Inauguração do Arruda acabou um carma antigo do Recife: o recorde de público

Amistoso de inauguração do Arruda, em 04/06/1972: Santa Cruz 0 x 0 Flamengo. Foto: Arquivo/DP

A construção do Arruda, transformando o alçapão num mundão de concreto, mudou o patamar do futebol pernambucano, então asfixiado pela capacidade de público reduzida, na Ilha e nos Aflitos, em relação a praças de porte semelhante, como a Bahia, já com a Fonte Nova. Pesquisando no acervo do Diario de Pernambuco é fácil encontrar queixas da crônica esportiva sobre o duradouro recorde até 1972. Até a inauguração do José do Rego Maciel, ainda com apenas um anel, a maior assistência local havia sido num Clássico das Multidões em 1955, com 34.546 torcedores. Borderô sempre lembrado.

Veio então a abertura oficial do Arruda, com o amistoso entre Santa Cruz e Flamengo. Foram nada menos que 57.688 pagantes e 4.497 não pagantes. Ou seja, mais de 62 mil torcedores assistiram ao empate sem gols, com a marca anterior finalmente descansando. E olhe que esse público deve ter sido bem maior, pois os portões foram arrombados, conforme a reportagem da época, que ouviu o superintendente da FPF, Napoleão Gonçalves.

Amistoso de inauguração do Arruda, em 04/06/1972: Santa Cruz 0 x 0 Flamengo. Foto: Arquivo/DP

“O pessoal da federação não pôde conter a invasão e houve um problema relacionado com o policiamento. Pedimos 180 homens, que chegariam ao estádio às 11h horas. Foram 100, e chegaram às 12h20. O esquema só começou a funcionar integralmente por volta das 14 horas. Cedo, houve um início de invasão, que foi controlada, mas depois ninguém pôde segurar o público.”

Para completar, o texto trazia: “informa Napoleão Gonçalves que calculadamente dez mil pessoas entraram sem pagar no setor de gerais”.

Abaixo, a nota oficial da direção tricolor acerca da capacidade, publicada no dia seguinte. Afinal, ficou a dúvida no ar. Qual seria a lotação máxima do novo estádio? Existem duas respostas, num contexto compreensível para a época: entre 66 mil e 81 mil, variando de acordo com a “taxa de conforto”. Essa taxa mudou tanto em mais de quatro décadas que o estádio, já com o segundo anel, hoje comporta até 55 mil, embora liberado para 50.582.

Amistoso de inauguração do Arruda, em 04/06/1972: Santa Cruz 0 x 0 Flamengo. Foto: Arquivo/DP

Se o recorde de público de 1955 incomodou durante 17 anos, a marca atual, de 1993, não deve virar uma preocupação. Até porque jamais será batida…

A evolução do recorde de público do Arruda*
62.185 – Santa Cruz 0 x 0 Flamengo (04/06/1972, amistoso)
62.711 – Santa Cruz 2 x 0 Náutico (01/08/1976, Estadual)
76.636 – Santa Cruz 1 x 1 Náutico (18/12/1983, Estadual)
76.800 – Brasil 2 x 0 Paraguai (09/07/1989, Copa América)
96.990 – Brasil 6 x 0 Bolívia (29/08/1993, Eliminatórias)
* A partir da inauguração

A evolução da capacidade máxima do Arruda
1972 – 66.040, após conclusão do anel inferior
1982 – 110.000 (+43.960), após a construção do anel superior
1993 – 85.000 (-25.000*)
2001 – 75.000 (-10.000*)
2005 – 65.000 (-10.000*)
2012 – 60.044 (-4.956*)
2015 – 55.582 (-4.462*)
* Redução por medida de segurança

Nota oficial do Santa Cruz sobre a capacidade, publicada no Diario de Pernambuco em 07/06/1972

A premiação do Brasileirão de 2017 vai do campeão ao 16º colocado. Basta não cair

A premiação oficial do Campeonato Brasileiro de 2017. Crédito: CBF/site oficial

A premiação oficial do Campeonato Brasileiro registrou um aumento de apenas 6% entre 2016 e 2017. Passou de R$ 60,0 milhões para R$ 63,7 milhões (quadro acima). Causa surpresa porque a Copa do Brasil, a outra competição de peso organizada pela CBF, passará a pagar, apenas ao campeão, R$ 68,7 milhões, embora já embutido o direito de transmissão, pago à parte no nacional. Portanto, fica a expectativa pela possível reformulação financeira da Série A na próxima temporada – ou em 2019, quando será iniciado o novo acordo com a tevê. Acompanhará essa linha?

