No Cornélio de Barros, o Salgueiro recebe a primeira decisão do Estadual no interior

Estádio Cornélio de Barros em junho de 2017. Foto: Salgueiro/facebook (@soucarcara)

O Campeonato Pernambucano de 2017 já está marcado como um dos mais desorganizados da história, com inúmeros palcos vetados no interior, formações reservas em campo e falta de datas. Entre os dois jogos da final, um hiato inacreditável de 52 dias. Após uma longa costura, que envolveu até a Conmebol, devido ao jogo dos rubro-negros pela Copa Sul-Americana, finalmente chegou o momento da decisão entre Salgueiro e Sport.

Em 28 de junho, o estádio Cornélio de Barros receberá a 69ª decisão em 103 edições, após o 1 x 1 na Ilha. É a primeira vez que o jogo final ocorre fora do Grande Recife – o próprio estádio salgueirense havia recebido a ida de 2015. Vale lembrar que Sport e Santa deram voltas olímpicas em Caruaru (1997) e Petrolina (2005), mas em conquistas de forma antecipada. Numa final à vera, teremos um cenário inédito no sertão. Com capacidade para até 12.070 espectadores, o Cornélio será o 8º estádio a receber uma final. O último palco inédito no futebol local havia sido a arena, há três temporadas.

Resta saber se veremos também o primeiro campeão do interior…
Quanto ao Sport, vai pelo 41º título, tentando ampliar o recorde…

Eis os palcos de todas as finais do Pernambucano de 1915 a 2016:

Ilha do Retiro (28)
Sport (15, com 52%) – 1948, 1961, 1962, 1981, 1988, 1991, 1992, 1994, 1996, 1998, 1999, 2000, 2003, 2006 e 2010
Santa Cruz (10, com 35%) – 1940, 1946, 1957, 1971, 1973, 1986, 1987, 2012, 2013 e 2016
Náutico (2, com 7%) – 1954 e 1965
América (1, com 3%) – 1944

Arruda (16)
Santa Cruz (8, com 50%) – 1970, 1976, 1983, 1990, 1993, 1995, 2011 e 2015
Náutico (6, com 37%) – 1984, 1985, 1989, 2001, 2002 e 2004
Sport (2, com 12%) – 1977 e 1980

Aflitos (15)
Náutico (7, com 46%) -1950, 1951, 1960, 1963, 1966, 1968 e 1974
Sport (5, com 33%) – 1917, 1949, 1953, 1955 e 1975
Santa Cruz (3, com 20%) – 1947, 1959, 1969

Avenida Malaquias (3)
América (1, com 33%) – 1921
Santa Cruz (1, com 33%) – 1932
Náutico (1, com 33%) – 1934

Jaqueira (3)
Santa Cruz (2, com 66%) – 1933 e 1935
Sport (1, com 33%) – 1920

British Club (2)
Flamengo (1, com 50%) – 1915
Sport (1, com 50%) – 1916

Arena Pernambuco (1)
Sport (1, com 100%) – 2014 

Santa Cruz empata com o Figueirense na Arena Pernambuco e cai para o 8º lugar

Série B 2017, 10ª rodada: Santa Cruz 1 x 1 Figueirense. Foto: Peu Ricardo/DP

Quando venceu o Ceará no Castelão, com ótima atuação no segundo tempo, o Santa voltou ao G4, anulando a derrota em casa para o Londrina. Desde então, foram mais três apresentações, em oito dias, com o tricolor somando apenas dois pontos. Contra o Inter, um campo ruim, com um jogo equilibrado e a satisfação momentânea pelo empate. Na sequência, derrota para o América, com falta de apetite ofensivo em BH. Voltando a atuar como mandante, mas na Arena Pernambuco, no primeiro dos cinco jogos acertados lá, um novo cenário, com volume ofensivo e pouca eficiência nas finalizações. O saldo disso tudo foi a queda para a 8ª colocação, a pior dos corais nesta Série B.

