Ramón, 148 gols e 50 anos de Santa Cruz

Ramón no Santa Cruz, já na reta final da carreira, no início dos anos 1980. Foto: Santa Cruz/site oficial

Vindo de Usina Trapiche, na zona rural de Sirinhaém, Ramón chegou ao Arruda ainda na adolescência. Já mostrando o faro de gols que o eternizaria no clube. Nos idos de 1967, com 17 anos e ainda no time juvenil, ele ganhou a primeira chance para treinar contra a equipe profissional do Santa Cruz. Com apenas cinco minutos de movimentação, segundo a própria memória, aproveitou uma sobra na marca do pênalti e mandou de bico, estufando as redes. Não demoraria a ser integrado no time principal, onde brilharia intensamente.

Pelo tricolor, marcou 148 gols, sendo 21 deles no Brasileirão de 1973, onde tornou-se o primeiro artilheiro atuando em um clube nordestino. De fato, viveu a era de ouro do clube nos gramados. É o 3º maior goleador da história coral, só abaixo de Tará e Luciano Veloso. Este, aliás, tornou-se um amigo, companhia constante nas cadeiras pretas do Mundão, onde ainda acompanha o Santa, 50 anos depois e já como conselheiro. No aniversário de 67 anos de Ramón, o Santa disponibilizou uma entrevista com o ídolo e suas histórias. Tem bastante.

Maiores artilheiros do Santa Cruz*
207 gols- Tará (1931-1948)
174 gols – Luciano Veloso (1968-1975)
148 gols – Ramón (1967-1983)
143 gols – Betinho (1971-1980)
123 gols – Fernando Santana (1967-1976)
* Segundo o acervo de Carlos Celso Cordeiro

Atlético-PR x Coritiba, o clássico inovador com transmissão no Youtube e Facebook

Atlético-PR x Coritiba com transmissão liberada no Youtube e no Facebook. Crédito: CAP/divulgação

O maior clássico do futebol do Paraná pode ser um marco na exibição de jogos envolvendo grandes clubes do país. Sem acordo para o Estadual com a RPC, a afiliada da Globo no estado, os clubes decidiram transmitir o primeiro clássico em 2017, na Arena da Baixada, em seus perfis oficiais nas redes sociais.

Youtube: tvatleticopr e coritibaoficial, com 58 mil inscritos
Facebook: atleticopr e coritibaoficial, com 1,17 milhão de inscritos

Após o aumento milionário dos contratos do Paulistão, Carioca, Mineiro e Gaúcho, com cotas de R$ 11 mi a R$ 17 milhões, a dupla atletiba esperava uma valorização no seu torneio, o que não ocorreu. Em 2016, os clubes receberam R$ 2 milhões pelo Estadual – metade do valor pago neste ano ao Madureira do Rio, por exemplo. Assim, se acertaram com o youtube, que não cobrou pela transmissão ao vivo. Tendo cuidado com o produto, os clubes formaram uma equipe com narrador, comentarista e repórteres de campo (uma de cada clube). 

Abaixo, o blog disponibiliza o streaming, às 16h40 deste 19/02, numa ousada movimentação dos clubes na negociação. No Recife, o contrato vigente se encerra em 2018. Será que Náutico, Santa Cruz e Sport chegariam a tanto?

Com marca própria, Santa lança camisa especial para o sócio adimplente em 2017

Camisa especial para o sócio do Santa Cruz em 2017. Crédito: Loja Cobra Coral/instagram (@cobracoraloficial)

O departamento de marketing do Santa Cruz lançou uma camisa exclusiva para o sócio do clube, à parte do contrato com a Penalty, fornecedora do time principal. O modelo, com o número 14, em alusão ao ano de fundação, é a primeira da marca criada pelo tricolor, “Santa Forte”, o mesmo nome da nova campanha de sócios. Outros clubes do país vêm produzindo modelos próprios, com destaque para o Paysandu, que criou até uma linha de uniformes oficiais.

Com isso, o clube assume a criação, a produção e a entrega dos produtos.

Marca própria do Santa Cruz, a "Santa Forte"

No caso tricolor, trata-se de uma produção pontual, à venda na loja Cobra Coral, por R$ 129, e com direito à vídeo oficial de apresentação. Inicialmente, uma produção focada em valorizar o sócio adimplente, cujo quadro hoje tem apenas 6.003 pessoas – a meta é terminar o ano com 20 mil titulares. Na visão do blog, o design poderia ser incorporado até nos jogos. Neste caso, obviamente, o padrão do futebol teria que ser fabricado pela Penalty, sob contrato até 2018.

Tricolor, o que você achou do modelo especial e da ideia de marca própria?

