A emoção da inédita classificação do Central nas ondas da rádio caruaruense

Pernambucano 2018, semifinal: Central 1 x 0 Sport. Foto: Central/twitter (@centraloficial)

O Lacerdão recebeu um grande público na semifinal do Campeonato Pernambucano de 2018, com a torcida caruaruense enfim fazendo a festa, com a inédita classificação alvinegra à decisão. O pegado duelo entre Central e Sport só foi encerrado aos 51 minutos, com o minuto final registrado pelo narrador Eri Santos, da Rádio Globo FM, de Caruaru – uma das vários emissoras locais presentes. Sintetizou a emoção da pioneira classificação.

“O sonho realizado, o sonho buscado” 

Ouça à narração que confirmou um dos maiores capítulos da vida da patativa.

Central no Estadual: 12 jogos, 7 vitórias, 4 empates e 1 derrota; 17 GP e 9 GC

Podcast – A análise da classificação do Central diante do Sport na semi do PE

Pernambucano 2018, semifinal: Central x Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

O Central eliminou o Sport na semifinal do Estadual e chegou à decisão pela primeira vez em sua quase centenária história. Em um jogo amarrado, no Lacerdão, o alvinegro venceu com um gol de Leandro Costa, que também assegurou o clube na Copa do Brasil de 2019 – na volta ao torneio após uma década. O 45 Minutos analisou a partida, com os pontos positivos e negativos do leão e da patativa – além das consequências no rubro-negro visando a Série A. Estou nesta gravação com Celso Ishigami e Fred Figueiroa. Ouça!

21/03 – Central 1 x 0 Sport (50 min)

Central elimina o América e decidirá a semifinal em Caruaru. É a maior chance?

Pernambucano 2018, quartas: Central x América. Foto: Central/instagram (@centraldecaruaru)

O Central exerceu a condição de favorito e eliminou o América nas quartas de final do Pernambucano de 2018. Desde que a competição passou a adotar o sistema de mata-mata, em 2010, esta é a 3ª vez que o alvinegro alcança a semifinal – porém, é a primeira em que passa por um mata-mata, pois anteriormente a fase classificatória levava direto ao G4. No Lacerdão, contou com o apoio da torcida, justificando a segunda melhor campanha no turno.

Na partida, Mauro Fernandes teve um problema sério na escalação. O goleiro titular, Murilo, não treinou nos últimos dias, alegando problemas pessoais, e o técnico foi obrigado acionar França, estreante – e decisivo no fim. O Central teve um início arrasador. No primeiro tempo, o time marcou aos 3 minutos (gol contra de Kadir) e aos 22 (Fernando Pires mandando no ângulo). A vantagem que já era confortável aumentou logo na retomada, através do volante Eduardo Erê. O jogo parecia liquidado, até o fim maluco, com três pênaltis, dois para o América (um perdido) e um para o Central (também perdido), com o visitante marcando outro gol nos minutos finais, para apreensão de uma torcida desconfiada há tempos. Dessa vez, não. Patativa 3 x 2.

Agora, encara um grande clube da capital na semifinal… Jogo único, em Caruaru. A chance de disputar uma final nunca esteve tão próxima do clube, cuja melhor colocação foi o vice-campeonato em 2007, por pontos corridos.

Campanha do alvinegro no Estadual 2018
11 jogos
6 vitórias
4 empates
1 derrota
16 gols marcados
9 gols sofridos
66,6% de aproveitamento

Central no Estadual na era do mata-mata
2010 – Semifinal (4º lugar)
2011 – Fase principal (5º lugar)
2012 – Fase principal (10º lugar)
2013 – Fase principal (10º lugar)
2014 – Fase principal (5º lugar)
2015 – Semifinal (4º lugar)
2016 – Fase principal (6º lugar)
2017 – Fase principal (6º lugar)
2018 – Semifinal (a definir)

Pernambucano 2018, quartas: Central x América. Foto: Central/twitter (@centraloficial)

