Náutico x Ponte. Em jogo, R$ 2,4 milhões e a vaga nas oitavas da Copa do Brasil

Os confrontos da 4ª fase da Copa do Brasil de 2018. Crédito: CBF/site oficial

O Náutico avançou nas três primeiras fases da Copa do Brasil enfrentando adversários das Séries C e D. Passou por Cordino, Fluminense de Feira e Cuiabá. Na quarta fase, o timbu irá encarar um clube estabelecido num patamar acima. Em sorteio realizado na sede da CBF, no Rio de Janeiro, o time pernambucano foi a 6ª bolinha selecionada, compondo o confronto com a Ponte Preta, hoje na Série B. Com R$ 4,3 milhões acumulados em cotas, o alvirrubro agora joga por uma premiação de R$ 2,4 milhões! No primeiro jogo, no Moisés Lucarelli, o timbu terá o desfalque do atacante Ortigoza – o paraguaio foi expulso após o segundo amarelo em Cuiabá. Em termos de nível técnico, o duelo é acessível. Ainda mais comparando com as demais opções. Entre as nove bolinhas estavam São Paulo, Inter e Atlético-MG.

Prováveis datas da chave, em abril: 4 ou 11 (Campinas) e 11 ou 18 (Arena)

Vale destacar que das 21 partidas oficiais disputadas em 2018, os alvirrubros enfrentaram dois times da Série A – vitorias sobre Sport (3 x 0) e Bahia (1 x 0)

Confrontos da 4ª fase da Copa do Brasil (16 avos de final)
Ponte Preta x Náutico*
Atlético-PR x São Paulo*
Avaí x Goiás*
Internacional x Vitória*
Ferroviário-CE* x Atlético-MG
* Decidem o mata-mata em casa

Pré-classificados às oitavas: América-MG, Bahia, Chapecoense, Corinthians, Cruzeiro, Grêmio, Flamengo, Luverdense, Palmeiras, Santos e Vasco

Das 22 participações anteriores na competição, o Náutico chegou às oitavas de final em nove oportunidades – todas em edições com menos fases. A última vez foi em 2011, quando parou no Vasco, que posteriormente seria o campeão. Já em relação ao número de classificações numa mesma edição, jamais chegou a quatro seguidas. Portanto, o alvirrubro podede fazer história.

Cotas do Náutico na Copa do Brasil
1ª fase – R$ 500 mil (vs Cordino-MA, 1 x 1)
2ª fase – R$ 600 mil (vs Fluminense-BA, 1 x 0)
3ª fase – R$ 1,4 milhão (vs Cuiabá-MT, 2 x 1 e 1 x 0)
4ª fase – R$ 1,8 milhão (vs Ponte Preta-SP)
Oitavas – R$ 2,4 milhões?

As imagens da campanha do Sport rumo ao inédito título brasileiro, há 30 anos

O capitão Estevam Soares ergue a Taça das Bolinhas, após o título brasileiro do Sport em 1987. Foto: Arquivo/DP

O Sport é o campeão brasileiro de futebol de 1987 desde o dia 7 de fevereiro de 1988, quando venceu o Guarani por 1 x 0, na sexta e última rodada do quadrangular final da competição. Dali em diante, a discussão seria apenas nos tribunais, com o clube pernambucano ganhando em todas as instâncias possíveis, duas vezes. Pois a data mais marcante na história do leão chega a exatamente três décadas, ainda dando a impressão de que não faz tanto tempo assim. Consequência do assunto recorrente, naturalmente.

O blog acompanha os meandros jurídicos da conquista há tempos, mas aqui o foco é exclusivo no futebol, com 56 imagens marcantes sobre a campanha que valeu a primeira estrela dourada ao Leão da Ilha. São três álbuns distintos, num verdadeiro passeio histórico (algumas fotos saíram apenas na época): preparação/1ª fase, fase final do Módulo Amarelo e quadrangular final.

A campanha do Sport
20 jogos*

12 vitórias
12 vitórias
5 empates
3 derrotas

29 gols marcados
12 gols sofridos
* Sem contar as vitórias por W.O. 

Artilheiros: Nando 8 gols; Augusto, Betão e Zico 4; Robertinho 3; Zé Carlos Macaé e Neco 2; Ribamar e Marco Antônio 1 

Total de público pagante: 110.317 torcedores em 10 jogos
Média: 11.031 torcedores

Mais: regulamento oficial, vídeo completo da final e livro de coautoria do blog.

Imagens da preparação do Sport, desde a eleição de Homero Lacerda à a contratação de Emerson Leão (como goleiro e, posteriormente, técnico) e da campanha do time na primeira fase, quando liderou de ponta a ponta. Em 14 jogos, o time perdeu apenas uma partida, ganhando os dois turnos previsos no módulo.

Com 1.381 votos, Homero Lacerda tornou-se o primeiro oposicionista eleito presidente do Sport. Mandatário em 87 e 88. Foto: Edvaldo Rodrigues/DP
« 1 de 18 »

Os registros da fase final do Módulo Amarelo, com tensa semifinal com o Bangu, tendo confusão tanto em Moça Bonita quanto na Ilha do Retiro, inclusive com ameaça de suspensão do jogo, e com a polêmica decisão com o Guarani, encerrada após o 11 x 11 nas penalidades.

Bangu 3 x 2 Sport (25/11/87). Na abertura da semi, em Moça Bonita, o leão sofreu a sua 2ª derrota na campanha (foram 3 em 20 jogos). Foto: Fernando Gomes/O Globo (reprodução do livro '1987 - De fato, de direito e de cabeça')
« 1 de 15 »

Após as decisões dos módulos, em dezembro, o regulamento voltou a ser discutido, com o Flamengo querendo a revogação da última fase, que previa o cruzamento entre os dois melhores do Amarelo e do Verde. Após o conselho arbitral extraordinário em 15 de janeiro de 1988, no qual era preciso haver unanimidade para a mudança (e não houve), começou o quadrangular final da ‘Copa Brasil’, o nome oficial da competição. Disputa repleta de W.O., mas também com bola e taça na mão.