Em 2017, como vem acontecendo há alguns anos, todos os times que permanecem na elite são premiados. Repassada pela CBF e bancada pela Rede Globo, a detentora dos direitos de transmissão da competição (de forma exclusiva até 2018), a premiação contempla a classificação final do 1º lugar até o 16º, o primeiro time acima da zona de rebaixamento. Ou seja, uma campanha mediana que evite a queda já garante um aporte de R$ 744 mil em dezembro, com a evolução gradativa colocação por colocação.

Evolução da premiação total da Série A
2010/2011 – 0% 
2011/2012 – 7,1%
2012/2013 – 0%
2013/2014 – 0%
2014/2015 – 19,3%
2015/2016 – 67,5%
2016/2017 – 6,3%

Os seis primeiros lugares (consequentemente, os classificados à próxima Taça Libertadores, considerando a composição “G6″) recebem 77,9% de toda a premiação (ou R$ 49,6 mi). O grande campeão nacional de 2016 receberá R$ 1 milhão a mais que o Palmeiras, o vencedor da última competição.

Pernambucanos que receberam premiações
2012 – Náutico/12º (R$ 500 mil)
2014 – Sport/11º (R$ 600 mil)
2015 – Sport/6º (R$ 1,4 milhão)
2016 – Sport/14º (R$ 900 mil)

Confira todas as premiações do Brasileirão de 2011 a 2016 clicando aqui.

O acórdão do STF sobre o título de 1987 a favor do Sport. Já seguido de embargos

Ao longo de três décadas, a disputa do título brasileiro de futebol de 1987 já percorreu todas as instâncias da justiça federal. Já são dois casos (1988-1999 e 2011-2017), com o mais recente iniciado após o Sport questionar a decisão administrativa da CBF proclamando dois campeões paralelos, após o trânsito em julgado de sua ação. Assim, chegou-se pela primeira vez ao Supremo Tribunal Federal. Na esfera máxima da justiça do país, foram duas decisões, uma monocrática e a última pela Primeira Turma, em 18 de abril de 2017.

Só agora, seis meses depois, o STF publicou o acórdão sobre o julgamento, que manteve o rubro-negro como único campeão. Abaixo, a íntegra do documento sobre toda a discussão acerca do “agravo regimental sobre o recurso extraordinário” interposto pelo Flamengo, estendendo o caso decidido no STJ. Foi negado o provimento por 3 votos a 1. A favor do Sport, os ministros Marco Aurélio Mello, Alexandre de Moraes e Rosa Weber. A favor do Fla, Luís Roberto Barroso, que, aliás, esmiuçou o seu voto em 49 pontos, numa verdadeira equação para tentar ler de modo diferente a sentença original. O documento detalha os votos de cada ministro. Vale a leitura.

Confira dois trechos curiosos clicando aqui, aqui e aqui.

Ah, com a publicação, o Fla entrou com um novo recurso, numa escala final, conhecido como “embargos de declaração”, que, na prática, pede para que os ministros detalhem a decisão. Contudo, o embargo veio com o pedido de “efeitos infringentes”, abrindo a possibilidade de mudança na decisão. Ínfima.

