Séries A e B do Nordestão em 2018, um desejo dos clubes. Das federações?

Copa do Nordeste com rebaixamento e acesso? Arte: Cassio Zirpoli/DP

Que a Copa do Nordeste é um torneio mais rentável que os nove campeonatos estaduais, não há discussão. De 2013 a 2016, a movimentação financeira do regional passou de R$ 16 milhões para R$ 26 milhões. Cotas maiores, públicos maiores, alcance maior. Para discordar disso, somente sentado na cabeceira de uma federação. Por isso, os clubes vêm tentando ampliar o regional. Não necessariamente com mais participantes, mas visando o nível técnico, num formato corrido, com mais clássicos, com acesso e rebaixamento…

Em maio, no Recife, os sete maiores clubes se reuniram para discutir a reformulação da Copa do Nordeste, a partir de 2018. O objetivo era reduzir o torneio de 20 para 12 clubes, com a entrada, somente no primeiro ano, do G7, via ranking histórico. Dois meses depois, outra vez na capital, um novo encontro com o grupo (Náutico, Santa, Sport, Bahia, Vitória, Ceará e Fortaleza) e três convidados (América de Natal, ABC e Botafogo de João Pessoa). Foi a primeira reunião após a divulgação do calendário da CBF para 2017, que enxugou o regional (de 12 para 8 datas) e esticou os estaduais (de 14 para 18).

Entretanto, como o documento da confederação deixava aberta a possibilidade de negociação de datas, as federações devem ceder, ao menos no próximo ano, mantendo os mesmos formatos e regulamentos, tanto no Nordestão (fase de grupo, quartas, semi e final) quanto no Pernambucano (hexagonal, semi e final). Até porque os 20 clubes da Copa do Nordeste de 2017 já estão definidos. Com o imbróglio resolvido, o foco avançou a 2018, ganhando força a ideia de Séries A e B, com doze clubes cada. A segunda divisão seria composta pelas vagas oriundas dos estaduais, além do (dos) rebaixado (s) da primeirona. Inicialmente, ainda em abril, se discutiu a implantação de um torneio de acesso no formato de grupos. Hoje, as duas competições seriam idênticas, com turno completo.

Entre os locais, participaram Emerson Barbosa e Toninho Monteiro, diretores do Náutico, Arnaldo Barros, vice-presidente do Sport, e Alírio Moraes, mandatário do Santa Cruz. O dirigente coral ilustrou o desejo dos clubes e os obstáculos…

” A pauta na verdade foi a construção de uma proposta para ser levada às presidências da Liga (do Nordeste), federações estaduais e CBF quanto ao modelo de campeonato em 2018. Há um entendimento entre os clubes (da região) que devemos ter uma Série A e uma Série B, cada qual com 12 clubes. Nesse contexto, os campeonatos estaduais perderiam importância e espaço. Ou seja, muitas discussões à vista.”

Formato proposto pelos clubes*
Série A – 12 clubes, com turno único, semifinal e final (15 datas)
Série B – 12 clubes, com turno único, semifinal e final (15 datas)
*Acesso e descenso de uma ou duas equipes por ano, ainda em discussão 

Composição das divisões em 2018 (adaptação)
Série A – 7 clubes via ranking histórico e mais 5 vagas vias estaduais
Série B – 12 vagas via campeonatos estaduais (PE, BA e CE com 2 times)

Composição das divisões a partir de 2019
Série A – 11 (ou 10) melhores da A de 2018 e o campeão (ou 1º e 2º) da B
Série B – 12º lugar (ou 11º e 12º) da A 2018 e 11 (ou 10) vagas via estaduais**
** A definir quais estados teriam duas vagas

Na prática, a Lampions teria não só que evitar a redução (de 12 para 8), como aumentar a agenda (de 12 para 15). Um formato divisional com oito datas soa inviável. Com doze, poderia haver um turno e decisão em jogo único, até mesmo em estádios pré-definidos. Porém, haveria risco sobre o interesse do público devido ao duríssimo critério de classificação, para apenas duas equipes.

