Classificação da Série A 2017 – 6ª rodada

A classificação da 6ª rodada da Série A de 2017. Crédito: Superesportes

Com a gangorra de resultados entre jogar como mandante (7 pontos) e visitante (0 ponto), o leão voltou a despencar na classificação. No sábado, o Sport perdeu do Vasco, em São Januário, caindo do 11º para o 14º lugar no Brasileirão. A vantagem em relação ao G4 também diminuiu, de 3 para 2 pontos. Agora, parte para dois jogos seguidos em casa. Pela lógica (?), hora de melhorar o rendimento.

Em relação à briga pela liderança, neste início de campeonato a disputa vai ficando entre Corinthians (único invicto) e Grêmio, com o Coritiba na disputa como principal surpresa neste contexto.

Resultados da 6ª rodada
Palmeiras 3 x 1 Fluminense
Vasco 2 x 1 Sport
Botafogo 2 x 2 Coritiba
Vitória 2 x 0 Atlético-MG
Avaí 1 x 1 Flamengo
Corinthians 3 x 2 São Paulo
Ponte Preta 3 x 2 Chapecoense
Cruzeiro 2 x 0 Atlético-GO
Atlético-PR 0 x 2 Santos
Grêmio 1 x 0 Bahia 

Balanço da 6ª rodada 
7V dos mandantes (19 GP), 2E e 1V dos visitantes (11 GP)

Agenda da 7ª rodada
14/06 (19h30) – Sport x São Paulo (Ilha do Retiro)
14/06 (19h30) – Vitória x Botafogo (Barradão)
14/06 (19h30) – Atlético-GO x Avaí (Olímpico)
14/06 (19h30) – Atlético-MG x Atlético-PR (Independência)
14/06 (21h00) – Flamengo x Ponte Preta (Luso Brasileiro)
14/06 (21h45) – Santos x Palmeiras (Vila Belmiro)
14/06 (21h45) – Corinthians x Cruzeiro (Arena Corinthians)
14/06 (21h45) – Chapecoense x Vasco (Arena Condá)
15/06 (16h00) – Coritiba x Bahia (Couto Pereira)
15/06 (21h00) – Fluminense x Grêmio (Maracanã) 

Histórico de Sport x São Paulo no Recife, pelo Brasileiro:
8 vitórias leoninas, 7 empates e 4 derrotas

Podcast – Análise da derrotas de Santa, Náutico e Sport na 6ª rodada do Brasileiro

Foi a pior rodada do Campeonato Brasileiro para os clubes pernambucanos, até o momento. Três derrotas para o Trio de Ferro, com consequências. Na sexta-feira, o tricolor perdeu a primeira como mandante – e acabou demitindo o técnico no dia seguinte. No sábado, o alvirrubro foi derrotado no Beira-Rio, num jogo com quatro pênaltis, e voltou à lanterna. Pouco depois, já à noite, pela Série A, os leoninos zeraram outra vez como visitantes – já são três jogos assim. O 45 minutos analisou as três partidas em gravações exclusivas, tanto na questão técnica quanto tática, além de análises individuais. Ouça!

09/06 – Santa Cruz 1 x 3 Londrina (45 min)

10/06 – Internacional 4 x 2 Náutico (18 min)

10/06 – Vasco 2 x 1 Sport (36 min)

Sport perde do Vasco em São Januário e segue sem pontuar como visitante

Série A 2017, 6ª rodada: Vasco x Sport. Foto: Celso Pupo/Foto Arena/Estadão conteúdo

Três jogos como visitante no Campeonato Brasileiro, três derrotas. Em todas, o Sport teve como característica marcante o futebol passivo. Desconto dado à estreia contra a Ponte Preta, quase uma formação reserva, nos jogos seguintes a inoperância ofensiva do time estagnou qualquer possibilidade de vitória. E até mesmo o empate, uma vez que defensivamente a equipe vem falhando sistematicamente, sofrendo gols em cinco dos seis jogos disputados.

