Os dez maiores públicos no Arruda, Ilha do Retiro, Arena Pernambuco e Aflitos

Arruda (Paulo Paiva/DP), Ilha do Retiro (Williams Aguiar/Sport), Arena Pernambuco (Rafael Ribeiro/CBF) e Aflitos (Flávio JaPa/flickr)

Em Pernambuco, os dados em relação à quantidade de torcedores nos estádios passaram a ser divulgados com frequência na década de 1960. Até então, priorizava-se a informação sobre a renda da partida. Os públicos eram tratados com estimativas, acredite. Então, a partir deste recorte, confira quais são os dez maiores públicos dos quatro principais palcos do futebol local. Com critérios distintos ao longo dos anos, o blog considerou o público total, com a soma entre pagantes e não pagantes. Ocorre que na década de 1980, por exemplo, os jornais da cidade tinham como hábito informar apenas os pagantes. De toda forma, é possível relembrar as multidões.

No Arruda, por exemplo, as marcas foram quebradas sistematicamente após a construção do anel superior, em 1982. Na Ilha, a introdução da campanha promocional Todos com a Nota, em 1998, resultou em sete dos dez maiores borderôs. Num mesma temporada! Na Arena, as partidas entre seleções nacionais tomam à frente, até mesmo pela ausência divisórias entre torcidas, uma (necessária) norma de segurança que afeta a carga de ingressos nos jogos envolvendo clubes. Por fim, os Aflitos, com dados curiosos. Começando pelo recorde, estabelecido em sua versão anterior, bem acanhada. Oito dos demais jogos registrados foram disputados a partir da ampliação, iniciada em 1996. Sobre a Batalha dos Aflitos, trata-se de um dado divulgado por parte da imprensa, mas sem confirmação do clube.

Dados atualizados até 23 de julho de 2017

Os 10 maiores públicos no Arruda
96.990 – Brasil 6 x 0 Bolívia (29/08/1993, Eliminatórias)
90.400 – Brasil 2 x 0 Argentina (23/03/1994, Amistoso)
80.203 – Náutico 0 x 2 Sport (15/03/1998, Estadual)
78.391 – Santa Cruz 1 x 1 Sport (21/02/1999, Estadual)
76.800 – Brasil 2 x 0 Paraguai (09/07/1989, Copa América)
76.636 – Santa Cruz (6) 1 x 1 (5) Náutico (18/12/1983, Estadual*)
75.135 – Santa Cruz 1 x 2 Sport (03/05/1998, Estadual)
74.280 – Santa Cruz 2 x 0 Sport (18/07/1993, Estadual)
71.243 – Santa Cruz 2 x 1 Náutico (28/07/1993, Estadual*)
70.003 – Santa Cruz 0 x 2 Náutico (11/07/2001, Estadual*)

Capacidade máxima: 110.000 (1982)
Capacidade atual: 50.582 (2017)

Os 10 maiores públicos na Ilha do Retiro
56.875 – Sport 2 x 0 Porto (07/06/1998, Estadual*)
53.033 – Sport 0 x 2 Corinthians (12/09/1998, Série A)
50.106 – Sport 4 x 1 Santa Cruz (29/03/1998, Estadual)
48.564 – Sport 1 x 1 Cruzeiro (27/09/1998, Série A)
48.328 – Sport 5 x 0 Grêmio (20/09/1998, Série A)
46.018 – Sport 1 x 1 Grêmio (03/12/2000, Série A)
45.697 – Sport 3 x 0 Náutico (15/12/1991, Estadual*)
45.399 – Sport 2 x 1 Botafogo (24/10/1998, Série A)
45.151 – Sport 1 x 0 São Paulo (16/08/1998, Série A)
44.346 – Sport 2 x 0 Santa Cruz (31/07/1988, Estadual)

Capacidade máxima: 50.000 (1998)
Capacidade atual: 29.000 (2017)

