Com três clubes em 2018, Pernambuco tem a sua menor representatividade na Copa São Paulo de Juniores em 5 anos

A Copa São Paulo de Futebol Júnior de 2018. Crédito: FPF

Após duas edições seguidas emplacando cinco clubes, o futebol pernambucano vai bem desfalcado para a 49ª edição da Copa São Paulo de Juniores. Serão apenas três times, o menor número desde 2013, sendo o Santa a principal ausência. Imerso numa crise financeira, o tricolor não teve condições de bancar o time, o que não acontecia desde 2012. Presente em dose dupla no torneio anterior, Caruaru também sai de cena pelos mesmos motivos. Por outro lado, quem reaparece é o América, vice no Estadual Sub 20. Já Sport e Náutico se mantêm na disputa, fazendo valer os respectivos centros de treinamento e os nomes revelados na copinha, como o rubro-negro Joelinton (R$ 5,4 mi) e o alvirrubro Erick (R$ 2,8 mi), negociados à Europa.

Em 2018, o América começa na cidade de José Bonifácio, no grupo 3, encarando o homônimo time da casa, o Figueirense e o Mirassol. Em Penápolis, no 7, o Náutico pega Penapolense, Linense e Desportiva Paraense. Já no 18, em São Carlos, o Sport enfrenta o dono da casa, o Confiança e o São Raimundo de Roraima. Nesta edição, classificam-se ao mata-mata os dois primeiros colocados de cada chave. Isso se deve à nova ampliação na Copa SP, agora com 128 times. Agendado de 2 a 25 de janeiro, o torneio tem 32 grupos espalhados em 31 cidades. Depois, são seis fases eliminatórias seguidas, encerrando na capital no estádio do Pacaembu.

Desde 2001 foram 46 participações locais e em apenas 11 os representantes avançaram à fase eliminatória, chegando no máximo às quartas, uma vez. Por sinal, este é o melhor resultado geral, em 1992 (Santa), 1997 (Sport) e 2016 (Sport). No Nordeste, o ponto mais alto foi o vice do Bahia, em 2011.

Campanhas pernambucanas no século XXI
2001 – Santa Cruz (oitavas de final); Sport e Náutico (1ª fase)
2002 – Santa Cruz (1ª fase)
2003 – Santa Cruz (oitavas); Náutico (1ª fase)
2004 – Náutico e Santa Cruz (1ª fase)
2005 – Santa Cruz, Sport e Porto (1ª fase)
2006 – Porto e Santa Cruz (1ª fase)
2007 – Porto (oitavas)
2008 – Porto e Ypiranga (1ª fase)
2009 – Porto e Ypiranga (1ª fase)
2010 – Porto e Atlético Pernambucano (1ª fase)
2011 – Porto e Vitória (1ª fase)
2012 – Sport, Porto e Vitória (1ª fase)
2013 – Náutico e Santa Cruz (16 avos de final), Sport (1ª fase)
2014 – Sport (16 avos); Náutico, Porto e Santa (1ª fase)
2015 – Sport (16 avos); Náutico, Porto e Santa (1ª fase)
2016 – Sport (quartas de final); América, Náutico, Porto e Santa (1ª fase)
2017 – Náutico e Sport (16 avos); Santa (32 avos); Central e Porto (1ª fase)

Participações locais (1969-2018)
22 – Santa Cruz (primeira em 1981)
16 – Sport (1974)
12 – Porto (2005)
12 – Náutico (1990)
2 – Ypiranga (2008)
2 – Vitória (2011)
2 – América (2016)
1 – Atlético (2010)
1 – Central (2017)

Principais revelações pernambucanas na Copinha (na visão do blog)
2011 – Diogo (atacante), 2 gols pelo Porto
2012 – Érico Júnior (atacante), 4 gols pelo Vitória
2013 – Ruan (atacante), 5 gols pelo Sport
2014 – Joelinton (atacante), 3 gols pelo Sport
2015 – Raniel (meia), 1 gol pelo Santa Cruz
2016 – Adryelson (zagueiro), capitão do Sport
2017 – Erick (atacante), 4 gols pelo Náutico 

Confira a lista de atletas da Copinha 2017 aproveitados nos times locais aqui.

