Os 5.056 jogos do Santa de 1914 a 2017

Números do Santa Cruz. Arte: Maria Eugênia Nunes/DP

Bastou um mês de fundação para o Santa Cruz Futebol Clube fazer valer o seu nome, goleando em sua estreia, na antiga campina do Derby. Fundador da “liga sportiva pernambucana”, atual FPF, e único clube a disputar todas as edições do Estadual, o tricolor já contabiliza 104 temporadas de bola rolando, num histórico vivo graças à pesquisa de Carlos Celso Cordeiro. O blog deu sequência ao levantamento, atualizando o retrospecto geral nas principais competições oficiais, nos âmbitos estadual, regional, nacional e internacional. Entre os dados, a colocação no ranking (quando possível) e o aproveitamento em cada torneio, sempre considerando 3 pontos por vitória, para padronizar o cálculo. Na sequência, o rendimento coral atuando no Arruda, os maiores artilheiros, quem mais vestiu a camisa tricolor e os maiores públicos.

Em 2018: Estadual, Nordestão, Copa do Brasil e Série C.

Do 1º ao 5.056º jogo…
Primeiro: Santa Cruz 7 x 0 Rio Negro (08/03/1914), no Derby (amistoso)
Último: Santa Cruz 5 x 2 Juventude (21/11/2017), no Arruda (Série B)

Ranking Nacional de Clubes da CBF: 25º lugar (6.210 pontos)

Total (competições oficiais e amistosos*) 1914-2017
5.056 jogos (9.740 GP e 5.858 GC, +3.882)
2.557 vitórias (50,5%)
1.165 empates (23,0%)
1.322 derrotas (26,1%)
12 jogos com placar desconhecido
Aproveitamento em pontos: 58,2%

Estadual 1915-2017 (ranking: 2º)
2.251 jogos (4.894 GP e 2.267 GC, +2.627)
1.329 vitórias (59,0%)
440 empates (19,5%)
482 derrotas (21,4%)
103 participações (entre 1915 e 2017, 100%)
Melhor campanha: campeão, 29 vezes (entre 1931 e 2016)
Aproveitamento em pontos: 65,5%

Copa do Nordeste 1994-2017 (ranking: 4º)
112 jogos (163 GP e 129 GC, +34)
56 vitórias (50,0%)
18 empates (16,0%)
38 derrotas (33,9%)
11 participações (entre 1994 e 2017)
Melhor campanha: campeão em 2016
Aproveitamento em pontos: 55,3%

Brasileirão unificado 1959-2017
519 jogos (615 GP e 741 GC, -126)
152 vitórias (29,2%)
166 empates (31,9%)
201 derrotas (38,7%)
24 participações (entre 1960 e 2016)
Melhor campanha: 4º lugar em 1960 e 1975
Aproveitamento em pontos: 39,9%

Série A 1971-2017 (ranking: 26º)
485 jogos (581 GP e 688 GC, -107)
145 vitórias (29,9%)
151 empates (31,1%)
189 derrotas (38,9%)
21 participações (entre 1971 e 2016)
Melhor campanha: 4º lugar em 1975
Aproveitamento em pontos: 40,2%

Série B 1971-2017
445 jogos (600 GP e 512 GC, +88)
177 vitórias (39,7%)
130 empates (29,2%)
138 derrotas (31,0%)
20 participações (entre 1982 e 2017)
Melhor campanha: vice-campeão em 1999, 2005 e 2015
Aproveitamento em pontos: 49,5%

Série C 1981-2017
56 jogos (78 GP e 57 GC, +21)
22 vitórias (39,2%)
18 empates (32,1%)
16 derrotas (28,5%)
3 participações (entre 2008 e 2013)
Melhor campanha: campeão em 2013
Aproveitamento em pontos: 50,0%

Série D (2009-2017)
30 jogos (35 GP e 29 GC, +6)
12 vitórias (40,0%)
10 empates (33,3%)
8 derrotas (26,6%)
3 participações (entre 2009 e 2011)
Melhor campanha: vice-campeão em 2011
Aproveitamento em pontos: 51,1%

Copa do Brasil 1989-2017
85 jogos (111 GP e 107 GC, +4)
34 vitórias (40,0%)
19 empates (22,3%)
32 derrotas (37,6%)
45 confrontos; 22 classificações e 23 eliminações
23 participações (entre 1990 e 2017)
Melhor campanha: oitavas de final, 8 vezes
Aproveitamento em pontos: 47,4%