Os 10 maiores públicos na Arena Pernambuco
45.010 – Brasil 2 x 2 Uruguai (25/03/2016, Eliminatórias)
42.025 – Sport 0 x 2 Palmeiras (23/07/2017, Série A)
41.994 – Sport 2 x 0 São Paulo (19/07/2015, Série A)
41.876 – Alemanha 1 x 0 Estados Unidos (26/06/2014, Copa do Mundo)
41.705 – Espanha 2 x 1 Uruguai (16/06/2013, Copa das Confederações)
41.242 – Costa Rica (5) 1 x 1 (3) Grécia (29/06/2014, Copa do Mundo)
41.212 – México 3 x 1 Croácia (23/06/2014, Copa do Mundo)
40.489 – Itália 4 x 3 Japão (16/06/2013, Copa das Confederações)
40.285 – Costa Rica 1 x 0 Itália (20/06/2014, Copa do Mundo)
40.267 – Costa do Marfim 2 x 1 Japão (14/06/2014, Copa do Mundo)

Capacidade máxima: 46.214 (2013)
Capacidade atual: 45.913 (2017)

Os 10 maiores públicos nos Aflitos
31.061 – Náutico 1 x 0 Sport (21/07/1968, Estadual*)
29.891 – Náutico 0 x 1 Grêmio (26/11/2005, Série B)
28.022 – Náutico 0 x 2 América-MG (04/12/1997, Série B)
22.177 – Náutico 0 x 1 Santa Cruz (05/07/2001, Estadual)
21.121 – Náutico 0 x 1 Sport (21/04/2001, Nordestão)
20.699 – Náutico 2 x 0 Ituano (18/11/2006, Série B)
20.506 – Náutico 1 x 0 Santa Cruz (11/12/1974, Estadual*)
20.100 – Náutico 1 x 0 Sport (02/12/2012, Série A)
19.880 – Náutico 1 x 0 Corinthians (21/10/2007, Série A)
19.798 – Náutico 0 x 2 Flamengo (15/11/2009, Série A)

Capacidade máxima: 30.000 (1988)
Capacidade atual: 22.856 (2013)

* Decisões do Campeonato Pernambucano

Sob toró na Ilha do Retiro, Sport goleia o Atlético-GO e volta ao G6 do Brasileirão

Série A 2017, 15ª rodada: Sport 4 x 0 Atlético-GO. Foto:  Williams Aguiar/Sport Club do Recife

O Recife viveu uma quinta-feira de chuva torrencial. A queda d’água não deu trégua. Durante o dia, já deixou pesado o cansado gramado da Ilha do Retiro. À noite, mesmo com o sistema de drenagem em carga máxima, as poças continuaram. Em casa, o Sport receberia o lanterna, com plenas condições técnicas para voltar a vencer no Brasileirão. Porém, o péssimo estado do campo acabou nivelando as equipes, com uma enorme dificuldade para jogar futebol. Por isso, surpreendeu o placar construído pelo rubro-negro, que goleou o Atlético Goianiense, com as suas principais peças se destacando.

Três jogadores estavam pendurados com dois cartões amarelos: André, Diego Souza e Mena. E o trio foi decisivo. Começando pelo lateral chileno virou uma engrenagem essencial no time, sobretudo no apoio. No primeiro tempo, explorando a ponta, cruzou para os dois primeiros gols. Aos 6, tabelou com Patrick, que correu pra área para abrir o placar – o volante, aliás, cansou de interceptar a bola nos pés adversários, sendo um dos melhores da partida. Aos 18, outra bola com curva de Mena, com Diego Souza ampliando de cabeça. Em quatro temporadas disputando a Série A pelo clube, o meia chegou 33 gols, igualando-se a Leonardo, até então isolado como o maior artilheiro do Sport na competição. O recorde tende a vir logo.

Série A 2017, 15ª rodada: Sport 4 x 0 Atlético-GO. Foto: Premiere/reprodução

Em menos de 20 minutos, o “jogo de uma bola” já apresentava uma vantagem surpreendentemente confortável, com o visitante em queda livre – e que até teve a primeira chance, com Walter acertando o travessão. Antes do intervalo, veio o terceiro, com André se jogando entre os zagueiros para escorar a cobrança de falta de DS87. No segundo tempo, com a chuva contínua, bastava segurar o resultado, já se protegendo para a próxima partida, também como mandante, mas na Arena. Com 22 mil ingressos antecipados contra o Palmeiras, o Sport precisaria do trio que fazia a diferença diante do Atlético. Luxa sabia disso, tanto que tirou Diego (Rodrigo) e Mena (Sander).

