Federer reina na grama de Wimbledon pela 8ª vez e amplia lenda no Grand Slam

Roger Federer conquista o grand slam na grama pela 8ª vez. Foto: Roger Federer/twitter (@rogerfederer)

Em plena forma, o tenista Roger Federer conquistou o título de Wimbledon pela 8ª vez na carreira. Assim, desempatou a disputa com Pete Sampras, tornando-se o maior vencedor na grama do All England Club. Aos 35 anos, o suíço venceu os sete jogos por 3 sets a 0, numa campanha impressionante. Na decisão de 2017, não deu chance ao croata Marin Cilic, fazendo 6/3, 6/1 e 6/4 e voltando a ganhar a taça dourada após cinco anos.

Claro, ampliou o recorde nos torneios de simples do Grand Slam, chegando a 19 conquistas. Abaixo, os maiores vencedores ma “era aberta”, com o profissionalismo em vigor desde 1968, tanto no masculino quanto no feminino. Por fim, o ace que rendeu mais um capítulo brilhante a esta lenda do tênis.

Os maiores vencedores na Era Aberta

Torneios masculinos
Australian Open – Novak Djokovic, 6 vezes (2008, 11-13, 15 e 16)
Roland Garros – Rafael Nadal, 10 vezes (2005-08, 10-14 e 17)
Wimbledon – Roger Federer, 8 vezes (2003-07, 09, 12 e 17)
US Open - Jimmy Connors, 5 vezes (1974, 76, 78, 82-83); Pete Sampras, 5 vezes (1990, 93, 95-96, 2002); Roger Federer, 5 vezes (2004-08)

Torneios femininos
Australian Open – Serena Williams, 7 vezes (2003, 05, 07, 09-10, 15, 17)
Roland Garros – Chris Evert, 7 vezes (1974-75, 79-80, 83, 85-86)
Wimbledon – Martina Navratilova, 9 vezes (1978-79, 82-87 e 90)
US Open - Chris Evert, 6 vezes (1975-78, 80, 82); Serena Williams, 6 vezez (1999, 2002, 08, 12-14)

Os maiores campeões (soma dos 4 torneios)
19 – Roger Federer (Suíça)
15 – Rafael Nadal (Espanha)
14 – Pete Sampas (EUA)
12 – Nova Djokovic (Sérvia)

As maiores campeãs (soma dos 4 torneios)
23 – Serena Williams (EUA)
22 – Steffi Graf (Alemanha)
18 – Chris Evert (EUA)
18 – Martina Navratilova (EUA)

Os brasileiros campeões no Grand Slam

Brasileiros campeões de Grand Slam: Maria Esther Bueno, Gustavo Kuerten e Bruno Soares e Marcelo Melo; Thomaz Koch, Tiago Fernandes, Marcelo Zormann e Orlando Luz

Na história do Grand Slam, composto pelos quatro grandes torneios do tênis, oito brasileiros já conseguiram o título, considerando todas as categorias. Do simples ao juvenil. De Maria Esther Bueno, no US Open de 1959, a Bruno Soares, nas duplas da Austrália, em 2016. Ao todo são 31 conquistas. Eis a lista de títulos brazucas.

Post atualizado em 31 de janeiro de 2016

Maria Esther Bueno (19)
4 – US Open (simples – 1959, 1963, 1964 e 1966)
3 – Wimbledon (simples – 1959, 1960 e 1964)
5 – Wimbledon (duplas – 1958, 1960, 1963, 1965, 1966)
4 – US Open (duplas – 1960, 1962, 1966 e 1968)
1 – Australian Open (duplas – 1960)
1 – Rolando Garros (duplas – 1960)
1 – Roland Garros (duplas mistas – 1960)

Gustavo Kuerten (4)
3 – Roland Garros (simples – 1997, 2000 e 2001)
1 – Roland Garros (dupla juvenil – 1994)

Bruno Soares (4)
1 – Australian Open (duplas – 2016)
2 – US Open (duplas mistas – 2012 e 2014)
1 – Australian Open (duplas mistas – 2016)

Marcelo Melo
1 – Roland Garros (duplas – 2015)

Thomaz Koch
1 – Roland Garros (duplas mistas – 1975)

Tiago Fernandes
1 – Australian Open (simples juvenil – 2010)

Marcelo Zormann
1 – Wimbledon (dupla juvenil – 2014)

Orlando Luz
1 – Wimbledon (dupla juvenil – 2014)

Teliana Pereira, uma pernambucana no top 50 do ranking mundial da WTA

Teliana aparece em 48º lugar no ranking da WTA em 3 de agosto de 2015. Crédito: reprodução

O ranking feminino de tênis é atualizado semanalmente desde o dia 3 de novembro de 1975. Embora tenha conquistado sete títulos de Grand Slam, a brasileira Maria Esther Bueno jamais liderou a lista profissional (Open Era), uma vez que o seu auge ocorreu nas décadas anteriores à criação. Cronologicamente é uma “pena”, pois o International Tennis Hall of Fame chegou a apontá-la como a melhor do mundo em 1964 e 1966.