Os grupos dos clubes pernambucanos na Copa São Paulo de juniores de 2018. Crédito: FPF/reprodução

Os 14 jogadores da Copinha integrados aos elencos profissionais de Sport, Náutico e Santa para a temporada 2017

A participação pernambucana na Copa São Paulo de Juniores de 2017 acabou na terceira fase (de um total de sete), com Náutico e Sport eliminados por Mirassol e Batatais. A campanha, entretanto, não ficou nisso, com parte dos elencos sendo aproveitada nos times principais. Ao todo, o Trio de Ferro integrou 14 nomes, que após anos na base (infantil, juvenil e júnior) passam a trabalhar com nomes mais tarimbados, com outra carga de cobrança, buscando uns minutinhos nos jogos. Ou seja, o rumo natural para promessas de até 19 anos.

Torcedor, dos nomes abaixo, qual seria a sua maior aposta para revelação?

Sport
Sete jogadores que atuam no time campeão estadual na categoria Sub 20 passam a trabalhar com o grupo principal no CT de Paratibe, sob comando técnico de Daniel Paulista. Cinco deles (Lucas, Adryelson, Caio, Pardal e Juninho) foram convocados para a Seleção Brasileira Sub 18/20 em 2016. Já o centroavante Wallace chegou a entrar em campo no Mineirão, pelo Brasileirão 2015, chamado às pressas na ocasião. Lembrando que a direção leonina prometeu, durante a campanha eleitoral, a utilização de boa parte do time júnior durante o Campeonato Pernambucano de 2017, ao menos no hexagonal.

Rubro-negro na Copinha: 3 vitórias e 2 derrotas, 7 GP, 6 GC
Integrados: Lucas (goleiro), Adryelson (zagueiro), Caio (lateral-esquerdo), Fabrício (volante), Pardal (meia), Juninho (atacante) e Wallace (atacante)

Torneios do time profissional: Estadual, Copas do NE e do Brasil, Série A e Sula

Time do Sport na Copa SP Sub 20 de 2017. Foto: Sport/divulgação

Náutico
O técnico Dado Cavalcanti autorizou a transição de quatro nomes para o time principal. Nos Aflitos, o destaque vai para os atacantes Erick e Gerônimo, com 4 e 3 gols marcados na Copinha, respectivamente. Atuando no interior paulista, o time fez a melhor campanha do clube em 11 participações. Com o reforço nos trabalhos no CT Wilson Campos, a base alvirrubra representa agora quase 50% do elenco profissional no início de 2017, segundo levantamento do próprio timbu.

Alvirrubro na Copinha: 3 vitórias, 1 empate e 1 derrota, 11 GP, 6 GC
Integrados: Sérgio (goleiro), Feliphe Gabriel (zagueiro), Gerônimo (atacante) e Erick (atacante)

Torneios do time profissional: Estadual, Nordestão, Copa do Brasil e Série B

Time do Náutico na Copa SP Sub 20 de 2017. Foto: Náutico/instagram (@nauticope)

Santa Cruz
No Arruda, os tricolores voltaram a passar da fase de grupos da Copa SP após quatro anos, mesmo sem ter uma infraestrutura equiparada a dos rivais – segue sem CT. Os três nomes convocados por Vinícius Eutrópio já tiveram uma primeira experiência no grupo principal, sobretudo o goleiro Lucas, que chegou a compor o banco no último ano. Em 2017, com quatro competições na agenda e um plantel em profunda reformulação, oportunidades podem aparecer para o trio.

