Náutico vence Figueira e pode terminar a rodada fora da lanterna após 15 partidas

Série B 2017, 21ª rodada: Náutico 2 x 0 Figueirense. Foto: Paulo Paiva/DP

Até a 17ª rodada, o Náutico tinha apenas uma vitória no Campeonato Brasileiro, com 15% de aproveitamento. Na lanterna, via o concorrente mais próximo, o ABC, a sete pontos de distância. Sem meias palavras, encaminhava um rebaixamento virtual, que só não seria confirmado em caso de uma recuperação bem fora da curva. Passadas duas semanas, o time vem ensaiando essa reação. De lá pra cá foram três vitórias em quatro jogos, perdendo apenas para o líder da Série B, o América Mineiro.

Com o 2 x 0 sobre o Figueirense de Milton Cruz, num confronto direto importantíssimo dentro do Z4, o alvirrubro finalmente ultrapassou o ABC de Natal. Assim, após 15 longas rodadas, da 6ª até a 20ª, o Náutico saiu da última colocação. E só terminará a rodada na lanterna caso o clube potiguar vença o Internacional no Frasqueirão, sábado. Não parece fácil.

Série B 2017, 21ª rodada: Náutico x Figueirense. Crédito: Premiere/reprodução

Nesta segunda vitória seguida na Arena Pernambuco, o técnico Roberto Fernandes armou o time num 4-3-3 e pôde contar com a volta de Giovanni, fora por lesão há um mês, e com a estreia do centroavante William. Ambos com bom desempenho, sobretudo o meia, com o belo gol de fora da área, pavimentando a vitória, e o passe que deixou Breno em ótima condição, rolando para William, que empurrou a bola pra barra vazia. Dois gols no 1T.

Numa rara boa atuação do time nesta turbulenta temporada, mostrando organização em todos os setores, o prata da casa Erick teve mais condições de se apresentar melhor – algo dito há tempos, com o seu desempenho prejudicado pela má fase da equipe. A possível negociação de Erick para Portugal pode trazer alívio financeiro para o restante da campanha, tendo como contrapartida a perda técnica. Escolha difícil num momento-chave.

Sequência da “retomada”
18ª – Náutico 1 x 0 Vila Nova (Goiânia)

19ª – Náutico 1 x 0 Luverdense (Arena PE)
20ª – Náutico 0 x 1 América (Belo Horizonte)
21ª – Náutico 2 x 0 Figueirense (Arena PE)

Série B 2017, 21ª rodada: Náutico 2 x 0 Figueirense. Foto: Paulo Paiva/DP

Troféu Gena poderá ser decidido no número de expulsões ou em sorteio

O regulamento do Troféu Gena, a simbólica disputa no centenário do Clássico das Emoções

Náutico e Santa já disputaram sete clássicos em 2017, contando Estadual, Nordestão e Brasileiro. O retrospecto é equilíbrio puro, com 2 vitórias pra cada, 6 gols pra cada e 1 vermelho pra cada, além de três empates. Oficialmente, resta apenas uma partida na temporada, pelo returno do Série B.

É o jogo que decidirá o campeão do Troféu Gena, a simbólica premiação celebrando o centenário do Clássico das Emoções. Só a agora a FPF publicou o “ato comemorativo nº 1″ com o regulamento oficial da taça, que soma os resultados de todas as competições oficiais no ano. Se em 2016, no Troféu Givanildo Oliveira, havia a possibilidade de divisão, em caso de igualdade em pontos, desta vez a federação resolveu adotar mais critérios.

