Arena Pernambuco, o palco da decisão do Estadual de 2018. A 70ª final da história

Visão interna da Arena Pernambuco, a partir do anel superior. Foto: Arena Pernambuco/twitter (@arenapernambuco)

Em 104 anos de história, o Campeonato Pernambucano de futebol acabou decidido com uma final direta em 70 oportunidades. Foram vários formatos, com final em jogo único, ida e volta, ‘melhor de três’, extra e até supercampeonato, um raro cenário envolvendo três times. Em todos os casos, havia uma troféu na beira do campo e o caráter público de decisão.

Em 2018, uma final inédita, com Náutico e Central. Como ocorre desde 2010, ida e volta, com o segundo jogo sendo mando do detentor da melhor campanha. Embora os dois times estejam empatados em pontos no geral (7V, 4E e 1D), valeu o desempate no turno classificatório, também empatado, mas com o timbu à frente no número de gols marcados. Por isso, a grande decisão programada para a Arena Pernambuco, em 8 de abril.

É a segunda final no empreendimento inaugurado em 2013. Até hoje, oito palcos diferentes receberam a final do Estadual. Nesta edição, o jogo tende a superar o público da primeira final em São Lourenço (30 mil). Portanto, entra forte na briga pelo top ten entre os maiores públicos em jogos de clubes.

O estádios que receberam mais finais em Pernambuco (nº de títulos)
28 – Ilha do Retiro (Sport 15, Santa Cruz 10, Náutico 2 e América 1)
16 – Arruda (Santa Cruz 8, Náutico 6 e Sport 2)
15 – Aflitos (Náutico 7, Sport 5 e Santa Cruz 3)
3 – Avenida Malaquias (América 1, Santa Cruz 1 e Sport 1)
3 – Jaqueira (Santa Cruz 2 e Sport 1)
2 – British Club (Flamengo 1 e Sport 1)
2 – Arena Pernambuco (Sport 1 e a definir 1)
1 – Cornélio de Barros (Sport 1)

Títulos em finais: Sport 27, Santa 24, Náutico 15, América 2 e Flamengo 1

Os 10 maiores públicos na Arena (jogos de clubes)
42.025 – Sport 0 x 2 Palmeiras (23/07/2017, Série A)
41.994 – Sport 2 x 0 São Paulo (19/07/2015, Série A)
37.615 – Sport 2 x 2 Flamengo (09/11/2014, Série A)
35.163 – Sport 2 x 2 Palmeiras (12/07/2015, Série A)
34.939 – Sport 0 x 1 Flamengo (30/08/2015, Série A)
34.746 – Santa Cruz 0 x 1 América-RN (01/11/2014, Série B)
34.496 – Sport 1 x 0 São Paulo (07/12/2014, Série A)
30.165 – Sport 2 x 2 Fluminense (23/11/2014, Série A)
30.061 – Náutico 0 x 1 Sport (23/04/2014, Estadual)
28.019 – Sport 0 x 0 Cruzeiro (02/08/2015, Série A)

Qual é o seu pitaco sobre o campeão? E sobre o público total na Arena?

Santa Cruz vence o Belo Jardim e garante a vaga nas quartas de final do Estadual

Pernambucano 2018, 10ª rodada: Santa Cruz x Belo Jardim. Foto: Ricardo Fernandes/DP

O Santa foi o sexto time a garantir vaga nas quartas de final do Campeonato Pernambucano de 2018. Esta ordem, atrás dos rivais e de Central, Vitória e Salgueiro, já expõe a má campanha do time, recheada de empates – não por acaso, havia empatado os quatro jogos anteriores no Arruda. Em sua última partida como mandante nesta fase, finalmente o tricolor venceu. Pressionado pela tabela, o time bateu o desesperado Belo Jardim por 3 x 2.

Apesar do placar, o time não foi regular. Na verdade, foi mal no primeiro tempo, com o calango tendo um pênalti não marcado, na visão do blog, e duas ótimas chances, evitadas pelo goleiro Ricardo Ernesto – substituindo bem Machowski. Sem saída de bola e lento, o tricolor já ouvia vaias quando saiu a jogada do primeiro gol, no fim do 1T. Aliás, uma boa jogada, com Luiz Otávio – expulso no jogo anterior no Mundão – abrindo na ponta esquerda para Robinho, que cortou o zagueiro e tocou voltando, na marca do pênalti, para o próprio Luiz finalizar. A vantagem foi um alívio pelo futebol apresentado.

