Um golaço pela vida na 6ª divisão da Argentina, o Prêmio Puskas de 2017?

Lulo Benítez...

O Central de Larroque é um time de futebol de uma pequena cidade de mesmo nome, na província argentina de Entre Ríos. Representando os sete mil moradores, disputa as divisões inferiores do país vizinho. Nunca foi longe, ganhando no máximo a “Liga Departamental de fútbol de Gualeguaychú”, um torneio regional com status de sexta divisão na Argentina, semiamadora, como ocorre em outras províncias longe da capital. Mas, ainda assim, o alvirrubro tornou-se motivo de orgulho nacional. A partir de um gesto além dos gramados praticado por Alejandro “Lulo” Benítez, um atacante de 30 anos.

Ele era símbolo do pequeno Central, quando passou por um drama familiar. O seu sobrinho de 9 meses, Milo, precisava com urgência de um transplante de fígado. Após exames, só a mãe (irmã de Lulo) e o atleta eram compatíveis. Caso aceitasse ser o doador, precisaria encerrar a carreira, uma vez que o órgão não se regenera 100%, além da recuperação demorada. Com a irmã operada no coração, em janeiro de 2017, Alejandro não pensou duas vezes.

“Era uma questão de vida ou morte, e eu não podia falhar”, disse ao Olé.

Antes da estreia na “Federal C”, a quinta divisão, falou com o time e entrou na sala de cirurgia para uma operação de 12 horas, simultaneamente ao bebê. Hoje, já estão saudáveis e simbolizados na luta pela doação de órgãos, até no Brasil. Tanto que a Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO) criou uma campanha para levar o ‘gol’ de Lulo Benítez ao Prêmio Puskas, da Fifa, que elege anualmente o tento mais bonito. Na tag, #puskasparalulo.

Em Entre Ríos, não há dúvida sobre o merecimento…

Vencedores do Prêmio Puskas da Fifa
2009 – Cristiano Ronaldo (Portugal)
2010 – Altıntop (Turquia)
2011 – Neymar (Brasil)
2012 – Miroslav Stoch (Eslováquia)
2013 – Ibrahimovic (Suécia)
2014 – James Rodríguez (Colômbia)
2015 – Wendell Lira (Brasil)
2016 – Mohd Faiz Subri (Malásia)

Assista aos dez gols candidatos ao Prêmio Puskas de 2017 clicando aqui.

Transmissão ao vivo de um jogo do Íbis

Transmissão online de Ferroviário do Cabo 0 x 1 Íbis. Crédito: FPF/reprodução

Com uma arrancada surpreendente na Série A2 do Estadual, vencendo nas duas primeiras rodadas, o Íbis seguiria a tabela contra o Ferroviário do Cabo, no estádio Gileno de Carli. Jogo de portões fechados, por falta de laudos técnicos, mas “à disposição” do público. Em caráter experimental, a FPF iniciou a transmissão online do torneio – começou na véspera, com o Clássico das Multidões pelo Pernambucano Sub 20, paralelamente à segundona.

Esse modelo de transmissão é uma parceria da federação com o site mycujoo, especializado em streaming de partidas de futebol e que já realizou trabalho semelhante na Copa São Paulo de Juniores. A ideia local é exibir os principais jogos de todas as categorias à parte da primeira divisão profissional, cujos direitos de transmissão já estão negociados com a Rede Globo até 2018.

Portanto, assista ao Pior Time do Mundo… Na tevê? Oportunidade rara.

Atualização: o Íbis venceu a terceira seguida e segue líder do grupo A.

Drone em ação no Gigante do Agreste, em plena segunda divisão do Pernambucano

Pernambucano 2017, Série A2: Sete de Setembro 0 x 2 Porto. Crédito: TV Criativa/youtube

Durante a partida entre Sete de Setembro e Porto, na abertura da segunda divisão pernambucana de 2017, a TV Criativa, de Caruaru, acionou um drone sobre o campo do Gigante de Agreste. Enquanto a bola rolava em Garanhuns, em 17 de setembro, o equipamento ia gravando imagens da partida em ângulos bem diferentes. Com pouco mais de três minutos de edição, o vídeo do sobrevoo mostra até a reação do público nos rasantes…

O vídeo traz uma certa nostalgia com o maior estádio do agreste meridional, há sete anos fora da elite. E para quem não o conhecia, vale a pena ver.

