Sport anuncia mais uma desistência no Nordestão e segue reprimindo a história

Os troféus dos títulos do Sport na Copa do Nordeste (1994, 2000 e 2014)

As taças dos títulos nordestinos do Sport em 1994, 2000 e 2014

Em entrevista coletiva convocada na Ilha do Retiro, o presidente do Sport, Arnaldo Barros, respondeu sobre problemas do clube, como desempenho no futebol, crise administrativa e também sobre a participação na Copa do Nordeste de 2019. A pergunta foi uma consequência da ausência em 2018, que deve ser ampliada em 2019. Eis a posição do dirigente sobre o assunto:

“Eu não fui convidado, eu nem sequer conheço o regulamento da Copa do Nordeste de 2019. Vocês perguntaram ao Central se o Central vai participar? Por que estão perguntando ao Sport? O Sport não é da liga (do NE), o Sport não está na Copa do Nordeste, não tenho sequer obrigação de conhecer, e não conheço, o regulamento que prevê a próxima competição. Não recebi nenhum convite, não recebi nenhum ofício (da CBF)”

“Não tenho o que responder. Não estou protelando, não fui convidado, não conheço o regulamento. Por que eu tenho que falar de uma coisa que não me diz respeito? O Sport está fora da competição. Expliquei porque saí e não me arrependo. E agora, outros (clubes) estão enxergando a mesma conclusão, de que há efetivamente duas inviabilidades. Uma financeira e a outra esportiva. Assistimos Náutico e Santa tendo que jogar quatro jogos em dez dias (em 2018), ou coisa parecida, desrespeitando as 66 horas (de intervalo), a CBF e o sindicato dos atletas fechando os olhos para a ilegalidade, e colocando o time misto, que desrespeita os contratos. Se o Sport fizesse isso, seria ferrenhamente cobrado. Não podemos nos dar o luxo de ficarmos irregulares.”

“Então, não tenho porque me manifestar sobre uma competição que sequer fui convidado. Eu vou ser intruso? Boa sorte para a Copa do Nordeste”

Entre 1994 e 2018 o Nordestão foi realizado 15 vezes. Através de critérios técnicos, o Sport poderia ter participado de todas as edições. Contudo, o leão ficou de fora em 2003 e 2010, torneios disputados paralelamente ao imbróglio na justiça entre CBF e Liga do Nordeste – encerrado após um acordo favorável à liga. Em 2018, por não concordar com a cota distribuída, o rubro-negro protocolou a desistência junto à confederação brasileira. Em 2019 o mesmo caminho. Apesar das declarações em 22/03, o mandatário ainda precisa formalizar a saída junto à CBF – lembrando que a FPF desarticulou o ofício da confederação sobre a saída leonina (faz sentido essa manobra?).

Com três títulos em cinco finais, o Sport tem um dos melhores desempenhos no regional, mas vai abdicando do viés desportivo – de forma isolada. Em 2018, o Sport ganharia entre R$ 1 milhão (fase de grupos) e R$ 3,5 milhões (campeão). Num contexto mais amplo, é pouco – o Madureira, por exemplo, ganha R$ 4 milhões no Carioca. Porém, a ação isolada não traz benefício algum para o clube, como ficou claro, na visão do blog, neste ano. Sem contar que a decisão de Arnaldo Barros nunca foi bem digerida pela torcida. Para 2019, torcedores se mobilizaram em uma petição pública pedindo a volta do clube ao Nordestão - no blog, uma enquete com 1,7 mil votos apontou 75% a favor do retorno. Aliás, um clube autointitulado como o “Maior do Nordeste” deveria solidificar essa imagem na Copa do Nordeste. Optou por reprimir…

Sport na Copa do Nordeste
124 jogos
62 vitórias (50,0%)
33 empates (26,6%)
29 derrotas (23,3%)
12 participações: 1994 (1º), 1997 (4º), 1998 (9º), 1999 (3º), 2000 (1º), 2001 (2º), 2002 (10º), 2013 (7º), 2014 (1º), 2015 (4º), 2016 (4º) e 2017 (2º)