Pernambucano 2018, 10ª rodada: Santa Cruz x Belo Jardim. Foto: Ricardo Fernandes/DP

A retomada mostrou que o Belo Jardim sentiu o gol. Robinho balançou as redes com 30 segundos e aos 5 minutos cobrou escanteio para Fabinho Alves também ampliar. Jogo definido? O tricolor passou a trabalhar a posse, rodando o jogo e o time durante meia hora. Até os 38, já anoitecendo, com o Belo Jardim diminuindo com Kélvis, após bobeira do zagueiro Renato Silveira. Nos descontos, Jader marcou outro. Parou aí, com vitória coral, sob vaias. Observando o placar por outro prisma, além do rendimento no domingo, o Santa Cruz chegou a oito jogos de invencibilidade, 4V, 4E e 0D.

Santa Cruz x Belo Jardim (todos os mandos)
9 jogos
6 vitórias tricolores (66,6%)
2 empates (22,2%)
1 vitória alviverde (11,1%)

Pernambucano 2018, 10ª rodada: Santa Cruz x Belo Jardim. Foto: Ricardo Fernandes/DP

Libertadores com final única a partir de 2019. Pelo regulamento atual, existem 60 estádios candidatos na América do Sul

A Taça Libertadores da America. Foto: conmebol.com

A partir de 2019, a Taça Libertadores da América será decidida em apenas uma partida, num estádio previamente definido, emulando o formato em vigor na Liga dos Campeões desde 1956. A decisão da Conmebol retoma discussão acerca da execução, devido à distância (e infraestrutura) entre os dez países membros – todos votam a favor, diga-se. Além disso, jogo em ‘campo neutro’ não é exatamente uma novidade. De 1960 até 1987, o saldo não era critério. Assim, em caso de igualdade era disputado uma extra num país neutro. Nem sempre com bons públicos. Em 1987, o Estádio Nacional de Santiago recebeu 25 mil pessoas (1/3 da capacidade na época) para o duelo entre Peñarol e América de Cali, com título uruguaio no fim da prorrogação. Para tentar ‘compensar’ a perda financeira, já que a técnica é impossível, a confederação dará mais US$ 2 milhões (R$ 6,3 mi) a cada finalista.

Eis a justificativa da mudança, segundo a cartologem:
“A decisão do conselho da Conmebol ocorre após uma análise rigorosa de diversos estudos técnicos produzidos por especialistas, com o objetivo de potencializar os torneios da Conmebol. Entre as variáveis analisadas, se destacam a justiça desportiva, a qualidade da competição, a emoção do espetáculo, a organização e segurança do evento, a percepção dos torcedores, os ingressos aos clubes finalistas, o estado de infraestrutura desportiva do continente, o posicionamento mundial do futebol sul-americano e a comercialização dos direitos audiovisuais da Libertadores”

Entre os motivos alegados, a última linha parece conter o real, deixando de lado uma tradição de quase 60 anos, com os confrontos em ida e volta. Considerando o regulamento vigente (abaixo), a final exige uma capacidade mínima de 40 mil pessoas. Como curiosidade, o blog listou 24 estádios possíveis no Brasil (Arruda e Arena PE presentes) e 36 canchas possíveis nos demais filiados. Ou seja, 60 candidatos dentro deste recorte, desconsiderando a possível grande jogada, a realização da final em outros continentes, em países como Estados Unidos, México, Japão… Política à parte, a Conmebol ainda irá definir os mecanismos técnicos sobre a cidade-sede. A conferir.

O regulamento da Libertadores 2018 sobre a capacidade de público dos estádios. Crédito: Conmebol/reprodução

Saiba mais detalhes sobre a mudança na Taça Libertadores clicando aqui.

Considerando as novas arenas, inauguradas desde 2013, e estádios remodelados ou antigos (com capacidade reduzida por segurança), até 15 estados brasileiros poderiam receber, em tese, a final da competição. Pela ordem: São Paulo (5), Rio de Janeiro (2), Minas Gerais (2), Rio Grande do Sul (2), Pernambuco (2), Paraná (2), Brasília (1), Ceará (1), Bahia (1), Pará (1), Piauí (1), Amazonas (1), Mato Grosso (1), Goiás (1) e Maranhão (1).

