Podcast – Análise dos empates do Santa Cruz no Arruda e do Náutico no Rei Pelé

Série B 2017, 30ª rodada: Santa Cruz 2 x 2 Oeste (Ricardo Fernandes/DP) e CRB 2 x 2 Náutico (Léo Lemos/Náutico)

Tricolores e alvirrubros empataram na 30ª rodada da Série B, cada um com sua característica, trilhando caminhos complicados para a permanência na competição em 2018. O 45 minutos comentou as duas partidas em gravações exclusivas, nas questões técnica e tática, se estendendo às análises individuais. Terminando, claro, com as respectivas situações na tabela, num debate à parte, mais longo, se estendendo a todos os times na briga contra o rebaixamento. Ao todo, 148 minutos de podcast. Estou nessa. Ouça!

17/10 – Santa Cruz 2 x 2 Oeste (31 min)

17/10 – Náutico 2 x 2 CRB (25 min)

Debate sobre a briga contra o rebaixamento na Segundona (1h32 min)

Classificação da Série B 2017 – 30ª rodada

A classificação da 30ª rodada da Série B de 2017. Crédito: Superesporte2

Dois resultados idênticos, mas com construções e sentimentos distintos entre os representantes pernambucanos durante a “terça-feira cheia” da segundona. A avaliação sobre o empate coral no Arruda e o empate timbu no Rei Pelé segue a partir da classificação, ruim para ambos. No Santa, a chance desperdiçada numa conta interna de cinco vitórias nos cinco jogos como mandante para conseguir escapar da queda. Hoje, se vê mais pressionado do que nunca, inclusive com a 18ª posição já ameaçada! Pois é, ameaçada pelo rival Náutico, que, durante um instante nesta rodada, chegou a ficar à frente. Mas, após lutar o jogo inteiro e ficar em vantagem, coisa que o tricolor não conseguiu, tomou um gol aos 40 do segundo tempo, numa falha do goleiro após cobrança de lateral. Um reflexo da campanha complicada.

Resultados da 30ª rodada
Londrina 1 x 0 Figueirense
Guarani 1 x 1 ABC
Boa Esporte 0 x 0 Internacional
Santa Cruz 2 x 2 Oeste
Criciúma 0 x 1 Vila Nova
Brasil 0 x 0 América-MG
Ceará 1 x 0 Paraná
CRB 2 x 2 Náutico
Luverdense 1 x 1 Paysandu
Goiás 1 x 0 Juventude 

Balanço da 30ª rodada
3V dos mandantes (9 GP), 6E e 1V dos visitantes (7 GP)

Agenda da 31ª rodada (horários do Recife)
20/10 (18h15) – Guarani x Juventude (Brinco de Ouro), SporTV*
20/10 (19h30) – Náutico x ABC (Lacerdão)
20/10 (19h30) – CRB x Boa Esporte (Rei Pelé)
20/10 (20h30) – Ceará x Figueirense (Castelão), SporTV*
21/10 (15h30) – Criciúma x Internacional (Heriberto Hulse), SporTV*
21/10 (16h30) – Vila Nova x Oeste (Serra Dourada)
21/10 (16h30) – Londrina x Paysandu (Estádio do Café)
21/10 (16h30) – Brasil x Santa Cruz (Bento Freitas)
21/10 (18h00) – América-MG x Paraná (Independência), SporTV*
21/10 (20h00) – Luverdense x Goiás (Passo das Emas)
* Considerando as transmissões para o Recife, fora o Premiere (PPV)

No Rei Pelé, Náutico fica em vantagem duas vezes, mas cede empate ao CRB

Série B 2017, 30ª rodada: CRB 2 x 2 Náutico. Foto: Léo Lemos/Náutico/comunicação

O Náutico esteve muito próximo da vitória em Maceió. O empate em 2 x 2 pode ter quebrado algumas estatísticas negativas do time sob o comando de Roberto Fernandes na condição de visitante, como os primeiros gols e o primeiro ponto, mas é inegável a frustração sobre reação brecada no finzinho.

