A pedido da CBF, clubes do país analisam rivais da Seleção na Copa. Sport na lista

Os países selecionados pela CBF para que os analistas dos clubes brasileiros. Crédito: CBF

A preparação da Seleção para a Copa do Mundo de 2018, visando o estudo sobre os países adversários, contará com a participação de 19 clubes brasileiros, incluindo os nordestinos Sport, Bahia e Vitória. A partir da ideia do coordenador Edu Gaspar, aprovada pelo técnico Tite, os analistas de desempenho dos clubes da Série A de 2017 – exceção feita ao Flamengo, que não pôde participar – ficarão responsáveis pela análise de 27 países. Das 32 seleções classificadas ao torneio da Rússia, só ficam fora dessa lista os sul-americanos e o próprio Brasil, com dados detalhados pelo Centro de Pesquisa e Análise (CPA) da Confederação Brasileira de Futebol.

A escolha foi feita mediante sorteio, na CBF. No caso do rubro-negro pernambucano, a bolinha trouxe a Sérvia, centro da antiga Iugoslávia, que, mesmo sendo dissolvida durante décadas, esteve em nove Mundiais. Como Sérvia, duas participações: 2010 e 2018. Na eliminatória europeia, os sérvios lideraram o grupo D, obtendo a vaga direta numa chave com Irlanda, Gales e Áustria. Em Salvador, o departamento de análise do Bahia vai se debruçar sobre o Irã! Já o Vitória espera a definição na África, com três possibilidades: Senegal, Burkina Faso e Cabo Verde. Em vários outros casos os clubes ainda dependem das repescagens para definir o país a ser analisado.

Número de países analisados por cada clube
5 – Centro de Análise da CBF
2 – Atlético-PR, Botafogo, Corinthians, Cruzeiro, Grêmio, Palmeiras, São Paulo e Vasco
1 – Atlético-GO, Atlético-MG, Avaí, Bahia, Chapecoense, Coritiba, Fluminense, Ponte Preta, Santos, Sport e Vitória

A premiação do Brasileirão de 2017 vai do campeão ao 16º colocado. Basta não cair

A premiação oficial do Campeonato Brasileiro de 2017. Crédito: CBF/site oficial

A premiação oficial do Campeonato Brasileiro registrou um aumento de apenas 6% entre 2016 e 2017. Passou de R$ 60,0 milhões para R$ 63,7 milhões (quadro acima). Causa surpresa porque a Copa do Brasil, a outra competição de peso organizada pela CBF, passará a pagar, apenas ao campeão, R$ 68,7 milhões, embora já embutido o direito de transmissão, pago à parte no nacional. Portanto, fica a expectativa pela possível reformulação financeira da Série A na próxima temporada – ou em 2019, quando será iniciado o novo acordo com a tevê. Acompanhará essa linha?

Em 2017, como vem acontecendo há alguns anos, todos os times que permanecem na elite são premiados. Repassada pela CBF e bancada pela Rede Globo, a detentora dos direitos de transmissão da competição (de forma exclusiva até 2018), a premiação contempla a classificação final do 1º lugar até o 16º, o primeiro time acima da zona de rebaixamento. Ou seja, uma campanha mediana que evite a queda já garante um aporte de R$ 744 mil em dezembro, com a evolução gradativa colocação por colocação.

A evolução da premiação total da Série A
2010/2011: 0% 
2011/2012: +7,1%
2012/2013: 0%
2013/2014: 0%
2014/2015: +19,3%
2015/2016: +67,5%
2016/2017: +6,3%

Os seis primeiros lugares (consequentemente, os classificados à próxima Taça Libertadores, considerando a composição “G6″) recebem 77,9% de toda a premiação (ou R$ 49,6 mi). O grande campeão nacional de 2016 receberá R$ 1 milhão a mais que o Palmeiras, o vencedor da última competição.

Os clubes nordestinos que receberam premiações
2010 – Ceará/12º (R$ 1 milhão)
2011 – Bahia/14º (R$ 1 milhão)
2012 – Náutico/12º (R$ 500 mil) e Bahia/15º (R$ 200 mil)
2013 – Vitória/5º (R$ 1,4 milhão) e Bahia/12º (R$ 500 mil)
2014 – Sport/11º (R$ 600 mil)
2015 – Sport/6º (R$ 1,4 milhão)
2016 – Sport/14º (R$ 900 mil) e Vitória/16º (R$ 700 mil)

Confira todas as premiações do Brasileirão de 2010 a 2016 clicando aqui.

