Classificação da Série A 2017 – 9ª rodada

A classificação da 9ª rodada da Série A de 2017. Crédito: Superesportes

Em seu 4º jogo como visitante neste Brasileirão, o rubro-negro pernambucano finalmente pontuou. Jogando no Independência, o Sport empatou com o Atlético Mineiro. Apesar do desempenho, o resultado foi insuficiente para tirar o clube do Z4, onde permanece pela segunda rodada seguida. Na próxima rodada, segue longe do Recife, diante de outra pedreira, o Peixe.

Na briga pela ponta, Corinthians e Grêmio ganharam, alimentando o jogão da 10ª rodada, em Porto Alegre, com 55 mil torcedores. Pontual atual, 23 x 22.

Resultados da 9ª rodada
Vitória 0 x 2 Santos
Botafogo 3 x 1 Vasco
Palmeiras 1 x 0 Atlético-GO
Avaí 0 x 3 Fluminense
Atlético-PR 1 x 0 São Paulo
Atlético-MG 2 x 2 Sport
Corinthians 3 x 0 Bahia
Ponte Preta 1 x 0 Cruzeiro
Grêmio 2 x 0 Coritiba
Flamengo 5 x 1 Chapecoense 

Balanço da 9ª rodada
7V dos mandantes (18 GP), 1E e 2V dos visitantes (9 GP)

Agenda da 10ª rodada
24/06 (19h00) – Santos x Sport (Vila Belmiro)
25/06 (11h00) – Vasco x Atlético-GO (São Januário)
25/06 (16h00) – Atlético-PR x Vitória (Arena da Baixada)
25/06 (16h00) – Cruzeiro x Coritiba (Mineirão)
25/06 (16h00) – Grêmio x Corinthians (Arena do Grêmio)
25/06 (16h00) – São Paulo x Fluminense (Morumbi)
25/06 (16h00) – Ponte Preta x Palmeiras (Moisés Lucarelli)
25/06 (18h30) – Bahia x Flamengo (Fonte Nova)
25/06 (19h00) – Chapecoense x Atlético-MG (Arena Condá)
26/06 (20h00) – Botafogo x Avaí (Nilton Santos) 

Histórico de Santos x Sport em São Paulo, pelo Brasileiro (16 jogos):
1 vitória leonina (em 1996), 5 empates e 10 derrotas

Com Osvaldo, o Sport chega a 1.000 gols marcados na Série A. É o 17º na história

Série A 2017, 9ª rodada: Atlético-MG 2 x 2 Sport. Foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press

Em sua 36ª participação no Brasileirão, o Sport chegou à marca de 1.000 gols marcados na competição. Para isso, o clube pernambucano precisou disputar 867 partidas desde 1971, a base desta contagem. Mérito para Osvaldo, que marcou o primeiro tento do empate em 2 x 2 com o Galo, pela nona rodada da edição de 2017. Assim, o leão tornou-se o 17º clube a alcançar o expressivo número. No futebol da região, apenas o Vitória já havia chegado lá.

O primeiro clube a marcar 1.000 gols na Série A foi o São Paulo, há 17 anos. Curiosamente, através de um goleiro, Rogério Ceni – hoje, já se aproxima do 2.000º. Em 2003, nada menos que quatro times entraram na galeria do “milésimo gol”. Não por acaso, em uma edição com 46 longas rodadas.

Ainda vale destacar que em 2013 o Bahia festejou o gol 1.000, marcado por Feijão. Na ocasião, o tricolor de aço somou as participações na Taça Brasil e no Robertão, desde 1959 e hoje unificados pela CBF. Entretanto, todos os outros clubes consideraram os dados da Série A, assim como o blog.

Considerando o início do campeonato, em 1971, eis os jogadores que marcaram os gols de número 1.000 de 17 clubes até 21 de junho de 2017.

Os jogadores que marcaram os gols de número 1.000 na Série A. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Os clubes com mais gols na Série A, de 1971 a 21 de junho de 2017.