No primeiro tempo, o CRB foi bem melhor, pressionando bastante, forçando a bola aérea. Jefferson se mostrava atento mais uma vez, com outros lances raspando a trave. Mesmo esfacelado na escalação, o visitante foi organizado. E numa rara chegada do inconstante Suelinton saiu o primeiro gol. Bateu de fora da área, sem tanta força, mas o goleiro Edson Koll, ex-Santa, falhou bisonhamente. Àquela altura, o timbu ultrapassava o rival tricolor, que perdia no Arruda. Seria a noite perfeita. Contudo, antes do intervalo, João Paulo empatou num golaço. Trabalhar o empate ou se arriscar? Nesta dúvida, some a pressão sobre o mandante, também ameaçado (apesar de bem menos).

Série B 2017, 30ª rodada: CRB 2 x 2 Náutico. Crédito: Premiere/reprodução

Daí, a conclusão sobre uma troca de passe mais apurada para chegar à frente. E o Náutico conseguiu bastante, fazendo um jogo bem melhor na segunda etapa, atuando no campo do CRB. Até conseguiu marcar de novo, com Bruno Mota escorando um cruzamento – segundo jogo seguido com o meia balançando as redes. Na ocasião, o cronômetro já marcava 36 minutos, com o time pernambucano suportando bem a pressão. Até a fatalidade.

Aos 40, numa cobrança de lateral, Jefferson saiu muito mal e a bola escapou. Eram seis jogadores de linha na área, mas a bola sobrou para Neto Baiano. O time parecia tão focado na vitória que depois disso ainda teve duas chances, uma delas num gol (corretamente) anulado. Numa campanha regular, o resultado estaria de bom tamanho. Para quem precisa, a todo custo, vencer ao menos um jogo fora, foi uma baita chance desperdiçada…

Timbu como visitante com Roberto Fernandes (0V, 1E e 5D, com 5%)
11/08 – (20ª) Náutico 0 x 1 América (Independência, MG)
25/08 – (22ª) Náutico 0 x 1 Ceará (Presidente Vargas, CE)
16/09 – (24ª) Náutico 0 x 1 Oeste (Arena Barueri, SP)
26/09 – (26ª) Náutico 0 x 3 Paraná (Durival Britto, PR)
06/10 – (28ª) Náutico 0 x 2 Goiás (Serra Dourada, GO)
17/10 – (30ª) Náutico 2 x 2 CRB (Rei Pelé, AL)

Série B 2017, 30ª rodada: CRB 2 x 2 Náutico. Foto: Léo Lemos/Náutico/comunicação

Penalty produz a bola do Campeonato Pernambucano pelo 11º ano seguido

A bola oficial do Campeonato Pernambucano de 2018. Foto: FPF/divulgação

A Penalty irá produzir a bola oficial do Campeonato Pernambucano pelo 11º ano consecutivo. Após substituir a Dray, fornecedora em 2007, a fabricante firmou um duradouro acordo com a federação. Inicialmente, apresentou a sua bola mais tradicional no mercado, com oito gomos. No futebol local, esse modelo foi utilizado durante nove edições. A mudança aconteceu em 2017, com a pelota de onze gomos, o mesmo modelo para o Estadual de 2018. Ou seja, trata-se de uma atualização da S11 Campo Pró, com gomos em formatos distintos e, desta vez, o rosa como cor dominante (e novidade).

Versões da bola oficial do Campeonato Pernambucano, via Penalty
2008 – Bola 8 (15 estaduais)
2009 – Bola 8 (14 estaduais)
2010 – Bola 8 (15 estaduais)
2011 – Bola 8 (15 estaduais)
2012 – S11 Campo Pró (11 estaduais)
2013 – S11 Campo Pró (11 estaduais)
2014 – S11 Campo Pró (11 estaduais)
2015 – S11 Campo Pró (16 estaduais)
2016 – Bola 8 (11 estaduais)
2017 – S11 Campo Pró (10 estaduais)
2018 – S11 Campo Pró (nº de competições a definir)

A nova bola será utilizada em outros campeonatos estaduais, com a empresa negociando os direitos com cada federação. No torneio promovido pela FPF, o modelo rosa vai a campo em 61 partidas. Como ocorre desde 2013, a decisão deve contar com uma bola exclusiva, no caso os jogos 62 e 63.

As bolas anteriores do Estadual: 20112012201320142015, 2016 e 2017.