Evandro Carvalho desarticula o ofício da CBF e Sport ganha tempo para resposta sobre a participação no Nordestão 2019

Sport na Copa do Nordeste de 2019? Arte: Cassio Zirpoli/DP, via pixlr.com

O agendamento da fase preliminar da Copa do Nordeste de 2019 para abril de 2018 antecipou bastante o prazo sobre a decisão do Sport acerca da participação na próxima edição, uma vez que o leão desistiu do torneio vigente – como havia alertado o blog. O jornalista Carlyle Paes Barreto, do Jornal do Commercio, trouxe a informação com a data máxima para o posicionamento do clube: 16 de março. O prazo foi dado pela CBF, num ofício encaminhado à FPF. Porém, na data específica, não haverá resposta… Não agora.

O documento foi protocolado em 7 de março e encaminhado à federação pernambucana de futebol. Em contato com o blog, o presidente da entidade, Evandro Carvalho, disse que o documento sequer chegou a ser validado na FPF, após um contato com a CBF. Ou seja, não foi repassado ao Sport e, nesta data, a exigência já teria sido revogada. Trechos da entrevista…

Evandro, você recebeu o ofício da CBF? Caso sim, repassou ao Sport?
“Eu estava no Rio de Janeiro, na CBF, quando soube dessa história. Na hora, mandei desconsiderar aqui (no Recife), porque não cabe o pedido de inclusão, só o de exclusão. Foi um erro de quem elaborou. Além disso, a indicação dos clubes participantes na Copa do Nordeste cabe às federações”

Então, o Sport não precisa responder se disputará o Nordestão de 2019?
“O Sport se desfiliou da Liga do Nordeste. Ele já está fora. Agora, tudo é uma questão de dinheiro. O Sport está buscando o que interessa a ele, que é um recurso maior. A Copa do Nordeste é um torneio particular, no qual a CBF só fornece as datas. Nenhum clube é obrigado a participar. E se o Sport quiser voltar, pode voltar, como classificado (pelo Ranking da CBF) e convidado da liga. Esse ofício não impediria isso”

Há razão para se esperar uma copa paralela ao Nordestão nessa saída?
“A Copa do Nordeste ficou enfraquecida com a saída da Globo. Ela (a copa) precisa de recursos para os próximos anos e, desse jeito, nem sei se chega em 2022 (último ano do acordo entre a Liga e a CBF, com direitos de TV junto ao Esporte Interativo). Sobre um outro torneio, não sei. É uma questão interna dos clubes, que sempre vão querer jogar o que for mais rentável” 

Nota do blog: de fato, não fazia sentido a CBF exigir a resposta prévia de apenas um clube sobre a participação, pois o pedido de desistência, para 2018, visava apenas um ano, sendo necessário protocolá-lo a cada edição. Sobre a resposta do Sport, embora o pleito do clube seja correto (a busca por cotas maiores), a saída isolada aponta um erro estratégico – sem tanto apoio da torcida, que já fez até petição pública pedindo a volta. A continuidade disso não teria lógica, influenciando inclusive no próximo mandato no clube.

Sobre a cota da Copa do Nordeste, confira um balanço das receitas aqui.

O curto prazo para o Sport decidir se joga ou não o Nordestão 2019. Sem resposta

Sport na Copa do Nordeste de 2019? Arte: Cassio Zirpoli/DP, via pixlr.com

A composição dos três representantes pernambucanos no Nordestão de 2019 será definida após a final do campeonato estadual, programada para 8 de abril de 2018. Entre os demais estaduais da região, apenas um não terminará nesta data. A exceção fica por conta do piauiense, com a final agendada para o dia 14. Além do cumprimento ao calendário do futebol nacional, há outro ponto importante: a seletiva da próxima Lampions, que começará dez dias depois (ou quatro para o representante do Piauí). É isso mesmo, a preliminar começará bem antes do fim o regional de 2018, que ainda estará nas quartas de final. São oito times, com o estado do Ceará sendo o único ausente na etapa, pois os seus dois classificados já estreiam na fase de grupos.