Copa Sul-Americana 2002-2017
4 jogos (4 GP e 3 GC, +1)
2 vitórias (50,0%)
1 empate (25,0%)
1 derrota (15,0%)
2 confrontos; 1 classificação e 1 eliminação

1 participação (2016)
Melhor campanha: oitavas de final, em 2016
Aproveitamento em pontos: 58,3%

Histórico em decisões no Estadual
Santa Cruz 12 x 12 Sport*
Santa Cruz 7 x 9 Náutico
*O Tricolor leva vantagem em finais na Ilha (9 x 6)

Santa Cruz no Arruda* (1967/2017)
1.495 jogos
891 vitórias (59,5%)
353 empates (23,6%)
251 derrotas (16,7%)
Aproveitamento em pontos: 67,4%
* Competições oficiais e amistosos

Maiores artilheiros
207 gols – Tará
174 gols – Luciano Veloso
148 gols – Ramon
143 gols – Betinho
123 gols – Fernando Santana

Quem mais atuou
Givanildo Oliveira – 599 jogos

Clássico das Multidões (1916-2017)
556 jogos
167 vitórias do Santa (30,0%)
158 empates (28,4%)
231 vitórias do Sport (41,5%)
Último: Santa 0 x 2 Sport (03/05/2017, Nordestão)

Clássico das Emoções (1917-2017)*
519 jogos
201 vitórias do Santa (38,7%)
150 empates (28,9%)
167 vitórias do Náutico (32,1%)
Último: Santa Cruz 2 x 3 Náutico (04/11/2017, Série B)

*O jogo ocorrido em 29 de março de 1931, durante a final do Torneio Abrigo Terezinha de Jesus, possui resultado desconhecido.

Maiores públicos

Top 5 nos Clássicos
78.391 – Santa Cruz 1 x 1 Sport, no Arruda (Estadual 21/02/1999)
76.636 – Santa Cruz 1 x 1 Náutico, no Arruda (Estadual, 18/12/1983)
75.135 – Santa Cruz 1 x 2 Sport, no Arruda (Estadual, 03/05/1998)
74.280 – Santa Cruz 2 x 0 Sport, no Arruda (Estadual, 18/07/1993)
71.243 – Santa Cruz 2 x 1 Náutico, no Arruda (Estadual, 28/07/1993)

Top 5 como mandante contra outros adversários
65.023 – Santa Cruz 2 x 1 Portuguesa, no Arruda (Série B, 26/11/2005)
62.185 – Santa Cruz 0 x 0 Flamengo, no Arruda (Amistoso, 04/06/1972)
60.040 – Santa Cruz 2 x 1 Betim, no Arruda (Série C, 03/11/2013)
59.966 – Santa Cruz 0 x 0 Treze, no Arruda (Série D, 16/10/2011)
55.028 – Santa Cruz 3 x 2 Volta Redonda, no Arruda (Série B, 06/10/1998)

Arena PE registra 14% de ocupação em 30 partidas oficiais do Trio de Ferro em 2017

Visão interna da Arena Pernambuco, a partir do anel superior. Foto: Arena Pernambuco/twitter (@arenapernambuco)

A quinta temporada da Arena Pernambuco foi a mais esvaziada em termos de público e renda no futebol, considerando os jogos oficiais dos grandes clubes da capital. Embora tenha recebido o mesmo número de partidas que o ano anterior neste contexto, 30, o borderô contabilizou uma queda de 44 mil torcedores, ou 18% a menos. A taxa de ocupação dos assentos vermelhos expõe de forma clara o cenário, com apenas 14%, reflexo da média de 6.690 – e olhe que o recorde de público, entre clubes, foi batido.

