O histórico dos 23 convocados para as Eliminatórias, com Diego Souza na lista

O primeiro treino do Brasil visando o jogo contra o Uruguai, no CT do Corinthians. Foto: Lucas Figueiredo/CBF

A CBF divulgou o perfil de todos os jogadores lembrados por Tite para os jogos contra Uruguai e Paraguai, pelas Eliminatórias da Copa 2018. O relatório (abaixo) traz o número de convocações, partidas disputadas, minutos em campo e gols marcados. Considerando os 23 nomes para as rodadas 13 e 14, segundo a diretoria de seleções da entidade, o lateral-direito Daniel Alves é o mais experiente na Canarinha, com 100 apresentações. Já Neymar é o principal artilheiro. Com 25 anos, o atacante do Barcelona já soma 50 gols pelo Brasil – Pelé, o maior goleador da Seleção, tem 77 gols em jogos oficiais.

A lista conta com Diego Souza. Aos 31 anos, o meia do Sport, chamado como atacante, tem apenas três jogos com a camisa verde e amarela, totalizando 128 minutos, metade no último amistoso, o Jogo da Amizade no Engenhão.

23/03/2017 (20h00) – Brasil  x Uruguai (Montevidéu)
28/03/2017 (21h45) – Brasil x Paraguai (Arena Corinthians)

Confira o quadro em uma resolução maior clicando aqui.

Perfil dos 23 convocados do Brasil para as rodadas 13 e 14 das Eliminatórias da Copa 2018. Crédito: CBF/reprodução

Argentina e Chile decidem novamente a Copa América, na 19ª final em 100 anos

A decisão da Copa América de 2016, Argentina x Chile. Crédito: Conmebol/twitter (@conmebol)

Separados pela Cordilheira dos Andes, argentinos e chilenos encaram um cenário inédito no futebol do continente, decidindo a Copa América em dois anos seguidos. Após a inédia conquista de La Roja em 2015, em casa, um novo confronto entre Messi, Vidal, Higuaín e Alexis Sánchez, agora em campo neutro. Bem longe, nos Estados Unidos, que recebem o torneio pela primeira vez, numa composição especial com dez seleções filiadas à Conmebol e seis à Concacaf.

Em 45 edições, esta é a 19ª final. Inicialmente chamado de Campeonato Sul-Americano, o torneio já teve inúmeros formatos. Começou com turno único, tendo uma decisão (“jogo desempate”) em caso de igualdade na pontuação. Assim, a primeira final ocorreu nas Laranjeiras, em 1919, no duelo entre brasileiros e uruguaios. Este clássico, aliás, é o mais recorrente, com quatro finais ao longo de um século. Em apenas três casos a decisão ocorreu em mais de um jogo, entre 1975 e 1983, com o formato sem sede fixa, em jogos de ida e volta. Em caso de empate, disputava-se um terceiro jogo em campo neutro.

Alguns jogos históricos, com status de final, na verdade aconteceram na última rodada de quadrangulares decisivos, como em 1989, com 132 mil pessoas no Maracanã assistindo ao gol de Romário sobre a Celeste. A partir de 1993, todas as edições tiveram fase de grupos, quartas, semi e final. Até hoje, considerando decisões de fato e de direito, foram onze confrontos distintos valendo a taça.