Os clubes com mais gols marcados na Série A até 21 de junho de 2017. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Ranking de dívidas dos clubes brasileiros

Ranking de dívidas dos 27 clubes principais brasileiros de 2012 a 2016. Crédito: Itaú BBA

Nos balanços oficiais dos clubes brasileiros, uma missão costumeiramente complicada é o detalhamento das dívidas. Além da falta de precisão nos dados, ainda sem um modelo de relatório (que a CBF passará a exigir em 2019), os clubes costumam apresentar dados brutos. Ainda assim, a equipe do banco Itaú BBA analisou os balanços financeiros de 27 clubes em 2016, incluindo o Trio de Ferro. Ao todo, uma dívida de 6,2 bilhões (!), com 54,9% concentrado em impostos (haja Profut). Completam a lista dívidas bancárias (24,9%), com juros pesados, e dívidas operacionais (20,1%).

Abaixo, os comentários da equipe do banco sobre os clubes nordestinos presentes. Na sequência, o ranking de dívidas (em milhões de reais), numa compilação do estudo “Análise Econômico-Financeira dos Clubes do Futebol Brasileiro de 2017″, com o dado geral e quadro e quadro. Em alguns casos, a soma (bancária, operacional e impostos) não bate com o passivo, uma vez que entraram em ação recursos numa categoria chamada “disponibilidades”, como foi o caso do Bahia, com a venda de um terreno no último ano.

Bahia
Todas essas movimentações teriam gerado impacto negativo (aumento) na dívida, mas houve entrada de R$ 12 milhões referentes à venda de um terreno e isso contribuu para que as dívidas fossem reduzidas. Desta forma, todas apresentaram queda, fato bastante positivo. 

Náutico
Vemos dívidas praticamente estáveis, o que foi positivo em mais um ano difícil.

Santa Cruz
Positivamente, as dívidas bancárias foram zeradas, mas no lugar entraram recursos de terceiros, que na prática são dívidas. Não há esclarecimentos sobre isto. Dívida operacional em queda foi uma boa notícia, mas as dívidas com impostos cresceram bem. É preciso atenção nessa gestão, dado a pouca geração de caixa para fazer frente a estas dívidas. 

Sport
As dívidas cresceram, mas a bancária foi positivamente reduzida. O maior ofensor dese crescimento foi com impostos, cuja parte importante veio da correção do Profut.

Vitória
Dívidas em forte queda, o que foi positivo. Bancárias e operacionais com queda expressiva e manutenção das dívidas com impostos. Além disso, manteve parte relevante das luvas em caixa, para uso em 2017.

Classificação da Série A 2017 – 8ª rodada

A classificação da 8ª rodada da Série A de 2017. Crédito: Superesportes

Fim de semana tenebroso para os mandantes no Brasileirão. Em dez jogos, apenas uma vitória. E os visitantes fizeram mesmo a festa. Pior para o leão pernambucano. O Sport perdeu do Vitória, em plena Ilha do Retiro, e entrou na zona de rebaixamento, de onde havia saído na 3ª rodada. Voltou justamente no momento em que a tabela mostra duas pedreiras pela frente, Atlético Mineiro e Santos, ambos os jogos como visitante. O leão erá que melhorar bastante para não afundar no Z4 nesta semana.

Resultados da 8ª rodada
Atlético-GO 0 x 1 Atlético-PR
Vasco 1 x 0 Avaí
Santos 0 x 0 Ponte Preta
Coritiba 0 x 0 Corinthians
Chapecoense 0 x 2 Botafogo
Bahia 2 x 4 Palmeiras
Fluminense 2 x 2 Flamengo
São Paulo 1 x 2 Atlético-MG
Sport 1 x 3 Vitória
Cruzeiro 3 x 3 Grêmio

Balanço da 8ª rodada
1V dos mandantes (10 GP), 4E e 5V dos visitantes (17 GP)