Quem ganhar a 8ª partida, leva. Em caso de empate, são dois caminhos. Como o saldo de gols está empatado, na prática vale o número de expulsões! Hoje, também idêntico, com Luís Eduardo (alvirrubro) e Jaime (tricolor) expulsos logo no primeiro clássico, em janeiro. E se houver empate pela 4ª vez e nenhuma expulsão? Aí, teremos um sorteio às 16h30 do dia 6 de novembro, uma segunda-feira, na sede da FPF…

Jogos disputados em 2017
29/01 – Náutico 1 x 1 Santa Cruz, Estadual (Arena, 4.622 pessoas)
04/02 – Santa Cruz 1 x 0 Náutico, Nordestão (Arruda, 5.086)
12/03 – Náutico 1 x 0 Santa Cruz, Nordestão (Arena, 6.692)
10/04 – Santa Cruz 1 x 2 Náutico, Estadual (Arruda, 5.055)
06/05 – Náutico 1 x 2 Santa Cruz, Estadual (Arena, 2.592)
18/05 – Santa Cruz 1 x 1 Náutico, Estadual (Arruda, 3.387)
15/07 – Náutico 0 x 0 Santa Cruz, Série B (Arena, 13.450)
Média de público: 5.840

Jogo a disputar em 2017
04/11 – Santa Cruz x Náutico, Série B (Arruda) 

Classificação após 7 clássicos
Náutico – 9 pontos; 2 vitórias, 3 empates e 2 derrotas; 6 GP/6 GC; 1 vermelho
Santa – 9 pontos; 2 vitórias, 3 empates e 2 derrotas; 6 GP/6 GC; 1 vermelho

Náutico vence o segundo jogo seguido na Série B, o primeiro na Arena Pernambuco

Série B 2017, 19ª rodada: Náutico 1 x 0 Luverdense. Foto: Náutico/instagram (@nauticope)

Duas vitórias seguidas, na base do sufoco, mas que alimentam o sonho de recuperação, cujo desfecho só poderá vir a longo prazo. Diante de Vila Nova e Luverdense, o Náutico fez o mesmo placar, 1 x 0, terminando o primeiro turno da Série B com 14 pontos. Em uma semana de mais mudanças, com a 4ª troca de técnico no ano, estreou Roberto Fernandes, que trouxe a sua conhecida vibração para a partida na arena. O alvirrubro não vencia em casa há 4 meses (!) e não tinha mais o direito de deixar passar a oportunidade. Até então, eram nove apresentações como mandante, com quatro empates e cinco derrotas. Nenhuma vitória! Um desempenho bizarro que, mesmo com as duas vitórias fora de casa, deixava o clube afundado na lanterna.

Como a vida do Náutico não tem sido fácil, a sexta-feira começou com o pedido de rescisão do goleiro Tiago Cardoso, com Jefferson, da base, sendo acionado mais uma vez. No restante da equipe, mudanças pontuais no posicionamento, com o meio-campo bem povoado. Os 4.789 torcedores que foram a São Lourenço, mantendo a fé, tiveram que se apoiar no pensamento positivo até o finzinho, pois o jogo foi amarrado. A proposta alvirrubra era utilizar a velocidade do ataque, em contragolpes armados por Bruno Mota.

Série B 2017, 19ª rodada: Náutico x Luverdense. Foto: João de Andrade Neto/DP

Não por acaso, o time mato-grossense teve a posse de bola, com 63%, segundo o Footstats. Ao desarmar o adversário, o timbu tentava explorar a ligação rápida, na maioria das vezes em lançamentos – e foram 38, dos quais apenas 11 corretos. Após o primeiro tempo em branco, com Erick perdendo um gol embaixo da barra, o segundo tempo foi facilitado pela expulsão (justa) do volante Ricardo. No 11 x 10, o Náutico ganhou campo, apesar da afobação compreensível para quem vem tão mal na competição.

Jogando mais próximo à área, acabou forçando o erro do visitante, conseguindo um pênalti aos 17 minutos. Nada de Anselmo (já desligado) ou Gilmar, que haviam desperdiçado cobranças neste Brasileiro. Coube a Erick a responsabilidade. E guardou, chegando a 9 gols em sua primeira temporada como profissional, com 37 jogos disputados. A partir daí, era segurar a vantagem, primordial para manter o objetivo de permanência no returno.

