Em sua 7ª apresentação, o Santa vence a primeira em 2018. Goleada sobre o Treze

Nordestão 2018, 2ª rodada: Santa Cruz 3 x 0 Treze. Foto: Roberto Ramos/DP

Em sua 7ª apresentação oficial em 2018, o Santa Cruz finalmente saiu vencedor. Ao superar o Treze, num Arruda deserto, o tricolor evitou uma marca indigesta – um novo tropeço teria igualado a pior largada do clube numa temporada, com 7 jogos, em 1985.  Para a alegria da torcida, acompanhando pela tevê, a história não se repediu. Com o resultado positivo, o time pernambucano chegou à 2ª colocação do grupo A do Nordestão.

O vazio na arquibancada se explica. A partida ocorreu de portões fechados, cumprindo a punição imposta pelo STJD devido aos objetos arremessados por torcedores na semifinal regional de 2017. No pré-jogo, o cenário neutro até animou o visitante, mas com a bola rolando os corais abriram o placar logo aos 5 minutos, numa boa trama iniciada pelo lateral Vítor, que tabelou e recebeu para finalizar – foi apenas a 3ª vez que o time ficou em vantagem no ano. A partir disso, a equipe de Júnior Rocha retraiu. Não abriu mão da posse de bola (teve 51% no 1T), mas pouco atacou, esperando o erro do adversário.

Nordestão 2018, 2ª rodada: Santa Cruz x Treze. Foto: Roberto Ramos/DP

O Treze até pressionou, com duas boas defesas de Machowski, mas tomou um contragolpe mortal aos 22. Os tricolores avançaram num 3 contra 1, com Jeremias (um dos melhores) chegando livre para tocar a bola entre as pernas do goleiro Saulo. Foram as duas únicas finalizações do Santa na primeira etapa. Portanto, foi eficiente. No 2T, o Treze voltou sem Marcelinho Paraíba – desgaste natural de um atleta de 42 anos. O visitante se lançou ao ataque e deu vários contragolpes ao campeão nordestino de 2016, com Arthur Rezende aproveitando um para definir a primeira vitória (e goleada) no ano, 3 x 0.

Histórico de Santa Cruz x Treze (todos os mandos)
87 jogos
41 vitórias tricolores (47,1%)
22 empates (25,2%)
24 vitórias paraibanas (27,5%)

Nordestão 2018, 2ª rodada: Santa Cruz 3 x 0 Treze. Foto: Roberto Ramos/DP

Usando a base, o Náutico aplica goleada no Salgueiro na Arena Pernambuco

Pernambucano 2018, 6ª rodada: Náutico x Salgueiro. Foto: Ricardo Fernandes/DP

Náutico e Salgueiro se enfrentaram na arena com equipes mistas, pois na quinta ambos já voltam a campo, desta vez pelo Nordestão, encerrando a 2ª rodada do regional. Pelo Estadual, o jogo parecia meramente protocolar. Mas, no alvirrubro, quem entrou aproveitou a oportunidade. E olhe que Roberto Fernandes lançou sete jogadores formados na base do clube. Do time escalado, apenas três haviam participado do último jogo, em Pesqueira. Sem sustos, esse alvirrubro voltou a golear como mandante, 4 x 0 no carcará.

No primeiro tempo tempo, o jogo ficou ‘aberto’ com meia hora de jogo, quando o árbitro Tiago Nascimento distribuiu o segundo vermelho direto, para o alvirrubro Cristiano – questionável. Dez minutos antes havia expulsado Peu, do time do interior. Com mais espaço, surgiram jogadas mais longas, forçando quem tinha mais gás. Apesar disso, o jogo seguia insosso. Pouco antes do intervalo, porém, o timbu teve um pênalti (bem marcado) a favor. Lance convertido pelo meia Júnior Timbó, marcando o seu 1º gol no clube.

Pernambucano 2018, 6ª rodada: Náutico x Salgueiro. Foto: Ricardo Fernandes/DP

Na retomada da partida, sem ação do visitante, imerso numa dura rotina de viagens, o Náutico encaixou boas tramas, sobretudo a partir do atacante Rafael Assis, com duas assistências  – este não é prata da casa, embora tenha estreado no time. A goleada foi engatada com gols de Rafael Ribeiro (cabeça, 15 minutos), Robinho (22, um dos poucos presentes no jogo anterior) e Odilávio (33 – já havia tentado de bicicleta). Um placar elástico e com outra característica distinta em relação ao time visto até agora: mais posse de bola.

