MLS mostra a intensidade do jogo na pele do árbitro, mas foi esperta no áudio…

Vídeo gravado pelo árbitro da MLS

Durante o tour nos Estados Unidos, visando a temporada 2017/2018, Real Madrid enfrentou o “all-star team” da Major League Soccer. Até aí ok, assim como o resultado, com uma vitória merengue nos pênaltis após o 1 x 1.

Ocorre que o árbitro da partida disputada no Soldier Field, em Chicago, utilizou uma microcâmera presa no peito do uniforme. Nove dias após o amistoso, a MLS divulgou um vídeo com a intensidade da disputa na visão do juiz Allen Chapman, mesmo sendo uma peleja de pré-temporada.

Apesar da interessante edição de 3 minutos, o vídeo não traz os diálogos durante a partida, com uma trilha sonora de fundo. E trata-se de uma parte essencial sobre o trabalho da arbitragem, como a história ensina (a seguir).

Voltando 35 anos no tempo, chegamos a um episódio polêmico no futebol brasileiro, quando o árbitro José Roberto Wright entrou em campo com um microfone sem fio escondido em seu padrão. Ele havia topado a ideia de participar de uma reportagem do programa Esporte Espetacular, da Globo. O objetivo era mostrar a pressão sobre o árbitro (ou quase isso).

E não era num jogo qualquer, mas na decisão da Taça Guanabara de 1982. O Flamengo venceu o Vasco por 1 x 0, mas com a repercussão toda voltada sobre os diálogos, pelo uso indevido da imagem e pela suposta perseguição ao meia Giovane, do time cruz-maltino. Relembre e tire as suas conclusões.

Obs. Fica claro o motivo da trilha sonora no vídeo lá em Chicago…

Campeonato Brasileiro licenciado no Pro Evolution Soccer 2018, com o Sport

Clubes brasileiros licenciados no Pro Evolution Soccer 2018

Seguindo o contrato de dois anos, o Campeonato Brasileiro voltou a ser licenciado de forma exclusiva no game Pro Evolution Soccer. Até então, a produtora Konami assinava apenas contratos pontuais com os clubes. Para 2017 e 2018, a empresa firmou um acordo com a CBF com o objetivo de reproduzir a chancela da competição, com os vinte clubes, troféu, bola oficial e tabela. No PES 2018, a composição é a do campeonato de 2017. Ou seja, com o Sport, que aparece pela 6ª vez seguida no game. Pelo trailer para o mercado nacional, oito estádios foram digitalizados: São Januário, Maracanã, Arena Corinthians, Vila Belmiro, Morumbi, Allianz Parque, Beira-Rio e Mineirão

Pelo acordo Konami/CBF, o jogo também será utilizado no “E-Brasileirão”, o campeonato brasileiro de videogame. Na primeira fase, são feitas seletivas online em cada clube, de onde sairá um representante para a fase final.

No caso do Sport, a seletiva será em 17 de setembro, com até 1.024 vagas. Até a publicação deste post, 66 já haviam feito a inscrição gratuita. Veja aqui.

Eis os clubes brasileiros licenciados: Vasco, Palmeiras, Cruzeiro, Atlético-MG, Botafogo, Corinthians, Flamengo, Fluminense, Grêmio, Santos, Atlético-GO, Avaí, Bahia, Ponte Preta, Chapecoense, São Paulo, Atlético-PR, Coritiba, Sport e Vitória. Pelo trailer, Internacional e Red Bull Brasil também devem ser jogáveis, mas fora do contexto da Série A, naturalmente.

Obs. A narração do futebol brasileiro será de Milton Leite, locutor do SporTV.

Classificação da Série A 2017 – 12ª rodada

A classificação da 12ª rodada da Série A de 2017. Crédito: Superesportes

A 12ª rodada do Brasileirão foi encerrada em Curitiba, com a goleada do Sport sobre o Coxa. Com isso, o rubro-negro pernambucano chegou a três vitórias consecutivas, dando um salto na classificação – e zerou o saldo, após longa caminhada desde a má estreia. Neste recorte, saiu do 17º lugar, na zona de rebaixamento, para a 6ª posição, a zona de classificação à Libertadores. Nos três casos, vitórias sem ser vazado. E a tabela, em tese, anima o leão, com três jogos como mandante nas quatro próximas rodadas (Chape, Atlético-GO e Palmeiras). Neste período, será visitante contra o Botafogo.