Probabilidades de título, Liberta, Sula e descenso a 10 rodadas do fim da Série A

As projeções de campanha para título, vagas na Libertadores e Sul-Americana e rebaixamento na Série A de 2017. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Faltando apenas dez rodadas para o fim do Campeonato Brasileiro do 2017, chegou a hora de reapresentar as probabilidades sobre título, vagas nas copas internacionais e rebaixamento sobre cada um dos vinte participantes. Embora o título esteja nas mãos do Corinthians, a briga é grande nos outros quesitos. Considerando os 280 jogos disputados na principal competição nacional, vamos às estatísticas de três sites especializados no assunto, compiladas no quadro abaixo: Chance de GolInfobola e UFMG, através do departamento de matemática da universidade mineira.

A partir de cálculos sobre o desempenho em casa, histórico em confrontos e campanha atual, o Chance de Gol e a UFMG também projetam as pontuações finais necessárias, com os percentuais que dão mais “garantia” a cada opção. Na elite, a média histórica de pontuação para a 6ª colocação, que hoje assegura vaga na Taça Libertadores – desconsiderando a possibilidade de G7, G8 ou até G9 -, é de “58,09″ pontos, considerando as onze edições nos pontos corridos. Arredondando para 58, uma campanha deste porte nesta temporada teria entre 50% e 96% de confiança. Em relação ao rebaixamento, o índice histórico para escapar, na 16ª posição, é de “43,81″. Arredondando para 44, significaria 80% de chance de sucesso.

Veja as classificações da Série A após a 28ª rodada clicando aqui.

Bahia (35 pontos)
Título: 0% a quase 0%%
Libertadores: 2,3% a 5,6%
Sul-Americana: 38,3% a 62,8%
Rebaixamento: 5,0% a 13,0%

Sport (34 pontos)
Título: 0% a quase 0%
Libertadores: 0,4% a 4,0%
Sul-Americana: 25,8% a 30,3%
Rebaixamento: 19,0% a 21,2%

Vitória (33 pontos)
Título: 0% a quase 0%
Libertadores: 0,4% a 3,0%
Sul-Americana: 21,8% a 35,3%
Rebaixamento: 18,8% a 25,4%

Classificação da Série A 2017 – 28ª rodada

A classificação da 28ª rodada da Série A de 2017. Crédito: Superesportes

Mesmo com o apoio de 20 mil torcedores na Ilha do Retiro, o Sport não passou de um empate com o Galo. Com o resultado, o rubro-negro pernambucano perdeu três posições na classificação do Brasileirão, caindo do 11º para o 14º lugar. Saiu da zona de classificação à Sul-Americana, ficando, neste momento, no limbo entre os clubes que permanecem na elite. Já a diferença sobre o Z4 se manteve em dois pontos, numa gordura finíssima.

Na briga pelo título, o Corinthians perdeu a 4ª partida na competição – a segunda para times baianos. A diferença de 10 pontos caiu para 9, com Grêmio e Santos na retaguarda. Uma distância ainda confortável para o hepta.

Resultados da 28ª rodada
Cruzeiro 2 x 1 Ponte Preta
Vasco 1 x 0 Botafogo
São Paulo 2 x 1 Atlético-PR
Atlético-GO 1 x 3 Palmeiras
Fluminense 1 x 0 Avaí
Sport 1 x 1 Atlético-MG
Chapecoense 0 x 1 Flamengo
Coritiba 0 x 1 Grêmio
Bahia 2 x 0 Corinthians
Santos 2 x 2 Vitória 

Balanço da 28ª rodada
5V dos mandantes (12 GP), 2E e 3V dos visitantes (10 GP)

Agenda da 29ª rodada
18/10 (19h30) – Coritiba x Cruzeiro (Couto Pereira)
18/10 (19h30) – Atlético-GO x Vasco (Serra Dourada), SporTV*
18/10 (21h00) – Atlético-MG x Chapecoense (Independência)
18/10 (21h45) – Corinthians x Grêmio (Arena Corinthians), Globo*
18/10 (21h45) – Fluminense x São Paulo (Maracanã)
18/10 (21h45) – Avaí x Botafogo (Ressacada)
19/10 (20h00) – Vitória x Atlético-PR (Barradão)
19/10 (20h00) – Palmeiras x Ponte Preta (Pacaembu)
19/10 (21h00) – Sport x Santos (Ilha do Retiro)
19/10 (21h00) – Flamengo x Bahia (Luso Brasileiro)
* Considerando as transmissões para o Recife, fora o Premiere (PPV)  

