A maior média de público da história do futebol brasileiro

Copa das Confederações 2013, final: Brasil 3x0 Espanha. Foto: Alexandre Loureiro/Fifa

A Copa das Confederações de 2013 foi um sucesso absoluto de público.

Teve simplesmente a maior média de público de um torneio realizado no Brasil.

O índice de 50 mil pessoas a cada partida superou a então imbatível média do Mundial de 1950, na época do Maracanã com mais de cem mil pessoas.

Na verdade, esse novo recorde do futebol nacional só pôde ser ratificado porque a Fifa disponibilizou recentemente a súmula de todas as partidas disputadas na primeira Copa do Mundo organizada no país.

Historicamente, o torneio tinha um borderô absoluto de 1.337.000 pessoas, com uma média de 60.772. Era a segunda maior da história da Copa do Mundo, abaixo apenas da edição de 1994, nos Estados Unidos.

Para chegar a esta conta eram vários públicos arredondados, como a final entre brasileiros e uruguaios, com 200 mil pessoas, e a partida na Ilha do Retiro, com 20 mil espectadores, segundo o relato do próprio Diario de Pernambuco da época. Com dados oficiais, números menores.

O blog, então, revisou todos os jogos de 1950, listando uma queda de 291.754 torcedores de acordo com os dados oficiais e atualizados. A média acabou caindo de 60 mil para 47,5 mil pessoas. Ainda elevadíssima, mas não a maior.

Eis os campeões de bilheteria na história do futebol nacional

50.291 pessoas (16 jogos) – Copa das Confederações 2013
47.511 pessoas (22 jogos) – Copa do Mundo 1950
36.714 pessoas (14 jogos) – Mundial de Clubes 2000
31.513 pessoas (26 jogos) – Copa América 1989
26.885 pessoas (112 jogos) – Campeonato Carioca 1999
25.156 pessoas (90 jogos) – Campeonato Carioca 1979
23.344 pessoas (29 jogos) – Copa América 1949
22.953 pessoas (322 jogos) – Série A 1983

Confira agora o comparativo de todas as partidas dos torneios da Fifa de 2013 e 1950. Em 2014, na Copa do Mundo, teremos um novo recorde?

Copa das Confederações de 2013
Público total: 804.659
Média: 50.291
Jogos: 16

Brasil 3 x 0 Espanha – 73.531 (Maracanã, RJ)
Itália 2 x 1 México – 73.123 (Maracanã, RJ)
Espanha 10 x 0 Taiti – 71.806 (Maracanã, RJ)
Brasil 3 x 0 Japão – 67.423 (Mané Garrincha, DF)
Brasil 2 x 0 México – 57.804 (Castelão, CE)
Brasil 2 x 1 Uruguai – 57.483 (Mineirão, MG)
Espanha (7) 0 x 0 (6) Itália – 56.083 (Castelão, CE)
México 2 x 1 Japão – 52.690 (Mineirão, MG)
Espanha 3 x 0 Nigéria – 51.263 (Castelão, CE)
Brasil 4 x 2 Itália – 48.874 (Fonte Nova, BA)
Itália (3) 2 x 2 (2) Uruguai – 43.382  (Fonte Nova, BA)
Espanha 2 x 1 Uruguai – 41.705 (Arena Pernambuco, PE)
Itália 4 x 3 Japão – 40.489 (Arena Pernambuco, PE)
Uruguai 2 x 1 Nigéria – 26.769 (Fonte Nova, BA)
Uruguai 8 x 0 Taiti – 22.047 (Arena Pernambuco, PE)
Nigéria 6 x 1 Taiti – 20.187 (Mineirão, MG)

