Antes do mata-mata, Estadual registra 112 mil torcedores e renda de R$ 1,1 milhão

Pernambucano 2017, 10ª rodada: Santa Cruz 1x2 Náutico. Foto: Rafael Brasileiro/DP

Após 91% da tabela programada, ou 87 de 95 jogos, o Campeonato Pernambucano de 2017 registra uma média de 1,4 mil pessoas. Baixíssima, com apenas duas partidas acima de dez mil espectadores. Após mais um clássico esvaziado, desta vez com 5.055 espectadores, para Santa 1 x 2 Náutico, a competição finalmente chega à hora da verdade. Serão oito jogos decisivos, com quatro nas semifinais, dois na disputa de terceiro lugar e dois na final. É a chance concreta para evitar a pior média de público da história, desde que a federação passou a contabilizar o dado oficial, há 27 anos.

Para não ficar atrás da edição de 1997, que encerrou com 2.080 testemunhas, é preciso somar ao menos 68.081 pessoas nos jogos restantes – com isso, alcançaria 2.081. Com o torneio à vera, é até provável que se estabeleça o necessário índice de 8.510 no período. Entretanto, o quadro mostra que a maior parte da competição segue pouco atrativa. Em relação à arrecadação, também aquém, a FPF tem direito a 8% da renda bruta de todos os jogos. Logo, do apurado de R$ 1,1 milhão, a federação já arrecadou R$ 91.704.

Os 5 maiores públicos no Pernambucano 2017
12.408 – Santa Cruz 1 x 1 Sport (Arruda, 18/02)
10.221 – Sport 1 x 1 Santa Cruz (Ilha, 26/03)
6.419 – Náutico 2 x 1 Sport (Arena, 05/03)
5.055 – Santa Cruz 1 x 2 Náutico (Arruda, 10/04) 
5.015 – Santa Cruz 1 x 2 Salgueiro (Arruda, 02/03)

Dados até a 10ª rodada do hexagonal do título e a 10ª rodada da permanência:

1º) Santa Cruz (5 jogos como mandante, no Arruda)
Público: 27.856 torcedores
Média de 5.571
Renda: R$ 248.840
Média de R$ 49.768  

2º) Sport (5 jogos como mandante, na Ilha do Retiro)
Público: 24.589 torcedores
Média de 4.917 
Renda: R$ 311.325
Média de R$ 62.265 

3º) Náutico (5 jogos como mandante, na Arena Pernambuco)
Público: 15.287 torcedores
Média de 3.057 
Renda: R$ 226.010
Média de R$ 45.202 

4º) Salgueiro (8 jogos como mandante, no Cornélio de Barros)
Público: 19.019 torcedores
Média de 2.377  
Renda: R$ 76.974  
Média de R$ 9.621   

5º) Central (8 jogos como mandante; 3 no Antônio Inácio, 2 no Lacerdão, 1 na Arena, 1 no Carneirão e 1 no Arruda)
Público: 8.573 torcedores
Média de 1.071  
Renda: R$ 116.750  
Média de R$ 14.593  

6º) Belo Jardim (8 jogos como mandante; 5 no Antônio Inácio, 2 no Arruda e 1 na Arena)
Público: 3.572 torcedores
Média de 446 
Renda: R$ 26.522 
Média de R$ 3.315 

Geral – 79* jogos (1ª fase, hexagonal do título e hexagonal da permanência)
Público total: 112.966 
Média: 1.429 pessoas
Arrecadação: R$ 1.146.311  
Média: R$ 14.510  
* Mais 8 jogos ocorreram de portões fechados 

Fase principal – 30 jogos (hexagonal do título e mata-mata)
Público total: 86.631 
Média: 2.887 pessoas
Arrecadação total: R$ 917.155  
Média: R$ 30.571  

Ranking dos pênaltis e das expulsões (10)

Pernambucano 2017, 10ª rodada: Central 1 x 3 Sport. Crédito: Rede Globo/reprodução

Na última atualização das listas levantadas pelo blog, com pênaltis e expulsões no Estadual 2017, o Sport tomou a dianteira no ranking de pênaltis a favor. Na 10ª rodada, o rubro-negro teve uma penalidade marcada (e convertida por Lenis) no último lance do jogo contra o Central, no Arruda. Terminou o ranking com quatro marcações, embora tenha desperdiçado duas.