As finais da Copa América
1ª) 1919 – Brasil 1 x 0 Uruguai (Rio de Janeiro)
2ª) 1922 – Brasil 3 x 0 Paraguai (Rio de Janeiro)
3ª) 1937 – Argentina 2 x 0 Brasil (Buenos Aires)
4ª) 1949 – Brasil 7 x 0 Paraguai (Rio de Janeiro)
5ª) 1953 – Paraguai 3 x 2 Brasil (Lima)
6ª) 1975 – Peru x Colômbia: 0 x 1 (Bogotá), 2 x 0 (Lima) e 1 x 0 (Caracas)
7ª) 1979 – Paraguai x Chile: 3 x 0 (Assunção), 0 x 1 (Santiago) e 0 x 0 (B. Aires)
8ª) 1983 – Uruguai x Brasil: 2 x 0 (Montevidéu) e 1 x 1 (Salvador)
9ª) 1987 – Uruguai 1 x 0 Chile (Buenos Aires)
10ª) 1993 – Argentina 2 x 1 México (Guayaquil)
11ª) 1995 – Uruguai (5) 1 x 1 (3) Brasil (Montevidéu)
12ª) 1997 – Brasil 3 x 1 Bolívia (La Paz)
13ª) 1999 – Brasil 3 x 0 Uruguai (Assunção)
14ª) 2001 – Colômbia 1 x 0 México (Bogotá)
15ª) 2004 – Brasil (4) 2 x 2 (2) Argentina (Lima)
16ª) 2007 – Brasil 3 x 0 Argentina (Maracaibo)
17ª) 2011 – Uruguai 3 x 0 Paraguai (Buenos Aires)
18ª) 2015 – Chile (4) 0 x 0 (1) Argentina (Santiago)
19ª) 2016 – Argentina x Chile (Nova Jersey)

Finais mais repetidas
4 – Brasil x Uruguai
3 – Brasil x Paraguai e Brasil x Argentina
2 – Argentina x Chile
1 – Peru x Colômbia, Paraguai x Chile , Uruguai x Chile, Argentina x México, Brasil x Bolívia, Colômbia x México e Uruguai x Paraguai

Chile, o 8º país campeão da Copa América

Chile, o campeão da Copa América 2015. Foto: Conmebol/Twitter

Inicialmente, a Copa América de 2015 deveria ter sido organizada pelo Brasil, que trocou de vez com o Chile por causa da quantidade de eventos esportivos já agendados para o país. Aos chilenos, entretanto, a oportunidade era excelente. Uma chance de levantar a autoestima do país, que sofreu catástrofes recentes, além de colocar em campo a sua melhor geração, com chances reais de título. Algo que jamais havia sido alcançado por La Roja.

Jogando seis vezes no Estádio Nacional, em Santiago, sempre com uma pressão incrível de sua torcida, o Chile chegou lá. Superou a Argentina de Messi nos pênaltis, após 120 minutos em branco numa tensa final. A penalidade decisiva foi assinalada pelo craque da seleção, Alexis Sánchez. Um cavadinha para a história do país, o 8º membro da Conmebol a ganhar a Copa América.

Ano do 1º título sul-americano
1916 – Uruguai (15 no total)
1919 – Brasil (8)
1921 – Argentina (14)
1939 – Peru (2)
1953 – Paraguai (2)
1963 – Bolívia (1)
2001 – Colômbia (1)
2015 – Chile (1)

Eis o gol mais importante da história do futebol chileno…

 

O mata-mata da Copa América 2015

Quartas de final da Copa América 2015. Crédito: Chile/organização

A primeira fase da Copa América no Chile foi bastante movimentada, com 40 gols em 18 partidas, proporcionando uma média 2,22. Todos os favoritos avançaram, até mesmo pelo formato do torneio, quase impossível de ser eliminado (classificação abaixo). Assim, o mata-mata está formado até a decisão do 47ª título continental. Curiosamente, entre os oito países restantes estão os sete ex-campeões. O único sem título é justamente o dono da casa.

Eis os duelos pelas quartas de final…

Chile x Uruguai (24/06, 20h30, Santiago)
Organizando o torneio pela 7ª vez, o Chile enxerga neste ano a sua maior chance de enfim erguer a taça. Com dez gols na primeira fase, La Roja vai justificando a expectativa. Resta saber se irá suportar a pressão. Enfrentará o Uruguai, campeão sul-americano em solo chileno em 1920 e 1926, com a geração da “Celeste Olímpica”, os charrúas seguem com o script de sempre. Sem agradar em campo, mas com copeirismo demais, mesmo sem Suárez.

