A classificação final da Série A 2017, com R$ 63 milhões em prêmios e 14 vagas

A classificação final do Brasileirão de 2017. Crédito: Superesportes

Terminou a 47ª edição da Série A do Brasileiro. Embora o Corinthians tenha sido (hepta) campeão de forma antecipada, a 38ª rodada definiu vários pontos da tabela, como o vice (Palmeiras), três classificados à Libertadores (Fla, Vasco e Chapecoense, a ‘campeã’ do returno, com 32 pontos), um classificado à Sula (Fluminense) e dois rebaixados. Além de Atlético-GO, o lanterna com a maior pontuação da história (36), e Ponte, caíram Avaí e Coritiba, com os rubro-negros nordestinos escapando por um triz. Numa Ilha do Retiro lotada, o Sport bateu o campeão e foi ajudado pelos resultados.

Abaixo, a distribuição da premiação oficial da competição, contemplando todos os times que permaneceram na elite. Repassado pela CBF e bancado pela Rede Globo, a detentora dos direitos de transmissão, o montante chega a R$ 63.744.000. Dos 16 times com aporte, 14 (!) se classificaram aos dois torneios internacionais da Conmebol. E olhe que o Leão da Ilha ainda tem chance…

Colocações, premiações e vagas através do Brasileirão 2017
1º) Corinthians – R$ 18.069.300, Libertadores/4ª fase e Copa do Brasil/oitavas
2º) Palmeiras – R$ 11.373.030, Libertadores/4ª fase e Copa do Brasil/oitavas
3º) Santos – R$ 7.759.170, Libertadores/4ª fase e Copa do Brasil/oitavas
4º) Grêmio – R$ 5.633.370, Libertadores/4ª fase e Copa do Brasil/oitavas
5º) Cruzeiro – R$ 4.092.165, Libertadores/4ª fase e Copa do Brasil/oitavas
6º) Flamengo – R$ 2.763.540, Libertadores/4ª fase e Copa do Brasil/oitavas
7º) Vasco – R$ 2.391.525, Libertadores/2ª fase e Copa do Brasil/oitavas*
8º) Chape – R$ 2.072.655, Libertadores/2ª fase e Copa do Brasil/oitavas
9º) Atlético-MG – R$ 1.806.930 e Sul-Americana/1ª fase**
10º) Botafogo – R$ 1.594.350 e Sul-Americana/1ª fase
11º) Atlético-PR – R$ 1.381.770 e Sul-Americana/1ª fase
12º) Bahia – R$ 1.222.335 e Sul-Americana/1ª fase
13º) São Paulo – R$ 1.062.900 e Sul-Americana/1ª fase
14º) Fluminense – R$ 956.610 e Sul-Americana/1ª fase
15º) Sport – R$ 850.320***
16º) Vitória – R$ 744.030 

Caso o Flamengo conquiste a Copa Sul-Americana de 2017, criando o “G9″:
* O Vasco entraria já na fase de grupos (4ª fase) da Libertadores
** O Atlético Mineiro trocaria a vaga da Sula pela Libertadores (2ª fase)
** O Sport herdaria a vaga na Copa Sul-Americana (1ª fase)

Mundial de Clubes reconhecido pela Fifa a partir da Intercontinental. E sempre foi

Os troféus dos campeões mundiais de clubes: Intercontinental, Copa Toyota e Mundial da Fifa (2000 e 2005-2016)

A Copa Intercontinental foi criada num acordo entre a Confederação Sul-Americana, atual Conmebol, e a Uefa, em 1960. O objetivo era medir forças entre os clubes dos continentes mais desenvolvidos do futebol na época. Na Europa, havia a Copa dos Campeões, atual “Liga”, já com quatro edições. Portanto, surgiu aqui a Taça Libertadores. O regulamento era bem simples, com o duelo entre os campeões em jogos de ida e volta. Pelo título mundial.

E o vencedor sempre foi tratado como campeão mundial interclubes, inclusive no velho mundo, onde há uma meia verdade sobre o desdém. Foi assim até 1979, com duas edições canceladas por falta de acordo entre as datas (1975 e 1978). Em 1980, solucionando o impasse, as entidades firmaram um acordo com a federação japonesa, com o patrocínio da montadora Toyota, com a disputa de jogo único, em dezembro. Dali até 2004, o campeão recebeu duas taças, a Copa Intercontinental e a Copa Toyota, ambas valorizadas.

