MLS mostra a intensidade do jogo na pele do árbitro, mas foi esperta no áudio…

Vídeo gravado pelo árbitro da MLS

Durante o tour nos Estados Unidos, visando a temporada 2017/2018, Real Madrid enfrentou o “all-star team” da Major League Soccer. Até aí ok, assim como o resultado, com uma vitória merengue nos pênaltis após o 1 x 1.

Ocorre que o árbitro da partida disputada no Soldier Field, em Chicago, utilizou uma microcâmera presa no peito do uniforme. Nove dias após o amistoso, a MLS divulgou um vídeo com a intensidade da disputa na visão do juiz Allen Chapman, mesmo sendo uma peleja de pré-temporada.

Apesar da interessante edição de 3 minutos, o vídeo não traz os diálogos durante a partida, com uma trilha sonora de fundo. E trata-se de uma parte essencial sobre o trabalho da arbitragem, como a história ensina (a seguir).

Voltando 35 anos no tempo, chegamos a um episódio polêmico no futebol brasileiro, quando o árbitro José Roberto Wright entrou em campo com um microfone sem fio escondido em seu padrão. Ele havia topado a ideia de participar de uma reportagem do programa Esporte Espetacular, da Globo. O objetivo era mostrar a pressão sobre o árbitro (ou quase isso).

E não era num jogo qualquer, mas na decisão da Taça Guanabara de 1982. O Flamengo venceu o Vasco por 1 x 0, mas com a repercussão toda voltada sobre os diálogos, pelo uso indevido da imagem e pela suposta perseguição ao meia Giovane, do time cruz-maltino. Relembre e tire as suas conclusões.

Obs. Fica claro o motivo da trilha sonora no vídeo lá em Chicago…

Salário de Neymar no PSG em tempo real

Site "Salário do Neymar". Crédito: reprodução

A transferência de Neymar, do Barcelona para o PSG, foi a maior da história do futebol, numa rescisão contratual de 222 milhões euros, ou R$ 822 milhões. Cifra astronômica e que tende a ser manter no topo por um bom tempo. Para firmar com o clube francês por cinco anos, o astro da Seleção Brasileira passou a ter o maior salário da Europa. No mundo, só está abaixo do argentino Carlitos Tévez, no ainda pulsante mercado chinês. Neymar receberá 30 milhões de euros por temporada, o equivalente a R$ 111 milhões – quase todo o faturamento obtido pelo Sport em 2016, por exemplo.

A partir disso, algum gaiato criou o site salariodoneymar.com.

A página calcula, a partir do acesso do internauta, quanto o tempo de permanência no site significaria em termos salariais para o jogador. Também há um contador desde a assinatura do contrato em Paris. E olhe que os dados ainda vão variando de acordo com a cotação real/euro…

1 segundo = R$ 3,50
1 minuto = R$ 213,50
1 hora = R$ 12.810
1 dia = R$ 307.440
1 mês = R$ 9.223.200

Os maiores salários anuais no futebol (2017)
€ 38,0 milhões – Tévez (Shanghai Shenshua, China)
€ 30,0 milhões – Neymar (PSG, França)
€ 26,5 milhões – Lavezzi (Hebei Fortune, China)
€ 25,0 milhões – Oscar (Shanghai SIPG, China)
€ 25,0 milhões – Messi (Barcelona, Espanha)
€ 23,6 milhões – Cristiano Ronaldo (Real Madrid, Espanha)

A evolução das maiores contratações do futebol em 20 anos, de Denílson a Neymar

Neymar no PSG...  Crédito: PSG/twitter (@PSG_inside)

Astro da Seleção Brasileira, o atacante Neymar tornou-se a contratação mais cara da história do futebol. Há exatamente um ano, o francês Pogba deixou a Juve com destino à cidade de Manchester numa soma já inacreditável de 105 milhões de euros. Agora, o brasileiro foi além do dobro disso. Com a multa rescisória de 222 milhões paga integralmente pelo Paris Saint-Germain, junto ao Barça, o aumento do recorde foi de 111%! Convertendo para a moeda nacional, um montante de R$ 813 milhões. Mais que suficiente para comprar qualquer time elenco da Série A de 2017. Segundo o site Transfermarkt, o São Paulo teria, hoje, o elenco mais caro da competição, numa estimativa de € 70,7 milhões, ou 31% dos direitos econômicos de Neymar.