Sport x Inter (24/01/88). Após muita discussão, com direito a um conselho arbitral extraordinário com 29 clubes, começou o quadrangular final do Brasileirão de 87, já no início do ano seguinte. Pela tabela, o Sport estrearia contra o vice do Módulo Verde. Foto: Francisco Silva/DP
« 1 de 23 »

Netshoes divulga o ranking de vendas de camisas, com o Sport em 5º lugar em 2017

As camisas mais vendidadas na Netshoes em 2017: 1 Corinthians, 2 São Paulo, 3 Palmeiras, 4 Flamengo, 5 Sport, 6 Santos, 7 Cruzeiro, 8 Vasco, 9 Inter e 10 Real Madrid. Arte: Cassio Zirpoli/DP (sobre imagens de divulgação)

Netshoes consolidou o seu ranking de vendas de uniformes de clubes e seleções, considerando o período entre 1º de janeiro e 31 de dezembro de 2017. A empresa apresentou uma lista com vinte nomes, sendo 17 times (12 do Brasil) e 3 seleções nacionais. Do Nordeste, o Sport. Levando em conta o status da empresa, a ‘maior e-commerce da América Latina’, e com uma década de operação no país, este balanço é um indicativo interessante sobre a força das marcas dos clubes de futebol. Em setembro, a Netshoes havia divulgado uma lista parcial, revelada pelo O Estado de S. Paulo. Os três meses seguintes trouxeram algumas mudanças, com a lista via ESPN.

Apesar da expansão de padrões oficiais de times europeus, a partir das transmissões das ligas da Espanha e da Inglaterra, o Real Madrid foi o único gringo a figurar no top ten, fechando a lista – desbancou justamente o Barça, presente até setembro. Já o pódio foi formado pelo trio de ferro de São Paulo, com o campeão brasileiro, o Corinthians, à frente. O Flamengo, o clube de maior torcida do país, perdeu uma posição na reta final, aparecendo em 4º lugar, seguido da maior surpresa do levantamento. Apesar da má campanha na Série A – entre os times presentes na lista, foi o de pior desempenho, terminado na 15ª posição -, o rubro-negro pernambucano ficou em 5º lugar entre as camisas mais vendidas da loja. Curiosamente, os dados não foram refletidos numa renovação com a Adidas, com o clube trocando de fornecedor em 2018 – o Sport passa a vestir a Under Armour a partir de junho.

O ranking traz apenas as colocações, sem dados absolutos de camisas.

Ranking da Netshoes em 2017
1) Corinthians (Nike)
2) São Paulo (Under Armour)
3) Palmeiras (Adidas)
4) Flamengo (Adidas)
5) Sport (Adidas)
6) Santos (Kappa)
7) Cruzeiro (Umbro)
8) Vasco (Umbro)
9) Internacional (Nike)
10) Real Madrid (Adidas)
11) Grêmio (Umbro)
12) Barcelona (Nike)
13) PSG (Nike)
14) Chapecoense (Umbro)
15) Bayern de Munique (Adidas)
16) Seleção da Itália (Puma)
17) Manchester United (Adidas)
18) Seleção do Brasil (Nike)
19) Seleção da Alemanha (Adidas)
20) Botafogo (Topper)

As cotas de TV dos maiores Estaduais de 2018, com R$ 306 milhões para 119 times

Os principais campeonatos estaduais de 2018: Paulistão, Carioca, Gaúcho, Mineiro, Catarinense, Pernambucano, Paranaense, Paraense, Baiano e Cearense. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Os dez principais campeonatos estaduais de 2018 somam R$ 306 milhões em cotas de transmissão na televisão e premiações oficiais, numa receita distribuída em 119 clubes. Repasses a partir de R$ 103 mil até R$ 17 milhões. Sem surpresa, a verba está concentrada no eixo Rio-SP, com 212 milhões, ou 69%. Os clubes do chamado ‘G12′ recebem pelo menos 12,3 mi, o que acaba sendo um indicativo importante para o contexto mais amplo, do Brasileirão, com receitas ainda maiores. Como exemplo, o hiato entre Botafogo e Sport, que salta de 25 mi (Série A) para 39 milhões de reais (Estaduais + Série A). Ou seja, o mercado real é bem mais apertado. E estenda isso às demais divisões. Na Série C, o Volta Redonda, possível adversário de alvirrubros e tricolores na briga pelo acesso, chega capitalizado pela receita do Carioca.

Naturalmente, a audiência de cada competição justifica, em tese, o investimento da tevê. O alerta serve apenas como base para reflexão, uma vez que a grana depositada nos estaduais vai bem além do dia 8 de abril, a data reservada pela CBF para as decisões. Para este levantamento, com a análise de cada torneio e os dados de todos os times envolvidos, o blog reuniu as informações mais atuais (jornais, rádios e canais de outros estados) sobre as principais competições, três delas no Nordeste (Pernambucano, Baiano e Cearense). Por sinal, essas três apresentam valores bem abaixo, expondo a importância do Nordestão, que distribui R$ 22,4 milhões.

Dos números conhecidos, a diferença máxima entre as torneios é de R$ 118,3 milhões (SP x CE). Em dez casos, os acordos envolvem a Rede Globo e suas afiliadas. De acordo com a atualização do atlas de cobertura da emissora, existem 200.970.636 telespectadores potenciais. Logo, somando o alcance do Paulista e do Carioca (com 16 estados, considerando a transmissão do ano anterior), chega-se a 101.647.809, ou 50,5% do país.

Obs. O blog só considerou as verbas dos clubes, sem os custos operacionais.