Creio que caiba uma ressalva sobre o Figueirense, pois mesmo estando na penúltima colocação, o clube é organizado e conta com jogadores de qualidade para a segundona, como Marco Antônio, Luidy e Jorge Henrique. Nomes que seriam reforços no Arruda. Tentando se encontrar no ano – apenas 6 vitórias desde janeiro! -, o Figueira equilibrou bastante o primeiro tempo, marcado por erros defensivos do corais. Falhas em sequência, até a derradeira, aos 46 minutos, com Roberto (perdeu a bola), Jaime (bote errado) e Bruno Silva (atrasado). Na conclusão, um golaço por cobertura de Henan.

Na segunda etapa, talvez o melhor momento do Santa desde o Castelão, sufocando o visitante. Com melhor preparo físico, o time de Adriano Teixeira impôs um ritmo forte nas pontas, sobretudo pela direita, de onde veio a bola para Augusto empatar, 1 x 1 - o atacante entrara no lugar de André Luís, em queda. Pela direita, insistiu até os descontos, criando quatro boas chances, todas desperdiçadas. Nem Ricardo Bueno, de volta, fez a diferença.

Série B 2017, 10ª rodada: Santa Cruz 1 x 1 Figueirense. Foto: Peu Ricardo/DP

Náutico perde pela 7ª vez em 9 jogos e já tem pior início na Série B. Reversão difícil

Série B 2017, 9ª rodada: Náutico 2x3 Goiás. Foto: Roberto Ramos/DP

O Náutico tem, de longe, a defesa mais vazada da Série B. Em nove rodadas, já sofreu 19 gols, num desempenho refletido na campanha, sendo o único time que ainda não venceu. Contra o Goiás, mais uma noite de corredores abertos nas laterais, zaga mal posicionada e goleiro sem tanta efetividade.

O time foi vazado logo no primeiro minuto da partida, num cruzamento concluído por Carlos Eduardo, livre na área. Apesar do péssimo cenário, o time, estreando o técnico Beto Campos, reagiu. Com o ataque formado por Gilmar (esquerda), Vinícius (centralizado) e Erick (direita), as oportunidades surgiram. A primeira aos 26, num pênalti desperdiçado por Gilmar. Pouco depois, em outra jogada pela ponta, gol contra de Everton Sena (aquele mesmo). O timbu seguiu melhor na volta do intervalo, criando e pressionando. Até tomar o segundo gol de um adversário mais tranquilo – tanto em qualidade quanto na tabela. Embora tenha chegado outra vez ao empate, com Vinícius, recebendo passe de Gerônimo (acionado no lugar de Gilmar), a cobertura dos laterais foi lamentável, com outro gol de bola cruzada, aos 41 minutos, 2 x 3. Aí, sem reação, com o visitante até acertando a trave duas vezes.

Ficou a sensação de que pode melhorar? Ofensivamente, sim. Insuficiente para o restante do Brasileiro, que pede uma defesa confiável. Até porque, num levantamento considerando as nove primeiras rodadas, o quadro já é crítico. Com dois pontos, tem a pior pontuação neste recorte. Dos onze lanternas anteriores neste recorte, seis seguiram na posição ao fim da competição e apenas três clubes escaparam do Z4, com Lusa, Vila Nova e ABC somando 37, 42 e 43 pontos nas 29 rodadas seguintes, respectivamente.

O lanterna da Série B após 9 rodadas (e a situação após a 38ª)
2006 – 8 pontos, Portuguesa (14º, 45 pts)
2007 – 6 pontos, Ituano (20º, 33 pts)
2008 – 5 pontos, CRB (20º, 24 pts)
2009 – 3 pontos, Campinense (19º, 37 pts)
2010 – 4 pontos, Vila Nova (16º, 46 pts)
2011 – 3 pontos, Duque de Caxias (20º, 17 pts)
2012 – 2 pontos, Barueri (20º, 30 pts)
2013 – 3 pontos, ABC (14º, 46 pts)
2014 – 2 pontos, Vila Nova (19º, 32 pts)
2015 – 3 pontos, Mogi Mirim (20º, 23 pts)
2016 – 4 pontos, Sampaio Corrêa (20º, 27 pts)
2017 – 2 pontos, Náutico