Pela primeira vez o empreendimento foi administrado do começo ao fim do ano pela Secretaria de Turismo, Esportes e Lazer de Pernambuco, que buscou soluções alternativas no entorno para o movimentá-lo (Domingo na Arena, Som na Arena e Arena games), além de eventos religiosos (um deles com 50 mil pessoas). No futebol propriamente dito, no entanto, a conta ficou difícil de fechar. Basta dizer que em 2014, com o Todos com a Nota ainda em execução, o faturamento do estádio foi de 14 milhões de reais, contando apenas o Trio de Ferro, enquanto em 2017 não chegou sequer a 3 milhões,

Nos quatro primeiros anos de operação do estádio em São Lourenço, nas gestões da Odebrecht e do governo, o resultado financeiro foi sempre negativo, com déficit de R$ 29,7 milhões em 2013, de R$ 24,4 milhões em 2014, de R$ 19,0 milhões em 2015 e de R$ 7,0 milhões em 2016. Improvável um quadro diferente no próximo balanço, a ser divulgado em junho.

Neste ano, a Arena Pernambuco registrou o pior público total, a pior média de público, a pior taxa de ocupação, a pior arrecadação, a pior média de renda e o pior tíquete médio. Apenas um dado escapou: número de jogos.

Balanço de público e renda do Trio de Ferro mandando seus jogos na Arena Pernambuco de 2013 a 2017. Quadro: Cassio Zirpoli/DP

A conturbada relação entre Náutico e Arena, mesmo com a gestão pública, resultou no menor calendário anual – desconsiderando 2013, com a operação iniciando em junho. Tanto que o alvirrubro chegou a jogar quadro vezes no Lacerdão, em Caruaru. Se em 2016 o time brigou pelo acesso, com jogos acima de 20 mil pessoas, desta vez a lanterna na Série B derrubou a presença da torcida, pela primeira vez abaixo de 10% de ocupação.

O balanço de público e renda do Náutico mandando seus jogos na Arena PE de 2013 a 2017. Quadro: Cassio Zirpoli/DP

Em junho, o governo do estado anunciou um pacote de 5 jogos com o Santa Cruz, numa sequência disputada na Série B. Foi o maior número de apresentações do clube desde 2014, mas a média de 6.374 torcedores ficou abaixo do dado até então registrado no Arruda – com 10.331 pessoas nos quatro jogos anteriores da competição. O tricolor não quis estender a parceria.

O balanço de público e renda do Santa Cruz mandando seus jogos na Arena PE de 2013 a 2017. Quadro: Cassio Zirpoli/DP

Assim como o rival coral, o Sport também teria firmado um acordo de cinco jogos na arena, mas acabou jogando apenas duas vezes – desconsiderando a Taça Ariano Suassuna, amistosa. Num desses jogos, no revés diante do Palmeiras, em 23 de julho, foi estabelecido o maior público entre clubes: 42.025. Embora a arrecadação tenha sido boa (maior que a soma dos 23 jogos do Náutico), o leão optou por voltar à Ilha por questão técnica.

O balanço de público e renda do Sport mandando seus jogos na Arena PE de 2013 a 2017. Quadro: Cassio Zirpoli/DP

A abaixo, a quantidade de jogos no Recife com mando do Trio de Ferro – os jogos de América, na Ilha (2x) e no Arruda (1x), e Belo Jardim, na Arena (1x), não estão computados. Vale destacar que em 2013 houve o clássico carioca entre Botafogo e Fluminense, com 9.669 pessoas e R$ 368 mil de renda. Por fim, a observação de que em 2015 e 2016 ocorreram jogos de portões fechados na Ilha (1x) e na Arena (1x), também desconsiderados.

Número de jogos oficiais do Trio de Ferro no Recife. Quadro: Cassio Zirpoli/DP

De estagiário a presidente, Constantino Júnior assume o Santa de 2018 a 2020

Constantino Júnior vence a eleição para a presidência do Santa Cruz para 2018-2020. Foto: Santa Cruz/twitter (@santacruzfc)

Há dez anos, Constantino Junior circula no Santa Cruz de forma ativa, sendo nome recorrente na direção de futebol. Ganhou notoriedade a partir de 2011, numa sequência vencedora mesmo com a escassa receita. Outrora chamado de ‘estagiário’, num tom pejorativo do rubro-negro Gustavo Dubeux, Tininho empilhou taças, com um título nordestino e cinco títulos estaduais, além de três acessos. Porém, também esteve envolvido diretamente no novo declínio coral, com dois rebaixamentos seguidos, já na condição de vice-presidente.