Agenda da 9ª rodada
21/06 (19h30) – Vitória x Santos (Barradão)
21/06 (21h00) – Botafogo x Vasco (Nilton Santos)
21/06 (21h00) – Palmeiras x Atlético-GO (Allianz Parque)
21/06 (21h45) – Avaí x Fluminense (Ressacada)
21/06 (21h45) – Atlético-PR x São Paulo (Arena da Baixada)
21/06 (21h45) – Atlético-MG x Sport (Independência)
22/06 (19h30) – Corinthians x Bahia (Arena Corinthians)
22/06 (19h30) – Ponte Preta x Cruzeiro (Moisés Lucarelli)
22/06 (21h00) – Grêmio x Coritiba (Arena do Grêmio)
22/06 (21h00) – Flamengo x Chapecoense (Luso Brasileiro)

Histórico de Galo x Sport em Belo Horizonte, pelo Brasileiro (18 jogos):
2 vitórias leoninas, 5 empates e 11 derrotas

Podcast – Vitória do Santa, empate do Sport e derrota do Náutico no Brasileiro

Na 7ª rodada das Séries A e B, resultados distintos no Trio de Ferro. Na terça, o primeiro a entrar em campo foi o alvirrubro, derrotado nos descontos. Acabou resultando na saída de Waldemar Lemos do comando técnico. Pouco depois, no Castelão, o tricolor virou o placar com mudanças ofensivas no time. Na quarta-feira, pela elite, o leão voltou a pontuar como mandante, mas ficou num placar em branco, no último jogo sem DS87, devido à Seleção. O podcast 45 minutos analisou as três partidas em gravações exclusivas, tanto na questão técnica quanto tática, além de análises individuais. Ouça!

13/06 – Náutico 1 x 2 Paraná (41 min)

13/06 – Ceará 1 x 3 Santa Cruz (31 min)

14/06 – Sport 0 x 0 São Paulo (36 min)

Sport empata sem gols com o São Paulo em partida de pouca criatividade na Ilha

Série A 2017, 7ª rodada: Sport 0 x 0 São Paulo. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

As duas primeiras vitórias do Sport no Campeonato Brasileiro tiveram dois pontos em comum: ambas na Ilha do Retiro e sem Diego Souza. Após outra derrota como visitante, o leão voltou ao seu reduto para enfrentar o São Paulo, de começo bem irregular sob comando de Rogério Ceni – hoje, com desfalques, parece uma equipe sem identidade. Mais uma vez, DS87 não estaria em campo, ainda na viagem de volta da Austrália, onde defendeu a Seleção. Se houve um lampejo de discurso sobre a intensidade do time com ou sem o jogador (menor maior, respectivamente), o empate em 0 x 0 talvez tenha deixado claro outro ponto, a falta de criatividade nas jogadas.

Foram 57 passes errados e 20 cruzamentos na área, apenas um terminando em finalização, numa cabeçada de André. À parte disso, toques para os lados e exploração das pontas até o limite. Pior ainda foi o desempenho no primeiro tempo, com Thallyson sem conseguir dar fluidez no setor. Peça de confiança de Luxemburgo nesse início de trabalho, o jogador ainda é verde e não apresentou futebol suficiente para essa titularidade em sequência. Ao menos Luxa corrigiu isso no intervalo, com a entrada de Everton Felipe. Mudança efetiva, com o meia ganhando mais jogadas e dando um sinal de vida na área central, arriscando infiltrações. Porém, ao tentar bastante o passe mais difícil, EF acaba tirando o encaixe do time, que suou bastante para conter os contragolpes do time paulista – Durval e Ronaldo Alves muito bem.

Em um segundo tempo melhor, o Sport contou com as entradas de Rogério (Thomás) e Juninho (Osvaldo), mas com o mesmo estilo de jogo, bem marcado. O empate acabou sendo o primeiro jogo do ano em que o rubro-negro não balançou as redes na Ilha (e foram 21). No fim ficou o alívio pela defesaça de Magrão numa cabeçada de Gilberto (ex-Santa e ex-Sport), nos descontos, e a queixa sobre dois pênaltis não assinalados por Héber Roberto Lopes – que errou nas duas vezes, na visão do blog. Ficou, também, a certeza de que a ausência do meia Diego Souza nas vitórias anteriores foi mais circunstancial do que a causa delas. Qualidade técnica faz falta, sempre.