Se contra o Avaí o time foi cobrado, como ficou claro na fala de Luxemburgo no vídeo de bastidores da vitória contra o Fla, diante do Vasco a equipe voltou a jogar sem inspiração. Com a posse de bola, limitou-se a trocar passes laterais na intermediária, buscando infiltrações, sem sucesso. A verticalização de jogadas é, com o perdão do trocadilho, uma barreira na equipe. Se na Ilha ainda há “coragem” para buscar algo, fora do Recife o time vem muito mal. Nada diferente do histórico do leão, manso longe de casa. Em 2017, porém, chama a atenção a quantidade de oportunidades claras. Em São Januário, teve apenas duas, com Rithely (1T) e Thomás (2T), com uma sensação de cansaço já na metade do segundo tempo.

Desta vez, o próprio Luxemburgo colaborou para a má atuação. Na quarta, melhorou o time no intervalo. Desta vez, piorou. Thallyson estava mal, mas não era o pior (era Thomás). Deu lugar ao estreante Sander, com o lateral/volante Patrick indo para o meio. Lá, nem combateu nem ajudou na criação. Escolha pior ocorreu ao tomar o gol de Luís Fabiano, livre, por mais que fosse o único a ser marcado. Acionou Leandro Pereira, deixando um hiato entre setores, pois Rithely não exerce a função de meia – o péssimo início do camisa 21 contra o Flamengo parecia ter mostrado isso. Assim, a ligação direta tornou-se recorrente. Nesta temporada, quantas vezes isso funcionou no Sport? Duas? Uma? Nenhuma. Num contragolpe, ainda levou o segundo gol. Nos acréscimos, André descontou de pênalti,  2 x 1. Só serviu para quebrar uma estatística. Ao menos o time já fez um golzinho fora de casa…

Vasco x Sport no Rio de Janeiro, pelo Brasileiro
5 vitórias do Vasco
2 empates
4 vitórias do Leão

Série A 2017, 6ª rodada: Vasco x Sport. Foto: Vasco/twitter (@vascodagama)

Série A sem venda de mando e sem limite de inscritos. Nordestinos votaram juntos

Conselho técnico da Série A de 2017, na sede da CBF, no Rio. Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Além da divulgação da tabela da Série A de 2017, com rodadas entre 13 de maio e 3 de dezembro, os presidentes dos vinte clubes discutiram na sede da CBF, no Rio de Janeiro, sobre mudanças na formatação do campeonato – não relacionadas ao regulamento do campeonato. Foram propostas sugeridas pelos clubes e pela própria diretoria de competições da CBF, com a decisão da maioria prevalecendo a cada votação. No conselho técnico oficial, o Sport foi representado pelo seu presidente executivo, Arnaldo Barros.

Venda de mando de campo (vetada)
A CBF estimou o veto à venda de mando para outros estados nas últimas cinco rodadas, mas o Galo propôs a proibição nas 38 rodadas, só sendo possível mudar dentro do mesmo estado. A maioria escolheu a segunda opção, tendo Fla e Flu como maiores opositores (logo, o Sport pode jogar na Ilha e na Arena).

Sport, Bahia e Vitória votaram contra a venda de mando.

Limite de jogadores inscritos (vetado)
A CBF propôs um limite de 33 atletas por equipe. Neste modelo, poderiam ser feitas dez trocas, além do uso livre de jogadores Sub 20. Contudo, a maioria preferiu seguir com elencos ilimitados (e sem planejamento).

Sport, Bahia e Vitória votaram a favor do limite de 33 inscritos.

Grama sintética (vetada)
A pedido do Vasco, que nunca jogou na grama artificial da Arena da Baixada, do Atlético-PR, foi votado o veto ao piso (avaliado e aprovado anualmente pela Fifa, diga-se). O pleito foi aprovado, mas será válido só em 2018 – o Náutico planejava colocar grama artificial nos Aflitos, mas a ideia deve ser travada. O Furacão questiona a legitimidade (afinal, tem autorização internacional!).

Sport, Bahia e Vitória votaram a favor da grama sintética.

Capacidade mínima
Até 2016, os estádios precisavam ter pelo menos 15 mil lugares sentados para abrigar um jogo da elite nacional. Estranhamente, o número foi reduzido para 12 mil, priorizando o “conforto”, mas sem votação.. 