Histórico de Sport x Santos no Recife, pelo Brasileiro (19 jogos)
8 vitórias leoninas, 6 empates e 5 derrotas

Classificação da Série A 2017 – 27ª rodada

A classificação da Série A de 2017 após 27 rodadas. Crédito: Superesportes

O Sport venceu o Vitória no Barradão e acabou com um jejum de nove rodadas, que havia derrubado o time do G6 para o Z4 do Brasileirão. Com os resultados desta rodada, acabou ficando no meio tempo, na zona de classificação à Sul-Americana. Isso mesmo, o leão ganhou nada menos que seis posições, indo do 17º para o 11º lugar, num evidente sinal de achatamento da classificação do campeonato, sobretudo na segunda metade. Agora, o Sport terá dois jogos seguidos na Ilha (Galo e Peixe). Embates difíceis, mas uma boa oportunidade para normatizar a campanha.

Obs. Um jogo da 28ª rodada foi antecipado para 7 de outubro, antes mesmo da realização da 27ª rodada. No caso, a vitória do Cruzeiro sobre a Ponte.

Resultados da 27ª rodada
Atlético-PR 2 x 2 Atlético-GO
Botafogo 2 x 1 Chapecoense
Corinthians 3 x 1 Coritiba
Atlético-MG 1 x 0 São Paulo
Grêmio 0 x 1 Cruzeiro
Avaí 1 x 2 Vasco
Flamengo 1 x 1 Fluminense
Vitória 1 x 2 Sport
Ponte Preta 1 x 1 Santos
Palmeiras 2 x 2 Bahia 

Balanço da 27ª rodada
3V dos mandantes (14 GP), 4E e 3V dos visitantes (13 GP)

Agenda da 28ª rodada
07/10 (16h00) – Cruzeiro 2 x 1 Ponte Preta (Mineirão)
14/10 (19h00) – Vasco x Botafogo (Maracanã)
14/10 (21h00) – São Paulo x Atlético-PR (Morumbi)
15/10 (17h00) – Atlético-GO x Palmeiras (Olímpico)
15/10 (17h00) – Fluminense x Avaí (Maracanã)
15/10 (17h00) – Sport x Atlético-MG (Ilha do Retiro)
15/10 (17h00) – Chapecoense x Flamengo (Arena Condá), Globo*
15/10 (19h00) – Coritiba x Grêmio (Couto Pereira), SporTV*
15/10 (19h00) – Bahia x Corinthians (Fonte Nova)
16/10 (20h00) – Santos x Vitória (Pacaembu), SporTV*
* Considerando as transmissões para o Recife, fora o Premiere (PPV) 

Histórico de Sport x Atlético-MG no Recife, pelo Brasileiro (17 jogos)
6 vitórias leoninas, 9 empates e 2 derrotas

Forbes aponta os 50 clubes mais valiosos das Américas, com o Sport em 46º lugar

Os clubes brasileiros mais valiosos nas Américas, em 2017 e 2016, segundo a Forbes. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Os clubes brasileiros presentes nas últimas duas listas da Forbes

Texto atualizado após a retificação da Forbes, em 04/10

A revista Forbes é uma das mais conceituadas em economia no mundo e, vez ou outra, costuma aventurar-se no âmbito esportivo. Em 2017, publicou a atualização de sua lista voltada para o futebol das Américas. A versão mexicana da revista divulgou o ranking com os 50 clubes mais valiosos nos três continentes, numa pesquisa a partir das 15 principais ligas nacionais, totalizando mais de 150 times. Mais uma vez, o Sport figura no ranking.

Segundo a revista, “o ranking considera três fatores: o valor da equipe (apenas os jogadores que pertencem ao clube, sem os atletas emprestados), o valor da marca e o custo do estádio (caso seja particular)”.

