Os uniformes da Seleção Brasileira para a Copa do Mundo 2018. De 149 a 449 reais

Uniformes da Seleção Brasileira em 2018. Crédito: CBF/site oficial

Dando sequência ao longo contrato, a Seleção Brasileira irá vestir uniformes produzidos pela Nike pela sexta Copa do Mundo consecutiva: 1998, 2002, 2006, 2010, 2014 e 2018 – a cada ciclo mundialista a fabricante paga US$ 48 milhões à CBF. Para esta temporada, com a edição na Rússia na mira, a linha adota as “cores vivas de 58 (1º título) e 70 (tri)”, tendo como inspiração o “legado de habilidade, técnica e ousadia”. À parte do discurso marketeiro, a linha chega completa, com dois uniformes, padrão pré-jogo e linha casual – nos modelos masculino e feminino, inclusive na apresentação. No caso do padrão de jogo, existem três versões, com R$ 300 de variação.

Na camisa principal, o amarelo mais vibrante é chamado de ‘ouro samba’, com um detalhe azul na parte de trás da nuca – segundo a confederação, isso não acontecia há 50 anos. No padrão reserva, um mosaico de estrelas projetado a partir de escudo, além da numeração amarela, a mesma em 58, quando a Canarinha venceu o seu primeiro Mundial jogando de azul. Na apresentação desta nova coleção, imagens com Neymar, Philipe Coutinho, Willian, Daniel Alves, Paulinho e Thiago Silva. Nomes certos na lista de Tite.

Camisa oficial da Seleção na linha 2018/2019 (amarela ou azul)
R$ 449,90 (modelo jogador)
R$ 249,90 (modelo torcedor – único com versão feminina)
R$ 149,90 (modelo supporter)
R$ 229,90 (modelo infantil torcedor) 
R$ 129,90 (modelo infantil supporter) 

Sobre a diferença de R$ 200 entre as camisas de jogador e de torcedor, nota-se basicamente a cor mais clara na versão mais barata – sem contar a tecnologia de absorção etc. Tirando isso, fica a critério do consumidor…

Confira os três modelos adultos da camisa 1 clicando aqui.

A estreia dos uniformes ocorrerá no giro europeu em março, com o azul no jogo com a Rússia, dia 23, e o padrão amarelo contra a Alemanha, dia 27.

Uniforme da Seleção Brasileira em 2018. Crédito: CBF/site oficial

Uniforme da Seleção Brasileira em 2018. Crédito: CBF/site oficial

Uniforme da Seleção Brasileira em 2018. Crédito: CBF/site oficial

Uniforme da Seleção Brasileira em 2018. Crédito: CBF/site oficial

Uniforme da Seleção Brasileira em 2018. Crédito: CBF/site oficial

Sport confirma troca de marca, da Adidas para a Under Armour. Contrato até 2023

O novo painel digital da sala da Ilha do Retiro. Foto: Superesportes/PE

Acima, o painel digital da coletiva de anúncio na Ilha, já com a fornecedora

Com contrato de cinco anos, até julho de 2023, a fabricante norte-americana Under Armour é a nova fornecedora de material esportivo (e patrocinadora) do Sport. Chega para substituir a Adidas, que vestiu o clube rubro-negro nas últimas quatro temporadas – com vendas elevadas, como o 5º lugar nacional no ranking Nethoes, líder de e-commerce no país. Embora seja renomada nos Estados Unidos, tendo como garoto-propaganda Tom Brady, quarterback do New England Patriots, pentacampeão do Super Bowl, a Under Armour ainda tenta se inserir com o mesmo peso no futebol mais tradicional.

Atualmente, conta com clubes como os ingleses Southampton e Aston Villa (campeão europeu em 1982, mas atualmente na 2ª divisão), AZ Alkmaar (Holanda), Colo Colo (Chile) e Cruz Azul (México). No país, São Paulo e Fluminense, embora no tricolor paulista um distrato (ou, no mínimo, a renegociação dos termos) esteja na pauta. Em relação às lojas, o cenário é semelhante – tanto que ainda negocia a abertura da primeira loja no Recife.