Na visão do blog, levando em consideração o respeito aos critérios técnicos de composição, o formato sugerido pelos clubes é o avanço natural (também em termos de transmissão e patrocínios), lembrando a edição de 2001, que deixou o formato grupos e mata-mata e partiu para o turno único (na ocasião com 16 clubes), semifinal e final. Deu tão certo que o Nordestão de 2001 foi considerado pela imprensa nacional como o torneio regional de maior sucesso na época.

Curiosamente, no ano seguinte houve a implantação de uma divisão de acesso. Sim, o projeto atual não é inédito. Em 2002 o lanterna Confiança foi rebaixado, com 1 vitória, 1 empate e 13 derrotas. No segundo semestre a liga organizou um torneio seletivo com seis clubes – uma segunda divisão de fato, mas sem esse nome -, com vitória do Corinthians Alagoano. Tudo ok, caso a CBF não tivesse tirado o regional do calendário oficial em 2003, num processo (judicial) com sequelas até hoje. Não por acaso, os clubes estão tentando emular o passado.

Difícil será dobrar as federações sobre essa “independência” do Nordestão…

21 thoughts on “Séries A e B do Nordestão em 2018, um desejo dos clubes. Das federações?

  1. Sabe o que eu faria numa boa . Eu faria era separar o Maranhão do nordeste e do Brasil de uma vez por todas e faria nossa própria liga bem organizada com 14 clubes. A comebol nos daría de cara 2 vagas na libertadores. O povo nojento e preconceituso até o próprio nordeste tem preconceito com o Maranhão. Cruz credo . Tem gente querendo deixar o Maranhão de fora do nordestao. A se Deus me desse poder !…

  2. Li uma proposta com 32 clubes, eu gostei. Mas porque não a copa do nordeste no formato de copa do mundo ???? Com todos os jogos sendo transmitidos.4 jogos no sábado e domingo, 2 jogos todos os dias no meio de semana. Cada dia transmitido os 2 jogos por grupo. E os estaduais sejam reajustados de acordo com os jogos do Nordestão.
    BA, PE, CE: 4 equipes
    RN, AL, PB, MA, PI, SE: 3 equipes
    1 vaga por estado para o campeão e vice.

    Garanto que o estado do Nordeste iria parar, com jogos todos os dias, além de fortalecer as equipes que tem tradição e estão quebrados. Se ficar com essas idéias de 12 clubes na primeira divisão, vai acontecer exatamente o que acontece com os clubes daí do nordeste perante aos clubes do RJ e SP. Vai ocorrer uma centralização no G7, e os outros clubes vão acabar virando saco de pancadas.

    Penso assim porque se a principal competição mundial de futebol é neste formato, por que não o Nordestão neste modelo também ??

  3. Unifica o torneio 12 clubes, com turno único, semifinal e final (15 datas). O pernambucano deveria ser assim, ou com 10 clubes ida e volta. è covardia com os outros times e claramente proteção contra os da capital. Pois a federação não quer mecher com o dinheiro dos grandes do Recife, Imagina se um Nautico, Santa ou Sport fossem rebaixados? É eu não sei e tbm isso não tem a menor possibilidade de acontecer…

  4. Campeão de cada estado e atual campeão 10 clubes. Outras duas vagas via ranking. 12 clubes, com turno único, semifinal e final (15 datas).
    E uma serie B do mesmo modo só que com os vices! E que o Pernambucano mude tbm né. Essa historia de hexagonal final é uma merdé, tem classico toda hora, ninguem se interessa, nao chama atenção. Pior para os outros clubes Serra, Porto, Central, America… Esses clubes nao arrecadam e nao é nenhuma motivação assistir um turno que decide rebaixados, que lixo. Unifica o torneio 12 clubes, com turno único, semifinal e final (15 datas).