Copa do Mundo de 1950
Público total: 1.045.246
Média: 47.511
Jogos: 22

Brasil 1 x 2 Uruguai – 173.850 (Maracanã, RJ)
Brasil 6 x 1 Espanha – 152.772 (Maracanã, RJ)
Brasil 2 x 0 Iugoslávia – 142.429 (Maracanã, RJ)
Brasil 7 x 1 Suécia – 138.886 (Maracanã, RJ)
Brasil 4 x 0 México – 81.649 (Maracanã, RJ)
Espanha 1 x 0 Inglaterra – 74.462 (Maracanã, RJ)
Uruguai 2 x 2 Espanha – 44.802 (Pacaembu, SP)
Brasil 2 x 2 Suíça – 42.032 (Pacaembu, SP)
Suécia 3 x 2 Itália – 36.502 (Pacaembu, SP)
Inglaterra 2 x 0 Chile – 29.703 (Maracanã, RJ)
Itália 2 x 0 Paraguai – 25.811 (Pacaembu, SP)
Espanha 2 x 0 Chile – 19.790 (Maracanã, RJ)
Suécia 3 x 1 Espanha – 11.227 (Pacaembu, SP)
Iugoslávia 4 x 1 México – 11.078 (Eucalíptos, RS)
EUA 1 x 0 Inglaterra – 10.151 (Independência, MG)
Espanha 3 x 1 EUA – 9.511 (Durival de Britto, PR)
Chile 5 x 2 EUA – 8.501 (Ilha do Retiro, PE)
Uruguai 3 x 2 Suécia – 7.987 (Pacaembu, SP)
Suécia 2 x 2 Paraguai -    7.903 (Durival de Britto, PR)
Iugoslávia 3 x 0 Suíça – 7.336 (Independência, MG)
Uruguai 8 x 0 Bolívia – 5.284 (Independência, MG)
Suíça 2 x 1 México – 3.580 (Eucalíptos, RS)

Maracanã em 1950. Crédito: site História do Rio

Decacampeonato mundial dos clubes brasileiros, no topo

Taça do Mundial de clubes da Fifa. Foto: Fifa/divulgação

No topo do futebol, clubístico.

O título mundial do Corinthians em 2012 foi o primeiro do Brasil desde 2006, quando o Inter de Porto Alegre também deu a volta olímpica em Yokohama (veja aqui).

Foi o decacampeonato do Brasil, agora isolado na liderança de conquistas considerando todos os formatos da competição. Na lista, Copa Intercontinental (1960-1979), a Copa Toyota (1980-2004) e Mundial da Fifa (2000-2012).

O troféu em posse dos alvinegros é realmente emblemático estatisticamente…

Os cinco títulos europeus em sequência haviam colocado os representantes da Uefa à frente da Conmebol. Agora, um empate: 26 x 26, numa disputa sem terceira via.

Confira todos os campeões mundiais, em listas por países e clubes.

10 – Brasil (1962/1963, 1981, 1983, 1992/1993, 2000, 2005/2006 e 2012)
9 – Argentina (1967/1968, 1973, 1977, 1984, 1986, 1994, 2000 e 2003)
9 – Itália (1964/1965, 1969, 1985, 1989/1990, 1996, 2007 e 2010)
6 – Uruguai (1961, 1966, 1971, 1980, 1982 e 1988)
6 – Espanha (1960, 1974, 1998, 2002, 2009 e 2011)
3 – Alemanha (1976, 1997 e 2001)
3 – Holanda (1970, 1972 e 1995)
2 – Portugal (1987 e 2004)
2 – Inglaterra (1999 e 2008)
1 – Paraguai (1979)
1 – Iugoslávia (1991)

Tetracampeão
Milan (1969, 1989/1990 e 2007)

Tricampeão
Peñarol (1961, 1966 e 1982), Nacional (1971, 1980 e 1988), Real Madrid (1960, 1998 e 2002), Boca Juniors (1977, 2000 e 2003), São Paulo (1992/1993 e 2005) e Internazionale (1964/1965 e 2010)

Bicampeão
Santos (1962/1963), Independiente (1973 e 1984), Ajax (1972 e 1995), Juventus (1985 e 1996), Bayern de Munique (1976 e 2001), Porto (1987 e 2004), Manchester United (1999 e 2008), Barcelona (2009 e 2011) e Corinthians (2000 e 2012)

Campeão
Racing (1967), Estudiantes (1968), Feyenoord (1970), Atlético de Madri (1974), Olimpia (1979), Flamengo (1981), Grêmio (1983), River Plate (1986), Estrela Vermelha (1991), Vélez Sarsfield (1994), Borussia Dortmund (1997) e Internacional (2006)

Timão de Guerrero, o maior campeão mundial da Fifa

Mundial de Clubes 2012, final: Corinthians x Chelsea. Foto: Fifa/divulgação

Nunca houve asterisco algum no título mundial dos corintianos em 2000.

Aquele torneio realizado no Brasil foi o primeiro Mundial de Clubes com a chancela da Fifa, ampliando uma tradição iniciada 1960.

Pesou na época a falta de um título da Libertadores como ingresso oficial para a competição. Pesou até o fato de ter sido no Brasil, com a equipe jogando em “casa”.