Vagas na seletiva da Copa do Nordeste:
AL – melhor rankeado, à parte do campeão estadual
BA – segundo melhor rankeado, à pare do campeão estadual
MA – melhor rankeado, à parte do campeão estadual
PB – melhor rankeado, à parte do campeão estadual
PE – segundo melhor rankeado, à pare do campeão estadual
PI – melhor rankeado, à parte do campeão estadual
RN – melhor rankeado, à parte do campeão estadual
SE – melhor rankeado, à parte do campeão estadual

No cenário local, a definição passa pela escolha do Sport. Explica-se: o clube é o melhor rankeado de PE e, por isso, já está no Nordestão 2019, inclusive à fase de grupos. Ocorre que mesmo classificado à última edição, na ocasião como campeão pernambucano, o leão desistiu de participar do regional de 2018. Como o pedido junto à CBF é anual, a direção rubro-negra teria que protocolar uma nova desistência. Fará? Pois isso afeta diretamente a lista da FPF, com outros dez candidatos – não por acaso, o Náutico, que ficara de fora, obteve a vaga em 2018 justamente na seletiva. Em 17 de fevereiro, após a eliminação na 2ª fase da Copa do Brasil, o presidente do Sport, Arnaldo Barros, afirmou o seguinte ao ser questionado se havia se arrependido da saída da Lampions (pois o clube só ficou com o Estadual e o Brasileiro):

“Arrependimento nenhum de ter largado a Copa do Nordeste. Para se ter ideia, em dois jogos disputados da Copa do Brasil ganhamos quase a mesma coisa da Copa do Nordeste inteira em 14 jogos. Ninguém tem bola de cristal. Se tivesse que tomar a mesma decisão (sobre a saída), tomaria de novo”

Pela desistência, o clube abriu mão de R$ 1 milhão pela fase de grupos.

A partir deste post, faltam 41 dias para a final estadual. Na prática, porém, o prazo leonino é bem menor, pois precisa protocolar num dia útil, com a resposta saindo também num dia útil – e a final local será num domingo. Fora o período de análise. Em 2017, o Sport formalizou a desistência em 30 de junho, junto à Liga do Nordeste, com a resposta da CBF saindo apenas em 7 de agosto, 38 dias depois. Sobre o novo impasse, o blog entrou em contato com o Sport, em busca do posicionamento do presidente. Através da assessoria, Arnaldo Barros comunicou que ‘não quer falar sobre o assunto’.

Sobre o posicionamento do mandatário:
1) Já ficou claro que Arnaldo manteria a sua decisão, considerando que o Nordestão não terá mudança estrutural alguma no próximo ano

2) O mandato de Arnaldo Barros acaba em dezembro de 2018. Logo, a sua decisão seria aplicada já no início do próximo biênio executivo (2019/2020)

Prazos:
06/04 – Último dia útil antes da decisão do Pernambucano de 2018
08/04 – O jogo de volta da decisão do Pernambucano de 2018
18/04 – O jogo de ida da seletiva da Copa do Nordeste de 2019
26/04 – O jogo de volta da seletiva da Copa do Nordeste de 2019

Rubro-negro, qual é a sua opinião sobre a presença do Sport no Nordestão de 2019?

  • Deve participar (76%, 1.383 Votes)
  • Não deve participar (21%, 378 Votes)
  • Em dúvida (3%, 65 Votes)

Total Voters: 1.826

Loading ... Loading ...