Também teria tirado André, mas, segundos antes da mudança, Rogério alegou desgaste e saiu, entrando Lenis. Inteligente, o centroavante evitou trancos, fugindo da advertência, e esperou por falhas, devido ao controle imprevisível da bola. Assim, marcaria de novo, chegando 8 gols, já como vice-artilheiro. Lançado por Rithely, correu sozinho, ‘esperando’ a paradinha na poça. Deu certo e, com o goleiro vencido, tocou por cobertura, 4 x 0 – mantendo a curiosa estatística do Sport, que jamais sofreu gol do Dragão. Com o complemento da 15ª rodada ajudando, o leão voltou à zona da Libertadores, com 5 vitórias em 6 jogos. A venda para domingo deve acelerar de vez…

Confrontos no Brasileirão
04/10/1987 – Sport 0 x 0 Atlético-GO (Serra Dourada)
29/07/2012 – Sport 0 x 0 Atlético-GO (Ilha do Retiro)
21/10/2012 – Sport 1 x 0 Atlético-GO (Serra Dourada)
20/07/2017 – Sport 4 x 0 Atlético-GO (Ilha do Retiro)

Série A 2017, 15ª rodada: Sport 4 x 0 Atlético-GO. Foto:  Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Números da Ilha do Retiro em 80 anos

Ilha do Retiro 1955 e 2016

Em 4 de julho de 1937, Sport e Santa Cruz disputaram o amistoso inaugural da Ilha do Retiro. A manhã chuvosa no Recife reservou um clássico de onze gols (!), com o leão vencendo por 6 x 5. Autor de quatro tentos, o rubro-negro Artur Danzi teve a honra de marcar o primeiro. Entrou na história. Já o gol da vitória foi de Haroldo Praça, que hoje dá nome à sala de imprensa do estádio.

Durantes décadas, a Ilha também foi utilizada pelos rivais, Náutico e Santa, com algumas de suas principais partidas por lá na condição de mandantes! Daí, as centenas de clássicos e jogos decisivos no estádio, incluindo 28 finais estaduais, com quatro campeões. O local também abrigou um jogo da Copa do Mundo, uma exclusividade na região até 2014, além de finais das principais competições nacionais. Curiosamente, já recebeu até um Fla-Flu, em 1947.

Nesse tempo todo, o Estádio Adelmar da Costa Carvalho passou por inúmeras reformas e ampliações. Apesar da estrutura de concreto intacta, acabou sendo “reduzido” após novas e necessárias normas de segurança. Agora, a Ilha, incólume aos projetos de demolição para uma nova arena, chega aos 80 anos de história. Há tempos, é um dos principais palcos do futebol no país…

Desempenho do Sport no estádio (desde 1937*)
2.136 jogos
1.315 vitórias (61,56%)
468 empates (21,91%)
353 derrotas (16,52%)
* Torneios oficiais e amistosos até 04/072017, via Carlos Celso Cordeiro

28 decisões do Campeonato Pernambucano
Sport (15 títulos) – 1948, 1961, 1962, 1981, 1988, 1991, 1992, 1994, 1996, 1998, 1999, 2000, 2003, 2006 e 2010
Santa (10) – 1940, 1946, 1957, 1971, 1973, 1986, 1987, 2012, 2013 e 2016
Náutico (2) – 1954 e 1965
América (1) – 1944

Finais nacionais de elite
20/12/1967  Náutico 1 x 3 Palmeiras (Taça Brasil, ida)
07/02/1988  Sport 1 x 0 Guarani (Série A, volta*)
26/08/1989  Sport 0 x 0 Grêmio (Copa do Brasil, ida)
11/06/2008 – Sport 2 x 0 Corinthians (Copa do Brasil, volta)

* Jogo válido pela edição de 1987

Jogos internacionais de clubes
10 na Taça Libertadores (1968, 1988 e 2009)
5 na Copa Sul-Americana (2013, 2014, 2015 e 2017)