Tricolor na Copinha: 1 vitória, 1 empate e 2 derrotas, 4 GP, 4 GC
Integrados: Lucas (goleiro, 19), Thawan (zagueiro, 19) e Otávio (volante, 18)

Torneios do time profissional: Estadual, Nordestão, Copa do Brasil e Série B

Time do Santa Cruz na Copa SP Sub 20 de 2017. Foto: Santa Cruz/instagram (@santacruzfc)

Três clubes do Recife e dois de Caruaru na Copa São Paulo de Juniores de 2017

Copa São Paulo de Juniores de 2017. Crédito: federação paulista de futebol

Com a participação recorde de 120 clubes, a Copa São Paulo de Juniores de 2017 terá cinco representantes pernambucanos, igualando a marca local da edição passada. A novidade é o Central. Ao contrário do rival Porto, bastante experiente na Copinha, a Patativa jamais havia sido convidada pela federação paulista, nem mesmo quando conquistou o título pernambucano da categoria, em 1983. E o estreante caiu logo no grupo do Flamengo, o atual campeão.

A armada do estado será composta pelo Trio de Ferro (tendo o Sport como atual bicampeão no futebol local) e pela dupla caruaruense (grupos abaixo). Desde 2001 foram 41 participações pernambucanas no tradicional torneio e em apenas 8 os nossos representantes avançaram à fase eliminatória, chegando no máximo às quartas de final, uma vez. Por sinal, este é o melhor resultado alcançado na história, em 1992 (Santa Cruz), 1997 (Sport) e 2016 (Sport).

Espalhado em trinta cidades, o 48º torneio (de 3 a 25 de janeiro) classificará ao mata-mata apenas os vencedores dos trinta grupos. Uma novidade é o sistema de substituições, com até seis trocas, desde que efetuadas em até três atos.

Campanhas pernambucanas no século XXI
2001 – Santa Cruz (8as de final), Sport e Náutico (ambos na 1ª fase)
2002 – Santa Cruz (1ª fase)
2003 – Santa Cruz (8as de final) e Náutico (1ª fase)
2004 – Náutico, Santa Cruz (ambos na 1ª fase)
2005 – Santa Cruz, Sport e Porto (todos na 1ª fase)
2006 – Porto e Santa Cruz (ambos na 1ª fase)
2007 – Porto (8as de final)
2008 – Porto e Ypiranga (ambos na 1ª fase)
2009 – Porto e Ypiranga (ambos na 1ª fase)
2010 – Porto e Atlético Pernambucano (ambos na 1ª fase)
2011 – Porto e Vitória (ambos na 1ª fase)
2012 – Sport, Porto e Vitória (todos na 1ª fase)
2013 – Náutico e Santa Cruz (ambos nos 16 avos de final), e Sport (1ª fase)
2014 – Sport (16 avos de final), Náutico, Porto e Santa Cruz (todos na 1ª fase)
2015 – Sport (16 avos de final), Náutico, Porto e Santa Cruz (todos na 1ª fase)
2016 – Sport (quartas), América, Náutico, Porto e Santa Cruz (todos na 1ª fase)

Participações locais (1969-2017)
22 – Santa Cruz (primeira em 1981)
15 – Sport (1974)
12 – Porto (2005)
11 – Náutico (1990)
2 – Ypiranga (2008)
2 – Vitória (2011)
1 – Atlético (2010)
1 – América (2016)
1 – Central (2017)

Últimas revelações pernambucanas na Copinha (na visão do blog)
2012 – Érico Júnior (atacante), 4 gols pelo Vitória
2013 – Ruan (atacante), 5 gols pelo Sport
2013 – Renato (atacante), 3 gols pelo Náutico

2014 – Joelinton (atacante), 3 gols pelo Sport
2015 – Raniel (meia), 1 gol pelo Santa Cruz
2016 – Adryelson (zagueiro), Sport

Grupos dos times pernambucanos na Copinha 2017. Crédito: federação paulista de futebol

As melhores campanhas do Nordeste na Copa São Paulo de Juniores desde 1972

Copa São Paulo de Futebol Júnior. Crédito: federação paulista (FPF)/site oficial

A Copa São Paulo de Futebol Júnior, o mais tradicional torneio de base do país, foi disputada pela primeira vez em 1969. As duas primeiras edições contaram com apenas quatro participantes, todos paulistas, tendo o mesmo campeão, o Corinthians. A abertura da competição começou em 1971, mas apenas para cariocas, mineiros, gaúchos e paranaenses. O primeiro nordestino convidado foi o Bahia, em 1972, caindo logo na primeira fase – o clube, aliás, é o recordista de participações da região, com 32. A história de Pernambuco na Copinha só começou em 1974, com o Sport, também eliminado de forma precoce.