Nordestão muda de TV aberta em 2018, da Globo ao SBT. Jogos às terças e sábados

A Copa do Nordeste 2018 será transmitida pelo SBT/TV Jornal. Montagem: Cassio Zirpoli/DP

A Copa do Nordeste voltou ao calendário oficial do futebol em 2013, após um milionário acordo judicial entre a Liga do Nordeste e a CBF, que precisou recuar após a pesada indenização devido à retirada forçada do torneio em 2003 – ocorrendo apenas sub judice. Nesta volta, o Esporte Interativo pôde aplicar o seu contrato de dez anos, valendo até 2022. O canal detém todos os direitos de transmissão, sublicenciando para a Rede Globo apenas o sinal aberto. Especificamente para as três principais praças: Recife, Salvador e Fortaleza. No entanto, a Globo não quis renovar o contrato para 2018 pelos termos propostos, saindo da jogada – num cenário que, coincidentemente, resultou na desistência do Sport, que abriu mão de sua vaga.

Apesar disso, o EI, responsável pela tevê por assinatura, internet e parabólicas, garantiu a manutenção da cota de participação acordada para a 15ª edição, de R$ 22,4 milhões, fora o custeio com viagens e hospedagens dos clubes e as taxas de arbitragem. Claro, precisaria de aporte e de um novo parceiro na tevê aberta. Após meses de articulação, acabou fechando com o SBT, há tempos fora do âmbito futebolístico. Contudo, na região as suas afiliadas têm um peso maior, fazendo com que a transmissão seja voltada para o Nordeste, com dois horários definidos: terças à noite e sábados à tarde. De cara, os jogos fogem da concorrência da grade regular da Globo, que terá Estaduais, Copa do Brasil e Libertadores às quartas e domingos.

Ao contrário do modelo anterior, com apenas três estados na tevê aberta, agora serão oito, exceção a Sergipe. Em Pernambuco, a TV Jornal assume o torneio deixado pela Globo Nordeste, que passou 8 das últimas 10 edições (2000, 2001, 2002, 2013, 2014, 2015, 2016 e 2017). Embora tenha raras incursões no futebol, a TV Jornal tem em seu histórico o último jogo do Brasileirão de 1987, entre Sport e Guarani, retransmitido para todo o país. Será curioso ver, depois de tanto tempo, a concorrência interna, com a Globo passando o Campeonato Pernambucano em 15 datas (de 21/01 a 08/04) e a TV Jornal transmitindo a Copa do Nordeste em 12 datas (de 17/01 a 10/07). O ano será um termômetro sobre a força do Nordestão à parte canal. A conferir.

As finais da Lampions 2017 tiveram 4,4 milhões de telespectadores na Globo.

Afiliadas do SBT no Nordeste*
TV Jornal (PE), TV Aratu (BA), TV Jangadeiro (CE), TV Ponta Verde (AL), TV Difusora (MA), TV Tambaú (PB, João Pessoa), TV Borborema (PB, Campina Grande), TV Cidade Verde (PI) e TV Ponta Negra (RN)
* A emissora não tem afiliada em Sergipe desde 2006

A cota absoluta do Nordestão via televisão
2000 – R$ 2 milhões*
2001 – R$ 8 milhões**
2002 – R$ 8,75 milhões
2003 – R$ 1,5 milhão***
2010 – R$ 3,75 milhões****
2013 – R$ 5,6 milhões
2014 – R$ 10 milhões
2015 – R$ 11,14 milhões
2016 – R$ 14,82 milhões
2017 – R$ 18,52 milhões
2018 – R$ 22,40 milhões****
* A primeira edição transmitida em sinal aberto
** A primeira edição organizada pela liga, com os sete maiores clubes
*** Bahia, Sport, Santa Cruz, Náutico e Fortaleza não quiseram participar

**** Sport não quis participar

A lista oficial de campeões da Copa do Nordeste, segundo a CBF. A partir de 1994

A lista de campeões do Nordestão até 1997. Crédito: CBF/twitter (@CBF_Futebol)

Ao que parece, a CBF deixou de lado os pedidos de oficialização de torneios nordestinos anteriores a 1994, considerando as 14 edições até 2017. O blog já havia tocado no assunto, quando a confederação parabenizou Sport e Vitória em 13 de maio deste ano, listando os títulos dos dois rubro-negros, com três Nordestões para o clube pernambucano e quatro para o baiano. É justamente aí o ponto principal da discussão, pois o Leão da Barra busca a equiparação do Torneio José Américo de Almeida Filho, de 1976. Importante e de caráter regional, mas foi outra competição. O pedido havia sido feito justamente pelo ex-presidente do clube e atual presidente da Liga do Nordeste, Alexi Portela.