Saiu somente na decisão, para o Maracanã, com 22 mil mil torcedores invadindo a festa carioca programada para o Vasco.

Por isso, repito, nunca houve asterisco.

Tanto que neste domingo o Corinthians, outrora criticado pelos rivais tradicionais pela falta de taças  internacionais, conquistou o bicampeonato mundial da Fifa.

Apenas o Barcelona contava com dois troféus, em 2009 e 2011. A partir de agora, os torcedores alvinegros vão cansar de argumentar isso nas discussões contra os rivais, com títulos do antigo Mundial Interclubes, tão importante quanto, diga-se.

Ao impedir o hexacampeonato mundial dos clubes da Europa, o Timão completou uma sequência raríssima no Brasil. Para liquidar qualquer contestação.

Entrou na Libertadores como campeão brasileiro.
Ganhou a América de forma invicta.
Encerrou a temporada dominando o mundo.

Triunfos alcançados com bom futebol. O último deles por 1 x 0. Gol de cabeça do centroavante peruano Guerrero, que já javia feito o mesmo na semifinal contra o Al Ahly.

Novamente com uma invasão apaixonada, desta vez no Japão, com mais de dez mil pessoas saindo do Brasil e outros milhares de brasileiros que já viviam por lá.

No primeiro tempo em Yokohama o goleiro Cássio fez três defesas incríveis. Uma delas de forma monumental num chute de Moses.

O Corinthians, que não havia ficado plantado e esperando o adversário, tocou bastante a bola e também criou as suas chances. As melhores com Guerrero e Emerson.

O empate sem gols ao final da primeira etapa não inviabilizava o fato de que a final já era uma das mais emocionantes do Mundial nos últimos tempos.

Na segunda etapa, Cássio continuou pegando tudo lá atrás, em uma atuação desde já histórica. Faltava ao time paulista comandado por Tite aproveitar uma oportunidade.

Como São Paulo em 2005… Como Internacional em 2006…

Dito e feito. Aos 24 minutos, numa sobra na área, Guerrero marcou de cabeça. Bastou.

Um bando de loucos, bicampeões mundiais. Um time de guerrero.

Mundial de Clubes 2012, final: Corinthians 1x0 Chelsea. Foto: Fifa/divulgação

Mundializando a marca Corinthians, de Alagoas a São Paulo

Gafe da TV do Egito, trocando o escudo do Corinthians.

Campeão mundial em 2000, o Corinthians busca em 2012 o seu segundo título oficial, desta vez credenciado pela conquista da Taça Libertadores.

No acesso à Série A, há quatro anos, o clube alvinegro viveu uma reviravolta financeira.

Mudou a visão mercadológica, antes atrelada ao Clube dos 13. Passou a caminhar só. Atraiu patrocinadores de peso e fechou contratos com a televisão ainda maiores.

Somando esses dois vetores, uma receita líquida de R$ 162,5 milhões só este ano. Paralelamente a isso, repaginou o seu programa de sócios, então subutilizado.

Atualmente, conta com 103 mil membros. Caso o percentual de crescimento seja mantido, o Timã0 ser tornará o clube com mais sócios na América Latina ainda em 2013.

Dinheiro, visibilidade e força da torcida, que enviu mais de 10 mil torcedores ao Japão para acompanhar o time no Mundial de Clubes da Fifa.

Não por acaso, um estudo lançado acaba de colocar a sua marca como a mais valiosa entre os clubes de futebol do país, com um valor estipulado em R$ 1 bilhão (veja aqui).

A “mundialização” do Timão já preocupa setores do esporte brasileiro, que enxergam num futuro não muito distante um cenário semelhante ao da Espanha, como Barcelona e Real Madrid de forma dominante. No Brasil, o contraporte paulista seria o Flamengo.

Mesmo com tanto destaque, o escudo do centenário Corinthians parece precisar de um pouco mais de afinco na divulgação e fiscalização. Antes da vitória na semifinal contra o Al Ahly, nesta quarta, uma emissora de TV do Egito estampou o escudo do Corinthians, mas do primo pobre alagoano, fundado em 1991 e com apenas um título estadual.

Que na final, conta Monterrey ou Chelsea, o distintivo não vire uma nova gafe global.