Bolívia x Peru (25/06, 20h30, Temuco)
É o único confronto sem uma seleção gabaritada, mas ainda assim com dois ex-campeões – de um tempo quase remoto no futebol continental. Dificilmente o campeão de 2015 sairá desta chave, mas bolivianos e peruanos, vizinhos na América, fizeram campanhas dignas, com Marcelo Moreno e Paolo Guerrero como principais nomes. À Bolívia pesou o massacre sofrido para o Chile (5 x0). No Peru, a coletividade do time ainda deixa a desejar.

Argentina x Colômbia (26/06, 20h30, Vinã del Mar)
Os hermanos seguem como favoritos, mas ainda esperam por Messil, que, até aqui, teve apenas lampejos. Eles enfrentarão um inconstante Colômbia, com apenas um gol marcado. A sua vaga esteve por um triz, torcendo para que o Brasil não cedesse o empate para a Venezuela. Na verdade, só jogou mesmo contra a Seleção. Nas outras apresentações, em branco, nada de James Rodriguez e cia. Tal cenário contra a Argentina é eliminação certa.

Brasil x Paraguai (27/06, 18h30, Concepción)
Repeteco do duelo pelas quartas de final de 2011, em La Plata, na Argentina, com a classificação paraguaia. Curiosamente, agora, em 2015, a diferença é ainda menor entre as equipes. Pelo mau momento dos brasileiros, sem Neymar e sem personalidade, e também pela força apresentada pelo time guarani, com Lucas Barrios à frente e um sistema de marcação eficiente. O tempo de preparação, seis dias, pode ajudar Dunga a remendar as feridas da Seleção.

Pitacos do blog sobre os semifinalistas: Chile, Peru, Argentina e Brasil.

A classificação da fase de grupos da Copa América 2015. Crédito: Conmebol/Twitter

A Seleção Brasileira no Arruda, nas páginas do Diario de Pernambuco

Capas do Diario de Pernambuco nos dias seguintes aos jogos oficiais da Seleção Brasileira no Arruda

A Seleção Brasileira já disputou nove jogos oficiais em Pernambuco.

Segundo a norma da Fifa, esse contexto se aplica às partidas envolvendo as seleções reconhecidas entidade, com suas equipes principais.

Todas os duelos aconteceram no Arruda, no período após a conclusão do anel superior do estádio José do Rego Maciel.

Foram oito vitórias do Brasil e um empate, na estreia. A agenda completa incluiu seis amistosos, dois jogos pelas Eliminatórias da Copa do Mundo e um na Copa América. Nas arquibancadas, nada menos que 541.717 torcedores.

O público presente teve uma excelente média de 60.190 pessoas.

Todas as partidas tiveram destaque na capa do Diario de Pernambuco, no dia seguinte. Reveja todas as capas do jornal, em uma viagem no tempo que mostra também a evolução da própria cobertura jornalística.

19/05/1982 – Brasil 1 x 1 Suíça
02/05/1985 – Brasil 2 x 0 Uruguai
30/04/1986 – Brasil 4 x 2 Iugoslávia
09/07/1989 – Brasil 2 x 0 Paraguai
29/08/1993 – Brasil 6 x 0 Bolívia
23/03/1994 – Brasil 2 x 0 Argentina
29/06/1995 – Brasil 2 x 1 Polônia
10/06/2009 – Brasil 2 x 1 Paraguai
10/09/2012 – Brasil 8 x 0 China

Entre 1934 e 1978, o Brasil também esteve no Recife, mas em jogos contra times locais e contra a seleção estadual (veja aqui).

A partida contra os chineses marcou a despedida verde e amarela do Mundão. A partir de agora, os jogos da Canarinha devem acontecer na Arena Pernambuco.