Embora o contrato anterior tenha expirado em dezembro de 2017, por uma questão de logística, tanto da empresa (material produzido) quanto do clube (jogos a disputar), o Sport segue com os uniformes da Adidas até junho de 2018, com Estadual, Copa do Brasil e Série A envolvidos. Somente no segundo semestre a mudança de fato, no time e nas vitrines da cidade.

Em relação ao público, Adidas e UA praticam R$ 249,90 por camisa.

Veja 7 projeções não oficiais de padrões Sport/Under Armour clicando aqui.

As fabricantes de uniformes do Sport
1977/1980 – Malharia Terres
1981/1982 – Adidas (Alemanha)
1983/1987 -  Le Coq Sportif (França)
1988 – Everest
1988 – MR Artigos Esportivos
1988/1990 – Topper
1991/1994 – Finta
1995/1998 – Rhumell
1999/2007 – Topper
2008/2013 – Lotto (Itália)
2014/2018 – Adidas (Alemanha)
2018/2023 – Under Armour (EUA)

Santa firma novo patrocinador-master. Experiência de 1 mês, teste de mercado

Uniforme do Santa Cruz com a marca 'Mega Ó'. Crédito: divulgação

A parceria entre o Santa Cruz e a MRV Engenharia durou 20 meses, entre abril de 2016 e dezembro de 2017, por R$ 90 mil mensais. Para a temporada de 2018, readequando novas parcerias para uma nova realidade, a direção coral firmou com uma nova patrocinadora, a MegaÓ, especializada em cal hidratada. A empresa pernambucana passa a estampar a sua marca na área nobre do uniforme coral – os dois modelos do padrão já foram produzidos.

A curiosidade sobre o acordo fica por conta do tempo de duração: um mês.

Trata-se de um contrato experimental, com possibilidade de renovação. Depende do retorno da marca e, naturalmente, do aporte ao clube, que não poderá contar com a Caixa Econômica Federal nesta temporada – há tempos o tricolor negocia o patrocínio, mas o banco deixou de investir na Série C. Apesar do acordo inicial de apenas um mês, o calendário está cheio. A marca está garantida em oito partidas, podendo chegar a nove.

Num cálculo anual, o patrocínio-master anterior rendeu R$ 1,08 milhão.

Provavelmente o valor ainda estaria em conta para o atual cenário…

O patrocínio-master do Santa Cruz na década
2011-2014 – Grupo Votorantim
2015 - Divcom Pharma (pontual, setembro/dezembro)
2016-2017 – MRV Engenharia
2018 – MegaÓ (experimental, janeiro)

Uniforme do Santa Cruz com a marca 'Mega Ó'. Crédito: divulgação

Netshoes divulga o ranking de vendas de camisas, com o Sport em 5º lugar em 2017

As camisas mais vendidadas na Netshoes em 2017: 1 Corinthians, 2 São Paulo, 3 Palmeiras, 4 Flamengo, 5 Sport, 6 Santos, 7 Cruzeiro, 8 Vasco, 9 Inter e 10 Real Madrid. Arte: Cassio Zirpoli/DP (sobre imagens de divulgação)

Netshoes consolidou o seu ranking de vendas de uniformes de clubes e seleções, considerando o período entre 1º de janeiro e 31 de dezembro de 2017. A empresa apresentou uma lista com vinte nomes, sendo 17 times (12 do Brasil) e 3 seleções nacionais. Do Nordeste, o Sport. Levando em conta o status da empresa, a ‘maior e-commerce da América Latina’, e com uma década de operação no país, este balanço é um indicativo interessante sobre a força das marcas dos clubes de futebol. Em setembro, a Netshoes havia divulgado uma lista parcial, revelada pelo O Estado de S. Paulo. Os três meses seguintes trouxeram algumas mudanças, com a lista via ESPN.