Agora, aos 38 anos, terá o comando executivo. Terá também, claro, a maior responsabilidade de sua vida como tricolor. Na visão do blog, a eleição de Constantino, que venceu com folga Albertino dos Anjos e Fábio Melo (812 x 250 x 190), justifica o empenho do dirigente nesta década. Já poderia ter encabeçado a chapa em 2014, mas o então presidente Antônio Luiz Neto acabou indicando Alírio Moraes como seu sucessor. O próprio ALN seria o candidato agora, visando o triênio 2018-2020, mas acabou saindo de cena por problemas de saúde. Abriu caminho para Tininho, que chega à presidência num momento turbulento da situação, com uma crise administrativa-financeira difícil de ser respaldada pela torcida. Mas, através do voto do sócio, foi.

Em seu primeiro ano de mandato, tem como principal missão a saída imediata da Série C, utilizando o Estadual como preparatório e as copas (do Nordeste e do Brasil) como captadoras de receita. A folha do Santa Cruz não deve passar de R$ 250 mil, num cenário já conhecido pelo agora presidente.

Confira o plano de trabalho da candidatura vencedora clicando aqui.

Os maiores bate-chapas do Santa Cruz
1º) 1.787 votos – 2012 (Antônio Luiz Neto eleito com 1.636, ou 91.5%
2º) 1.435 votos – 2010 (Antônio Luiz Neto eleito com 1.134, ou 79.0%)
3º) 1.405 votos – 2006 (Edson Nogueira eleito com 731 ou 52.0%)
4º) 1.387 votos – 1975 (José Nivaldo de Castro eleito com 1.195, ou 86.1%)
5º) 1.337 votos – 2004 (Romerito Jatobá eleito com 895, ou 66.9%)
6º) 1.252 votos – 2017 (Constantino Júnior eleito com 812, ou 64.8%)

A análise do Podcast 45 minutos sobre o resultado da eleição coral

A eleição para a presidência do Santa Cruz para o período 2018-2020. Foto: Santa Cruz/twitter (@santacruzfc)

Os planos de gestão dos presidenciáveis do Santa Cruz para o triênio 2018-2020

Os sócios do Santa Cruz vão escolher o presidente do clube para o triênio 2018-2020 em 5 de dezembro. Há a expectativa sobre sobre o número de eleitores, podendo chegar a dois mil votos – no clube, a maior marca é de 1.787, estabelecida no último bate-chapa, em 2012. Pela primeira vez no Arruda, três candidatos na disputa. Na situação, Constantino Júnior encabeça a chapa após a desistência de Antônio Luiz Neto, por problemas de saúde. O dirigente esteve envolvido diretamente nos cinco títulos estaduais desde 2011 e nos acessos, assim como no declínio, com o tricolor de volta à Série C. Por isso, uma eleição aberta, com dois oposicionistas. Fábio Melo, numa ala de renovação, e Albertino dos Anjos, numa dissidência da antiga gestão.

Abaixo, os planos oficiais dos três candidatos, com ideias e metas.

Albertino dos Anjos (Muda Santa Cruz)

Constantino Júnior (Construindo com a Força da União)

Fábio Melo (Santa Cruz do Povo)

Podcast – Entrevistas com os candidatos a presidente do Santa Cruz de 2018 a 2020

Albertino dos Anjos, Constantino Júnior e Fábio Melo, os candidatos para o triênio 2018-2020 do Santa Cruz. Fotos: Rafael Brasileiro/DP

Em longas entrevistas, o 45 minutos ouviu os três presidenciáveis do Santa Cruz para o triênio 2018-2020. Gravações num tom franco, com detalhes sobre a formação do futuro departamento de futebol, controle de dívidas, soluções para a captação de novas receitas, perfil técnico e financeiro de jogadores, requalificação estrutural e arestas políticas. Haja assunto para o sócio coral ainda indeciso quanto ao pleito em 5 de dezembro. A eleição para o comando executivo tem como meta imediata o acesso na Série C. Ouça!

Na sua opinião, qual é o candidato mais preparado?

Albertino dos Anjos (Muda Santa Cruz) – 79 min

Constantino Júnior (Construindo com a Força da União) – 73 min

Fábio Melo (Santa Cruz do Povo) – 57 min

Santa perde do Boa e consolida queda à Série C. Ao todo, o 8º rebaixamento coral

Série B 2017, 35ª rodada: Boa Esporte 4 x 2 Santa Cruz. Crédito: Premiere/reprodução

Em 2016, quando retornou à Série A após uma década, o Santa Cruz teve o maior faturamento de sua história, com R$ 36,8 milhões. Caixa superior ao dobro da marca anterior. Ainda assim, na elite, o esse dado era irrelevante diante dos poderio dos concorrentes. Gastando mais do que poderia e nem assim evitando o descenso ou, no mínimo, se estruturando, a direção deixou o abacaxi para o ano seguinte.