Ranking de cotas absolutas nos campeonatos estaduais de 2018. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Paulista (Paulistão Itaipava)
O estado mais rico do país também conta, naturalmente, com o campeonato estadual mais valorizado. Em relação ao Rio, o centro mais próximo, a vantagem na distribuição de receitas é de 29,5 milhões de reais. Além de pagar mais em cotas fixas, com os menos abastados recebendo 3,3 milhões – perto do que se paga ao Pernambucano inteiro -, o Paulistão também tem a melhor distribuição de prêmios, tanto em números absolutos quanto no número de contemplados (14 dos 16 participantes). Em caso de título, um grande termina acumulando R$ 22 milhões. Exibida em três plataformas, a competição ainda tem mais um ano de contrato no atual modelo.

Contrato: Globo SP (2016-2019), inclui SporTV e pay-per-view
Alcance da TV aberta: SP (44,2 milhões de telespectadores)
16 clubes (de 12 a 18 jogos para qualquer participante)

Cota: R$ 109,3 milhões
Premiação: R$ 11,79 milhões
Total: R$ 121,09 milhões

Cota 1 (4 times) – R$ 17 milhões (Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo)
Cota 2 (1 time) – R$ 5 milhões (Ponte Preta)
Cota 3 (11 times) – R$ 3,3 milhões (Botafogo, Bragantino, Ferroviária, Ituano, Linense, Mirassol, Novorizontino, Red Bull, Santo André, São Bento e São Caetano)

Premiações: campeão estadual (5 milhões), vice estadual (1,65 milhão), 3º (1,1 milhão), 4º (880 mil), 5º (485 mil), 6º (430 mil), 7º (375 mil), 8º (325 mil), 9º (270 mil), 10º (215 mil), 11º (190 mil), 12º (165 mil), 13º (135 mil), 14º (110 mil), campeão do interior (360 mil), vice do interior (100 mil)

Carioca
O contrato firmado em 2017 elevou bastante o patamar do campeonato do Rio de Janeiro. Os quatro grandes passaram a ganhar valores próximos dos quatro grandes de São Paulo (15 mi x 17 mi), com os demais participantes escalonados em outros quatro níveis, incluindo quatro times que largam numa seletiva. No topo da pirâmide dos times pequenos, surpreende os R$ 4 milhões para equipes sem apelo popular – exceção feita ao Voltaço. Em relação à premiação, o Rio privilegia o seu formato de várias taças (ao todo, três no mesmo campeonato), com bônus nos mata-matas. Um grande clube pode terminar com até 20,5 milhões de reais – caso vença os dois turnos e o título.

Contrato: Globo Rio (2017-2024), inclui SporTV e pay-per-view
Alcance da TV aberta: RJ, ES, TO, SE, PB, RN, PI, MA, PA, AM, RO, AC, RR, AP e DF (56,8 milhões de telespectadores)
16 clubes (de 11 a 18 jogos para os grandes)

Cota: R$ 83,6 milhões
Premiação: R$ 7,9 milhões
Total: R$ 91,5 milhões

Cota 1 (4 times) – R$ 15 milhões (Botafogo, Flamengo, Fluminense e Vasco)
Cota 2 (4 times) – R$ 4 milhões (Boavista, Madureira, Nova Iguaçu e Volta Redonda)
Cota 3 (2 times) – R$ 2 milhões (Bangu e Portuguesa)
Cota 4 (2 times) – R$ 800 mil (Macaé e Resende)
Cota 5 (4 times) – R$ 500 mil (América, Bonsucesso, Cabofriense e Goytacaz)

Premiações: Campeão estadual (3,5 milhões); vice estadual (1,5 milhão); Taça Guanabara, 1º (1 milhão), 2º, (150 mil), 3º (150 mil) e 4º (150 mil); Taça Rio, 1º (1 milhão), 2º, (150 mil), 3º (150 mil) e 4º (150 mil)

Gaúcho (Gauchão Ipiranga)
Em 2017, os clubes gaúchos acertaram um contrato pontual. Na ocasião, a dupla Gre-Nal recebeu R$ 22 milhões. Com o novo acordo para 2018, colorados e tricolores dividem 25 mi, segundo o colunista Luiz Zini, do Zero Hora. Aos demais, as mesmas cotas, com vantagem para Brasil e Juventude, que participam da Série B. Quanto à premiação, bancada por patrocinadores, o cenário é bem curioso. Há bonificação para o campeão do interior (o melhor time fora da final), mas não há para o campeão estadual. Pois é. No último ano, aliás, o campeão foi o Novo Hamburgo, que não ganhou bônus algum…

Contrato: RBS TV (2018), inclui pay-per-view
Alcance da TV aberta: RS (11,2 milhões de telespectadores)
12 clubes (de 11 a 17 jogos para qualquer participante)

Cota: R$ 36 milhões
Premiação: R$ 1 milhão
Total: R$ 37 milhões

Cota 1 (2 times) – R$ 12,5 milhões (Grêmio e Internacional)
Cota 2 (2 times) – R$ 1,5 milhão (Brasil de Pelotas e Juventude)
Cota 3 (8 times) – R$ 1 milhão (Avenida, Caxias, Cruzeiro, Novo Hamburgo, São Luiz, São José, São Paulo e Veranópolis)

Premiações: os oito classificados às quartas de final (R$ 100 mil); campeão do interior (R$ 200 mil)

Mineiro (Mineiro Sicoob) - atualizado em 12/01, via Vinícius Dias, do UAI
Apesar de ser o segundo estado mais populoso do país, Minas Gerais aparece em 4º lugar na lista, considerando a soma de todas as cotas de transmissão dos Estaduais. O contrato atual, de quatro temporadas, prevê um ajuste anual. No caso dos gigantes mineiros, R$ 300 mil a mais para cada. Dado semelhante aos gaúchos. Já o piso é menor, ficando abaixo de R$ 1 milhão por participante – os clubes ainda negociavam um aumento de 850 mil para 875 mil. Aqui, porém, o patamar intermediário é mais robusto, com o América recebendo mais que o Paraense, o Baiano e o Cearense. Em 2018 o torneio ganhou uma data a mais, com a implantação das quartas de final.