Na região, a primeira campanha de destaque foi do Tricolor da Boa Terra, chegando às quartas de final de 1981. Parou no São Paulo, pelo placar mínimo. Até 1989, com apenas 16 times, só foram 13 participações. O Náutico, por exemplo, só estrearia no ano seguinte, na ampliação para 36 clubes, tornando a presença mais comum – o número de inscritos chegaria a 112! Durante uma crise organizacional, com denúncias de aliciamento de atletas, com direito ao apelido “Copa de Empresários”, o Trio de Ferro deixou de enviar a garotada entre 2007 e 2011. No período, o principal representante pernambucano foi o Porto de Caruaru, que alcançou as oitavas de final em 2007.

A classificação de Sport e Bahia às quartas de 2016 repetiu o feito de 2006, com dois nordestinos entre os oito melhores, Bahia e Moto Club. Nas 14 participações nesta fase até 2015, a região só conseguiu avançar em três oportunidades, sendo a melhor campanha pertencente ao Baêa, vice em 2011.

Nordeste entre os 8 melhores:
1981 – Bahia (quartas)
1992 – Santa Cruz (quartas)
1993 – Vitória (semifinal)
1994 – Vitória (quartas)
1997 – Sport (quartas)
2003 – Vitória (quartas)
2006 – Moto Club (quartas)
2006 – Bahia (quartas)
2007 – Bahia (quartas)
2008 – Fortaleza (quartas)
2011 – Bahia (vice)
2012 – Vitória (quartas)
2013 – Bahia (semifinal)
2015 – Vitória (quartas)

Quartas de final em 2016:
Sport x Cruzeiro (19/01, 15h)
Bahia x América-MG (20/01, 16h)

Participações (1969-2016):
32 – Bahia (primeira em 1972)
26 – Vitória (1983)
21 – Santa Cruz (1981)
14 – Sport (1974)
13 – Fortaleza (1998)
11 – Porto (2005)
10 – Náutico (1990)
9 – Ceará (1985)

Sport chega às quartas da Copa São Paulo e iguala marca de Pernambuco

Time do Sport na Copa São Paulo de Futebol Júnior 2016. Foto: Sport/instagram

Ao virar o jogo contra o Mirassol, em São José do Rio Preto, a ascendente garotada do Sport alcançou as quartas de final da Copa São Paulo de Futebol Júnior, igualando as melhores campanhas de base da história do futebol pernambucano, com o Santa Cruz em 1992 e o próprio Rubro-negro em 1997.

Agora há uma clara diferença. O número de jogos e o rendimento. São seis vitórias em seis jogos. Nas outras campanhas de destaque foram cinco jogos dos tricolores, com a ascensão de Rivaldo e Válber, posteriormente convocados à Seleção, e quatro do Leão, com os atacantes Didi e Irani, de brilho enxuto.

No embalo de 2016, o senso de coletividade da equipe treinada pelo português Daniel Neri, e, acima de tudo, a consolidação de novos valores, como o goleiro Maílson, o zagueiro Adryelson, o meia Fábio e o atacante Wallace. Não por acaso, os últimos três jogos foram transmitidos na tevê, pela Rede Vida, Sportv e ESPN. Não seria diferente contra o Cruzeiro no dia 19, na capital paulista.

No estádio Nicolau Alayon, Pernambuco terá a terceira chance para chegar à semifinal. Em 1992, Santa 1 x 2 São Paulo. Em 1997, Sport 2 x 5 Santos.