Além da perda das principais peças na ocasião (Grafite, Keno, João Paulo, Léo Moura etc), o clube viveu uma crise administrativa enorme em 2017. O presidente Alírio Moraes alegou o bloqueio das (poucas) receitas, sendo incapaz de manter em dia uma folha bem mais modesta – de um time que tecnicamente esteve longe de ser brilhante, mas que não aparentava, ao menos, ser um dos quatro piores numa fraca Série B. Seguindo também sem dinheiro de bilheteria, o caos financeiro se instalou no Arruda.

Após a saída de Vinícius Eutrópio, desgastado pelas eliminações no Nordestão (Sport) e Estadual (Salgueiro), quando obteve vantagem no jogo de ida nas duas oportunidades, o tricolor trouxe Givanildo Oliveira, cuja exigência clássica é o pagamento regular dos salários. Não houve acerto, não houve resultado. Do bom início na competição ao desespero, já com quatro meses de atraso, entre o interino Adriano Teixeira e o último técnico, Martelotte, o tricolor chegou à marca de 1 vitória em 19 jogos. Inacreditável e inviável.

A derrota para o Boa por 4 x 2, em Varginha, sepultou a campanha, 7V, 12E e 16D.
Com o Santa somando o 8º rebaixamento em sua história, o 2º à terceirona.
E a caminhada de volta fica cada vez mais longa. Novamente…

Rebaixamentos do Santa Cruz (8)
1988 – A pra B (22º lugar de 24 times; caíram 4)
1993 – A pra B (23º lugar de 32 times; caíram 8*)
2001 – A pra B (25º lugar de 28 times; caíram 4)
2006 – A pra B (20º lugar de 20 times; caíram 4)
2007 – B pra C (18º lugar de 20 times; caíram 4)
2008 – C pra D (29º lugar de 63 times; caíram 43)
2016 – A pra B (19º lugar de 20 times; caíram 4)
2017 – B pra C (18º lugar de 20 times; caíram 4*)
* Foram rebaixados apenas os times dos grupos C e D (os 4 últimos de cada)
** Competição em andamento, com possibilidade de mudança dentro do Z4

Acessos do Santa Cruz (6)
1992 – B pra A (4º lugar de 32 times; 12 vagas)
1999 – B pra A (2º lugar de 22 times; 2 vagas)
2005 – B pra A (2º lugar de 22 times; 2 vagas)
2011 – D pra C (2º lugar de 40 times; 4 vagas)
2013 – C pra B (1º lugar de 21 times; 4 vagas)
2015 – B pra A (2º lugar de 20 times; 4 vagas)

Santa Cruz na Série C
56 jogos (78 GP e 57 GC, +21)
22 vitórias (39,2%)
18 empates (32,1%)
16 derrotas (28,5%)
3 participações: 2008 (29º), 2012 (14º) e 2013 (campeão)

Série B 2017, 35ª rodada: Boa Esporte 4 x 2 Santa Cruz. Crédito: Premiere/reprodução

Com hat-trick de William, Náutico vence o Santa Cruz de virada e leva o Troféu Gena

Série B 2017, 33ª rodada: Náutico 2 x 3 Santa Cruz. Foto: Roberto Ramos/DP

No último clássico entre Náutico e Santa Cruz em 2017, o jogo mais corrido, com cinco gols, duas viradas, polêmica e taça. Ah, também teve herói, como preza um bom clássico. No caso, o centroavante William. Pouco utilizado na Série B e acima do peso, mas com inegável faro de gols. O ‘Batoré’ marcou os três gols alvirrubros, com o terceiro, numa cobrança de pênalti, aos 50 do segundo tempo! O duelo já estava no apagar das luzes, mas ainda teria bastante jogo, com um pênalti não assinalado sobre o tricolor Augusto, aos 52. Com a discussão, resultando na expulsão de Derley, a partida no Arruda foi até os 59, quando enfim houve o apito final, com o 3 x 2 a favor do timbu.