Os maiores estádios do Brasil. Quadro: Cassio Zirpoli/DP

Brasil à parte, na América do Sul destaca-se a Argentina, com 13 estádios aptos à finalíssima da Libertadores. Na sequência, Colômbia (5), Venezuela (5), Peru (4), Equador (3), Uruguai (2), Chile (2), Bolívia (1) e Paraguai (1).

Os maiores estádios da América do Sul, à parte do Brasil. Quadro: Cassio Zirpoli/DP

Santa Cruz completa 1.500 partidas de futebol no Arruda, com 59% de vitórias

A vitória do Santa Cruz sobre CRB, pelo Nordestão de 2018, marcou a 1.500ª apresentação do tricolor no Estádio José do Rego Maciel. Apesar da inauguração oficial em 4 de junho de 1972, com a conclusão do anel inferior, o Mundão recebeu o seu primeiro amistoso em 1965 e as primeiras partidas em competições oficiais em 1967. Ou seja, são 53 anos de atividade efetiva no estádio da Avenida Beberibe. Porém, a atualização da pesquisa de Carlos Celso Cordeiro parte do ‘Alçapão do Arruda’, um campo no mesmo terreno, mas com as traves invertidas e arquibancadas de madeira – começou numa goleada por 6 x 2 sobre o Íris, em 15 de novembro de 1943. Só depois viria o ‘Colosso do Arruda’, apelido recebido justamente após o primeiro lance de arquibancada construído.

Neste recorte, os corais detém um aproveitamento de 67,4%, considerando 3 pontos por vitória e 1 por empate em todos os jogos realizados.

A seguir, as marcas do Mundão considerando a presença do Santa Cruz…

Santa Cruz no Arruda* (1943-2018)
1.500 jogos
893 vitórias (59,5%)
356 empates (23,7%)
251 derrotas (16,7%)
* Competições oficiais e amistosos do time principal

O primeiro jogo com arquibancada
Foto de 14 de abril de 1965, com o 1º lance de arquibancada do Arruda. Na ocasião, o clube iniciou a venda de 500 cadeiras cativas ao custo de 440 mil cruzeiros. A comissão patrimonial agendou um amistoso para 21 de novembro daquele ano para apresentar o andamento da obra. Santa Cruz e América empataram em 1 x 1. Agra marcou para o alviverde e Geninho empatou. A peleja teve 2.804 espectadores – a maioria em pé ao redor do campo.

O 1º lance de arquibancada do Arruda, em 1965. Foto: Arquivo/Diario de Pernambuco

O primeiro jogo internacional
“Batismo internacional do futuro estádio do Arruda apresentou triunfo do Santa Cruz sobre Belenenses”. Eram outros tempos na cobertura esportiva, tanto que esta aspa foi o título da reportagem sobre a vitória coral sobre o time português por 2 x 1, num amistoso em 15 de maio de 1966. Curiosidade: na véspera, cada time treinou num lado do campo, ainda cercado por coqueiros.

Amistoso, 1966: Santa Cruz 2 x 1 Belenenses (Portugal). Foto: Arquivo/Diario de Pernambuco

O primeiro título
Em 6 de setembro de 1970 o Santa Cruz conquistou o seu primeiro título no Arruda. No terceiro jogo da ‘melhor de três’ pela taça do campeonato estadual, diante do Náutico, a cobra coral fez 2 x 0, gols de Cuica e Ramon, diante de 25.012 torcedores – num palco em construção. Curiosamente, o time não deu a volta olímpica pelo bi, indo logo para os vestiários após o apito final.

Pernambucano 1970, final: Santa Cruz 2 x 0 Náutico. Foto: Arquivo/Diario de Pernambuco

A maior goleada
Em 9 de março de 1969, em jogo válido pela quarta rodada do 1º turno do Estadual, o Santa Cruz goleou o Santo Amaro por 15 x 2. Os gols tricolores: Fernando Santana (5), Mirobaldo (4), Joel (2), Uriel (2), Zito (1) e Luciano (1). Os corais abriram 5 x 0 com 14 minutos, diante de 3.507 espectadores. No Diario de Pernambuco, o destaque: “a maior goleada dos últimos tempos”.