A situação mais curiosa foi a do Salgueiro, que não viu um pênalti sequer em seus jogos. Nem a favor nem contra. Apesar da “participação insossa” do Carcará neste contexto, este hexagonal foi o recordista em penalidades assinaladas, com cinco a mais que o recorde anterior. Lembrando que o blog só enumera as marcações na fase principal (turno ou hexagonal).

Hexagonal
2014 – 6 pênaltis e 6 vermelhos
2015 – 7 pênaltis e 11 vermelhos
2016 – 9 pênaltis e 11 vermelhos
2017 – 14 pênaltis e 7 vermelhos

Vamos à atualização das duas listas levantadas pelo blog após 30 jogos.

Pênaltis a favor (14)
4 pênaltis – Sport (desperdiçou 2)
3 pênaltis – Santa Cruz (desperdiçou 1) e Náutico (desperdiçou 1)

2 pênaltis – Belo Jardim e Central
Sem penalidade – Salgueiro

Pênaltis cometidos (14)
5 pênaltis – Belo Jardim (defendeu 1) e Central (defendeu 1)
2 pênaltis – Santa Cruz 
1 pênalti – Náutico (defendeu 1) e Sport

Sem penalidade – Salgueiro

Cartões vermelhos (7)
1º) Salgueiro – 2 adversários expulsos; 1 vermelho
2º) Sport e Náutico – 2 adversários expulsos; 1 vermelho

4º) Santa Cruz – 1 adversário expulso, 2 vermelhos
5º) Central e Belo Jardim – nenhum adversário expulso; 1 vermelho  

Confira os rankings anteriores, de 2009 a 2016, clicando aqui.

Resumo da 10ª rodada do Pernambucano

Pernambucano 2017, 10ª rodada: Santa Cruz x Náutico, Central 1x3 Sport e Salgueiro 3x1 Belo Jardim: Crédito: Ricardo Fernandes/DP (clássico), Williams Aguiar/Sport Club do Recife e Rede Globo/reprodução

O G4 do hexagonal do Campeonato Pernambucano foi o mesmo da 1ª até a 10ª rodada. Desde a 8ª a composição já estava confirmada para a semifinal, restando o emparelhamento do mata-mata. Numa rodada final desmembrada, em mais uma ação questionável da FPF, a fase classificatória só acabou na noite de segunda-feira, num jogo isolado. Diante de apenas 5.055 pessoas no Arruda, o Timbu venceu mais um clássico, o terceiro no ano. Surpreendeu a escolha? Quanto ao derrotado Santa, vai mais uma vez ao interior, como em 2011 (Porto), 2012 (Salgueiro) e 2015 (Central). Sempre passou.

Nos 30 jogos realizados esta fase do #PE2017 saíram 79 gols, com média de 2,63. Em relação à artilharia, com a FPF considerando os dados do hexagonal e do mata-mata, Éverton Santos (Santa) lidera com 5 gols.

As semifinais do Pernambucano: Salgueiro x Santa Cruz e Náutico x Sport .

Central 1 x 3 Sport – O time reserva do leão não fez uma boa apresentação. Ainda assim, venceu, com três gols de atacantes (Juninho, Leandro e Lenis).

Salgueiro 3 x 1 Belo Jardim – De virada, o misto do Carcará chegou a sete vitórias no hexagonal, em sua melhor campanha no formato. Líder disparado

Santa Cruz 1 x 2 Náutico – Na segunda, o clássico definiu o emparelhamento do Estadual. O tricolor teve volume de jogo, mas o timbu foi mais organizado.

Destaque: Erick. O atacante timbu marcou o 3º gol em clássicos no Estadual. E ainda sofreu o pênalti. Aos 19 anos, já é a revelação do torneio.

Carcaça: Pitbull. Desta vez, o centroavante coral decepcionou. Se no Nordestão esteve isolado, no clássico se apresentou pouco na partida.

Tabela das semifinais:
Ida
15/04 (18h30) – Santa Cruz x Salgueiro, Arruda (Premiere)
16/04 (16h00) – Sport x Náutico, Ilha do Retiro (Globo)

Volta
22/04 (19h00) – Salgueiro x Santa Cruz, Cornélio de Barros (Premiere)
23/04 (16h00) – Náutico x Sport, Arena Pernambuco (Globo)

Obs. No mata-mata não há vantagem para a melhor campanha (a não ser o segundo jogo em casa). Logo, nada de resultados iguais ou gol qualificado.

