Celebrando 10 anos, o Museu do Futebol chega ao Recife. A 1ª cidade fora de SP

Projeto do Museu do Futebol na Área, a versão itinerante. Crédito: Museu do Futebol/divulgação

O Museu do Futebol foi aberto em 2008. Localizado embaixo da arquibancada do Pacaembu, em São Paulo, o local tornou-se uma referência histórica sobre o futebol brasileiro, com um vasto material áudio-visual. Além da Seleção Brasileira, naturalmente presente, 60 clubes enviaram informações na época da inauguração do museu, incluindo Náutico, Santa Cruz e Sport. Dividido em módulos, como história, jogadores, torcida, narrações e curiosidades de clubes e seleções, entre outros temas, o museu recebeu 3 milhões de pessoas na primeira década, sendo um dos oito mais visitados do país.

Celebrando os dez anos, o Museu do Futebol ativou a primeira mostra itinerante fora do estado de São Paulo – até então, cinco cidades do interior já haviam recebido o projeto ‘Museu do Futebol na Área’. Agora, a ideia parte para o Recife, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre. Trata-se de uma exposição numa área de 300 metros quadrados, com módulos reproduzindo o museu paulistano. Em Pernambuco, a largada deste circuito, viabilizado pela Motorola, ficará no recém-formado Cais do Sertão, no Recife Antigo.

Como o próprio material de divulgação diz, há o propósito de “valorizar as tradições do futebol de cada cidade, dando destaque à história dos times locais” e “ampliar o acervo do Museu, incorporando o conteúdo pesquisado nas cidades que receberão a exposição itinerante”. No caso, o Trio de Ferro já foi contatado, com uma triagem de peças das salas de troféus dos Aflitos, Arruda e Ilha (fotos, taças, camisas históricas, flâmulas, chuteiras etc). Cada clube deverá colaborar de alguma forma na produção do conteúdo local – que deve fazer parte da Sala das Origens e da Sala dos Números e Curiosidades.

Período no Recife: de 24/04 até 20/05. Entrada: gratuita

Visitei o Museu do Futebol, em SP, em 16/11/2017. Veja algumas fotos aqui.

A seguir, os módulos previstos para a exposição na capital pernambucana:

Projeto do Museu do Futebol na Área, a versão itinerante. Crédito: Museu do Futebol/divulgação

Projeto do Museu do Futebol na Área, a versão itinerante. Crédito: Museu do Futebol/divulgação

Projeto do Museu do Futebol na Área, a versão itinerante. Crédito: Museu do Futebol/divulgação

Projeto do Museu do Futebol na Área, a versão itinerante. Crédito: Museu do Futebol/divulgação

Projeto do Museu do Futebol na Área, a versão itinerante. Crédito: Museu do Futebol/divulgação

Museu do Flamengo do Recife dentro do museu do Náutico. Taças do 1º campeão

O Museu do Flamengo do Recife, dentro do Museu do Náutico. Foto: Cassio Zirpoli/DP

O Sport Club Flamengo foi fundado em 20 de abril de 1914. No ano seguinte, na condição de membro fundador da Liga Sportiva Pernambucana (LSP), o alvinegro recifense entrou para a história como o 1º campeão pernambucano de futebol, conquista celebrada mesmo após o encerramento do clube. Entre 1915 e 1947, o Fla disputou 32 edições do Estadual. Além daquele título, teve como principais campanhas a 3ª colocação em 1927, 1931 e 1932.

Ao sair de cena do certame local, que entrou na era profissional, o clube ainda disputou competições amadoras, caindo no ostracismo até o encerramento de fato. Literalmente, incluindo a sede. Com a torcida e dirigentes sumindo, onde guardar as relíquias? Curiosamente, na sede do maior algoz esportivo. No caso, dentro da sala de troféus do Náutico. O mesmo timbu que, em 1945, aplicou 21 x 3, na maior goleada já vista no estado. Apesar disso, a boa relação entre as agremiações possibilitou a entrega de uma antiga cristaleira com oito taças prateadas do Flamengo – hoje posicionada próxima à varanda do primeiro andar da sede histórica em Rosa e Silva, cujo acesso, mesmo aos sócios alvirrubros, é bem restrito. A premiação original não se encontra no móvel, mas ao longo dos anos o clube recebeu outros troféus em homenagem à glória pioneira, como uma peça da própria Liga Pernambucana de Desportos Terrestres (LPDT), a sucessora da LSP e a precursora da atual FPF.

Os principais feitos do Flamengo do Recife
1 título pernambucano (1915)
4 vices do Torneio Início (1920, 1924, 1926 e 1927)
1 vice dos segundos quadros* (1919)
* Depois viraria o campeonato estadual de aspirantes

Pelo Estadual: 335 jogos; 105 vitórias, 34 empates e 196 derrotas

Algumas das cristaleiras no museu do Náutico. A do Fla está à direita

Museu do Flamengo do Recife, dentro do Museu do Náutico. Foto: Cassio Zirpoli/DP

Os troféus em homenagem ao título de 1915. À esquerda, a taça entregue pelo Santa Cruz, em 1944. À direita, o troféu oferecido pela LPDT, em 1928

Museu do Flamengo do Recife, dentro do Museu do Náutico. Foto: Cassio Zirpoli/DP

À esquerda, a taça pela vitória em um amistoso em 1927, sem maiores detalhes. À direta, um troféu de um campeonato interno – comum na época

Museu do Flamengo do Recife, dentro do Museu do Náutico. Foto: Cassio Zirpoli/DP

Memorial Alvirrubro, o primeiro estágio para a integração do Museu do Náutico

Memorial do Náutico, em 01/06/2016. Foto: João de Andrade Neto/DP

Aberto no hall social dos Aflitos, o Memorial Alvirrubro é o primeiro estágio do Museu do Náutico, integrando todo o acervo secular. Com uniformes de campanhas marcantes, como o hexa, o vice da Taça Brasil e o título do centenário, flâmulas e fotos de craques do passado, o ambiente conta com um serviço multimídia, com vídeos sobre os principais jogos do time alvirrubro.