Classificação da Série A 2017 – 28ª rodada

A classificação da 28ª rodada da Série A de 2017. Crédito: Superesportes

Mesmo com o apoio de 20 mil torcedores na Ilha do Retiro, o Sport não passou de um empate com o Galo. Com o resultado, o rubro-negro pernambucano perdeu três posições na classificação do Brasileirão, caindo do 11º para o 14º lugar. Saiu da zona de classificação à Sul-Americana, ficando, neste momento, no limbo entre os clubes que permanecem na elite. Já a diferença sobre o Z4 se manteve em dois pontos, numa gordura finíssima.

Na briga pelo título, o Corinthians perdeu a 4ª partida na competição – a segunda para times baianos. A diferença de 10 pontos caiu para 9, com Grêmio e Santos na retaguarda. Uma distância ainda confortável para o hepta.

Resultados da 28ª rodada
Cruzeiro 2 x 1 Ponte Preta
Vasco 1 x 0 Botafogo
São Paulo 2 x 1 Atlético-PR
Atlético-GO 1 x 3 Palmeiras
Fluminense 1 x 0 Avaí
Sport 1 x 1 Atlético-MG
Chapecoense 0 x 1 Flamengo
Coritiba 0 x 1 Grêmio
Bahia 2 x 0 Corinthians
Santos 2 x 2 Vitória 

Balanço da 28ª rodada
5V dos mandantes (12 GP), 2E e 3V dos visitantes (10 GP)

Agenda da 29ª rodada
18/10 (19h30) – Coritiba x Cruzeiro (Couto Pereira)
18/10 (19h30) – Atlético-GO x Vasco (Serra Dourada), SporTV*
18/10 (21h00) – Atlético-MG x Chapecoense (Independência)
18/10 (21h45) – Corinthians x Grêmio (Arena Corinthians), Globo*
18/10 (21h45) – Fluminense x São Paulo (Maracanã)
18/10 (21h45) – Avaí x Botafogo (Ressacada)
19/10 (20h00) – Vitória x Atlético-PR (Barradão)
19/10 (20h00) – Palmeiras x Ponte Preta (Pacaembu)
19/10 (21h00) – Sport x Santos (Ilha do Retiro)
19/10 (21h00) – Flamengo x Bahia (Luso Brasileiro)
* Considerando as transmissões para o Recife, fora o Premiere (PPV)  

Histórico de Sport x Santos no Recife, pelo Brasileiro (19 jogos)
8 vitórias leoninas, 6 empates e 5 derrotas

Podcast – A análise do empate entre Sport e Atlético-MG na Ilha do Retiro

Série A 2017, 28ª rodada: Sport 1 x 1 Atlético-MG. Foto: Williams Aguiar/ Sport Club do Recife

O Sport empatou com o Galo com basicamente o mesmo time que venceu o Vitória. Para isso Luxa acionou Juninho no lugar de André. O time rendeu. Durante a partida, fez três mudanças, mas aí sem tanto resultado – sofrendo até mais perigo depois. Numa gravação exclusiva, o 45 minutos comentou o jogo nas questões técnica e tática, se estendendo às análises individuais. Estou neste debate com os jornalistas Fred Figueiroa e Lucas Fitipaldi. Ouça!

15/10 – Sport 1 x 1 Atlético-MG (32 min)

Sport empata com o Galo e soma 6 jogos sem vitória como mandante no Brasileiro

Série A 2017, 28ª rodada: Sport 1 x 1 Atlético-MG. Foto: Williams Aguiar/ Sport Club do Recife

Foi um jogo de muita luta, com os dois times buscando a afirmação. Após nove rodadas de jejum, o Sport tentava engatar a segunda vitória seguida. Para isso, Vanderlei Luxemburgo manteve a estrutura tática do time visto em Salvador, com Juninho no lugar do suspenso André – a escalação do jovem atacante, envolvido num inquérito policial, dividiu a torcida. Com o apoio na Ilha do Retiro, após o chamado atendido, com 20 mil espectadores, o leão conseguiu impor um ritmo veloz no primeiro tempo de um jogo equilibrado.