Podcast – A análise da vitória do Náutico em Caruaru e da derrota do Santa em SC

Série B 2017, 29ª rodada: Náutico 2 x 0 Guarani (Léo Lemos/Náutico) e Figueirense 2 x 1 Santa Cruz (Luiz Henrique/Figueirense)

Em mais uma apresentação no Lacerdão, o Náutico se manteve vivo na Série B. Derrubou um concorrente direto, que estreava Lisca no comando – embora ele não tenha ficado na área técnica. Em Santa Catarina, também num confronto direto, o Santa perdeu a 3ª seguida, sendo superado por Milton Cruz, outro treinador conhecido do futebol local. O 45 minutos comentou as duas partidas da 29ª rodada em gravações exclusivas, nas questões técnica e tática, se estendendo às análises individuais. Terminando, claro, com as respectivas situações na tabela. Ao todo, 72 minutos de podcast. Ouça!

14/07 – Figueirense 2 x 1 Santa Cruz (39 min)

14/07 – Náutico 2 x 0 Guarani (33 min)

Classificação da Série B 2017 – 29ª rodada

A classificação da 29ª rodada da Série B de 2017. Crédito: Superesporte2

Sentimentos bem distintos entre os representantes pernambucanos após a 29ª rodada da Série B. Em Florianópolis, o tricolor perdeu a terceira partida seguida. Com isso, manteve a distância de cinco pontos sobre o 16º colocado. Pior: ainda viu a aproximação do rival. Também no sábado, mas já à noite, o alvirrubro venceu o bugre paulista, tirando três pontos de diferença sobre o primeiro time fora da zona de rebaixamento, justamente o adversário em Caruaru. Apesar da esperança alimentada, ainda são oito pontos para fugir.

Agora, a Segundona terá uma ‘terça-feira cheia’, que pode indicar os caminhos de Santa e Náutico em relação à próxima temporada. O tricolor precisa de pelo menos cinco vitórias para escapar. Como ainda tem cinco jogos em casa, o restante da confiança está depositada aí. A série ‘começa’ agora, contra o Oeste. Já o timbu enxerga no CRB a possibilidade de finalmente voltar a pontuar como visitante (perdeu os últimos cinco jogos disputados fora de casa). Tem bola pra isso? Rodada quente…

Resultados da 29ª rodada
Internacional 1 x 0 Brasil
Paysandu 0 x 0 CRB
Paraná 2 x 1 Criciúma
Juventude 0 x 2 Londrina
Figueirense 2 x 1 Santa Cruz
América 2 x 1 Luverdense
Vila Nova 0 x 0 Goiás
ABC 1 x 0 Boa Esporte
Oeste 0 x 1 Ceará
Náutico 2 x 0 Guarani 

Balanço da 29ª rodada
6V dos mandantes (10 GP), 2E e 2V dos visitantes (6 GP)

Agenda da 30ª rodada
17/10 (19h15) – Londrina x Figueirense (Estádio do Café)
17/10 (19h15) – Guarani x ABC (Brinco de Ouro), SporTV*
17/10 (19h15) – Boa Esporte x Internacional (Dilzon Melo)
17/10 (20h30) – Santa Cruz x Oeste (Arruda)
17/10 (20h30) – Criciúma x Vila Nova (Heriberto Hulse)
17/10 (20h30) – Brasil x América (Bento Freitas)
17/10 (20h30) – Ceará x Paraná (Castelão)
17/10 (21h30) – CRB x Náutico (Rei Pelé)
17/10 (21h30) – Luverdense x Paysandu (Passo das Emas)
17/10 (21h30) – Goiás x Juventude (Serra Dourada), SporTV*
* Considerando as transmissões para o Recife, fora o Premiere (PPV)

Náutico vence Guarani e reduz diferença ao 16º lugar para 8 pontos. Esperança?

Série B 2017, 29ª rodada: Náutico 2 x 0 Guarani. Foto: Léo Lemos/Náutico

Como visitante, o alvirrubro acumula cinco derrotas em cinco jogos com Roberto Fernandes. Sequer balançou as redes. Já como mandante, o desempenho nas mãos do técnico é de imposição. Em seis jogos são cinco vitórias – o único revés foi justamente diante do líder da Série B, o Inter. Por isso, exclusivamente por isso, se mantém na briga contra o rebaixamento.