Com a definição da transação que sacudiu a janela europeia, a evolução das vendas mais caras subiu 707% em duas décadas, acredite. Como curiosidade, vale lembrar a primeira negociação que se tem notícia, já recordista, claro, aconteceu em 1893, com o escocês Willie Groves indo do West Bromwich Albion para o Aston Villa, ambos da Inglaterra. Custou 100 libras esterlinas.

Abaixo, as maiores negociações do futebol e a evolução dos recordes. O levantamento foi elaborada tendo o euro como moeda de comparação. Como a moeda da união europeia só foi criada em 2002, as marcas anteriores foram projetadas a partir da conversão de valores. Na lista é possível pinçar algumas curiosidades, como a dupla presença de Di Marían e do próprio Neymar.

As 20 negociações mais caras do futebol (em euros)*
1º) 222,0 milhões (2017) – Neymar (Brasil), Barcelona/PSG
2º) 105,0 milhões (2016) – Pogba (França), Juventus/Manchester United

3º) 100,0 milhões (2013) – Gareth Bale (Gales), Tottenham/Real Madrid
4º) 94,0 milhões (2009) – Cristiano Ronaldo (Portugal), M. United/Real Madrid
5º) 90,0 milhões (2016) – Higuaín (Argentina), Napoli/Juventus
6º) 88,2 milhões (2013) – Neymar (Brasil), Santos/Barcelona
7º) 85,0 milhões (2017) – Lukaku (Bélgica), Everton/Manchester United

8º) 81,7 milhões (2014) – Luis Suárez (Uruguai), Liverpool/Barcelona
9º) 75,0 milhões (2014) – James Rodríguez (Colômbia), Monaco/Real Madrid
9º) 75,0 milhões (2014) – Di María (Argentina), Real Madrid/M. United
11º) 74,0 milhões (2015) – De Bruyne (Bélgica), Wolfsburg/Manchester City
12º) 73,5 milhões (2001) – Zidane (França), Juventus/Real Madrid
13º) 70,4 milhões (2017) – Oscar (Brasil), Chelsea/Shanghai SIPG
14º) 69,0 milhões (2009) – Ibrahimovic (Suécia), Internazionale/Barcelona
15º) 65,5 milhões (2017) – Morata (Espanha), Real Madrid/Chelsea

16º) 65,0 milhões (2009) – Kaká (Brasil), Milan/Real Madrid
17º) 64,0 milhões (2013) – Cavani (Uruguai), Napoli/PSG
17º) 64,0 milhões (2016) – Hulk (Brasil), Zenit/Shanghai SIPG
19º) 63,0 milhões (2015) – Di María (Argentina), Manchester United/PSG
20º) 62,6 milhões (2014) – David Luiz (Brasil), Chelsea/PSG

A evolução da transferência recorde (em euros) em 20 anos*
222,0 milhões (2017) – Neymar (Brasil), Barcelona/PSG
105,0 milhões (2016) – Pogba (França), Juventus/Manchester United

100,0 milhões (2013) – Gareth Bale (País de Gales), Tottenham/Real Madrid
94,0 milhões (2009) – Cristiano Ronaldo (Portugal), Man. United/Real Madrid
73,5 milhões (2001) – Zidane (França), Juventus/Real Madrid
62,0 milhões (2000) – Luís Figo (Portugal), Barcelona/Real Madrid
56,6 milhões (2000) – Crespo (Argentina), Parma/Lazio
43,1 milhões (1999) – Christian Vieri (Itália), Lazio/Internazionale
30,4 milhões (1997) – Denilson (Brasil), São Paulo/Bétis

* Valores absolutos na época da transação, sem correção

As piores apresentações da história…

Na Espanha, as apresentações oficiais dos reforços galáticos costumam ocorrer nos estádios, em dias exclusivos, com transmissão ao vivo na tevê. Multidões foram ao Santiago Bernabéu para ver Kaká e Cristiano Ronaldo e ao Camp Nou para aplaudir Neymar e Suárez. Praxe nesses clubes, as demais contratações, mesmo sem status de midiáticas, passam pelo mesmo processo. Embaixadinhas, algum malabarismo, acenos e discurso. Pronto.