FPF multa o Central em R$ 5 mil devido a amistoso interestadual não protocolado. Embora tenha anunciado a partida…

Amistoso, 2018: Central 2 x 0 Dimensão Saúde (AL). Foto: Central/site oficial

Em 11 de janeiro, o Central disputou o seu último amistoso preparatório para o Campeonato Pernambucano de 2018. No Lacerdão, o alvinegro venceu o Dimensão Saúde-AL por 2 x 0, com gols do volante Douglas Carioca e do atacante Luizão. Inicialmente, o adversário seria o Íbis, mas a goleada sofrida pelo pássaro preto para o Flamengo de Arcoverde, dias antes, fez com que a direção da patativa buscasse um adversário tecnicamente melhor – o time alagoano disputa a primeira divisão em seu estado. A partida em Caruaru teve 840 pagantes, gerando R$ 8,4 mil de renda bruta. A arrecadação, que já foi fraca, sofreu um duro golpe, com a FPF aplicando uma multa de R$ 5 mil (ou 59% da bilheteria) devido à não oficialização do amistoso interestadual.

Embora o documento seja de 25 de janeiro, só agora a FPF publicou em seu site oficial o texto sobre a punição. No ato administrativo 3/2018, a entidade lembra do itens I e IV do artigo 60 de seu estatuto, além da falta de notificação à CBF, uma vez que o amistoso foi interestadual. Ao pé da letra, este trâmite burocrático passa por uma solicitação à própria federação estadual, que repassa à confederação brasileira de futebol. Embora isso não tenha acontecido, causa surpresa neste episódio o fato de a própria FPF ter divulgado a partida amistosa em seu site, para depois multar o filiado pela falta de aviso, inclusive à polícia militar. No caso da PM, que chegou durante o jogo, alegou-se o não recebimento dos ofícios – que a patativa diz ter enviado.

Se o Central errou no processo burocrático, a FPF não parece tão isenta neste caso. De toda forma, a multa já entrou na conta do clube junto à entidade.

O registro do site da FPF sobre o amistoso entre Central e Dimensão Saúde

Amistoso, 2018: Central 2 x 0 Dimensão Saúde (AL). Foto: Central/site oficial

A íntegra do ato administrativo da FPF sobre a multa de R$ 5 mil ao Central

Ato da FPF multando o Central pelo amistoso contra o Dimensão Sáude

Sport empata com o lanterna Belo Jardim diante de 722 torcedores no Lacerdão

Pernambucano 2018, 8ª rodada: Belo Jardim x Sport. Foto: Anderson Freire/Sport Club do Recife

O Sport teve mais posse de bola (65%) e finalizou mais (5 chances reais), mas foi incapaz de superar a defesa do então lanterna do Pernambucano. O Belo Jardim, que jogou mais uma vez como mandante fora de sua cidade, armou uma retranca, necessária considerando a situação do clube, e também contou com a má pontaria dos atacantes rubro-negros – como Rogério escorando mal um cruzamento frontal e Leandro Pereira errando a cabeçada.

A partida começou com o meia Pedro Castro como titular, sendo substituído no intervalo novamente sem agradar. Envolver o adversário (limitado) e não definir, eis o Sport andando em círculos. No fim, num Lacerdão quase vazio, com apenas 722 espectadores, o empate em 0 x 0 agradou ao mandante de ocasião, que conseguiu deixar a última colocação, e manteve o leão na sua via crúcis nesta temporada, com rendimento bem abaixo do esperado – e do investido, num elenco mais caro que todos os dez adversários locais juntos.

