O mata-mata da Série A2, com o caminho até a taça e a vaga na elite pernambucana

O mata-mata da 2ª divisão do Campeonato Pernambucano de 2017. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Está definido o caminho para a última vaga no Campeonato Pernambucano de 2018, que terá onze participantes e um novo regulamento.

Na rota do acesso, foram 40 jogos na primeira fase da Série A2 de 2017, passando oito dos dez times. Sobraram apenas Ferroviário do Cabo e Chã Grande. A partir de agora, cruzamento olímpico entre os dois grupos, com 1A x 4B, 2A x 3B, 1B x 4A e 2B x 3A – classificação abaixo. Portanto, quartas, semi e final, em ida e volta, com jogos de 25 de outubro até 12 de novembro.

Cabense x Porto, Vera Cruz x Sete, Pesqueira x Centro e Decisão x Íbis.

Qual o confronto mais equilibrado? E o mais fácil? Na torcida por qual time?

A grande surpresa da fase classificatória, sem dúvida, foi o Íbis, que chegou a ficar seis jogos invicto, a sua maior sequência. Também seguem na disputa nomes tradicionais como Porto, vice-campeão estadual em 1997 e 1998, e Sete de Setembro de Garanhuns, com o segundo maior estádio particular do interior. Outra curiosidade envolve outro time conhecido do futebol local. O centenário alvirrubro de Limoeiro avançou sem vencer um jogo sequer.

Como a FPF decidiu reduzir o número de clubes na primeira divisão, apenas o campeão irá obter a vaga na elite, ao contrário do que ocorria desde 1995, com dois promovidos. O esquema deve se manter na próxima temporada (caindo 2 e subindo 1), com o Estadual voltando a ter dez times em 2019.

A tabela básica do mata-mata da Segundona de 2017
Quartas de final: 25/10 (quarta, ida) e 29/10 (domingo, volta)
Semifinal: 01/11 (quarta, ida) e 05/11 (domingo, volta)
Final: 08/11 (quarta, ida) e 12/11 (domingo, volta)

A classificação final da 1ª fase da Série A2 do Estadual 2017. Crédito: FPF/site oficial (reprodução)

Penalty produz a bola do Campeonato Pernambucano pelo 11º ano seguido

A bola oficial do Campeonato Pernambucano de 2018. Foto: FPF/divulgação

A Penalty irá produzir a bola oficial do Campeonato Pernambucano pelo 11º ano consecutivo. Após substituir a Dray, fornecedora em 2007, a fabricante firmou um duradouro acordo com a federação. Inicialmente, apresentou a sua bola mais tradicional no mercado, com oito gomos. No futebol local, esse modelo foi utilizado durante nove edições. A mudança aconteceu em 2017, com a pelota de onze gomos, o mesmo modelo para o Estadual de 2018. Ou seja, trata-se de uma atualização da S11 Campo Pró, com gomos em formatos distintos e, desta vez, o rosa como cor dominante (e novidade).

Versões da bola oficial do Campeonato Pernambucano, via Penalty
2008 – Bola 8 (15 estaduais)
2009 – Bola 8 (14 estaduais)
2010 – Bola 8 (15 estaduais)
2011 – Bola 8 (15 estaduais)
2012 – S11 Campo Pró (11 estaduais)
2013 – S11 Campo Pró (11 estaduais)
2014 – S11 Campo Pró (11 estaduais)
2015 – S11 Campo Pró (16 estaduais)
2016 – Bola 8 (11 estaduais)
2017 – S11 Campo Pró (10 estaduais)
2018 – S11 Campo Pró (nº de competições a definir)

A nova bola será utilizada em outros campeonatos estaduais, com a empresa negociando os direitos com cada federação. No torneio promovido pela FPF, o modelo rosa vai a campo em 61 partidas. Como ocorre desde 2013, a decisão deve contar com uma bola exclusiva, no caso os jogos 62 e 63.

As bolas anteriores do Estadual: 20112012201320142015, 2016 e 2017.