Histórico de Náutico x Salgueiro (todos os mandos)
30 jogos
14 vitórias alvirrubras (46,6%)
5 empates (16,6%)
11 vitórias salgueirenses (36,6%)

Pernambucano 2018, 6ª rodada: Náutico x Salgueiro. Foto: Ricardo Fernandes/DP

A cota de TV da Série B 2018, com R$ 169 milhões. Na divisão, 36% para dois clubes

As cotas de TV da Série B de 2018. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Ao todo, a Globo pagará R$ 169,79 milhões pelos direitos de transmissão da Série B de 2018. Entretanto, somente os dois cotistas presentes (Coritiba e Goiás) correspondem a 36% de toda a receita. Os demais times vão dividir um bolo de R$ 108 milhões, negociado para esta edição. Em relação à edição passada, que contou com o Inter, um cotista ainda maior, a queda geral foi e 5,6%. Confira como fica a divisão da televisão para a Segundona.

Grupo 1: Coritiba (R$ 35.000.000)
O clube é um dos 18 do país com o status ‘cotistas da tevê’, garantindo uma cota de Série A mesmo disputando a segunda divisão. Como esta é a sua primeira participação após o rebaixamento, o clube paranaense tem direito à cota integral. E vale lembrar que o Coxa ainda recebe um adicional pelo pay-per-view, à parte desta cota fixa (idem com o Goiás).

Grupo 2: Goiás (R$ 26.250.000)
O Goiás também faz parte dos ‘cotistas’. Porém, o contrato firmado pelos 18 cotistas com a emissora, com cláusulas válidas de 2012 a 2018, prevê a redução de 25% no valor anual a partir da segunda temporada ao descenso – e o Goiás já está indo para a terceira. Portanto, assim como já havia ocorrido em 2017, o alviverde goiano deixa de receber R$ 8,75 milhões.

Grupo 3: demais clubes* (R$ 6.030.000, cada)
Os outros 18 participantes não possuem contratos duradouros com a Globo, tendo que negociar anualmente a situação – o Guarani já fez parte na ‘nata’, mas foi deixado de lado em 2012. Neste ano, o bolo para esses clubes foi de R$ 108.540.000, com aumento de R$ 14,74 milhões em relação à edição anterior. Porém, o formato mudou. Em 2017, no arbitral, foi decidido que os times recém-rebaixados e os dois melhores que não haviam conseguido o acesso receberiam cotas maiores, escalonadas. Enquanto isso, os quatro oriundos da Série C receberiam menos. No arbitral de 2018, por 10 x 8 na votação, os clubes decidiram dividir igualitariamente, como era até 2016.

* Atlético-GO, Avaí, Boa Esporte, Brasil de Pelotas, CRB, Criciúma, CSA, Figueirense, Fortaleza, Guarani, Juventude, Londrina, Oeste, Paysandu, Ponte Preta, Sampaio Corrêa, São Bento e Vila Nova

A tabela da Série B de 2018, com 4 clubes do Nordeste. A menor representatividade

O troféu da Série B. Foto: Lucas Figueiredo/CBF

A CBF divulgou a tabela básica da Série B de 2018, agendada entre 13 de abril e 24 de novembro. Esta é a 13ª edição da competição na era dos pontos corridos, sempre com o mesmo formato: 20 clubes, 38 rodadas, 4 acessos e 4 rebaixamentos. Terá a menor representatividade do Nordeste neste período, com apenas quatro clubes (CRB, CSA, Fortaleza e Sampaio Corrêa).

A representatividade nordestina (e de PE) nos pontos corridos da Série B
2006 – 5 clubes (Náutico e Sport), 2 acessos
2007 – 5 clubes (Santa Cruz), 1 acesso e 1 descenso
2008 – 6 clubes (nenhum pernambucano), 1 descenso
2009 – 7 clubes (nenhum pernambucano), 1 acesso e 3 descensos
2010 – 6 clubes (Náutico e Sport), 1 acesso e 1 descenso
2011 – 7 clubes (Náutico, Salgueiro e Sport), 2 acessos e 2 descensos
2012 – 6 clubes (nenhum pernambucano), 1 acesso e 1 descenso
2013 – 6 clubes (Sport), 1 acesso e 1 descenso
2014 – 7 clubes (Náutico e Santa Cruz), 2 descensos
2015 – 8 clubes (Náutico e Santa Cruz), 2 acessos e 1 descenso
2016 – 5 clubes (Náutico), 1 acesso e 1 descenso
2017 – 5 clubes (Náutico e Santa Cruz), 1 acesso e 3 descensos
2018 – 4 clubes (nenhum pernambucano), a conferir