Pernambucano 2018, 8ª rodada: Belo Jardim x Sport. Foto: Anderson Freire/Sport Club do Recife

Estatisticamente, o tropeço também trouxe outro dado. Até então, o leão havia vencido os sete confrontos na história, iniciada na inauguração do estádio Mendonção, em 2007. E assim este Sport segue quebrando escritas…

Sport x Belo Jardim (todos os mandos)
8 jogos
7 vitórias rubro-negras
1 empate

Os 8 confrontos na história, todos pelo Estadual
07/02/2007 – Belo Jardim 0 x 3 Sport (Mendonção)
08/04/2007 – Sport 3 x 0 Belo Jardim (Ilha do Retiro)
26/01/2012 – Belo Jardim 0 x 3 Sport (Mendonção)
29/02/2012 – Sport 3 x 2 Belo Jardim (Ilha do Retiro)
06/04/2013 – Sport 5 x 1 Belo Jardim (Ilha do Retiro)
15/02/2017 – Sport 1 x 0 Belo Jardim (Ilha do Retiro)
19/03/2017 – Belo Jardim 0 x 1 Sport (Arruda)
21/02/2018 – Belo Jardim 0 x 0 Sport (Lacerdão)

Pernambucano 2018, 8ª rodada: Belo Jardim x Sport. Foto: Anderson Freire/Sport Club do Recife

Belo Jardim completa 2 anos mandando jogos fora do Mendonção. Com volta na última rodada, local deve servir na Série D

Campo do estádio Mendonção em 16/02/2018. Foto: Belo Jardim/instagram (@belojardim.fc)

No Pernambucano de 2018, dois times foram obrigados a mandar os seus jogos em outras cidades, devido à falta de laudos técnicos nos respectivos estádios. O Vitória, do Carneirão para a Arena PE, em São Lourenço, e o Belo Jardim, do Mendonção para o Joaquim de Brito, em Pesqueira. Ocorre que a mudança do Vitória foi definitiva na competição, enquanto o calango manteve os reparos – sobretudo no gramado – visando a disputa das últimas rodadas.

O Mendonção, localizado na Vila Olímpica do Sesc, foi inaugurado em 2007. É uma dos palcos mais novos do estado. Contudo, a falta d’água, atrelada à manutenção, sucateou o estádio, vetado há dois anos. São duas edições com  Belo Jardim atuando fora de sua cidade. Considerando o duelo contra o Sport no Lacerdão, em 21/02, são 12 jogos seguidos como andarilho: Antônio Inácio (5x), Joaquim de Brito (3x), Arruda (2x), Arena PE (1x) e Lacerdão (1x). Nos 11 jogos realizados, 3V, 2E e 6D – 33% de aproveitamento. A última partida oficial em seu reduto foi em 02/03/2016, na vitória por 1 x 0 sobre o Porto.

Vale lembrar que em 25 de outubro de 2017 o estádio recebeu a visita de agrônomos da Campanelli, empresa paulista contratada pela FPF para diagnosticar o campo. Após a vistoria, o local, apontado (justamente) como o mais crítico da competição de 2018, passou a ser tratado de forma integral, com o time do Belo Jardim treinando num campo sintético da cidade e no estádio de Brejo da Madre de Deus. Apesar do esforço para a liberação, com direito à visita de Daniel Paulista, auxiliar do Sport, e das chuvas recentes, na prática resta apenas um jogo pelo Estadual, em 7 de março, contra o Náutico. Ao menos, caso o cuidado com o gramado continue, o time poderá jogar a Série D, em sua estreia no Brasileiro, realmente em casa… A conferir.

Qual o peso de um andarilho na competição? Disparidade técnica, sem a força do mando, e queda no público (o calango tem a pior média, de 183 pessoas).

Imagens do Sesc-Mendonção em 16 de fevereiro de 2018. Tem condições?