Contrato: Globo Minas (2017-2021), inclui pay-per-view
Alcance da TV aberta: MG (20,7 milhões de telespectadores)
12 clubes (de 11 a 16 jogos para qualquer participante)

Cota: R$ 35,15 milhões
Premiação: nada
Total: R$ 35,15 milhões

Cota 1 (2 times) – R$ 12,3 milhões (Atlético-MG e Cruzeiro)
Cota 2 (1 time) – R$ 2,9 milhões (América)
Cota 3 (9 times) – R$ 850 mil (Boa Esporte, Caldense, Democrata, Patrocinense, Tombense, Tupi, Uberlândia, URT e Villa Nova)

Catarinense – atualizado em 15/01, via Blog Rodrigo Goulart
Em 2015, Santa Catarina emplacou quatro clubes no Brasileirão, à frente do Rio. Em 2018 terá apenas um representante, a Chape. Coincidência ou não, essa queda é paralela à redução do investimentos da Globo no torneio local. Neste ano sai de cena o pay-per-view, restando apenas a tevê aberta, com 19 partidas – uma por rodada e mais a final, em jogo único. O montante foi dividido em duas frentes, com 65% para os clubes mais tradicionais, aqueles que já disputaram Série A nesta década, e 35% para os demais.

Contrato: NSC TV (2018-2021)
Alcance da TV aberta: SC (6,8 milhões de telespectadores)
10 clubes (de 18 a 19 jogos para qualquer participante)

Cota: R$ 5 milhões
Premiação: nada
Total: R$ 5 milhões

Cota 1 (5 times) – R$ 650 mil (Avaí, Chape, Criciúma, Figueirense e Joinville)
Cota 2 (5 times) – R$ 350 mil (Brusque, Concórdia, Hercílio Luz, Inter de Lages e Tubarão)

As cotas dos clubes da Série A de 2018 nos campeonatos estaduais de 2018. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Paranaense – atualizado em 12/01, via jornal Gazeta do Povo
Em 2017 a dupla Atletiba comprou a briga com a Globo ao não concordar com a proposta de transmissão do Estadual – acabaram exibindo o clássico no youtube. Na ocasião, a receita de televisão já havia caído de 8 mi para 6 milhões, ficando sem o pay-per-view. Em 2018 apenas o Furacão bateu o pé, com o valor total seguindo abaixo – o Atlético, aliás, é o único time da elite nacional que disputa o Estadual sem ganhar cota alguma. Com a assinatura pontual do Coxa, o Estadual ultrapassou o PE, uma vez que as demais cotas paranaenses também foram recalculadas.

Contrato: RPC (2018-2019)
Alcance da TV aberta: PR (10,8 milhões de telespectadores)
12 clubes (de 11 a 17 jogos para qualquer participante)

Cota: R$ 4,7 milhões
Premiação: nada
Total: R$ 4,7 milhões

Cota 1 (2 times) – R$ 600 mil (Coritiba e Paraná)
Cota 2 (1 time1) – R$ 500 mil (Londrina)
Cota 3 (8 times) – R$ 375 mil (Cascavel, Cianorte, Foz do Iguaçu, Maringá, Prudentópolis, Rio Branco, Toledo e União)
Sem cota (1 time) – em aberto (Atlético-PR )

Pernambucano
No cenário local, o contrato de quatro anos com a Globo (a detentora dos direitos desde 2000!) prevê um reajuste anual através do Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M). Assim, por mais que o valor-base, de janeiro de 2015, seja de R$ 950 mil para o Trio de Ferro, na prática cada um ganhará R$ 1.119.690 em 2018. Logo, a 104ª edição do Estadual, com 11 em vez de 12 clubes, conta com um aporte líquido de 4,4 milhões – contudo, por uma questão de padronização do blog, todos os estaduais apresentam os valores originais. Entre os principais campeonatos da região, o PE é o único que terá um novo contrato de tevê em 2019 – espera-se que fique menos defasado.

Contrato: Globo Nordeste (2015-2018), inclui pay-per-view
Alcance da TV aberta: PE (9,2 milhões de telespectadores)
11 clubes (de 10 a 14 jogos para qualquer participante)

Cota: R$ 3,730 milhões
Premiação: nada
Total: R$ 3,73 milhões

Cota 1 (3 times) – R$ 950 mil (Náutico, Santa Cruz e Sport)
Cota 2 (8 times) – R$ 110 mil (Afogados, América, Belo Jardim, Central, Flamengo de Arcoverde, Pesqueira, Salgueiro e Vitória)

Paraense (Banparazão)
Com Remo e Paysandu, os clubes mais populares do Norte, o campeonato é o único desta lista que não é exibido pela Globo. Pelo 10º ano seguido a transmissão ocorre na TV Cultura, uma emissora estatal. O sinal chega a 110 dos 144 municípios do Pará, o que corresponde a 71% da população, hoje estimada em 8,2 milhões. Há cinco anos a receita é a mesma: R$ 2,9 milhões, segundo dados da Secretaria de Esporte e Lazer do Pará. Com a premiação, a cota dos grandes pode chegar a R$ 1,01 milhão.

Contrato: TV Cultura (2018)
Alcance da TV aberta: PA (5,9 milhões de telespectadores)
10 clubes (de 10 a 14 jogos para qualquer participante)

Cota: R$ 2,396 milhões
Premiação: R$ 560 mil
Total: R$ 2,956 milhões

Cota 1 (2 times) – R$ 786 mil (Paysandu e Remo)
Cota 2 (8 times) – R$ 103 mil (Águia, Bragantino, Cametá, Castanhal, Independente, Paragominas, Parauapebas e São Raimundo)

Premiações: campeão estadual (224 mil), vice estadual (168 mil), 3º (112 mil) e 4º (56 mil)

Baiano (Baianão)
A temporada 2018 também marca a redução do Campeonato Baiano, mas de 11 para 10 clubes. Em relação à transmissão, as cifras do contrato de cinco temporadas foram reveladas pelo balancete do Bahia. O tricolor recebeu R$ 893.401 em 2016, numa correção monetária sobre o valor-base de R$ 850 mil (nos mesmos moldes do Pernambucano). A cota é a mesma paga ao rival Vitória. No contrato anterior (2011-2015), a dupla Ba-Vi recebeu R$ 750 mil. Portanto, um mísero aumento de 13% para o torneio atual.