Já veterana, aos 37 anos, Maria Esther chegou a aparecer em 29º lugar no ranking da WTA, em 1976. Ainda assim, um feito notável, uma vez que figurar entre as 50 primeiras do circuito é algo raro no país, com hiatos enormes. E aí entra a figura da pernambucana Teliana Pereira, que nesta temporada vem derrubando marcas impressionantes nas quadras (sobretudo de saibro).

A tenista de Águas Belas já soma dois títulos do WTA. O primeiro, em Bogotá, em 19 de abril, encerrou o jejum de títulos das brasileiras, que vinha desde Barcelona, em 1988. O segundo troféu, em Florianópolis, derrubou outro tabu, o de conquistas no país, desde o torneio no Guarujá, em 1987. Ambos vencidos pela gaúcha Niege Dias, que viu outra marca particular ser superada. Ela havia sido a nossa última representante no Top 50, com o 31º lugar em 1988. Até este 3 de agosto de 2015, com a lista atualizada pela Women’s Tennis Association, colocando Teliana, de 27 anos, em 48º, com 1.034 pontos.

Será que Teliana alcançará o melhor ranking de uma brasileira…?

Brasileiras entre as 50 primeiras do ranking da WTA
29ª – Maria Esther Bueno (1976)
31ª – Niege Dias (1988)
48ª – Patrícia Medrado (1982)
48ª – Teliana Pereira (2015)

Brasileiras com títulos na WTA
2 – Niege Dias (Guarujá 1987 e Barcelona 1988)
2 – Teliana Pereira (Bogotá 2015 e Florianópolis 2015)

Os títulos de WTA de Teliana Pereira em 2015: Florianópolis (02/08) e Bogotá (19/04). Imagens: divulgação

A pernambucana Teliana Pereira ganha 1º título de WTA e recoloca o Brasil na elite

Teliana Pereira em Bogotá. Foto: Copa WTA Bogotá/facebook

Em 2013, Teliana Pereira tornou-se a sexta brasileira a figurar no top 100.

Dois anos depois, outro grande feito desta pernambucana de Águas Belas, com a histórica conquista do WTA de Bogotá.

Após 27 anos de jejum nos torneios de elite da associação profissional feminina, uma tenista brasileira voltou a ser campeã. Ela faturou a taça ao derrotar na final a cazaque Yaroslava Shvedova por 2 sets a 0 (76, 6/1), na sua quinta vitória seguida, em uma jornada para jamais esquecer.

Este é o ponto mais alto de uma longa caminhada, com títulos de challengers e torneios mais modestos. Teliana, radicada no Paraná, vinha preenchendo a sua estante com muita determinação nas quadras, sobretudo de saibro. O triunfo na Colômbia, o seu 23º em simples, deverá ter um lugar especial.

Teliana nasceu justamente em 1988, ano da última conquista brasileira, com a vitória da gaúcha Niege Dias em Barcelona.Voltando ao presente, o WTA de Bogotá recolocou Teliana entre as 100 melhores do mundo.

“É um dia muito especial. O mais feliz de toda a minha vida”.

Palavras de Teliana ao receber o troféu, antes das lágrimas.

Um dia especial para todos nós…

Teliana Pereira em Bogotá. Foto: Copa WTA Bogotá/facebook

Temperatura máxima no Grand Slam

Alta temperatura no Australian Open 2014. Crédito: https://twitter.com/DjokerNole

O primeiro grande torneio de tênis na temporada é o Australian Open.

É o primeiro dos quatro grand slams do circuito profissional.

Tradicionalmente disputada com sol forte, em janeiro, a competição em Melbourne alcançou índices alarmantes em 2014.

Alguns jogos chegaram a ser disputados com 44º C.

Foram dez desistências só na primeira rodada, devido ao calor. Outras partidas foram reagendadas para evitar o desgaste.

Para chamar a atenção dos organizadores, o francês Jo-Wilfried Tsong quebrou dois ovos numa panela no intervalo de uma disputa. Em seguida, o tenista postou a imagem no twitter.

Ainda mais curioso foi o desfecho da ideia do sérvio Novak Djokovic, também na rede social. Uma das estrelas do circuito e conhecido pelo bom humor, usou uma forma incrível para protestar sobre as condições de jogo.