Atuando na ponta esquerda, o volante Patrick foi um dos melhores em campo, sendo o responsável pelo gol com apenas 9 minutos, após bela assistência de Diego Souza. Vantagem que manteve o time à frente, desperdiçando chances. Lá atrás, o encaixe dos laterais na recomposição não foi dos melhores, com Raul Prata irregular durante toda a partida e Mena driblado facilmente no gol de empate do Galo – com Fred concluindo de cabeça. Porém, é justo destacar que a equipe errou na saída de bola, numa desatenção que ocorreria outras vezes até o apito final, como visitante levando perigo nos contragolpes.

Série A 2017, 28ª rodada: Sport 1 x 1 Atlético-MG. Foto: Aníbal Monteiro/cortesia (@profanibal)

No segundo tempo, Juninho perdeu três ótimas oportunidades em sequência, tendo como mérito apenas a presença de área. Como também não participou muito coletivamente, acabou substituído, junto a Osvaldo. Numa troca dupla, aos 20, entraram Rogério e Thomás. O primeiro não conseguiu espaço para arremates, a sua principal caraterística. Já o segundo não produziu nada com a bola e foi ainda pior sem ela, sem cumprir a função no meio, fazendo DS87 – já como centroavante – recuar novamente para armar o time.

Com os volantes atuando muito bem, Anselmo (ladrão de bolas), Patrick (polivalente) e Rithely (até acabar o gás), o Sport foi competitivo, merecendo os aplausos da torcida. Contudo, ampliando a análise, o empate em 1 x 1 ampliou o jejum como mandante no Brasileirão. Não vence em casa desde 20 de julho! E no geral, tem apenas uma vitória nas últimas onze rodadas….

O jejum de vitórias do rubro-negro como mandante na Série A

23/07 (16ª) – Sport 0 x 2 Palmeiras (Arena Pernambuco)
02/08 (18ª) – Sport 2 x 2 Fluminense (Ilha do Retiro)
13/08 (20ª) – Sport 0 x 0 Ponte Preta (Ilha do Retiro)
10/09 (23ª) – Sport 0 x 1 Avaí (Ilha do Retiro)
25/09 (25ª) – Sport 1 x 1 Vasco (Ilha do Retiro)
15/10 (28ª) – Sport 1 x 1 Atlético-MG (Ilha do Retiro)

6 jogos; 4 empates e 2 derrotas, 4 GP e 7 GC; -3 SG

Série A 2017, 28ª rodada: Sport 1 x 1 Atlético-MG. Foto: Williams Aguiar/ Sport Club do Recife

Classificação da Série A 2017 – 27ª rodada

A classificação da Série A de 2017 após 27 rodadas. Crédito: Superesportes

O Sport venceu o Vitória no Barradão e acabou com um jejum de nove rodadas, que havia derrubado o time do G6 para o Z4 do Brasileirão. Com os resultados desta rodada, acabou ficando no meio tempo, na zona de classificação à Sul-Americana. Isso mesmo, o leão ganhou nada menos que seis posições, indo do 17º para o 11º lugar, num evidente sinal de achatamento da classificação do campeonato, sobretudo na segunda metade. Agora, o Sport terá dois jogos seguidos na Ilha (Galo e Peixe). Embates difíceis, mas uma boa oportunidade para normatizar a campanha.

Obs. Um jogo da 28ª rodada foi antecipado para 7 de outubro, antes mesmo da realização da 27ª rodada. No caso, a vitória do Cruzeiro sobre a Ponte.

Resultados da 27ª rodada
Atlético-PR 2 x 2 Atlético-GO
Botafogo 2 x 1 Chapecoense
Corinthians 3 x 1 Coritiba
Atlético-MG 1 x 0 São Paulo
Grêmio 0 x 1 Cruzeiro
Avaí 1 x 2 Vasco
Flamengo 1 x 1 Fluminense
Vitória 1 x 2 Sport
Ponte Preta 1 x 1 Santos
Palmeiras 2 x 2 Bahia 

Balanço da 27ª rodada
3V dos mandantes (14 GP), 4E e 3V dos visitantes (13 GP)

Agenda da 28ª rodada
07/10 (16h00) – Cruzeiro 2 x 1 Ponte Preta (Mineirão)
14/10 (19h00) – Vasco x Botafogo (Maracanã)
14/10 (21h00) – São Paulo x Atlético-PR (Morumbi)
15/10 (17h00) – Atlético-GO x Palmeiras (Olímpico)
15/10 (17h00) – Fluminense x Avaí (Maracanã)
15/10 (17h00) – Sport x Atlético-MG (Ilha do Retiro)
15/10 (17h00) – Chapecoense x Flamengo (Arena Condá), Globo*
15/10 (19h00) – Coritiba x Grêmio (Couto Pereira), SporTV*
15/10 (19h00) – Bahia x Corinthians (Fonte Nova)
16/10 (20h00) – Santos x Vitória (Pacaembu), SporTV*
* Considerando as transmissões para o Recife, fora o Premiere (PPV) 

