Revista oficial do Sport é lançada no hotel oficial do futebol sul-americano

Lançamento da revista oficial do Sport em 2013, na cidade de Luque, no Paraguai. Foto: Joaquim Costa/divulgação

Assunção – A passagem no Paraguai, no coração da direção da Conmebol, motivou o Sport ao lançamento da primeira edição de sua revista oficial. O produto de 60 páginas chega ao mercado com reportagens em português e espanhol. Serão dez mil exemplares ao custo de R$ 10, ou metade do preço para os sócios do clube, hoje com vinte mil no quadro. É possível conferir a revista produzida pelo Grupo Torcida na versão flip aqui.

O lançamento, com o goleiro Magrão no estande, não poderia ser mais oportuno, na véspera de um confronto pela Copa Sul-americana. O fato de o adversário ser o Libertad ajudou nesta empreitada, pois a hospedagem em Luque coincidiu com o evento, realizado no Hotel Bourbon Conmebol. Sim, a relação do nome é direta. O hotel cinco estrelas inaugurado em 1º maio de 2011 faz parte do complexo da entidade. A sede da confederação, aliás, fica bem em frente.

Hotel Bourbon Conmebol, no Paraguai. Foto: Cassio Zirpoli/DP/D.A Press

Uma das particulares do hotel é a nomeação de salões com torneios, como Copa América e Libertadores. Entre os hóspedes, é comum a presença de dirigentes de clubes e federações de todo o continente, além de atletas em trânsito no Paraguai, sede de competições de base. No momento do lançamento, por exemplo, o saguão contava com meninas do Sub 17, participantes do Sul-americano da categoria.

Neste cenário puramente futebolístico, o lançamento da nova revista rubro-negra, bimensal, foi uma boa jogada de marketing…

Hotel Bourbon Conmebol, no Paraguai. Foto: Cassio Zirpoli/DP/D.A Press

Arquibancadas batizadas no Feliciano Cáceres, um estádio para três torcidas

Estádio Feliciano Cáceres, em Luque, no Paraguai. Foto: Cassio Zirpoli/DP/D.A Press

Assunção – A 20 quilômetros do centro de Assunção, a casa do Sportivo Luqueño é relativamente nova. No lugar de um palco velho e acanhado, o estádio foi erguido em 1999, com o objetivo de receber seis partidas da Copa América daquele ano, a primeira em solo paraguaio na história. Foi lá que o argentino Martín Palermo perdeu três pênaltis contra a Colômbia, na derrota dos hermanos por 3 x 0. Com capacidade para 26 mil torcedores, o Estádio Feliciano Cáceres fica na região central de Luque, na região metropolitana de Assunção.

A estrutura é bem semelhante ao dos grandes “alçapões” nos países vizinhos, com torcida bem próxima ao campo, alambrados enormes e estrutura mediana. Sim, apesar dos 14 anos, ainda há corredores inacabados no Feliciano. O estado do gramado pode até enganar na transmissão pela tevê. O piso é duro e irregular, onde o Sportivo Luqueño costuma ser um dos principais adversários do trio Olimpia, Cerro Porteño e Libertad fora da capital.

Estádio Feliciano Cáceres, em Luque, no Paraguai. Foto: Cassio Zirpoli/DP/D.A Press

Não por acaso, tem três títulos nacionais. As conquistas são devidamente lembradas nas arquibancadas. Nas “graderias”,  como são chamados os setores, há a geral Campeones año 1951-1953″, uma outra pintada com a frase “Campeones Apertura 2007″. Há até uma lembrança em uma graderia para Nicolás Leoz, o paraguaio que presidiu a Conmebol de 1986 a 2013.

A torcida  local, que leva casas próximas a terem as fachadas nas cores amarelo e azul, se faz presente em qualquer situação no estádio. Inclusive quando o time não está presente. Nesta quarta, no jogo entre Libertad e Sport, uma parte da arquibancada será destinada somente para os “hinchas” do Sportivo Luqueño, por 5 guaranis, ou R$ 2,60. A torcida, segundo a imprensa local, será neutra. A intenção é continuar presente nas graderias do Feliciano Cáceres…

Estádio Feliciano Cáceres, em Luque, no Paraguai. Foto: Cassio Zirpoli/DP/D.A Press

A camisa do Libertad vale ingresso, mas não é tão fácil achá-la

Venda de camisas da seleção paraguaia, Olimpia e Cerro Porteño, no centro de Assunção, no Paraguai. Foto: Cassio Zirpoli/DP/D.A Press

Assunção – Sem surpresa, o Sport ainda é um desconhecido no Paraguai. Nunca atuou no país e a sua única ligação com o futebol local são dois amistosos contra o Cerro Porteño, em 1996 e 1997, ambos no Brasil e com vitória rubro-negra por 2 x 0. Contudo, a impressão é de que o Libertad, adversário nas oitavas de final da Copa Sul-americana, tem mais prestígio com os brasileiros do que com os próprios paraguaios.

Talvez por estar quase sempre presente na Libertadores e na própria Sul-americana. No cenário local, apesar da maioria dos títulos nacionais na última década, o apelo popular é pequeno. Em uma caminhada pelo centro político e econômico da cidade não é fácil encontrar algo que remeta ao Guma, como é conhecido do “time do presidente”.

Na Plaza de la Libertad, apesar do nome, não havia nenhuma camisa ou bandeira do time à venda. Já os tradicionais rivais, Olimpia e Cerro Porteño, dominam o cenário . Os uniformes dos clubes e da seleção paraguaia dividiam o espaço nos varais em frente ao Banco Nacional. A camisa grande sai por 40 guaranis (Gr$), ou 21 reais.

Copos de clubes paraguaios. Foto: Cassio Zirpoli/DP/D.A Press

A vendedora foi suscinta sobre a falta de camisas do Libertad. “Tem pouca gente interessada, então não tem para quer tomar o espaço”. Segundo ela, para encontrar, teria que “andar muito”. De fato, no caminho até o hotel, o único produto sobre o clube foi um copo de vidro, bem escondido.

Esse cenário explica de certa forma as promoções do Libertad para o confronto contra o Leão, no estádio Feliciano Cáceres. Com a partida a 20 quilômetros do centro de Assunção, a torcida do mandante deve ser ainda menor. Ou pelo menos seria, pois sócio não pagará e nem mesmo quem for com a camisa oficial. Os demais pagarão Gr$ 5, ou R$ 2,60. Enquanto isso, a torcida do Sport terá que desembolsar 100 guaranis para ficar na arquibancada (R$ 52)..

Vale ressaltar que camisa do Sport não terá direito a qualquer desconto…

Bandeiras de Olimpia e Cerro Porteño, em Assunção. Foto: Cassio Zirpoli/DP/D.A Press