Em 2000, como se sabe, a Fifa organizou pela primeira vez o “Mundial de Clubes”, ignorando o passado. E olhe que, por diversas vezes, a própria entidade avalizou a disputa anterior como mundial – no youtube é possível conferir as placas da Fifa nos jogos disputados no estádio em Tóquio. Desde 2005, com a descontinuação da Copa Intercontinental, o Mundial de Clubes passou a ocupar o calendário, já com os demais continentes, cuja presença é, sim, justa. Porém, não apagou quatro décadas de glórias…

Tanto que a própria Fifa, enfim, reconheceu a antiga disputa como Mundial, com o mesmo peso do seu torneio. Embora apenas por barganha política, legitimou o que Santos, Flamengo, Grêmio e São Paulo sempre foram.

Obs. O blog já considerava a Copa Intercontinental.

Os campeões chancelados pela Fifa (Intercontinental + Mundial de Clubes)

5 – Real Madrid (1960, 1998, 2002, 2014 e 2016) 

4 – Milan (1969, 1989/1990 e 2007) 

3 – Peñarol (1961, 1966 e 1982) , Nacional (1971, 1980 e 1988), Boca Juniors (1977, 2000 e 2003), São Paulo (1992/1993 e 2005), Internazionale (1964/1965 e 2010), Bayern de Munique (1976, 2001 e 2013) e Barcelona (2009, 2011 e 2015) 

2 – Santos (1962/1963), Independiente (1973 e 1984), Ajax (1972 e 1995), Juventus (1985 e 1996), Porto (1987 e 2004), Manchester United (1999 e 2008) e Corinthians (2000 e 2012) 

1 – Racing (1967), Estudiantes (1968), Feyenoord (1970), Atlético de Madrid (1974), Olimpia (1979), Flamengo (1981), Grêmio (1983), River Plate (1986), Estrela Vermelha (1991), Vélez Sarsfield (1994), Borussia Dortmund (1997) e Internacional (2006)

O jogo internacional mais importante do Sport em 8 anos. Desde São Marcos…

Sport x Junior (COL), pelas quartas da Sul-Americana 2017. Crédito: Sport/twitter

O confronto contra o Palmeiras, pelas oitavas de final da Taça Libertadores de 2009, foi, sem dúvida, o ponto alto do Sport no cenário internacional. Nas mãos de Marcos, que pegou três pênaltis, o leão parou ali. Desde então, o time voltou cinco vezes às disputas da Conmebol, sempre na Copa Sul-Americana. Após desempenhos bem modestos, enfim uma boa campanha, alcançando as quartas de final. Diante do Junior Barranquilla, torna-se o primeiro nordestino entre os oito melhores da Sula. Vai por mais.

Historicamente, como mandante, o rendimento é bom diante de adversários estrangeiros: 70%. Com média de 15 mil pessoas, foram 5 vitórias em 8 jogos.

Assista ao vídeo do Sport sobre a convocação para o jogo de 26/10…

O leão como mandante contra os gringos nas copas internacionais
16/08/1988 – Sport 5 x 0 Alianza (Peru) – Libertadores (15.213)
23/08/1988 – Sport 0 x 0 Universitario (Peru) – Libertadores (22.628)
04/03/2009 – Sport 2 x 0 LDU (Equador) – Libertadores (20.184)
22/04/2009 – Sport 2 x 1 Colo Colo (Chile) – Libertadores (20.050)
23/10/2013 – Sport 1 x 2 Libertad (Paraguai) – Sul-Americana (17.575)
23/09/2015 – Sport 1 x 1 Huracán (Argentina) – Sul-Americana (7.726)
06/04/2017 – Sport 3 x 0 Danubio (Uruguai) – Sul-Americana (13.582)
06/07/2017 – Sport 2 x 0 Arsenal (Argentina) – Sul-Americana (7.694)
26/10/2017 – Sport x Junior (Colômbia) – Sul-Americana (a disputar)

8 jogos; 5V, 2E e 1D; 16 GP e 4 GC. Público médio de 15.581

Probabilidades de título, Liberta, Sula e descenso a 10 rodadas do fim da Série A

