Campeonato da FPF

Carlos Alberto Oliveira, presidente da FPFA imprensa passou cerca de 10 dias especulando sobre qual modelo seria adotado no Pernambucano de 2009.

A fórmula apresentada pelo Sport ou a do Santa Cruz?

Em um Conselho Arbitral pra lá de animado nesta quinta, o regulamento aprovado foi o da… Federação Pernambucana de Futebol! O mandatário da FPF, Carlos Alberto Oliveira (foto), mostrou mais uma vez quem manda no futebol local. Com o apoio maciço dos clubes do interior (como sempre), a eleição foi uma barbada.

Diga-se de passagem que o modelo da federação foi, na verdade, idêntico ao do Rubro-negro, que oficialmente não apresentou fórmula alguma.

Votação:

  • 61 pontos (Sport e todos os 9 clubes do interior)
  • 17 pontos (Santa Cruz e Náutico)

Obs. Os votos são distribuídos de acordo com as colocações dos times na última edição (os recém-promovidos Vitória  e Cabense foram considerados o 11º e 12º). O primeiro ganha 12, o 2º recebe 11… Até o 12º, que tem apenas 1 ponto.

Dirigentes de Náutico e Santa saíram revoltados do Arbitral, já que a votação na sede da FPF não foi unânime, como havia decidido o juiz Ailton Alfredo, do Juizado Especial do Torcedor. Conversei com Ailton na quarta-feira sobre o assunto (após a audiência com os clubes), no Fórum Thomaz de Aquino, e ele disse, na ocasião, que a unanimidade era necessária apenas para autorizar a mudança do regulamento do Estadual (que de acordo com o Estatuto do Torcedor só poderia ocorrer em 2009).

Na tarde desta quinta, porém, o juiz acabou informando (após a votação do Arbitral) que deveria haver o consenso nas duas votações (tanto na autorização da mudança, como no novo formato). E assim, é claro, embaralhou tudo no próximo Pernambucano, que já tem cara de tapetão.

E olhe que ainda faltam 73 dias para começar o Estadual! Imagine a confusão até lá…

PS. O regulamento aprovado (o mesmo adotado entre 2004 e 2007, com dois turnos) é bem superior ao disputado nesta temporada. O curioso é que até para melhorar a situação a confusão se faz presente no futebol local.

Foto: Jaqueline Maia/DP

Manobra

No post anterior, o assunto foi o novo regulamento do Estadual/2009. Segundo o Estatuto do Torcedor, uma nova fórmula só poderia ser adotada em 2010, já que o modelo deste ano foi utilizado apenas uma vez (e o estatuto exige pelo menos 2 anos).

Mas o próprio presidente da FPF, Carlos Alberto Oliveira, acionou o Juizado Especial do Torcedor para mudar o seu campeonato (reconheceu o erro?). O Pernambucano de 2008 foi uma competição muito criticada. Um dos motivos abaixo.

Sport x Santa Cruz = nenhuma vez
Sport x Salgueiro = 6 vezes

Em 29 de setembro, o juiz Ailton Alfred de Souza autorizou a tutela antecipada para FPF.

Veja abaixo a última página do documento (você pode ler a íntegra clicando AQUI).

Juizado do Torcedor

Turno, fase, repescagem, hexagonal, mata-mata…

Qual será a fórmula?Qual será a fórmula mágica desta vez?

O Conselho Arbitral do Campeonato Pernambucano de 2009 será realizado nesta quinta-feira (30).

O presidente tricolor, Fernando Bezerra Coelho, tenta impor um formato semelhante ao do Paulistão. Para isso, ele diz já ter o apoio de alguns times do interior e até mesmo do Náutico (apesar do mandatário timbu, Maurício Cardoso, ter dito que também apresentaria uma proposta).

Modelo de FBC: 1ª fase com jogos em turno e returno, com os 4 primeiros classificados para a semifinal.

“Essa é uma fórmula bastante rentável, pois terá muitos clássicos, que são os jogos mais interessantes para o público. Estamos felizes com o encaminhamento da proposta, já que diretores de outros clubes manifestaram apoio à idéia”, disse FBC.

Já o presidente leonino, Milton Bivar, quer que a competição volte a ter o formato que vigorou de 2004 a 2007.

Modelo de Bivar: 2 turnos; os campeões das respectivas fases decidem o título. Caso uma equipe ganhe os dois turnos, conquista automaticamente a taça.

“Precisa haver motivação e retorno financeiro. O Estadual precisa começar já valendo alguma coisa. A proposta do Sport é uma competição com 2 turnos. Se for uma fase toda para classificar quatro times será sem graça. Deixa eu adivinhar os times… Sport, Náutico, Santa e mais um do interior?”, disse Bivar.

Clubes inscritos: Sport, Náutico, Central, Salgueiro, Ypiranga, Santa Cruz, Petrolina, Porto, Sete de Setembro, Vitória e Cabense. Os votos têm pesos diferentes (e irão seguir a ordem listada aqui).

Você concorda com essas fórmulas? Opine!

Hexa, um luxo coral

Santa Cruz, hexacampeão pernambucano

Hexa é luxo? Totalmente.