Série B 2017, 19ª rodada: Náutico 1 x 0 Luverdense. Foto: Ricardo Fernandes/DP

Santa Cruz encerra contrato de 5 jogos na Arena Pernambuco com média de 6.374

Série B 2017, 18ª rodada: Santa Cruz x Paysandu. Foto: Rafael Brasileiro/DP

Em 12 junho foi anunciado o contrato do governo do estado com Santa e Sport, com cada um marcando cinco de seus jogos no Brasileiro na Arena Pernambuco. A passagem do tricolor, neste acordo, foi encerrada na derrota para o Papão. À parte dos resultados, com apenas duas vitórias, a ocupação da arquibancada foi frustrante. Desde 2013, quando o estádio em São Lourenço foi inaugurado, o clube havia mandado apenas dez jogos lá, mas com uma média de 16.279 espectadores. Muito acima do que se viu agora, com 6.374, ou 13,9% de ocupação nos assentos vermelhos, bem esvaziados. O dado bruto ficou abaixo até da média que o clube vinha registrando no Arruda, num quadro turbinado, é verdade, pela ótima presença diante do Inter.

Vale lembrar que a mudança temporária para a arena também aconteceu devido ao mau estado do gramado do Arruda, inviabilizado até a realização de treinamentos. A volta para o Mundão, onde o time não atua desde 17 de junho, deve ser em 8 de agosto, contra o Criciúma. Portanto, um hiato de 52 dias, com o campo passando por reparos necessários.

Abaixo, números do Santa Cruz como mandante no 1º turno da Série B…

O 5 Jogos do Santa como mandante na Arena Pernambuco
24/06 – Santa Cruz 1 x 1 Figueirense (9.079 pessoas, R$ 118.070)
07/07 – Santa Cruz 3 x 0 Brasil (6.009, R$ 55.850)
18/07 – Santa Cruz 1 x 0 Vila Nova (6.731, R$ 60.610)
21/03 – Santa Cruz 1 x 1 Boa Esporte (6.451, R$ 56.990)
01/08 – Santa Cruz 1 x 2 Paysandu (3.603, R$ 30.030)

2 vitórias, 2 empates e 1 derrota; 7 GP e 8 GP; aproveitamento de 53%
31.873 pessoas em 5 jogos (média de 6.374)
R$ 321.550 em 5 jogos (média de R$ 64.310)

Os 4 jogos do Santa como mandante no Arruda
20/05 – Santa Cruz 2 x 1 Guarani (6.090 pessoas, R$ 52.870)
03/06 – Santa Cruz 2 x 1 ABC (4.834, R$ 41.620)
09/06 – Santa Cruz 1 x 3 Londrina (5.045, R$ 40.180)
17/06 – Santa Cruz 0 x 0 Internacional (25.356, R$ 227.927)

2 vitórias, 1 empate e 1 derrota; 5 GP e 5 GC; aproveitamento de 58%
41.325 pessoas em 4 jogos (média de 10.331)
R$ 362.597 em 4 jogos (média de R$ 90.649)

Santa leva virada do Paysandu jogando mal e com expulsão de goleiro na Arena

Série B 2017, 18ª rodada: Santa Cruz 1 x 2 Paysandu. Foto: Paulo Paiva/DP

Com um futebol apático e sem poder de reação, o Santa perdeu a segunda seguida na Série B, sendo a primeira na Arena Pernambuco. Viu o Papão virar para 2 x 1, distanciando-se do G4 e, consequentemente, aproximando-se do Z4, num cenário perigoso para um time, hoje, desorganizado. Na véspera, o grupo havia sido abalado com a notícia da morte da esposa de Léo Lima, que não atuou, naturalmente. Assim, a armação do time ficou com Thiago Primão, que na goleada sofrida para o Paraná jogara mais recuado.

O meia pouco fez atuando mais à frente, até mesmo porque viu um ataque de pouquíssima mobilidade. Enfiado na área, o centroavante Ricardo Bueno sai deste contexto, mas os pontas Bruno Paulo e André Luís não colaboraram na ligação meio/ataque. No primeiro tempo, mesmo sem atuar bem, o tricolor ainda saiu na frente numa penalidade convertida por Bueno – no lance, o zagueiro Peri cortou a cabeçada do centroavante com o braço.