Sport x São Paulo no Recife, pelo Brasileiro
8 vitórias do Leão
8 empates
4 vitórias do Tricolor

Série A 2017, 7ª rodada: Sport 0 x 0 São Paulo. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Classificação da Série A 2017 – 6ª rodada

A classificação da 6ª rodada da Série A de 2017. Crédito: Superesportes

Com a gangorra de resultados entre jogar como mandante (7 pontos) e visitante (0 ponto), o leão voltou a despencar na classificação. No sábado, o Sport perdeu do Vasco, em São Januário, caindo do 11º para o 14º lugar no Brasileirão. A vantagem em relação ao G4 também diminuiu, de 3 para 2 pontos. Agora, parte para dois jogos seguidos em casa. Pela lógica (?), hora de melhorar o rendimento.

Em relação à briga pela liderança, neste início de campeonato a disputa vai ficando entre Corinthians (único invicto) e Grêmio, com o Coritiba na disputa como principal surpresa neste contexto.

Resultados da 6ª rodada
Palmeiras 3 x 1 Fluminense
Vasco 2 x 1 Sport
Botafogo 2 x 2 Coritiba
Vitória 2 x 0 Atlético-MG
Avaí 1 x 1 Flamengo
Corinthians 3 x 2 São Paulo
Ponte Preta 3 x 2 Chapecoense
Cruzeiro 2 x 0 Atlético-GO
Atlético-PR 0 x 2 Santos
Grêmio 1 x 0 Bahia 

Balanço da 6ª rodada 
7V dos mandantes (19 GP), 2E e 1V dos visitantes (11 GP)

Agenda da 7ª rodada
14/06 (19h30) – Sport x São Paulo (Ilha do Retiro)
14/06 (19h30) – Vitória x Botafogo (Barradão)
14/06 (19h30) – Atlético-GO x Avaí (Olímpico)
14/06 (19h30) – Atlético-MG x Atlético-PR (Independência)
14/06 (21h00) – Flamengo x Ponte Preta (Luso Brasileiro)
14/06 (21h45) – Santos x Palmeiras (Vila Belmiro)
14/06 (21h45) – Corinthians x Cruzeiro (Arena Corinthians)
14/06 (21h45) – Chapecoense x Vasco (Arena Condá)
15/06 (16h00) – Coritiba x Bahia (Couto Pereira)
15/06 (21h00) – Fluminense x Grêmio (Maracanã) 

Histórico de Sport x São Paulo no Recife, pelo Brasileiro:
8 vitórias leoninas, 7 empates e 4 derrotas

Classificação da Série A 2017 – 5ª rodada

A classificação da 5ª rodada da Série A de 2017. Crédito: Superesportes

Diante do Grêmio, a primeira vitória leonina veio com a ressalva acerca da escalação reserva do time gaúcho. Tanto que, em cinco rodadas, o Grêmio venceu quatro vezes e perdeu apenas um jogo, na Ilha, quando poupou visando a Copa do Brasil. Desta vez, pela 5ª rodada, a segunda vitória do Sport no Brasileiro foi incontestável. Jogando de forma inteligente, num cenário de pressão, o rubro-negro pernambucano superou o Fla, subindo na classificação, do 15º para o 11º lugar. Abriu três pontos em relação ao Z4. Neste meio de semana, destaque para as goleadas de Corinthians e Grêmio como visitantes (11 gols somados!). Não por acaso, líder e vice-líder.