Avaliação estrutural
No fim, houve um comunicado da confederação brasileira de futebol sobre a realização de “avaliações qualitativas e minuciosas” no estado do gramado, no placar, nos vestiários e nas cabines de imprensa.

Camisa 87, a mais vendida do Sport, com protesto no Fla e provocação dos rivais

Camisas 87, do Vasco e do Náutico

Até os anos 90, só havia praticamente a camisa 10 à venda. A padronização de uniformes oficiais permitiu ao torcedor escolher o número e até estampar o seu nome. Na evolução da ideia, tornou-se possível até provocar rivais. Lá e lô.

Aqui, exemplos a partir de um número: 87.

Em 2014, na contratação de Diego Souza, o Sport entregou ao meia a camisa com o número referente ao título brasileiro do clube – antes, só o goleiro Saulo havia utilizado, sem destaque. Ali, a escolha foi fundamentada no marketing, com o simbolismo e o reforço, resultando na camisa mais vendida na Ilha há 3 anos, seja com o nome do torcedor, de DS ou com a expressão “87 é nosso”.

No Rio, o Flamengo, há trinta anos numa disputa jurídica sobre o título, resolveu ignorar a ação. Já a torcida do rubro-negro carioca comprou a briga, com alguns modelos com o número, acompanhado do protesto contra a CBF.

Entretanto, a resenha acabou chegando aos torcedores rivais, viralizando.

Começou com o Vasco, com “87 é do Sport”.

Agora, com o Náutico, com “87 é do Flamengo”.

E o assunto segue rendendo… Pelo visto, Adidas, Umbro e Topper agradecem.

Camisas 87, do Sport e do Flamengo

Os 25 clássicos estaduais mais populares do Brasil, com 3 duelos pernambucanos

Os 25 clássicos mais populares do Brasil, segundo a pesquisa do instituto Paraná Pesquisas, de 2016. Arte: Cassio Zirpoli/DP

As pesquisas que mensuram as torcidas brasileiras geram discussões desde a década de 1960. Indo além do tamanho das massas, sempre o foco principal desses levantamentos, o blog resolveu projetar o tamanho absoluto das rivalidades, com os clássicos estaduais mais populares do país – o que não é sinônimo de rivalidade mais acirradas, cuja visão é mais subjetiva. Tomando como base o estudo do Paraná Pesquisas, divulgado em 25 de dezembro de 2016, foi possível chegar a 25 confrontos (quadro abaixo). Desses, 24 envolvem mais de um milhão de torcedores rivais, com as cinco regiões representadas.

Devido à magnitude de seus seguidores (1/3 do total), Flamengo e Corinthians transformaram-se em “puxadores de torcida” para este contexto, com os seis clássicos envolvendo os dois no alto da lista. Sobre essa distorção, basta citar o Fluminense, que no geral ocupa o 13º lugar, mas através do Fla-Flu figura a 5ª posição. Também pudera, o rubro-negro carioca detém 91% do público deste clássico, que é o mais desequilibrado entre todos – a proporção de cada clube está no complemento do post, na caixa de comentários. 

Os clássicos estaduais* mais desequilibrados na divisão de torcidas:

1º) Flamengo (91,0%) x (8,9%) Fluminense
2º) Flamengo (90,5%) x (9,4%) Botafogo
3º) Atlético-PR (84,8%) x (15,1%) Paraná
4º) Coritiba (83,0%) x (16,9%) Paraná
5º) Corinthians (81,5%) x (18,4%) Santos
6º) Flamengo (77,8%) x (22,1%) Vasco
7º) Sport (75,8%) x (24,1%) Náutico
8º) Vasco (74,1%) x (25,8%) Fluminense
9º) Vasco (73,0%) x (26,9%) Botafogo
10º) Bahia (71,4%) x (28,5%) Vitória

Os clássicos estaduais* mais equilibrados na divisão de torcidas:

1º) Goiás (50,0%) x (50,0%) Vila Nova
2º) Botafogo (51,5%) x (48,4%) Fluminense
3º) Atlético-PR (53,3%) x (46,6%) Coritiba
4º) São Paulo (56,0%) x (43,9%) Palmeiras
5º) Grêmio (56,4%) x (43,5%) Internacional
6º) Ceará (57,8%) x (42,1%) Fortaleza
7º) Cruzeiro (58,8%) x (41,1%) Atlético-MG
8º) Figueirense (60,8%) x (39,1%) Avaí
9º) Santa Cruz (62,8%) x (37,1%) Náutico
10º) Remo (63,3%) x (36,6%) Paysandu
* Entre os 25 clássicos citados nesta postagem

À parte de Fla e Timão, o clássico local que reúne mais gente é o Choque-Rei, com Palmeiras e São Paulo. E saindo da ponte aérea o futebol mineiro mostra a sua força, com Galo x Raposa no top ten. No Recife, os três tradicionais clássicos ficaram entre os vinte melhores, com destaque, sem surpresa, para Sport x Santa, com mais de quatro milhões de agregados, entre rubro-negros e tricolores. No Nordeste, só ficou atrás do Ba-Vi, com quase seis milhões, num dado visivelmente favorecido pelo bom desempenho do Bahia nesta pesquisa – embora o Vitória tenha tido um percentual menor que sua média histórica.

Os clássicos estaduais mais populares do Nordeste:

5,7 milhões – Ba-Vi (Salvador)
4,1 milhões – Clássico das Multidões (Recife)
3,9 milhões – Clássico-Rei (Fortaleza)
3,5 milhões – Clássico dos Clássicos (Recife)
2,2 milhões – Clássico das Emoções (Recife)

Paralelamente ao ranking dos clássicos mais populares, o blog lembrou o recorde de público de cada duelo – afinal, a presença in loco também justifica o apelo popular. Com o Maracanã dos velhos tempos – cuja geral suportava 30 mil pessoas em pé -, os duelos cariocas estabeleceram números incomparáveis.

Obviamente, muitas rivalidades ultrapassam bastante as fronteiras municipais e estaduais, como Flamengo x Atlético-MG, Grêmio x Palmeiras, entre outros. Por isso, a lista regional. Ainda que historicamente não tenham a rivalidade mais acirrada, flamenguistas e corintianos, donos das maiores cotas de televisão, reúnem a atenção de 61 milhões de pessoas, com domínio absoluto no Sudeste.

Os confrontos interestaduais mais populares de cada região:

Sudeste: Flamengo (RJ) x Corinthians (SP) – 29,9% (61.618.347)
Sul: Grêmio (RS) x Internacional (RS)- 6,2% (12.777.047)
Nordeste: Bahia (BA) x Sport (PE) – 3,3% (6.800.686)
Norte: Remo (PA) x Paysandu (PA) – 0,9% (2.002.125)
Centro-Oeste: Goiás (GO) x Vila Nova (GO) – 0,4% (1.134.538)  

Abaixo, a projeção das torcidas absolutas dos clássicos a partir da estimativa oficial da população brasileira, atualizada pelo IBGE em 30 de agosto de 2016.

Os 25 clássicos mais populares do Brasil, segundo a pesquisa do instituto Paraná Pesquisas, de 2016. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Calculando as cotas da Série A 2017 a partir do modelo da Premier League

Brasileirão x Premier League. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Em 2017, o investimento da televisão no Brasileiro será de R$ 1,297 bilhão. Montante referente às cotas fixas, à parte do crescente pay-per-view. Paralelamente à já tradicional discussão sobre a distorção e distribuição das cotas, a Premier League sempre aparece como modelo ideal. Na elite do futebol inglês, a receita oriunda da tevê é dividida da seguinte forma a cada temporada: 50% em cotas iguais entre os vinte times, 25% pela classificação final no campeonato anterior e 25% pela representatividade de audiência de cada um.

Assim, em vez do atual sistema de (sete) castas no Brasil, com um hiato de R$ 147 milhões entre a maior cota (Flamengo e Corinthians) e a menor (Chape, Ponte, entre outros), a diferença máxima, caso fosse adotado o modelo britânico, seria de R$ 60 milhões, no caso entre Flamengo e Bahia, recém-promovido. Mais equilíbrio, sem dúvida. Vamos a uma projeção de valores considerando o atual contrato da Série A, válido para o triênio 2016-2018.