Série B 2017, 9ª rodada: Náutico 2x3 Goiás. Foto: Roberto Ramos/DP

Desarrumado, Náutico leva virada do Paraná nos descontos. Segue lanterna

Série B 2017, 7ª rodada: Náutico 1x2 Paraná. Foto: Peu Ricardo/DP

O calvário do Náutico permanece na Série B, isolado na última posição. De 21 pontos disputados, o time somou apenas dois, em empates como mandante. A vitória vem passando longo do alvirrubro, que parece não evoluir em termos de organização. De volta à Arena Pernambuco, contra o Paraná Clube, equipe até teve mais volume de jogo, mas foi afobada do início ao fim.

Embora tenha aberto o placar logo aos cinco minutos, a vantagem durou pouco, repetindo o cenário contra o Oeste. A dificuldade para marcar gols é imensa. Tanto que o tento pernambucano saiu numa trapalhada do goleiro Richard, que chutou mal, com a bola nos pés de Vinícius. Após a estreia no Beira-Rio, quando balançou as redes, o atacante voltou a marcar. Esse faro de gol talvez seja o único saldo positivo da noite – sobretudo numa comparação com os demais nomes à frente, como Esquerdinha, penteando demais a bola, e Alison, sem intimidade com o gol. De resto, um time que não troca três passes em direção ao gol adversário, abusando basicamente uma jogada: bola para Erick, de fato bem acima da média no elenco.

E mesmo Erick abusou, desperdiçando a melhor chance de desempatar no segundo tempo, já aos 42. Pior. Pouco depois, aos 46, saiu o segundo gol dos visitantes num contragolpe, 1 x 2. Aqui, vale a ressalva sobre Erick, que vive a sua primeira temporada profissional, já carregada de uma responsabilidade causada pelo colapso financeiro (e administrativo) do clube, com limitação em reforços. Uma consequência disso é de Waldemar Lemos. O técnico, que assumiu o time há pouco mais de um mês, não tem um bom histórico de organização tática. Seu papel parece mais associado ao de um bombeiro, trabalhando o psicológico do grupo. Até aqui, insuficiente. Envolto numa eleição antecipada, o Náutico precisa seguir olhando para 2017. Para o time e para o comando técnico. A péssima largada já compromete, desde já, 2018…

Série B 2017, 7ª rodada: Náutico 1x2 Paraná. Foto: Peu Ricardo/DP

Sport e Santa com 10 jogos na Arena PE em 2017. Agenda ainda longe da projeção

Torcidas de Sport, Náutico e Santa. Fotos: Diario de Pernambuco

A Arena Pernambuco foi concebida para receber os “20 principais jogos de Náutico, Santa Cruz e Sport”. Ou seja, 60 partidas por temporada, viabilizando o empreendimento. Ao menos era o que projetava o contrato de licitação para a parceria público-privada (feita e já desfeita). Em operação desde 2013, o estádio recebeu no máximo, em um ano, 43 jogos do Trio de Ferro, com quase 70% do calendário tomado pelos alvirrubros, de menor ocupação em comparação aos rivais (dados abaixo). Colaborou para o cenário adverso a má execução do transporte público, tendo como exemplo o metrô, que inicialmente receberia até 30% do público – estação a 2,5 km!. Não por acaso, entre outros motivos, a arena vem operando sistematicamente no vermelho. Buscando soluções, incluindo até um novo “Recifolia”, o governo do estado conseguiu negociar um pacote de jogos em 2017 com rubro-negros e tricolores, com cinco cada.

O contato foi feito entre o secretário de turismo, esporte e lazer, Felipe Carreras, e os presidentes dos clubes, Arnaldo Barros (Sport) e Alírio Moraes (Santa). A agenda ainda não foi definida, mas as partidas seriam pelas Séries A e B. Entre os corais, restam 16 jogos. Entre os leoninos, restariam 14 partidas (já desconsiderando São Paulo e Vitória), além da 2ª fase da Copa Sul-Americana.