As projeções de campanha para título, vagas na Libertadores e Sul-Americana e rebaixamento na Série A de 2017. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Faltando apenas dez rodadas para o fim do Campeonato Brasileiro do 2017, chegou a hora de reapresentar as probabilidades sobre título, vagas nas copas internacionais e rebaixamento sobre cada um dos vinte participantes. Embora o título esteja nas mãos do Corinthians, a briga é grande nos outros quesitos. Considerando os 280 jogos disputados na principal competição nacional, vamos às estatísticas de três sites especializados no assunto, compiladas no quadro abaixo: Chance de GolInfobola e UFMG, através do departamento de matemática da universidade mineira.

A partir de cálculos sobre o desempenho em casa, histórico em confrontos e campanha atual, o Chance de Gol e a UFMG também projetam as pontuações finais necessárias, com os percentuais que dão mais “garantia” a cada opção. Na elite, a média histórica de pontuação para a 6ª colocação, que hoje assegura vaga na Taça Libertadores – desconsiderando a possibilidade de G7, G8 ou até G9 -, é de “58,09″ pontos, considerando as onze edições nos pontos corridos. Arredondando para 58, uma campanha deste porte nesta temporada teria entre 50% e 96% de confiança. Em relação ao rebaixamento, o índice histórico para escapar, na 16ª posição, é de “43,81″. Arredondando para 44, significaria 80% de chance de sucesso.

Veja as classificações da Série A após a 28ª rodada clicando aqui.

Bahia (35 pontos)
Título: 0% a quase 0%%
Libertadores: 2,3% a 5,6%
Sul-Americana: 38,3% a 62,8%
Rebaixamento: 5,0% a 13,0%

Sport (34 pontos)
Título: 0% a quase 0%
Libertadores: 0,4% a 4,0%
Sul-Americana: 25,8% a 30,3%
Rebaixamento: 19,0% a 21,2%

Vitória (33 pontos)
Título: 0% a quase 0%
Libertadores: 0,4% a 3,0%
Sul-Americana: 21,8% a 35,3%
Rebaixamento: 18,8% a 25,4%

Libertadores e Copa Sul-Americana com jogos de janeiro a dezembro de 2018

Taça Libertadores e Copa Sul-Americana; Crédito: Conmebol/site oficial

A Conmebol divulgou os calendários, fase por fase, da Libertadores e da Sul-Americana de 2018, com jogos já em 22 de janeiro, pela Pré-Libertadores, seguindo até 12 de dezembro, na decisão da Sula. A agenda precisou acomodar os dois torneios e ainda liberar datas para as confederações nacionais, fora as quatro paradas para os amistosos das seleções, sempre com dois jogos, e, sobretudo, o período para a Copa do Mundo na Rússia.

De forma simultânea, as copas internacionais vão ocorrer de fevereiro a novembro, repetindo o formato adotado em 2017. Entretanto, apesar do cronograma oficial, há uma data “pendente”. A entidade ainda estuda a mudança da final da Liberta para “jogo único”, que seria realizado em 1º de dezembro, num sábado, em vez de 7 e 28 de novembro, duas quartas-feiras.

Imitação da Champions League? Na América do Sul o cenário não parece propício, primeiro pela quebra da tradição histórica do torneio, e também devido às distâncias maiores e à pior infraestrutura de transporte.

Vale lembrar que o Brasil tem 7 vagas na Libertadores (Série A, do 1º ao 6º, e Copa do Brasil, com o campeão Cruzeiro) e 6 na Sul-Americana (Série A, do 7º ao 12º), fora as vagas extras em caso de títulos continentais na temporada vigente. Na Liberta, os brasileiros estreiam na 2ª fase, em 31 de janeiro. Na Sula, jogos a partir de 14 de fevereiro, com a 1ª fase até 9 de maio!

