Relatório da Fifa aponta que 254 clubes brasileiros (ou 35% do país) fizeram transferências internacionais em 2017

O total de jogadores negociados em transações internacionais no futebol, por ano. Crédito: Fifa TMS/reprodução

O nº de transferências no mundo, aumentando pela sexta vez consecutiva

Segundo a CBF, existem 722 clubes profissionais em atividade no país, dado de 2017. Cruzando essa informação com o novo relatório anual da Fifa sobre as transferências internacionais de jogadores, o Global Transfer Market Report 18, chega-se um quadro considerável e bem curioso. O sistema da Fifa, o TMS, aponta a CBF como a associação nacional com mais clubes envolvidos em negociações para o exterior – somando chegadas e saídas. Foram 254 times. Portanto, 35% dos clubes fizeram alguma negociação do tipo.

É quase o dobro da quantidade de clubes que disputaram as Séries A, B, C e D (128). Ao todo, 1.569 negociações tiveram o país como origem (821 atletas; US$ 288.8 milhões recebidos) ou destino (748 atletas; US$ 71.9 milhões gastos). Haja clube basicamente no papel e fazendo o papel de ponte – ou times amadores e ‘clubes formadores’, com apenas este propósito. Centros com divisões profissionais (principais e inferiores) bem mais fortes, a Alemanha e a Inglaterra tiveram 275 times presentes neste balanço. Juntas.

O total de clubes envolvidos em negociações internacionais de jogadores a cada ano e o total de clubes por país em 2017. Crédito: Fifa TMS/reprodução

No âmbito geral, a última temporada quebrou todos os recordes – total de jogadores, de clubes e países envolvidos e de dinheiro gasto. Mesmo com o freio no mercado chinês, que havia impulsionado os números de 2016, o futebol como um todo movimentou muita grana. Foram 15.624 negociações internacionais, ou 993 a mais. Quase 4 mil a mais em relação ao início da década, quando a Fifa passou a divulgar o relatório com regularidade.

O total de dinheiro gasto em transferências internacionais a cada ano. Crédito: Fifa TMS/reprodução

Em termos de investimento, o ponto alto foi a mudança de Neymar, do Barça para o PSG, por 264 milhões de dólares – a maior da história. No geral, o dado com transferências nunca havia chegado a 5 bi, pois foi além, finalizando em US$ 6,37 bilhões. Aumento de 32,7% num ano!. Numa média bruta, a título de curiosidade, isso daria 407 mil por cada jogador que mudou de país.

No meio dessas cifras gigantescas, o futebol pernambucano deu a sua contribuição. Tanto em saídas, como na venda dos direitos econômicos de atacante Erick, do Náutico para o Braga-POR (R$ 2,8 mi), quanto em chegadas, na aquisição do centroavante André, do Sporting-POR para o Sport (R$ 5,2 mi). Ambas devidamente registradas no Transfer Matching System.

As duas janelas brasileiras em 2018: de 10/01 a 02/04 e de 20/06 a 20/07.

Os tipos de negociações internacionais no futebol em 2017. Crédito: Fifa TMS/reprodução

Gita, de Raul Seixas, na versão Santa

Maestro Spok cantando a versão coral de 'Gita'. Crédito: Portão 10/facebook (reprodução)

A torcida ‘Portão 10′, do Santa Cruz, criou uma versão da música Gita, de Raul Seixas, com versos relacionados ao tricolor. Gravada em estúdio pelo Maestro Spok, a releitura do clássico de 1974 faz parte do álbum ‘Avante Santa Cruz’, agendado para o 104º aniversário do clube. Abaixo, um trecho do clipe e algumas mudanças na letra. Música já presente no Arruda…

A letra (em itálico, os versos originais da primeira estrofe):

Às vezes você me pergunta, por que é que eu sou tão pirado
Às vezes você me pergunta, por que é que sou tão calado

Não largo o meu o Santa por nada, estarei sempre ao seu lado
Não falo de amor quase nada, nem fico sorrindo ao seu lado

Eu penso em ti toda a hora
Você pensa em mim toda hora

Estou sempre a te apoiar
Me come, me cospe, me deixa

Talvez você não entenda, mas hoje eu vou te mostrar
Talvez você não entenda, mas hoje eu vou lhe mostrar

Tricolor, és minha alegria
Que eu sou a luz das estrelas

Tricolor, sempre vou te apoiar
Eu sou a cor do luar

Tricolor, tu és minha vida
Eu sou as coisas da vida

Pra sempre eu vou te amar
Eu sou o medo de amar

Colosso Coral, a 5ª versão para a cerveja oficial do Santa Cruz. Agora, pelo CT

Cerveja do Santa Cruz em 2018, a "Colosso Coral". Foto: NaTora HmB/divulgação

Entre 1995 e 2018, foram lançados cinco tipos de cerveja relacionados ao Santa Cruz. Da limitada primeira versão, importada dos Estados Unidos, à versão artesanal, a Colosso Coral, visando a receita para a construção do centro de treinamento do clube (como o bolo de rolo e os cadernos lançados). Produzido pela cervejaria NaTora HmB, sediada em Petrolina, o produto chega ao Arruda no aniversário de 104 anos do clube (R$ 25 a garrafa de 600 ml).

Eis a descrição da fabricante: “Cerveja clara, saborosa e aromática. Toques citricos e de frutas tropicais com discreto amargor a tornam bem refrescante”.

Abaixo, o blog relembra outras cervejas oficiais com a marca do Santa Cruz.

Cerveja tricolor em 2013
A última cerveja oficial do Santa, de 473 ml, havia saído em 2013, na ‘Lata Torcedora” da Brahma, com 17 clubes, sendo 5 do NE (com o trio de ferro).

Cerveja tricolor em 2012
Época do contrato mais amplo, com 35 clubes licenciados junto à Brahma, via campanha ‘Brasil, melhor futebol do mundo”. No latão: “o sabor de ser coral”.

Cerveja tricolor em 2000
A 1ª lata licenciada (350 ml) em grande escala foi a da Kaiser, via “Kaiser Clube”. O escudo coral tinha 8 estrelas, com o tri-super e o penta (69-73).

Cerveja tricolor em 1995
Foi uma edição limitada, de 355 ml, importada por Santa Cruz e Sport junto à Evansville, dos EUA. No modelo coral, destaque para o tri-super (57, 76 e 83).

Eis as versões anteriores da cerveja tricolor, da esquerda para a direita: Brahma (2013), Brahma (2012), Kaiser (2000) e Evansville (1995)

Pela ordem (esquerda pra direita): Brahma (2013), Brahma (2012), Kaiser (2000) e Evansville (1995)