Durante o dia do sorteio da edição de 2018, o departamento de comunicação da CBF publicou informações sobre a Lampions, citando os sete campeões, com o Vitória como tetra. Assim, a lista de campeões começa em 1994, cujo torneio foi criado com a seguinte alcunha: “1ª Copa do Nordeste”.

Portanto, eis a lista de campeões oficiais da Copa do Nordeste:

1994 – Sport (16 participantes)
1997 – Vitória (17)
1998 – América-RN (16)
1999 – Vitória (16)
2000 – Sport (16)
2001 – Bahia (16)
2002 – Bahia (16)
2003 – Vitória (12)
2010 – Vitória (15)
2013 – Campinense (16)
2014 – Sport (16)
2015 – Ceará (20)
2016 – Santa Cruz (20)
2017 – Bahia (20) 

Títulos por clube: Vitória (4), Sport (3), Bahia (3), América-RN (1), Campinense (1), Ceará (1) e Santa Cruz (1)

Títulos por estado: Bahia (7), Pernambuco (4), Rio Grande do Norte (1), Paraíba (1) e Ceará (1)

Desde 1946 foram 38 torneios de âmbito regional no Nordeste. Relembre aqui.

O novo conceito visual para o Nordestão 2018, a partir do sorteio: Sangue tipo N.E

Copa do Nordeste 2018. Crédito: divulgação

A Copa do Nordeste de 2018 começou em 15 de agosto de 2017, com a etapa preliminar, que classificará os últimos quatro clubes à fase de grupos, que volta a ter 16 participantes. O ano ainda reserva o rotativo sorteio das chaves. Desta vez, São Luís recebe o evento (06/09), já com o novo conceito visual do torneio. Na 15ª edição, o foco será o ‘tipo sanguíneo’. Isso mesmo.

“Criado pela agência Crane, ele tem o objetivo de representar de forma singular a terra, o orgulho, a força, a história, a energia e a união do povo nordestino. Desta vez, o conceito extrapola o esporte e lembra que é muito mais que futebol, é coisa de DNA, de um sangue único,  Sangue Tipo N.E.”

O design de todos os produtos do Nordestão deve seguir esta linha, incluindo os periféricos, como a Taça Asa Branca, o Tour da Taça e o Nordeste Cuida, o braço de responsabilidade social dos organizadores, tevê e liga.

Lembrando que Pernambuco será representado por Salgueiro (vice estadual), Santa (3º lugar) e Náutico (4º lugar), que ainda disputará a fase eliminatória contra a Itabaiana. Ao todo, o Nordestão vai distribuir R$ 22,4 milhões.

Obs. Embora o sangue do Sport seja o mesmo, o leão desistiu do torneio.

Copa do Nordeste 2018. Crédito: divulgação

Para a CBF, o Santa Cruz segue na fase preliminar do Nordestão 2018. E o Sport?

Ofício da CBF sobre a Copa do Nordeste 2018. Crédito: CBF/site oficial (reprodução)

Em Salvador, em 13 de julho, uma reunião envolvendo os clubes da Liga do Nordeste confirmou a saída do Sport, que pediu desfiliação, abrindo mão da participação no Nordestão de 2018. A primeira consequência direta foi a efetivação do Santa Cruz, da fase preliminar (devido à terceira colocação no Estadual) à fase de grupos, agora na condição de segundo representante de Pernambuco (após o Salgueiro). Curiosamente, no dia seguinte à decisão, a CBF foi na contramão, confirmando os quatro confrontos sorteados para o chamado “Pré-Nordestão”, a recém-criada fase preliminar do torneio – ofício acima. Ao que parece, a confederação brasileira não reconheceu o pedido de desistência do Sport, feito fora do prazo legal, até 30 de junho. Neste dia, o leão avisou à liga. Porém, só protocolou à CBF no dia 5 de julho, via FPF.