Contra o Guarani, um adversário direto nesta disputa, o alvirrubro foi melhor num jogo bem disputado, embora nivelado por baixo. No Lacerdão, com o time atuando com o ataque formado por Dico (esquerda), William (centralizado) e Rafinha (direta), o placar foi construído com um gol em cada tempo, 2 x 0. Em ambos, cruzamentos de Dico. O primeiro numa bola aérea alcançada por Rafinha, de cabeça, aos 11/1T. O segundo num passe rasteiro, na medida, para Bruno Mota, aos 35/2T. O meia, aliás, foi um capítulo à parte no jogo.

Série B 2017, 29ª rodada: Náutico 2 x 0 Guarani. Foto: Luís Prates/divulgação (@luisf_prates)

Bruno chegou a ser afastado por indisciplina, sendo devolvido pelo clube detentor dos seus direitos econômicos, o Atlético-PR. Após se desculpar com o técnico e com o grupo, foi reintegrado na véspera. Em Caruaru, entrou pouco depois do intervalo, no lugar de William. Melhorou o toque de bola da equipe e a organização do meio pra frente. Se mantiver o foco, tendo a ser uma peça importante nesta reta final – sobretudo num elenco tão esfacelado.

Com o resultado, o Náutico renova o ânimo numa semana importantíssima. Enfrentará CRB (terça, fora) e ABC (sexta, em casa), concorrentes em maior e menor grau. Ainda distante, mesmo com o hiato em relação ao 16º colocado caindo de 11 para 8 pontos, o time segue jogo a jogo… E segue vivo.

Timbu como mandante sob o comando de Roberto Fernandes (5v-0e-1d)
19ª) Náutico 1 x 0 Luverdense (Arena PE)
21ª) Náutico 2 x 0 Figueirense (Arena PE)
23ª) Náutico 1 x 0 Brasil (Arena PE)
25ª) Náutico 0 x 1 Internacional (Lacerdão)
27ª) Náutico 2 x 0 Boa Esporte (Lacerdão)
29ª) Náutico 2 x 0 Guarani (Lacerdão)

Série B 2017, 29ª rodada: Náutico 2 x 0 Guarani. Foto: Léo Lemos/Náutico

O calendário simultâneo do Campeonato Pernambucano e do Nordestão em 2018

Os modelos dos troféus de 2018 no Campeonato Pernambucano e na Copa do Nordeste

Em 29 de setembro, a CBF divulgou o calendário nacional de 2018, adiando em uma semana a versão com a agenda nordestina. Após uma consulta junto à Fifa, a entidade conseguiu a autorização para realizar as Séries B, C e D e o Nordestão durante a Copa do Mundo. Só assim, furando a paralisação geral no futebol, para conseguir fechar a tabela. No viés local, o Campeonato Pernambucano e a Copa do Nordeste estão agendados de forma parcialmente paralela, com o estadual começando depois e terminando (bem) antes do regional. Outro ponto é que, como ocorre desde a volta da Lampions ao calendário oficial, em 2013, o Estadual demanda mais datas que o autorizado. Ou seja, calendário mais imprensado. Náutico, Salgueiro e Santa, que estão nos dois torneios, poderão jogar até 26 partidas, considerando as fases principais – e olhe que o timbu ainda terá a fase preliminar, com dois jogos.

Vale lembrar que a confederação liberou 18 datas para os estados sem copas regionais. Ou seja, a defasagem local em relação a esses centros é de oito datas! Não por acaso, há risco de jogos em intervalos mínimos – em 2017, o Sport atuou no Estadual e no Nordestão num hiato de 26 horas, abaixo do mínimo permitido, usando times distintos. Tão bizarro quanto foi o atraso de 52 dias na final pernambucana, adiada duas vezes. Desta vez, o cronograma prevê a decisão em 8 de abril, uma semana antes do Brasileiro. A conferir.

As 12 datas reservadas para a Copa do Nordeste
Fase de grupos (6): 17/01, 31/01, 14/02, 11/03, 21/03 e 28/03
Quartas de final (2): 02/05 e 23/05
Semifinal (2): 19/06 e 26/06
Final (2): 03/07 e 10/07  

Obs. Uma data da fase de grupos (31/01) foi uma ‘concessão’ da CBF, que cedeu um dos dias da Copa do Brasil. A contrapartida veio na fase decisiva, com os confrontos eliminatórios começando com o Campeonato Brasileiro (A e B) já em andamento. Semifinais e finais ocorrem durante o Mundial.