Em campo, o visitante se deu melhor, Sete 0 x 2 Porto.

Veja outros vídeos aéreos em estádios do interior: Lacerdão e Antônio Inácio.

Sport perde do Flamengo no Rio e chega a 4 derrotas seguidas e 7 jogos de jejum

Série A 2017, 24ª rodada: Flamengo 2 x 0 Sport. Foto: Gilvan de Souza/Flamengo

O Sport perdeu no Rio e ampliou a má fase na Série A. A boa atuação na Sula parece ter sido um ponto fora da curva em uma sequência que derrubou o time da briga por uma vaga na Libertadores para a disputa contra o descenso, um perigo enorme. Hoje, o Z4 está a apenas dois pontos. O futebol no período justifica o temor. No estádio Luso Brasileiro, o rubro-negro pernambucano começou em ritmo de amistoso. Na escalação, não pôde repetir a dobradinha na esquerda (Sander/Mena) porque o brasileiro sofreu com uma virose na véspera. Vaga aberta para Oswaldo, que não se encontrou no domingo, mesmo revezando nas pontas. Na outra, Lenis limitou-se à recomposição, pois ofensivamente foi nulo, como todo o Sport no primeiro tempo.

O Flamengo não fazia uma grande partida. Abriu o placar aos 8, quando Magrão cortou mal um cruzamento rasteiro, nos pés de Guerrero. Depois, o time carioca tentou o controlar o jogo na posse de bola (66%), esperando que Everton Ribeiro decidisse sozinho. No meio, Diego, reconvocado à Seleção, ia sendo parado com faltas. Ainda assim, criou duas chances.

Série A 2017, 24ª rodada: Flamengo 2 x 0 Sport. Foto: Gilvan de Souza/Flamengo

No Sport, o ritmo do jogo era um reflexo da formação de Luxemburgo, que optou por Wesley no meio. Indicado pelo treinador, o volante/meia foi omisso na marcação e arriscou muito pouco em termos de passes com profundidade. Sem isso, o Sport encostava no ataque com o mandante já recomposto. Na segunda etapa, aos 17, o volante Patrick foi expulso de maneira irresponsável, tomando o segundo cartão por reclamação após o amarelo numa falta dura.

Talvez pela acomodação do Fla com a situação, o Sport acabou tendo mais espaço, criando as suas três chances, desperdiçadas por André, Rogério e Wesley. Nos descontos, no tudo ou nada, acabou tomando o segundo gol, com Everton Ribeiro, 2 x 0. Foi a 4ª derrota seguida no Brasileirão, com cinco jogos sem marcar gols e sete sem vencer. Evolução técnica/tática paralisada.

O jejum de vitórias do rubro-negro na Série A
02/08 – Sport 2 x 2 Fluminense (Ilha do Retiro)
05/08 – Sport 1 x 3 Corinthians (Arena Corinthians, SP)
13/08 – Sport 0 x 0 Ponte Preta (Ilha do Retiro)
20/08 – Sport 0 x 2 Cruzeiro (Mineirão, BH)
02/09 – Sport 0 x 5 Grêmio (Arena do Grêmio)
10/09 – Sport 0 x 1 Avaí (Ilha do Retiro)
17/09 – Sport 0 x 2 Flamengo (Luso Brasileiro, Rio)

7 jogos; 2 empates e 5 derrotas, 3 GP e 15 GP; – 12 SG

Série A 2017, 24ª rodada: Flamengo 2 x 0 Sport. Foto: Gilvan de Souza/Flamengo

Permanência do Náutico na Série B passa pelo desempenho do mando no Lacerdão

Série A de 2009, Náutico 2 x 1 Santo André, no Lacerdão

Em 8 de agosto de 2009, o Náutico precisou mandar o seu jogo contra o Santo André em Caruaru. A campanha na Série A era péssima, mas uma vitória tiraria o time da zona de rebaixamento na ocasião. Apoiada na esperança, e ainda na época do Todos com a Nota, a timbuzada encheu o Lacerdão, com 13.434 torcedores. A pressão deu resultado, com o triunfo por 2 x 1, com dois gols de Bala. Oito anos depois, o clube se vê novamente obrigado a pegar a BR-232 para atuar como mandante no Brasileiro.