Entretanto, nem sempre sai tudo bem. Nem mesmo nos gigantes.

Abaixo, apresentações nas quais a habilidade com a bola falhou. No terceiro vídeo, um caso difícil de ser superado. Também na Espanha, em outra via…

Theo Hernandéz (lateral-esquerdo) no Real Madrid, em 2017

Douglas (lateral-direito brasileiro) no Barcelona, em 2014

Marco Pérez (atacante colombiano) no Zaragoza, em 2010

Fifa 18 x Pro Evolution Soccer 2018

As capas dos games Fifa 18 e Pro Evolution Soccer 2018. Crédito: divulgação

Trailer lá e trailer cá. Confira os vídeos e compare. Qual a maior expectativa?

As versões de 2018 das maiores franquias de futebol nos videogames, Fifa Football e Pro Evolution Soccer, foram apresentadas pelas fabricantes, EA Sports e Konami, respectivamente. Com lançamento mundial agendado para setembro, o Fifa (dia 29) e PES (dia 14) vão disputar o mercado em plataformas como Playstation 4, Playstation 3, Xbox One, Xbox 360 e PC.

Possivelmente, ambos devem contar com Sport e Santa Cruz licenciados.

A EA Sports foi cirúrgica no timing, lançando o primeiro trailer do Fifa 18 no embalo da festa do Real Madrid, que conquistou o 12º título da Liga dos Campeões. Afinal, Cristiano Ronaldo, que participou da captura de movimentos, é a estrela do game, com direito à capa especial “Ronaldo Edition”. O jogo também volta a apostar no “modo história”, com a segunda temporada da trajetória do jogador fictício Alex Hunter.

Para a rivalidade ser completa, a capa do PES tinha que contar com o antagonismo do Real (e vice-versa, dependendo da ordem de leitura). Ou seja, o Barcelona e a força do trio MSN, com Messi, Suárez e Neymar à frente. Há também palcos exclusivos, como é o caso do Camp Nou, só disponível nesta franquia – o Fifa 17 já veio sem o maior estádio de futebol da Europa. O Brasileirão também está licenciado somente no PES.

Real Madrid, dodecacampeão da Europa

Liga dos Campeões da Uefa, final: Juventus x Real Madrid. Foto: Champions League/twitter (@ChampionsLeague)

O Real Madrid é o clube mais vencedor da história do futebol. Sem discussão.

Alcançou o dodecacampeonato da Liga dos Campeões da Uefa.

1956 – Real Madrid 4 x 3 Stade Reims (campeão)
1957 – Real Madrid 2 x 0 Fiorentina (bi)
1958 – Real Madrid 3 x 2 Milan (tri)
1959 – Real Madrid 2 x 0 Stade Reims (tetra)
1960 – Real Madrid 7 x 3 Eintracht Frankfurt (penta)
1966 – Real Madrid 2 x 1 Partizan (hexa)
1998 – Real Madrid 1 x 0 Juventus (hepta)
2000 – Real Madrid 3 x 0 Valencia (octo)
2002 – Real Madrid 2 x 1 Bayer Leverkusen (enea)
2014 – Real Madrid 4 x 1 Atlético de Madrid (deca)
2016 – Real Madrid (5) 1 x 1 (3) Atlético de Madrid (hendeca)
2017 – Real Madrid 4 x 1 Juventus (dodeca)

Em quatro anos, três orelhudas para o time merengue. A relação do Real com a Champions é umbilical, desde o domínio absoluto na primeira era, com um pentacampeonato, à soma de novas taças com os galácticos. Neste segundo momento, Zidane é um nome recorrente, com o antológico gol do título em Glasgow, há quinze anos, e o bi como técnico, com apenas um ano e meio de trabalho. Por sinal, na fase “League”, iniciada em 1993, esta é a primeira vez que um clube retém a taça. É a cara do Madrid alcançar tal feito. Com tantas finais no currículo, sendo esta a 15ª, já tornou-se normal o repeteco de decisões envolvendo o clube. A Juventus, que buscava a tríplice coroa, já perdera em 1998. E amargou mais um vice, com o veterano Buffon, em temporada espetacular, ainda sem o gostinho do maior troféu interclubes.