Série B 2017, 18ª rodada: Santa Cruz x Paysandu. Foto: Paulo Paiva/DP

O jogo lembrava um pouco o duelo contra o Boa Esporte, que, mesmo após tomar o gol, continuou com uma proposta organizada, assustando o mandante. O gol do Paysandu logo no reinício da partida, aos 2 minutos da etapa complementar, justificou a sensação. O empate saiu numa bela cobrança de falta do lateral Ayrton, que já havia cobrado outra com perigo.

A chave virou de vez na expulsão de Júlio César, quatro minutos depois, matando um contragolpe paraense. Para a entrada do goleiro reserva, Jacsson, Bruno Paulo foi sacrificado na linha. Pouco depois, André também saiu, na última tentativa de Giva, que acionou Augusto. Era a aposta para dar velocidade a um time estático, aceitando o jogo adversário. Aposta perdida, com outro contragolpe definindo o resultado, aos 41. O ex-alvirrubro Bérgson iniciou a jogada, tocou na esquerda e avançou para concluir na área, impondo ao Santa uma campanha com mais derrotas que vitórias, 6 x 7…

Os 7 jogos sob o comando de Givanildo Oliveira*
07/07 – Santa Cruz 3 x 0 Brasil
11/07 – Luverdense 2 x 2 Santa Cruz
15/07 – Náutico 0 x 0 Santa Cruz
18/07 – Santa Cruz 1 x 0 Vila Nova
21/07 – Santa Cruz 1 x 1 Boa
29/07 – Paraná 4 x 0 Santa Cruz
01/08 – Santa Cruz 1 x 2 Paysandu

* 42% de aproveitamento (2V-3E-2D)

Série B 2017, 18ª rodada: Santa Cruz 1 x 2 Paysandu. Foto: Paulo Paiva/DP

Náutico perde a 5ª na Arena PE e passa a depender de feito inédito para seguir na B

Série B 2017, 17ª rodada: Náutico 1 x 2 Criciúma. Foto: Ricardo Fernandes/DP

A fase do Náutico é tão ruim, que o time sofreu um gol às 18h58, mesmo com a partida contra o Criciúma agendada para as 19h00. Para um time que almejava a primeira vitória como mandante (!), ficar em desvantagem tão cedo foi um baque na formação, a priori, mais precavida, com dois volantes e o meia Diego Miranda, indicação de Beto Campos. No primeiro tempo, os setores estiveram bem distantes, com poucas chegadas organizadas.

Nos segundo tempo, o treinador timbu acionou o meia Bruno Mota, sacando um volante, Jobson. Não só por isso, mas pela aceleração, o alvirrubro voltou bem melhor que o adversário. Empatou aos 3, num golaço de bicicleta do atacante Erick, mas tomou o segundo gol logo depois, aos 9, após previsível troca de passes dos catarinenses entre os zagueiros pernambucanos. Daí, foram 40 minutos de pressão, mas o goleiro Luiz acabou sendo o nome do jogo. Completando 150 partidas pelo Criciúma, o jogador evitou finalização à queima roupa, chute cruzado, cruzamentos etc. Garantiu o 1 x 2.

Com a 11ª derrota em 17 rodadas, sendo a 5ª vez na Arena, o Náutico agora precisará de um feito inédito para evitar o encaminhado rebaixamento à Série C. Desde a implantação dos pontos corridos na segunda divisão, em 2006, nenhum clube escapou somando apenas 8 pontos neste recorte. O novo espelho passa a ser o Guaratinguetá, que somou 9 e conquistou mais 34 nas 21 rodadas seguintes, com 53,9% de aproveitamento. Exemplo até quando?