Quebrou um ovo na quadra, com o piso numa temperatura ainda mais elevada.

E o ovo acabou sendo fritado…

Alta temperatura no Australian Open 2014. Crédito: https://twitter.com/DjokerNole

Em quatro anos, duas reformas milionárias nas quadras de tênis de Boa Viagem

Reforma das quadras de tênis da orla de Boa Viagem em 2013. Foto: Cassio Zirpoli/DP/D.A Press

As quatro quadras de tênis da orla de Boa Viagem estão sendo reformadas após quatro anos da última obra realizada no local.

Em 12 de setembro de 2009 foi entregue a segunda etapa do “Projeto Orla”, com a reforma completa das quadras, incluindo novo piso e troca no sistema de iluminação, com 48 refletores. Porém, o projeto geral também contava com a requalificação de 61 quiosques na orla, com custo de R$ 4,1 milhões.

Agora, uma nova reforma parcial nas quadras foi autorizada pela Prefeitura do Recife por causa da destruição da estrutura da tela de proteção, provocada pelos fortes ventos neste ano, além da falta de manutenção.

Com prazo de conclusão de 90 dias, a obra está orçada em R$ 1.599.917,45.

Reforma das quadras de tênis da orla de Boa Viagem em 2013. Foto: Cassio Zirpoli/DP/D.A Press

Segundo a placa instalada na frente, a obra inclui “serviços de recuperação de quiosques e quadras de tênis, localizados na Orla de Boa Viagem”.

A nova previsão de gasto – desconsiderando os reajustes da inflação, diga-se – corresponde a 39% da verba anterior, que, repetindo, foi uma reforma completa, tanto nas quadras quanto nos quiosques espalhados na avenida.

Levando em consideração que a obra anterior foi feita há apenas quatro anos – com uma troca completa da quadra e dos quiosques -, podemos imaginar que ou a reforma passada foi mal feita ou a nova está com um custo elevado.

Curiosidade: de forma informal, uma pesquisa sobre preços de uma nova quadra de tênis aponta valores de até R$ 60 mil, incluindo a terraplenagem.

Reforma das quadras de tênis da orla de Boa Viagem em 2013. Foto: Cassio Zirpoli/DP/D.A Press

 

A reunião com quatro décadas de liderança no ranking da ATP

40 anos do ranking profissional do tênis, em 2013. Crédito: Gustavo Kuerten/Facebook

São pelo menos duas centenas de torneios profissionais a cada temporada no tênis. A partir da categoria future, de 10 mil dólares, ao mítico Wimbledon, que na última edição distribuiu US$ 34 milhões em prêmios.

Todos essas competições são esmiuçadas pela ATP, a associação dos tenistas profissionais, que a semanalmente produz um ranking, atualmente formado por 2.092 tenistas e com os resultados de cada um nas últimas 52 semanas.

O tradicionalíssimo ranking acaba de completar 40 anos de história, desde a primeira atualização, em 23 de agosto de 1973, com o romeno Ilie Nastase.

Além de Nastase, apenas 24 nomes chegaram ao topo da lista.

Com o quadragésimo aniversário do ranking profissional, a ATP reuniu em Nova York boa parte dos atletas que já tiveram a honra de liderar a tabela do nobre esporte. Lá, bem no meio da foto, o brasileiro Gustavo Kuerten (veja aqui)

Guga liderou por 43 semanas é, também, o único sul-americana a encerrar um ano na liderança, em 2000. Esse levantamento é ainda mais exclusivo no tênis internacional, pois apenas 16 pessoas terminaram a temporada em 1º lugar.

Bem merecida a Taça Heritage, oferecida pela ATP aos craques…

40 anos do ranking profissional da ATP, de 1973 a 2013. Crédito: Wikipedia

Uma pernambucana entre as 100 tenistas do mundo, na busca por reconhecimento

Teliana Perera, número 100 no ranking da WTA. Crédito: Teliana Pereira/Instagram

A tenista pernambucana Teliana Pereira escreveu o seu nome na história do esporte no país. Natural de Águas Belas, a tenista de 25 anos alcançou o Top 100 do ranking feminino, em um feito raro na modalidade, que tem a campeoníssima Maria Esther Bueno como maior nome do Brasil, mas antes da era profissional.

Na lista divulgada nesta segunda, Teliana aparece com 660 pontos, fechando a lista com a nata do tênis, cuja liderança está nas mãos de Serena Williams, com 11.705 pontos. Em 2004, ainda adolescente, ela terminou a temporada de estreia como profissional em 936º. De lá para cá, muita dedicação. O Brasil não contava com uma representante entre as cem melhores do WTA há 23 anos.