Contrato: Rede Bahia (2016-2020), inclui pay-per-view
Alcance da TV aberta: BA (14,5 milhões de telespectadores)
10 clubes (de 9 a 13 jogos para qualquer participante)

Cota: R$ 2,604 milhões
Premiação: nada
Total: R$ 2,604 milhões

Cota 1 (2 times) – R$ 850 mil (Bahia e Vitória)
Cota 2 (8 times) – R$ 113 mil (Atlântico, Bahia de Feira, Fluminense de Feira, Jacobina, Jacuipense, Jequié, Juazeirense e Vitória da Conquista)

Cearense
O certame alencarino é único, entre os dez, com uma divisão de transmissão – e não compartilhamento, como a Globo costuma fazer com a Band. Isso porque o Esporte Interativo também adquiriu os direitos de uma plataforma (tevê fechada). Após 2015-2016, renovou por outro biênio, encerrando neste ano. Além disso, a Verdes Mares (a Globo cearense) também cede o sinal à TV Diário. As cotas foram aproximadas a partir de informações do jornalista Mário Kempes e do jornal O Povo.

Contrato: Verdes Mares (2016-2019) e Esporte Interativo (2017-2018)
Alcance da TV aberta: CE (8,8 milhões de telespectadores)
10 clubes (de 9 a 15 jogos para qualquer participante)

Cota: R$ 2,56 milhões/ano
Premiação: nada
Total: R$ 2,56 milhões

Cota 1 (2 times) – R$ 800 mil (Ceará e Fortaleza)
Cota 2 (8 times) – R$ 120 mil (Ferroviário, Floresta, Guarani de Juazeiro, Horizonte, Iguatu, Maranguape, Tiradentes e Uniclinic)

As cotas dos clubes da Séries B e C de 2018 nos campeonatos estaduais de 2018. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Os 72 maiores campeões estaduais de 1902 a 2017, entre 2.454 campeonatos

Os 25 maiores campeões estaduais do Brasil, de 1902 a 2017. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Com mais uma temporada a caminho, hora de revisitar o passado…

Em 116 anos de bola rolando nos campeonatos estaduais, na base das rivalidades, já foram realizadas 2.454 competições locais, considerando as 27 unidades da federação. Entre os grandes campeões, 72 clubes ganharam ao menos dez títulos, com três pernambucanos presentes: Sport 41 (voltou ao top ten no último ano), Santa 29 (a uma taça de mudar de patamar) e Náutico 21 (estacionado há treze temporadas). O maior vencedor é, de longe, o ABC de Natal, o único com mais de 50 taças em sua galeria. E a marca não para de crescer, no embalo do bicampeonato potiguar. Entre os campeões estaduais de 2017, só o CRB mudou de base, alcançando o 30º título alagoano.

Sobre os cenários mais polarizados, Ceará (Ceará 44 x 41 Fortaleza) e Pará (Paysandu 47 x 44 Remo) seguem imbatíveis. Esse levantamento parte de 1902, quando a Liga Paulista de Foot-Ball organizou a primeira edição do campeonato paulista, com apenas 21 partidas. O São Paulo Athletic, de Charles Miller, foi o campeão. Curiosamente, o introdutor do esporte também foi o primeiro artilheiro, com 10 gols. Desde então, o mapa futebolístico mudou bastante, com o último ajuste em 1988, na criação do estado do Tocantins.

Por sinal, nas várias mudanças estaduais (como o desmembramento do Mato Grosso, por exemplo), o blog contou para este levantamento até o extinto campeonato fluminense, disputado até 1978, antes da fusão com o Estado da Guanabara, formado pela cidade do Rio de Janeiro. Em todos os estados foram somados os períodos amador e profissional. Afinal, na década de 1930 foram realizados torneios paralelos oficiais, nos dois modelos, no Rio e em São Paulo. Se em Pernambuco a transição ocorreu de forma pacífica, em 1937, em Roraima o torneio só foi profissionalizado em 1995, com três participantes, sendo o último segundo a CBF. Porém, a competição já era organizado pela federação roraimense desde 1960, com os mesmos filiados.

Os 72 maiores campeões estaduais* (e o ano do último título):
* A partir de 10 conquistas

+50 títulos estaduais
1º) ABC-RN – 54 títulos (2017)

De 40 a 49 títulos estaduais
2º) Paysandu-PA – 47 títulos (2017) 
3º) Bahia-BA – 46 títulos (2015) 
4º) Rio Branco-AC – 45 títulos (2015)
4º) Internacional-RS – 45 títulos (2016)
6º) Remo-PA – 44 títulos (2015) 
6º) Ceará-CE – 44 títulos (2017)
6º) Atlético-MG – 44 títulos (2017)
9º) Nacional-AM – 43 títulos (2015)
10º) Fortaleza-CE – 41 títulos (2016)
10º) Sport-PE – 41 títulos (2017)

De 30 a 39 títulos estaduais
12º) Coritiba-PR – 38 títulos (2017)
13º) CSA-AL – 37 títulos (2008)
13º) Cruzeiro-MG – 37 títulos (2014)
13º) Rio Branco-ES – 37 títulos (2015)
16º) Grêmio-RS – 36 títulos (2010)
17º) América-RN – 35 títulos (2015)
18º) Sergipe-SE – 34 títulos (2016)
18º) Flamengo-RJ – 34 títulos (2017)
20º) Sampaio Corrêa-MA – 33 títulos (2017)
21º) Fluminense-RJ – 31 títulos (2012)
22º) River-PI – 30 títulos (2016)
22º) CRB-AL – 30 títulos (2017)