Histórico de Sport x Atlético-MG no Recife, pelo Brasileiro (17 jogos)
6 vitórias leoninas, 9 empates e 2 derrotas

Seleção Brasileira faturou R$ 70 milhões como mandante nas Eliminatórias de 2018

Eliminatórias da Copa 2018, em 10/10/2017: Brasil 3 x 0 Chile. Foto: divulgação

A Canarinha encerrou as Eliminatórias da Copa de 2018 com dez pontos de vantagem sobre o segundo colocado, o Uruguai. Na última rodada, no Allianz Parque, o moderno estádio do Palmeiras, a Seleção goleou o Chile, deixando o atual bicampeão da Copa América fora do Mundial da Rússia. A tranquila vitória manteve o país como o único sul-americano invicto como mandante no qualificatório e também estabeleceu a maior renda do futebol no Brasil. O dado desconsidera o Mundial de 2014, pois a Fifa não divulgou os borderôs.

Com R$ 15 milhões, o jogo superou a final da Libertadores de 2013, entre Atlético-MG e Olimpia do Paraguai. Na ocasião, a partida em Belo Horizonte proporcionou uma arrecadação de R$ 14 mi. Essa renda recorde mostra o quanto a participação nas Eliminatórias, utilizando apenas as arenas com “Padrão Fifa”, turbinou o caixa da CBF. A entidade faturou R$ 70 milhões! Embora não detalhe o percentual repassado a cada operador dos estádios, é possível aferir um desconto de 8%, o valor entregue ao Corinthians na apresentação anterior em São Paulo. Ou seja, a confederação teria ficado com 92%, ou R$ 64,4 milhões líquidos. E, de fato, o torcedor pagou caro para produzir esta receita. No Allianz Parque, com valores semelhantes aos da Copa do Mundo realizada no país, o tíquete médio foi de R$ 368.

A gestão desse recurso, lembrando, fica a cargo de Marco Polo Del Nero…

Público total: 371.897 (média de 41.321 torcedores) 
Renda total: R$ 70.073.561 (média de 7.785.951 reais) 
Tíquete médio: R$ 188,42
Campanha: 9 jogos; 8 vitórias, 1 empate e nenhuma derrota; 26 GP e 4 GC

Eis o ranking de bilheteria nos jogos da Seleção nas Eliminatórias de 2018.

Balanço da Seleção Brasileira nas Eliminatórias da Copa 2018 jogando no Brasil. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Seguindo com a evolução cronológica dos públicos da Canarinha, com a taxa de ocupação dos estádios. A maior foi em São Lourenço da Mata, com 98,17% dos 45.845 cadeiras vermelhas ocupadas – curiosamente, no único empate no país. A menor ocorreu em Fortaleza, com índice de 60,98%.

Evolução dos públicos nos jogos da Seleção Brasileira como mandante nas Eliminatórias da Copa 2018. Arte: Cassio Zirpoli/DP

A escalada cronológica sobre o preço dos ingressos vai da média de R$ 69 na estreia até R$ 368 na despedida do qualificatório da Fifa. As quatro menores rendas foram no Nordeste. Por outro lado, as maiores bilheterias foram registradas com a Seleção em grande fase, já sob comando de Tite.

Evolução das bilheterias nos jogos da Seleção Brasileira como mandante nas Eliminatórias da Copa 2018. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Forbes aponta os 50 clubes mais valiosos das Américas, com o Sport em 46º lugar

Os clubes brasileiros mais valiosos nas Américas, em 2017 e 2016, segundo a Forbes. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Os clubes brasileiros presentes nas últimas duas listas da Forbes

Texto atualizado após a retificação da Forbes, em 04/10

A revista Forbes é uma das mais conceituadas em economia no mundo e, vez ou outra, costuma aventurar-se no âmbito esportivo. Em 2017, publicou a atualização de sua lista voltada para o futebol das Américas. A versão mexicana da revista divulgou o ranking com os 50 clubes mais valiosos nos três continentes, numa pesquisa a partir das 15 principais ligas nacionais, totalizando mais de 150 times. Mais uma vez, o Sport figura no ranking.