Após 312 dias, o Íbis volta a perder. A sequência recorde durou 6 jogos oficiais

Pernambucano 2017, Série A2: Íbis 0 x 2 Cabense. Foto: Íbis/twitter (@ibismania)

Demorou além da conta, mas o Íbis voltou a sentir o gostinho da derrota, inerente à sua história. Afinal, a Cabense impôs o 639º revés do pássaro preto desde a sua fundação. Isso corresponde a 68,2% de todas as apresentações oficiais do clube. Um scout digno do “Pior time do Mundo”, ao contrário da marcante invencibilidade construída nesta temporada.

Após a derrota de virada no jogo de volta das quartas de final da Série A2 do Estadual de 2016, quando foi eliminado pelo Flamengo, a equipe principal do Íbis só voltou aos gramados em 10 de setembro de 2017, num amistoso com o Ipojuca, valendo a Taça Mauro Shampoo. Após o empate sem gols, veio o calendário oficial, com a maior série invicta já registrada pelo clube. Com quatro vitórias e dois empates, conseguiu a classificação antecipada às quartas da segundona local, onde busca o acesso após 18 anos.

Porém, esbanjando confiança (ou não), o time acabou perdendo da Cabense no Ademir Cunha. Ou seja, sofreu a primeira derrota após incríveis 312 dias! Esse time do Íbis já está na história, às avessas. Para ir de encontro a tudo o que o clube representa, basta subir… Afinal, apenas o campeão garante vaga.

A maior série invicta do Íbis (4v-2e-0d) e as últimas derrotas na A2

07/12/2016 – Íbis 1 x 2 Flamengo de Arcoverde (fora)

17/09/2017 – Íbis 1 x 0 Vera Cruz (casa)
20/09/2017 – Íbis 2 x 1 Cabense (fora)
24/09/2017 – Íbis 1 x 0 Ferroviário do Cabo (fora)
01/10/2017 – Íbis 0 x 0 Centro Limoeirense (casa)
04/10/2017 – Íbis 1 x 0 Centro Limoeirense (fora)
12/10/2017 – Íbis 0 x 0 Ferroviário do Cabo (casa)

15/10/2017 – Íbis 0 x 2 Cabense (casa)

Jogos oficiais do Íbis (1ª e 2ª divisões do Estadual)*

936 jogos
139 vitórias
158 empates
639 derrotas
747 gols marcados
2.483 gols sofridos
-1.736 de saldo
* Até a 9ª rodada da Série A2 de 2017

Pernambucano 2017, Série A2: Íbis 0 x 2 Cabense. Foto: Íbis/twitter (@ibismania)

O calendário simultâneo do Campeonato Pernambucano e do Nordestão em 2018

Os modelos dos troféus de 2018 no Campeonato Pernambucano e na Copa do Nordeste

Em 29 de setembro, a CBF divulgou o calendário nacional de 2018, adiando em uma semana a versão com a agenda nordestina. Após uma consulta junto à Fifa, a entidade conseguiu a autorização para realizar as Séries B, C e D e o Nordestão durante a Copa do Mundo. Só assim, furando a paralisação geral no futebol, para conseguir fechar a tabela. No viés local, o Campeonato Pernambucano e a Copa do Nordeste estão agendados de forma parcialmente paralela, com o estadual começando depois e terminando (bem) antes do regional. Outro ponto é que, como ocorre desde a volta da Lampions ao calendário oficial, em 2013, o Estadual demanda mais datas que o autorizado. Ou seja, calendário mais imprensado. Náutico, Salgueiro e Santa, que estão nos dois torneios, poderão jogar até 26 partidas, considerando as fases principais – e olhe que o timbu ainda terá a fase preliminar, com dois jogos.

Vale lembrar que a confederação liberou 18 datas para os estados sem copas regionais. Ou seja, a defasagem local em relação a esses centros é de oito datas! Não por acaso, há risco de jogos em intervalos mínimos – em 2017, o Sport atuou no Estadual e no Nordestão num hiato de 26 horas, abaixo do mínimo permitido, usando times distintos. Tão bizarro quanto foi o atraso de 52 dias na final pernambucana, adiada duas vezes. Desta vez, o cronograma prevê a decisão em 8 de abril, uma semana antes do Brasileiro. A conferir.