  5. Para uma Copa do Nordeste mais justa e vista com isonomia, seria o campeão e o vice de cada um dos 9 estados do NE, vamos deixar de olhar ranking e menosprezar A ou B. Campeão e vice = vaga assegurada!
    3 grupos de 6 equipes, classificando para as semifinais o 1º colocado de cada grupo, além do melhor 2º.

  6. Sou torcedor do Sport e não vejo essa Copa NE com 12 clubes como uma boa competição. Primeiro, não teríamos mais todos os estados no NE representados, além disso, a não ser que um “grande” dos estados de PE, BA, CE ou RN estejam na série B, esta não terá graça.
    Minha sugestão seria um campeonato com 16 clubes (assim como em 2002), com o campeão de cada estado (9 clubes), o campeão do ano anterior da Copa NE (1 clube) e seis vagas pelo ranking da CBF (6 clubes). Assim teríamos uma competição justa, não inchada e com todos aqueles grandes clubes que não podem ficar de fora (Séries A e B do Brasileirão).
    Para isto, seria necessário que os times da copa NE entrem diretamente no mata-mata dos estaduais (totalmente viável), deixando 19 datas para a Copa NE. Assim os estaduais poderiam ter os grandes apenas nas Oitavas de final em diante, já em ritmo adequado para enfrentar os melhores pequenos.

  7. Outra coisa, vi um comentário em que você cita como principais times do Maranhão: Sampaio Corrêa e Maranhão, Cássio o segundo time do Maranhão é o Moto Club, único que equivale os públicos do Sampaio e tá brigando na Série D.

    Nota do blog

    Igor, falha “nossa”… Quis dizer o Moto Club mesmo, claro. Vou até ajeitar o comentário. Valeu!

  8. Cássio antes de tudo, quero lembrar aos outros que sou fã seu, já falei em outras oportunidades que vc é um jornalista esportivo diferenciado do nível medíocre da nossa cidade. Com relação a matéria em questão gostaria muito de concordar com vc na questão de grandes clubes nordestinos, sua relação de clubes grandes em seus estados é saudosista, a diferença estrutural entre o Sport e ASA, Treze, Campinense, Botafogo, etc (Apenas um exemplo) nada contra esses clubes, é abissal, esses clubes já tiveram grandes torcidas hoje não mais, vale lembrar que uma torcida se renova com títulos, o torcedor morre, o novo torcedor só irá torcer pelo clube se este tiver visibilidade. Veja nosso América PE, no início do século passado rivalizava com os grandes, foi haxa campeão Pernambucano e praticamente acabou, o Náutico vai no mesmo caminho, torcida cada vez menor, enfim o que quero dizer é que discordo de vc quanto a grandes do NE, mas gostaria muito que vc estivesse certo e uma série”B” do NE fosse viável.

    Nota do blog

    Eduardo, não tentei, mesmo, colocar os times no mesmo patamar. Até porque Sport, Bahia, Vitória, Santa, Ceará… em termos de visibilidade, estão muito acima. Assim como no G11 (ou “G12″ hehe). O Flamengo e o Corinthians estão bem à frente (no contexto citado) de Grêmio, Atlético, Fluminense… Mas uma segunda divisão com Grêmio, Atlético e Flu (os três já disputaram, por isso o exemplo) fica maior. E a minha referência era para uma competição de acesso no Nordestão, dentro de suas limitações, naturalmente. Ps. Obviamente que essa (minha) visão pode ser bem distorcida da realidade hehe Abraço!

  9. Gostei da ideia,eu nem acreditei quando vi a matéria,pois seria uma tapa sem mão na cara da CBF e a Globo golpista. Já estou cansado de ver os times do Nordeste sendo roubados constantemente nos Brasileirões e nas Copas do Brasil. Temos a maior renda dos demais campeonatos nacionais e sem falar que a nossa torcida vai a campo e faz ibope que as demais regiões. Acho que as séries A e B do Nordestão deveriam ter as mesmas quantidades de clubes pra não ficar desiguais. Apesar que vai depender da CBF aprovar ou não. Eu não sei se vocês concordam comigo,mas eu acharia rendável se os clubes adotasse o sistema de franquias igual aos clubes de Basquete e Futebol Americano dos EUA,por exemplo: duas conferências = Sul e Norte,cada conferência faria o seu campeonato independente,e depois fariam uma final entre os vencedores de cada conferência. Mas só essa ideia de A e B na Lampions League já está de bom tamanho.