Os bastidores da pré-temporada do Sport

O Sport vem consolidando a sua pré-temporada dentro de sua própria estrutura, com campos em bom estado e departamento de fisiologia à disposição no Centro de Treinamento de Paratibe. Além do alojamento, com os jogadores dormindo no local. A partir disso, a TV Sport, numa produção de Lucas Fitipaldi, registrou um dia do elenco leonino (17 de janeiro de 2017), bem além dos treinos.

Num divertido vídeo de 12 minutos é possível conferir a resenha típica dos jogadores de futebol, com dominó (batida cruzada de Neto Moura), música (Samuel Xavier no violão), videogame (Rogério no Fifa) e até disputa de carnaval (Recife ou Salvador?). Há também a seriedade de Durval…

Sem amistoso na pré-temporada, Náutico testa 29 jogadores em jogo-treino no CT

Jogo-treino na pré-temporada de 2017: Náutico 3 x 0 Ipojuca. Foto: Léo Lemos/Náutico

A pré-temporada foi esticada no calendário oficial da CBF em 2015. Desde então, o Náutico conseguiu organizar amistosos no Recife contra Decisão (2015) e Botafogo de João Pessoa (2016). Neste ano, com a remontagem do grupo e problemas de agenda, o alvirrubro acabou sem testes oficiais, ficando restrito a jogos-treinos. No primeiro, contra o Ipojuca, o técnico Dado Cavalcanti conseguiu colocar em campo os 29 atletas do elenco à disposição – ficando de fora apenas Sérgio (goleiro), Feliphe Gabriel (zagueiro), Gerônimo (atacante) e Erick (atacante), oriundos da Copinha e que ainda não se apresentaram.

No 3 x 0, construído sem dificuldades e acompanhado por alguns torcedores no Centro de Treinamento Wilson Campos, na manhã de domingo, o Náutico atuou com três formações distintas, com mudanças a cada 30 minutos. Foram dois times totalmente diferentes nas duas primeiras partes e mais sete trocas no último terço, sempre com a formação 4-1-4-1. Da lista abaixo, qual seria a formação ideal para a estreia oficial, em 24 de janeiro, contra o Uniclinic?

Do 1º ao 30º minuto (0 x 0)
Tiago Cardoso; Joazi, Tiago Alves, Éwerton Páscoa e João Paulo; João Ananias, Rodrigo Souza, Marco Antônio, Dudu e Jefferson Nem; Anselmo

Do 31º ao 60º minuto (1 x 0, Alison)
Jeferson; David, Nirley, Adalberto e Igor Neves; João Ananias (Negretti), Cal Rodrigues, Maylson e Juninho e Giva; Alison

Do 61º ao 90º minuto (3 x 0, Cal e Negretti)
Bruno; Raphael, Rafael Ribeiro, Adalberto e Manoel; Negretti (David voltou), Cal Rodrigues, Maylson, Jefferson Renan e Willian Silva; Odilávio

Abaixo, um vídeo com os gols do jogo-treino, produzido por Rafael Brasileiro.

Os bastidores da permanência do Sport

vitória do Sport sobre o Figueirense, diante de 25 mil pessoas na Ilha do Retiro, manteve o clube na Série A pela quarta temporada seguida, o que não acontecia desde a série encerrada em 2001 – quando passou onze anos a elite.

Como em suas principais vitórias neste complicado ano para o clube, o Leão produziu um vídeo de 10 minutos, via Lucas Fitipaldi, com imagens exclusivas dos bastidores do último jogo em 2016. Uma partida nervosa, na qual um tropeço poderia ter sido fatal. Terminou com festa e alívio para 2017. Assista.

Clássico das Multidões de 1978 filmado em Super-8, por Geneton Moraes Neto

Imagens do vídeo "Esses onze aí: um filme panfletário, a favor do futebol", de 1978

Arruda, 1978. Casa cheia, com bandeiras tricolores e rubro-negras em cores vivas. Craques em campo. E imagens de um jogo histórico. Que raridade! Ainda que o acervo fotográfico dos clássicos pernambucanos seja rico, em relação aos vídeos a história é quase restrita ao período a partir de 1980, quando foi iniciada a documentação regular da Globo Nordeste. Antes disso, apenas alguns jogos, em preto e branco – o gol do hexa alvirrubro, por exemplo, só foi encontrado 46 anos depois, em um acervo no Rio. Por isso, é uma relíquia o curta “Esses onze aí: um filme panfletário, a favor do futebol”, produzido por Geneton Moraes Neto e Paulo Cunha em 1978, com imagens do Clássico das Multidões. No período da ditadura militar, o filme (assista abaixo) usa o futebol como contraponto ao regime, contrariando ainda aqueles que apontavam o esporte mais popular do país como fator de alienação, como frisa um trecho:

“O futebol não é a cartolagem corrupta, nem a política rasteira da CBD (precursora da CBF) nem o sonho dos treze pontos (a loteca), transformado em assalto semanal aos bolsos já vazios. O futebol é o coração pulsando de raiva, é o grito na garganta. O nosso futebol é a verdadeira estética da fome.”