As 12 datas reservadas para a Copa do Nordeste
Fase de grupos (6): 17/01, 31/01, 14/02, 11/03, 21/03 e 28/03
Quartas de final (2): 02/05 e 23/05
Semifinal (2): 19/06 e 26/06
Final (2): 03/07 e 10/07  

Obs. Uma data da fase de grupos (31/01) foi uma ‘concessão’ da CBF, que cedeu um dos dias da Copa do Brasil. A contrapartida veio na fase decisiva, com os confrontos eliminatórios começando com o Campeonato Brasileiro (A e B) já em andamento. Semifinais e finais ocorrem durante o Mundial.

As 12 datas reservadas para o Campeonato Pernambucano
Turno + mata-matas (agenda indefinida): 21/01, 24/01, 28/01, 04/02, 18/02, 25/02, 04/03, 07/03, 18/03, 25/03, 01/04 e 08/04 

Obs. Ainda há uma data vaga, 10/02, mas trata-se do sábado de carnaval. Caso a FPF não queira abrir mão, uma solução pode ser o agendamento dos jogos do Trio de Ferro no interior. Caso não, tendo apenas doze datas, a federação terá que se mexer para encontrar mais três, provavelmente em brechas da Copa do Brasil – não poderia ser no Nordestão, em caso de eliminações locais, pois o mata-mata regional só começa em maio.

Eis os nº de datas nas fases principais do PE e do PE nos últimos 6 anos:

Calendário 2018
Pré-temporada de 14 dias  

Pernambucano – 13* datas (precisa de 15; turno, quartas, semi e final**)
Entre 21/01 e 08/04 (11 clubes, 63 jogos em 78 dias)
* Considerando a data extra durante o carnaval
** O campeão disputa 14 jogos. Na 1ª fase, cada time folga 1 das 11

Nordestão – 12 datas (fase de grupos, quartas, semi e final)
Entre 17/01 e 10/07 (16 clubes; 62 jogos em 175 dias)
Representantes locais: Salgueiro, Santa Cruz e Náutico (Sport desistiu)

Estados fora do Nordeste – 18 datas

Calendário 2017
Pré-temporada de 25 dias 

Pernambucano – 12 datas (precisou de 14; hexagonal, semi e final)
Entre 28/01 e 28/06 (6 clubes; 38 jogos em 152 dias*)
* A final ocorreu 52 dias após a data mínima programada, em 07/05 

Nordestão – 12 datas (fase de grupos, quartas, semi e final)
Entre 24/01 e 24/05 (20 clubes; 74 jogos em 121 dias)
Representantes locais: Santa Cruz, Sport e Náutico

Estados fora do Nordeste – 18 datas

Calendário 2016
Pré-temporada de 25 dias 

Pernambucano – 13 datas (precisou de 14; hexagonal, semi e final)
Entre 31/01 e 10/05 (6 clubes; 38 jogos em 101 dias*)
* Até a decisão de 3º lugar, disputada um dia após a final 

Nordestão – 12 datas (fase de grupos, quartas, semi e final)
Entre 13/02 e 01/05 (20 clubes; 74 jogos em 79 dias)
Representantes locais: Santa Cruz, Salgueiro e Sport

Estados fora do Nordeste – 19 datas

Calendário 2015
Pré-temporada de 25 dias 

Pernambucano – 12 datas (precisou de 14; hexagonal, semi e final)
Entre 31/01 e 03/05 (6 clubes; 38 jogos em 93 dias) 

Nordestão – 12 datas (fase de grupos, quartas, semi e final)
Entre 03/02 e 29/04 (20 clubes; 74 jogos em 86 dias)
Representantes locais: Sport, Náutico e Salgueiro

Estados fora do Nordeste – 19 datas

Calendário 2014
Pré-temporada de 10 dias 

Pernambucano – 12 datas (precisou de 14; hexagonal, semi e final)
Entre 09/02 e 23/04 (6 clubes; 38 jogos em 74 dias) 

Nordestão – 12 datas (fase de grupos, quartas, semi e final)
Entre 17/01 e 09/04 (16 clubes; 62 jogos em 83 dias)
Representantes locais: Santa Cruz, Sport e Náutico 