O lanterna da Série B após 17 rodadas (e a situação após a 38ª)
2006 –  12 pontos, Remo (12º, 46 pts)
2007 –  16 pontos, Ituano (20º, 33 pts)
2008 –  9 pontos, CRB (20º, 24 pts)
2009 –  10 pontos, Campinense (19º, 37 pts)
2010 –  11 pontos, Vila Nova (16º, 46 pts)
2011 –  8 pontos, Duque de Caxias (20º, 17 pts)
2012 –  9 pontos, Guaratinguetá (16º, 43 pts)
2013 – 11 pontos, ABC (14º, 46 pts)
2014 – 11 pontos, Vila Nova (19º, 32 pts)
2015 – 11 pontos, Ceará (15º, 45 pts)
2016 – 12 pontos, Sampaio Corrêa (20º, 27 pts)
2017 – 8 pontos, Náutico

Série B 2017, 17ª rodada: Náutico 1 x 2 Criciúma. Foto: Ricardo Fernandes/DP

Os campos alternativos para treinos do Santa durante obra do Ninho das Cobras

Mapa dos locais de treinamento do Santa no Grande Recife nesta década: Crédito: Cassio Zirpoli, via Google Maps/Pixler Express

A década atual marcou o ressurgimento do Santa Cruz, que voltou a empilhar taças e saiu da Série D, chegando a disputar a Série A em 2016. Foi neste período, também, que o tricolor comprou o terreno de 10,5 hectares na estrada da Mumbeca, no bairro da Guabiraba, projetando a construção de um centro de treinamento. A aquisição de R$ 1 milhão ocorreu precisamente em 7 de julho de 2011. Entretanto, esta lacuna estrutural não foi preenchida no ritmo da retomada de resultados no futebol.

À parte dos cinco títulos estaduais em sete anos e da inédita conquista da Copa do Nordeste, o clube estourou prazos no CT. O último versa sobre a conclusão do primeiro dos três campos oficiais até setembro de 2017. Para isso, uma colaboração massiva da torcida coral, com a criação de grupos de arrecadação para metas no CT, incluindo caminhões de brita e areia, placas de grama e outras necessidades que apareçamna obra. Essas doações passam de R$ 46 mil. Paralelamente à obra, o clube perambulou bastante nos últimos anos para conseguir treinar no Grande Recife. Tendo apenas o campo do Arruda, ocorreram saídas forçadas, que resultaram em episódios incomuns. Só em 2017 já foram três (Arena, Português e Olinda).

Abaixo, os locais alternativos do Santa e as distâncias para o Arruda.
Obs. A ordem se refere apenas a uma questão estética sobre o mapa acima.

1) Clube de Campo da Alvorada (24,7 km)
Entre os campos utilizados pelo Santa no Grande Recife, este foi o mais distante da sede do clube. Em Aldeia, os treinos no clube campestre, inaugurado em 1962, aconteceram com certa regularidade em 2015, durante o Estadual e no início da Série B.

Santa treinando no Clube de Campo Alvorada, 09/06/2015. Foto: Santa Cruz/site oficial

2) CT Rodolfo Aguiar/Ninho das Cobras (18,7 km)
O centro de treinamento do clube prevê a construção de três campos no “Padrão Fifa”, 105m x 68m, além de um alojamento com 55 quartos e um centro administrativo. O empreendimento está orçado em R$ 5 milhões.

Construção do Centro de Treinamento Ninho das Cobras, 22/06/2017. Foto: Santa Cruz/site oficial

3) Centro José Andrade Médicis, do Sport (17,0 km)
O time coral já havia treinado no local antes de 2008, ainda sob a posse do extinto clube Intercontinental. Sob administração do leão, houve uma passagem na tarde de 7 de setembro de 2012, uma vez que o Arruda foi poupado visando o amistoso Brasil x China, quatro dias depois. Curiosidade: naquele mesmo dia, pela manhã, o time treinou no CT do Náutico.

Santa treinando no CT José de Andrade Médics, 07/09/2012. Foto: Santa Cruz/assessoria

4) Estádio Ademir Cunha (13,2 km)
O estádio em Paulista, na zona norte da região metropolitana, já foi recorrente considerando os treinos fora do Mundão. Porém, o estado do gramado, costumeiramente ruim, diminuiu o número de visitas. Foi utilizado durante o vice da Série B, em 2015.

