Arena PE ou Castelão, o 8º palco da Copa América de 2019. Resposta em dezembro

Estádios Arena Pernambuco e Castelão. Fotos: divulgação

O Brasil receberá a Copa América após trinta anos. Em 2019, o torneio volta ao país reformulado, ampliado. Serão 16 países, sendo os dez filiados da Conmebol e mais seis convidados, com possibilidade de seleções da Concacaf, como de praxe, mas também da Europa e da Ásia (que teve o Japão na disputa em 1999). Segundo reportagem do globoesporte.com, oito estádios devem ser selecionados, todos no “Padrão Fifa”, através do caderno de encargos mais atual. Sete já estariam definidos, com a última vaga sendo disputada por Recife e Fortaleza, com a Arena Pernambuco e o Castelão.

No caso local, o pedido foi protocolado pela FPF à confederação sul-americana, via CBF, em 20 de janeiro. Segundo Evandro Carvalho, o processo ainda será formalizado, aguardando ainda a formação do comitê organizador da copa. O mandatário da federação trata a capacidade (45 mil x 63 mil) como o único ponto contrário em relação à candidatura cearense.

“Pela capacidade de público, já não poderíamos receber a Seleção, que só deve ir a estádios acima de 50 mil lugares, mas estamos dentro do padrão de estrutura do torneio. E como deverá ter seleções de outros continentes, a nossa posição é estratégica, tanto em voos quanto em rede hoteleira.”

Segundo o GE, haveria “favoritismo claro” para o Castelão. Ao blog, Evandro discordou, dizendo que a “situação é a mesma”. Até mesmo pelo know-how, uma vez que os dois empreendimentos receberam, recentemente, jogos da Copa das Confederações, Mundial e Eliminatórias de 2018. A resposta, de acordo com ele, deve ser dada até o fim de 2017. O blog também entrou em contato com a administração da Arena, que deixou o caso nas mãos da FPF.

“A Arena de Pernambuco sempre busca receber os maiores eventos possíveis, dentro ou fora do cunho esportivo. (…) Em relação à Copa América, que será realizada no Brasil 2019, a Arena informa que, possíveis negociações para sedes visando esta ou outra competição, são realizadas entre as Federações e Confederações envolvidas no processo. (…)”

Palcos da Copa América no Brasil

1919  - Laranjeiras (RJ, 7 jogos) 

1922 - Laranjeiras (RJ, 11 jogos) 

1949 - São Januário (RJ, 13 jogos), Pacaembu (SP, 12 jogos), General Severiano (RJ, 2 jogos), Vila Belmiro (SP, 1 jogo) e Otacílio Negrão (MG, 1 jogo) 

1989 - Serra Dourada (GO, 10 jogos), Fonte Nova (BA, 8 jogos), Maracanã (RJ, 6 jogos) e Arruda (PE, 2 jogos)

2019 - Maracanã (RJ), Mineirão (MG), Arena Corinthians (SP), Allianz Parque (SP), Beira-Rio (RS), Mané Garrincha (DF), Fonte Nova (BA) e mais um

CBF, a entidade sem fins lucrativos com R$ 546 milhões de lucro em uma década

Sede da CBF. Crédito: CBF

A demonstração financeira da CBF sobre 2016 foi apresentada e aprovada durante a assembleia geral da entidade, em 18 de abril. E pelo décimo ano consecutivo a confederação registrou lucro no exercício. Milionário, claro. A última temporada com prejuízo foi em 2006, com R$ 22,13 milhões. E olhe que na ocasião houve um adiantamento da Isec, a International Sports Events Company, sobre os direitos dos amistosos da Seleção Brasileira por quatro anos. Desde então, ainda que a administração tenha seguido rigorosamente a mesma linha, com foco na seleção (que jogou doze vezes) em detrimento dos clubes de futebol – a não ser para se manter no poder, com três presidentes distintos -, o lucro líquido acumulado chegou a R$ 546 milhões!