Com o resultado, o clube de Rosa e Silva ficou com o Troféu Gena, instituído pela FPF pelos 100 anos do Clássico das Emoções, homenageando o lateral-direito hexa estadual pelo Náutico e tetra pelo Santa. Para isso, o timbu somou mais pontos nos oito confrontos no ano. Em 2009, no centenário do Clássico dos Clássicos, também ficara com a taça, dividida com o Sport após um 3 x 3 na Ilha – na ocasião, só valeu o placar daquele jogo. Sobre o atual Brasileiro, embora ambos sigam com 90% de chance de queda, a reação do Náutico parece mais factível, com dois jogos seguidos em casa. Vai animado pelo clássico, justificando o peso histórico independentemente da fase…

Série B 2017, 33 rodada: Santa Cruz 2 x 3 Náutico. Foto: João de Andrade Neto/DP

Jogos disputados em 2017
29/01 – Náutico 1 x 1 Santa Cruz, Estadual (Arena, 4.622 pessoas)
04/02 – Santa Cruz 1 x 0 Náutico, Nordestão (Arruda, 5.086)
12/03 – Náutico 1 x 0 Santa Cruz, Nordestão (Arena, 6.692)
10/04 – Santa Cruz 1 x 2 Náutico, Estadual (Arruda, 5.055)
06/05 – Náutico 1 x 2 Santa Cruz, Estadual (Arena, 2.592)
18/05 – Santa Cruz 1 x 1 Náutico, Estadual (Arruda, 3.387)
15/07 – Náutico 0 x 0 Santa Cruz, Série B (Arena, 13.450)
04/11 – Santa Cruz 2 x 3 Náutico, Série B (Arruda, 8.654)
Média de público: 6.192

Classificação final após 8 clássicos
Náutico – 12 pontos; 3V, 3E e 2D; 9 GP e 8 GC; 1 vermelho
Santa – 9 pontos; 2V, 3E e 3D; 8 GP e 9 GC; 2 vermelhos

Campeões dos clássicos centenários
2009 – Clássico dos Clássicos: Náutico e Sport, dividido (1 jogo; 1E)
2016 – Clássico das Multidões: Sport (8 jogos; 3V, 3E e 2D)
2017 – Clássico das Emoções: Náutico (8 jogos; 3V, 3E e 2D)

Série B 2017, 33ª rodada: Náutico 2 x 3 Santa Cruz. Foto: Roberto Ramos/DP

Santa Cruz empata com o Luverdense no Arruda e chega a 8 rodadas de jejum

Série B 2017, 32ª rodada: Santa Cruz 0 x 0 Luverdense. Foto: Peu Ricardo/DP

Após a convocação durante a semana, 10.520 tricolores marcaram presença no Arruda, no primeiro dos dois jogos seguidos em casa, em um momento chave para a campanha coral. Vencendo Luverdense e Náutico, o Santa alimentaria uma chance real de permanência. Mas, a esta altura da competição, falta futebol. No frustrante empate em 0 x 0, o ataque coral foi praticamente nulo. No primeiro tempo, o trio formado por Bruno Paulo, Grafite e Ricardo Bueno (mais uma vez caindo pela direita) foi incapaz de organizar uma jogada efetiva, com a bola queimando próxima à grande área adversária. E olhe que o time do Mato Grosso veio querendo jogo, finalizando bastante de fora da área – parecia orientação técnica -, com destaque para o meia Marcos Aurélio, ex-Sport. Ou seja, jogo aberto, mas bem fraco.

Na etapa complementar, como havia ocorrido em Pelotas, há uma semana, Martelotte trocou o ataque, primeiramente com André Luís no lugar de Grafite (outra vez travado) e, já na reta final, Bruno Paulo por Pitbull. O tricolor ainda acertaria duas bolas na trave, uma numa falta cobrada por Anderson Salles e outra pelo remanescente do trio original, Bruno, já nos descontos. Porém, ficou nisso, com o time somando oito rodadas sem vitória. Pesa.