Até lá, novas manchetes…

A camisa do Libertad vale ingresso, mas não é tão fácil achá-la

Venda de camisas da seleção paraguaia, Olimpia e Cerro Porteño, no centro de Assunção, no Paraguai. Foto: Cassio Zirpoli/DP/D.A Press

Assunção – Sem surpresa, o Sport ainda é um desconhecido no Paraguai. Nunca atuou no país e a sua única ligação com o futebol local são dois amistosos contra o Cerro Porteño, em 1996 e 1997, ambos no Brasil e com vitória rubro-negra por 2 x 0. Contudo, a impressão é de que o Libertad, adversário nas oitavas de final da Copa Sul-americana, tem mais prestígio com os brasileiros do que com os próprios paraguaios.

Talvez por estar quase sempre presente na Libertadores e na própria Sul-americana. No cenário local, apesar da maioria dos títulos nacionais na última década, o apelo popular é pequeno. Em uma caminhada pelo centro político e econômico da cidade não é fácil encontrar algo que remeta ao Guma, como é conhecido do “time do presidente”.

Na Plaza de la Libertad, apesar do nome, não havia nenhuma camisa ou bandeira do time à venda. Já os tradicionais rivais, Olimpia e Cerro Porteño, dominam o cenário . Os uniformes dos clubes e da seleção paraguaia dividiam o espaço nos varais em frente ao Banco Nacional. A camisa grande sai por 40 guaranis (Gr$), ou 21 reais.

Copos de clubes paraguaios. Foto: Cassio Zirpoli/DP/D.A Press

A vendedora foi suscinta sobre a falta de camisas do Libertad. “Tem pouca gente interessada, então não tem para quer tomar o espaço”. Segundo ela, para encontrar, teria que “andar muito”. De fato, no caminho até o hotel, o único produto sobre o clube foi um copo de vidro, bem escondido.

Esse cenário explica de certa forma as promoções do Libertad para o confronto contra o Leão, no estádio Feliciano Cáceres. Com a partida a 20 quilômetros do centro de Assunção, a torcida do mandante deve ser ainda menor. Ou pelo menos seria, pois sócio não pagará e nem mesmo quem for com a camisa oficial. Os demais pagarão Gr$ 5, ou R$ 2,60. Enquanto isso, a torcida do Sport terá que desembolsar 100 guaranis para ficar na arquibancada (R$ 52)..

Vale ressaltar que camisa do Sport não terá direito a qualquer desconto…

Bandeiras de Olimpia e Cerro Porteño, em Assunção. Foto: Cassio Zirpoli/DP/D.A Press

A maratona rubro-negra para jogar em terras paraguaias

Assunção, Paraguai. Crédito: Google Maps

18/09 – Estádio Nicolás Leoz (Assunção) – 10.000 lugares (A)
19/09 – Estádio Defensores del Chaco (Assunção) – 40.759 lugares (B)
20/09 – Estádio Feliciano Cáceres (Luque) – 24.000 lugares (C)

Tornou-se uma novela o destino da partida entre Libertad e Sport. O jogo de ida pelas oitavas de final da Copa Sul-americana mudou mais uma vez. Foram três locais oficiais nos últimos três dias.

Inicialmente, saiu da casa do Libertad por causa da capacidade de público, metade do mínimo exigido pelo regulamento do torneio internacional. Agora, a diretoria paraguaia mudou novamente por não ter gostado da atitude da direção pernambucana – no caso, a leitura exata do regulamento.

Sem mais mudanças, o palco definitivo da partida marcado para 25 de setembro, fica na região metropolitana da capital paraguaia.

O maior estádio do país, o Defensores, fica no centro da cidade. Tomando o local como ponto de referência, o Nicolás Leoz fica a 7 quilômetros de distância. Já o novo local, construído para a Copa América de 1999, fica a 20 quilômetros.

Saiba mais sobre a polêmica em relação ao estádio da partida aqui.