Liga dos Campeões da Uefa, final: Juventus x Real Madrid. Foto: Champions League/twitter (@ChampionsLeague)

Em Cardiff, a Velha Senhora começou o jogo muito melhor, apertando o Real, exigindo boas defesas do goleiro Navas. Mas um ataque com Cristiano Ronaldo precisa de uma chance para guardar. Na primeira bola, o português tabelou e bateu no cantinho. É o maior goleador da história do torneio, além dos 100 gols. Sem se abater, ao menos ali, a Juve chegaria ao empate com Mandzukic. De costas, fez um belo gol. Placar justo numa final corrida.

No segundo tempo, com o maior controle do jogo, chegando a 61% de posse, o Real Madrid deslanchou. Marcou três vezes, com o brasileiro Casemiro, de fora da área, Cristiano Ronaldo, concluindo cruzamento na pequena área, e Asensio, no último minuto, 4 x 1. Até então, a Juventus havia concedido apenas três gols no torneio. Na final, quatro. Festa do tamanho do feito de CR7, artilheiro da Liga dos Campeões pelo 5º ano seguido. Imparável

Desde já, começa a saga pelo 13º título. Ou tridecacampeonato

Liga dos Campeões da Uefa, final: Juventus x Real Madrid. Foto: Champions League/twitter (@ChampionsLeague)

Diego Souza como Embaixador do Sport na Seleção, com a ajuda de Neymar

Diego Souza na concentração da Seleção Brasileira. Foto: Diego Souza/twitter (@DiegoSouzaDS87)

Convocado para dois jogos pelas Eliminatórias da Copa de 2018, Diego Souza entrou em campo nas duas partidas, mas em apenas onze minutos. À parte disto, esteve com a força máxima do Brasil, exceção feita ao lesionado Gabriel Jesus. Na concentração, na resenha com astros de Barça e Real, o meia do Sport (centroavante para Tite) seguiu o papel de “Embaixador de 87″.

Além de um vídeo exclusivo gravado para os torcedores rubro-negros da embaixada Leões de Sampa, ainda distribuiu camisas oficiais do Leão, enviadas pelo clube, aos colegas mais próximos na Seleção Brasileira. Na publicação em seu perfil no twitter, posou ao lado de Thiago Silva (PSG), Neymar (Barcelona), Paulinho (Guangzhou Evergrande) e Marcelo (Real Madrid), com o número “87″ bem visível através do camisa 10 da canarinha.

Na legenda: “Voltando pro Recife com novos reforços pro meu Leão”

Há dois dias, o blog havia postado sobre a visibilidade de Diego Souza, a partir do rendimento técnico na Seleção. Porém, esta nova visibilidade, em termos de marketing propriamente dito, segue grande, com o atleta alinhado ao Sport. Tal representatividade é importante. Daí, o Embaixador

Os 20 clubes mais ricos do mundo, com o Manchester United no topo após 12 anos

Balanço geral dos 20 anos do relatório Deloitte Footbal Money League, de 1997 a 2017

O Manchester United, de Pogba, Ibra e Mourinho, voltou a ser o clube mais rico do mundo. Considerando as receitas com bilheteria, direitos de transmissão na televisão e produtos licenciados, o gigante destronou o Real Madrid após doze anos, de acordo com o levantamento anual da Deloitte, o Football Money League. Ao todo, arrecadou 689 milhões euros (R$ 2,3 bi!), a maior cifra já registrada. Mais uma vez o estudo apresenta apenas clubes europeus, ainda que afirme haver uma chance razoável de um brasileiro na lista até 2030 (!!).

No Top 20 estão oito ingleses, quatro italianos, três espanhóis, três alemães, um francês e um russo. O crescimento desses poderosos vem na curva ascendente sobre a participação do “comércio e marketing”, contemplando patrocínios, produtos licenciados e merchandising. É o que mostra o gráfico geral do estudo, com 32% na 10ª edição, 35% na 15ª e 42% nesta 20ª. Não por acaso, já é a maior fonte dos seis maiores, com expansão internacional das vendas. Até no Brasil, onde se vê cada vez mais camisas estrangeiras, sobretudo em criança/adolescentes. Aqui, a venda de direitos de tevê ainda é a maior receita dos principais clubes da Série A, com a maioria investindo na participação de sócios-torcedores para pavimentar outra fonte.