Resultados da 5ª rodada
Fluminense 1 x 1 Atlético-PR
Atlético-MG 1 x 0 Avaí
Coritiba 1 x 0 Palmeiras
Santos 1 x 0 Botafogo
Vasco 2 x 5 Corinthians
Sport 2 x 0 Flamengo
São Paulo 2 x 0 Vitória
Atlético-GO 3 x 0 Ponte Preta
Chapecoense 3 x 6 Grêmio
Bahia 1 x 0 Cruzeiro 

Balanço da 5ª rodada
7V dos mandantes (17 GP), 1E e 2V dos visitantes (12 GP) 

Agenda da 6ª rodada
10/06 (16h00) – Palmeiras x Fluminense (Allianz Parque)
10/06 (19h00) – Vasco x Sport (São Januário)
11/06 (11h00) – Botafogo x Coritiba (Nilton Santos)
11/06 (16h00) – Vitória x Atlético-MG (Barradão)
11/06 (16h00) – Avaí x Flamengo (Ressacada)
11/06 (16h00) – Corinthians x São Paulo (Arena Corinthians)
11/06 (16h00) – Ponte Preta x Chapecoense (Moisés Lucarelli)
11/06 (18h30) – Cruzeiro x Atlético-GO (Mineirão)
11/06 (19h00) – Atlético-PR x Santos (Arena da Baixada)
12/06 (20h00) – Grêmio x Bahia (Arena do Grêmio)

Histórico de Vasco x Sport no Rio, pela elite:
4 vitórias leoninas, 2 empates e 4 derrotas

Classificação da Série A 2017 – 4ª rodada

A classificação da 4ª rodada da Série A de 2017. Crédito: Superesportes

Jogando (mal) às 11h no domingo, o Sport perdeu do Avaí, em Floripa, e despencou na classificação. O time pernambucano perdeu três colocações, numa situação consolidada na segunda-feira, no encerramento da 4ª rodada, com a goleada do Bahia sobre o lanterninha, o Atlético-GO. Agora, o leão aparece em 15º, flertando com o Z4 (tem um ponto de vantagem). Foi o segundo jogo do rubro-negro como visitante neste Brasileiro, com duas derrotas e nenhum gol a favor. Condiz com o futebol apresentado.

Em relação à liderança, a Chapecoense segue na ponta. Para isso, foi buscar o resultado no Mineirão, sendo o único visitante com vitória no fim de semana. Tem os mesmos dez pontos do Corinthians, mas o saldo é melhor (5 x 4).

Resultados da 4ª rodada
Coritiba 1 x 0 Atlético-PR
Fluminense 2 x 1 Vitória
Corinthians 2 x 0 Santos (40.436 pessoas, o maior público)
Avaí 1 x 0 Sport
Flamengo 0 x 0 Botafogo
Grêmio 2 x 0 Vasco
Ponte Preta 1 x 0 São Paulo
Palmeiras 0 x 0 Atlético-MG
Cruzeiro 0 x 2 Chapecoense
Bahia 3 x 0 Atlético-GO 

Balanço da 4ª rodada
7V dos mandantes (12 GP), 2E e 1V dos visitantes (3 GP)

Agenda da 5ª rodada
06/06 (20h00) – Fluminense x Atlético-PR (Maracanã)
07/06 (19h30) – Atlético-MG x Avaí (Independência)
07/06 (19h30) – Coritiba x Palmeiras (Couto Pereira)
07/06 (21h00) – Santos x Botafogo (Pacaembu)
07/06 (21h45) – Chapecoense x Grêmio (Arena Condá)
07/06 (21h45) – Sport x Flamengo (Ilha do Retiro)
07/06 (21h45) – Vasco x Corinthians (São Januário)
08/06 (19h30) – Atlético-GO x Ponte Preta (Olímpico)
08/06 (19h30) – São Paulo x Vitória (Morumbi)
08/06 (21h00) – Bahia x Cruzeiro (Fonte Nova) 

Histórico de Sport x Flamengo no Recife, pela elite:
7 vitórias leoninas, 4 empates e 4 derrotas

Os fornecedores de material esportivo dos 40 clubes das Séries A e B de 2017

Ranking das fornecedoras de uniforme na Série A de 2017. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Somando as duas principais divisões, a Topper é a fabricante mais presente no Campeonato Brasileiro de 2017, com nove clubes. Consequência da nova política da empresa, que voltou a investir pesado no futebol, angariando sete clubes em relação à temporada anterior. Galo e Fogão puxam a fila, mas a maioria ainda segue concentrada na segunda divisão – como o Náutico. Analisando só a elite, a Umbro passou de quatro para sete clubes, destronando a Adidas, com os mesmos cinco de 2016, incluindo o Sport.