Estados fora do Nordeste – 21 datas

Calendário 2013
P
ré-temporada de 17 dias 

Pernambucano – 11 datas (precisou de 15; turno, semi e final)
Entre 23/02 e 12/05 (12 clubes; 74 jogos em 79 dias) 

Nordestão – 12 datas (fase de grupos, quartas, semi e final)
Entre 19/01 e 17/03 (16 clubes; 62 jogos em 58 dias)
Representantes locais: Santa Cruz, Sport e Salgueiro

Estados fora do Nordeste – 23 datas

Com 11 clubes, Pernambucano de 2018 terá turno único, quartas, semi e final

FPF

O conselho arbitral na FPF, envolvendo os clubes e a direção da entidade, resultou numa mudança drástica para o Campeonato Pernambucano em 2018. De fato, era preciso fazer algo após três torneios desinteressantes, tendo como expoente a esvaziada (e problemática) edição de 2017, com média de 2.402 pessoasPelo acordo, nada de fase classificatória sem o Trio de Ferro, que só vinha entrando no hexagonal. Agora, todos os clubes voltam a se enfrentar, o que não acontecia desde 2013 – a ideia é, também, que os grandes do futebol local voltem a atuar no interior, o que quase não vinha ocorrendo devido à regra diferenciada sobre o tipo de gramado para “clubes das Séries A e B”. Tem mais. Agora, serão três fases de mata-mata.

Para isso, segundo a federação, valeu em parte o relatório Voz do Torcedor, que colheu a opinião de 4.040 torcedores, com o mata-mata à frente dos pontos corridos (52,87% x 47,13%). Considerando o formato dos jogos eliminatórios, a ordem foi a seguinte: semi+final 51%, quartas+semi+final 43% e apenas final 5%. Apesar deste segundo indicativo, os clubes optaram por implantar as quartas de final. No mata-mata, uma maior exigência estrutural só virá a partir da semifinal, com estádios com ao menos 10 mil lugares.

Lembrando que o Estadual não terá doze participantes após dez anos. Iniciando um processo de redução – caindo dois e subindo apenas um -, o campeonato terá onze times em 2018, cuja regra será novamente aplicada, chegando a dez em 2019. Vamos aos detalhes do novo regulamento…

Obs. A proposta 2 foi aprovada com 44 x 31 em pontos qualitativos. Os grandes clubes optaram pela proposta 1, sem quartas, mas foram derrotados.

Proposta para o Campeonato Pernambucano de 2018 

Nº de participantes: 11 clubes
Os dez melhores de 2017 (Sport, Salgueiro, Santa Cruz, Náutico, Belo Jardim, Central, Flamengo de Arcoverde, Afogados, América e Vitória) e o campeão da Série A2 (em disputa) 

1ª fase: turno único
Todos os clubes se enfrentam em jogos de ida, se classificando os oito melhores colocados. Os dois últimos serão rebaixados. A etapa prevê 55 partidas ao longo de onze rodadas, com cada clube jogando dez vezes (cinco como mandante e cinco como visitante) e folgando em uma rodada.

2ª fase: quartas de final
Pela primeira vez o Estadual conta com esta disputa. Devido ao calendário enxuto, a definição ocorre em jogos únicos, com mando de campo para quatro melhores colocados (1 x 8, 2 x 7, 3 x 6 e 4 x 5). Persistindo o empate, pênaltis.

3ª fase: semifinal
Esta fase foi implantada em 2010, mudando apenas o critério de desempate desde então (melhor campanha, saldo de gols, gol qualificado etc). Desta vez, definição apenas no jogo de “ida”, nos mesmos moldes das quartas. 

4ª fase – final
Enfim, um mata-mata em ida e volta. Em relação ao desempate, após a igualdade da pontuação na fase, adotou-se o saldo. Seguindo o empate, pênaltis. Ao todo, o campeão pernambucano entra em campo 14 vezes. Lembrando que, com o novo formato do Nordestão, apenas o campeão estadual vai ao regional – no caso, à edição de 2019. As outras duas são designadas aos times locais mais bem colocados no Ranking da CBF.

Total de jogos: 63, ou 32 a menos em relação a 2017.