Com a divulgação deste calendário, a direção de competições da CBF deve se apressar em formular o cronograma do país para 2018. Depois, será a vez da FPF, com um novo formato do Campeonato Pernambucano

Participações pernambucanas na Conmebol
Liberta: Sport (1988 e 2009) e Náutico (1968)
Sula: Sport (2013, 2014, 2015, 2016 e 2017), Náutico (2013) e Santa (2016)

O calendário oficial da Conmebol para 2018. Crédito: Conmebol/site oficial

Com o Sport, o Nordeste volta às quartas de uma copa internacional após 18 anos

Nordeste

Desde 1960, o futebol nordestino teve 29 participações nos torneios da Conmebol, considerando a Taça Libertadores (6), a Copa Conmebol (6) e a Sul-Americana (17). Ao todo, nove clubes da região já tiveram o gostinho, com o Trio de Ferro na lista. Em termos de boas campanhas, porém, o quadro é bem escasso. A classificação do Sport às quartas da Sula é apenas a sexta vez entre os oito melhores, sendo a primeira em quase duas décadas!

Anteriormente, cenários semelhantes já haviam ocorrido duas vezes com o Bahia, na Libertadores, e outras três na extinta Copa Conmebol, incluindo o melhor desempenho de todos, o do CSA, o único finalista internacional da região. Em 1999, o time alagoano estendia às penalidade a disputa com o Talleres até os descontos, quando tomou o gol decisivo, em Córdoba.

Os nordestinos que já chegaram às quartas em copas internacionais:

1960 – Bahia (Libertadores, quartas, 2 jogos; 1v-0e-1d)
- Participou como campeão da Taça Brasil
- Já estreou nas quartas, sendo eliminado pelo San Lorenzo-ARG

1989 – Bahia (Libertadores, quartas, 10 jogos; 5v-4e-1d)
- Participou como campeão da Série A
- Avançou na fase de grupos (Inter-BRA, Táchira-VEN e Maritimo-VEN) e eliminou o Universitario-PER nas oitavas, caindo nas quartas para o Inter-BRA

1997 – Vitória (Copa Conmebol, quartas, 4 jogos; 3v-0e-1d)
- Participou como campeão do Nordestão
- Eliminou o Luqueño-PAR (oitavas) e caiu para o Lanús-ARG (quartas)

1998 – Sampaio Corrêa (Copa Conmebol, semifinal, 6 jogos; 3v-2e-1d)
- Participou como campeão da Copa Norte
- Eliminou América de Natal-BRA (oitavas) e Deportes Quindío-COL (quartas), caindo na semifinal para o Santos-BRA

1999 – CSA (Copa Conmebol, vice-campeão, 8 jogos; 4v-1e-3d)
- Participou como 4º lugar no Nordestão (Vitória, Bahia e Sport desistiram)
- Eliminou Vila Nova-BRA (oitavas), Estudiantes-VEN (quartas) e São Raimundo-BRA (semifinal), perdendo a decisão para o Talleres-ARG

2017 – Sport (Sul-Americana, quartas, 8 jogos; 3v-0e-3d)
- Participou como 14º colocado na Série A
- Eliminou Danubio-URU (32 avos), Arsenal-ARG (16 avos) e Ponte Preta-BRA (oitavas), tendo as quartas a disputar com o Junior-COL

Confira um resumo das 29 participações nordestinas clicando aqui.

Flamengo e Cruzeiro decidem a Copa do Brasil 2017, com repeteco após 14 anos

Diego e Hudson, autores dos gols decisivos na semifinal da Copa do Brasil de 2017. Crédito: divulgação

Flamengo e Cruzeiro estavam pressionados para alcançar a final da Copa do Brasil de 2017. Após o empate sem gols no Nilton Santos, o rubro-negro carioca não podia vacilar no Maracanã. Derrotado em Porto Alegre, o time celeste precisava superar o algoz da última edição. Bronca lá e lô.

Ambos conseguiram. Diante de 53 mil pessoas no Rio, o Fla venceu com um gol de Diego, após uma jogadaça de Berrío, e despachou o rival Botafogo. Em BH, com 55 mil pessoas, o Cruzeiro venceu com um gol de Hudson e estendeu a disputa às penalidades, vencendo por 3 x 2. Maior campeão, o Grêmio desperdiçou três cobranças, com o meia Thiago Neves definindo a classificação em busca do penta, que igualaria o time mineiro ao tricolor.

Finais repetidas na Copa do Brasil
Cruzeiro x Palmeiras: 1996 (Cruzeiro) e 1998 (Palmeiras)
Corinthians x Grêmio: 1995 (Corinthians) e 2001 (Grêmio)
Flamengo x Cruzeiro: 2003 (Cruzeiro) e 2017 (?)