Pernambucano 1969, 1º turno: Santa Cruz 15 x 2 Santo Amaro. Foto: Arquivo/Diario de Pernambuco

O maior artilheiro 
O atacante capixaba Betinho teve três passagens no Santa Cruz, 1971-1973, 1976-1981 e 1982. Ao todo, conquistou cinco títulos pernambucanos e marcou 98 gols no Mundão, sendo o maior goleador do estádio com a camisa coral – o jogador assinalou, inclusive, o 1º gol após a inauguração oficial, em 7 de junho de 1972, na vitória tricolor sobre a Seleção Brasileira Olímpica.

Betinho, o maior artilheiro do Arruda com a camisa do Santa Cruz (1981-1982). Foto: Arquivo/Diario de Pernambuco

O maior público
Em 21 de fevereiro de 1999, o volante argentino Mancuso disputou o seu primeiro clássico com a camisa do Santa Cruz, num duelo à parte com o atacante rubro-negro Leonardo. E as multidões foram ao Arruda conferir in loco, com 71.197 pagantes, chegando a um público total de 78.391. À vera, havia mais devido à invasão e aos ingressos iô-iô. Na época, fontes estimaram o público real em 90 mil torcedores. Empate em 1 x 1.

Pernambucano 1999, 1º turno: Santa Cruz 1 x 1 Sport. Crédito: Rede Globo/reprodução (via youtube)

De virada, o Santa Cruz vence o CRB e vira o líder do grupo A do Nordestão

Nordestão 2018, 3ª rodada: Santa Cruz 2 x 1 CRB. Foto: Ricardo Fernandes/DP

Após um início cambaleante, o Santa Cruz começa a ganhar uma cara mais competitiva nesta temporada. Num jogo jogo complicado diante do CRB, um adversário posicionado numa divisão acima, o tricolor conseguiu a evolução durante a partida – após o intervalo – e obteve o seu resultado mais importante até o momento. No Arruda, o time treinado por Júnior Rocha venceu por 2 x 1, de virada, assumindo a liderança do grupo A da Copa do Nordeste, com sete pontos em três rodadas. É uma consequência direta da 5ª partida de invencibilidade, somando estadual e regional (3V, 2E e 0D).

No primeiro tempo, é verdade, o arrumado time alagoano criou as melhores oportunidades. Se o Santa tinha Daniel Sobralense como único vetor ofensivo, o CRB chegava pela esquerda, pelo meio, pela bola aérea… Deu trabalho a Tiago Machowski, que cobrou bastante da defesa. E a zaga acabou falhando aos 42, com Edson Ratinho mandando para as redes no rebote. Não houve mudanças no intervalo. Não no time, mas na atitude, sim.

Nordestão 2018, 3ª rodada: Santa Cruz x CRB. Foto: Ricardo Fernandes/DP

A situação foi invertida com uma atuação de imposição, como há tempos não ocorria pelas bandas da Avenida Beberibe, envolta numa reformulação com futebol questionável. Veio a virada no placar. Aos 10, a zaga alvirrubra cortou mal e o meia Hericles, o camisa 9 da noite, teve calma para finalizar e empatar – foi o seu primeiro gol como profissional. Aos 26, já na pressão, Robinho aproveitou um rebote, com o time coral travando a partida em seguida. Entendeu o jogo e a importância do placar construído sobre um CRB que havia perdido apenas 1 das 9 partidas no ano. E vendeu caro a derrota.

Santa Cruz x CRB (todos os mandos)
70 jogos
32 vitórias tricolores (45,7%)
17 empates (24,2%)
21 vitórias alagoanas (30,0%)

Nordestão 2018, 3ª rodada: Santa Cruz x CRB. Foto: Ricardo Fernandes/DP

Podcast – A análise do 1º Clássico das Emoções de 2018, com empate no Arruda

Pernambucano 2018, 7ª rodada: Santa Cruz 0 x 0 Náutico. Foto: Ricardo Fernandes/DP

Cobrança de escanteio de Timbó no travessão de Machowski, aos 34/1T

O primeiro duelo entre tricolores e alvirrubros no ano, numa série que irá se estender ao Brasileiro, acabou num empate sem gols. No primeiro tempo, boa disputa e Náutico superior, mas com um gol mal anulado do Santa Cruz. No segundo tempo, dois times protocolares até o apito final. Concorda? Então, ouça a análise do 45 minutos sobre o clássico válido pela 7ª rodada do Estadual. Estou neste podcast com João de Andrade Neto e Rafael Brasileiro.