O conselho arbitral do Pernambucano 2018. Foto: FPF/twitter

O troféu do Campeonato Pernambucano de 2018 mantém padrão da “Champions”

O troféu do Campeonato Pernambucano de 2018. Foto: João de Andrade Neto/DP

Pela primeira vez em muito tempo, a Federação Pernambucana de Futebol apresentou o troféu do campeonato estadual antes da disputa da competição. Foi a primeira novidade na tarde reservada ao conselho arbitral de 2018, embora ainda com a imagem do projeto numa tela de computador.

Após os dois modelos idênticos, em 2016 e 2017, a nova peça, com 60 cm de altura, traz características distintas, a partir da bandeira do estado. No entanto, mantém o formato semelhante das precursoras, livremente inspirado no sucesso da “orelhuda” da Champions League, também seguida no Nordestão.

O que você achou do troféu do Campeonato Pernambucano de 2018?

A competição será disputada por onze clubes num novo formato. Veja aqui.

As dez taças anteriores do Campeonato Pernambucano
2008 – Troféu Radialista Luiz Cavalcante (Sport)
2009 – Troféu Governador Eduardo Campos (Sport)
2010 – Troféu Tribunal de Justiça de Pernambuco (Sport)
2011 – Troféu 185 anos da Polícia Militar de Pernambuco (Santa Cruz)
2012 – Troféu Rede Globo Nordeste (Santa Cruz)
2013 – Troféu FPF (Santa Cruz)
2014 – Troféu 100 anos do Campeonato Pernambucano (Sport)
2015 – Troféu Centenário da FPF (Santa Cruz)
2016 – Troféu Pernambucano Celpe A1 (Santa Cruz)
2017 – Troféu Bicentenário da Revolução de 1817 (Sport)

2018 – Nome a definir

Os troféus do Campeonato Pernambucano de 2008 a 2017

Libertadores e Copa Sul-Americana com jogos de janeiro a dezembro de 2018

Taça Libertadores e Copa Sul-Americana; Crédito: Conmebol/site oficial

A Conmebol divulgou os calendários, fase por fase, da Libertadores e da Sul-Americana de 2018, com jogos já em 22 de janeiro, pela Pré-Libertadores, seguindo até 12 de dezembro, na decisão da Sula. A agenda precisou acomodar os dois torneios e ainda liberar datas para as confederações nacionais, fora as quatro paradas para os amistosos das seleções, sempre com dois jogos, e, sobretudo, o período para a Copa do Mundo na Rússia.

De forma simultânea, as copas internacionais vão ocorrer de fevereiro a novembro, repetindo o formato adotado em 2017. Entretanto, apesar do cronograma oficial, há uma data “pendente”. A entidade ainda estuda a mudança da final da Liberta para “jogo único”, que seria realizado em 1º de dezembro, num sábado, em vez de 7 e 28 de novembro, duas quartas-feiras.

Imitação da Champions League? Na América do Sul o cenário não parece propício, primeiro pela quebra da tradição histórica do torneio, e também devido às distâncias maiores e à pior infraestrutura de transporte.

Vale lembrar que o Brasil tem 7 vagas na Libertadores (Série A, do 1º ao 6º, e Copa do Brasil, com o campeão Cruzeiro) e 6 na Sul-Americana (Série A, do 7º ao 12º), fora as vagas extras em caso de títulos continentais na temporada vigente. Na Liberta, os brasileiros estreiam na 2ª fase, em 31 de janeiro. Na Sula, jogos a partir de 14 de fevereiro, com a 1ª fase até 9 de maio!

Com a divulgação deste calendário, a direção de competições da CBF deve se apressar em formular o cronograma do país para 2018. Depois, será a vez da FPF, com um novo formato do Campeonato Pernambucano

Participações pernambucanas na Conmebol
Liberta: Sport (1988 e 2009) e Náutico (1968)
Sula: Sport (2013, 2014, 2015, 2016 e 2017), Náutico (2013) e Santa (2016)

O calendário oficial da Conmebol para 2018. Crédito: Conmebol/site oficial

Transmissão ao vivo de um jogo do Íbis

Transmissão online de Ferroviário do Cabo 0 x 1 Íbis. Crédito: FPF/reprodução

Com uma arrancada surpreendente na Série A2 do Estadual, vencendo nas duas primeiras rodadas, o Íbis seguiria a tabela contra o Ferroviário do Cabo, no estádio Gileno de Carli. Jogo de portões fechados, por falta de laudos técnicos, mas “à disposição” do público. Em caráter experimental, a FPF iniciou a transmissão online do torneio – começou na véspera, com o Clássico das Multidões pelo Pernambucano Sub 20, paralelamente à segundona.