Santa treinando no Estádio Ademir Cunha, 22/06/2015 . Foto: Santa Cruz/twitter

5) CT do Unibol (14,6 km)
Em 4 de julho de 2012, o campo do Arruda precisou de reparos. Como o plano B, o Ademir Cunha, já estava reservado para jogos da 2ª divisão estadual, o Santa, acabou indo ao CT do Unibol – que fechou o departamento profissional, mantendo apenas escolinhas. Em frente ao Cemitério de Paulista, o nível do campo foi criticado pelo time, que disputava a Série C.

Santa treinando no CT do Unibol, em Paulista. Foto: Rodolfo Bourbon/DP

6) Estádio Grito da República (11,3 km)
O estádio olindense foi inaugurado sem a infraestrutura adequada. Apesar do campo, os sistemas elétrico e hidráulico não foram finalizados. Sem os laudos técnicos em Rio Doce, o Santa teve que jogar um amistoso na pré-temporada, em janeiro de 2017, sem público.

Santa treinando no Estádio Grito da República, em Olinda. Foto: Santa Cruz/twitter

7) Centro Recreativo do Real Hospital Português (16,1 km)
Foi o último campo alternativo encontrado pelo clube, numa parceria com o Hospital Português. Desconsiderando a Arena, este foi considerado o melhor gramado onde o time realizou práticas em 2017.

Santa Cruz treinando no Centro Recreativo do Real Hospital Português. Foto: Santa Cruz/site oficial

8) CT Wilson Campos, do Náutico (8,4 km)
O Santa já utilizou o centro de treinamento do rival alvirrubro, na Guabiraba, em duas oportunidades: 2012 e 2014. Em uma delas, o Náutico também utilizou um dos campos do CT, simultaneamente.

Santa treinando no CT Wilson Campos. Foto: Santa Cruz/twitter

9) Estádio do Arruda
Desde a abertura para os primeiros jogos oficiais do clube, em 1967, antes mesmo da conclusão do anel inferior, em 1972, o José do Rego Maciel sempre foi o campo principal para os treinos do time profissional. O excesso de uso foi determinante para saídas oportunas do Santa.

Santa Cruz treinando no Arruda. Foto: Santa Cruz/twtter

10) Arena Pernambuco (21,5 km)
Em alguns dos jogos firmados em São Lourenço, o clube solicitou a utilização do local na véspera das partidas. Como, por exemplo, em 23 de junho de 2017, antes de enfrentar o Figueirense. A arena não costuma fazer objeção, tanto que já cedeu o campo para Náutico e Sport na véspera de alguns jogos.

Santa treinando na Arena Pernambuco. Foto: Santa Cruz/twitter

Os 10 maiores públicos e rendas na Arena Pernambuco em jogos envolvendo clubes

Série A 2017, 16ª rodada: Sport 0 x 2 Palmeiras. Foto: Cassio Zirpoli/DP

A Arena Pernambuco passou a fazer parte do cotidiano do futebol local em 2013, visando a Copa das Confederações, após um gasto milionário para antecipar a entrega, à parte do cronograma original do Mundial. Imaginado para receber 60 partidas por ano, com os “20 principais jogos de Náutico, Santa Cruz e Sport”, o empreendimento ainda busca o seu espaço. Convive com o crônico problema de acessibilidade, que trava um uso mais regular.

Hoje, são 45.915 cadeiras vermelhas liberadas para o público geral. Contudo, trata-se de uma capacidade praticamente inviável nos jogos envolvendo clubes, que demandam isolamentos entre as torcidas rivais, tomando até três mil lugares, vazios. Por isso, o recorde absoluto, com 45.010 torcedores anunciados, ocorreu em Brasil 2 x 2 Uruguai, em 25 de março de 2016. Na ocasião também foi registrada a maior bilheteria no estado, R$ 4.961.890.