Já na briga pela liderança, o Corinthians segue impossível (e invicto). Com quatro vitórias seguidas, o time paulista ampliou a vantagem, de 7 para 9 pontos. É a melhor largada da história dos pontos corridos no país.

Resultados da 12ª rodada
Atlético-GO 1 x 2 Vitória
Vasco 0 x 1 Flamengo
Corinthians 2 x 0 Ponte Preta
Chapecoense 1 x 1 Atlético-PR
Cruzeiro 3 x 1 Palmeiras
Bahia 1 x 1 Fluminense
Grêmio 0 x 2 Avaí
Botafogo 1 x 1 Atlético-MG
Santos 3 x 2 São Paulo
Coritiba 0 x 3 Sport 

Balanço da 12ª rodada
3V dos mandantes (12 GP), 3E e 4V dos visitantes (14 GP)

Agenda da 13ª rodada
12/07 (19h30) – Atlético-MG x Santos (Independência)
12/07 (19h30) – Ponte Preta x Bahia (Moisés Lucarelli)
12/07 (21h00) – Fluminense x Botafogo (Maracanã)
12/07 (21h45) – Atlético-PR x Cruzeiro (Arena da Baixada)
12/07 (21h45) – Vitória x Vasco (Barradão)
12/07 (21h45) – Palmeiras x Corinthians (Allianz Parque)
13/07 (19h30) – São Paulo x Atlético-GO (Morumbi)
13/07 (19h30) – Flamengo x Grêmio (Luso Brasileiro)
13/07 (19h30) – Sport x Chapecoense (Arena Pernambuco)
13/07 (21h00) – Avaí x Coritiba (Ressacada)

Histórico de Sport x Chape no Recife, pelo Brasileiro
3 jogos e 3 vitórias leoninas

Classificação da Série A 2017 – 6ª rodada

A classificação da 6ª rodada da Série A de 2017. Crédito: Superesportes

Com a gangorra de resultados entre jogar como mandante (7 pontos) e visitante (0 ponto), o leão voltou a despencar na classificação. No sábado, o Sport perdeu do Vasco, em São Januário, caindo do 11º para o 14º lugar no Brasileirão. A vantagem em relação ao G4 também diminuiu, de 3 para 2 pontos. Agora, parte para dois jogos seguidos em casa. Pela lógica (?), hora de melhorar o rendimento.

Em relação à briga pela liderança, neste início de campeonato a disputa vai ficando entre Corinthians (único invicto) e Grêmio, com o Coritiba na disputa como principal surpresa neste contexto.

Resultados da 6ª rodada
Palmeiras 3 x 1 Fluminense
Vasco 2 x 1 Sport
Botafogo 2 x 2 Coritiba
Vitória 2 x 0 Atlético-MG
Avaí 1 x 1 Flamengo
Corinthians 3 x 2 São Paulo
Ponte Preta 3 x 2 Chapecoense
Cruzeiro 2 x 0 Atlético-GO
Atlético-PR 0 x 2 Santos
Grêmio 1 x 0 Bahia 

Balanço da 6ª rodada 
7V dos mandantes (19 GP), 2E e 1V dos visitantes (11 GP)

Agenda da 7ª rodada
14/06 (19h30) – Sport x São Paulo (Ilha do Retiro)
14/06 (19h30) – Vitória x Botafogo (Barradão)
14/06 (19h30) – Atlético-GO x Avaí (Olímpico)
14/06 (19h30) – Atlético-MG x Atlético-PR (Independência)
14/06 (21h00) – Flamengo x Ponte Preta (Luso Brasileiro)
14/06 (21h45) – Santos x Palmeiras (Vila Belmiro)
14/06 (21h45) – Corinthians x Cruzeiro (Arena Corinthians)
14/06 (21h45) – Chapecoense x Vasco (Arena Condá)
15/06 (16h00) – Coritiba x Bahia (Couto Pereira)
15/06 (21h00) – Fluminense x Grêmio (Maracanã) 