Mundial de Clubes 2012: Corinthians 1x0 Al Ahly. Foto: Fifa/divulgação

Mapa interclubes do Mundial

Houve um tempo em que o Campeonato Mundial de Clubes era chamado pelo torcedor brasileiro de “Projeto Tóquio”. Era o sonho de consumo de qualquer fanático…

Com o tempo, a antiga Copa Intercontinental passou a ser realizada em Yokohama. Depois, a competição passeou pelos Emirados Árabes, “acabando” com o bordão.

Apesar da competição ser organizado pela Fifa desde 2000, o site oficial da entidade só apresenta os mapas com os clubes da competição a partir de 2007.

Esta temporada encerra mais um ciclo no Japão… Mais um “Projeto Yokohama”.

Confira os mapas no slide acima, com times de todos os cantos. Alguns são milionários, dotados de uma infraestrutura espetacular. Outros ainda são semiamadores.

Após a edição nipônica em 2012, tendo Corinthians e Chelsea como favoritos, a competição será realizada nos dois próximos anos no Marrocos, estreando na África.

A Fifa escolhe a sede a cada dois anos. As edições de 2015 e 2016 seguem indefinidas.

Para tentar evitar o hexacampeonato mundial dos europeus

Tabela do Mundial de Clubes da Fifa 2012. Foto: Fifa/divulgação

Classificado para o Mundial de Clubes deste ano, o Corinthians terá o apoio dos milhões de torcedores da Fiel. Talvez na mesma proporção à rejeição…

Polêmica à parte, o Timão tentará encerrar o maior jejum da história da Conmebol.

Nesta segunda-feira, a Fifa sorteou as chaves da competição. Naturalmente, o seu principal adversário, caso não ocorra uma zebra, será o Chelsea, da Inglaterra.

Os clubes europeus ganharam as últimas cinco edições do torneio, igualando a marca obtida na Copa Intercontinental de 1995 a 1999.

A maior série é justamente o hexacampeonato dos sul-americanos de 1979 a 1984.

Saiba mais clicando sobre o Mundial de Clubes de 2012 clicando aqui.

Confira a participação sul-americana no torneio organizado pela Fifa.

2000 – Corinthians campeão, Vasco vice
2005 – São Paulo campeão
2006 – Internacional campeão
2007 – Boca Juniors vice
2008 – LDU vice
2009 – Estudiantes vice
2010 – Internacional 3º lugar
2011 – Santos vice

Você vai torcer pelo fim do jejum da América do Sul ou “secará” o Corinthians?

A viagem mais cara para torcer pelo seu time

Pacote aéreo do Corinthians para o Mundial de Clubes. Crédito: Corinthians/divulgação

Quanto você já gastou para assistir ao seu time? Ingresso caro, local distante etc.

Náutico, Santa e Sport a quilômetros de distância…

Então, até quanto você pagaria para ver no estádio a uma apresentação do seu time?

Pense e leve em consideração que esse suposto jogo irá decidir o Mundial de Clubes.

Pois é.

O Corinthians, como se sabe, irá para o Japão para a competição desta temporada, após o inédito título da Taça Libertadores da América.

O clube já lançou pacotes oficiais, associado a uma companhia de viagem. O pacote inclui passagens aéreas, hospedagem, traslado e kit torcedor (veja aqui).

São 10 parcelas de R$ 1.020. E sem ingresso!

Sim, dez mil reais…

À vista há um desconto irrisório, deixando o preço em R$ 10.195.

Esse preço é válido para assistir in loco a algo histórico? Opine.

Habemus tecnologia no futebol

Futebol na linha. Foto: Fifa/divulgação

Uma data histórica para o futebol, com o início de uma nova era, sem exagero.

Após muito tempo relutando, a International Football Association Board (Ifab), arcaico órgão que regula as regras do esporte desde 1882, aceitou realizar alguns testes com equipamentos eletrônicos na linha do gol.

O objetivo era tirar aquela dúvida pertinente em lances polêmicos na linha do gol:

“Bola entrou ou não entrou?”

Até porque outros esportes populares no planeta já contam com o recurso há tempos, como basquete, vôlei e tênis, usando até o 3D para evitar marcações equivocadas. No próprio futebol as emissoras de televisão contam com tira-teimas desde 1986!

Pois neste dia 5 de julho de 2012, exatamente 130 anos depois das primeira regras internacionais, a tecnologia foi finalmente adotada no futebol, na reunião da Ifab.