Campanha leonina na Copinha 2016:
Sport 2 x 1 Atlético-PR
Sport 2 x 0 Rio Preto-SP
Sport 6 x 0 União-MS
Sport 1 x 0 Tanabi-SP
Sport 1 x 0 Juventude-RS
Sport 2 x 1 Mirassol-SP

Quartas de final
Sport x Cruzeiro

Sport na Copa São Paulo de Futebol Júnior de 2016. Foto: Mirassol/facebook (facebook.com/MiraFC)

Cinco clubes na Copa SP de Juniores, o recorde pernambucano em 2016

O troféu da Copa São Paulo de Futebol Júnior. Crédito: federação paulista

O futebol pernambucano terá uma presença recorde na Copa São Paulo de Futebol Júnior. São cinco times em 2016, na 47ª edição da história. Além do Trio de Ferro, confirmaram presença o América, atual vice-campeão estadual da categoria, e o Porto, com a experiência de nove participações nos últimos dez anos. Em grupos distintos, os clubes garantem ao menos 15 partidas para trabalhar os seus seus talentos. Contudo, ir além disso não é fácil.

Desde 2001 foram 36 participações e em apenas 7 os nossos representantes avançaram ao mata-mata, chegando no máximo às oitavas, três vezes. Em toda a história, o melhor resultado foi alcançar as quartas de final, em 1992 (Santa Cruz) e 1997 (Sport). Nesta temporada foram 112 clubes inscritos, espalhados em 27 cidades, com a tabela de 2 a 25 de janeiro.

Participações pernambucanas no século XXI
2001 – Santa Cruz (8as de final), Sport e Náutico (ambos na 1ª fase)
2002 – Santa Cruz (1ª fase)
2003 – Santa Cruz (8as de final) e Náutico (1ª fase)
2004 – Náutico, Santa Cruz (ambos na 1ª fase)
2005 – Santa Cruz, Sport e Porto (todos na 1ª fase)
2006 – Porto e Santa Cruz (ambos na 1ª fase)
2007 – Porto (8as de final)
2008 – Porto e Ypiranga (ambos na 1ª fase)
2009 – Porto e Ypiranga (ambos na 1ª fase)
2010 – Porto e Atlético Pernambucano (ambos na 1ª fase)
2011 – Porto e Vitória (ambos na 1ª fase)
2012 – Sport, Porto e Vitória (todos na 1ª fase)
2013 – Náutico e Santa Cruz (ambos nos 16 avos de final), e Sport (1ª fase)
2014 – Sport (16 avos de final), Náutico, Porto e Santa Cruz (todos na 1ª fase)
2015 – Sport (16 avos de final), Náutico, Porto e Santa Cruz (todos na 1ª fase)

Em relação à revelação de talentos, o fator primordial, nos últimos dois anos dois nomes despontaram na Copa SP. Em 2014, Joelinton foi o principal jogador do Sport. Um ano depois, rendeu R$ 5,4 milhões ao clube, numa transferência à Alemanha. Em 2015, apesar da eliminação precoce dos corais, o meia Raniel chamou a atenção, sendo efetivado para o time principal e tratado como joia.

Anualmente, se disputa em Pernambuco campeonatos Sub 15, Sub 17 e Sub 20. Porém, a base ainda carece de infraestrutura. Dos cinco times em solo paulista, dois não têm sequer centro de treinamento – Santa e América. Claro, o retorno da base precisa de um empenho a longo prazo. Não por acaso o CT é uma meta tricolor este ano. Um passo a mais para melhores resultados..

Últimas revelações pernambucanas na Copinha
2012 – Érico Júnior (atacante), 4 gols pelo Vitória
2013 – Ruan (atacante), 5 gols pelo Sport
2013 – Renato (atacante), 3 gols pelo Náutico

2014 – Joelinton (atacante), 3 gols pelo Sport
2015 – Raniel (meia), 1 gol pelo Santa Cruz

Os grupos com os times pernambucanos na Copa SP de juniores em 2016. Crédito: federação paulista

Quatro times pernambucanos para chegar ao mata-mata da Copa SP de Juniores

Copa SP de Juniores

Pernambuco será representado por quatro clubes na 46ª Copa São Paulo de Futebol Júnior. Além dos grandes da capital, o Porto volta a figurar na disputa. A palavra “figurar”, aliás, se encaixa bem no histórico local na Copinha.