Sobre a análise da Deloitte, através dos balanços oficiais dos clubes, só não foi levado em conta a receita oriunda da transferência de jogadores e impostos. Convertendo as receitas para a moeda brasileira, dez clubes ultrapassaram a barreira de R$ 1 bilhão de faturamento anual. Concorrência pesada.

Confira também balanço de público da Deloitte clicando aqui.

Os 20 clubes mais ricos (faturamento na temporada 2015/2016, em euros):
1º) Manchester United (Inglaterra) – 689,0 milhões
2º) Barcelona (Espanha) – 620,2 milhões
3º) Real Madrid (Espanha) – 620,1 milhões
4º) Bayern de Munique (Alemanha) – 592,0 milhões
5º) Manchester City (Inglaterra)- 524,9 milhões
6º) Paris Saint-Germain (França) – 520,9 milhões
7º) Arsenal (Inglaterra) – 468,5 milhões
8º) Chelsea (Inglaterra) – 447,4 milhões
9º) Liverpool (Inglaterra) – 403,08 milhões
10º) Juventus (Itália) – 341,1 milhões
11º) Borussia Dortmund (Alemanha) – 283,9 milhões
12º) Tottenham (Inglaterra)- 279,7 milhões
13º) Atlético de Madrid (Espanha) – 228,6 milhões
14º) Schalke 04 (Alemanha) – 224,5 milhões
15º) Roma (Itália) – 218,2 milhões
16º) Milan (Itália) – 214,7 milhões
17º) Zenit (Rússia) – 196,5 milhões
18º) West Ham (Inglaterra) – 192,3 milhões
19º) Internazionale (Itália)- 179,2 milhões
20º) Leicester (Inglaterra) – 172,1 milhões  

A seguir, detalhes dos cinco primeiros, com a evolução da receita (annual revenue) nos últimos cinco anos e a participação da bilheteria (matchday), transmissão na TV (broadcast) e comércio e marketing (commercial).

A retomada da liderança por parte dos Red Devils, pela primeira vez desde 2003/2004, foi fundamentada no crescimento do ganho comércio/marketing. Passou de 263 milhões para 363 milhões de euros, ou 37,8% a mais.

Reprodução do quadro do Manchester United no estudo da Deloitte sobre a temporada 2015/2016

No Barça, a aliança com novos parceiros (e contratos) ajudou o clube a enfim passar o arquirrival da capital. Os direitos de transmissão passaram de 200 milhões de euros – não por acaso, quase todos os jogos passam no Brasil.

Reprodução do quadro do Barcelona no estudo da Deloitte sobre a temporada 2015/2016

Embora tenha sido campeão da Champions League e do Mundial de Clubes, o Real Madrid despencou do 1º para o 3º lugar. O que não significa que a receita do clube caiu. O clube arrecadou 7,4% a mais que em 2015/2016.

Reprodução do quadro do Real Madrid no estudo da Deloitte sobre a temporada 2015/2016

O Bayern de Munique ganhou um posição no ranking mundial de finanças, subindo para o 4º lugar, numa temporada em que aumentou a sua receita bruta em 24,8%, ou 118 milhões de euros a mais. Em cinco anos, essa conta dá 60%.

Reprodução do quadro do Bayern de Munique no estudo da Deloitte sobre a temporada 2015/2016

Entre os cinco primeiros, o Manchester City é que menos depende da bilheteria dos jogos, com comércio e tevê numa balança equilibrada. Por sinal, a campanha do clube à semifinal da Champions foi determinante para a colocação.