Ao todo são dez camisas  - algumas doadas por torcedores, que receberam um certificado de agradecimento -, numa linha do tempo que se estende ao distintivo, com inúmeras mudanças. No mural, resumindo as campanhas, há espaço até para capítulos tristes, como a Batalha dos Aflitos, mas com o viés de reconstrução timbu. Trata-se de um aperitivo para um passeio maior no futuro.

O próximo passo do projeto, tocado pelo departamento de marketing, é integrar o salão, junto ao público, à sala de troféus e à sala de arquivos, com livros com os primeiros sócios, imagens de remo e futebol. Os dois locais ficam no primeiro andar. Hoje fechados, serão revitalizados para a macroproposta , dando vida ao prédio tombado como patrimônio arquitetônico.

Memorial do Náutico, em 01/06/2016. Foto: Náutico/site oficial

Memorial do Náutico, em 01/06/2016. Foto: João de Andrade Neto/DP

Memorial do Náutico, em 01/06/2016. Foto: João de Andrade Neto/DP

Exposição dos 111 anos do Sport dá pistas sobre o futuro memorial na Ilha

Exposição dos 111 anos do Sport, na Ilha do Retiro. Foto: Inês Campelo/Sport Club do Recife

Os museus do Barcelona e do Real Madrid são experiências indispensáveis nas visitas às cidades, inseridas em qualquer roteiro turístico. Vai muito além da exibição de taças – e são muitas, sabemos -, com exposição audiovisual, com gols, narrações, passo a passo fotográfico da história. O Camp Nou Experience, num espaço de 3.500 metros quadrados, recebe mais de 1,6 milhão de visitantes por ano. Trazendo a discussão para o Recife, o Sport tem o projeto de um “memorial” desde 2008. Inicialmente, ampliaria o espaço da já apertada sala de troféus, com a visita terminando na loja oficial, como ocorre nos clubes espanhóis. Apesar das 1.700 peças catalogadas, a ideia ficou no papel.

Oito anos depois, celebrando o 111º aniversário, o clube montou uma exposição no salão nobre. Juntou os maiores títulos (Série A, Copa do Brasil, Série B, tri do Nordestão e Torneio N-NE) a uniformes dos anos 70, 80 e 90, emprestadas por um torcedor – o clube já vem tentando comprar padrões antigos -, um sistema de áudio com narrações históricas (“É cacete!”) e vídeo com os melhores momentos das finais nacionais de 1987 e 2008. Por fim, um mural com ídolos. Nos campos (Magrão, Dadá, Manga) e na vida social, como o fundador Guilherme de Aquino e o torcedor Zé do Rádio. Com um mês de duração, a exposição dá uma ideia do que poderia (poderá?) ser feito num memorial na Ilha.

Áudios disponíveis:
Durval (Sport 3 x 1 Inter, nas quartas da Copa do Brasil 2008)
Bala e Luciano Henrique (Sport 2 x 0 Corinthians, final da Copa do Brasil 2008)
Marco Antônio (Sport 1 x 0 Guarani, final do Brasileirão de 1987)
Bruno Mineiro (Vila Nova 0 x 1 Sport, acesso à Série A, em 2011)

Exposição dos 111 anos do Sport, na Ilha do Retiro. Foto: Inês Campelo/Sport Club do Recife

Exposição dos 111 anos do Sport, na Ilha do Retiro. Foto: Inês Campelo/Sport Club do Recife

Exposição dos 111 anos do Sport, na Ilha do Retiro. Foto: Inês Campelo/Sport Club do Recife

Exposições das maiores taças do futebol

Museu da CBF, no Rio de Janeiro. Foto: CBF/site oficial

Os museus da CBF, no Rio de Janeiro, e do Real Madrid, na capital espanhola, contam com duas salas especiais contendo os maiores triunfos do futebol, entre seleções e clubes. Galerias ainda imbatíveis.

No Museu Seleção Brasileira, o visitante encontra as taças douradas recebidas pelos cinco títulos da Copa do Mundo, com três réplicas da Jules Rimet (1958, 1962 e 1970) e duas da Taça Fifa (1994 e 2002).

No Tour Bernabeu, dentro do estádio merengue, o Santiago Bernabéu, o espaço foi reforçado com mais uma orelhuda prateada, La Décima, pelo deca europeu. Seis delas no modelo antigo do troféu da Liga dos Campeões da Uefa (1956, 1957, 1958, 1959, 1960 e 1966) e quatro no formato atual, conhecidíssimo pelas torcida mundo afora (1998, 2000, 2002 e 2014).

É o ápice do futebol… aproveitando as maiores galerias do planeta, conheça os detalhes das salas de troféus dos grandes clubes pernambucanos aqui.

Museu do Real Madrid, em Madri. Foto: Real Madrid/site oficial

Um tour virtual pela história do futebol sul-americano

Museu virtual da Conmebol. Crédito: divulgação

O Conmebol disponbiliza em seu site oficial um passeio virtual em seu museu, localizado em Luque, no Paraguai.

Entre as peças históricas, detalhes de 18 troféus oferecidos pela entidade e pela Fifa, incluindo as taças em vigor e também as descontinuadas.

O tour conta quatro seções, incluindo o complexo com sede e hotel inaugurado em 1º de maio de 2011, a história da confederação sul-americana de futebol e dados dos dez países membros, além das copas, já citadas.

Para conferir o tour completo, clique aqui.

Museu virtual da Conmebol. Crédito: divulgação