Fase preliminar da Copa do Nordeste 2018
Treze (PB) x Cordino (MA)
Santa Cruz x Itabaiana (SE)
CSA (AL) x Parnahyba (PI)
Globo (RN) x Fluminense de Feira (BA)

Segundo a definição de cotas do torneio, os quatro eliminados vão ganhar R$ 250 mil pela participação mínima, enquanto os quatro vencedores vão receber R$ 750 mil pela presença na fase de grupos, num valor correspondente ao 4º subgrupo de cotas, um modelo também recém-criado.

Entre as observações feitas pelo blog sobre a permanência do Santa na liga, em publicação feita mais cedo, a quarta dizia o seguinte:

4) A direção de competições da CBF alega que o Sport não comunicou a saída dentro do prazo legal. Seria um mecanismo para uma possível volta? Em vídeo vazado no twitter, o mandatário leonino afirmou que “não é homem para se torar”, mantendo a saída – e a liga já dá o fato como consumado.

Ou seja, enquanto o rubro-negro e a liga, a contragosto, enxergam a saída de forma consumada, há um entrave, que deve proporcionar novos capítulos…

Atualização: Alírio Moraes (Santa) e Evandro Carvalho (FPF) entendem que foi um erro da CBF e a decisão da liga deve ser homologada segunda-feira.

Santa segue no Nordestão, com Náutico em dúvida e Sport possivelmente isolado

O racha entre os fundadores da Luga do Nordeste. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Entre os dias 3 e 13 de julho, Liga do Nordeste viveu a expectativa sobre a decisão do Santa Cruz acerca da disputa do Nordestão de 2018. Seguiria o movimento de Sport e Náutico e deixaria a competição ou aumentaria o apoio ao torneio? Na visão do blog, a posição tricolor era determinante para o “tamanho” da Lampions, uma vez que a saída significaria, de fato, a ausência do Recife na audiência – e os dados da capital são os maiores da região.

Após ponderar sobre o que seria melhor para o seu clube, naturalmente, o presidente Alírio Moraes optou por permanecer. Comunicou a decisão durante a reunião da liga, em Salvador, onde foram definidas as cotas de participação da edição de 2018, com R$ 22,5 mi ao todo. De cara, assegurou R$ 1 milhão na fase de grupos – na situação financeira em que o clube se encontra, seria bem difícil, pra não dizer impossível, convencer o torcedor do contrário.

Com a desistência do Sport, confirmada pela liga, o Santa entra diretamente na fase de grupos, evitando o Pré-Nordestão, que seria contra a Itabaiana.

Fundadores favoráveis à continuidade da Copa do Nordeste
ABC, Bahia, Botafogo-PB, Ceará, Confiança, CRB, CSA, Fluminense de Feira, Treze e Vitória, América-RN e Fortaleza, Sergipe e Santa Cruz

Fundadores que se desfiliaram da Liga do Nordeste
Náutico (sub judice) e Sport

Algumas observações do blog sobre as consequências da decisão coral:

1) O Náutico, fora do Nordestão 2018, passa da cor vermelha, de “saída”, ao amarelo, de “indefinição”, devido ao impasse entre o executivo (que optou pela saída da liga) e o conselho deliberativo (que comunicou a permanência). Com a 3ª vaga do estado em aberto, não surpreenderia uma adesão timbu, visto que a simples participação na fase “Pré” renderia R$ 250 mil – podendo chegar a R$ 750 mil caso alcance a fase de grupos.