De 20 a 29 títulos estaduais
24º) Santa Cruz-PE – 29 títulos (2016)
24º) Vitória-BA – 29 títulos (2017)
26º) Corinthians-SP – 28 títulos (2017)
26º) Botafogo-PB – 28 títulos (2017)
28º) Goiás-GO – 27 títulos (2017)
29º) Moto Club-MA – 25 títulos (2016)
30º) Mixto-MT – 24 títulos (2008)
30º) Vasco-RJ – 24 títulos (2016)
32º) Atlético-PR – 23 títulos (2016)
33º) Palmeiras-SP – 22 títulos (2008)
33º) Santos-SP – 22 títulos (2016)
35º) Náutico-PE – 21 títulos (2004)
35º) São Paulo-SP – 21 títulos (2005)
35º) Campinense-PB – 21 títulos (2016)
35º) Confiança-SE – 21 títulos (2017)
39º) Atlético-RR – 20 títulos (2009)
39º) Botafogo-RJ – 20 títulos (2013)

De 10 a 19 títulos estaduais
41º) Baré-RR – 18 títulos (2010)
41º) Desportiva-ES – 18 títulos (2016)
43º) Ferroviário-RO – 17 títulos (1989)
43º) Macapá-AP – 17 títulos (1991)
43º) Rio Negro-AM – 17 títulos (2001)
43º) Flamengo-PI – 17 títulos (2009)
43º) Figueirense-SC – 17 títulos (2015)
48º) Avaí-SC – 16 títulos (2012)
48º) América-MG – 16 títulos (2016)
50º) Vila Nova-GO – 15 títulos (2005)
50º) Treze-PB – 15 títulos (2011)
50º) Maranhão-MA – 15 títulos (2013)
53º) Goiânia-GO – 14 títulos (1974)
53º) Operário-MS – 14 títulos* (1997)
53º) Juventus-AC – 14 títulos (2009)
56º) Operário-MT – 13 títulos (2002)
56º) Atlético-GO – 13 títulos (2014)
58º) Joinville-SC – 12 títulos (2001)
58º) Parnahyba-PI – 12 títulos (2013)
60º) Paulistano-SP – 11 títulos (1929)
60º) Botafogo-PI – 11 títulos (1957)
60º) Independência-AC – 11 títulos (1998)
60º) Gama-DF – 11 títulos (2015)
64º) Cabo Branco-PB – 10 títulos (1934)
64º) Ypiranga-BA – 10 títulos (1951)
64º) Moto Clube-RO – 10 títulos (1981)
64º) Flamengo-RO – 10 títulos (1985)
64º) Tuna Luso-PA – 10 títulos (1988)
64º) Amapá-AP – 10 títulos (1990)
64º) Itabaiana-SE – 10 títulos (2012)
64º) Criciúma-SC – 10 títulos (2013) 
64º) Comercial-MS – 10 títulos** (2015) 
* O Operário ganhou 10 títulos no MS e 4 no MT
** O Comercial ganhou 9 títulos no MS e 1 no MT

A projeção das cotas da Série A de 2018 a partir modelo da Globo previsto para 2019

A distribuição de cotas do Brasileirão a partir de 2019, segundo a Rede Globo. Crédito: Globo/reprodução

O formato de distribuição de cotas do Campeonato Brasileiro, a partir das vendas dos direitos de transmissão na televisão, mudará em 2019. A edição de 2018 será a última com todos contratos possíveis através da Rede Globo – tv aberta, tv fechada, pay-per-view, sinal internacional e internet. A partir de 2019, com a entrada do Esporte Interativo na tevê por assinatura, haverá uma divisão, de clubes e receitas. Forçada pela concorrência, a Globo resolveu adotar um sistema semelhante ao da Premier League. A divisão será 40% em parcelas iguais, 30% em rendimento e 30% em audiência, em vez de 50%, 25% e 25% da liga inglesa. Conforme informado pela empresa em 24 de março de 2017, o modelo valerá por seis edições, englobando a transmissão aberta – o PPV segue à parte. Hoje, 21* clubes estão acordados com a emissora para o período, incluindo NáuticoSanta Cruz e Sport.

Embora clubes como Santos e Inter tenham firmado com o Esporte Interativo, a tendência é que todos sigam com a Globo no sinal aberto. Logo, a regra deve ser geral. Como curiosidade, o blog simulou as cotas da Série A de 2018 com o futuro modelo. O montante de “cotas fixas” é de R$ 1,346 bilhão, já com a ampliação do ‘piso’, de R$ 23 mi para R$ 28 milhões, a partir do acordo feito pelo Ceará, informado pelo repórter Mário Kempes, de Fortaleza – o blog considerou este valor para os demais ‘não cotistas’ oriundos da segundona. Nesta projeção, a única ressalva é a receita do SporTV, incorporada ao montante, mas que seria repassada apenas aos contratados da Globo, claro. Portanto, em vez do atual sistema de (oito) castas, com um hiato de R$ 142 milhões entre a maior cota (Flamengo e Corinthians) e a menor (América, Ceará e Paraná), a diferença máxima seria de R$ 79 milhões, numa redução de 44%. E seria justamente o máximo possível, entre o atual campeão/maior cotista (Corinthians) e 4º lugar da Série B/menor cota (Paraná).

* América-MG, Atlético-GO, Atlético-MG, Avaí, Brasil-RS, Chapecoense, Cruzeiro, Flamengo, Fluminense, Goiás, Grêmio, Inter, Londrina, Náutico, Ponte Preta, São Paulo, Sport, Santa, Vasco, Vila Nova e Vitória.

A projeção de cotas do Brasileiro de 2018 com o modelo a ser adotado a partir de 2019. Quadro: Cassio Zirpoli/DP

No quadro, o blog projetou a cota conferindo os seguintes valores na divisão por classificação em 2017: 20x para o campeão (ou seja, 20 x R$ 1.922.857, o valor base), 19x para o vice, 18x para o 3º lugar e assim sucessivamente, até o 4º da Série B, com 1x. Já na coluna de audiência, o valor considerado foi 30% da verba que cada clube receberá de fato, pois trata-se da única fonte de informação para definir a atual visibilidade de cada um neste momento.