Esse modelo de transmissão é uma parceria da federação com o site mycujoo, especializado em streaming de partidas de futebol e que já realizou trabalho semelhante na Copa São Paulo de Juniores. A ideia local é exibir os principais jogos de todas as categorias à parte da primeira divisão profissional, cujos direitos de transmissão já estão negociados com a Rede Globo até 2018.

Portanto, assista ao Pior Time do Mundo… Na tevê? Oportunidade rara.

Atualização: o Íbis venceu a terceira seguida e segue líder do grupo A.

Sete de Setembro estreia na A2 com 2 mil torcedores e apenas 11 atletas inscritos

Pernambucano 2017, Série A2: Sete de Setembro 0 x 2 Porto. Crédito: Sete de Setembro/assessoria

O Sete de Setembro é um dos clubes mais tradicionais de Pernambuco, sendo proprietário do segundo maior estádio do interior, o Gigante do Agreste. No entanto, está há bastante tempo à margem. Já são sete anos perambulando na segunda divisão. Na estreia de 2017, em nova tentativa de retorno, o alviverde de Garanhuns passou por um episódio insólito. Recebeu o Porto de Caruaru, com a torcida local marcando presença: 2.328 torcedores, número bem superior à maioria das partidas da primeirona. Já o time, nem tanto. Embora tenha contado com o seu principal reforço, o atacante Araújo, de 40 anos, o próprio clube explicou a bronca em sua página oficial no facebook.

“A estreia na Série A2, contra o Porto, infelizmente foi com derrota. O time perdeu pelo placar de 2 x 0, com gols de Erikys e Alisson. O Porto soube tirar proveito dos desfalques do time setembrino. É que o Sete contou com apenas 11 jogadores, divididos entre titulares e reservas, sem ninguém no banco. Esse fato ocorreu devido aos problemas para a regularização dos jogadores – alguns deles não foram liberados a tempo pelos clubes.”

Pois é. Durante o hino, já estavam em ação todos os jogadores em condições. E o Sete ainda desperdiçou um pênalti e teve um gol anulado. Dia difícil.

Eis a escalação inacreditável na súmula oficial da partida…

Pernambucano 2017, Série A2: Sete de Setembro 0 x 2 Porto. Crédito: FPF/site oficial

Relatório da FPF sobre a Voz do Torcedor traz fórmula preferida e ranking de torcida

Pesquisa a "Voz da Torcida" da FPF, em 2017. Crédito: FPF/reprodução

A FPF divulgou o relatório sobre a pesquisa online Voz do Torcedor, com as opiniões de torcedores pernambucanos sobre a fórmula do campeonato estadual de 2018. Ao todo, foram 4.040 participações, com equilíbrio na questão principal: mata-mata 52,8% x 47,1% pontos corridos. Considerando a manutenção do mata-mata na reta final, a opção mais votada foi “semifinais e finais”, com 51%. Trata-se do modelo adotado desde 2010, diga-se.

À parte da formatação, a enquete também detalhou o perfil dos participantes, com idade, sexo, clube do coração (com 12 times locais e a opção “outros”) e motivos para voltar frequentar os estádios, após a esvaziada edição de 2017. Durante um mês, o cadastro de sugestões do público chegou a 400 páginas.

Participantes na pesquisa da FPF:
48,9% – Sport
27,5% – Santa Cruz
13,9% – Náutico

Nº de sócios entre os participantes dos clubes (o % sobre o quadro geral):
26,9% – Náutico (3,7%)
25,9% – Santa Cruz (7,1%)
20,8% – Sport (10,1%)

Mata-mata x Pontos corridos (a fórmula preferida):
71,2% x 28,7% – Santa Cruz
50,3% x 49,6% – Náutico
47,1% x 52,8% – Sport

Abaixo, confira a íntegra do relatório Voz do Torcedor, com 13 páginas.