Copa do Mundo
02/07/1950 – Chile 5 x 2 Estados Unidos

Jogos da Seleção Brasileira
01/04/1956 – Brasil 2 x 0 Seleção Pernambucana
13/07/1969 – Brasil 6 x 1 Seleção Pernambucana

Os 10 maiores públicos
56.875 – Sport 2 x 0 Porto (07/06/1998, Estadual)
53.033 – Sport 0 x 2 Corinthians (12/09/1998, Série A)
50.106 – Sport 4 x 1 Santa Cruz (29/03/1998, Estadual)
48.564 – Sport 1 x 1 Cruzeiro (27/09/1998, Série A)
48.328 – Sport 5 x 0 Grêmio (20/09/1998, Série A)
46.018 – Sport 1 x 1 Grêmio (03/12/2000, Série A)
45.697 – Sport 3 x 0 Náutico (15/12/1991, Estadual)
45.399 – Sport 2 x 1 Botafogo (24/10/1998, Série A)
45.151 – Sport 1 x 0 São Paulo (16/08/1998, Série A)
44.346 – Sport 2 x 0 Santa Cruz (31/07/1988, Estadual)

Evolução da capacidade de público*
1950 – 20.000 lugares
1960 – 36.000 (+16.000), ampliação da cadeira central e da arquibancada
1984 – 45.000 (+9.000), construção da geral e a ampliação da cadeira central
1998 – 50.000 (+5.000), construção da ‘curva especial’ 
2001 – 45.000 (-5.000**)
2005 – 32.500 (-12.500**)
2006 – 30.520 (-1.980**)
2007 – 34.500 (+3.980), construção da ‘curva da ampliação’
2012 – 34.200 (-300**)
2013 – 32.983 (-1.217**)
2015 – 27.435 (-5.548**)
2017 – 29.000 (+1.565), autorização dos bombeiros

* Após as obras para a Copa do Mundo de 1950
** Redução por medida de segurança, por orientação dos bombeiros

No Cornélio de Barros, o Salgueiro recebe a primeira decisão do Estadual no interior

Estádio Cornélio de Barros em junho de 2017. Foto: Salgueiro/facebook (@soucarcara)

O Campeonato Pernambucano de 2017 já está marcado como um dos mais desorganizados da história, com inúmeros palcos vetados no interior, formações reservas em campo e falta de datas. Entre os dois jogos da final, um hiato inacreditável de 52 dias. Após uma longa costura, que envolveu até a Conmebol, devido ao jogo dos rubro-negros pela Copa Sul-Americana, finalmente chegou o momento da decisão entre Salgueiro e Sport.

Em 28 de junho, o estádio Cornélio de Barros receberá a 69ª decisão em 103 edições, após o 1 x 1 na Ilha. É a primeira vez que o jogo final ocorre fora do Grande Recife – o próprio estádio salgueirense havia recebido a ida de 2015. Vale lembrar que Sport e Santa deram voltas olímpicas em Caruaru (1997) e Petrolina (2005), mas em conquistas de forma antecipada. Numa final à vera, teremos um cenário inédito no sertão. Com capacidade para até 12.070 espectadores, o Cornélio será o 8º estádio a receber uma final. O último palco inédito no futebol local havia sido a arena, há três temporadas.

Resta saber se veremos também o primeiro campeão do interior…
Quanto ao Sport, vai pelo 41º título, tentando ampliar o recorde…

Eis os palcos de todas as finais do Pernambucano de 1915 a 2016:

Ilha do Retiro (28)
Sport (15, com 52%) – 1948, 1961, 1962, 1981, 1988, 1991, 1992, 1994, 1996, 1998, 1999, 2000, 2003, 2006 e 2010
Santa Cruz (10, com 35%) – 1940, 1946, 1957, 1971, 1973, 1986, 1987, 2012, 2013 e 2016
Náutico (2, com 7%) – 1954 e 1965
América (1, com 3%) – 1944

Arruda (16)
Santa Cruz (8, com 50%) – 1970, 1976, 1983, 1990, 1993, 1995, 2011 e 2015
Náutico (6, com 37%) – 1984, 1985, 1989, 2001, 2002 e 2004
Sport (2, com 12%) – 1977 e 1980