As 12 datas reservadas para o Campeonato Pernambucano
Turno + mata-matas (agenda indefinida): 21/01, 24/01, 28/01, 04/02, 18/02, 25/02, 04/03, 07/03, 18/03, 25/03, 01/04 e 08/04 

Obs. Ainda há uma data vaga, 10/02, mas trata-se do sábado de carnaval. Caso a FPF não queira abrir mão, uma solução pode ser o agendamento dos jogos do Trio de Ferro no interior. Caso não, tendo apenas doze datas, a federação terá que se mexer para encontrar mais três, provavelmente em brechas da Copa do Brasil – não poderia ser no Nordestão, em caso de eliminações locais, pois o mata-mata regional só começa em maio.

Eis os nº de datas nas fases principais do PE e do PE nos últimos 6 anos:

Calendário 2018
Pré-temporada de 14 dias  

Pernambucano – 13* datas (precisa de 15; turno, quartas, semi e final**)
Entre 21/01 e 08/04 (11 clubes, 63 jogos em 78 dias)
* Considerando a data extra durante o carnaval
** O campeão disputa 14 jogos. Na 1ª fase, cada time folga 1 das 11

Nordestão – 12 datas (fase de grupos, quartas, semi e final)
Entre 17/01 e 10/07 (16 clubes; 62 jogos em 175 dias)
Representantes locais: Salgueiro, Santa Cruz e Náutico (Sport desistiu)

Estados fora do Nordeste – 18 datas

Calendário 2017
Pré-temporada de 25 dias 

Pernambucano – 12 datas (precisou de 14; hexagonal, semi e final)
Entre 28/01 e 28/06 (6 clubes; 38 jogos em 152 dias*)
* A final ocorreu 52 dias após a data mínima programada, em 07/05 

Nordestão – 12 datas (fase de grupos, quartas, semi e final)
Entre 24/01 e 24/05 (20 clubes; 74 jogos em 121 dias)
Representantes locais: Santa Cruz, Sport e Náutico

Estados fora do Nordeste – 18 datas

Calendário 2016
Pré-temporada de 25 dias 

Pernambucano – 13 datas (precisou de 14; hexagonal, semi e final)
Entre 31/01 e 10/05 (6 clubes; 38 jogos em 101 dias*)
* Até a decisão de 3º lugar, disputada um dia após a final 

Nordestão – 12 datas (fase de grupos, quartas, semi e final)
Entre 13/02 e 01/05 (20 clubes; 74 jogos em 79 dias)
Representantes locais: Santa Cruz, Salgueiro e Sport

Estados fora do Nordeste – 19 datas

Calendário 2015
Pré-temporada de 25 dias 

Pernambucano – 12 datas (precisou de 14; hexagonal, semi e final)
Entre 31/01 e 03/05 (6 clubes; 38 jogos em 93 dias) 

Nordestão – 12 datas (fase de grupos, quartas, semi e final)
Entre 03/02 e 29/04 (20 clubes; 74 jogos em 86 dias)
Representantes locais: Sport, Náutico e Salgueiro

Estados fora do Nordeste – 19 datas

Calendário 2014
Pré-temporada de 10 dias 

Pernambucano – 12 datas (precisou de 14; hexagonal, semi e final)
Entre 09/02 e 23/04 (6 clubes; 38 jogos em 74 dias) 

Nordestão – 12 datas (fase de grupos, quartas, semi e final)
Entre 17/01 e 09/04 (16 clubes; 62 jogos em 83 dias)
Representantes locais: Santa Cruz, Sport e Náutico 

Estados fora do Nordeste – 21 datas

Calendário 2013
P
ré-temporada de 17 dias 

Pernambucano – 11 datas (precisou de 15; turno, semi e final)
Entre 23/02 e 12/05 (12 clubes; 74 jogos em 79 dias) 

Nordestão – 12 datas (fase de grupos, quartas, semi e final)
Entre 19/01 e 17/03 (16 clubes; 62 jogos em 58 dias)
Representantes locais: Santa Cruz, Sport e Salgueiro

Estados fora do Nordeste – 23 datas

Os maiores artilheiros do Nordeste no Brasileirão, com Jorge Mendonça, Ramon e Diego Souza à frente no Trio de Ferro

Jorge Mendonça (Náutico), Ramon (Santa Cruz) e Diego Souza (Sport)