Histórico de Sport x São Paulo no Recife, pelo Brasileiro:
8 vitórias leoninas, 7 empates e 4 derrotas

Podcast – Análise da derrotas de Santa, Náutico e Sport na 6ª rodada do Brasileiro

Foi a pior rodada do Campeonato Brasileiro para os clubes pernambucanos, até o momento. Três derrotas para o Trio de Ferro, com consequências. Na sexta-feira, o tricolor perdeu a primeira como mandante – e acabou demitindo o técnico no dia seguinte. No sábado, o alvirrubro foi derrotado no Beira-Rio, num jogo com quatro pênaltis, e voltou à lanterna. Pouco depois, já à noite, pela Série A, os leoninos zeraram outra vez como visitantes – já são três jogos assim. O 45 minutos analisou as três partidas em gravações exclusivas, tanto na questão técnica quanto tática, além de análises individuais. Ouça!

09/06 – Santa Cruz 1 x 3 Londrina (45 min)

10/06 – Internacional 4 x 2 Náutico (18 min)

10/06 – Vasco 2 x 1 Sport (36 min)

Sport perde do Vasco em São Januário e segue sem pontuar como visitante

Série A 2017, 6ª rodada: Vasco x Sport. Foto: Celso Pupo/Foto Arena/Estadão conteúdo

Três jogos como visitante no Campeonato Brasileiro, três derrotas. Em todas, o Sport teve como característica marcante o futebol passivo. Desconto dado à estreia contra a Ponte Preta, quase uma formação reserva, nos jogos seguintes a inoperância ofensiva do time estagnou qualquer possibilidade de vitória. E até mesmo o empate, uma vez que defensivamente a equipe vem falhando sistematicamente, sofrendo gols em cinco dos seis jogos disputados.

Se contra o Avaí o time foi cobrado, como ficou claro na fala de Luxemburgo no vídeo de bastidores da vitória contra o Fla, diante do Vasco a equipe voltou a jogar sem inspiração. Com a posse de bola, limitou-se a trocar passes laterais na intermediária, buscando infiltrações, sem sucesso. A verticalização de jogadas é, com o perdão do trocadilho, uma barreira na equipe. Se na Ilha ainda há “coragem” para buscar algo, fora do Recife o time vem muito mal. Nada diferente do histórico do leão, manso longe de casa. Em 2017, porém, chama a atenção a quantidade de oportunidades claras. Em São Januário, teve apenas duas, com Rithely (1T) e Thomás (2T), com uma sensação de cansaço já na metade do segundo tempo.

Desta vez, o próprio Luxemburgo colaborou para a má atuação. Na quarta, melhorou o time no intervalo. Desta vez, piorou. Thallyson estava mal, mas não era o pior (era Thomás). Deu lugar ao estreante Sander, com o lateral/volante Patrick indo para o meio. Lá, nem combateu nem ajudou na criação. Escolha pior ocorreu ao tomar o gol de Luís Fabiano, livre, por mais que fosse o único a ser marcado. Acionou Leandro Pereira, deixando um hiato entre setores, pois Rithely não exerce a função de meia – o péssimo início do camisa 21 contra o Flamengo parecia ter mostrado isso. Assim, a ligação direta tornou-se recorrente. Nesta temporada, quantas vezes isso funcionou no Sport? Duas? Uma? Nenhuma. Num contragolpe, ainda levou o segundo gol. Nos acréscimos, André descontou de pênalti,  2 x 1. Só serviu para quebrar uma estatística. Ao menos o time já fez um golzinho fora de casa…

Vasco x Sport no Rio de Janeiro, pelo Brasileiro
5 vitórias do Vasco
2 empates
4 vitórias do Leão

Série A 2017, 6ª rodada: Vasco x Sport. Foto: Vasco/twitter (@vascodagama)