Reprodução do quadro do Manchester City no estudo da Deloitte sobre a temporada 2015/2016

Entre os 20 clubes mais ricos do mundo, médias de público entre 16 mil e 80 mil

A torcida do Borussia Dortmund do Signal Iduna Park em 2016. Foto: Borussia/instagram (@bvb09)

Há dois anos, o Borussia Dortmund ampliou Signal Iduna Park para até 81.360 torcedores nos jogos do campeonato alemão, incluindo um setor em pé, a chamada “muralha amarela”. Com isso, alcançou um patamar incrível. Com a fidelidade de sua torcida, o clube quebrou o recorde de média de público, agora de 80.760, com uma taxa de ocupação de 99,2%! O índice em 2015/2016 superou a própria marca de 2014/2015, a primeira a passar de 80 mil. No futebol, Barça e Real, devido à capacidade de seus estádios, também poderiam chegar a tanto, mas vêm um pouco abaixo. O quadro está presente no levantamento da consultoria inglesa Deloitte, com os vinte clubes mais ricos do mundo.

Já são cinco anos consecutivos com o Borussia liderando a média de público no mundo, considerando os números oficiais das ligas nacionais. A última vez que não ficou à frente, neste contexto, foi em 2010/2011, por pouco. Barcelona 79.186 x 78.416. Vale lembrar que na Champions League o clube é obrigado a colocar assentos em todos os setores, com a capacidade do Signal caindo para 65.829. Apesar da torcida robusta, via season ticket, a bilheteria representa apenas 22% do faturamento do Borussia, o 11º clube mais rico.

Segundo o relatório da Deloitte (Football Money League), seis dos vinte mais ricos tiveram uma assistência superior a 60 mil torcedores. O Arsenal ficou a um triz, 20 pessoas. Os londrinos cobram os ingressos mais caros da Europa (que representam 29% da receita do clube). Outra curiosidade é o Zenit, listado mesmo com apenas 16 mil espectadores por jogo. O borderô equivale a 5% do faturamento, enquanto as áreas comercial e de marketing geram 74%.

Confira as médias dos times mais abonados nas últimas quatro temporadas. Como curiosidade, os índices do Trio de Ferro do Recife no mesmo período.

2015/2016 (os 20 mais ricos)
80.760 – Borussia Dortmund (Alemanha, 17 jogos)
79.724 – Barcelona (Espanha, 19 jogos)
75.327 – Manchester United (Ingleterra, 19 jogos)
75.017 – Bayern de Munique (Alemanha, 17 jogos)
71.280 – Real Madrid (Espanha, 19 jogos)
61.076 – Schalke 04 (Alemanha, 17 jogos)
59.980 – Arsenal (Inglaterra, 19 jogos)
54.013 – Manchester City (Inglaterra, 19 jogos)
46.160 – Paris Saint-Germain (França, 19 jogos)
45.538 – Internazionale (Itália, 19 jogos)
44.108 – Liverpool (Inglaterra, 19 jogos)
43.087 – Atlético de Madrid (Espanha, 19 jogos)
41.500 – Chelsea (Inglaterra, 19 jogos)
39.106 – Juventus (Itália, 19 jogos)
37.777 – Milan (Itália, 19 jogos)
35.839 – Tottenham (Inglaterra, 19 jogos)
35.321 – Roma (Itália, 19 jogos)
32.024 – Leicester (Inglaterra, 19 jogos)
34.873 – West Ham (Inglaterra, 19 jogos)
16.813 – Zenit (Rússia, 15 jogos)

2014/2015 (+60.000 entre os 20 mais ricos)
80.423 – Borussia Dortmund (Alemanha, 17 jogos)
77.632 – Barcelona (Espanha, 19 jogos)
75.335 – Manchester United (Inglaterra, 19 jogos)
72.969 – Real Madrid (Espanha, 19 jogos)
72.882 – Bayern de Munique (Alemanha, 17 jogos)
61.577 – Schalke 04 (Alemanha, 17 jogos)

2013/2014 (+60.000 entre os 20 mais ricos)
79.856 – Borussia Dortmund (Alemanha, 17 jogos)
75.203 – Manchester United (Inglaterra, 19 jogos)
71.988 – Barcelona (Espanha, 19 jogos)
71.131 – Bayern de Munique (Alemanha, 17 jogos)
70.739 – Real Madrid (Espanha, 19 jogos)
61.269 – Schake 04 (Alemanha, 17 jogos)
60.014 – Arsenal (Inglaterra, 19 jogos)