Na história do Campeonato Brasileiro, considerando o período a partir de 1971, alguns nomes se firmaram no futebol nordestino pelo poder de fogo país afora. Três deles chegaram terminar a competição na liderança da artilharia atuando em clubes da região. No caso, Ramon no Santa (1973), Charles no Bahia (1990) e Diego Souza no Sport (2016). Ao todo, dez clubes já tiveram goleadores com ao menos dez tentos numa edição, sendo 3 em PE, 2 na BA, CE e RN e 1 na PB. Ampliando o histórico em todas as temporadas, seis grandes clubes da região já tiveram jogadores com mais de vinte gols. São scores representativos, com o levantamento exposto aqui no blog.

Dados atualizados até 12/10/2017

Os maiores artilheiros dos clubes do NE em todas as edições da Série A:

Santa Cruz (+20)
39 – Ramon (1971-1975)
37 – Nunes (1975-1978)
33 – Luciano Veloso (1971-1974)
32 – Betinho (1971-1980)
29 – Fumanchu (1975-1978)

Bahia (+20)
37 – Douglas (1972-1980)
32 – Nonato (2000-2003)
21 – Beijoca (1975-1978) e Charles (1988-1990)
20 – Cláudio Adão (1986-1991)

Vitória (+20)
36 – Allan Delon (2000-2004)
32 – Dinei (2008-2014)
31 – André Catimba (1972-1975)

Sport (+20)
34 – Diego Souza (2014-2017)
33 – Leonardo (1994-2000)
23 – André (2015-2017)
21 – Miltão (1975-1978), Roberto Coração de Leão (1978-1982) e Marcelo Rocha (1994-1996)

Náutico (+20)
31 – Jorge Mendonça (1973-1975)
30 – Baiano (1983-1986)
24 – Bizu (1989-1991)
23 – Felipe (2007-2008)

Fortaleza (+20)
27 – Rinaldo (2005-2006)
21 – Geraldino (1973-1984)

Os maiores artilheiros dos clubes do NE em uma edição da Série A:

Santa Cruz (+10 gols)
21 gols – Ramón (1973)
14 gols – Nunes (1977)
13 gols – Grafite (2016)
12 gols – Nunes (1978) e Luizinho Vieira (2001)
11 gols – Fumanchu (1978) e Róbson (2000)

10 gols – Luciano Veloso (1973 e 1974), Fumanchu (1977) e Keno (2016)

Vitória (+10 gols)
19 gols – Obina (2004)
16 gols – Dinei (2013)
15 gols – Roger (2009)
14 gols – Petkovic (1998) e Allan Delon (2000)
13 gols – André Catimba (1974)
12 gols – André Catimba (1973) e Marinho (2016)
11 gols – Maxi Biancucchi (2013) e Allan Delon (2001)
10 gols – Claudinho (1993), Tuta (1999), Aristizábal (2002) e Nádson (2003)

Náutico (+10)
19 gols – Acosta (2007)
14 gols – Jorge Mendonça (1974)
13 gols – Felipe (2008) e Kieza (2012)
12 gols – Miradinha (1983) e Carlinhos Bala (2009)
11 gols – Jorge Mendonça (1975) e Baiano (1983)

10 gols – Bizu (1989 e 1991) e Felipe (2007)

Bahia (+10 gols)
18 gols – Cláudio Adão (1986)
15 gols – Fernandão (2013)
14 gols – Douglas (1978)
13 gols – Guga (1997)
12 gols – Beijoca (1978)
11 gols – Charles (1990), Nonato (2003) e Souza (2011)
10 gols – Everaldo (1973), Marinho (1985), Róbson (2001) e Nonato (2001 e 2002)

Fortaleza (+10 gols)
16 gols – Rinaldo (2005)
13 gols – Vinícius (2003)
11 gols – Rinaldo (2006)
10 gols – Marciano (1973)

Sport (+10 gols)
14 gols – Luís Carlos (1984) e Diego Souza (2016)
13 gols – Leonardo (2000), Taílson (2000), Carlinhos Bala (2007) e André (2015)
12 gols – Dario (1975) e Mauro (1978)
11 gols – Marcelo Rocha (1995) e Roger (2008)
10 gols – Luís Müller (1996) e André (2017)

Botafogo-PB (+10 gols)
12 gols – Anselmo (1978)