Desde 2001 foram 32 participações e em apenas seis delas os times do estado avançaram ao mata-mata. O máximo no período foi a fase de oitavas de final, sendo duas vezes com o Santa Cruz e uma com o Porto.

De fato, se disputa de forma regular por aqui os estaduais infantil, juvenil e júnior. Porém, os testes ficam praticamente restritos ao limite geográfico do estado. E limitar o teste nacional a três jogos na fase de grupos é muito pouco.

Do quarteto, três têm centro de treinamento, com dezenas de jovens tentando tornar realidade o sonho de ser um profissional. Aos clubes, naturalmente, vale o empenho em ver retorno no investimento na base.

Por tudo isso, a tradicional disputa paulista precisa ser encarada com seriedade, com uma boa campanha. Mais uma chance, de 3 a 25 de janeiro de 2015.

Até hoje, o melhor resultado obtido pelos representantes pernambucanos foi alcançar as quartas de final, em 1992 (Santa Cruz) e 1997 (Sport).

Participações pernambucanas no século XXI
2001 – Santa Cruz (8as de final), Sport e Náutico (ambos na 1ª fase)
2002 – Santa Cruz (1ª fase)
2003 – Santa Cruz (8as de final) e Náutico (1ª fase)
2004 – Náutico, Santa Cruz (ambos na 1ª fase)
2005 – Santa Cruz, Sport e Porto (todos na 1ª fase)
2006 – Porto e Santa Cruz (ambos na 1ª fase)
2007 – Porto (8as de final)
2008 – Porto e Ypiranga (ambos na 1ª fase)
2009 – Porto e Ypiranga (ambos na 1ª fase)
2010 – Porto e Atlético Pernambucano (ambos na 1ª fase)
2011 – Porto e Vitória (ambos na 1ª fase)
2012 – Sport, Porto e Vitória (todos na 1ª fase)
2013 – Náutico e Santa Cruz (ambos nos 16 avos de final), e Sport (1ª fase)
2014 – Sport (16 avos de final), Náutico, Porto e Santa Cruz (todos na 1ª fase)

Eis os grupos dos representantes locais espalhados no interior paulista.

Grupos de Náutico, Santa Cruz, Sport e Porto na Copa SP de Juniores de 2015. Crédito: federação paulista

A disputa mais importante para a base pernambucana

Copa do Brasil Sub 20, Brasileiro Sub 20 e Copa São Paulo Sub 19

Após alguns anos de desinteresse, os grandes clubes do estado voltaram a enviar equipes para os principais torneios de juniores no futebol brasileiro.

Atualmente, existem três competições no topo desta escala.

A Copa São Paulo de Juniores, a mais antiga, que irá para a 44ª edição, com 96 times.

O Campeonato Brasileiro Sub-20, realizado inteiramente no Rio Grande do Sul desde 2006, com convites a todos os integrantes da Série A do mesmo ano.

E a recém-criada Copa do Brasil Sub 20, com duas vagas na Libertadores da categoria, apesar do formato curto, com 32 times.

Qual é a competição nacional mais importante para a categoria de base?

  • Sport - Brasileiro Sub-20 (25%, 60 Votes)
  • Náutico - Brasileiro Sub-20 (20%, 47 Votes)
  • Santa Cruz - Brasileiro Sub-20 (11%, 26 Votes)
  • Sport - Copa São Paulo Sub-19 (11%, 26 Votes)
  • Santa Cruz - Copa São Paulo Sub-19 (10%, 25 Votes)
  • Sport - Copa do Brasil Sub-20 (9%, 22 Votes)
  • Náutico - Copa São Paulo Sub-19 (8%, 20 Votes)
  • Santa Cruz - Copa do Brasil Sub-20 (3%, 8 Votes)
  • Náutico - Copa do Brasil Sub-20 (3%, 6 Votes)

Total Voters: 240

Loading ... Loading ...