Série A sem venda de mando e sem limite de inscritos. Nordestinos votaram juntos

Conselho técnico da Série A de 2017, na sede da CBF, no Rio. Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Além da divulgação da tabela da Série A de 2017, com rodadas entre 13 de maio e 3 de dezembro, os presidentes dos vinte clubes discutiram na sede da CBF, no Rio de Janeiro, sobre mudanças na formatação do campeonato – não relacionadas ao regulamento do campeonato. Foram propostas sugeridas pelos clubes e pela própria diretoria de competições da CBF, com a decisão da maioria prevalecendo a cada votação. No conselho técnico oficial, o Sport foi representado pelo seu presidente executivo, Arnaldo Barros.

Venda de mando de campo (vetada)
A CBF estimou o veto à venda de mando para outros estados nas últimas cinco rodadas, mas o Galo propôs a proibição nas 38 rodadas, só sendo possível mudar dentro do mesmo estado. A maioria escolheu a segunda opção, tendo Fla e Flu como maiores opositores (logo, o Sport pode jogar na Ilha e na Arena).

Sport, Bahia e Vitória votaram contra a venda de mando.

Limite de jogadores inscritos (vetado)
A CBF propôs um limite de 33 atletas por equipe. Neste modelo, poderiam ser feitas dez trocas, além do uso livre de jogadores Sub 20. Contudo, a maioria preferiu seguir com elencos ilimitados (e sem planejamento).

Sport, Bahia e Vitória votaram a favor do limite de 33 inscritos.

Grama sintética (vetada)
A pedido do Vasco, que nunca jogou na grama artificial da Arena da Baixada, do Atlético-PR, foi votado o veto ao piso (avaliado e aprovado anualmente pela Fifa, diga-se). O pleito foi aprovado, mas será válido só em 2018 – o Náutico planejava colocar grama artificial nos Aflitos, mas a ideia deve ser travada. O Furacão questiona a legitimidade (afinal, tem autorização internacional!).

Sport, Bahia e Vitória votaram a favor da grama sintética.

Capacidade mínima
Até 2016, os estádios precisavam ter pelo menos 15 mil lugares sentados para abrigar um jogo da elite nacional. Estranhamente, o número foi reduzido para 12 mil, priorizando o “conforto”, mas sem votação.. 

Avaliação estrutural
No fim, houve um comunicado da confederação brasileira de futebol sobre a realização de “avaliações qualitativas e minuciosas” no estado do gramado, no placar, nos vestiários e nas cabines de imprensa.

Camisa 87, a mais vendida do Sport, com protesto no Fla e provocação dos rivais

Camisas 87, do Vasco e do Náutico

Até os anos 90, só havia praticamente a camisa 10 à venda. A padronização de uniformes oficiais permitiu ao torcedor escolher o número e até estampar o seu nome. Na evolução da ideia, tornou-se possível até provocar rivais. Lá e lô.

Aqui, exemplos a partir de um número: 87.

Em 2014, na contratação de Diego Souza, o Sport entregou ao meia a camisa com o número referente ao título brasileiro do clube – antes, só o goleiro Saulo havia utilizado, sem destaque. Ali, a escolha foi fundamentada no marketing, com o simbolismo e o reforço, resultando na camisa mais vendida na Ilha há 3 anos, seja com o nome do torcedor, de DS ou com a expressão “87 é nosso”.

No Rio, o Flamengo, há trinta anos numa disputa jurídica sobre o título, resolveu ignorar a ação. Já a torcida do rubro-negro carioca comprou a briga, com alguns modelos com o número, acompanhado do protesto contra a CBF.

Entretanto, a resenha acabou chegando aos torcedores rivais, viralizando.

Começou com o Vasco, com “87 é do Sport”.

Agora, com o Náutico, com “87 é do Flamengo”.

E o assunto segue rendendo… Pelo visto, Adidas, Umbro e Topper agradecem.