Projeção de cotas de TV na Série A de 2017 a partir do modelo da Premier League. Quadro: Cassio Zirpoli/DP

No quadro inspirado no campeonato inglês, o blog projetou a cota conferindo os seguintes valores na divisão por classificação: 20x para o campeão (ou seja, 20 x R$ 1.544.047, o valor base), 19x para o vice, 18x para o 3º lugar e assim sucessivamente, até o 4º da Série B, com 1x. Já na coluna de audiência, o valor considerado foi 1/4 da verba que cada clube receberá de fato, pois trata-se da única fonte de informação para definir a atual visibilidade atual de cada um.

Sport no contrato oficial
2017 – R$ 35,0 milhões
2016 – R$ 35,0 milhões

2015 – R$ 27,0 milhões
Total – R$ 97,0 milhões

Sport via Premier League
2017 – R$ 51,9 milhões
2016 – R$ 61,7 milhões

2015 – R$ 40,5 milhões
Total – R$ 154,1 milhões

Após articulação entre clubes brasileiros, concorrência de canais de tevê e até projetos de lei (dois já engavetados, ambos de deputados pernambucanos, em 2011 e 2014), a Rede Globo resolveu incorporar a divisão proporcional, mas com um percentual particular. No caso, a partir do próximo contrato, em 2019, a divisão será 40% de forma igualitária, 30% por colocação e 30% de audiência. No Recife, Náutico, Santa Cruz e Sport já assinaram com a emissora até 2024.

Comparativo entre as cotas fixas das Série A e projeções calculadas via Premier League. Arte: Cassio Zirpoli/DP

A distribuição dos milhões das cotas de televisão nas Séries A e B de 2017

As cotas de TV do Campeonato Brasileiro da Série A em 2017. Arte: Cassio Zirpoli/DP

A volta de Vasco e Bahia, tendo como contrapartida, entre os cotistas, a queda do Inter, impulsionou a receita com televisão do Brasileiro de 2017 (acima). Ao todo, considerando apenas a cota fixa, pay-per-view à parte, a Série A irá distribuir quase R$ 1,3 bilhão. De maneira bem desigual, como se sabe. Apenas Fla e Timão representam 26,2%. São sete subdivisões, com a última reservada aos aos clubes sem contratos para o triênio 2016-2018 – a Rede Globo, detentora dos direitos assinou com apenas 18, independentemente da divisão.

Entre os cotistas está o Sport, com contratos do tipo desde 1997. Já o Santa Cruz, que em 2016 ganhou R$ 23 milhões pela participação na elite, volta à segunda divisão ganhando o mesmo que outros 18 times não-cotistas. Ou seja, R$ 5 milhões. Uma queda de 78%! Se os corais devem ter dificuldades financeiras, o Colorado, rebaixado pela primeira vez em sua história, mantém o montante recebido na primeira divisão (presente na 5ª subdivisão criada pela emissora responsável). Por sinal, o clube gaúcho, sozinho, representa 32,4% de toda a verba a ser repassada aos vinte times da segundona de 2017 (abaixo).

2017 (contrato 2016-2018)
Série A – R$ 1,297 bilhão (com 16 cotistas e 4 não-cotistas)
Série B – R$ 185 milhões (com 2 cotistas e 18 não-cotistas)
A segunda divisão representa 14,2% da primeirona 

2016 (contrato 2016-2018)
Série A – R$ 1,240 bilhão (com 15 cotistas e 5 não-cotistas)
Série B – R$ 255 milhões (com 3 cotistas e 17 não-cotistas)
A segunda divisão representa 20,5% da primeirona

2015 (contrato 2012-2015)
Série A – R$ 923 milhões (com 15 cotistas e 5 não cotistas)
Série B – R$ 150 milhões (com 3 cotistas e 17 não-cotistas)
A segunda divisão representa 16,2% da primeirona

Essa situação, sem amparo financeiro aos rebaixados, vai continuar até 2018, no último ano do contrato vigente. A partir de 2019, entram em vigor dois acordos distintos, um com a Globo (tevês aberta e fechada, PPV, sinal internacional e internet) e outro com o Esporte Interativo (tevê fechada), com períodos até 2024. Neste caso, alvirrubros e tricolores já têm contratos firmados com a Globo – espera-se verbas maiores em caso de campanhas na Série B.