Os três grandes clubes voltam à Copa São Paulo de juniores

Copa São Paulo de Juniores. Crédito: federação paulista de futebol/divulgação

Há bastante tempo o futebol pernambucano não era representado na tradicional Copa São Paulo de juniores com os seus três maiores clubes.

A última vez em que alvirrubros, rubro-negros e tricolores estiveram na disputa foi no já distante 2001. Tempo demais para quem depende da visibilidade para revelar talentos.

Em janeiro de 2013, na 44ª edição do torneio, enfim os três rivais estarão juntos.

De fato, se disputa de forma regular por aqui os estaduais infantil, juvenil e júnior. Porém, os testes ficam praticamente restritos ao limite geográfico do estado.

É preciso haver este intercâmbio, associado à infraestrutura – uma consequência do investimento, é claro. Os resultados na Copinha mostram a necessidade disso.

Quase sempre, a participação local fica restrita aos três jogos da chave.

Desde 2004, o futebol do estado só conseguiu passar da primeira fase uma vez, com o Porto chegando nas oitavas de final. Dono de uma invejável estrutura para a base, o Gavião do Agreste estará ausente após oito participações consecutivas.

Até hoje, o melhor resultado obtido pelos representantes pernambucanos foi alcançar as quartas de final, em 1992 (Santa Cruz) e 1997 (Sport).

Das 25 participações desde 2001, apenas três classificações ao mata-mata.

Participações pernambucanas no século XXI
2001 – Santa Cruz (8as de final), Sport e Náutico (ambos na 1ª fase)
2002 – Santa Cruz (1ª fase)
2003 – Santa Cruz (8as de final) e Náutico (1ª fase)
2004 – Náutico, Santa Cruz (ambos na 1ª fase)
2005 – Santa Cruz, Sport e Porto (todos na 1ª fase)
2006 – Porto e Santa Cruz (ambos na 1ª fase)
2007 – Porto (8as de final)
2008 – Porto e Ypiranga (ambos na 1ª fase)
2009 – Porto e Ypiranga (ambos na 1ª fase)
2010 – Porto e Atlético Pernambucano (ambos na 1ª fase)
2011 – Porto e Vitória (ambos na 1ª fase)
2012 – Sport, Porto e Vitória (todos na 1ª fase)

Eis os grupos de alvirrubros, tricolores e rubro-negros, espalhados no interior paulista.

Grupos da Copa São Paulo de Juniores de 2013

São Paulo além dos paulistanos

Flamengo vence o Bahia por 2 x 1 na final da Copa SP de Juniores de 2011. Foto: Flamengo/divulgação

A primeira final do futebol brasileiro em 2011 já aconteceu. A manhã de terça-feira reservou a decisão da tradicional Copa São Paulo de Juniores.

Dessa vez, nada de clubes de empresários, montados às pressas e sem qualquer apelo de “camisa”. A finalíssima foi disputada entre Flamengo e Bahia.

Em pleno aniversário da capital paulista, agora com 457 anos, o estádio do Pacaembu registrou a presença de quase 25 mil pessoas, com portões abertos.

Curiosos? Torcedores de Corinthians, Palmeiras, São Paulo e Santos? Nada disso. Foram torcedores legítimos do Fla e do Tricolor de Aço de Salvador, reconhecidamente os dois times “forasteiros” com mais torcedores na maior cidade do do país.

Um visual de clássico. Com mais gente até do que alguns jogos do próprio Paulistão…

No vídeo abaixo também vale destacar o clima de “final” da competição (vencida pelo Mengo, por 2 x 1), que caiu em desuso no futebol brasileiro após a implantação dos pontos corridos. Pode ser mais justo, ok. Mas que qualquer final anima, anima!