  10. Eu acho que uma segunda divisão na copa do nordeste ainda nao é uma boa ideia, pelo fato do de muitos times tradicionais e que foram em outros tempos maiores tanto em força como também em torcida estarem bastante decadentes (exemplos: Ferroviário, Alecrim, Piauí, Maranhão, Auto Esporte, Galicia, Ypiranga, Fluminense de feira de santana, América pernambucano, entre outros). O ideal seriam a ampliaçao do Nordestão para 32 times com 4 grupos de 8, turno e returno e com os respectivas quartas, semi e final em dois jogos. Assim, a primeira divisão teria o G7, os outros clubes grandes dos outros estados, e uma mescla de times tradicionais decadentes caso fizessem um bom trabalho, junto a outros times que ainda possuem certa força no interior como Central, Icasa, Guarany de Sobral, Salgueiro, Juazeirense entre outros. Muitos podem se perguntar que o nivel técnico poderia diminuir, jogos nao muito interessantes iriam acontecer, porém iriamos diversificar o torneio e deixá-lo mais abragente em termos regionais. Assim não correríamos o risco de aumentar ainda mais o fosso entre o G7 e outros times, conseguiriamos reanimar times que estão em baixa (uma boa campanha no estadual, logo uma vaga no torneio regional e a possibilidade de se manter a médio prazo no torneio sem sair logo de cara,e assim o time teria um tempo maior para se restruurar e alcançar melhores campanhas e diversificando o número de campeôes com o tempo, podendo resultar em melhores campanhas até nas divisões inferiores do camapeonato brasileiro. Consequentemente, haverá renovação de torcida, melhorias das receitas e com isso garatir a sobrevivência do clube. Seria bastante interessante times como Central, América Pe, Ferroviário tendo aumento de suas torcidas , mesmo que o total seja inferior aos grandes do G7, mas ao menos lotando estádios de capacidade de 20 mil torcedores do que jogos moribundos com menos de 2000 torcedores a média.) Isso pode acontecer com uma Copa do Nordeste ampliada e mais democrática. Para que o futebol nordestino se fortaleça, precisa mais do que o G7, precisa de um fortalecimento geral, tornar os outros mais fortes melhora o nivel dos estaduais e do regional, pois infelizmente, o nosso futebol tem mais força nas regiões metropolitanas das capitais (e ainda restrito essa força em Fortaleza, Recife e Salvador) e em Campina Grande e Caruaru e para mudar isso precisamos de uma copa do nordeste ampliada. Isso seria bom para o G7, pois levaria jogos e audiência para além das regiões metropolitanas, consequentemente aumentando a possibilidade de aumentar a base de suas torcidas (isso também vale para os outros times menores, com a possibilidade de terem torcidas nas suas regiões mais fortes) e também com a possibilidade de diminuir a influência dos 12 grandes na região, pois se o o futebol nordestino aumeja mais do que três times na serie A (isso quando consegue colocar três times na primeira divisão) força para ganhar competições a nível nacional e internacional precisa também enfraquecer a influência de times do eixo na nossa região. Melhorias nos estaduais, fortalecimento