Apesar da expansão de padrões oficiais de times europeus, a partir das transmissões das ligas da Espanha e da Inglaterra, o Real Madrid foi o único gringo a figurar no top ten, fechando a lista – desbancou justamente o Barça, presente até setembro. Já o pódio foi formado pelo trio de ferro de São Paulo, com o campeão brasileiro, o Corinthians, à frente. O Flamengo, o clube de maior torcida do país, perdeu uma posição na reta final, aparecendo em 4º lugar, seguido da maior surpresa do levantamento. Apesar da má campanha na Série A – entre os times presentes na lista, foi o de pior desempenho, terminado na 15ª posição -, o rubro-negro pernambucano ficou em 5º lugar entre as camisas mais vendidas da loja. Curiosamente, os dados não foram refletidos numa renovação com a Adidas, com o clube trocando de fornecedor em 2018 – o Sport passa a vestir a Under Armour a partir de junho.

O ranking traz apenas as colocações, sem dados absolutos de camisas.

Ranking da Netshoes em 2017
1) Corinthians (Nike)
2) São Paulo (Under Armour)
3) Palmeiras (Adidas)
4) Flamengo (Adidas)
5) Sport (Adidas)
6) Santos (Kappa)
7) Cruzeiro (Umbro)
8) Vasco (Umbro)
9) Internacional (Nike)
10) Real Madrid (Adidas)
11) Grêmio (Umbro)
12) Barcelona (Nike)
13) PSG (Nike)
14) Chapecoense (Umbro)
15) Bayern de Munique (Adidas)
16) Seleção da Itália (Puma)
17) Manchester United (Adidas)
18) Seleção do Brasil (Nike)
19) Seleção da Alemanha (Adidas)
20) Botafogo (Topper)

As projeções não oficiais para uniformes da Under Armour no Sport, já a caminho

Mockups de uniformes da Under Armour no Sport. Crédito: Marcela Santiago/twitter (@timossim)

Em 2018, no Brasileirão, o Sport terá uma nova fornecedora de material esportivo. Possivelmente, com o maior patrocínio da história do clube. De acordo com o globoesporte.com, o leão fechou um contrato de quatro temporadas com a Under Armour, recebendo R$ 12 milhões em cada ano. Ou seja, R$ 48 milhões! Cifra sem precedentes no futebol nordestino.

À parte do caixa do clube, a marca norte-americana, ainda buscando o seu espaço no país, inclusive inaugurando lojas, chega com a responsabilidade de substituir a Adidas, que produziu 15 modelos em quatro temporadas, tendo forte aceitação na torcida. No período, o Sport subiu de patamar nas vendas, figurando no top ten entre os times brasileiros por diversas vezes, segundo listas divulgadas por empresas como Centauro e Netshoes. Esta última apresentou em setembro um ranking de camisas de futebol de e-commerce, com o leão figurando em 5º lugar, atrás de Corinthians, Palmeiras, Flamengo e São Paulo – justamente os quatro clubes mais populares do país.

Mockup de uniforme da Under Armour no Sport. Crédito: Publick Comunicação Visual/reprodução

O acordo deve ser oficializado pelo clube em janeiro, com o contrato passando a valer a partir de junho de 2018. Como de praxe, torcedores e designers, não ligados à UA, criaram vários mockups, termo usado para modelos de demonstração. Utilizando traços das linhas recentes da fabricante às cores e características do Sport, as projeções dão uma ideia do que vem por aí.

No alto, os uniformes imaginados pela rubro-negra Marcela Santiago
No centro, um padrão feito pela agência Publick – Comunicação Visual
Abaixo, os uniformes imaginados pelo rubro-negro Eduardo Silva

Até o momento, sete modelos na web. Curtiu algum?

Fabricantes de uniformes do Sport no século XXI
2001/2007 – Topper
2008/2013 – Lotto (Itália)
2014/2017 – Adidas (Alemanha)
2018/2021 – Under Armour (EUA)

Mockups de uniformes da Under Armour no Sport. Crédito: Eduardo Silva/twitter (@eduardo__sds)

Uniforme preto completa a primeira linha do Santa através da marca Cobra Coral

O uniforme III do Santa Cruz para a temporada 2017/2018. Crédito: Loja Cobra Coral/reprodução

O Santa Cruz completou a sua primeira linha de uniformes oficiais por meio da marca própria “Cobra Coral”. Visando a temporada 2017/2018, o padrão preto, com estreia prevista para a 24ª rodada da Série B, traz a mensagem “nova pele”, com “escamas renovadas” a partir dos detalhes remetendo ao mascote.