Aflitos (15)
Náutico (7, com 46%) -1950, 1951, 1960, 1963, 1966, 1968 e 1974
Sport (5, com 33%) – 1917, 1949, 1953, 1955 e 1975
Santa Cruz (3, com 20%) – 1947, 1959, 1969

Avenida Malaquias (3)
América (1, com 33%) – 1921
Santa Cruz (1, com 33%) – 1932
Náutico (1, com 33%) – 1934

Jaqueira (3)
Santa Cruz (2, com 66%) – 1933 e 1935
Sport (1, com 33%) – 1920

British Club (2)
Flamengo (1, com 50%) – 1915
Sport (1, com 50%) – 1916

Arena Pernambuco (1)
Sport (1, com 100%) – 2014 

Magrão x Muralha, um jogo de detalhes

No equilibrado jogo na Ilha, os goleiros foram decisivos para o placar favorável ao rubro-negro pernambucano. Enquanto Magrão salvou o Sport com quatro defesas de extrema dificuldade, Muralha falhou bisonhamente no primeiro gol leonino, numa reposição nos pés de Osvaldo, que mandou no ângulo.

Entretanto, chamou a atenção dois lances bem parecidos, de cada time, como alertado pelo blog no texto do jogo. Ambos com os atacantes puxando a bola na ponta esquerda da área e batendo canto oposto do goleiro. No primeiro tempo, o Magrão espalmou o chute de Damião. No segundo, Muralha não evitou o gol de Thomás, embora tenha tido um leve desvio na zaga.

Abaixo, como curiosidade, os lances quadro a quadro…

Sport reúne onze campeões brasileiros de 1987 para a estreia do uniforme de 2017

Reunião do time campeão brasileiro de 1987 em 21 de maio de 2017. Foto: Anderson Freire/Sport Club do Recife

Betão, Neco, Ismael, Cláudio e Flávio; Marco Antônio, Zico, Robertinho, Rogério, Ribamar e Euzébio.

Onze jogadores que fizeram parte do Sport durante a campanha do título brasileiro de 1987 se reuniram na Ilha do Retiro, a convite do clube, para as homenagens pelos trinta anos da conquista. Dois deles radicados em Pernambuco, Rogério e Neco, e os demais acompanhando o leão de longe, de norte a sul. No encontro, saudosismo puro. A data marca também a estreia do uniforme principal desta temporada, inspirado no histórico modelo.

Curiosamente, há dez anos, na comemoração pelos vinte anos da conquista, o domingo também foi marcado por um confronto contra o Cruzeiro, pelo Brasileirão – na ocasião, 1 x 0, gol de Gabiru. Em relação àquela festa, a ausência desta vez foi o capitão Estevam, o hoje técnico “Estevam Soares”.

Além da reunião, incluindo o craque do time, o meia Ribamar, e o autor do gol do título, o zagueiro Marco Antônio, o rubro-negro fez uma exposição na Ilha sobre a história do título e lançou um vídeo de apresentação da camisa produzida pela Adidas. O slogan é o seguinte: “É melhor aceitar”.

As prováveis formações de Sport e Bahia no jogo de ida da final do Nordestão 2017

Prováveis formações de Sport e Bahia para o jogo de ida da final do Nordestão 2017. Arte: Cassio Zirpoli/DP, via footbaluser.com

Em 2016, Sport e Bahia faturaram R$ 129 milhões, cada um. As maiores receitas no Nordeste, num cenário que deve se manter nesta temporada, resultando em jogadores de qualidade, ao custo de cifras milionárias. Entretanto, para a final da Copa do Nordeste, os dois clubes acabam chegando repletos de desfalques, por lesão e suspensão. Tecnicamente, a decisão poderia ser ainda maior, mas os nomes à disposição também deixam o clássico equilibrado. Sem surpresa, os técnicos Ney Franco e Guto Ferreira fizeram mistério acerca das escalações para o jogo de ida, na Ilha do Retiro. Com apuração dos repórteres Daniel Leal e João de Andrade Neto, do Superesportes, e a colaboração de Vitor Villar, do jornal baiano Correio, chegamos às prováveis formações do finalistas da Lampions 2017.

Concorda com as escalações? Cabe alguma surpresa?