dos times a nível nacional, possibilidade de entrar no G12 nacional ou mesmo amplar pra G13, 14, 15 (em relação ao G12 nacional há 4 postulantes, sendo dois nordestinos (Bahia e Sport) e dois do sul (Atlético Pr e Coritiba) mas apenas com o Atlético Pr com força pra desbancar o Botafogo a médio prazo.) Mas para que tudo isso aconteça, a copa do nordeste é essencial e que seja com uma certa diversidade. Mas para isso tem que haver determinadas situações:
    Ampliação da Copa do nordeste em datas e times;
    Diminuição dos estaduais em datas, no maximo 10 e ter importância mais como torneio de pré temporada do que a coisa mais importante do ano;
    Distribuição igualitária de no minimo 80%, o ideal seria 100%, da cotas de tv na primeira fase;
    Os times do G7 não gerarem crises devido a campanhas nao muito interessante nos estaduais;
    A liga nordeste investir na captação de apoio de pequenos patrocinadores locais para ampliar a divulgação (por exemplo, além dos patrocinadores principais, colocar parceiros locais e, algumas faixas de plubidade dentro e fora do estádio. Isso ajudaria na interação do torneio com times, torcida e formentaria o apoio das empresas aos times locais, que hoje é um grande problemas para muitos da região);
    A liga nordeste tomar a frente de uma ampla pesquisa sobre as torcidas da região, para ter uma noção mais precisa sobre a quantidade de pessoas torcem por times da região, mistos e deoutras regiões do país, e assim tomar também a frente para decidir ações que visem a melhoria dos números das torcidas na região;
    A liga nordeste tentar a partir da imensa colonia nordestina que mora fora da região, tornar o torneio ainda mais pubicitado em outros estados, inclisive fazendo ações para que essa parcela de torcedores tenham preferencia por times da região nordeste, aumentonde torcida é necessqrio para o fortalecimento dos times da região (Sao Paulo, possui uma quantidade imensa de nordestinos, poderia ter ao menos 5% da torcida para os times daqui, porém nao tem);
    A liga nordeste e os clubes terem paciência nos primeiros anos, que podem ser meio dificil com esse novo formato, mas sehouver um bom trabalho e perseverança pode ser muito um salto gigantesco para o futebol nordestino.
    Classificação: 4 para Ceara, Pernambuco e Bahia, 3 pros outros estados 1 para o campeão e uma para o vice (O estado do campeão e do vice ganham uma vaga mais).
    Uma copa do nordeste ampliada pode ser o salto para os grandes e a uma possibilidade de sobrevivência para médios e tradicionais. Além do G7 com torcidas acima de um milhão de pessoas, podemos fazer com que os outros times tenham uma base de torcedores maior e garantindo suas sobrevivências, dando possibilidade de saltos a nível nacional e regional. Seria bastante interessante o América de Pe com 200 a 300 mil torcedores, lotando um estádio do porte dos aflitos, formentando a cultura futebolística, melhorando a competitividade dos torneios locais, isso vale também para o Ferroviário, Central, Alecrim, entre outros times, assim fortalecendo o futebol da região.