O curta de dez minutos traz entrevistas com Zagallo, Palhinha e e duas estrelas do Santa Cruz, Nunes e Givanildo. Apesar de não informar o jogo em questão, os dois gols apresentados – gravados atrás da barra da Rua das Moças, com uma câmera Super-8 – seriam da goleada coral por 3 x 0, em 2 de julho de 1978, pelo Campeonato Brasileiro. Clássico acompanhado por 39.678 torcedores, apinhados no Mundão, ainda sem o anel superior. Os dois rivais viviam grande fase. O Santa acabaria a competição em 5º lugar e o Sport em 8º. Foi a única vez em que dois pernambucanos ficaram entre os dez primeiros.

Sobre o idealizador do filme, o jornalista (e rubro-negro) Geneton Moraes Neto foi um dos mais renomados do país. Faleceu em 2016, aos 60 anos, dos quais 40 no jornalismo, passando pelo Diario de Pernambuco, Estado de S. Paulo e Rede Globo, onde foi editor-chefe do Fantástico, sem jamais abandonar a paixão pelo futebol. Abaixo, a descrição do próprio Geneton sobre o documentário.

“A quem interessar possa: houve, entre a segunda metade dos anos setenta e o início dos anos oitenta, uma espécie de movimento de cinema Super-8 no Recife. Era – quase – a única maneira de fazer filmes, em meio à falta de condições e ao sufoco geral. O locutor-que-vos-fala participou do movimento. (…) Os monitores dos computadores se transformaram em telas – inclusive para nossos velhos e precários ‘filmecos’, como diria Amin Stepple. Ainda bem! De outra maneira, os filmes poderiam sumir na poeira da estrada. Em cartaz: ‘Esses Onze Aí’ – feito em parceria com Paulo Cunha, hoje um ativíssimo professor de cinema. Tema do filme: o futebol. Vai começar a partida.”

Atlético Nacional proclama Chapecoense como campeã da Sul-Americana de 2016

Comunicado do Atlético Nacional sobre o título da Sula 2016. Crédito: Reprodução

O Atlético Nacional proporcionou um enorme gesto institucional no mundo esportivo. Abalado pela tragédia ocorrida com a Chapecoense, com a morte de 71 pessoas no voo que levava o time, o clube colombiano pediu à Conmebol para que o título de campeão da Copa Sul-Americana de 2016 seja dado ao alviverde catarinense (abaixo). O clube, atual campeão da Taça Libertadores, sequer cogita a ideia de divisão, abrindo mão do troféu da Sula em homenagem a todo o elenco da Chape, merecedor do status de campeão continental.

Comunicado do Atlético Nacional sobre o título da Sula 2016. Crédito: Reprodução

Reunida em Montevidéu, a cúpula da confederação sul-americana de futebol comunicou que deverá dar uma resolução oficial sobre o caso até 21 de dezembro, no sorteio da próxima edição da Liberta. Contudo, a tendência é que o time brasileiro seja homologado como campeão da Sula (mesmo que dividido), ganhando, assim, a inédita vaga na próxima Libertadores, que já tem a presença assegurada do Verdolaga, como é conhecido o popular alviverde colombiano.

E os destinos de Chape e Atlético parecem mesmo entrelaçados. Caso o pleito seja confirmado, os times irão se enfrentar em 2017. Pela Recopa, com outra taça em jogo, a ser disputada de maneira digna, em todos os aspectos.

Parabéns ao Atlético Nacional de Medellín, não esqueceremos.

Abaixo, o vídeo da festa dos jogadores da Chape após a passagem à final…

Tirolesa na Arena Pernambuco… Encara?

Nos domingos, em dias sem jogos, a Arena Pernambuco costuma contar com atividades no entorno do complexo, organizadas pela própria administração do estádio. Desta vez, no modelo “Arena Radical”, a primeira descida de tirolesa dentro de um estádio de futebol no país. Por R$ 10, uma descida num cabo aéreo do anel superior norte (60 metros!) até a barra no setor sul inferior, atravessando todo o gramado. Entre outras atividades, rapel, paintball, downhill, eurobungy, slackline e parede de escalada… Encara?

A próxima edição do tipo deve ocorrer em janeiro de 2017.

O discurso de CR7 na conquista da Euro

Quatro meses após a inédita conquista da Eurocopa, a Federação Portuguesa de Futebol divulgou um vídeo de bastidores, com o discurso de Cristiano Ronaldo no vestiário do Stade de France, após a vitória sobre os donos da casa, na prorrogação. O craque do Real Madrid apontou aquele momento, aquele triunfo, como o momento mais feliz de sua carreira. Assista.

“Eu poderia repetir isso 100 vezes. Eu estou muito feliz. Esse é o troféu que estava faltando.”