Campo do estádio Mendonção em 16/02/2018. Foto: Belo Jardim/instagram (@belojardim.fc)

Campo do estádio Mendonção em 16/02/2018. Foto: Belo Jardim/instagram (@belojardim.fc)

Campo do estádio Mendonção em 16/02/2018. Foto: Belo Jardim/instagram (@belojardim.fc)

Aprovação na Série A reabre o caminho para campos sintéticos em Pernambuco. Devido ao custo, só um alvo: o Lacerdão

Modelo de grama sintética em estudo na FPF. Foto: Fred Figueiroa/DP

A decisão unânime sobre a utilização do gramado sintético no Brasileirão é em caráter definitivo, segundo o presidente da FPF, Evandro Carvalho, presente no arbitral da competição. Com isso, reabre a possibilidade de campos artificiais em centros periféricos, à parte da Série A. Em Pernambuco, devido à histórica crise hídrica, agravada por uma das maiores secas do século, o problema no interior, somado à falta de receita, é recorrente – em 2017 resultou em vetos no hexagonal, com Belo Jardim e Central jogando fora. Ao blog, o mandatário afirmou que a decisão traz uma situação nova ao futebol local, baseada no custo. Originalmente, a ideia era promover a instalação em três mesorregiões, a Zona da Mata (Vitória), o Agreste (Caruaru) e o Sertão (Serra Talhada). Assim, haveria um raio de alcance a cidades próximas, em caso de campos de grama natural sem condições. Porém, pelo regulamento aprovado, um campo sintético só pode receber um jogo de futebol profissional caso seja do “nível 5″ – o grau máximo escalonado pela Fifa.

Embora seja sintético, esse gramado contém uma mistura com material orgânico, para tirar a percepção ‘emborrachada’ das primeiras versões – acima, a amostra exposta na federação. Também demanda irrigação, devido à temperatura e à resistência, embora numa escala muito menor. Trata-se do piso instalado na Arena da Baixada, do Atlético-PR, o único palco da Série A 2018 neste contexto – Fonte Nova e Allianz Parque podem ser os próximos.

O custo deste modelo? Aí está o motivo do ‘refinamento’ da ideia…

R$ 2.783.000, somando a aquisição do campo e a instalação.

Para Evandro, num primeiro momento, só é possível projetar um campo no interior – com investimentos externos. No caso, o Lacerdão, em Caruaru. Pelo tamanho do estádio (19.478 lugares), pelo porte econômico da cidade (356 mil habitantes) e pela localização estratégica, com clubes num raio de 85 km (Belo Jardim, Chã Grande, Decisão, Pesqueira, Porto e Ypiranga).

Existem dois caminhos:

1) Via Ministério do Esporte
Através de projetos de fomento, mesmo num campo privado, poderia haver o repasse do governo federal. Em Pernambuco, a FPF vem firmando parcerias com prefeituras. Já foram aprovados dois projetos de modernização de estádios municipais: o Valdemar Viana, em Afogados (R$ 590 mil), e o Laura Bandeira, em Paudalho (R$ 585 mil). Os dois empreendimentos estão listados no Portal da Transparência. No caso do campo do Central, o local poderia ser utilizado – além de jogos profissionais – em ações de inclusão, numa lógica semelhante aos centros de treinamento financiados pelo ministério

2) Via Fifa
Pelo contrato de organização da Copa do Mundo de 2014, o Brasil teria direito, após o evento, a um aporte de US$ 100 milhões para obras de infraestrutura e capacitação. O tal ‘Legado da Copa’. Com a bronca da entidade na justiça, quase todo o dinheiro segue na Suíça. Apenas 8,7 mi foram liberados – segundo o jornal O Estado de S. Paulo, a liberação pode ocorrer, finalmente, em 2018. Portanto, haveria, em disputa por projetos, cerca de 91,3 milhões de dólares (ou R$ 289 milhões). Em tese, bastaria a Pernambuco conseguir 1% disso para viabilizar o campo em Caruaru.

Explicação de Evandro Carvalho sobre a escolha prévia do Lacerdão
“Nunca deixamos de discutir ou ventilar a possibilidade. Mas agora, com a decisão definitiva, que ficará no Regulamento Geral de Competições da CBF, podemos seguir. Temos dois caminhos e hoje, na nossa visão, precisamos de um estádio no interior com regularidade. E seria muito bom para nós, e até para estados vizinhos, se um estádio como o do Central pudesse receber um gramado artificial. Porque haveria a garantia de 10 anos e a possibilidade de jogos seguidos, sem danificar o campo.”