Número de clubes por país
12 – Brasil e México
10 – Estados Unidos
7 – Argentina
3 – Canadá e Equador
2 – Chile
1 – Colômbia e Peru

Fazendo valer a maior economia do mundo, a Major League Soccer mostra força. Além da maior média de público, acima de 21 mil torcedores, conta com 13 clubes no estudo, sendo dez norte-americanos e três canadenses, que também jogam a MLS, como ocorre na NBA. Em seguida vem o vizinho México, com leve aumento, passando de 11 para 12. Empatado com o Brasil, que fez o caminho inverso, caindo de 13 para 12 clubes – quadro detalhado acima. Inicialmente, a revista publicou a lista com 11 brasileiros, excluindo o Palmeiras. Como dito na primeira versão deste texto, não fazia sentido a ausência, ainda mais no ano em que o alviverde foi o campeão da Série A. A Forbes reconheceu o ‘esquecimento’ e pôs o clube em 2º lugar de novo.

O rival Corinthians segue líder, já se aproximando da marca de R$ 2 bilhões. Segundo a publicação, pesou o novo contrato com a Nike, de 145 milhões de dólares, até 2022, tanto que o clube é o 16º no mundo. Já o Sport, assim como na lista de 2016, ficou no top 50. Até melhorou a colocação, ganhando quatro posições, firmando-se em 46º. Contudo, a projeção ficou mais modesta, de US$ 51,4 milhões para 43,2 mi. A Forbes não detalhou a sua análise sobre o leão pernambucano – aliás, só comentou os dez primeiros. No Nordeste, o clube só aparece atrás do Vitória – novidade este ano.

Abaixo, os 51 clubes listados, com os valores em dólar, a moeda utilizada pela revista, e em real, com a cotação de 3 de outubro (R$ 3,11 = US$ 1,00).

Confira o ranking de marcas da consultoria BDO com 40 times brasileiros aqui.

Os 50 clubes mais valiosos nas Américas em 2017, segundo a Forbes. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Com 11 clubes, Pernambucano de 2018 terá turno único, quartas, semi e final

FPF

O conselho arbitral na FPF, envolvendo os clubes e a direção da entidade, resultou numa mudança drástica para o Campeonato Pernambucano em 2018. De fato, era preciso fazer algo após três torneios desinteressantes, tendo como expoente a esvaziada (e problemática) edição de 2017, com média de 2.402 pessoasPelo acordo, nada de fase classificatória sem o Trio de Ferro, que só vinha entrando no hexagonal. Agora, todos os clubes voltam a se enfrentar, o que não acontecia desde 2013 – a ideia é, também, que os grandes do futebol local voltem a atuar no interior, o que quase não vinha ocorrendo devido à regra diferenciada sobre o tipo de gramado para “clubes das Séries A e B”. Tem mais. Agora, serão três fases de mata-mata.

Para isso, segundo a federação, valeu em parte o relatório Voz do Torcedor, que colheu a opinião de 4.040 torcedores, com o mata-mata à frente dos pontos corridos (52,87% x 47,13%). Considerando o formato dos jogos eliminatórios, a ordem foi a seguinte: semi+final 51%, quartas+semi+final 43% e apenas final 5%. Apesar deste segundo indicativo, os clubes optaram por implantar as quartas de final. No mata-mata, uma maior exigência estrutural só virá a partir da semifinal, com estádios com ao menos 10 mil lugares.

Lembrando que o Estadual não terá doze participantes após dez anos. Iniciando um processo de redução – caindo dois e subindo apenas um -, o campeonato terá onze times em 2018, cuja regra será novamente aplicada, chegando a dez em 2019. Vamos aos detalhes do novo regulamento…

Obs. A proposta 2 foi aprovada com 44 x 31 em pontos qualitativos. Os grandes clubes optaram pela proposta 1, sem quartas, mas foram derrotados.