Lembrando que essa demonstração é referente apenas às cotas fixas. É importante reforçar isso pois há o rateio de meio bilhão de reais no PPV, através do Premiere, até então calculado pelo número de assinantes apurado em pesquisa do Datafolha. Esta receita é repartida apenas entre os 16 ‘cotistas da TV’, com os demais somando o valor do PPV já no acordo pontual para a temporada, caso do Vozão. Em 2015, o Sport, com 1,4% dos assinantes, teve um ‘bônus’ de R$ 6,75 milhões. O Fla, com 19,2%, recebeu R$ 68 mi. E aí deve estar o grande segredo sobre a mudança no formato, pois o impacto econômico do PPV segue ascendente no bolo – mantendo Fla e Timão bem à frente. Em 2019, a previsão é de que apenas este contrato represente 33,2% do total, ou 650 milhões de reais. Imagine em 2024…

A projeção de cotas do Brasileiro de 2018 com o modelo a ser adotado a partir de 2019. Arte: Cassio Zirpoli/DP

Classificação da Série B 2017 – 32ª rodada

A classificação da 32ª rodada da Série B de 2017. Crédito: Superesporte2

Empates em 0 x 0 e agonia ampliada. A rodada para os pernambucanos começou com o insosso empate sem gols do alvirrubro, lá em Caxias do Sul. Um resultado que manteve bem distante o sonho de permanência na segundona. Com o ABC vencendo três das últimas quatro partidas, agora ambos têm a mesma pontuação, com a lanterna sendo algo mais próximo do Náutico do que a 16ª posição – hoje a dez pontos de distância. No sábado, os tricolores empataram mais um jogo em casa, desta vez num confronto direto contra a queda. O Santa segue em 18º lugar, mas a diferença para o primeiro time fora do Z4 da Série B do Brasileiro aumentou de cinco para seis pontos.

Na briga pela liderança, o Ceará venceu o Internacional em Porto Alegre e ficou a três pontos de distância. O alvinegro cearense ainda não confirmou o acesso, mas vem em ótima fase e tem seis pontos de vantagem sobre o 5º lugar. Na prática, é, hoje, o time nordestino mais próximo da Série A de 2018.

Resultados da 32ª rodada
Juventude 0 x 0 Náutico
Paraná 1 x 0 Vila Nova
Figueirense 3 x 1 CRB
Oeste 1 x 0 Brasil de Pelotas
Paysandu 1 x 0 Criciúma
Boa Esporte 2 x 2 América-MG
Internacional 0 x 1 Ceará
ABC 3 x 0 Londrina
Santa Cruz 0 x 0 Luverdense
Goiás 1 x 1 Guarani 

Balanço da 32ª rodada
5V dos mandantes (12 GP), 4E e 1V dos visitantes (5 GP)

Agenda da 33ª rodada (horários do Recife)
31/10 (18h30) – Goiás x Criciúma (Serra Dourada), SporTV*
31/10 (20h30) – Paraná x Oeste (Durival Britto)
03/11 (18h15) – Internacional x CRB (Beira-Rio), SporTV*
03/11 (18h15) – Juventude x Ceará (Alfredo Jaconi)
03/11 (20h30) – ABC x Luverdense (Frasqueirão), SporTV*
03/11 (20h30) – Paysandu x Vila Nova (Mangueirão), SporTV*
04/11 (15h30) – Figueirense x Brasil (Orlando Scarpelli), SporTV*
04/11 (16h30) – Guarani x América-MG (Brinco de Ouro)
04/11 (16h30) – Santa Cruz x Náutico (Arruda), Globo*
04/11 (16h30) – Boa Esporte x Londrina (Dilzon Melo)
* Considerando as transmissões para o Recife, fora o Premiere (PPV)

Mundial de Clubes reconhecido pela Fifa a partir da Intercontinental. E sempre foi

Os troféus dos campeões mundiais de clubes: Intercontinental, Copa Toyota e Mundial da Fifa (2000 e 2005-2016)

A Copa Intercontinental foi criada num acordo entre a Confederação Sul-Americana, atual Conmebol, e a Uefa, em 1960. O objetivo era medir forças entre os clubes dos continentes mais desenvolvidos do futebol na época. Na Europa, havia a Copa dos Campeões, atual “Liga”, já com quatro edições. Portanto, surgiu aqui a Taça Libertadores. O regulamento era bem simples, com o duelo entre os campeões em jogos de ida e volta. Pelo título mundial.

E o vencedor sempre foi tratado como campeão mundial interclubes, inclusive no velho mundo, onde há uma meia verdade sobre o desdém. Foi assim até 1979, com duas edições canceladas por falta de acordo entre as datas (1975 e 1978). Em 1980, solucionando o impasse, as entidades firmaram um acordo com a federação japonesa, com o patrocínio da montadora Toyota, com a disputa de jogo único, em dezembro. Dali até 2004, o campeão recebeu duas taças, a Copa Intercontinental e a Copa Toyota, ambas valorizadas.

Em 2000, como se sabe, a Fifa organizou pela primeira vez o “Mundial de Clubes”, ignorando o passado. E olhe que, por diversas vezes, a própria entidade avalizou a disputa anterior como mundial – no youtube é possível conferir as placas da Fifa nos jogos disputados no estádio em Tóquio. Desde 2005, com a descontinuação da Copa Intercontinental, o Mundial de Clubes passou a ocupar o calendário, já com os demais continentes, cuja presença é, sim, justa. Porém, não apagou quatro décadas de glórias…

Tanto que a própria Fifa, enfim, reconheceu a antiga disputa como Mundial, com o mesmo peso do seu torneio. Embora apenas por barganha política, legitimou o que Santos, Flamengo, Grêmio e São Paulo sempre foram.

Obs. O blog já considerava a Copa Intercontinental.