Lembrando que esse levantamento apresentado pelo blog se refere apenas às cotas fixas. Ainda há o rateio de meio bilhão de reais no PPV, através do Premiere, calculado de acordo com o número de assinantes apurado em pesquisa do Datafolha, ampliando a disparidade. Em 2015, o Sport, com 1,4% dos assinantes, ganhou R$ 6,75 milhões. O Fla, com 19,2%, recebeu R$ 68 mi.

As cotas de TV do Campeonato Brasileiro da Série B em 2017. Arte: Cassio Zirpoli/DP

A 38ª classificação da Segundona 2016

A classificação final da Série B de 2016. Crédito: Superesportes

Finalizada a 11ª edição da Série B na era dos pontos corridos. Repetindo o modelo desde 2006, com vinte clubes e quatro vagas na elite, o Atlético Goianiense foi o grande campeão, com uma campanha fantástica. Num torneio com três cotistas, incluindo o peso pesado Vasco da Gama, o clube goiano levou a taça com dez (!) pontos de vantagem sobre o vice-campeão, que sequer foi o time carioca. Aliás, a 3ª colocação, com o acesso confirmado somente na última rodada, é bem frustrante para o Vasco, que teve, nesta temporada, uma cota de tevê de R$ 100 milhões. Bahia e Goiás receberam R$ 35 milhões, com os outros 17 concorrentes (incluindo o Atlético…) recebendo R$ 5 mi cada.

No viés local, a vaga perdida pelos alvirrubros. O Náutico perdeu do Oeste, na última rodada, e deixou o acesso escapar – com o tropeço dos baianos, o triunfo simples teria sido suficiente. É o segundo ano seguido que o timbu acaba em 5º lugar, num campeonato onde os quatro primeiros colocados sobem…

Classificados à Série A de 2017 – Atlético-GO (campeão), Avaí, Vasco e Bahia
Rebaixados à Série C de 2017 – Joinville, Tupi, Bragantino e Sampaio (lanterna)

Melhores e piores da Segundona de 2016
Melhor mandante – Bahia (47 pontos)

Melhor visitante – Atlético-GO (31 pontos)
Campeão do 1º turno – Vasco (39 pontos)
Campeão do 2º turno – Atlético-GO (43 pontos)

Mais vitórias – Atlético-GO (22)
Menos derrotas – Atlético-GO (6)
Melhor ataque – Atlético-GO (60 gols)
Melhor defesa – Londrina (29 gols) 

Pior mandante – Sampaio Corrêa (19 pontos)
Pior visitante – Sampaio Corrêa (8 pontos)
Lanterna do 1º turno – Sampaio Corrêa (13 pontos)
Lanterna do 2º turno – Bragantino (12 pontos)

Menos vitórias – Sampaio Corrêa (50
Mais derrotas – Bragantino (22)
Pior ataque – Sampaio Corrêa (29 gols)
Pior defesa – Sampaio Corrêa (57 gols) 

Artilheiro – Bill, do Ceará (15 gols)

Campanhas dos campeões da Série B na era dos pontos corridos
2006 – 71 pontos (62,3%), Atlético-MG
2007 – 69 pontos (60,5%), Coritiba
2008 – 85 pontos (74,5%), Corinthians
2009 – 76 pontos (66,7%), Vasco
2010 – 71 pontos (62,3%), Coritiba
2011 – 81 pontos (71,0%), Portuguesa
2012 – 78 pontos (68,4%), Goiás
2013 – 79 pontos (69,3%), Palmeiras
2014 – 70 pontos (61,4%), Joinville
2015 – 72 pontos (63,1%), Botafogo
2016 – 76 pontos (66,7%), Atlético-GO

Rodada ajuda, mas Náutico perde na Arena e frustra outra vez em 26/11

Série B 2016, 38ª rodada: Náutico 0x2 Oeste. Foto: Léo Lemos/Náutico (site oficial)

O Náutico jogava na Arena Pernambuco esperando que o dia o ajudasse, com um tropeço de Vasco (empate ou derrota) ou Bahia (derrota). Ganhar do Oeste parecia praxe na rodada final da Série B. No Rio, o time carioca até ficou em desvantagem, mas virou. Em Goiânia, o oposto. O Baêa abriu o placar, mas viu o campeão Atlético confirmar o melhor futebol – visto em toda a competição -, com mais uma vitória como mandante. E diante da maior presença alvirrubra no ano (25.602 torcedores), o pior. O que não podia acontecer, o que não se esperava. Jogando muito mal, os pernambucanos acabaram derrotados, 2 x 0.