Para a pré-venda, uma tiragem de mil modelos por R$ 200. A partir disso, já nas lojas, a camisa sai por R$ 230. Lembrando que os dois primeiros padrões foram apresentados em 12 de maio, com a substituição da Penalty já no Campeonato Brasileiro. Curiosamente, o uniforme clássico, o coral com listras horizontais, foi o único ausente, guardado para a próxima linha.

Lançada em maio, a marca vendeu 13 mil peças no primeiro trimestre, com R$ 476 mil de receita líquida. A produção é feita numa fábrica terceirizada no estado do Ceará, a Bomache, que também tem contratos semelhantes com outros clubes do país, como o pioneiro Paysandu, dono da “Lobo”.

Confira mais detalhes do padrão preto clicando aqui.

Tricolor, o que você achou da primeira linha da Cobra Coral? Qual a melhor?

A primeira linha de uniformes do Santa Cruz via "Cobra Coral"

Netshoes divulga o ranking de vendas de camisas, com o Sport em 5º lugar no país

O ranking de venda de camisas da Netshoes. Arte: Cassio Zirpoli/DP

A Netshoes atua no e-commerce desde 2007, com a venda de uniformes de clubes de futebol sendo uma das principais fontes. Com uma década de operação, já na condição de maior site de varejo esportivo no país, o balanço da empresa é um bom indicativo sobre a força das marcas dos clubes. A pedido do blog #FERA, do jornal O Estado de São Paulo, a Netshoes divulgou um ranking particular com os clubes que mais venderam camisas no primeiro semestre de 2017. A lista inclui clubes brasileiros e internacionais e seleções.

Apesar da expansão de padrões oficiais de times europeus, a partir das transmissões das ligas da Espanha e da Inglaterra, apenas o Barcelona conseguiu figurar no top ten, fechando a lista. Já o pódio ficou formado pelo líder do Brasileirão, o Corinthians, pelo atual campeão, o Palmeiras, e pelo clube mais popular, o Flamengo. Mas o que chama a atenção é a 5ª colocação, ocupada pelo Sport. Justamente na reta final do acordo de quatro anos entre o leão e a Adidas. Entre negociações de renovação de possíveis novas parceiras, o rubro-negro acabou ganhando um considerável ponto a favor – à parte da venda nos sites e lojas do clube e da própria Adidas.

O ranking traz apenas as colocações, sem dados absolutos de camisas.

Ranking em 2017
1) Corinthians (Nike)
2) Palmeiras (Adidas)
3) Flamengo (Adidas)
4) São Paulo (Under Armour)
5) Sport (Adidas)
6) Santos (Kappa)
7) Cruzeiro (Umbro)
8) Internacional (Nike)
9) Vasco (Umbro)
10) Barcelona (Nike)

Há dois anos, a Netshoes apresentou o seu primeiro ranking de vendas, exibindo também quadros estaduais. Em Pernambuco, Sport 1º, São Paulo 2º e Náutico 3º. Na ocasião, o quadro levantou os sete primeiros meses.

Ranking em 2015
1) Flamengo (Adidas)
2) São Paulo (Under Armour)
3) Cruzeiro (Penalty)
4) Seleção Brasileira (Nike)
5) Corinthians (Nike)
6) Atlético-MG (Puma)
7) Botafogo (Puma)
8) Fluminense (Adidas)
9) Palmeiras (Adidas)
10) Vasco (Umbro)

Linha de uniformes do Náutico para a temporada 2017/2018, via Topper

Uniformes do Náutico para a temporada 2017/2018. Crédito: Náutico/twitter (@nauticope)

Após postergar o lançamento, o Náutico apresentou a linha de uniformes para a temporada 2017/2018, o segundo dos quatro anos da parceria do clube junto à Topper. Desta vez, o modelo masculino (R$ 219) traz uma gola com botão, enquanto a camisa feminina segue com uma gola decotada (R$ 209).