Agora na Série B, também querendo evitar o Z4, o timbu jogará quatro vezes na Capital do Forró devido à impossibilidade de uso da Arena Pernambuco, alugada para dois eventos religiosos (!). A o primeiro compromisso é contra o líder do campeonato, o Inter, com a campanha de divulgação já iniciada pelo clube, por meio de vídeos em suas redes sociais – relembrando, claro, a atmosfera de 2009. Em tese, o time volta à arena para os últimos três jogos “em casa”. Dependendo do desempenho no Agreste, talvez fique por lá…

Qual a expectativa de público para o primeiro jogo, num sábado à tarde?

Os mandos de campo do Timbu no Lacerdão pela Série B
25ª) Náutico x Internacional (23/09)
27ª) Náutico x Boa (30/09)
29ª) Náutico x Guarani (14/10)
31ª) Náutico x ABC (21/10)

Arnaldo Barros detalha multa de DS, reforma da Ilha e saída do Nordestão

Entrevista com o presidente do Sport, Arnaldo Barros, no programa Camarote FC. Crédito: TV Sport/reprodução

Durante uma hora, o presidente do Sport, Arnaldo Barros, foi sabatinado por três jornalistas no programa Camarote FC, do canal Premiere. Além do apresentador Jorge Luiz Rodrigues, chefe de produção de jornalismo do Sportv, participaram da mesa, no Rio de Janeiro, João Victor Amorim, da Rádio Jornal, e Gustavo Lucchesi, da Rádio CBN e Folha de Pernambuco.

Entre os temas, explicações sobre a “multa impagável” de Diego Souza, a partir da compra de 50% dos direitos, a reforma da Ilha, com prazo de 24 meses (incluindo a nova saída dos vestiários) e a saída do Nordestão de 2018, devido ao calendário. Embora não concorde com a decisão do dirigente de tirar o clube do regional, ao menos ele detalhou os seus motivos.

Aspas sobre a Copa do Nordeste (a partir do min. 30)
“A decisão (saída do Nordestão) foi divulgada recentemente, mas a deliberação foi muito pensada, amadurecida. Ao final da Copa do Nordeste do ano passado (2016), nós verificamos que o torneio nos trazia dois prejuízos, um econômico e outro em termos de saúde dos atletas, pela sobreposição de competições (resultando em lesões e/ou queda de performance).”

“Essa formatação (do torneio, com fase preliminar) não atende aos interesses desportivos do Sport e nem se conseguiu a melhora financeira que nós queríamos, porque a competição para o Sport, e aqui eu deixo claro, para o Sport, insisto, não é financeiramente compensadora. É deficitária.”

A TV Sport disponibilizou a íntegra do programa. Assista.

Linha de uniformes do Náutico para a temporada 2017/2018, via Topper

Uniformes do Náutico para a temporada 2017/2018. Crédito: Náutico/twitter (@nauticope)

Após postergar o lançamento, o Náutico apresentou a linha de uniformes para a temporada 2017/2018, o segundo dos quatro anos da parceria do clube junto à Topper. Desta vez, o modelo masculino (R$ 219) traz uma gola com botão, enquanto a camisa feminina segue com uma gola decotada (R$ 209).

O novo padrão principal veio com um vídeo produzido pelo departamento de marketing nos Aflitos, onde o time deverá utilizá-lo no próximo ano.

“Se o futebol é uma paixão, o Náutico é amor incondicional. Um sentimento que vai além da compreensão. Um clube pra gente como você, que quando ama, ama de verdade. Todo dia, e não só de vez em quando. Na alegria ou na dificuldade, porque o Náutico não é só um clube, o Náutico é o seu clube. E essa é a sua camisa.”

Relembre a linha anterior com a Topper clicando aqui.

Alvirrubro, o que você achou do novo padrão?