Eis a norma oficial da regra sobre a tecnologia na linha do gol:

Se a bola cruzar a linha, a tecnologia na linha do gol enviará automaticamente, dentro de um segundo, as informações ao árbitro e seus auxiliares. A mensagem é então exibida no relógio do árbitro e de seus auxiliares.

A série de erros em competições importantes, inclusive na Copa do Mundo, fortaleceu o pleito, que ganhou a adesão do próprio mandatário da Fifa, Joseph Blatter.

A tecnologia tem duas vertentes, o Hawk-Eye (câmeras) e o GoalRef (chip e campo magnético), ambos com o aval da Fifa. Será implantada no Mundial de Clubes deste ano.

A notícia traz a certeza de que a Copa do Mundo de 2014 será integralmente inserida no novo contexto tecnológico nos estádios, com o custo de clubes e federações.

Fica a expectativa para saber quando o campeonato pernambucano contará com o recurso eletrônico. Por aqui, será bem necessário…

Saiba mais sobre o assunto clicando aqui.

Tecnologia no futebol. Foto: Fifa/divulfgação

Um troféu para libertar o bando de loucos em todos os cantos

Libertadores 2012, final: Corinthians 2x0 Boca Juniors. Foto: Fifa/divulgação

Se o Corinthians for campeão da Libertadores…

O que parecia piada, cujo desafio remetia justamente a uma causa impossível, tornou-se realidade. Em 4 de julho de 2012, a independência corintiana nas Américas.

O clube paulista, que viu os maiores rivais erguerem a tradicional taça e aguentar durante anos todos os tipos de gozação, também chegou ao olimpo.

De forma invicta, o Timão conquistou a Taça Libertadores. Oito vitórias e seis empates.

Foi além nesta quarta. Bateu na decisão o poderoso Boca Juniors, algoz de todos os times do país que já o enfrentaram na competição.

Após o empate em Buenos Aires, o jogo amarrado que se esperava em São Paulo.

Um primeiro tempo sem emoções e uma segunda etapa para a calar a boca dos críticos. Emerson, o Sheik, campeão brasileiro por três times diferentes nos últimos três anos, marcou os gols da vitória alvinegra por 2 x 0. Aos 34 anos, segue decisivo, veloz.

Sem estrelas e com uma aplicação tática impressionante, o maduro Corinthians do técnico Tite foi, sim, a melhor equipe da competição.

Quase impenetrável na defesa, com apenas quatro gols sofridos, e com um ataque letal.

Em sua 10ª participação no torneio, uma obsessão em Parque São Jorge, o Corinthians entrou para a enorme galeria de brasileiros campeões da Libertadores.

Santos (1962), Cruzeiro (1976), Flamengo (1981), Grêmio (1983), São Paulo (1992), Vasco (1998), Palmeiras (1999), Internacional (2006) e Corinthians (2012).

A primeira vez de cada um dos nove campeões teve como consequência o novo patamar estrutural no futebol do país, alavancando as respectivas marcas.

No caso do Corinthians, com uma supercota bem acima da média e apresentado de forma massiva na televisão, não é difícil imaginar o que vem por aí. Midiático.

Pois é. Libertaram o bando de loucos em todos os cantos (veja aqui).

Essa é a primeira consequência direta da primeira pergunta…

Libertadores 2012, final: Corinthians 2x0 Boca Juniors. Foto: Boca Juniors/divulgação

Emblema exclusivo no uniforme para o campeão

Nova camisa do Barcelona para 2012. Foto: Fifa/divulgação

Uma temporada inteira com o emblema dourado, exclusivo.

No uniforme do Barcelona já está estampado o distintivo da Fifa pelo título mundial de 2011, conquistado de maneira brilhante no Japão.

Na marca, com o troféu da competição no meio da camisa, a frase Fifa World Champions 2011. Vai ficar em todos os modelos do Barça até o fim da próxima edição.

A Fifa criou a marca especial na Copa do Mundo de 2006, após a vitória da Itália. No Mundial de Clubes, a honra foi implantada em 2007.

Curiosamente, então, o Brasil nunca costurou um emblema oficial…

Os últimos títulos mundiais foram em 2002, com a Seleção, e 2006, com o Internacional.

Vale lembrar que outras entidades encampam a ideia, como a CBF, para o campeão da Série A, e a Conmebol, ao vencedor da Taça Libertadores da América.

Em Pernambuco, a medida sempre foi sazonal. Caiu em desuso há dez anos…

O título pernambucano vale algum emblema especial no uniforme?