17/02 – Santa Cruz 0 x 0 Náutico (43 min)

Em sua 7ª apresentação, o Santa vence a primeira em 2018. Goleada sobre o Treze

Nordestão 2018, 2ª rodada: Santa Cruz 3 x 0 Treze. Foto: Roberto Ramos/DP

Em sua 7ª apresentação oficial em 2018, o Santa Cruz finalmente saiu vencedor. Ao superar o Treze, num Arruda deserto, o tricolor evitou uma marca indigesta – um novo tropeço teria igualado a pior largada do clube numa temporada, com 7 jogos, em 1985.  Para a alegria da torcida, acompanhando pela tevê, a história não se repediu. Com o resultado positivo, o time pernambucano chegou à 2ª colocação do grupo A do Nordestão.

O vazio na arquibancada se explica. A partida ocorreu de portões fechados, cumprindo a punição imposta pelo STJD devido aos objetos arremessados por torcedores na semifinal regional de 2017. No pré-jogo, o cenário neutro até animou o visitante, mas com a bola rolando os corais abriram o placar logo aos 5 minutos, numa boa trama iniciada pelo lateral Vítor, que tabelou e recebeu para finalizar – foi apenas a 3ª vez que o time ficou em vantagem no ano. A partir disso, a equipe de Júnior Rocha retraiu. Não abriu mão da posse de bola (teve 51% no 1T), mas pouco atacou, esperando o erro do adversário.

Nordestão 2018, 2ª rodada: Santa Cruz x Treze. Foto: Roberto Ramos/DP

O Treze até pressionou, com duas boas defesas de Machowski, mas tomou um contragolpe mortal aos 22. Os tricolores avançaram num 3 contra 1, com Jeremias (um dos melhores) chegando livre para tocar a bola entre as pernas do goleiro Saulo. Foram as duas únicas finalizações do Santa na primeira etapa. Portanto, foi eficiente. No 2T, o Treze voltou sem Marcelinho Paraíba – desgaste natural de um atleta de 42 anos. O visitante se lançou ao ataque e deu vários contragolpes ao campeão nordestino de 2016, com Arthur Rezende aproveitando um para definir a primeira vitória (e goleada) no ano, 3 x 0.

Histórico de Santa Cruz x Treze (todos os mandos)
87 jogos
41 vitórias tricolores (47,1%)
22 empates (25,2%)
24 vitórias paraibanas (27,5%)

Nordestão 2018, 2ª rodada: Santa Cruz 3 x 0 Treze. Foto: Roberto Ramos/DP

Gita, de Raul Seixas, na versão Santa

Maestro Spok cantando a versão coral de 'Gita'. Crédito: Portão 10/facebook (reprodução)

A torcida ‘Portão 10′, do Santa Cruz, criou uma versão da música Gita, de Raul Seixas, com versos relacionados ao tricolor. Gravada em estúdio pelo Maestro Spok, a releitura do clássico de 1974 faz parte do álbum ‘Avante Santa Cruz’, agendado para o 104º aniversário do clube. Abaixo, um trecho do clipe e algumas mudanças na letra. Música já presente no Arruda…

A letra (em itálico, os versos originais da primeira estrofe):

Às vezes você me pergunta, por que é que eu sou tão pirado
Às vezes você me pergunta, por que é que sou tão calado

Não largo o meu o Santa por nada, estarei sempre ao seu lado
Não falo de amor quase nada, nem fico sorrindo ao seu lado

Eu penso em ti toda a hora
Você pensa em mim toda hora

Estou sempre a te apoiar
Me come, me cospe, me deixa

Talvez você não entenda, mas hoje eu vou te mostrar
Talvez você não entenda, mas hoje eu vou lhe mostrar

Tricolor, és minha alegria
Que eu sou a luz das estrelas

Tricolor, sempre vou te apoiar
Eu sou a cor do luar

Tricolor, tu és minha vida
Eu sou as coisas da vida

Pra sempre eu vou te amar
Eu sou o medo de amar

Colosso Coral, a 5ª versão para a cerveja oficial do Santa Cruz. Agora, pelo CT

Cerveja do Santa Cruz em 2018, a "Colosso Coral". Foto: NaTora HmB/divulgação

Entre 1995 e 2018, foram lançados cinco tipos de cerveja relacionados ao Santa Cruz. Da limitada primeira versão, importada dos Estados Unidos, à versão artesanal, a Colosso Coral, visando a receita para a construção do centro de treinamento do clube (como o bolo de rolo e os cadernos lançados). Produzido pela cervejaria NaTora HmB, sediada em Petrolina, o produto chega ao Arruda no aniversário de 104 anos do clube (R$ 25 a garrafa de 600 ml).