Proposta para o Campeonato Pernambucano de 2018 

Nº de participantes: 11 clubes
Os dez melhores de 2017 (Sport, Salgueiro, Santa Cruz, Náutico, Belo Jardim, Central, Flamengo de Arcoverde, Afogados, América e Vitória) e o campeão da Série A2 (em disputa) 

1ª fase: turno único
Todos os clubes se enfrentam em jogos de ida, se classificando os oito melhores colocados. Os dois últimos serão rebaixados. A etapa prevê 55 partidas ao longo de onze rodadas, com cada clube jogando dez vezes (cinco como mandante e cinco como visitante) e folgando em uma rodada.

2ª fase: quartas de final
Pela primeira vez o Estadual conta com esta disputa. Devido ao calendário enxuto, a definição ocorre em jogos únicos, com mando de campo para quatro melhores colocados (1 x 8, 2 x 7, 3 x 6 e 4 x 5). Persistindo o empate, pênaltis.

3ª fase: semifinal
Esta fase foi implantada em 2010, mudando apenas o critério de desempate desde então (melhor campanha, saldo de gols, gol qualificado etc). Desta vez, definição apenas no jogo de “ida”, nos mesmos moldes das quartas. 

4ª fase – final
Enfim, um mata-mata em ida e volta. Em relação ao desempate, após a igualdade da pontuação na fase, adotou-se o saldo. Seguindo o empate, pênaltis. Ao todo, o campeão pernambucano entra em campo 14 vezes. Lembrando que, com o novo formato do Nordestão, apenas o campeão estadual vai ao regional – no caso, à edição de 2019. As outras duas são designadas aos times locais mais bem colocados no Ranking da CBF.

Total de jogos: 63, ou 32 a menos em relação a 2017.

O conselho arbitral do Pernambucano 2018. Foto: FPF/twitter

Classificação da Série A 2017 – 26ª rodada

A classificação da 26ª rodada da Série A de 2017. Crédito: Superesportes

Do G6 ao Z4. O Sport perdeu no Morumbi e chegou a nove jogos sem vitória. Nos pontos corridos, a pior série do clube foi em 2012, quando passou onze rodadas na seca. Acabaria rebaixado na edição. Agora, a sequência derrubou o time da zona de classificação à Libertadores à disputa contra o rebaixamento. Lanterna do returno, o time pernambucano precisou esperar o desfecho da rodada, na “Segunda Campeã”, secando a Ponte diante do Flamengo. Não adiantou muito, com a Macaca vencendo após duas derrotas. Assim deixou o leão na zona, onde havia estado pela última vez na 9ª rodada. Hoje, é mesmo um cenário condizente com o futebol praticado.

Na disputa pelo título, mesmo com apenas uma vitória nos últimos cinco jogos, o Corinthians segue bem à frente, com 8 pontos sobre o vice-líder Santos.

Resultados da 26ª rodada
Bahia 1 x 1 Coritiba
Vasco 1 x 1 Chapecoense
Palmeiras 0 x 1 Santos
Avaí 0 x 2 Atlético-GO
Grêmio 1 x 0 Fluminense
Cruzeiro 1 x 1 Corinthians
Botafogo 2 x 3 Vitória
São Paulo 1 x 0 Sport
Atlético-PR 0 x 2 Atlético-MG
Ponte Preta 1 x 0 Flamengo 

Balanço da 26ª rodada
3V dos mandantes (8 GP), 3E e 4V dos visitantes (11 GP)

Agenda da 27ª rodada
11/10 (19h30) – Atlético-PR x Atlético-GO (Arena da Baixada)
11/10 (19h30) – Botafogo x Chapecoense (Nilton Santos)
11/10 (21h00) – Corinthians x Coritiba (Arena Corinthians)
11/10 (21h45) – Atlético-MG x São Paulo (Independência)
11/10 (21h45) – Grêmio x Cruzeiro (Arena do Grêmio)
11/10 (21h45) – Avaí x Vasco (Ressacada)
12/10 (17h00) – Flamengo x Fluminense (Maracanã)
12/10 (17h00) – Vitória x Sport (Barradão)
12/10 (17h00) – Ponte Preta x Santos (Moisés Lucarelli)
12/10 (21h00) – Palmeiras x Bahia (Pacaembu) 