A decisão ocorrerá nos dias 7 e 27 de setembro. E será um repeteco de 2003, quando deu o Cruzeiro de Alex. Esta é a 3ª final repetida. Nos dois casos anteriores, o vice na primeira fez a festa na segunda. Sinal para o Mengo? Ao campeão, a taça da 29ª edição da copa nacional, uma premiação de R$ 6 milhões (fora as fases anteriores) e a vaga na fase de grupos da Libertadores.

Quem será o campeão da Copa do Brasil de 2017?

  • Cruzeiro (72%, 852 Votes)
  • Flamengo (28%, 325 Votes)

Total Voters: 1.177

Loading ... Loading ...

Até hoje, 24 clubes já chegaram à decisão da Copa do Brasil. Do Nordeste, com três times envolvidos, foram 2 finais com Pernambuco, 1 com o Ceará e 1 com a Bahia. Ao todo, 15 clubes diferentes já ficaram com a taça. Na região, apenas um, em 2008. Abaixo, o ranking de finalistas do torneio.

Número de aparições na final de 1989 a 2017 (títulos entre parênteses)
8 – Grêmio (5)
7 – Cruzeiro (4) e Flamengo (3)
5 – Corinthians (3)
4 – Palmeiras (3)
3 – Fluminense (1)
2 – Sport (1), Internacional (1), Vasco (1), Santos (1), Atlético-MG (1) e Coritiba
1 – Criciúma (1), Juventude (1), Santo André (1) e Paulista (1), Goiás, Ceará, Botafogo, São Paulo, Brasiliense, Figueirense, Vitória e Atlético-PR 

Pitaco do blog para o campeão da Copa do Brasil: Flamengo.

Videocast – As maiores derrotas da história de Náutico, Santa Cruz e Sport

Centenários, os grandes clubes pernambucanos colecionam histórias que fomentam as suas torcidas, através de vitórias expressivas, resultados improváveis e conquistas. Naturalmente, também já foram antagonistas de outros clubes, tendo que amargar derrotas dolorosas, inesquecíveis. A partir disso, o 45 minutos resolveu debater as maiores de derrotas do Trio de Ferro. Em cada vídeo, pelo menos oito exemplos, com o veredito no fim do vídeo. O que pesa mais? Uma goleada, uma derrota para o rival no finzinho ou em casa, uma eliminação, uma “pipocada”? Jogos apenas no profissionalismo? Dependendo do torneio? São várias nuances, devidamente consideradas.

Até hoje, foram 1.355 derrotas do Náutico, 1.310 do Santa e 1.224 do Sport.

Estou na produção. Assista e opine sobre a maior derrota do seu clube…

Náutico (35 min)

Santa Cruz (33 min)

Sport (41 min)

Os estádios sul-americanos que já receberam jogos oficiais do Trio de Ferro

O confronto entre Sport e Danubio, no Centenário, será o 10º jogo oficial de um clube pernambucano no exterior. Uma história iniciada há 49 anos, na participação alvirrubra na Libertadores. A partida no Uruguai, agora válida pela Copa Sul-Americana, marca a apresentação local no 9º país filiado à Conmebol, restando apenas disputas em solo boliviano (altitude).

Abaixo, as canchas fora do Brasil com Náutico, Santa e Sport em ação…

Partidas internacionais do Trio de Ferro por país
Argentina – 1 (Sula)
Bolívia – zero
Brasil – 26 (Liberta 14, Sula 12)
Chile – 1 (Liberta)
Colômbia – 1 (Sula)
Equador – 1 (Liberta)
Paraguai – 1 (Sula)
Peru – (2 Liberta)
Uruguai – 1 (Sula)
Venezuela – 2 (Liberta)

Estádio Centenário, em Montevidéu

Estádio Centenário, em Montevidéu (Uruguai)
Inauguração: 18/06/1930
Capacidade: 65.235 pessoas
Jogo: Danubio x Sport, a disputar em 11/05/2017 (Sul-Americana)

Estádio Atanasio Girardot, em Medellín

Estádio Atanasio Girardot, em Medellín (Colômbia)
Inauguração: 18/03/1953 (reformado em 2011)
Capacidade: 44.739 pessoas
Jogo: Independiente 2 x 0 Santa Cruz, em 21/09/2016 (Sul-Americana)