A classificação final do hexagonal do título do Estadual de 2017

A classificação do hexagonal do título do Pernambucano 2017 após 10 rodadas: Crédito: Superesportes

Com 88% dos jogos realizados, Estadual de 2017 tem média de 1.369 torcedores

Pernambucano 2017, 9ª rodada: Náutico 5 x 0 Central. Foto: Ricardo Fernandes/DP

Após 84 das 95 partidas programadas para o Campeonato Pernambucano de 2017, a média de público segue a pior desde que a federação passou a contabilizar o dado oficial, há 27 anos. E olhe que a última rodada contou até com uma rodada dupla na Arena Pernambuco, algo inédito no empreendimento. Porém, os dois jogos, Náutico 5 x 0 Central e Belo Jardim 0 x 4 Santa, atraíram apenas 1.370 pessoas – com o visual (acima) indicando bem menos. Para a contagem média dos clubes, o timbu e o calango somaram o dado bruto, tanto de público quanto de renda. Já para aferição da competição, através do blog, o borderô da quarta-feira foi dividido por dois.

Hoje, o índice é de assistência é de 1.369 espectadores. Para não ficar atrás da edição de 1997, que encerrou com 2.080, é preciso somar ao menos 76.931 pessoas nos 11 jogos restantes, sendo oito em mata-matas – com isso, alcançaria 2.081. Com a fase final, é possível, ainda que por pouco. Em relação à arrecadação, a FPF tem direito a 8% da renda bruta de todos os jogos. Logo, do apurado de R$ 1,1 milhão, a federação já arrecadou R$ 89.600.

Os 5 maiores públicos no Pernambucano 2017
12.408 – Santa Cruz 1 x 1 Sport (Arruda, 18/02)
10.221 – Sport 1 x 1 Santa Cruz (Ilha, 26/03)
6.419 – Náutico 2 x 1 Sport (Arena, 05/03)
5.015 – Santa Cruz 1 x 2 Salgueiro (Arruda, 02/03)
4.902 – Sport 2 x 2 Salgueiro (Ilha, 03/04)

Dados até a 9ª rodada do hexagonal do título e a 10ª rodada da permanência:

1º) Santa Cruz (4 jogos como mandante, no Arruda)
Público: 22.801 torcedores
Média de 5.700
Renda: R$ 225.130
Média de R$ 56.282 

2º) Sport (5 jogos como mandante, na Ilha do Retiro)
Público: 24.589 torcedores
Média de 4.917 
Renda: R$ 311.325
Média de R$ 62.265 

3º) Náutico (5 jogos como mandante, na Arena Pernambuco)
Público: 15.287 torcedores
Média de 3.057 
Renda: R$ 226.010
Média de R$ 45.202 

4º) Salgueiro (7 jogos como mandante, no Cornélio de Barros)
Público: 15.840 torcedores
Média de 2.262 
Renda: R$ 76.671 
Média de R$ 10.953  

5º) Central (7 jogos como mandante; 3 no Antônio Inácio, 2 no Lacerdão, 1 na Arena e 1 no Carneirão)
Público: 7.957 torcedores
Média de 1.136 
Renda: R$ 114.460 
Média de R$ 16.351 

6º) Belo Jardim (8 jogos como mandante; 5 no Antônio Inácio e 2 no Arruda)
Público: 3.572 torcedores
Média de 446 
Renda: R$ 26.522 
Média de R$ 3.315 

Geral – 76* jogos (1ª fase, hexagonal do título e hexagonal da permanência)
Público total: 104.116 
Média: 1.369 pessoas
Arrecadação: R$ 1.120.008 
Média: R$ 14.736 
* Mais 8 jogos ocorreram de portões fechados 

Fase principal – 27 jogos (hexagonal do título e mata-mata)
Público total: 77.781 
Média: 2.880 pessoas
Arrecadação total: R$ 890.852 
Média: R$ 32.994 

Ranking dos pênaltis e das expulsões (9)

Pernambucano 2017, 9ª rodada: Belo Jardim 0 x 4 Santa Cruz. Crédito: Rede Globo/reprodução

Se a 8ª rodada não alimentou os rankings de penalidades e expulsões no hexagonal do título do Campeonato Pernambucano de 2017, a 9ª rodada voltou com força (e polêmicas)No empate entre Sport e Salgueiro, na Ilha do Retiro, o árbitro Gilberto Castro Júnior deu cartão vermelho direito ao rubro-negro Wallace, numa falta sobre Levi. O toque foi involuntário, embora o jogador sertanejo, infelizmente, tenha se machucado gravemente na queda. Fraturou a tíbia. Quanto ao árbitro, acabou afastado pela FPF.