Até hoje, a ocupação em São Lourenço não chega a 1/4 dos 46.214 lugares…

Balanço de jogos na Arena Pernambuco. Arte: Cassio Zirpoli/DP

* Projeção a partir dos jogos oficiais na temporada
** Pacote de jogos negociado em 12 junho

Confira abaixo os dados de público e renda de cada clube na arena.

Em 2016, a Arena Pernambuco registrou a pior média de público, pior taxa de ocupação, pior arrecadação, pior média de renda e pior tíquete médio. Apenas dois dados escaparam: número de jogos e público absoluto.

Balanço de público e renda do Trio de Ferro mandando seus jogos na Arena Pernambuco, de 2013 a 2016. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Após a baixa em 2015, o Náutico melhorou um pouco em 2016. Para isso, contou a flexibilização no preço dos ingressos – após a saída da Odebrecht. Com setores promocionais, chegou a registrar três jogos com 25 mil torcedores, no embalo da campanha de recuperação, que quase culminou com acesso.

Balanço de público e renda do Náutico mandando seus jogos na Arena Pernambuco, de 2013 a 2016. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Após mandar dez jogos em 2015, com rendas milionárias, o Sport atuou apenas três vezes em 2016. A primeira delas, contra o Flamengo teve uma renda de R$ 802 mil, a maior do ano entre clubes na arena. Por outro lado, disputou lá o seu primeiro Clássico das Multidões como mandante com apenas 6.570 pessoas.

Balanço de público e renda do Sport mandando seus jogos na Arena Pernambuco, de 2013 a 2016. Arte: Cassio Zirpoli/DP

O Santa segue como o grande clube pernambucano mais distante da arena. Em 2016 foram apenas duas partidas, repetindo o dado de 2015. Porém, o público presente foi menor, com 11.490 de diferença. Em seu primeiro Clássico das Multidões como mandante lá, pela Copa Sul-Americana, apenas 5.517 pessoas.

Balanço de público e renda do Santa Cruz mandando seus jogos na Arena Pernambuco, de 2013 a 2016. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Náutico marca o 1º gol na Série B após 444 minutos, mas cede empate ao Oeste

Série B 2017, 5ª rodada: Náutico 1x1 Oeste. Foto: Peu Ricardo/DP

Após cinco rodadas, o Náutico conseguiu mostrar um lampejo de evolução. Foi a partida na qual o time acelerou o jogo, na qual criou e finalizou de forma consciente. E, finalmente, balançou as redes nesta Série B. Aos 19 do segundo tempo, com o jejum totalizando 444 minutos, incluindo acréscimos.

Contra o Oeste, de má lembrança, o gol de Manoel fazia justiça ao jogo presenciado por 1.699 pessoas na Arena Pernambuco. O prata-da-casa concluiu mais uma jogada construída por Erick, o melhor em campo. Explorando bem a ponta direita, o atacante lembrou a figura de destaque no Estadual, partindo pra cima e abrindo a defesa paulista. Conseguiu deixar os companheiros em condições favoráveis, algo em falta no setor ofensivo. Entretanto, o timbu não vivia uma noite de transformação. Apesar da atitude em campo, as deficiências continuam existindo, como pôde ser comprovada no gol sofrido, com a vantagem durando apenas cinco minutos. Numa bola levantada na área, com a jogada de cabeça em cabeça, diante de uma zaga estática, o atacante Robert mandou para as redes.