O novo padrão principal veio com um vídeo produzido pelo departamento de marketing nos Aflitos, onde o time deverá utilizá-lo no próximo ano.

“Se o futebol é uma paixão, o Náutico é amor incondicional. Um sentimento que vai além da compreensão. Um clube pra gente como você, que quando ama, ama de verdade. Todo dia, e não só de vez em quando. Na alegria ou na dificuldade, porque o Náutico não é só um clube, o Náutico é o seu clube. E essa é a sua camisa.”

Relembre a linha anterior com a Topper clicando aqui.

Alvirrubro, o que você achou do novo padrão?

O balanço do primeiro trimestre da Cobra Coral, a marca própria do Santa Cruz

Balanço da marca Cobra Coral, do Santa Cruz. Foto: Santa Cruz/twitter (@SantaCruzFC)

A direção de marketing do Santa Cruz divulgou o balanço oficial em relação à produção e venda dos produtos da “Cobra Coral”. Desde o lançamento da primeira linha de uniformes, em 12 de maio, até o fim de julho, a marca criada e administrada pelo clube faturou 772 mil reais, considerando a operação nas duas lojas oficiais e no varejo, com cerca de 13 mil peças comercializadas.

Em apresentação ao conselho deliberativo, através do diretor Denis Victor, o clube teve 296 mil reais de custo nos primeiros 90 dias da Cobra Coral. Assim, chega-se a uma receita líquida de R$ 158.710/mês. Projetando em um ano, o montante chegaria a R$ 1,9 milhão. O primeiro passo nesta receita é alocar R$ 230 mil para a compra das 6 mil peças necessárias para o departamento de futebol (camisas de jogo e treino, calções, meiões etc), profissional e base.

Segundo o tricolor, a venda já superou o último ano de receitas através da Penalty, a antiga fornecedora. No ritmo atual, numa estimativa do blog, a marca terminaria o primeiro ano com 40 mil peças vendidas. No modelo atual, os produtos da Cobra Coral são feitos pela empresa cearense Bomache, a mesma da “Lobo”, a marca particular do Paysandu, pioneiro no negócio.

Faturamento da Cobra Coral*
R$ 470.794 – Loja oficial
R$ 302.066 – Varejo
R$ 772.860 – Total 

Custo da marca*
R$ 296.730 – Fabricação e comercialização

Receita líquida do Santa Cruz*
R$ 476.130

* De maio a julho de 2017

O terceiro uniforme do Sport para a temporada 2017/2018, via Adidas

O 3º uniforme do Sport do Sport para a temporada 2017/2018. Crédito: Adidas/site oficial

Num possível erro de programação, coube à própria Adidas a antecipação do terceiro e último uniforme do Sport para a temporada 2017/2018. A camisa tem como cor-base o vinho, com as mangas pretas e detalhes dourados.

A previsão de lançamento era, de fato, em agosto, mas a camisa foi divulgada no site oficial da Adidas como “venda iniciada”. Ocorre que ao clicar na chamada, o usuário é direcionado ao link de produtos do Sport, junto à marca alemã, cujo padrão mais recente, à venda, é segundo (registros abaixo).

O preço deve ser o mesmo aplicado nas duas primeiras camisas do ano, R$ 249. Por sinal, em relação à atual linha rubro-negra, relembre o modelo I, em homenagem aos 30 anos do título brasileiro, e o modelo II, em homenagem aos 80 anos da Ilha do Retiro. Esta é a 4ª linha através da fabricante, cujo contrato com o clube se encerra em 2018 – ainda sem detalhes de renovação.

Rubro-negro, o que você achou da nova camisa do Sport?

Chamada no site da Adidas

Camisas do Sport à venda no site da Adidas. Crédito: reprodução