Obviamente, o Trio de Ferro também poderia optar pela mudança no piso (no Arruda, na Ilha e nos Aflitos), mas, a princípio, através de outras parcerias.

Pernambucano 2018, 5ª rodada: Central 1 x 1 Sport. Foto: Tetto Drone, via Caruaru no Face (cortesia)

Com gol de falta de Marlone, o Sport se salva em Caruaru e empata com Central

Pernambucano 2018, 5ª rodada: Central x Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

O Sport escapou da derrota no Lacerdão, jogando mal a maior parte do tempo e ainda com um a menos após a expulsão de Henríquez, aos 13/2T. O leão só igualou o marcador (1 x 1) numa cobrança de falta de Marlone, na reta final. Justamente o meia poupado na escalação inicial. Isso porque Nelsinho havia apostado num meio-campo com Anselmo, Rithely (estreia no ano), Thallyson e Neto Moura. Três volantes, na visão do treinador, com Neto mais adiantado, como o apoiador. No ataque, Gabriel e André, justamente o nome que vinha se queixando de dores no joelho – se o treinador poupou outros nomes, achei arriscada essa decisão. Pois essa combinação não durou meia hora.

Com a baixa produtividade, o técnico acionou o centroavante Leandro Pereira, de volta após seis meses – lesão no joelho. Com isso, sacou Thallyson. A esta altura, o Central já vencia com um gol de cabeça de Leandro Costa, aos 9/1T. O atacante, que deu trabalho a Náutico e Santa, concluiu a jogada iniciada pelo arisco meia Júnior Lemos, que seria substituído pouco depois após sofrer um rodízio de faltas. Sem o seu camisa 10, a patativa recuou, mas nem assim passou sufoco, pois o visitante só buscou a bola aérea, sem sucesso.

Pernambucano 2018, 5ª rodada: Central x Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Marlone só entrou no intervalo, no lugar de Neto, um dos poucos com lucidez. Com isso, o time chegou à 3ª proposta de jogo na tarde (4-4-2, com ‘quatro’ volantes; 4-4-2, com 2 centroavantes; 4-3-1-2, com um meia mais livre). Embora tenha tido mais intensidade, o leão limitou-se aos cruzamentos e lançamentos (mais de 20). Era isso ou esperar a qualidade individual, como foi na batida de Marlone, no empate aos 31/2T – considerando também a colaboração do goleiro. Após tomar o gol, o alvinegro aumentou o ritmo e criou algumas chances, mas teve que se contentar com o placar, garantindo um turno sem derrotas para o trio de ferro. O favorito Sport se contentou também.

Histórico de Central x Sport (todos os mandos)
266 jogos
176 vitórias rubro-negras (66,1%)
62 empates (23,3%)
28 vitórias alvinegras (10,5%) 

Última vitória do Central: 1 x 0, em 01/05/2015 (desde então, 7 partidas)

Pernambucano 2018, 5ª rodada: Central x Sport. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Central derruba tabu de 9 jogos e goleia o Náutico em Caruaru. De bônus, a ponta

Pernambucano 2018, 2ª rodada: Central x Náutico. Foto: Léo Lemos/Náutico

Com volume de jogo e força ofensiva, o Central goleou o Náutico no Lacerdão, quebrando um tabu no confronto. Eram nove partidas de seca, desde 16 fevereiro de 2013. Com o saldo de gols a partir do 3 x 0, a patativa ainda terminou na liderança ao fim da segunda rodada do campeonato estadual de 2018. Faz tempo que não acontecia, com a felicidade da torcida alvinegra contrastando com a da alvirrubra, que vai vendo um time frágil defensivamente – sofreu 7 gols nos últimos três jogos, somando estadual e regional.