Mesmo com Marco Polo del Nero sendo investigado pelo FBI e evitando sair do país para acompanhar a Seleção, segue ascendente a estrutura financeira dentro do bunker no Rio de Janeiro. O faturamento com patrocínios aumentou 21% no último ano, chegando a R$ 410 milhões, ou 68% de toda a receita. Apesar disso, o lucro foi menor, caindo 40% devido ao maior investimento nas seleções (principal, base e feminina), mas ainda assim em R$ 43.721.000. Para poucos. Por sinal, o investimento em seleções subiu 43%, enquanto no cenário nacional, com federações e competições, o acréscimo foi de 14%

O relatório financeiro da CBF sobre o ano de 2016. Crédito: CBF/reprodução

O blog encontrou os saldos dos últimos dez balanços da entidade. Se no último déficit o faturamento anual foi de R$ 99 milhões, a parti dali o aumento foi considerável, de 503%. Daí, o apego pela permanência no comando. Não por acaso, fomenta-se o apoio entre as 27 federações estaduais, cujos votos foram ampliados. Agora, cada federação tem peso 3, com os clubes da Série A tendo peso 2 e os da Série B 1. Ou seja, federações 81 x 60 clubes…

Lucro da CBF
2007 – R$ 10 milhões
2008 – R$ 32 milhões
2009 – R$ 72 milhões

2010 – R$ 83 milhões
2011 – R$ 73 milhões
2012 – R$ 55 milhões
2013 – R$ 55 milhões
2014 – R$ 51 milhões
2015 – R$ 72 milhões
2016 – R$ 43 milhões

Faturamento da CBF
2007 – R$ 114 milhões 
2008 – R$ 152 milhões
2009 – R$ 233 milhões
2010 – R$ 271 milhões
2011 – R$ 313 milhões
2012 – R$ 360 milhões
2013 – R$ 436 milhões
2014 – R$ 519 milhões
2015 – R$ 518 milhões
2016 – R$ 597 milhões

A CBF é uma “pessoa jurídica de direito privado, de caráter desportivo, sem fins lucrativos, conforme os arts. 1º e 6º do seu Estatuto”. Há tempos, luta com todas as forças para manter tal status, sem uma regulação de fato.

Brasil lidera Ranking da Fifa após 7 anos

Ranking da Fifa em abril de 2017. Crédito: Fifa/twitter

A incrível sequência de Tite, com nove vitórias em nove jogos, já é a maior arrancada de um técnico na Seleção Brasileira. E olhe que foram oito jogos pelas Eliminatórias da Copa 2018, fazendo com que o time saísse de uma situação complicada para o status de primeiro classificado, à parte do país-sede. Com isso, o Brasil voltou ao topo do Ranking da Fifa, após sete anos.

A última vez que a Canarinha havia liderado a lista mensal foi em maio de 2010, antes do Mundial na África. Ali, iniciou-se o reinado da Espanha, depois revezado com Alemanha e Argentina. Neste hiato, até países sem títulos mundiais alcançaram o topo no futebol, como as vizinhas Holanda e Bélgica.

A goleada sobre o Paraguai por 3 x 0, na Arena Corinthians, foi fundamental para ultrapassar os hermanos. Só em caso de vitória seria possível através do complexo (e questionável) sistema, com pesos diferentes aos jogos de todos os filiados – somente no último mês foram 129 partidas contabilizadas. Em abril o Brasil chegou a 151 meses de liderança, de um total de 285 desde a criação do ranking, em agosto de 1993. Ou seja, mesmo em jejum – e chegou a ser 18º em 2012 -, o time verde e amarelo já liderou em 52,9% do tempo.

Meses na liderança (entre parênteses, o primeiro mês em 1º):
Brasil – 151 (09/1993)
Espanha – 64 (07/2008)
Argentina – 26 (03/2007)
Alemanha – 18 (08/1993)
França – 14 (05/2001)
Itália – 6 (11/1993)
Bélgica – 5 (11/2015)
Holanda – 1 (08/2011)

Desempenho da Seleção Brasileira no Ranking da Fifa:

O desempenho da Seleção Brasileira no Ranking da Fifa

Diego Souza como Embaixador do Sport na Seleção, com a ajuda de Neymar

Diego Souza na concentração da Seleção Brasileira. Foto: Diego Souza/twitter (@DiegoSouzaDS87)

Convocado para dois jogos pelas Eliminatórias da Copa de 2018, Diego Souza entrou em campo nas duas partidas, mas em apenas onze minutos. À parte disto, esteve com a força máxima do Brasil, exceção feita ao lesionado Gabriel Jesus. Na concentração, na resenha com astros de Barça e Real, o meia do Sport (centroavante para Tite) seguiu o papel de “Embaixador de 87″.

Além de um vídeo exclusivo gravado para os torcedores rubro-negros da embaixada Leões de Sampa, ainda distribuiu camisas oficiais do Leão, enviadas pelo clube, aos colegas mais próximos na Seleção Brasileira. Na publicação em seu perfil no twitter, posou ao lado de Thiago Silva (PSG), Neymar (Barcelona), Paulinho (Guangzhou Evergrande) e Marcelo (Real Madrid), com o número “87″ bem visível através do camisa 10 da canarinha.

