Tropa de choque alvirrubra para evitar o próprio choque

Colegiado do Náutico em 2013. Foto: Simone Vilar/Náutico

Uma direção do futebol profissional no país costuma ser formada por cerca de quatro nomes, sendo um vice-presidente de futebol e mais três dirigentes dividindo as tarefas na gestão do elenco. Não há um padrão definido, claro, com a composição podendo variar levemente para mais ou para menos.

A direção de futebol do Náutico, por exemplo, vinha sendo comandada por apenas duas pessoas. O que dizer, então, de um salto para 17 diretores nos Aflitos? O anúncio da formação de um colegiado, nesta segunda-feira, não foi exatamente uma novidade no futebol. Mas vale uma análise.

Em Pernambuco, o Santa Cruz foi administrado desta forma na década de 1970. Já no cenário nacional existem casos semelhantes em times tradicionais. Surpreendeu, contudo, a quantidade de dirigentes integrados nesta verdadeira tropa de choque do Alvirrubro, cujo orçamento será acima de R$ 45 milhões.

Colegiado no futebol do Náutico. Foto: Simone Vilar/Náutico

Naturalmente, as arestas ideológicas existem. Algumas delas foram aparadas e outras não, mas a união pelo clube torna-se o maior vetor para reunir as mais variadas correntes políticas do clube (veja aqui).

Nesta leva de nomes, os ex-presidentes André Campos, campeão do centenário, em 2001, e Ricardo Valois, mandatário no último título timbu, em 2004. Américo Pereira e Gustavo Krause, lideranças sempre presentes e respeitadas entram agora de forma mais direta nas decisões.

Um movimento desse porte, à parte de uma intervenção branca, só acontece com o devido apoio do presidente. No caso, Paulo Wanderley. O objetivo principal é a formação de outra tropa de choque, desta vez nos gramados, para a Série A. As ideias vão surgir, aos montes. Caberá ao colegiado conviver com as diferenças para fazer valer a quantidade de nomes neste velho/novo modelo.

Colegiado do Náutico em 2013. Foto: Simone Vilar/Náutico

A ciranda de Bala

Quase 7 meses depois de marcar um dos gols na decisão da Copa do Brasil contra o Corinthians, Carlinhos Bala deixa o Sport para dar sequência à sua ciranda nos grandes clubes do Recife (6ª participação em 10 temporadas). Após uma negociação que vinha se desenhando há muito tempo, o atacante acertou com o Náutico por R$ 50 mil mensais. Valor que ele havia recusado para renovar no Sport. Porém, o jogador deverá receber R$ 100 mil de luvas do Alvirrubro, que formou um ótimo ataque para 2009 (Bala/Somália).

A negociação, concretizada na noite desta terça-feira, foi muito bem articulada pelo vice de futebol alvirrubro Ricardo Valois (esse sim, um ótimo “reforço” do Timbu). Esta será a 2ª passagem de Bala pelo Timbu. Em 2001, quando ainda era chamado de “Carlinhos Silva“, ele formou a dupla de ataque com o… Menino Kuki! A parceria durante a Série B quase levou o Náutico à elite. Kuki fez 14 gols, enquanto Bala fez 6. O time foi eliminado nas quartas-de-final pelo Figueirense (veja AQUI). Na foto abaixo, Bala (de cabeça raspada… 8-O ) é abraçado por Kuki.

“Estou muito feliz em jogar pelo Náutico. A torcida alvirrubra pode acreditar no meu potencial, irei me esforçar o bastante para conquistar os objetivos, primeiramente o Pernambucano”, disse o jogador em entrevista ao site oficial do Náutico após o acerto.

Ao todo, Bala já disputou 86 jogos pela Série A, marcando 20 gols. Veja mais números do jogador no Blog dos Números.

Calinhos é abraçado pelos companheiros do Náutico em 20011999/2001 – Santa Cruz
2001 – Náutico
2002 – Santa Cruz
2004/2006 – Santa Cruz
2007/2008 – Sport
2009 – Náutico

Obs. Entre 2002 e 2004, Bala esteve no Beira-Mar, de Portugal. E em 2006, o jogador foi negociado com o Cruzeiro.

Abaixo, o vídeo com a polêmica declaração de Carlinhos após a vitória rubro-negra sobre o Alvirrubro, nos Aflitos, no segundo turno do último Estadual.