Camisas 87, do Sport e do Flamengo

Os 25 clássicos estaduais mais populares do Brasil, com 3 duelos pernambucanos

Os 25 clássicos mais populares do Brasil, segundo a pesquisa do instituto Paraná Pesquisas, de 2016. Arte: Cassio Zirpoli/DP

As pesquisas que mensuram as torcidas brasileiras geram discussões desde a década de 1960. Indo além do tamanho das massas, sempre o foco principal desses levantamentos, o blog resolveu projetar o tamanho absoluto das rivalidades, com os clássicos estaduais mais populares do país – o que não é sinônimo de rivalidade mais acirradas, cuja visão é mais subjetiva. Tomando como base o estudo do Paraná Pesquisas, divulgado em 25 de dezembro de 2016, foi possível chegar a 25 confrontos (quadro abaixo). Desses, 24 envolvem mais de um milhão de torcedores rivais, com as cinco regiões representadas.

Devido à magnitude de seus seguidores (1/3 do total), Flamengo e Corinthians transformaram-se em “puxadores de torcida” para este contexto, com os seis clássicos envolvendo os dois no alto da lista. Sobre essa distorção, basta citar o Fluminense, que no geral ocupa o 13º lugar, mas através do Fla-Flu figura a 5ª posição. Também pudera, o rubro-negro carioca detém 91% do público deste clássico, que é o mais desequilibrado entre todos – a proporção de cada clube está no complemento do post, na caixa de comentários. 

Os clássicos estaduais* mais desequilibrados na divisão de torcidas:

1º) Flamengo (91,0%) x (8,9%) Fluminense
2º) Flamengo (90,5%) x (9,4%) Botafogo
3º) Atlético-PR (84,8%) x (15,1%) Paraná
4º) Coritiba (83,0%) x (16,9%) Paraná
5º) Corinthians (81,5%) x (18,4%) Santos
6º) Flamengo (77,8%) x (22,1%) Vasco
7º) Sport (75,8%) x (24,1%) Náutico
8º) Vasco (74,1%) x (25,8%) Fluminense
9º) Vasco (73,0%) x (26,9%) Botafogo
10º) Bahia (71,4%) x (28,5%) Vitória

Os clássicos estaduais* mais equilibrados na divisão de torcidas:

1º) Goiás (50,0%) x (50,0%) Vila Nova
2º) Botafogo (51,5%) x (48,4%) Fluminense
3º) Atlético-PR (53,3%) x (46,6%) Coritiba
4º) São Paulo (56,0%) x (43,9%) Palmeiras
5º) Grêmio (56,4%) x (43,5%) Internacional
6º) Ceará (57,8%) x (42,1%) Fortaleza
7º) Cruzeiro (58,8%) x (41,1%) Atlético-MG
8º) Figueirense (60,8%) x (39,1%) Avaí
9º) Santa Cruz (62,8%) x (37,1%) Náutico
10º) Remo (63,3%) x (36,6%) Paysandu
* Entre os 25 clássicos citados nesta postagem

À parte de Fla e Timão, o clássico local que reúne mais gente é o Choque-Rei, com Palmeiras e São Paulo. E saindo da ponte aérea o futebol mineiro mostra a sua força, com Galo x Raposa no top ten. No Recife, os três tradicionais clássicos ficaram entre os vinte melhores, com destaque, sem surpresa, para Sport x Santa, com mais de quatro milhões de agregados, entre rubro-negros e tricolores. No Nordeste, só ficou atrás do Ba-Vi, com quase seis milhões, num dado visivelmente favorecido pelo bom desempenho do Bahia nesta pesquisa – embora o Vitória tenha tido um percentual menor que sua média histórica.

Os clássicos estaduais mais populares do Nordeste:

5,7 milhões – Ba-Vi (Salvador)
4,1 milhões – Clássico das Multidões (Recife)
3,9 milhões – Clássico-Rei (Fortaleza)
3,5 milhões – Clássico dos Clássicos (Recife)
2,2 milhões – Clássico das Emoções (Recife)

Paralelamente ao ranking dos clássicos mais populares, o blog lembrou o recorde de público de cada duelo – afinal, a presença in loco também justifica o apelo popular. Com o Maracanã dos velhos tempos – cuja geral suportava 30 mil pessoas em pé -, os duelos cariocas estabeleceram números incomparáveis.