2) Caso o Náutico siga mesmo fora da Liga do Nordeste, a 3ª vaga de Pernambuco ficaria com o Belo Jardim, que terminou em 5º lugar no Estadual de 2017. Numa hipotética participação inédita, o calango, cujo estádio está sem os laudos técnicos, entraria num novo sorteio do Pré-Nordestão.

3) Na coletiva em que anunciou a saída do Sport, o presidente Arnaldo Barros falou sobre a formação de um torneio paralelo. Contudo, com 14 dos 16 clubes fundadores confirmando apoio à liga nordestina, a ideia fracassou. Portanto, o Sport vai ao ‘Plano B’, não revelado por ele. Primeira Liga? A princípio, o dirigente simplesmente abriu mão de R$ 1 milhão (por 6 datas), além de confrontar parte da torcida, insatisfeita pela saída do regional.

4) A direção de competições da CBF alega que o Sport não comunicou a saída dentro do prazo legal. Seria um mecanismo para uma possível volta? Em vídeo vazado no twitter, o mandatário leonino afirmou que “não é homem para se torar”, mantendo a saída – e a liga já dá o fato como consumado.

5) Embora o Sport tenha tido três jogos com audiência acima de 1 milhão de telespectadores (recorde em 2017), a sua ausência (pontual?) pode ser digerida pelo Nordestão, como ocorreu com Santa (2015), Vitória (2016) e Ceará (2017) – nesses casos, não se classificaram nos estaduais. Lembrando que o leão também não participou em 2003 e 2010, também por divergências.

Torcedor, o que você achou da posição do Santa Cruz?
Sem um regional paralelo, o Sport deve aderir à Primeira Liga?
O Náutico deveria lutar pela terceira vaga local na Copa do Nordeste?

O racha entre os 16 fundadores da Liga do Nordeste, exposto via notas oficiais

O racha entre os fundadores da Luga do Nordeste. Arte: Cassio Zirpoli/DP

No dia seguinte à desfiliação de Sport e Náutico da Liga do Nordeste, 11 fundadores se manifestaram a favor da associação, mantendo o formato deliberado para a Copa do Nordeste de 2018, com fase preliminar, 16 clubes na fase principal e os recursos originais de participação. Anúncios feitos através das notas oficiais de Bahia, que divulgou o entendimento de outros nove times, e Vitória. Entretanto, três clubes não se manifestaram. Dois deles, Sergipe e Fortaleza, sequer se classificaram à próxima edição do regional, num indício de agendas livres, sujeitas a convites. Já o terceiro clube pode ser o personagem realmente decisivo neste imbróglio, na visão do blog.

Assegurado na pré, o Santa pode herdar a vaga na fase de grupos com a desistência leonina. Por outro lado, caso também saia da liga – e a decisão coral será tomada no Conselho Deliberativo – , o Nordestão perderia o mercado pernambucano, concentrado no Grande Recife, cenário das maiores audiências na tevê aberta. Em 2017, três jogos passaram de 1 milhão de telespectadores, as duas finais e a volta do Clássico das Multidões pela semi.

Obviamente, nenhum patrocinador (nem detentor dos direitos de TV) relevaria a saída dos clubes mais populares do estado. E o exemplo vem de uma das maiores fontes de captação. No sinal aberto, os jogos são sublicenciados pelo Esporte Interativo à Rede Globo. Sem o Recife, essa verba ficaria em xeque – e parece claro o duelo entre os dos canais, cujos clubes à frente já têm contratos assinados no Brasileiro 2019, Sport (Globo) e Bahia (EI). Até que saia a escolha coral, o quebra-cabeças está formado na Associação dos Clubes de Futebol do Nordeste (ACFN), fundada em 30 de outubro de 2000. Com 16 fundadores, a liga mais tradicional do país vive o seu maior racha…

Atualização em 05/07: o Fortaleza também emitiu nota de apoio à liga.