Na legenda: “Voltando pro Recife com novos reforços pro meu Leão”

Há dois dias, o blog havia postado sobre a visibilidade de Diego Souza, a partir do rendimento técnico na Seleção. Porém, esta nova visibilidade, em termos de marketing propriamente dito, segue grande, com o atleta alinhado ao Sport. Tal representatividade é importante. Daí, o Embaixador

Em 2 jogos pelas Eliminatórias, Diego Souza entra em campo em 11 minutos

Eliminatórias da Copa 2018, em 22/03/2017: Uruguai 1x4 Brasil. Foto: Lucas Figueiredo/CBF

O Brasil de Tite fez outra grande apresentação, goleando o Paraguai sem dificuldades. O 3 x 0 ficou barato, com gols de Coutinho (Liverpool), Neymar (Barça) e Marcelo (Real). A Rússia já é realidade, com a Seleção num desempenho técnico ascendente e surpreendente. A melhora pós-Dunga foi imediata. Com o novo técnico, 9 vitórias em 9 jogos, 8 pelas Eliminatórias.

Na Arena Corinthians, um viés local. Diego Souza foi acionado novamente nos minutos finais, outra vez no lugar de Firmino. Ambos disputando a reserva do centroavante titular, Gabriel Jesus, lesionado. A permanência do jogador do Sport foi modestíssima nesta passagem, com apenas onze minutos combinados. E foi até mais participativo no Centenário. Em São Paulo só teve tempo para roubar uma bola e participar de uma jogada pela ponta direita.

Porém, há um outro prisma nesta análise. Ao todo, foram 24 convocados, incluindo o lateral Mariano, chamado ao segundo jogo no lugar do suspenso Daniel Alves. Deste grupo, 16 foram acionados, com 12 entrando nos dois jogos. E neste contexto, Diego Souza. Entre os nomes que não saíram do banco, por exemplo, Diego do Flamengo. Em relação ao espaço, DS87 segue uma incógnita nos próximos jogos, amistosos ou oficiais. Ao ser acionado duas vezes, ainda que por pouco tempo, diria que a porta está mais aberta que fechada a uma nova convocação… Até como meia. E na sua opinião?

Participação de Diego Souza na Seleção em 2017
25/01 – Brasil 1 x 0 Colômbia (64 minutos, titular)
23/03 – Uruguai 1 x 4 Brasil (5 minutos, reserva)
28/03 – Brasil 3 x 0 Paraguai (6 minutos, reserva)

Escalações do Brasil nas rodadas 13 e 14 das Eliminatórias da Copa

Vs Uruguai (foto acima)
Alisson; Dani Alves, Marquinhos, Miranda e Marcelo; Casemiro; Coutinho (Willian), Paulinho, Renato Augusto (Fernandinho) e Neymar; Firmino (Diego Souza)

Vs Paraguai (foto abaixo)
Alisson; Fágner, Marquinhos (Thiago Silva), Miranda e Marcelo; Casemiro; Coutinho (Willian), Paulinho, Renato Augusto e Neymar; Firmino (Diego Souza)

Eliminatórias da Copa 2018, em 28/03/2017: Brasil 3 x 0 Paraguai. Foto: Mauro Horita/MoWA Press (cortesia)

O 3º padrão da Seleção Brasileira, jamais utilizado, fica R$ 100 mais caro em 3 anos

Novo modelo para o 3º uniforme da Seleção Brasileira (2017). Crédito: CBF/divulgação

A Seleção Brasileira conta com um terceiro uniforme oficial desde 2014. À parte das explicações publicitárias, como brasileiragem e boleiragem, o padrão extra é todo verde. Camisa, calção e meias. Outra característica é o fato de o Brasil jamais ter atuado com o modelo – pelo estatuto, nem pode. Ou seja, é voltado para a torcida, para a monetização. Produzido pela Nike, parceira da CBF desde 1996, o uniforme de 2017 chegou ao mercado por R$ 449, em sua versão principal, aquela utilizada pelos jogadores (?).

Há três anos, a camisa pioneira chegou por R$ 349. Logo, houve um aumento de R$ 100. Pesado. O blog corrigiu aquele valor através do Índice Nacional de Preços ao Consumidor, o IPCA. Hoje, a camisa custaria R$ 441,09. Cifra próxima à versão atual, cujo acréscimo foi de 2%. Ainda que isso “justifique” o novo valor, a verdade é que ambos saíram acima da realidade econômica…

O preço do 3º uniforme da Seleção
31/01/2014 – R$ 349,90
28/03/2017 – R$ 449,90

A própria versão mais barata, uma réplica com tecido pior, sai por R$ 250. O mesmo preço dos uniformes de clubes patrocinados pela marca…

Em relação aos modelos, com 2017 (acima) e 2014 (abaixo), qual o melhor?