Ao menos desta vez, o time pernambucano não se abateu e continuou dominando, embora de maneira afobada. Ainda finalizou duas vezes com perigo, parando no goleiro Rodolfo. Mas ao se expor em busca da primeira vitória, quase tomou a virada aos 46, num contragolpe desperdiçado por Robert. O Náutico acabou mesmo tendo que se “contentar” com o 1 x 1, que na prática só o tirou da lanterna. A situação segue crítica, ainda mais com a tabela pela frente, como o Inter no Beira-Rio, no sábado. Resta torcer que para o jogo contra o Oeste não tenha sido, de fato, apenas um lampejo…

Série B 2017, 5ª rodada: Náutico 1x1 Oeste. Foto: Peu Ricardo/DP

Náutico desperdiça pênalti e perde do Ceará. Já acumula 284 minutos sem gol

Série B 2017, 3ª rodada: Náutico 0 x 2 Ceará. Foto: Ricardo Fernandes/DP

Com a bola rolando já aos 30 minutos do segundo tempo, o jogo na Arena Pernambuco reunia os únicos times sem gols marcados nesta edição da Série B, já na terceira rodada. Náutico e Ceará. No caso alvirrubro, o cenário era ainda pior, devido à penalidade desperdiçada por Anselmo na primeira etapa. O centroavante bateu pra fora, na melhor chance do mandante. Isolou.

Àquela altura, o timbu já não contava mais com Erick, que se machucou pouco antes do intervalo, dando lugar a Gerônimo, destaque na Copa São Paulo. Outra mudança, essa por opção tática, havia sido a entrada de Maylson, que substituíra Jefferson. O técnico Waldemar Lemos só errou na escolha do Jefferson, ao tirar Nem e deixar Renan, o pior em campo. O outro Jefferson, o goleiro, seguia tendo trabalho para substituir Tiago Cardoso. Ao menos ia garantindo o empate, que numa fase tão ruim, técnica e financeira, poderia ser encarado depois como favorável. Entretanto, a desorganização da equipe, sem poder ofensivo e com muitos buracos na defesa, pesou para o resultado.

Voltemos à primeira linha do texto. Numa bola levantada pela esquerda, dois jogadores do Vozão livrinhos. O primeiro furou, com a bola sobrando para Roberto. O ponta-direita alvinegro bateu com força, num espaço mínimo entre a trave e o goleiro. Gol e aperreio para a maior parte dos 2.143 espectadores. Alguns nem viram o golaço de Felipe Menezes aos 41, de fora da área. Outra vez num espaço mínimo, entre o goleiro e o travessão. Revés como mandante, 0 x 2, único clube que ainda não balançou as redes (284 minutos!), zona de rebaixamento e perspectivas cada vez menores até novembro…

Série B 2017, 3ª rodada: Náutico 0 x 2 Ceará. Foto: Ricardo Fernandes/DP

Náutico capta R$ 1,5 milhão para reforma dos Aflitos e ação contra a Odebrecht

Ivan Brondi assinando a autorização do empréstimo de R$ 1,5 milhão. Foto: Náutico/instagram (@nauticope)

As eliminações precoces na Copa do Brasil e no Nordestão, ambas na primeira fase, atingiram o caixa do Náutico. O objetivo mínimo era alcançar a terceira fase do torneio nacional e ao menos as quartas do regional. Com isso, teria direito a R$ 1,635 milhão. Curiosamente, o número é próximo ao acordado com o canal Esporte Interativo, num empréstimo agora oficial.

O presidente alvirrubro, Ivan Brondi, assinou a autorização para o pagamento do “contrato de aporte financeiro”, no valor de R$ 1,5 milhão. Não é um adiantamento de cotas, até porque o clube já está fora da próxima Lampions, mas um empréstimo sem juros. O Náutico se comprometeu a pagar cinco parcelas de R$ 300 mil nos próximos cinco anos, sempre em dezembro. O acordo, claro, estreitou as partes, mas sem uma contrapartida clara.

Sobre o destino da receita, são quatro frentes…

R$ 1 milhão – Reforma dos Aflitos (1/3 do mínimo necessário à reabertura)
R$ 200 mil – Parcelas do Profut (dívidas fiscais)
R$ 200 mil – Salários do quadro administrativo
R$ 100 mil – Ação contra a Odebrecht

O último caso se refere à taxa para dar início ao processo contra a construtora que operou a Arena Pernambuco de 2013 a 2016, período em que firmou um acordo de 30 anos com o alvirrubro – que mandaria seus jogos lá. Como o governo rescindiu a parceria público-privada, a empresa fez o mesmo com o clube. Na visão timbu, a rescisão unilateral poderia resultar numa indenização milionária. Agora, será na justiça, através de uma “Câmara de Arbitragem”. Por sinal, o fórum instalado para conflitos no sistema financeiro também foi criado entre a Odebrecht e o governo do estado, para decidir o valor final da construção do estádio, com R$ 241 milhões de diferença entre as partes.