No jogo que encerrou a rodada, entre Santa e Belo Jardim, Emerson Sobral assinalou dois pênaltis a favor dos corais (convertidos por Anderson Salles, acima, e Thomás, abaixo). O primeiro inexistente, o segundo correto. E ainda deixou de marcar mais um, numa falta clara em Julio Sheik…

Vamos à atualização das duas listas levantadas pelo blog após 27 jogos.

Pênaltis a favor (12)
3 pênaltis – Sport (desperdiçou 2) e Santa Cruz (desperdiçou 1)
2 pênaltis – Náutico, Belo Jardim e Central
Sem penalidade – Salgueiro

Pênaltis cometidos (12)
5 pênaltis – Belo Jardim (defendeu 1)
4 pênaltis – Central (defendeu 1)
1 pênalti – Santa Cruz, Náutico (defendeu 1) e Sport

Sem penalidade – Salgueiro

Cartões vermelhos (7)
1º) Salgueiro – 2 adversários expulsos; 1 vermelho
2º) Sport e Náutico – 2 adversários expulsos; 1 vermelho

4º) Santa Cruz – 1 adversário expulso, 2 vermelhos
5º) Central e Belo Jardim – nenhum adversário expulso; 1 vermelho  

Confira os rankings anteriores, de 2009 a 2016, clicando aqui.

Pernambucano 2017, 9ª rodada: Belo Jardim 0 x 4 Santa Cruz. Crédito: Rede Globo/reprodução

Resumo da 9ª rodada do Pernambucano

Pernambucano 2017, 9ª rodada: Sport 2 x 2 Salgueiro, Náutico 5 x 0 Central e Belo Jardim 0 x 1 Santa Cruz. Fotos: Ricardo Fernandes/DP

Com o G4 do Estadual definido desde a rodada passada, a 9ª rodada só serviu para embaralhar o mata-mata. Com o empate na Ilha, o Sport caiu para a 4ª colocação, sendo hoje o adversário do próprio Salgueiro, já assegurado como líder do hexagonal. Com isso, o Clássico das Emoções ficaria na outra chave – curiosamente, alvirrubros e tricolores jogaram na quarta na Arena, mas numa inédita rodada dupla. Com o esdrúxulo desmembramento da rodada final, pode ocorrer uma situação curiosa. Se o rubro-negro não ganhar do combalido time do Central, no domingo, as semifinais já serão definidas antes do desfecho – com a ordem atual dos confrontos. Assim, o clássico na segunda-feira serviria apenas para definir o mando de campo

Nos 27 jogos realizados esta fase do #PE2017 saíram 68 gols, com média de 2,51. Em relação à artilharia, com a FPF considerando os dados do hexagonal e do mata-mata, o tricolor Éverton Santos é o novo líder, com 4 gols.

Hoje, as semifinais seriam Salgueiro x Sport e Santa Cruz x Náutico

Sport 2 x 2 Salgueiro – O leão utilizou apenas os juniores. Chegou a virar o jogo, mas o líder deixou o Recife com mais um pontinho na conta.

Náutico 5 x 0 Central – Diante de um adversário frágil, o alvirrubro chegou à vitória na base dos cruzamentos. Foram quatro gols marcados no 2º tempo.

Belo Jardim 0 x 4 Santa Cruz – Zerando os cartões, os corais golearam o Belo Jardim num jogo insosso, mesmo com 4 gols. Foi a 2ª goleada coral.

Destaque: Marco Antônio. Um gol, uma assistência e outras finalizações com perigo. O camisa 10 se apresentou para o jogo. Papel importante no timbu

Carcaça: Gilberto Castro Jr. Uma expulsão inacreditável, em mais um erro na carreira do árbitro no futebol local. Foi pra geladeira logo após o apito final.

Próxima rodada
09/04 (16h00) – Central x Sport, Arruda (Globo)
09/04 (16h00) – Salgueiro x Belo Jardim, Cornélio de Barros
10/04 (20h30) – Santa Cruz x Náutico, Arruda (Premiere)

A classificação do hexagonal após a 9ª rodada

A classificação do hexagonal do título do Pernambucano 2017 após 9 rodadas: Crédito: Superesportes

Ao vivo para os EUA, Santa Cruz goleia o Belo Jardim e se mantém como vice-líder

Pernambucano 2017, 9ª rodada: Belo Jardim 0 x 4 Santa Cruz Foto: Ricardo Fernandes/DP