Segundo a revista, “o ranking considera três fatores: o valor da equipe (apenas os jogadores que pertencem ao clube, sem os atletas emprestados), o valor da marca e o custo do estádio (caso seja particular)”.

Número de clubes por país
12 – Brasil e México
10 – Estados Unidos
7 – Argentina
3 – Canadá e Equador
2 – Chile
1 – Colômbia e Peru

Fazendo valer a maior economia do mundo, a Major League Soccer mostra força. Além da maior média de público, acima de 21 mil torcedores, conta com 13 clubes no estudo, sendo dez norte-americanos e três canadenses, que também jogam a MLS, como ocorre na NBA. Em seguida vem o vizinho México, com leve aumento, passando de 11 para 12. Empatado com o Brasil, que fez o caminho inverso, caindo de 13 para 12 clubes – quadro detalhado acima. Inicialmente, a revista publicou a lista com 11 brasileiros, excluindo o Palmeiras. Como dito na primeira versão deste texto, não fazia sentido a ausência, ainda mais no ano em que o alviverde foi o campeão da Série A. A Forbes reconheceu o ‘esquecimento’ e pôs o clube em 2º lugar de novo.

O rival Corinthians segue líder, já se aproximando da marca de R$ 2 bilhões. Segundo a publicação, pesou o novo contrato com a Nike, de 145 milhões de dólares, até 2022, tanto que o clube é o 16º no mundo. Já o Sport, assim como na lista de 2016, ficou no top 50. Até melhorou a colocação, ganhando quatro posições, firmando-se em 46º. Contudo, a projeção ficou mais modesta, de US$ 51,4 milhões para 43,2 mi. A Forbes não detalhou a sua análise sobre o leão pernambucano – aliás, só comentou os dez primeiros. No Nordeste, o clube só aparece atrás do Vitória – novidade este ano.

Abaixo, os 51 clubes listados, com os valores em dólar, a moeda utilizada pela revista, e em real, com a cotação de 3 de outubro (R$ 3,11 = US$ 1,00).

Confira o ranking de marcas da consultoria BDO com 40 times brasileiros aqui.

Os 50 clubes mais valiosos nas Américas em 2017, segundo a Forbes. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Classificação da Série A 2017 – 26ª rodada

A classificação da 26ª rodada da Série A de 2017. Crédito: Superesportes

Do G6 ao Z4. O Sport perdeu no Morumbi e chegou a nove jogos sem vitória. Nos pontos corridos, a pior série do clube foi em 2012, quando passou onze rodadas na seca. Acabaria rebaixado na edição. Agora, a sequência derrubou o time da zona de classificação à Libertadores à disputa contra o rebaixamento. Lanterna do returno, o time pernambucano precisou esperar o desfecho da rodada, na “Segunda Campeã”, secando a Ponte diante do Flamengo. Não adiantou muito, com a Macaca vencendo após duas derrotas. Assim deixou o leão na zona, onde havia estado pela última vez na 9ª rodada. Hoje, é mesmo um cenário condizente com o futebol praticado.

Na disputa pelo título, mesmo com apenas uma vitória nos últimos cinco jogos, o Corinthians segue bem à frente, com 8 pontos sobre o vice-líder Santos.

Resultados da 26ª rodada
Bahia 1 x 1 Coritiba
Vasco 1 x 1 Chapecoense
Palmeiras 0 x 1 Santos
Avaí 0 x 2 Atlético-GO
Grêmio 1 x 0 Fluminense
Cruzeiro 1 x 1 Corinthians
Botafogo 2 x 3 Vitória
São Paulo 1 x 0 Sport
Atlético-PR 0 x 2 Atlético-MG
Ponte Preta 1 x 0 Flamengo 

Balanço da 26ª rodada
3V dos mandantes (8 GP), 3E e 4V dos visitantes (11 GP)

Agenda da 27ª rodada
11/10 (19h30) – Atlético-PR x Atlético-GO (Arena da Baixada)
11/10 (19h30) – Botafogo x Chapecoense (Nilton Santos)
11/10 (21h00) – Corinthians x Coritiba (Arena Corinthians)
11/10 (21h45) – Atlético-MG x São Paulo (Independência)
11/10 (21h45) – Grêmio x Cruzeiro (Arena do Grêmio)
11/10 (21h45) – Avaí x Vasco (Ressacada)
12/10 (17h00) – Flamengo x Fluminense (Maracanã)
12/10 (17h00) – Vitória x Sport (Barradão)
12/10 (17h00) – Ponte Preta x Santos (Moisés Lucarelli)
12/10 (21h00) – Palmeiras x Bahia (Pacaembu) 