2012/2013 (+60.000 entre os 20 mais ricos)
79.893 – Borussia Dortmund (Alemanha, 17 jogos)
75.530 – Manchester United (Inglaterra, 19 jogos)
71.235 – Barcelona (Espanha, 19 jogos)
71.000 – Bayern de Munique (Alemanha, 17 jogos)
65.268 – Real Madrid (Espanha, 19 jogos)
61.000 – Schalke 04 (Alemanha, 17 jogos)
60.000 – Arsenal (Inglaterra, 19 jogos)

As médias dos clubes pernambucanos no Campeonato Brasileiro:

2016
16.004 – Sport (Série A, 19 jogos)
9.855 – Santa Cruz (Série A, 19 jogos)
8.039 – Náutico (Série B, 19 jogos)

2015
17.132 – Sport (Série A, 18 jogos*)
14.733 – Santa Cruz (Série B, 19 jogos)
6.851 – Náutico (Série B, 19 jogos)
* Ainda houve um jogo de portões fechados

2014
18.324 – Sport (Série A, 19 jogos)
13.140 – Santa Cruz (Série B, 19 jogos)
6.582 – Náutico (Série B, 19 jogos)

2013
28.150 – Santa Cruz (Série C, 13 jogos)
17.472 – Sport (Série B, 19 jogos)
11.301 – Náutico (Série A, 19 jogos) 

A torcida do Borussia Dortmund do Signal Iduna Park em 2016. Foto: Borussia/instagram (@bvb09)

Cristiano Ronaldo é o melhor do mundo pela 4ª vez e busca o recorde de Messi

Cristiano Ronaldo, o melhor do mundo 2008, 2013, 2014 e 2016. Fotos: Fifa/divulgação

“2016 foi o melhor ano da minha carreira. Muitas dúvidas havia, mas o troféu mostrou que as pessoas não são cegas”

O discurso de Cristiano Ronaldo, no português mais ‘lusitano’, mostrou também a autoconfiança do atacante, de fato o melhor da temporada, legitimado pela Fifa. Foi campeão da Eurocopa, no primeiro título importante de Portugal, e ganhou mais uma vez a Champions League e o Mundial pelo Real Madrid. Em campo foram 57 apresentações, marcando 55 gols e dando 17 assistências. Logo, teve participação direta em 72 gols, com uma média de 1,26.

Com esse repertório, CR7 foi ao evento de gala já consciente da vitória, que o reaproximou de Lionel Messi, com quem trava uma batalha há quase uma década. Nos últimos nove anos, os dois vêm revezando o prêmio de melhor do ano. São cinco nomeações para o argentino e, agora, quatro para o português, que marcou 220 gols e ganhou onze títulos nos anos em que foi eleito.

“Espero apanhar o Messi já na próxima época” 

A frase foi dita em 2014, também na Suíça, e segue atual. Ali, Cristiano já deixava claro, outra vez, o quanto vislumbra o seu objetivo máximo. Quer ser o jogador mais vezes eleito pela Fifa. Hoje, já é mais premiado que Ronaldo e Zidane, o que o assegura como um dos melhores da história do futebol.

Gols de CR7 como melhor do mundo (clube/seleção):
2008 – 35 gols em 58 jogos (0,60)
2013 – 69 gols em 59 jogos (1,16)
2014 – 61 gols em 60 jogos (0,98)
2016 – 55 gols em 57 jogos (0,96)

Com o tetra de Cristiano, Portugal tornou-se o segundo país com mais eleitos, ao lado da Argentina, considerando a premiação oficial da Fifa, com três nomes distintos: 1991-2009 Player of the Year; 2010-2015 Fifa Ballon d’Or; 2016 The Best. O Brasil, sem nomeações desde 2007, segue à frente, com oito troféus.

Ranking de premiações do melhor do mundo (1991-2016):
8 – Brasil (Ronaldo 3, Ronaldinho 2, Romário 1, Rivaldo 1 e Kaká 1)
5 – Argentina (Messi 5)
5 – Portugal (Cristiano Ronaldo 4, Luís Figo 1)
3 – França (Zidane 3)
2 – Itália (Baggio 1 e Cannavaro 1)
1 – Alemanha (Matthäus)
1 – Holanda (Van Basten)
1 – Libéria (Weah) 

Para completar, eis a seleção de 2016, com dois laterais brasileiros….

A seleção de 2016, segundo a Fifa