Os campeões chancelados pela Fifa (Intercontinental + Mundial de Clubes)

5 – Real Madrid (1960, 1998, 2002, 2014 e 2016) 

4 – Milan (1969, 1989/1990 e 2007) 

3 – Peñarol (1961, 1966 e 1982) , Nacional (1971, 1980 e 1988), Boca Juniors (1977, 2000 e 2003), São Paulo (1992/1993 e 2005), Internazionale (1964/1965 e 2010), Bayern de Munique (1976, 2001 e 2013) e Barcelona (2009, 2011 e 2015) 

2 – Santos (1962/1963), Independiente (1973 e 1984), Ajax (1972 e 1995), Juventus (1985 e 1996), Porto (1987 e 2004), Manchester United (1999 e 2008) e Corinthians (2000 e 2012) 

1 – Racing (1967), Estudiantes (1968), Feyenoord (1970), Atlético de Madrid (1974), Olimpia (1979), Flamengo (1981), Grêmio (1983), River Plate (1986), Estrela Vermelha (1991), Vélez Sarsfield (1994), Borussia Dortmund (1997) e Internacional (2006)

Classificação da Série B 2017 – 31ª rodada

A classificação da 31ª rodada da Série B de 2017. Crédito: Superesporte2

Na 31ª rodada da segundona, os times pernambucanos tiveram vários motivos para lamentar. Em Caruaru, na abertura, o alvirrubro foi derrotado pelo lanterna, afundando de vez da competição. Se havia a possibilidade de finalmente subir uma posição, o time se manteve em 19º e agora está a nove pontos para deixar o Z4. Na verdade, viu a aproximação do último colocado, a apenas dois pontos. No sábado, lá no Rio Grande do Sul, o Santa esteve próximo de quebrar o jejum de vitórias (hoje em sete partidas). Contudo, o tricolor acabou empatando após um pênalti mal marcado, gerando muita reclamação da partida, até pelo estrago feito na tabela coral. Segue a cinco pontos do 16º lugar, o primeiro fora da zona. Porém, o 15º colocado, outro possível adversário a ser miado, se descolou, ficou a sete pontos.

Resultados da 31ª rodada
Guarani 2 x 0 Juventude
Náutico 1 x 2 ABC
CRB 1 x 1 Boa Esporte
Ceará 2 x 2 Figueirense
Criciúma 2 x 3 Internacional
Vila Nova 0 x 0 Oeste
Londrina 2 x 0 Paysandu
Brasil 1 x 1 Santa Cruz
América-MG 1 x 1 Paraná
Luverdense 1 x 2 Goiás 

Balanço da 31ª rodada
2V dos mandantes (13 GP), 5E e 3V dos visitantes (12 GP)

Agenda da 32ª rodada (horários do Recife)
24/10 (18h15) – Juventude x Náutico (Alfredo Jaconi), SporTV*
24/10 (20h30) – Paraná x Vila Nova (Durival Britto), SportTV*
27/10 (18h15) – Figueirense x CRB (Orlando Scarpelli), SporTV*
27/10 (19h30) – Oeste x Brasil (Arena Barueri)
27/10 (20h30) – Paysandu x Criciúma (Curuzu), SporTV*
28/10 (15h30) – Boa Esporte x América-MG (Dilzon Melo), SporTV*
28/10 (16h30) – Internacional x Ceará (Beira-Rio)
28/10 (16h30) – ABC x Londrina (Frasqueirão)
28/10 (16h30) – Santa Cruz x Luverdense (Arruda)
28/10 (18h00) – Goiás x Guarani (Serra Dourada), SporTV*
* Considerando as transmissões para o Recife, fora o Premiere (PPV)

Classificação da Série B 2017 – 30ª rodada

A classificação da 30ª rodada da Série B de 2017. Crédito: Superesporte2

Dois resultados idênticos, mas com construções e sentimentos distintos entre os representantes pernambucanos durante a “terça-feira cheia” da segundona. A avaliação sobre o empate coral no Arruda e o empate timbu no Rei Pelé segue a partir da classificação, ruim para ambos. No Santa, a chance desperdiçada numa conta interna de cinco vitórias nos cinco jogos como mandante para conseguir escapar da queda. Hoje, se vê mais pressionado do que nunca, inclusive com a 18ª posição já ameaçada! Pois é, ameaçada pelo rival Náutico, que, durante um instante nesta rodada, chegou a ficar à frente. Mas, após lutar o jogo inteiro e ficar em vantagem, coisa que o tricolor não conseguiu, tomou um gol aos 40 do segundo tempo, numa falha do goleiro após cobrança de lateral. Um reflexo da campanha complicada.

Resultados da 30ª rodada
Londrina 1 x 0 Figueirense
Guarani 1 x 1 ABC
Boa Esporte 0 x 0 Internacional
Santa Cruz 2 x 2 Oeste
Criciúma 0 x 1 Vila Nova
Brasil 0 x 0 América-MG
Ceará 1 x 0 Paraná
CRB 2 x 2 Náutico
Luverdense 1 x 1 Paysandu
Goiás 1 x 0 Juventude 

Balanço da 30ª rodada
3V dos mandantes (9 GP), 6E e 1V dos visitantes (7 GP)

Agenda da 31ª rodada (horários do Recife)
20/10 (18h15) – Guarani x Juventude (Brinco de Ouro), SporTV*
20/10 (19h30) – Náutico x ABC (Lacerdão)
20/10 (19h30) – CRB x Boa Esporte (Rei Pelé)
20/10 (20h30) – Ceará x Figueirense (Castelão), SporTV*
21/10 (15h30) – Criciúma x Internacional (Heriberto Hulse), SporTV*
21/10 (16h30) – Vila Nova x Oeste (Serra Dourada)
21/10 (16h30) – Londrina x Paysandu (Estádio do Café)
21/10 (16h30) – Brasil x Santa Cruz (Bento Freitas)
21/10 (18h00) – América-MG x Paraná (Independência), SporTV*
21/10 (20h00) – Luverdense x Goiás (Passo das Emas)
* Considerando as transmissões para o Recife, fora o Premiere (PPV)