  11. Acho que a série A é a série B do Nordestao deveria ter 16 clubes em cada série… divididos em 4 grupo de 4… onde os 2 primeiros de cada grupo se classificaria para fazer a oitavas de final. Os últimos de cada grupo cairiam para a série B.

  12. Como dizia Nelson Rodrigues, toda unanimidade é “burra”, e como graças a DEUS não sou “maria vai com as outras” nem acéfalo, faço aqui minhas ponderações: 12 clubes na série “A” do NE, com os mais estruturados da região, tudo bem, teria visibilidade, patrocínio e apoio, haveria mais clássicos e teoricamente o nível técnico iria aumentar, agora eu pergunto, qual televisão iria patrocinar a série “B” do Nordestão não tendo nada disso, se algum torcedor gênio fosse dono de uma TV como iria vender aos patrocinadores tal torneio. Qual empresa iria atrelar sua marca a jogos enfadonhos, de nível técnico ruim e pior sem audiência. Se algum gênio da lâmpada conseguir responder meus questionamentos eu gostaria muito.

    Nota do blog

    Eduardo, talvez… Pensei nisso também, mas depois lembrei a quantidade de times grandes no Nordeste (ao menos em seus estados):

    PE – Náutico, Santa Cruz e Sport
    BA – Bahia e Vitória
    CE – Ceará e Fortaleza (desconsiderei o Ferroviário, apagado há muito tempo)
    RN – América e ABC
    PB – Campinense, Botafogo e Treze
    AL – CRB, CSA e ASA
    MA – Sampaio Corrêa e Moto Club
    SE – Sergipe e Confiança
    PI – River e Flamengo

    21 clubes. Ou seja, 9 ficariam de fora da elite. Tirando times menores na lista (como os terceiros times da PB e de Alagoas e os dois do Piauí), ainda assim restariam 17, dos quais 5 na 2ª divisão… Tem jogo.

  13. Eu achei ridícula a ideia do Gabriel Miranda por completo. E a do Almir é razoável, concordo com os 16, não concordo com Maranhão e Piauí de fora mas ok. Agora, oito passando? tudo bem, dá pra engolir já morrendo, mas o pior: Cai o pior de cada estado?? Loucura meus amigos! Isso matou por completo sua ideia. Campeonatos devem ser simples, pra doutor e o analfabeto entender, já pensou uma final entre Vitória x Bahia, com o Bahia vice campeão e caindo por ter sido o pior da Bahia? Assim você além de tudo limita os estados, nenhum estado pode crescer com os anos, igual Santa Catarina faz hoje na série A e B?

  14. Me empolguei e vou conjecturar aqui NE 2018:
    Série A com os seguintes clubes: Sampaio, Ceará, Fortaleza, Botafogo/PB, ABC, América/RN, Sport, Santa, Náutico, CRB, Bahia e Vitória. Que competição amigos! Rapaz, caindo dois e passando 4, que campeonato! Um Santa dando uma de Cruzeiro 2016 e lutando contra Z2 seria top, Fortaleza idem no mesmo ano, será normal times do G7 lutarem contra a série B do NE, TODOS ELES lutarão de vez em quando!! E a série B então, imagine o que todos os clubes do Nordeste farão pra tentar jogar essa série A de 12 times! O estadual seria valorizado sim, a menos a curto/médio prazo!

  15. A ideia é ótima! Um campeonato do Nordeste com apenas 12 times nem o Paulistão estaria a nossa frente!
    Claro que tem algumas falhas aí, mas no geral é um grande avanço! Por exemplo, numa região enorme como o Nordeste preferia 16 times, com pelo menos 1 time de cada estado, mas com 12 o nível será maior, porém reitero minha preferência pelos 16 mas também vejo que o aumento tem de ser por partes num país como o nosso… então os 12 estão de ótimo tamanho. A ideia de semifinal e final: perfeitas! Que bom que nem sequer cogitaram passar 8 times de 12! G4 deixará a competição “viva” até o fim do turno. Agora, não pode ser só um rebaixado! Isso é ridículo, é um campeonato de casta? Não tem mobilidade? 2 é perfeito! Tem de ser dois! Com o 11° e o 12° caindo, o décimo jogará a competição tenso, o nono também, o oitavo olha pro G4 e pró Z2, do sétimo em diante é G4 na cabeça, ou seja, com G4 e Z2 a competição existe pra todos até o final do turno. Até pra ter uma série B empolgante o Z2 é essencial. Falando na série B, não entendi o porquê da necessidade de haver os mesmos 12 clubes e fórmula idêntica! Pra quê? Pra começar, teríamos um déficit grande do equilíbrio dos estados, PE poderia ter 5 times nas series A e B enquanto Sergipe e Piauí só 1… acho que 20 clubes numa série B do NE é o correto pra começar, com 2 vagas para cada estado e os 2 rebaixados. E nem precisa ser pontos corridos não, divide em grupos de 5 ou de 10 times, de maneira regionalizada e ta tudo certo. Sem falar que essa série B do NE nessa fórmula proposta tende a ser deficitária, especialmente se só subir um time! Sem rebaixamento não vejo tanta necessidade de turno.
    Entretanto, todavia, isso já é um grande avanço pro Nordeste, e por incrível que pareça para as federações TAMBÉM! Claro, a médio prazo… Como? Bem, temos 12 times na série A e existe um G7, se caírem dois de 12 times a chance de cair todo ano um time do G7 nao é pequena não! É parecido com o que ocorre no Brasileiro, tendo G12 e apenas 20 clubes na série A caindo 4 deles, quase todo ano cai um grande. E caindo um do G7 do Nordeste, no outro ano esse time terá que jogar muito a sério o estadual porque caso não suba de primeira, ele terá de se classificar pelo estadual, e como se classifica pelo ano anterior a partir do momento em que cai o estadual também passa a ser prioridade, e a rivalidade local também irá exalar. Isso contando o G7, fora os médios ABC e América/RN da vida que teriam de jogar o estadual ainda mais a sério. Fora o sonho dos pequenos de jogar uma série B do Nordeste e sonhar com uma baita série A do NE!
    Ufa, que texto