Histórico de Vitória x Sport na Bahia, pelo Brasileiro (10 jogos)
2 vitórias do Leão da Ilha (1995 e 2014), 2 empates e 6 derrotas

O ranking de títulos nacionais de elite, com 92 estrelas douradas no Brasil

O ranking de campeões nacionais, de 1959 a 2017. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Ao conquistar o penta da Copa do Brasil, o Cruzeiro também tornou-se o segundo maior campeão nacional do país. Foi o 9º título do clube neste âmbito, dividindo o patamar com Santos, Flamengo e Corinthians. O quarteto só está abaixo do Palmeiras, que detém um histórico impressionante, com taças em todas as competições já realizadas pela CBF. Voltando ao time celeste, outro aspecto interessante é a vantagem ampliada sobre o Grêmio, 9 x 7, consolidando o clube como o maior vencedor fora do eixo Rio-SP.

Portanto, com o fim da copa nacional, é hora de atualizar a lista de campeões nacionais, levantada há bastante tempo pelo blog. O ranking soma três torneios extintos, a Taça Brasil (1959/1968), o Torneio Roberto Gomes Pedrosa (1967/1970) e a Copa dos Campeões (2000/2002), e as vigentes Série A (1971/2016) e Copa do Brasil (1989/2017). Além da chancela, a relevância das cinco competições está na indicação dos campeões à Libertadores (observações sobre outros torneios na lista de comentários). 

Ao todo, existem 22 campeões nas 92 disputas organizadas pela CBF e por sua precursora, a CBD. Antes de qualquer discussão sobre o Campeonato Brasileiro de 1987, vale ressaltar que a lista do blog aponta os vencedores reconhecidos pela entidade responsável, independentemente da visão de outros jornais com critérios paralelos ao objeto oficial. Naturalmente, cada torneio tem um peso distinto no cenário nacional, em história, dificuldade etc. No entanto, em vez de definir um valor específico (o que seria subjetivo, Série A à parte), o blog optou por diferenciar os clubes com o mesmo número de títulos de acordo com último troféu, com vantagem para o mais antigo.

13 – Palmeiras (A: 1972, 1973, 1993, 1994 e 2016; R: 1967 e 1969; CB: 1998, 2012 e 2015; TB: 1960 e 1967; C: 2000)
9 – Santos (A: 2002 e 2004; R: 1968; CB: 2010; TB: 1961, 1962, 1963, 1964 e 1965)
9 – Flamengo (A: 1980, 1982, 1983, 1992 e 2009; CB: 1990, 2006 e 2013; C: 2001)
9 – Corinthians (A: 1990, 1998, 1999, 2005, 2011 e 2015; CB: 1995, 2002 e 2009)
9 – Cruzeiro (A: 2003, 2013 e 2014; CB: 1993, 1996, 2000, 2003 e 2017; TB: 1966)
7 – Grêmio (A: 1981 e 1996; CB: 1989, 1994, 1997, 2001 e 2016)
6 – São Paulo (A: 1977, 1986, 1991, 2006, 2007 e 2008)
5 – Vasco (A: 1974, 1989, 1997 e 2000; CB: 2011)
5 – Fluminense (A: 1984, 2010 e 2012; R: 1970; CB: 2007)
4 – Internacional (A: 1975, 1976 e 1979; CB: 1992)
2 – Bahia (A: 1988; TB: 1959)
2 – Botafogo (A: 1995; TB: 1968)
2 – Sport (A: 1987; CB: 2008)
2 – Atlético-MG (A: 1971; CB: 2014)
1 – Guarani (A: 1978)
1 – Coritiba (A: 1985)
1 – Criciúma (CB: 1991)
1 – Juventude (CB: 1999)
1 – Atlético-PR (A: 2001)
1 – Paysandu (C: 2002)
1 – Santo André (CB: 2004)
1 – Paulista (CB: 2005)

Legenda: Série A (A), T. Roberto Gomes Pedrosa (R), Copa do Brasil (CB), Taça Brasil (TB), Copa dos Campeões (C).