Encerrando a primeira rodada dupla na arena, o Santa Cruz goleou o Belo Jardim por 4 x 0. Como na partida anterior, com o rival alvirrubro, foi uma apresentação sem dificuldades diante de um adversário já eliminado. O script foi semelhante até no rendimento ofensivo, magro na primeira etapa, com um gol, e deslanchando na segunda. Diante de 1.370 espectadores – embora a impressão tenha sido de um público muito menor -, a cobra coral chegou à 4ª vitória no hexagonal numa situação curiosa. A partida entrou na grade do canal Globo Internacional, sendo exibido para os Estados Unidos. Na pausa da NFL, os torcedores dos States viram uma peleja de pouca intensidade.

Afinal, se o Santa estava mais interessado em limpar os cartões amarelos (Thomás, Salles, Júlio César e André Luís), o Belo Jardim demonstrou uma incapacidade impressionante de atacar – não por acaso, tem apenas quatro gols em nove partidas. O bicampeão pernambucano abriu o placar com Anderson Salles. Desta vez de pênalti, chegando a seis no ano e igualando-se a Pitbul. Infração inexistente, com André Luís se atirando. Minutos antes, Julio Sheik fora derrubado na área e o árbitro não marcou nada. Emerson Sobral não compensou o lance, ele errou duas vezes.

Na retomada, outro pênalti, desta vez correto. Thomás converteu, no 15º gol em bola parada dos corais, de um total de 29 em jogos oficiais em 2017. Julio Sheik e André Luís (que chorou ao marcar seu primeiro gol no clube) completaram a goleada, “live” no Recife e de Miami a Los Angeles. Agradou?

Pernambucano 2017, 9ª rodada: Belo Jardim 0 x 1 Santa Cruz Foto: Ricardo Fernandes/DP

A inacreditável tabela do Estadual, com jogos em dias diferentes na última rodada

FPF

Poucas vezes se viu no futebol pernambucano uma execução de tabela tão confusa quanto a do hexagonal do título de 2017. O blog listou quatro polêmicas, com a última agendada para a 10ª rodada da fase principal.

1) Belo Jardim e Central mandando jogos no Recife
Em um campeonato com seis times, na prática, dois deles não puderam receber o trio de Ferro em suas cidades. Foram obrigados a viajar ao Recife, atuando no Arruda e na Arena. Inversão? Moralmente, sim. Como o Belo Jardim mandou seus jogos contra os intermediários no Antônio Inácio, em Caruaru, e o Lacerdão, da Patativa, acabou vetado pelo mau estado do gramado, o confronto entre os clubes ocorreu em… Vitória de Santo Antão!

2) Jogos do Sport separados por 26 horas
Com o calendário apertado, quase que dependendo de eliminações locais para encontrar brechas, a FPF acabou agendando um jogo do Sport, em 03/04, no dia seguinte ao jogo do Sport pelo Nordestão, em 02/04. Apenas 26 horas entre o final de um e o início do outro. Foi preciso costurar um acordo para que nenhum atleta utilizado no domingo entrasse em campo na segunda.

3) Rodada dupla com Náutico e Santa
Há bastante tempo a polícia militar veta dois jogos de grandes clubes no Recife no mesmo dia. O objetivo é a segurança, evitando choque entre as uniformizadas (“suspensas”). Embora o blog entenda que a Arena Pernambuco seja um palco capacitado para receber rodadas duplas, que não ocorriam na cidade há 21 anos, a justificativa da federação não foi econômica. Foi, outra vez, por falta de datas, com Náutico x Central e Belo Jardim x Santa Cruz (este, numa consequência direta do primeiro item).

4) Rodada final com concorrentes em horários distintos
O G4 do Estadual foi definido na 8ª rodada, restando a disputa pelo emparelhamento, com a vantagem (única) de decidir em casa. Com o Salgueiro já garantido em 1º lugar, Náutico, Santa e Sport estão embolados. O normal seria a última rodada com Central x Sport e Santa x Náutico às 16h em 9 de abril. Contudo, como a Patativa precisa mandar o jogo no Arruda (!), o Clássico das Emoções, também lá, passou para a segunda, às 20h30. Logo, Santa e Náutico entram em campo podendo escolher seus caminhos na semi.