Sport 
No leão da ilha, o treinador abre mão dos três volantes, num sistema que não rende sem Rithely – suspenso nos dois jogos. Recuperado após três jogos ausente, DS87 volta como meia, com Everton Felipe indo para a ponta direita – embora uma inversão entre os dois não seja descartada. Na cabeça de área, Ronaldo fica como primeiro volante. Na lateral esquerda, o lateral-direito Raul Prata ganha chance. Já jogou assim.

Formação: Magrão; Samuel Xavier, Matheus Ferraz, Durval e Raul Prata; Fabrício, Ronaldo e Diego Souza; Everton Felipe, Rogério e André

Desfalques: Ronaldo Alves (problema muscular), Mena (distensão) e Rithely (suspenso)

Bahia
No tricolor de aço, que não terá o artilheiro do torneio, Régis, a solução acaba sendo o recuo de Zé Rafel, com Edigar Junio centralizado à frente – ganhou a disputa pela vaga deixada pelo Brocador, lesionado. Renê Júnior retorna após dois jogos, quando desfalcou o time devido a uma lesão na coxa. Momento oportuno, após a suspensão do volante Edson, destaque na estreia no Brasileirão, no 6 x 2 no Atlético-PR.

Formação: Jean; Eduardo, Tiago, Lucas Fonseca e Matheus Reis; Renê Junior, Juninho e Zé Rafael; Allione, Diego Rosa e Edigar Junior

Desfalques: Jackson (lesão no menisco), Hernane Brocador (fratura na tíbia), Armero (suspenso), Edson (suspenso) e Régis (suspenso)

Videocast – Prévia de Sport x Bahia no NE

Ilha do Retiro, palco do jogo de ida da final do Nordestão 2017. Foto: Cassio Zirpoli/DP

A decisão da Lampions League de 2017 reúne os campeões nacionais da região, Sport e Bahia, ambos com duas conquistas. O confronto mobiliza os estados mais populosos, que são, também, os principais centros do futebol nordestino. Ida no Ilha do Retiro, em 17 de maio, e volta na Fonte Nova, dia 24. O 45 minutos debateu o clássico, numa gravação no campo do primeiro palco, relembrando o histórico nos mata-matas, o momento das equipes, os desfalques e as possíveis soluções, em busca da orelhuda dourada. Ao todo, o videocast durou 34 minutos, terminando com pitacos sobre o campeão…

Nesta gravação, estou com Celso Ishigami e Fred Figueira. Assista!

Os bastidores da estreia nacional do árbitro de vídeo, na Ilha do Retiro

Pernambucano 2017, final: Sport 1x1 Salgueiro. Foto: Fernando Torres/CBF

O árbitro de vídeo foi utilizado pela primeira vez no país no jogo de ida da final do Campeonato Pernambucano de 2017. Embora a consulta tenha sido feita, de fato, aos 49 do segundo tempo, a cabine de análise, numa estrutura móvel fora da Ilha, checou outros lances, segundo a CBF. No caso, saídas de bola pela linha de fundo e lateral, impedimentos e falta na entrada da área. Certas ou erradas, nenhuma delas teve intervenção, até o pênalti.

Na cabine fechada, um operador de replay e um técnico, além dos quatro integrantes para a análise, os chefes de arbitragem da CBF e da Conmebol, o representante da Ifab, órgão que regulamenta as regras do futebol, e o “árbitro de vídeo” escalado. Vamos aos depoimentos de personagens-chave da partida, que terminou com o empate em 1 x 1 entre Sport e Salgueiro. No fim, assista ao vídeo do lance, que não foi a imagem consultada, uma vez que a equipe teve acesso às imagens produzidas por câmeras exclusivas.

José Woshington (árbitro da partida)
“Nós entendemos que a bola foi pênalti. Então, (o vídeo) foi mais um elemento para confirmar a nossa marcação dentro de campo. Foi muito satisfatório você já sair de campo sem aquela preocupação em saber que uma equipe foi prejudicada por um erro seu.”