No duelo entre os técnicos Fernandes, Mauro e Roberto, o visitante teve a seu favor a estreia do meia Júnior Timbó, de volta após um imprevisto contratual na Indonésia. Ao menos no primeiro tempo, o Náutico até chegou, com o goleiro Murilo Lins fazendo duas ótimas defesas (cabeçada e cobrança de falta), além da reclamação de um pênalti não assinalado (mão na bola / bola na mão). Já o alvinegro contou com o ataque encaixado, com o treinador colocando Leandro Costa caindo pelos lados e centralizando Luizão. É verdade que facilitou bastante o golzinho logo aos 3 minutos. No lance, Jefferson espalmou duas vezes, até o volante Douglas Carioca completar.

Pernambucano 2018, 2ª rodada: Central x Náutico. Foto: Central/twitter (@centraloficial)

No segundo tempo, quase o mesmo script, com a patativa marcando aos 4 minutos, com Graxa. Com a boa vantagem, a confiança em alta e um adversário cansado (jogos na quarta, sexta e domingo), o Central não pisou no freio, ampliando aos 35. Leandro Costa foi pra linha de fundo e rolou pra Luizão, o gol da liderança. Agora, ambos vão ao Recife. O Central ao Arruda e o Náutico (1V, 3E e 1D no ano) à Arena, para o Clássico dos Clássicos. O alvinegro quer manter o ritmo e o alvirrubro quer encontrar o seu…

Histórico de Central x Náutico (todos os mandos)
263 jogos
146 vitórias alvirrubras (55,5%)
71 empates (26,9%)
46 vitórias alvinegras (17,4%)

Pernambucano 2018, 2ª rodada: Central x Náutico. Foto: Léo Lemos/Náutico

Central proíbe uso de camisas de outros times nos setores reservados ao clube

Comunicado do Central sobre camisas de outros times no setor destinado à torcida alvinegra. Crédito: Central/twitter (@centraloficial)

Remo em 2013, Chapecoense em 2014 e ABC em 2017. Esses são alguns dos clubes periféricos do país, à parte do eixo SP-RJ-MG-RS, que proibiram o acesso de camisas de outros times em setores reservados às suas torcidas em seus jogos. Em todos os casos, a segurança foi tratada como questão de primeira ordem, embora a medida também tenha sido uma forma de brecar a concorrência sobre a preferência clubística, várias vezes dividida.

Polêmica ou não, a medida já havia chegado há alguns anos de forma velada no Recife, onde quase não se vê camisas de times brasileiros dentro dos setores destinados às torcidas de Náutico, Santa e Sport – acredite, camisas do Fla, por exemplo, já foram vistas na arquibancada da Ilha. Marcando o seu território, ‘visando preservar o bem estar do torcedor alvinegro’, o Central emitiu um comunicado sobre o jogo contra o Náutico, em 21/01, vetando o acesso de pessoas com uniformes de outros times (brasileiros e estrangeiros) aos setores da Rua Campos Sales, as sociais e cadeiras do Lacerdão. Em Caruaru, o alvinegro enfrenta um cenário pesado em termos de preferência no futebol. Desconsiderando a hipótese (real) de torcedores mistos, a patativa teria 7% da preferência, dado da última pesquisa realizada lá, há quatro anos.

Você concorda com o veto de camisas de outros times dentro do seu setor?

Entre os dias 4 e 5 de janeiro de 2014, o instituto Plural Pesquisa ouviu 400 pessoas em Caruaru, com margem de erro de 4,9%. Abaixo, os percentuais dos times mais citados, já com a projeção absoluta das torcidas, a partir da estimativa do IBGE na época, com 337.416 moradores na capital do agreste.

Pesquisa de torcida em Caruaru (2014)
1º) Sport – 17% (57.360)
2º) Corinthians – 13% (43.864)
3º) Santa Cruz – 8% (26.993)
4º) Central – 7% (23.619)
4º) Palmeiras – 7% (23.619)
6º) Náutico – 5% (16.870)
7º) São Paulo – 4% (13.496)
8º) Flamengo – 2% (6.748)
9º) Porto – 1% (3.374)