Fundadores favoráveis à continuidade da Copa do Nordeste*
ABC, Bahia, Botafogo-PB, Ceará, Confiança, CRB, CSA, Fluminense de Feira, Treze e Vitória, América-RN e Fortaleza (este, dois dias depois)
* Seguindo a decisão da assembleia geral, ocorrida em 24 de março

Fundadores que se desfiliaram da Liga do Nordeste
Náutico e Sport

Fundadores que ainda não se posicionaram
Sergipe e Santa Cruz

Os demais clubes da região com histórico na Lampions, como Campinense (campeão em 2013), Sampaio Corrêa e Salgueiro (vice estadual e classificado para 2018), são considerados “ouvintes” nas reuniões da liga. Neste embate, devem virar alvos dos subgrupos. Tendo que optar entre a consolidação do Nordestão e a promessa de mais receita a curto prazo em outro torneio.

Qual deveria ser a posição do seu clube? Opine.

Cota absoluta de participação no Nordestão
2013 – R$ 5,6 milhões
2014 – R$ 10,0 milhões (+78%)
2015 – R$ 11,1 milhões (+11%)
2016 – R$ 14,8 milhões (+33%)
2017 – R$ 18,5 milhões (+25%)
2018 – R$ 23,0 milhões* (+24%)
* Previsão

As possíveis vagas pernambucanas no Nordestão de 2018. Do campeão ao 6º

Sorteio da Copa do Nordeste. Foto: Lucas Figueiredo/CBF

A notícia sobre a desfiliação de Sport e Náutico na Copa do Nordeste pode mudar bastante a composição pernambucana na competição. Por sinal, paralelamente ao anúncio houve o sorteio da fase preliminar do regional, na CBF, com Santa x Itabaiana valendo um lugar na fase principal do torneio. À parte de possíveis adesões ao movimento de saída idealizado pelos clubes do Recife, veja os quatro cenários locais para o regional de 2018. Até porque, independentemente da escolha dos filiados, a FPF tem direito a três vagas.

Em todos os cenários, apenas um clube estaria garantido: o Salgueiro.

Sport e Náutico fora
Os dois clubes formalizaram o pedido de desfiliação da Liga do Nordeste em 30 de junho, último dia do prazo para desistências do Nordestão 2018. A CBF ainda irá consultar os clubes sobre o ato. Na prática, apenas a saída do Sport mudaria a composição local.

Fase de grupos: Salgueiro (vice no PE) e Santa Cruz (3º no PE)
Pré: Belo Jardim (5º no PE)

Sport fora, Náutico dentro
O presidente leonino, Arnaldo Barros, afirmou que desfiliação significa a saída do leão do torneio no “modelo atual”. No caso alvirrubro, a decisão foi tomada pelo presidente executivo, Ivan Brondi. Contudo, o conselho deliberativo do timbu entende que o ato também deveria ter a aprovação do órgão. Impasse.

Fase de grupos: Salgueiro (vice em PE) e Santa Cruz (3º no PE)
Pré: Náutico (4º no PE)

Sport, Náutico e Santa fora
Na coletiva, com dirigentes rubro-negros e alvirrubros, foi dito que o Santa havia solicitado à CBF a retirada de seu nome do sorteio da fase Pré – o que não ocorreu. Em nota oficial, o tricolor informou que ainda irá submeter a ideia de desfiliação da liga ao conselho (sem data). Ao considerar esta hipótese, é preciso ignorar o prazo dado pela CBF para desistências (até 30/06).

Fase de grupos: Salgueiro (vice em PE) e Belo Jardim (5º no PE)
Pré: Central (6º no PE)

Sport e Náutico dentro
Caso a desfiliação não seja suficiente – juridicamente falando – para a saída da próxima Lampions League, as três vagas locais seguiriam com o pódio do último Campeonato Pernambucano. E o timbu seguiria fora.

Fase de grupos: Sport (campeão em PE) e Salgueiro (vice no PE)
Pré: Santa Cruz (3º no PE)