FPF registra receita recorde, mesmo com o pior público do Estadual em 13 anos

O balanço financeiro da Federação Pernambucana de Futebol de 2011 a 2016. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Pela 5ª vez em 6 anos nesta década, a Federação Pernambucana de Futebol terminou a temporada com superávit, uma cena raríssima em seus filiados. Entre 1º de janeiro e 31 de dezembro de 2016, o saldo do balanço financeiro foi pra lá de positivo, com R$ 2,3 milhões. É um reflexo direto da maior arrecadação na história da centenária entidade. A receita operacional foi de R$ 8,2 milhões, 28% maior em relação a 2015. Ou 163% em seis anos.

O curioso é que a bilheteria dos jogos foi a mais baixa nos últimos quatro anos, período levantado pelo blog. Ao todo, o Trio de Ferrou teve R$ 16,7 milhões, contra 21,4 milhões em 2015, por exemplo. Lembrando que a FPF tem taxas de 8% sobre todas as rendas do Campeonato Pernambucano e 5% no Campeonato Brasileiro. Falando do Estadual, a média de 3.498 torcedores foi a menor desde 2003. Ou seja, mesmo em um cenário tão precário, a federação não só seguiu rentável como se superou. Até porque há outra fonte de captação de receita, uma espécie de cartório de atividades no futebol local, com 69 ações possíveis, com taxas administrativas de R$ 30 a R$ 750 mil.

Logo, o relatório oficial aponta um aumento no patrimônio líquido da FPF, somando patrimônio social e o acumulado dos resultados positivos nos últimos anos. Em relação ao primeiro ponto, vale a imponente sede na Boa Vista, cujo valor foi congelado judicialmente durante vinte anos. Por decisão da própria federação, em 2014, já sob a gestão de Evandro Carvalho, o imóvel sofreu um ajuste do valor patrimonial, com a mutação presente no diagnóstico produzido pela Ferreira & Associados Auditores – empresa ainda responsável pelos relatórios anuais da entidade. No último exercício, o patrimônio teve um aumento de 17%, passando de 12,9 milhões para R$ 15.215.317

Curiosidade: entre as despesas, gasto maior com o departamento de futebol (3,4 milhões, ou +86%) e menor com o administrativo (2,5 milhões, -20%).

O balanço completo foi divulgado no Diario Oficial do Estado (veja aqui).

O balanço financeiro da Federação Pernambucana de Futebol de 2011 a 2016. Arte: Cassio Zirpoli/DP

FPF agenda rodada dupla após 21 anos. Inédita na Arena, estruturada para isso

Rodada dupla na Arena Pernambuco...

Com quatro competições oficiais em abril, três grandes clubes e poucas datas, o calendário local é um dos mais preenchidos dos últimos tempos. Com direito a um revival de uma tradição antiga do Pernambucano, a rodada dupla. Com a PM autorizando dois jogos em caráter excepcional, a FPF foi além. Marcou os dois jogos na Arena Pernambuco, válidos pela 9ª rodada do hexagonal do título, cujo G4 já está definido – o que ajuda a diminuir a pressão das partidas.

05/04 (19h30) – Náutico x Central (Premiere)
05/04 (21h45) – Belo Jardim x Santa Cruz (Globo) 

Inicialmente, os duelos seriam em dias distintos em São Lourenço, pois o Belo Jardim não pode mandar seus jogos contra os grandes no Agreste. Além do calendário, a medida visa a redução do custo de operação. Em contrapartida, mais gasto com segurança. O ingresso é duplo, com um só borderô.

A Arena tem estrutura suficiente para receber dois jogos, tanto que tem quatro vestiários e saídas exclusivas para quatro torcidas. Obviamente, há uma limitação de público – que não deve ser ultrapassado nesta data. Inclusive, esse formato foi tema do blog em janeiro de 2013, antes da inauguração do Castelão, que ocorreu com uma rodada dupla, válida pelo Nordestão. Com 40 mil pessoas, Fortaleza 0 x 0 Sport e Ceará 0 x 1 Bahia.

Voltando ao cenário local, em 28 de janeiro de 1996 houve uma última rodada dupla, na Ilha, na abertura do Campeonato Pernambucano. Primeiro, Santa 2 x 1 Central. Na sequência, Sport 2 x 2 Náutico. As quatro torcidas estiveram presentes no estádio, embora o público tenha sido baixo, 4 mil. Até porque os jogos foram exibidos ao vivo na televisão, algo raríssimo na época. Na Band, Luciano do Valle transmitiu os 180 minutos para o país inteiro.

Antes disso, a verdadeira tradição, com Íbis, América e Santo Amaro jogando inúmeras vezes nas preliminares do Trio de Ferro no Recife. Outros tempos…