Portanto, desconsiderando os jogos entre países, vamos aos maiores dados, tanto de assistência quando de arrecadação, envolvendo o Trio de Ferro. Os cinco primeiros tiveram o Sport como mandante, pelo Brasileirão.

Dados atualizados até 23 de julho de 2017

Os 10 maiores públicos na Arena
42.025 – Sport 0 x 2 Palmeiras (23/07/2017, Série A)
41.994 – Sport 2 x 0 São Paulo (19/07/2015, Série A)
37.615 – Sport 2 x 2 Flamengo (09/11/2014, Série A)
35.163 – Sport 2 x 2 Palmeiras (12/07/2015, Série A)
34.939 – Sport 0 x 1 Flamengo (30/08/2015, Série A)
34.746 – Santa Cruz 0 x 1 América-RN (01/11/2014, Série B)
34.496 – Sport 1 x 0 São Paulo (07/12/2014, Série A)
30.165 – Sport 2 x 2 Fluminense (23/11/2014, Série A)
30.061 – Náutico 0 x 1 Sport (23/04/2014, Estadual)
28.019 – Sport 0 x 0 Cruzeiro (02/08/2015, Série A) 

As 10 maiores rendas na Arena
R$ 1.254.240 – Sport 2 x 0 São Paulo (19/07/2015, Série A)
R$ 1.149.020 – Sport 0 x 1 Flamengo (30/08/2015, Série A)
R$ 1.105.425 – Sport 2 x 2 Flamengo (09/11/2014, Série A)
R$ 1.084.320 – Sport 2 x 2 Palmeiras (12/07/2015, Série A)
R$ 1.050.104 – Náutico 1 x 1 Sporting (22/05/2013, Amistoso)
R$ 1.011.655 – Sport 1 x 0 São Paulo (07/12/2014, Série A)
R$ 900.011 – Santa Cruz 0 x 1 América-RN (01/11/2014, Série B)
R$ 893.950 – Náutico 0 x 1 Sport (23/04/2014, Estadual)
R$ 848.307 – Sport 0 x 2 Palmeiras (23/07/2017, Série A)
R$ 836.300 – Sport 2 x 0 Corinthians (29/11/2015, Série A)

Obs. A foto se refere ao maior público oficial em um jogo de clubes. Será atualizada pelo blog a cada nova marca estabelecida…

O Sport é neutralizado pelo Palmeiras em derrota diante de 42 mil pessoas na Arena

Série A 2017, 16ª rodada: Sport 0 x 2 Palmeiras. Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação

O Palmeiras veio ao Recife com vários desfalques, entre suspensões e lesões. Na lista, nomes como Borja, Willian, Felipe Melo, Mina e Michel Bastos. É num momento assim que o tão propalado elenco qualificado é posto à prova. Com uma proposta de jogo eficiente, a equipe tende a manter um padrão competitivo. Na Arena Pernambuco, o Palmeiras foi tudo isso. Embora esta nova passagem de Cuca ainda sofra críticas devido ao início “irregular” na Série A, para os padrões do atual campeão, e resultados complicados nos mata-matas, Libertadores e Copa do Brasil. Estudioso, o treinador observou bem as apresentações recentes do Sport, vivendo o seu melhor momento.

A equipe equipe pernambucano roda bastante a bola, explorando as pontas, com mais eficiência pelo lado esquerdo. Para isso, tem dois volantes em alta rotação, na interceptação e na progressão do jogo. Neste domingo, sob olhares de 42.025 torcedores, no novo recorde envolvendo clubes, o rubro-negro não conseguiu impor esse estilo. Teve 58% de posse, sem precisão.

Série A 2017, 16ª rodada: Sport 0 x 2 Palmeiras. Foto: Cassio Zirpoli/DP

O time paulista não deixou o Sport jogar, com uma marcação alta e uma recomposição forte. Não parecia possível manter aquela intensidade por 90 minutos, mas o resultado construído no primeiro tempo facilitou o trabalho no segundo tempo, com o time mais precavido. Com o volante Thiago Santos colado em Diego Souza do início ao fim, pressionando o meia a cada toque na bola e a cada disputa aérea, o leão perdeu bastante de sua criatividade.