Histórico de Vitória x Sport na Bahia, pelo Brasileiro (10 jogos)
2 vitórias do Leão da Ilha (1995 e 2014), 2 empates e 6 derrotas

O ranking de títulos nacionais de elite, com 92 estrelas douradas no Brasil

O ranking de campeões nacionais, de 1959 a 2017. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Ao conquistar o penta da Copa do Brasil, o Cruzeiro também tornou-se o segundo maior campeão nacional do país. Foi o 9º título do clube neste âmbito, dividindo o patamar com Santos, Flamengo e Corinthians. O quarteto só está abaixo do Palmeiras, que detém um histórico impressionante, com taças em todas as competições já realizadas pela CBF. Voltando ao time celeste, outro aspecto interessante é a vantagem ampliada sobre o Grêmio, 9 x 7, consolidando o clube como o maior vencedor fora do eixo Rio-SP.

Portanto, com o fim da copa nacional, é hora de atualizar a lista de campeões nacionais, levantada há bastante tempo pelo blog. O ranking soma três torneios extintos, a Taça Brasil (1959/1968), o Torneio Roberto Gomes Pedrosa (1967/1970) e a Copa dos Campeões (2000/2002), e as vigentes Série A (1971/2016) e Copa do Brasil (1989/2017). Além da chancela, a relevância das cinco competições está na indicação dos campeões à Libertadores (observações sobre outros torneios na lista de comentários). 

Ao todo, existem 22 campeões nas 92 disputas organizadas pela CBF e por sua precursora, a CBD. Antes de qualquer discussão sobre o Campeonato Brasileiro de 1987, vale ressaltar que a lista do blog aponta os vencedores reconhecidos pela entidade responsável, independentemente da visão de outros jornais com critérios paralelos ao objeto oficial. Naturalmente, cada torneio tem um peso distinto no cenário nacional, em história, dificuldade etc. No entanto, em vez de definir um valor específico (o que seria subjetivo, Série A à parte), o blog optou por diferenciar os clubes com o mesmo número de títulos de acordo com último troféu, com vantagem para o mais antigo.

13 – Palmeiras (A: 1972, 1973, 1993, 1994 e 2016; R: 1967 e 1969; CB: 1998, 2012 e 2015; TB: 1960 e 1967; C: 2000)
9 – Santos (A: 2002 e 2004; R: 1968; CB: 2010; TB: 1961, 1962, 1963, 1964 e 1965)
9 – Flamengo (A: 1980, 1982, 1983, 1992 e 2009; CB: 1990, 2006 e 2013; C: 2001)
9 – Corinthians (A: 1990, 1998, 1999, 2005, 2011 e 2015; CB: 1995, 2002 e 2009)
9 – Cruzeiro (A: 2003, 2013 e 2014; CB: 1993, 1996, 2000, 2003 e 2017; TB: 1966)
7 – Grêmio (A: 1981 e 1996; CB: 1989, 1994, 1997, 2001 e 2016)
6 – São Paulo (A: 1977, 1986, 1991, 2006, 2007 e 2008)
5 – Vasco (A: 1974, 1989, 1997 e 2000; CB: 2011)
5 – Fluminense (A: 1984, 2010 e 2012; R: 1970; CB: 2007)
4 – Internacional (A: 1975, 1976 e 1979; CB: 1992)
2 – Bahia (A: 1988; TB: 1959)
2 – Botafogo (A: 1995; TB: 1968)
2 – Sport (A: 1987; CB: 2008)
2 – Atlético-MG (A: 1971; CB: 2014)
1 – Guarani (A: 1978)
1 – Coritiba (A: 1985)
1 – Criciúma (CB: 1991)
1 – Juventude (CB: 1999)
1 – Atlético-PR (A: 2001)
1 – Paysandu (C: 2002)
1 – Santo André (CB: 2004)
1 – Paulista (CB: 2005)

Legenda: Série A (A), T. Roberto Gomes Pedrosa (R), Copa do Brasil (CB), Taça Brasil (TB), Copa dos Campeões (C).