Estadual, ida)
09/05 – Final do Estadual/Decisão do 3º lugar (Estadual, volta)
11/05 – Danubio x Sport (Sul-Americana, 1ª fase, volta)
14/05 – Ponte Preta x Sport (Série A, 1ª rodada)
17/05 – Final do Nordestão (ida)*
21/05 – Sport x Cruzeiro (Série A, 2ª rodada)
24/05 – Final do Nordestão (volta)*
29/05 – Sport x Grêmio (Série A, 3ª rodada)
31/05 – Sport x Botafogo (Copa do Brasil, oitavas, volta)
* A definir

Agenda do Santa Cruz (de 9 a 11 jogos em 40 dias)
22/04 – Santa Cruz x Salgueiro (Estadual, semifinal, volta)
29/04 – Sport x Santa Cruz (Nordestão, semifinal, ida)
03/05 – Santa Cruz x Sport (Nordestão, semifinal, volta)
05/05 – Final do Estadual/Decisão do 3º lugar (Estadual, ida)
09/05 – Final do Estadual/Decisão do 3º lugar (Estadual, volta)
10/05 – Santa Cruz x Atlético-PR (Copa do Brasil, oitavas, ida)
13/05 – Criciúma x Santa Cruz (Série B, 1ª rodada)
17/05 – Final do Nordestão (ida)*
20/05 – Santa Cruz x Guarani (Série B, 2ª rodada)
23/05 – CRB x Santa Cruz (Série B, 3ª rodada)
24/05 – Final do Nordestão (volta)*
31/05 – Atlético-PR x Santa Cruz (Copa do Brasil, oitavas, volta)
* A definir

Agenda do Náutico (7 jogos em 39 dias)
23/04 – Náutico x Sport (Estadual, semifinal, volta)
05/05 – Final do Estadual/Decisão do 3º lugar (Estadual, ida)
09/05 – Final do Estadual/Decisão do 3º lugar (Estadual, volta)
12/05 – Náutico x América (Série B, 1ª rodada)
20/05 – Figueirense x Náutico (Série B, 2ª rodada)
27/05 – Náutico x Ceará (Série B, 3ª rodada)
30/05 – Brasil x Náutico (Série B, 4ª rodada)

Oitavas da Copa do Brasil de 2017 com Atlético-PR x Santa e Botafogo x Sport

Oitavas de final da Copa do Brasil de 2017. Crédito: CBF/facebook

A CBF sorteou os oito confrontos das oitavas de final da Copa do Brasil de 2017, com nove campeões entre os 16 participantes. Por sinal, finalmente ocorreu a estreia dos 11 pré-classificados, incluindo o tricolor, somados aos cinco clubes oriundos das quatro fases anteriores, entre eles o rubro-negro. No Rio, as bolinhas determinaram Atlético-PR x Santa e Botafogo x Sport.

O sorteio foi dirigido, com a divisão de dois potes, com os times presentes na Libertadores no pote A e os demais, incluindo os dois pernambucanos, no pote B. Logo, apenas duelos A x B. No viés local, saíram duelos inéditos.

A última participação do estado nas oitavas havia sido em 2013, com o Salgueiro. Já uma dupla presença não ocorria desde 2010, justamente com os rivais das multidões. Indo além disso no torneio é preciso voltar a 2008, quando o leão caminhou bastante, até o título nacional. Ao todo, o futebol pernambucano já chegou sete vezes às quartas, com Sport (5) e Náutico (2).

Qual é a chance de repetir a classificação às quartas em 2017?

Quem estreia na 5ª fase, o caso coral, recebe R$ 1,05 milhão, sem direito às cotas anteriores. O Sport, que eliminou por CSA, Sete de Dourados, Boavista e Joinville, já soma R$ 3,88 milhões. A classificação às quartas vale R$ 1,195 milhão. Na próxima fase haverá um novo (e definitivo) sorteio, com pote único.

Mando de campo nos confrontos:
Santa Cruz (ida, 10/05, 21h45)  x Atlético-PR (volta, 31/05, 19h30)
Grêmio (ida, 17/05, 21h45) x Fluminense (volta, 31/05, 19h30)
Flamengo (ida, 10/05, 19h30) x Atlético-GO (volta, 24/05, 21h45)
Palmeiras (ida, 17/05, 21h45) x Internacional (volta, 31/05, 21h45)
Botafogo (ida, 26/04, 21h45) x Sport (volta, 31/05, 21h45)
Santos (ida, 26/04, 19h30) x Paysandu (volta, 10/05, 21h45)
Cruzeiro (ida, 03/05, 21h45) x Chapecoense (volta, 31/05, 21h45)
Paraná (ida, 10/05, 21h45) x Atlético-MG (volta, 24/05, 21h45)