Estádio El Palacio, em Buenos Aires

Estádio El Palacio, em Buenos Aires (Argentina)
Inauguração: 17/08/1924 (reformado em 1949)
Capacidade: 48.314 pessoas
Jogo: Huracán 3 x 0 Sport, em 30/09/2015 (Sul-Americana)

Estádio Feliciano Cáceres, em Luque

Estádio Feliciano Cáceres, em Luque (Paraguai)
Inauguração: 1999
Capacidade: 26.000 pessoas
Jogo: Libertad 2 x 0 Sport, em 25/09/2013 (Sul-Americana)

Estádio Casablanca, em Quito

Estádio Casablanca, em Quito (Equador)
Inauguração: 06/03/1997
Capacidade: 41.575 pessoas
Jogo: LDU 2 x 3 Sport, em 29/04/2009 (Libertadores)

Estádio David Arellano, em Santiago

Estádio David Arellano, em Santiago (Chile)
Inauguração: 20/04/1975 (reformado em 1989)
Capacidade: 47.347 pessoas
Jogo: Colo Colo 1 x 2 Sport, em 18/02/2009 (Libertadores)

Estádio Alejandro Villanueva, em Lima

Estádio Alejandro Villanueva, em Lima (Peru)
Inauguração: 27/12/1974
Capacidade: 35.000 pessoas
Jogo: Alianza 0 x 1 Sport, em 22/07/1988 (Libertadores)

Estádio Nacional, em Lima

Estádio Nacional, em Lima (Peru)
Inauguração: 27/10/1952 (reformado em 2011)
Capacidade: 50.000 pessoas
Jogo: Universitario 1 x 0 Sport, em 18/07/1988 (Libertadores)

Estádio Olímpico, em Caracas

Estádio Olímpico, em Caracas (Venezuela)
Inauguração: 05/12/1951 (reformado em 2007)
Capacidade: 24.900 pessoas
Jogo: Deportivo Galicia 2 x 1 Náutico, em 31/01/1968 (Libertadores)
Jogo: Deportivo Portugués 1 x 1 Náutico, em 27/01/1968 (Libertadores)

Clássico das Multidões pelo Nordestão passa de 1 milhão de telespectadores

Copa do Nordeste 2017, semifinal: Santa Cruz 0 x 2 Sport. Crédito: Rede Globo/reprodução

Durante duas horas, o jogo de volta da semifinal nordestina entre tricolores e rubro-negros praticamente monopolizou a atenção na capital pernambucana. A cada 100 televisões ligadas no horário, 72 sintonizaram na partida vencida pelo Sport. Ou seja, procede aquela percepção de que todos os seus vizinhos estavam assistindo ao Clássico das Multidões, através de gritos e fogos.

A audiência média na tevê aberta foi de 46,5 pontos, disparada a maior do ano entre os clubes pernambucanos – superou os 33,4 de Náutico 1 x 1 Sport, na definição da semifinal estadual. A transmissão da Globo Nordeste, comandada por Rembrandt Júnior, registrou um pico de 54,5 pontos. Em termos absolutos no Recife, a audiência média foi de 1,129 milhão de telespectadores, flutuando até 1,323 milhão. É gente demais, num nível de Copa do Mundo. E olhe que esse número desconsidera os torcedores que viram pela Globo através da tevê por assinatura (Sky e NET, por exemplo), além do Esporte Interativo.

No cenário local, entre os jogos com dados divulgados pela emissora, pelo Ibope ou pelo Kim Telereport, responsáveis pela medição, uma partida de futebol não alcançava o patamar de um milhão há três anos, desde a semifinal estadual entre Sport e Santa Cruz, na Ilha. Na ocasião, a disputa de pênaltis alavancou ainda mais o dado. Já o recorde absoluto segue com a estreia rubro-negra na Taça Libertadores da América de 2009, lá no Chile. O jogo teve 57 pontos de média. Considerando a medição atual, aquela noite teria correspondido a 1,384 milhão de pessoas diante da telinha.

Jogos com o Trio de Ferro acima de 1 milhão de telespectadores no Recife.

Os jogos do futebol pernambucano com mais de 1 milhão de telespectadores no Recife. Arte: Cassio Zirpoli/DP