Modelo para o 3º uniforme da Seleção Brasileira (2014). Crédito: CBF/divulgação

A visibilidade de Diego Souza na Seleção

Home do site de esportes do UOL em 27/03/2017

Visando o jogo conta o Paraguai, Tite realizou dois treinos no local da partida, a Arena Corinthians. Na última movimentação, Diego Souza acabou entre os titulares do Brasil. Neste momento, o dono da posição no ataque é Firmino, à parte da lesão de Gabriel Jesus, do Manchester City. Contudo, o atacante do Liverpool sofreu uma inflamação na garganta e acabou poupado.

Ainda que a participação de DS87 na segunda-feira não seja necessariamente uma escalação para o jogo na terça, o teste acabou ganhando destaque nos principais sites esportivos do país. O UOL e a ESPN colocaram nas respectivas manchetes. No globo.com foi a segunda chamada geral do portal.

Home do site de esportes da Globo em 27/03/2017

E assim o meia do Sport vai ganhando mais visibilidade nos principais centros, seja em sites ou mesas redondas de canais por assinatura. Reduz a imagem de uma convocação exótica, de um jogador de 31 anos em “fim de carreira”, para, simplesmente, um jogador da Seleção, avaliado e cobrado como tal.

Nas redes sociais, a preocupação de alguns torcedores rubro-negros foi com a “China”, numa brincadeira com um certo sentido. É o mercado imediato. De toda forma, o contrato vai até dezembro de 2018. A saída não seria barata…

Atualização: após o treino, Tite confirmou Firmino, mas DS deve ser utilizado

Home do site de esportes da ESPN Brasil em 27/03/2017

Com hat-trick de Paulinho e golaço de Neymar, Brasil goleia no Centenário

Eliminatórias da Copa 2018, em 22/03/2017: Uruguai 1x4 Brasil. Foto: CBF/twitter (@CBF_Futebol)

Que atuação da Seleção Brasileira! Diante do Uruguai, até então 100% nos seis jogos disputados no Centenário, o time verde e amarelo goleou por 4 x 1 e colocou um pé e meio na Copa do Mundo da Rússia. Com 30 pontos, já está dois pontos à frente da média histórica das eliminatórias sul-americanas. E este cenário não deve mudar nos cinco jogos restantes.

Em Montevidéu, com 50 mil torcedores e o velho clima de clássico, a Celeste abriu logo o placar numa penalidade convertida por Cavani. Consequência do péssimo recuo de Marcelo, que ainda cometeria outras faltas perigosas na entrada da área. Apesar da pressão e do placar desfavorável, o Brasil manteve a calma vista nesta Era Tite. Por sinal, foi a 7ª apresentação oficial sob o comando do técnico, com a 7ª vitória, um início recorde na história da Seleção. Com Neymar muito bem, avançando, driblando e distribuindo o jogo, a marcação charrúa acabou deixando espaço, como o rombo na intermediária, com a grata finalização de Paulinho, acertando o ângulo. Chute a 94 km/h.

Eliminatórias da Copa 2018, em 22/03/2017: Uruguai 1x4 Brasil. Foto: CBF/twitter (@CBF_Futebol)

Com 18 minutos, o jogo já voltava aos eixos. Controlado de tal forma pelos visitantes que Tite que sequer cogitou mudanças. Voltou do intervalo com a mesma formação, com o mesmo Paulinho aparecendo como elemento-surpresa, virando a partida após rebote de Firmino. Em vantagem, obrigando o Uruguai a se expor, a velocidade brasileira foi fatal. Sendo mais direto: a velocidade do camisa 10. Ganhando do marcador após um bico da defesa brasileira, Neymar ficou cara a cara com Martín Silva. Num curto espaço, mostrou plena frieza e categoria para encobrir o goleiro. Outro golaço na noite.

Aos 43 minutos, Diego Souza foi acionado no lugar de Firmino, O meia do Sport, utilizado na Canarinha como centroavante, atuou em apenas cinco minutos, mas se apresentou, com duas jogadas como pivô. Em campo, ainda viu Paulinho escorar um cruzamento nos descontos e encerrar a goleada. Com o hat-trick, chegou a 9 gols pelo Brasil e tornou-se o volante com mais gols pela Seleção. Deixou para trás Alemão, César Sampaio, Dunga, Emerson e Falcão, todos com 6 tentos. Fez história num estádio histórico.