ABC (+10 gols)
12 gols – Arildo (1985)

Ceará (+10 gols)
11 gols – Petróleo (1986)
10 gols – Jorge Costa (1973), Ramón (1982), Volnei (1985) e Felipe Azevedo (2011)

América-RN (+10 gols)
10 gols – Pedrada (1975)

Os maiores artilheiros de cada clube na Série A (+30 gols)

181 – Vasco (Roberto Dinamite, 1971-1992)
139 – Flamengo (Zico, 1971-1989)
108 – São Paulo (Luís Fabiano, 2001-2015)
91 – Fluminense (Fred, 2009-2016)
89 – Atlético-MG (Reinaldo, 1973-1983)
78 – Grêmio (Tarciso, 1973-1985)
69 – Botafogo (Túlio, 1994-2000)
57 – Internacional (Valdomiro, 1971-1982)
54 – Santos (Neymar, 2009-2013)
52 – Corinthians (Marcelinho Carioca, 1994-2000)
50 – Atlético-PR (Kléber Pereira, 1999-2002)
48 – Goiás (Túlio, 1988-1992)
46 – Portuguesa (Enéas, 1972-1979)
45 – Cruzeiro (Marcelo Ramos, 1995-2001)
41 – Palmeiras (Leivinha, 1971-1975)
39 – Santa Cruz (Ramon, 1971-1975)
37 – Bahia (Douglas, 1972-1980)
36 – Guarani (Careca, 1978-1982), Vitória (Allan Delon, 2000-2004) e Paysandu (Róbson, 2003-2005)

34 – Ponte Preta (Washington, 2001-2002) e Sport (Diego Souza, 2014-2017)
33 – Coritiba (Zé Roberto, 1972-1974) e Remo (Alcino, 1972-1975)
31 – Náutico (Jorge Mendonça, 1973-1975)

A tabela da Copa do Nordeste de 2018, com a final durante o Mundial da Rússia

O troféu da Copa do Nordeste de 2018. Foto: Douglas Lunardi/CBF

A Confederação Brasileira de Futebol divulgou a tabela básica da Copa do Nordeste de 2018, que terá 16 clubes dos nove estados na fase principal. Serão 48 partidas nesta fase, composta por quatro grupos (abaixo), e mais 14 no mata-mata. Segundo o regulamento, os dois melhores de cada chave avançam às quartas. Depois, duelos eliminatórios em ida e volta até a posse da orelhuda dourada. A seguir, a agenda completa do regional, que ocorrerá em parte paralelamente ao Campeonato Pernambucano, ainda sem tabela.

Os grupos da Lampions
A – Santa Cruz, CRB, Confiança e Treze/Cordino
B – Vitória, ABC, Ferroviário-CE e Globo-RN
C – Bahia, Botafogo-PB, Altos-PI e Itabaiana/Náutico
D – Ceará, Sampaio Corrêa, Salgueiro e CSA

Em relação às datas, o cenário é preocupante, com o torneio se estendendo até julho, durante a Copa do Mundo, a ser disputada entre 14 de junho e 15 de julho. Pois é, a decisão nordestina acontecerá em 10 de julho, no mesmo dia de uma das semifinais do torneio na Rússia, em São Petersburgo. E a esta altura, o Brasileiro (A e B) já estará na 12ª rodada – começa em meados de abril. Portanto, quem for longe no Nordestão terá missões paralelas de peso.

Datas reservadas para as fases da Lampions
Fase de grupos (6): 17/01, 31/01, 14/02, 11/03, 21/03 e 28/03
Quartas de final (2): 02/05 e 23/05
Semifinal (2): 19/06 e 26/06
Final (2): 03/07 e 10/07

O futebol pernambucano será representado por Salgueiro (vice estadual), Santa Cruz (3º lugar) e Náutico (4º). O carcará estreia no Sertão contra o Ceará, enquanto o tricolor viaja até Aracaju para pegar o Confiança. Caso passe da fase preliminar, o alvirrubro jogaria contra o Altos como mandante. Lembrando que o Sport, campeão estadual em 2017, abdicou da vaga se queixando da premiação do Nordestão, com R$ 22,4 milhões em cotas, e do calendário. No segundo quesito, o clube parece ter um pingo de razão…

Veja o regulamento, já com o critério de classificação de 2019, clicando aqui.