Videocast – As maiores vitórias da história de Náutico, Santa Cruz e Sport

Os três clubes pernambucanos têm histórias centenárias, colecionando episódios marcantes na construção de suas torcidas, de suas respectivas identidades vitoriosas. Então, num universo de quase 15 mil jogos de futebol envolvendo Náutico, Santa e Sport, você conseguiria escolher a maior vitória de cada um? Entrando neste amplo debate, o 45 minutos analisou cada clube em três vídeos exclusivos com história, análise e humor, chegando aos vereditos nos Aflitos, no Arruda e na Ilha. O que deveria pesar mais, a importância da competição ou a época? Ou uma goleada, uma vitória sobre o rival numa decisão, uma classificação inacreditável… Foco apenas no profissionalismo? Pois é, são várias nuances, devidamente consideradas.

Até hoje, foram 2.300 vitórias do Náutico, 2.555 do Santa e 2.620 do Sport.

Estou nas produções. Assista e opine sobre o maior triunfo do seu clube…

Náutico (34 min)

Santa Cruz (32 min)

Sport (51 min)

MLS mostra a intensidade do jogo na pele do árbitro, mas foi esperta no áudio…

Vídeo gravado pelo árbitro da MLS

Durante o tour nos Estados Unidos, visando a temporada 2017/2018, Real Madrid enfrentou o “all-star team” da Major League Soccer. Até aí ok, assim como o resultado, com uma vitória merengue nos pênaltis após o 1 x 1.

Ocorre que o árbitro da partida disputada no Soldier Field, em Chicago, utilizou uma microcâmera presa no peito do uniforme. Nove dias após o amistoso, a MLS divulgou um vídeo com a intensidade da disputa na visão do juiz Allen Chapman, mesmo sendo uma peleja de pré-temporada.

Apesar da interessante edição de 3 minutos, o vídeo não traz os diálogos durante a partida, com uma trilha sonora de fundo. E trata-se de uma parte essencial sobre o trabalho da arbitragem, como a história ensina (a seguir).

Voltando 35 anos no tempo, chegamos a um episódio polêmico no futebol brasileiro, quando o árbitro José Roberto Wright entrou em campo com um microfone sem fio escondido em seu padrão. Ele havia topado a ideia de participar de uma reportagem do programa Esporte Espetacular, da Globo. O objetivo era mostrar a pressão sobre o árbitro (ou quase isso).

E não era num jogo qualquer, mas na decisão da Taça Guanabara de 1982. O Flamengo venceu o Vasco por 1 x 0, mas com a repercussão toda voltada sobre os diálogos, pelo uso indevido da imagem e pela suposta perseguição ao meia Giovane, do time cruz-maltino. Relembre e tire as suas conclusões.

Obs. Fica claro o motivo da trilha sonora no vídeo lá em Chicago…

A camisa 23 de Grafite retorna ao Santa Cruz, possivelmente até o fim da carreira

A camisa 23 de Grafite, de volta do ao Santa Cruz em 2017. Crédito: Santa Cruz/reprodução

Aos 38 anos, o atacante Grafite acertou o seu retorno ao Santa Cruz. Após uma rápida passagem no Atlético-PR, onde foi disputar a Libertadores depois de ter sido vice-artilheiro do Brasileirão, com 13 gols, o jogador decidiu dar uma pausaa na carreira. No Recife, onde mora, acabou mantendo contato com o tricolor, firmando um acordo até o fim da Série B de 2017, onde terá a missão de tirar o time da briga contra o rebaixamento, devendo se aposentar em seguida. Para o entendimento, perdoou algumas dívidas – saiu com quatro meses de atraso salarial – e ainda topou um salário no nível do elenco.

Esta é a 4ª passagem no clube do experiente jogador, após 2001, 2002 e 2015/2016. Celebrando a volta do camisa 23, a direção tricolor lançou um vídeo com o uniforme da marca Cobra Coral já estampado com o número e o nome do reforço, além de alguns momentos marcantes do Grafa.

Grafite trata a sua volta como “superação”. Resta ver o rendimento técnico.

Tricolor, o que você achou da volta do atacante ao Arruda?

Grafite no Santa Cruz
2001 – 22 jogos, 5 gols
2002 – 15 jogos, 11 gols
2015 – 15 jogos, 7 gols
2016 – 56 jogos, 24 gols

Total – 108 jogos, 47 gols