Sem torcida na Arena, Náutico inicia Série B remendado e com empate com América

Série B 2017, 1ª rodada: Náutico 0x0 América-MG. Foto: América-MG/site oficial

O Náutico bateu na trave nos últimos dois anos, terminando a Série B em 5º lugar. A frustração em 2016 passou do ponto, com invasão de campo e a consequente punição do STJD, com a arena de portões fechadas na estreia da nova participação. Numa semana intensa, com troca de técnico e saída de jogadores importantes, o alvirrubro encarou o América Mineiro, rebaixado da elite, mas com superávit de R$ 10 milhões – comparativo importante, uma vez que o time pernambucano vem se afundando em dívidas.

Num cenário tão adverso, com Waldemar Lemos escalando seis jogadores da base, o Náutico empatou em 0 x 0. Por mais que Erick seja o ponto alto do CT, a sua maturidade para resolver está longe. Portanto, um pontinho aceitável nesta primeira rodada, intercalada a outra frente importante, a disputa contra o Santa Cruz pela terceira vaga do estado no Nordestão, já na próxima terça.

A disposição, praticamente a única exigência do novo técnico devido ao tempo escasso e à clara limitação técnica, pode ser um sinal, mas a reestruturação do elenco é necessária – sabe-se lá como, com o caixa vazio. A caminhada do Náutico começou nebulosa, sob poucos olhares… E será longa.

Série B 2017, 1ª rodada: Náutico 0x0 América-MG. Foto: América-MG/site oficial

Clássico das Emoções com 735 pagantes e 58% de cortesias na Arena Pernambuco

Borderô de Náutico 1x2 Santa Cruz, em 6 de maio de 2017. Crédito: FPF/reprodução

A vitória do Santa sobre o Náutico, na disputa pelo 3º lugar do Campeonato Pernambucano de 2017, registrou o pior público em 21 clássicos realizados na Arena Pernambuco desde a abertura, há quatro anos. Foram apenas 2.592 espectadores, num dado corrigido, pois durante a partida anunciaram 3.267, embora a sensação era de uma assistência muito inferior.

Talvez a explicação esteja no borderô oficial, que apresenta um número intrigante de pagantes. Foram apenas 735, sendo 496 alvirrubros e 239 tricolores. A seguir, entraram na conta crianças (37), camarotes (312 pessoas, o que daria quase 2/3 dos alvirrubros na arquibancada – havia tudo isso?!) e, sobretudo, as cortesias. A “cortesia” é nova nomenclatura utilizada na operação para os não pagantes – o borderô feito pela direção do Náutico, no Clássico das Emoções no Nordestão, comprova a mudança.

O número de cortesias na partida, não detalhadas por setor, correspondeu a 58% do público, disparado o maior dado já registrado num clássico. Mesmo considerando a cota de ingressos autorizados ao mandante (cerca de 400) e as pessoas que trabalharam no jogo, o dado segue bem acima do razoável…

Gratuidades nos clássicos na Arena em 2017:
29/01 – Náutico 1 x 1 Santa Cruz – 1.858 (40,1% de 4.622)
05/03 – Náutico 2 x 1 Sport – 1.684 (26,2% de 6.419)
12/03 – Náutico 1 x 0 Santa Cruz – 2.350 (35,1% de 6.692)
23/04 – Náutico 1 x 1 Sport – 1.799 (9,2% de 1.9541)
06/05 – Náutico 1 x 2 Santa Cruz – 1.508 (58,1% de 2.592)
Pernambucano 2017, disputa pelo 3º lugar. Náutico 1x2 Santa Cruz. Foto: Ricardo Fernandes/DP