Em 2011, também pelas oitavas de final da Sul-americana, o Libertad tirou o jogo contra o São Paulo do Defensores del Chaco, remanejando para o Nicolás Leoz. O modus operandi dessa vez não funcionou…

Estádios Nicolás Leoz (A), Defensores del Chaco (B) e Feliciano Cáceres (C), em Assunção/Luque, no Paraguai

Próximo destino rubro-negro na Copa Sul-americana: Paraguai

Copa Sul-americana 2013, oitavas de final: Libertad (Paraguai) x Sport

Pela quinta vez em sua história, o Sport jogará de forma oficial no exterior. As quatro primeiras partidas aconteceram nas duas participações na Taça Libertadores da América, em 1988 e 2009. Saldo de três vitórias e uma derrota.

1988 – Universitario 1 x 0 Sport (Lima, Peru)
1988 – Alianza 0 x 1 Sport (Lima, Peru)
2009 – Colo Colo 1 x 2 Sport (Santiago, Chile)
2009 – LDU 2 x 3 Sport (Quito, Equador)

Agora, pela Copa Sul-americana, é a vez de viajar para o Paraguai…

Do Aeroporto Internacional dos Guararapes até Assunção, a capital do país.

No acanhado estádio Nicolás Leoz, o Leão enfrentará o Libertad, no jogo de ida pelas oitavas de final do torneio, em setembro. Um time tarimbado nos torneios no continente, com 14 participações na Libertadores e 9 na Sul-americana.

À margem dos populares Olimpia e Cerro Porteño, o Libertad ficou 26 anos sem ganhar a liga nacional. O hiato acabou em 2002. Desde então, ergueu o troféu paraguaio oito vezes, dominando o cenário. Neste período, os dois principais rivais ganharam, juntos, cinco campeonatos. Ao todo, o Repollero tem 16 títulos.

2013 – Libertad x Sport (Assunção, Paraguai)

A partida de volta, valendo a vaga nas quartas de final, será na Ilha do Retiro.

Ou na Isla…

Assunção ou Ciudad Guayana na rota pernambucana na Sul-americana

Libertad x Mineros, na 2ª fase da Copa Sula-american 2013

O representante pernambucano nas oitavas de final da Copa Sul-americana terá um destino inédito em sua história. O vencedor do clássico entre Náutico e Sport enfrentará o classificado da chave entre Libertad do Paraguai e Mineros da Venezuela, que despacharam Wanderers e Barcelona, respectivamente.

A segunda fase do torneio acontecerá ainda em agosto. Já o duelo “internacional”, pela terceira fase da copa, deverá acontecer a partir de 18 de setembro.

Entre os gringos, a língua espanhola, milhares de quilômetros de distância do Recife e uma presença bem mais constantes nas disputas da Conmebol…

Copa Sul-americana 2013, 1ª fase: Libertad 0x0 Wanderers. Foto: Conmebol/divulgação

O Libertad é o time do coração de Nicolás Leoz, que presidiu a Conmebol de forma quase interminável, de 1986 a 2013. O dirigente, aliás, empresta o nome ao estádio do clube. À margem dos populares Olimpia e Cerro Porteño, o time ficou 26 anos sem ganhar a liga nacional. O hiato acabou em 2002. Desde então, ergueu o troféu oito vezes, dominando o cenário. Neste período, os dois principais rivais ganharam, juntos, cinco campeonatos.

Club Libertad
Fundação: 30 de julho de 1905
Apelidos: Gumarelo e Repollero
Títulos paraguaios: 16
Participações: 14 na Libertadores e 9 na Sul-americana
Melhor campanha na Copa Sul-americana: quartas de final (2003 e 2011)

Time base (4-4-2): Muñoz; Moreira, Benítez, Gómez e Mencia; Vargas, Molinas, Aquino e Miguel Samudio; Romero e Recalde. Técnico: Rubén Israel

Primeira fase em 2013:
Montevideo Wanderers 1 x 2 Libertad
Libertad 0 x 0 Montevideo Wanderers

Estádio Defensores del Chaco, em Assunção, no Paraguai. Foto: Conmebol/divulgação

Nenhum time do estado atuou de forma oficial em Assunção, a capital paraguaia. Lá, poderá entrar em um dos estádios mais tradicionais do continente, o Defensores del Chaco, cuja construção começou em 1917. Recentemente, a capacidade foi reduzida para 36 mil torcedores, apesar do documento oficial na federação nacional com 40.759 lugares, para a final da Libertadores deste ano.