    Nota do blog

    Júnior, a ideia de uma 2ª divisão maior é interessante, sim. Seria como a atual Série D, que aumentou bastante. Porém, o formato de turno com 12 times é justamente pra valorizar, também, a 2ª divisão (inclusive com transmissão na TV), além de dar calendário seguro a quem for rebaixado da 1ª – afinal, lembre-se que a proposta foi feita pelo G7, logo, eles imaginaramm como ficariam em caso de rebaixamento! Abraço

    Ps. Massa a turma comentando aqui (já me referindo aos demais textos analisando os melhores formatos para o Nordestão)

  16. Ideal pra mim:

    16 clubes, turno único, passam 8 e daí seguem para quartas, semi e final.

    O problema é que nesse caso teria que ter mais datas.

    Participantes:

    Bahia, Vitória, Sergipe, Confiança, CSA, CRB, Náutico, Sport, Santa Cruz, Treze, Campinense, Botafogo, América, ABC, Ceará, Fortaleza.

    Sim, Piauí e Maranhão de fora.

    Essa seria a primeira edição com o top 16 do NE. Depois haveria substituição por outros clubes via estaduais. Como?
    O “último” colocado de cada estado sairia, exemplo: Sport (3°), Náutico (6°), Santa Cruz (14°); Santa perderia a vaga e outro clube de PE entraria no próximo ano e assim com os demais estados.

    Acho que seria muito rentável, pois na 1a edição seriam só os melhores de cada estado via ranking histórico, depois o nível não cairia tanto assim com a renovação, pois no caso de Alagoas se saísse CRB ou CSA entraria o ASA (vice em 2013).

    Bom, só ilusão, quem sabe um dia…

  17. Eu sou contra a alteração da copa do nordeste para criação de primeira e segunda divisões.

    Mas se isso acontecer, eu diria para pegar logo as 26 datas para fazer turno e returno sem mata-mata, já que os estaduais perderiam de vez o valor.

    Caso criem divisões sem aumento de datas, seria melhor criar 2 grupos de 6, 10 datas na primeira fase e Semi e finais com 2 datas em cada, totalizando 14 datas, apenas duas a mais que hj, e ainda, com grupo da morte entre os 2 últimos de casa grupo.

    Mas grupo único em turno único seria a pior ideia possível.

    O q eu defendo mesmo seria a criação de uma segunda copa, mas ambas com classificação pelo estadual, num total de 24 times, (16 na copa principal e 8 na segunda copa), competições paralelas em 12 datas, com partida inaugural entre os vencedores das copas anteriores, e final em jogo único em estádio pre-determinado.

    Já expliquei a fórmula anteriormente, e daria muito trabalho agora, e essa mensagem já está suficientemente grande.

    =D

  18. É um absurdo a CBF querer impor os falidos estaduais em detrimento da competição que dá uma lavada em todos os sentidos nesses torneios. O Nordestão cresce a cada ano, se torna mais disputado, mais animado… Trocar isso por um estadual (com o devido peso e respeito) que só tem graça nos clássicos e nas finais é um retrocesso gigante. Absurdo demais cogitar isso.

  19. Péssima ideia, o campeonato só esquenta durante as fases de mata-mata, e querem diminuir essa fase, tem que ter no mínimo as quartas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>