Péricles Bassols (árbitro consultor na cabine)
“De acordo com o protocolo aprovado pela Fifa, o árbitro de vídeo só deve interferir, indicando que a marcação precisa de mudança, quando o lance não depende de interpretação, ou seja, fica nítido que o árbitro principal, de campo, está cometendo um erro. Como as imagens não nos mostraram isso, reforcei para o Zé (José Woshington) que ele próprio deveria olhar os replays no campo e checar. Fez isso e manteve o pênalti.”

Dirk Schlemmer (chefe internacional da Ifab)
“A equipe seguiu o protocolo e atuou, exatamente, como determinado pelos procedimentos acordados. Precisamos ajustar alguns elementos, como o tempo levado para a revisão, mas o que vi nos deixa muito satisfeitos com a demonstração do Brasil.”

Ney Franco (técnico do Sport)
“Ali dentro do campo, já tínhamos a impressão de que não foi pênalti. Agora, na televisão, vimos claramente que não foi. Lamentavelmente, o árbitro errou duas vezes, na partida e no vídeo.”

Evandro Guimarães (técnico do Salgueiro)
“Estava tranquilo. Eu disse que, se foi pênalti, vai ser dado. Se não, eles vão olhar e revisar. O que quero é que o jogo seja justo.”

Com gol de pênalti aos 55 do 2º tempo, Salgueiro empata com o Sport na Ilha

Pernambucano 2017, final: Sport 1x1 Salgueiro. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

A verdadeira estreia do árbitro de vídeo na Ilha do Retiro aconteceu no último lance, já aos 49 minutos. O Salgueiro perdia a partida, apesar da melhora no segundo tempo. Já havia até acertado o travessão. Foi quando Toty se desvencilhou da marcação, entrou na área pela esquerda e foi derrubado por Raul Prata. Inicialmente, o árbitro José Woshington assinalou pênalti. Porém, recebeu o aviso da cabine de recepção de imagens, onde uma equipe analisava os lances polêmicos, incluindo o árbitro Péricles Bassols. Dono da palavra final, Woshington acabou indo à beira do campo, para observar uma tevê exclusiva da arbitragem, com imagens distintas da transmissão da Globo. Olhou, olhou de novo, com a dúvida durando cinco minutos, mas o juiz confirmou a decisão. Na visão do blog, corretamente.

Na cobrança, Jean mandou no canto direito de Magrão. O goleiro até acertou o canto, mas não alcançou a bola, com o empate em 1 x 1 decretado no jogo de ida da decisão do Campeonato Pernambucano. Assim, o título de 2017 fica totalmente aberto para a volta, daqui a 42 dias, no Cornélio de Barros.

Pernambucano 2017, final: Sport 1x1 Salgueiro. Foto: Peu Ricardo/DP

Diante de 22 mil torcedores, o Sport atuou desfalcado de Diego Souza e Ronaldo Alves, substituídos no Arruda. Mesmo assim, tomou a iniciativa e controlou o primeiro tempo, jogando à frente, com 64% de posse. Porém, encontrou um rival completamente retraído, com cinco jogadores na primeira linha. A proposta defensiva do time de Evandro Guimarães era clara, dificultando troca de passes e infiltrações dos rubro-negros, que só abriram o placar através da bola aérea. Aos 26, após cruzamento de Mena, Mondragon defendeu uma cabeçada de Rithely. Mas não teve o que fazer no rebote de André. Quase sem ângulo, o atacante finalizou com força.

Na volta do intervalo, o time sertanejo mudou. Adiantou a marcação e buscou mais o ataque. Enquanto o mandante fez duas mudanças no começo, com as entradas de Lenis (disperso) e Raul Prata (que cometeria a penalidade), e ainda manteve Rithely improdutivo como meia, o Carcará passou a forçar as jogadas na entrada da área, conseguindo várias faltas. Numa delas, Luiz Eduardo perdeu grande chance de cabeça. Willian Lira ainda mandaria no poste, mostrando o que o Salgueiro deveria ter ser comportado melhor desde o início. No finzinho, o gol que aproximou o interior de uma conquista inédita. Quanto ao Sport, que até lá estará envolvido em cinco competições, resta saber se conseguirá, mais uma vez, suportar a pressão…

Pernambucano 2017, final: Sport 1x1 Salgueiro. Foto: Williams Aguiar/Sport Club do Recife