Obviamente, muitas rivalidades ultrapassam bastante as fronteiras municipais e estaduais, como Flamengo x Atlético-MG, Grêmio x Palmeiras, entre outros. Por isso, a lista regional. Ainda que historicamente não tenham a rivalidade mais acirrada, flamenguistas e corintianos, donos das maiores cotas de televisão, reúnem a atenção de 61 milhões de pessoas, com domínio absoluto no Sudeste.

Os confrontos interestaduais mais populares de cada região:

Sudeste: Flamengo (RJ) x Corinthians (SP) – 29,9% (61.618.347)
Sul: Grêmio (RS) x Internacional (RS)- 6,2% (12.777.047)
Nordeste: Bahia (BA) x Sport (PE) – 3,3% (6.800.686)
Norte: Remo (PA) x Paysandu (PA) – 0,9% (2.002.125)
Centro-Oeste: Goiás (GO) x Vila Nova (GO) – 0,4% (1.134.538)  

Abaixo, a projeção das torcidas absolutas dos clássicos a partir da estimativa oficial da população brasileira, atualizada pelo IBGE em 30 de agosto de 2016.

Os 25 clássicos mais populares do Brasil, segundo a pesquisa do instituto Paraná Pesquisas, de 2016. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Calculando as cotas da Série A 2017 a partir do modelo da Premier League

Brasileirão x Premier League. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Em 2017, o investimento da televisão no Brasileiro será de R$ 1,297 bilhão. Montante referente às cotas fixas, à parte do crescente pay-per-view. Paralelamente à já tradicional discussão sobre a distorção e distribuição das cotas, a Premier League sempre aparece como modelo ideal. Na elite do futebol inglês, a receita oriunda da tevê é dividida da seguinte forma a cada temporada: 50% em cotas iguais entre os vinte times, 25% pela classificação final no campeonato anterior e 25% pela representatividade de audiência de cada um.

Assim, em vez do atual sistema de (sete) castas no Brasil, com um hiato de R$ 147 milhões entre a maior cota (Flamengo e Corinthians) e a menor (Chape, Ponte, entre outros), a diferença máxima, caso fosse adotado o modelo britânico, seria de R$ 60 milhões, no caso entre Flamengo e Bahia, recém-promovido. Mais equilíbrio, sem dúvida. Vamos a uma projeção de valores considerando o atual contrato da Série A, válido para o triênio 2016-2018.

Projeção de cotas de TV na Série A de 2017 a partir do modelo da Premier League. Quadro: Cassio Zirpoli/DP

No quadro inspirado no campeonato inglês, o blog projetou a cota conferindo os seguintes valores na divisão por classificação: 20x para o campeão (ou seja, 20 x R$ 1.544.047, o valor base), 19x para o vice, 18x para o 3º lugar e assim sucessivamente, até o 4º da Série B, com 1x. Já na coluna de audiência, o valor considerado foi 1/4 da verba que cada clube receberá de fato, pois trata-se da única fonte de informação para definir a atual visibilidade atual de cada um.

Sport no contrato oficial
2017 – R$ 35,0 milhões
2016 – R$ 35,0 milhões

2015 – R$ 27,0 milhões
Total – R$ 97,0 milhões

Sport via Premier League
2017 – R$ 51,9 milhões
2016 – R$ 61,7 milhões

2015 – R$ 40,5 milhões
Total – R$ 154,1 milhões

Após articulação entre clubes brasileiros, concorrência de canais de tevê e até projetos de lei (dois já engavetados, ambos de deputados pernambucanos, em 2011 e 2014), a Rede Globo resolveu incorporar a divisão proporcional, mas com um percentual particular. No caso, a partir do próximo contrato, em 2019, a divisão será 40% de forma igualitária, 30% por colocação e 30% de audiência. No Recife, Náutico, Santa Cruz e Sport já assinaram com a emissora até 2024.

Comparativo entre as cotas fixas das Série A e projeções calculadas via Premier League. Arte: Cassio Zirpoli/DP