Sem conseguir furar a defesa rival, o Sport insistiu cedo nas bolas esticadas. Ao todo, segundo o Footstats, foram 41 lançamentos! Acertou apenas 12, com 29% de aproveitamento. Ao tentar algo diferente, com passes efetivos dos volantes, foi punido imediatamente. Aos 34, Rithely tentou de letra e o vacilo resultou num escanteio. Na cobrança no primeiro pau, Bruno Henrique cabeceou e encobriu Agenor. Nos descontos, Patrick, com três alviverdes à frente, também errou, com Keno, ex-Santa, contra-atacando e finalizando para o 2 x 0 definitivo. No segundo tempo, Luxa promoveria três mudanças, com o time demonstrando vontade – demais até, com Rithely, André e DS tomando o terceiro amarelo. Porém, o buraco já estava grande. Derrota justa.

Sport x Palmeiras no Recife, pelo Brasileiro (20 jogos)
6 vitórias do Leão
5 empates
9 vitórias do Porco

Série A 2017, 16ª rodada: Sport 0 x 2 Palmeiras. Foto: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação

Em atuação fraquíssima, Santa Cruz cede o empate ao Boa Esporte na Arena

Série B 2017, 16ª rodada: Santa Cruz x Boa Esporte. Foto: Ricardo Fernandes/DP

O Santa Cruz jogou muito mal contra o Boa Esporte. Até chegou a abrir o placar, levando a vantagem até a metade do segundo tempo, mas o tricolor não merecia melhor sorte na Arena Pernambuco, com o 1 x 1 travando a reação. O time quase não assustou o goleiro Fabrício, ao contrário de Júlio César, que agradeceu aos céus após a terceira bola em sua trave.

Abrindo a 16ª rodada, o time pernambucano tinha a possibilidade de dormir no G4, pressionando os adversários no complemento. Em tese, o adversário era interessante, mesmo vindo de um resultado positivo. E ficou mesmo nisso, “em tese”. Na prática, o time mineiro foi superior, antes e depois de tomar o gol – que saiu num raro momento de lucidez da equipe coral. Aos 26 do primeiro tempo, proporcionou um lance incrível. Num cruzamento da direita, Diones (livre) cabeceou na trave. Na sequência, Jaime afastou mal e Eduardinho pegou a sobra na meia lua. Sem marcação, soltou uma bomba, no travessão. O bombardeio tirou a torcida coral do sério, com o volante Wellington Cézar (que nem foi o protagonista da bobagem) sendo o alvo.

O gol do Santa, pouco antes do intervalo, foi à parte do que vinha jogando. Tiago Costa cruzou, Bueno ajeitou e João Paulo marcou de cabeça. Aos poucos, o meia vai se firmando na equipe, embora, numa nota geral, também tenha sido irregular desta vez. Para que o gol desse tranquilidade na etapa complementar, o time precisaria melhorar também. Não aconteceu, com um futebol lento e insistente na bola aérea – já com Pitbull em campo. Quem apareceu foi Reis, atacante rival. Numa cobrança de falta, bola no travessão. Na segunda tentativa, tirou tinta da trave. Na terceira, num escanteio, colocou na cabeça de Thaciano, que empatou aos 25. A partir dali, não houve uma finalização efetiva do Santa, com vaias pelo tropeço e pelo desempenho…

Os 5 jogos sob o comando de Givanildo Oliveira*
07/07 – Santa Cruz 3 x 0 Brasil
11/07 – Luverdense 2 x 2 Santa Cruz
15/07 – Náutico 0 x 0 Santa Cruz
18/07 – Santa Cruz 1 x 0 Vila Nova
21/07 – Santa Cruz 1 x 1 Boa
* 60% de aproveitamento (2V-3E-0D)

Série B 2017, 16ª rodada: Santa Cruz x Boa Esporte. Foto: Ricardo Fernandes/DP