Eis a descrição da fabricante: “Cerveja clara, saborosa e aromática. Toques citricos e de frutas tropicais com discreto amargor a tornam bem refrescante”.

Abaixo, o blog relembra outras cervejas oficiais com a marca do Santa Cruz.

Cerveja tricolor em 2013
A última cerveja oficial do Santa, de 473 ml, havia saído em 2013, na ‘Lata Torcedora” da Brahma, com 17 clubes, sendo 5 do NE (com o trio de ferro).

Cerveja tricolor em 2012
Época do contrato mais amplo, com 35 clubes licenciados junto à Brahma, via campanha ‘Brasil, melhor futebol do mundo”. No latão: “o sabor de ser coral”.

Cerveja tricolor em 2000
A 1ª lata licenciada (350 ml) em grande escala foi a da Kaiser, via “Kaiser Clube”. O escudo coral tinha 8 estrelas, com o tri-super e o penta (69-73).

Cerveja tricolor em 1995
Foi uma edição limitada, de 355 ml, importada por Santa Cruz e Sport junto à Evansville, dos EUA. No modelo coral, destaque para o tri-super (57, 76 e 83).

Eis as versões anteriores da cerveja tricolor, da esquerda para a direita: Brahma (2013), Brahma (2012), Kaiser (2000) e Evansville (1995)

Pela ordem (esquerda pra direita): Brahma (2013), Brahma (2012), Kaiser (2000) e Evansville (1995)

Levando pressão, Santa cede empate ao Central e segue sem vitória em 2018

Pernambucano 2018, 3ª rodada: Santa Cruz 1 x 1 Central. Foto: Ricardo Fernandes/DP

O Santa disputou a sua 4ª partida oficial no ano e terminou mais uma vez sem comemorar uma vitória. São três empates e uma derrota, entre Nordestão e Estadual. No torneio local, por sinal, está em 9º. Além disso, pesa a reação dos adversários, que buscaram o empate nas três vezes – já quando o tricolor ficou em desvantagem, não conseguiu reagir. No Arruda, o tropeço em 1 x 1 não pode ser analisado só pelo prisma coral, pois o visitante jogou um bom futebol, sem dúvida um dos melhores rendimentos da competição até aqui.

Após o golear o Náutico em Caruaru, o Central veio ao Recife para defender a liderança. Embora não tenha conseguido, perdendo uma posição, a patativa saiu de cabeça de erguida. Após sofrer um gol de falta, com o chute de Arthur Rezende desviando na barreira, o time alvinegro conseguiu equilibrar as ações, por volta dos 20 minutos. Passou com certa facilidade pela marcação tricolor, com os volantes João Ananias e Jorginho batendo cabeça. Se o time de Júnior Rocha preza pela posse de bola, a equipe de Mauro Fernandes não se limita à defesa – como quase todos os intermediários. Mais uma vez, foi uma equipe propositiva e objetiva, conseguindo concluir várias jogadas.

Pernambucano 2018, 3ª rodada: Santa Cruz 1 x 1 Central. Foto: Ricardo Fernandes/DP

O empate só veio no 2T, em outro chute desviado, de Lucas Silva, com o goleiro Tiago Machowski salvando o Santa antes e depois. Ao todo, foram cinco grandes defesas. De tudo quanto é tipo: cabeçadas, no reflexo, em chutes dentro e fora da área. Foi o nome do mandante, deixando de lado, por hora, a discussão acerca da condição física. Só vacilou numa saída afobada, no finzinho, em um pênalti não marcado pelo árbitro Gleydson Leite. Se o Central não quebrou o tabu sobre o Santa, agora de 15 jogos, desde 2011, ao menos volta para casa consciente de que o presente pode surpreender.

Histórico de Santa Cruz x Central (todos os mandos)
291 jogos
172 vitórias tricolores (59,1%)
75 empates (25,7%)
44 vitórias alvinegras (15,1%)

Pernambucano 2018, 3ª rodada: Santa Cruz 1 x 1 Central. Foto: Ricardo Fernandes/DP