Série B 2017, 32ª rodada: Santa Cruz 0 x 0 Luverdense. Foto: Filipe Assis/DP

Ampliando o recorte, a cobra tem 1 vitória nas últimas 17 rodadas. Vem num ritmo de pontuação de lanterna, incompatível com a meta de permanência na Série B. Está a seis pontos do 16º, o primeiro fora do Z4, mas, na prática, precisa tirar sete pontos, pois teria menos vitórias que os concorrentes acima em caso de igualdade. Daqui a uma semana, o último Clássico das Emoções de 2017. Definitivo para um dos dois rivais. Ou até mesmo para ambos…

O jejum de vitórias do tricolor na Série B (8 jogos; 5E e 3D)
22/09 (25ª) – Santa Cruz 1 x 1 Londrina (Estádio do Café, PR)
26/09 (26ª) – Santa Cruz 0 x 0 Ceará (Arruda)
30/09 (27ª) – Santa Cruz 0 x 2 Internacional (Beira-Rio, RS)
07/10 (28ª) – Santa Cruz 0 x 1 América-MG (Arruda)
14/10 (29ª) – Santa Cruz 1 x 2 Figueirense (Orlando Scarpelli, SC)
17/10 (30ª) – Santa Cruz 2 x 2 Oeste (Arruda)
21/10 (31ª) – Santa Cruz 1 x 1 Brasil de Pelotas (Bento Freitas, RS)
28/10 (32ª) – Santa Cruz 0 x 0 Luverdense (Arruda)

Série B 2017, 32ª rodada: Santa Cruz 0 x 0 Luverdense. Foto: Peu Ricardo/DP

Inauguração do Arruda acabou um carma antigo do Recife: o recorde de público

Amistoso de inauguração do Arruda, em 04/06/1972: Santa Cruz 0 x 0 Flamengo. Foto: Arquivo/DP

A construção do Arruda, transformando o alçapão num mundão de concreto, mudou o patamar do futebol pernambucano, então asfixiado pela capacidade de público reduzida, na Ilha e nos Aflitos, em relação a praças de porte semelhante, como a Bahia, já com a Fonte Nova. Pesquisando no acervo do Diario de Pernambuco é fácil encontrar queixas da crônica esportiva sobre o duradouro recorde até 1972. Até a inauguração do José do Rego Maciel, ainda com apenas um anel, a maior assistência local havia sido num Clássico das Multidões em 1955, com 34.546 torcedores. Borderô sempre lembrado.

Veio então a abertura oficial do Arruda, com o amistoso entre Santa Cruz e Flamengo. Foram nada menos que 57.688 pagantes e 4.497 não pagantes. Ou seja, mais de 62 mil torcedores assistiram ao empate sem gols, com a marca anterior finalmente descansando. E olhe que esse público deve ter sido bem maior, pois os portões foram arrombados, conforme a reportagem da época, que ouviu o superintendente da FPF, Napoleão Gonçalves.

Amistoso de inauguração do Arruda, em 04/06/1972: Santa Cruz 0 x 0 Flamengo. Foto: Arquivo/DP

“O pessoal da federação não pôde conter a invasão e houve um problema relacionado com o policiamento. Pedimos 180 homens, que chegariam ao estádio às 11h horas. Foram 100, e chegaram às 12h20. O esquema só começou a funcionar integralmente por volta das 14 horas. Cedo, houve um início de invasão, que foi controlada, mas depois ninguém pôde segurar o público.”

Para completar, o texto trazia: “informa Napoleão Gonçalves que calculadamente dez mil pessoas entraram sem pagar no setor de gerais”.

Abaixo, a nota oficial da direção tricolor acerca da capacidade, publicada no dia seguinte. Afinal, ficou a dúvida no ar. Qual seria a lotação máxima do novo estádio? Existem duas respostas, num contexto compreensível para a época: entre 66 mil e 81 mil, variando de acordo com a “taxa de conforto”. Essa taxa mudou tanto em mais de quatro décadas que o estádio, já com o segundo anel, hoje comporta até 55 mil, embora liberado para 50.582.