Para se ter uma ideia, apenas outras cinco brasileiras repetiram o feito, de acordo com o ranking organizado pela Women’s Tennis Association desde 1973: Patrícia Medrado (1982), Cláudia Monteiro (1982), Niege Dias (1988), Gisele Miró (1988) e Andréa Vieira (1989). Niege teve a melhor colocação, 31ª.

Saiba mais detalhes sobre o crescimento no ranking de Teliana clicando aqui.

O seu próximo passo é a disputa de um Grand Slam…

E que a WTA reconheça agora a pernambucana em seu site oficial.

Teliana Pereira no site da WTA em 29 de julho de2013

Um britânico enfim reina na grama de Wimbledon, na volta dos tenistas caseiros

Últimos campeões caseiros no Grand Slam: Andy Murray em Wimbledon, 2013 (alto, esquerda); Andy Roddick no US Open, em 2003 (alto, direita); Yannick Noah em Roland Garros, em 1983 (baixo, esquerdo); Mark Edmondson no Australian Open, 1976 (baixo, direita)

As grandes histórias do tênis são escritas no Grand Slam. No piso rápido, no saibro, na grama. Os maiores jogos, os desfechos mais impressionantes…

Tudo lá, na nata do circuito.

Este domingo marcou mais um dia histórico para este contexto, com um título caseiro, com o calor do público. Mais raro do que se imagina.

O escocês Andy Murray arrasou o sérvio Novak Djokovic na final de Wimbledon. Foi o primeiro título britânico no tradicionalíssimo torneio depois de 77 anos.

3 sets a 0. Na grama do All England Club, o mérito coube a um escocês, que cansou de ouvir uma certa piadinha…

“Britânico quando vence, escocês quando perde”.

Chega disso. Tem que respeitar esse Murray. Se bem que também será difícil alguém lembrar do apelido em Londres a partir de agora…

Na era moderna do tênis, iniciada em 1968, este foi apenas o primeiro triunfo de um britânico no mais tradicional torneio do Grand Slam.

Há dez anos um “tenista caseiro” não vencia um Grand Slam…

Australian Open, desde 1905
6 títulos profissionais – Rod Laver (1969), Ken Rosewall (1971 e 1972), John Newcombe (1973 e 1975) e Mark Edmondson (1976)
44 títulos na era amadora

Roland Garros, desde 1891
1 título profissional – Yannick Noah (1983)
37 títulos na era amadora

Wimbledon, desde 1877
1 título profissional – Andy Murray (2013)
35 títulos na era amadora

US Open, desde 1881
19 títulos profissionais – Arthur Ashe (1968), Stan Smith (1971), Jimmy Connors (1974, 1976, 1978, 1982 e 1983), John McEnroe (1979, 1980, 1981 e 1984), Pete Sampras (1990, 1993, 1995, 1996 e 2002, André Agassi (1994 e 1999) e Andy Roddick (2003)
66 títulos na era amadora

Dono do saibro, Rafael Nadal se torna o maior da história em um Grand Slam

Rafael Nadal, campeão de Roland Garros 2013. Foto: ATP/Getty Images

Tetracampeão de 2005 a 2008, tetracampeão de 2010 a 2013.

Em nove campanhas no saibro parisiense foram 60 jogos disputados.

Arrasador, conquistou 59 vitórias e perdeu apenas 1 vez.

O cartel é impressionante, daqueles que você busca um defeito, mas parece não haver, num esquema de jogo detalhadíssimo, com afinco. Rafael Nadal, aos 27 anos, é, sim, o maior tenista da história no piso vermelho.

Indo mais além, até mesmo para dimensionar o que isso significa em um esporte tão técnico, o espanhol é o maior vencedor em um Grand Slam.

Amadorismo ou profissionalismo, tanto faz.

Maiores campeões do Grand Slam. Crédito: ATP

Considerando todas as taças desde 1877, quando Wimbledon, o primeiro dos quatro grandes torneios foi criado, Rafa alcançou uma marca uma inédita.

Venceu sem maiores dificuldades o compatriota David Ferrer por 3 sets a 0 e reafirmou a soberania na temporada do saibro (veja aqui).

Tornou-se oito vezes campeão em Roland Garros.

Deixou para trás mitos da era romântica como Richar Sears, Bill Larned e Bill Tilden, todos no US Open, e William Renshaw, o primeiro rei de Wimbledon. Além deles, os gigantes da era profissional Pete Sampras e Roger Federer, ambos heptacampeões na grama londrina.

Já foi dito há pouco, mas vale repetir. Nadal tem apenas 27 anos…

Rafael Nadal, campeão de Roland Garros 2013. Foto: Roland Garros/FFT