Total: 13 acessos à Série A e 17 rebaixamentos à Série C

Aprovação na Série A reabre o caminho para campos sintéticos em Pernambuco. Devido ao custo, só um alvo: o Lacerdão

Modelo de grama sintética em estudo na FPF. Foto: Fred Figueiroa/DP

A decisão unânime sobre a utilização do gramado sintético no Brasileirão é em caráter definitivo, segundo o presidente da FPF, Evandro Carvalho, presente no arbitral da competição. Com isso, reabre a possibilidade de campos artificiais em centros periféricos, à parte da Série A. Em Pernambuco, devido à histórica crise hídrica, agravada por uma das maiores secas do século, o problema no interior, somado à falta de receita, é recorrente – em 2017 resultou em vetos no hexagonal, com Belo Jardim e Central jogando fora. Ao blog, o mandatário afirmou que a decisão traz uma situação nova ao futebol local, baseada no custo. Originalmente, a ideia era promover a instalação em três mesorregiões, a Zona da Mata (Vitória), o Agreste (Caruaru) e o Sertão (Serra Talhada). Assim, haveria um raio de alcance a cidades próximas, em caso de campos de grama natural sem condições. Porém, pelo regulamento aprovado, um campo sintético só pode receber um jogo de futebol profissional caso seja do “nível 5″ – o grau máximo escalonado pela Fifa.

Embora seja sintético, esse gramado contém uma mistura com material orgânico, para tirar a percepção ‘emborrachada’ das primeiras versões – acima, a amostra exposta na federação. Também demanda irrigação, devido à temperatura e à resistência, embora numa escala muito menor. Trata-se do piso instalado na Arena da Baixada, do Atlético-PR, o único palco da Série A 2018 neste contexto – Fonte Nova e Allianz Parque podem ser os próximos.

O custo deste modelo? Aí está o motivo do ‘refinamento’ da ideia…

R$ 2.783.000, somando a aquisição do campo e a instalação.

Para Evandro, num primeiro momento, só é possível projetar um campo no interior – com investimentos externos. No caso, o Lacerdão, em Caruaru. Pelo tamanho do estádio (19.478 lugares), pelo porte econômico da cidade (356 mil habitantes) e pela localização estratégica, com clubes num raio de 85 km (Belo Jardim, Chã Grande, Decisão, Pesqueira, Porto e Ypiranga).

Existem dois caminhos:

1) Via Ministério do Esporte
Através de projetos de fomento, mesmo num campo privado, poderia haver o repasse do governo federal. Em Pernambuco, a FPF vem firmando parcerias com prefeituras. Já foram aprovados dois projetos de modernização de estádios municipais: o Valdemar Viana, em Afogados (R$ 590 mil), e o Laura Bandeira, em Paudalho (R$ 585 mil). Os dois empreendimentos estão listados no Portal da Transparência. No caso do campo do Central, o local poderia ser utilizado – além de jogos profissionais – em ações de inclusão, numa lógica semelhante aos centros de treinamento financiados pelo ministério

2) Via Fifa
Pelo contrato de organização da Copa do Mundo de 2014, o Brasil teria direito, após o evento, a um aporte de US$ 100 milhões para obras de infraestrutura e capacitação. O tal ‘Legado da Copa’. Com a bronca da entidade na justiça, quase todo o dinheiro segue na Suíça. Apenas 8,7 mi foram liberados – segundo o jornal O Estado de S. Paulo, a liberação pode ocorrer, finalmente, em 2018. Portanto, haveria, em disputa por projetos, cerca de 91,3 milhões de dólares (ou R$ 289 milhões). Em tese, bastaria a Pernambuco conseguir 1% disso para viabilizar o campo em Caruaru.

Explicação de Evandro Carvalho sobre a escolha prévia do Lacerdão
“Nunca deixamos de discutir ou ventilar a possibilidade. Mas agora, com a decisão definitiva, que ficará no Regulamento Geral de Competições da CBF, podemos seguir. Temos dois caminhos e hoje, na nossa visão, precisamos de um estádio no interior com regularidade. E seria muito bom para nós, e até para estados vizinhos, se um estádio como o do Central pudesse receber um gramado artificial. Porque haveria a garantia de 10 anos e a possibilidade de jogos seguidos, sem danificar o campo.”

Obviamente, o Trio de Ferro também poderia optar pela mudança no piso (no Arruda, na Ilha e nos Aflitos), mas, a princípio, através de outras parcerias.

Pernambucano 2018, 5ª rodada: Central 1 x 1 Sport. Foto: Tetto Drone, via Caruaru no Face (cortesia)