Os 40 times inscritos nas Séries A (gráfico acima) e B (abaixo) estão divididos entre 13 fornecedoras tradicionais. Porém, existem outras quatro marcas ligadas aos próprios clubes. Em 2016 o Paysandu foi o único nesta frente, mas outros clubes seguiram a ideia, como o Santa Cruz, que deixou a Penalty após nove anos. É preciso destacar três observações neste levantamento. O Fluminense largou no Brasileiro vestindo o padrão da Dry World, mas já com contrato assinado com a Under Armour a partir de julho – e o blog considerou esta segunda. Já o Santos tem um acordo misto com a Kappa em relação à produção, mas como mantém a logo italiana, entrou como fornecedora tradicional. Na Série B, o Boa Esporte perdeu a marca após anunciar a contratação do goleiro Bruno. E iniciou a competição sem um novo patrocinador, tendo como saída a fabricação própria (sem nome definido).

Em relação aos contratos, ao menos aqueles divulgados, o Corinthians tomou a dianteira após firmar um acordo de 10 anos (!) com a Nike. São R$ 40 milhões anuais, 5 mi a mais que o Fla, então líder. Quanto à exposição, os 760 jogos das duas divisões estão na grade da televisão, incluindo o pay-per-view. Logo, o alcance das marcas depende da audiência de cada clube firmado…

As fornecedoras na Série A
Umbro – Atlético-PR, Avaí, Bahia, Chapecoense, Cruzeiro, Grêmio e Vasco
Adidas – Coritiba, Flamengo, Palmeias, Ponte Preta e Sport
Topper – Atlético-MG, Botafogo e Vitória
Under Armour – Fluminense e São Paulo
Kappa – Santos
Nike – Corinthians
Numer – Atlético-GO

As fornecedoras na Série B
Topper – Brasil, Ceará, Goiás, Guarani, Náutico e Paraná
Marca própria – Boa, Santa (Cobra Coral), Paysandu (Lobo) e Juventude (19Treze)
Rínat – ABC, CRB e Vila Nova
Adidas – Figueirense
Deka – Oeste

Embratex – Criciúma
Kanxa – Luverdense

Karilu – Londrina
Lupo – América-MG
Nike – Internacional

Marcas das Séries A e B
9 Topper, 7 Umbro, 6 Adidas, 4 Marca própria, 3 Rínat, 2 Under Armour, 2 Nike, 1 Deka, 1 Kappa, 1 Numer, 1 Embratex, 1 Kanxa, 1 Karilu e 1 Lupo

Maiores contratos
1º) R$ 40,0 milhões/ano – Corinthians/Nike (2016-2025)
2º) R$ 35,0 milhões/ano – Flamengo/Adidas (2013-2022)
3º) R$ 27,0 milhões/ano – São Paulo/Under Armour (2015-2019)
4º) R$ 20,0 milhões/ano – Palmeiras/Adidas (2017-2018)
5º) R$ 17,0 milhões/ano – Grêmio/Umbro (2015-2018)
6º) R$ 14,5 milhões/ano – Vasco/Umbro (2014-2017)
7º) R$ 13,0 milhões/ano – Botafogo/Topper (2016-2018)
7º) R$ 13,0 milhões/ano – Atlético-MG/Topper (2017-2020)
9º) R$ 10,0 milhões/ano – Cruzeiro/Umbro (2016-2019)

Ranking das fornecedoras de uniforme na Série B de 2017. Arte: Cassio Zirpoli/DP