Amistoso de inauguração do Arruda, em 04/06/1972: Santa Cruz 0 x 0 Flamengo. Foto: Arquivo/DP

Se o recorde de público de 1955 incomodou durante 17 anos, a marca atual, de 1993, não deve virar uma preocupação. Até porque jamais será batida…

A evolução do recorde de público do Arruda*
62.185 – Santa Cruz 0 x 0 Flamengo (04/06/1972, amistoso)
62.711 – Santa Cruz 2 x 0 Náutico (01/08/1976, Estadual)
76.636 – Santa Cruz 1 x 1 Náutico (18/12/1983, Estadual)
76.800 – Brasil 2 x 0 Paraguai (09/07/1989, Copa América)
96.990 – Brasil 6 x 0 Bolívia (29/08/1993, Eliminatórias)
* A partir da inauguração

A evolução da capacidade máxima do Arruda
1972 – 66.040, após conclusão do anel inferior
1982 – 110.000 (+43.960), após a construção do anel superior
1993 – 85.000 (-25.000*)
2001 – 75.000 (-10.000*)
2005 – 65.000 (-10.000*)
2012 – 60.044 (-4.956*)
2015 – 55.582 (-4.462*)
* Redução por medida de segurança

Nota oficial do Santa Cruz sobre a capacidade, publicada no Diario de Pernambuco em 07/06/1972

Santa empata com o Oeste e segue sem reagir, com 1 vitória nos últimos 15 jogos

Série B 2017, 30ª rodada: Santa Cruz x Oeste. Foto: Ricardo Fernandes/DP

A dez rodadas do fim da segundona, o Santa teria cinco partidas no Arruda. Caso conseguisse se impor como mandante, a permanência ficaria bem próxima. Logo na primeira partida, o tricolor falhou. Em situação delicada na tabela, a direção baixou o preço dos ingressos, mas a resposta não foi boa, com 7.636 pessoas. Nota-se que a torcida já está calejada das atuações neste ano, sem organização e numa crise financeira difícil de dissociar.

Para completar o cenário, o adversário não era acessível. O Oeste veio ao Recife disposto a se manter na briga pelo acesso. Mesmo sem tanto cartaz, o time treinado por Roberto Cavalo tem um bom esquema defensivo e à frente conta com o artilheiro do campeonato. Por sinal, Mazinho disparou, marcando duas vezes na partida, chegando a 15. Num pênalti com categoria e num chute cruzado, da ponta da área, após se desvencilhar de Nininho. O time paulista chegou a ficar em vantagem duas vezes, com os corais buscando o empate. O lampejo de reação pernambucana começou após a (justa) expulsão do lateral rival. Logo depois, aos 10/2T, o primeiro gol. De pênalti, Grafite quebrou o jejum particular, desde 26 de agosto – ao todo, somando a passagem no Atlético-PR, foi apenas o 3º gol em 33 partidas em 2017.

Série B 2017, 30ª rodada: Santa Cruz x Oeste. Foto: Rafael Brasileiro/DP

Na reta final, quando Mazinho já havia aparecido novamente de forma fatal, João Paulo pegou uma sobra, mesmo com o ângulo encoberto. Veio a pressão pela virada, com todo mundo se lançando à última linha, até o zagueiro Mattis. Até chegou a resultar no grito de gol da torcida, mas foi abafado pelo apito do árbitro, anulando o rebote de Ricardo Bueno aos 44. Estava mesmo adiantado. Com o empate em 2 x 2, o Santa segue com apenas uma vitória nas mãos de Martelotte, já com oito jogos no comando. A má fase, na verdade, é bem mais longa, se aproximando de um “turno” inteiro.

Dos últimos 15 jogos, o Santa só venceu 1. Vencer as 4 partidas restantes no Arruda já não deve ser mais suficiente. Terá que se superar fora também…

Tricolor sob o comando de Martelotte (1V, 4E e 3D, com 29% dos pontos)
09/09 (23ª) – Santa Cruz 0 x 0 ABC (Arena das Dunas, RN)
15/09 (24ª) – Santa Cruz 3 x 0 Goiás (Arruda)
22/09 (25ª) – Santa Cruz 1 x 1 Londrina (Estádio do Café, PR)
26/09 (26ª) – Santa Cruz 0 x 0 Ceará (Arruda)
30/09 (27ª) – Santa Cruz 0 x 2 Internacional (Beira-Rio, RS)
07/10 (28ª) – Santa Cruz 0 x 1 América-MG (Arruda)
14/10 (29ª) – Santa Cruz 1 x 2 Figueirense (Orlando Scarpelli, SC)
17/10 (30ª) – Santa Cruz 2 x 2 Oeste (Arruda)

Série B 2017, 30ª rodada: Santa Cruz x Oeste. Foto: Ricardo Fernandes/DP