Perder é do jogo, obviamente. Mas o que fez o Oeste vencer este jogo? Não ganhava de ninguém desde 27 de agosto, há 17 rodadas. Para chegar à vitória, teve a seu favor a intranquilidade do Náutico. Escalado com jogadores rápidos à frente, o timbu não conseguiu infiltrar na área adversária, povoada o sábado inteiro. Afobado, abusou das tentativas de fora da área. Pior. Os gols sofridos não foram acaso, longe disso! O Oeste atuou melhor. Quando abriu o placar, aos 21 minutos, já havia chegado duas vezes com perigo à meta de Júlio César. Na primeira, o goleiro espalmou. Na segunda, a bola raspou a trave. Na terceira… o ex-alvirrubro Pedro Carmona bateu cruzado, acertando o cantinho. Nem assim o desorganizado Náutico acordou. Até o intervalo as melhores chances seguiram com o visitante, que ampliou com Mike, ex-Sport, completando após cobrança de escanteio. Naquele momento, com a parcial derrota vascaína, o retorno à elite começava a escapar exclusivamente pelo tropeço alvirrubro.

Série B 2016, 38ª rodada: Náutico 0x2 Oeste. Foto: Peu Ricardo/DP

No segundo tempo, com mudanças sem ousadia de Givanildo Oliveira (Léo Santos não mudaria a história…), o Timbu foi para o tudo ou nada, sem melhorar. Com a posse de bola, o Oeste nem se dava ao trabalho de contragolpear, gastando o tempo. No fim, com a invasão de torcedores (agredindo jogadores e fazendo gestos da principal torcida organizada), o jogo ficou paralisado por vários minutos. Quando recomeçou, o revés baiano já estava confirmado, o que aumentou a melancolia do resultado em São Lourenço – para Náutico, claro, pois o Oeste conseguiu escapar do rebaixamento com os três pontos somados.

Apito final aos 65 do segundo tempo. Onze anos depois, outro 26 de novembro para ser esquecido pelos alvirrubros, por mais que a frustração seja eterna…

Minuto a minuto do acesso à Série A
16h32 – Bahia (64), Vasco (63) e Náutico (61) – Todos os jogos iniciados, 0 x 0
16h51 – Bahia (64), Vasco (63) e Náutico (60) – Náutico 0 x 1 Oeste
16h57 – Bahia (64), Vasco (62) e Náutico (60) – Vasco 0 x 1 Ceará
17h06 – Bahia (66), Vasco (62) e Náutico (60) – Atlético-GO 0 x 1 Bahia
17h09 – Bahia (66), Vasco (62) e Náutico (60) – Náutico 0 x 2 Oeste
17h17 – Bahia (64), Vasco (62) e Náutico (60) – Atlético-GO 1 x 1 Bahia
17h39 – Bahia (64), Vasco (63) e Náutico (60) – Vasco 1 x 1 Ceará
17h41 – Vasco (65), Bahia (64) e Náutico (60) – Vasco 2 x 1 Ceará
18h02 – Vasco (65), Bahia (63) e Náutico (60) – Atlético-GO 2 x 1 Bahia
18h24 – Vasco (65), Bahia (63) e Náutico (60) – Fim de jogo em Goiânia
18h25 – Vasco (65), Bahia (63) e Náutico (60) – Fim de jogo no Rio de Janeiro
18h38 – Vasco (65), Bahia (63) e Náutico (60) – Fim de jogo em São Lourenço

Série B 2016, 38ª rodada: Náutico 0x2 Oeste. Foto: Peu Ricardo/DP