Eliminatórias da Copa 2018, em 22/03/2017: Uruguai 1x4 Brasil. Foto: Lucas Figueiredo/CBF

O histórico dos 23 convocados para as Eliminatórias, com Diego Souza na lista

O primeiro treino do Brasil visando o jogo contra o Uruguai, no CT do Corinthians. Foto: Lucas Figueiredo/CBF

A CBF divulgou o perfil de todos os jogadores lembrados por Tite para os jogos contra Uruguai e Paraguai, pelas Eliminatórias da Copa 2018. O relatório (abaixo) traz o número de convocações, partidas disputadas, minutos em campo e gols marcados. Considerando os 23 nomes para as rodadas 13 e 14, segundo a diretoria de seleções da entidade, o lateral-direito Daniel Alves é o mais experiente na Canarinha, com 100 apresentações. Já Neymar é o principal artilheiro. Com 25 anos, o atacante do Barcelona já soma 50 gols pelo Brasil – Pelé, o maior goleador da Seleção, tem 77 gols em jogos oficiais.

A lista conta com Diego Souza. Aos 31 anos, o meia do Sport, chamado como atacante, tem apenas três jogos com a camisa verde e amarela, totalizando 128 minutos, metade no último amistoso, o Jogo da Amizade no Engenhão.

23/03/2017 (20h00) – Brasil  x Uruguai (Montevidéu)
28/03/2017 (21h45) – Brasil x Paraguai (Arena Corinthians)

Confira o quadro em uma resolução maior clicando aqui.

Perfil dos 23 convocados do Brasil para as rodadas 13 e 14 das Eliminatórias da Copa 2018. Crédito: CBF/reprodução

O Sport nas Eliminatórias da Copa, com a convocação dupla de Diego Souza e Mena

Diego Souza (Brasil) e Mena (Chile), do Sport. Ambos convocados para as Eliminatórias da Copa 2018. Crédito: Sport/instagram (@sportrecife)

Pela primeira vez, o Sport cedeu dois jogadores simultaneamente para as Eliminatórias da Copa do Mundo. Trilando a rota para a Rússia, Diego Souza e Mena foram chamados por Tite e Pizzi. Vão defender as seleções do Brasil e do Chile nas rodadas 13 e 14 do qualificatório da Conmebol, no qual os dois países aparecem na zona de classificação direta ao Mundial. O ineditismo da convocação foi destacado pelo próprio Leão da Ilha, com “o Sport é Seleção”.

Na história rubro-negra, já são oito jogadores convocados às Eliminatórias. Na Canarinha, por exemplo, são três nomes, sendo o único clube da região a ceder atletas. Considerando outras bandeiras, a edição para 2018 tornou-se a mais prolífica, com três jogadores, já que o costa-riquenho Rodney Wallace já havia sido lembrado também, durante a sua passagem em 2016. Das últimas cinco seletivas, o clube cedeu jogadores em quatro. Disputas na Conmebol, Concacaf e na CAF, a confederação africana. No geral, 13 partidas.

Confira o histórico dos clubes pernambucanos nas Eliminatórias aqui.

Copa do Mundo 2002, Coreia do Sul e Japão (2 atletas, 3 jogos)
Bosco (goleiro, Brasil)

08/10/2000 – Brasil 6 x 0 Venezuela (Maracaibo)
15/11/2000 – Brasil 1 x 0 Colômbia (Morumbi)

Leomar (volante, Brasil)
25/04/2001 – Brasil 1 x 1 Peru (Morumbi) 

Copa do Mundo 2010, África do Sul (2 atletas, 3 jogos)
Juan Arce (atacante, Bolívia)
05/09/2009 – Bolívia 0 x 1 Paraguai
09/09/2009 – Bolívia 1 x 3 Equador

Hamilton* (volante, Togo)
06/09/2009 – Togo 1 x 1 Marrocos
Teve problemas na documentação e não atuou 

Copa do Mundo 2014, Brasil (1 atleta, 1 jogo)
Chumacero (volante, Bolívia)
10/09/2013 – Bolívia 1 x 1 Equador

Copa do Mundo 2018, Rússia (3 atletas, 6 jogos)
Rodney Wallace (lateral-esquerdo, Costa Rica)
02/09/2016 – Costa Rica 1 x 0 Haiti
06/09/2016 – Costa Rica 3 x 1 Panamá

Diego Souza (meia-atacante, Brasil)
23/03/2017 – Brasil  x Uruguai (Montevidéu)
28/03/2017 – Brasil x Paraguai (Arena Corinthians)

Mena (lateral-esquerdo, Chile)
23/03/2017 – Argentina x Chile (Buenos Aires)
28/03/2017 – Chile x Venezuela (Santiago)