Assunção (Paraguai)
Fundação: 15 de agosto de 1538
Altitude: 43 metros
População: 544.309 habitantes
Distância do Recife: 3.082 km

Copa Sul-americana 2013, 1ª fase: Barcelona 0x2 Mineros. Foto: Conmebol/divulgação

Um clube de desempenho regular na Venezuela. Após conseguir o acesso em 1982, o Mineros jamais foi rebaixado. Foi campeão nacional na temporada 1988/1989. Conta também com dois títulos de mata-mata, na Copa Venezuela, em 1985 e 2011. A sua torcida vem crescendo no país, tanto que os cinco maiores públicos do clube foram registrados nas últimas duas temporadas. O recorde, contra o CD Lara, aconteceu em 2012, com 45.673 pessoas.

Club Deportivo Mineros de Guayana
Fundação: 20 de novembro de 1981
Apelidos: La Pandilla del Sur e Los Negriazules
Títulos venezuelanos: 1
Participações: 4 na Libertadores e 4 na Sul-americana
Melhor campanha na Copa Sul-americana: 2ª fase (2012)

Time base (4-4-2): Tito Rojas; Pacheco, Hurtado, Rouga e Aguilar; Acosta, Guerra, Jiménez e Ricardo Páez; Chourio e Blanco. Técnico: Richard Paez

Primeira fase em 2013:
Mineros 2 x 2 Barcelona de Guayaquil
Barcelona de Guayaquil 0 x 2 Mineros

Estadio Cachamay, em Pueto Ordaz, na Venezuela

Em relação à Venezuela, há uma passagem local, mas em Caracas, quando o Timbu disputou a Taça Libertadores de 1968. Desta vez, a partida seria no distrito de Puerto Ordaz, na Ciudad Guyana. O palco é o moderno Estádio Cachamay, inaugurado em 1990 e reformado há seis anos para a Copa América. A capacidade atual é de 41.600 lugares.

Ciudad Guayana (Venezuela)
Fundação: 2 de julho de 1961
Altitude: 13 metros
População: 705.482 habitantes
Distância do Recife: 3.582 km

Os campeões das arquibancadas na América do Sul

Maiores médias de públicos nos dez campeonatos nacionais dos países filiados da Conmebol em 2012. Crédito: Conmebol/divulgação

Os campeões de público nas dez ligas nacionais da América do Sul apresentam números bem distintos. A Conmebol divulgou um gráfico com as maiores médias de assistência nos campeonatos da primeira divisão de 2012.

O River Plate, de volta à elite argentina, estabeleceu uma marca impressionante, quase o dobro do segundo lugar. Nada menos que 50 mil pessoas, quase a capacidade máxima do estádio Monumental de Nuñez.

No Brasil, segundo a Conmebol, o Grêmio ficou em primeiro lugar. Em recente estudo da Pluri Consultoria, o tricolor gaúcho havia ficado atrás de Corinthians e São Paulo na Série A. Em vez de 23.530 pessoas, o dado da confederação apresentou 25.845. Confira o levantamento da consultoria aqui.

De todos os dez países membros da entidade, apenas o Paraguai apresentou o clube de maior índice abaixo de dez mil pessoas. Dado pífio do Olimpia, vice-campeão da Taça Libertadores, com quatro mil pessoas.

Esse foi o último levantamento do Brasil antes das arenas. A média deverá subir.