Com uma grande geração nos 60, o Náutico foi primeiro time pernambucano tetracampeão estadual, de 1963 até 1966. Depois, também foi o primeiro penta, em 67. No ano seguinte, alcançou a seqüência máxima, com seis títulos seguidos na categoria profissional. Um feito ainda não igualado em Pernambuco.

Mas isso não é o que parece, ao observar o anel superior do estádio do Arruda.

Lá em cima da arquibancada, após o último degrau, a mensagem é bem clara: “1º hexacampeão pernambucano 59, 60, 61, 62, 63, 64

Mas no final da glória coral, porém, vem a explicação: juvenil

De fato, em nenhuma outra categoria do futebol do estado um clube havia sido hexacampeão antes de 1964.

O experiente tricolor Sylvio Belém ainda exercia a função de diretor de futebol do Santa Cruz, neste ano, quando perguntei a ele se a mensagem pintada era uma provocação aos alvirrubros. Calmo como sempre, Sylvio respondeu de forma curiosa.

“Provocação? Nada disso… Jamais faríamos isso aqui no Arruda. Mas que o Santa foi o primeiro hexa, foi…”

Status Fifa

Árbitro FifaNa tarde desta quinta-feira haverá o sorteio que definirá o árbitro para o Clássico dos Clássicos do próximo domingo, na Ilha do Retiro. Por decisão do presidente da FPF, Carlos Alberto Oliveira, o juiz será de fora do estado, e com status de “árbitro Fifa”. A última vez que o jogo entre Sport e Náutico teve esse “honra” foi em 28 de junho do ano passado, com Wilson Souza.

Depois daquela partida, Wilson ainda apitou mais dois clássicos – ambos neste ano -, mas já fora do quadro da Fifa (de onde saiu em outubro de 2007). Nos últimos 10 clássicos, apenas um árbitro não foi pernambucano. E nem foi de tão longe assim. Foi o sergipano Antônio Hora Filho, em 2006.

Árbitros dos últimos 10 Clássicos dos Clássicos

12/03/2006 – Sport 1 x 1 Náutico – Rogério Oliveira (PE) – Pernambucano
15/07/2006 – Náutico 2 x 1 Sport – Ricardo Tavares (PE) – Série B
21/10/2006 – Sport 2 x 0 Náutico – Antônio Hora Filho (SE) – Série B
05/02/2007 – Náutico 0 x 1 Sport – Wilson Souza (Fifa-PE) – Pernambucano
01/04/2007 – Sport 2 x 0 Náutico – Cláudio Mercante (PE) – Pernambucano
28/06/2007 – Sport 4 x 1 Náutico – Wilson Souza (Fifa-PE) – Série A
23/09/2007 – Náutico 2 x 0 Sport – Émerson Sobral (PE) – Série A
16/03/2008 – Náutico 0 x 1 Sport – Wilson Souza (PE) – Pernambucano
10/04/2008 – Sport 0 x 0 Náutico – Patrício Souza (PE) – Pernambucano
13/07/2008 – Náutico 0 x 2 Sport – Wilson Souza (PE) – Série A

Obs. Nem sempre um árbitro de fora significa garantia de tranqüilidade. E olhe que em 1996 o juiz veio de muito longe. O argentino Javier Castrilli comandou o clássico entre Santa Cruz e Sport, no Arruda. Após o jogo, vencido pelos rubro-negros por 2 x 0, os tricolores reclamaram muito da atuação dele. Que voltou na paz para Buenos Aires.

Ano zero do futebol pernambucano – 1

Estação central dos trens e Praça Barão de Mauá

Por Carlos Celso Cordeiro*

No final de 1903, pela persistência de Guilherme de Aquino Fonseca, um pernambucano que estava de volta da Inglaterra, onde fora completar seus estudos, começou a ser implantado o futebol em Pernambuco.

É de se supor que ele não encontrou interesse por parte dos dois clubes esportivos que existiam na época: Internacional e Náutico. O passo seguinte teria sido procurar os funcionários ingleses dos Bancos, do Comércio, da Western Telegraph Company e da Great Western para disseminar o futebol em Recife.

A realização das primeiras práticas de futebol, no ano de 1904, animou Guilherme de Aquino Fonseca a planejar a fundação de um clube de futebol. Este plano foi concretizado no dia 13 de maio de 1905 com a fundação do Sport Club do Recife. No início, a prática do futebol era restrita a sócios do Sport, a funcionários de companhias inglesas e a times organizados por ingleses.

Além do Futebol Association, o Rugby e o Cricket eram praticados por estes desportistas. O Rugby e o Cricket foram praticados durante alguns anos, mas não se consolidaram nos costumes dos pernambucanos. O primeiro jogo de futebol em Pernambuco foi disputado no dia 22/06/1905, e envolveu o Sport Club do Recife e um time de ingleses radicados em Recife. O resultado desta partida foi 2 x 2. Não foram localizadas informações sobre os goleadores do jogo.

No local deste jogo, o campo do Derby, foi inaugurado, em 27 de abril de 1997, um monumento alusivo ao acontecimento. O marco tem 2,5 m de altura sobre o qual está uma bola estilizada em bronze. O monumento tem ainda duas placas. Numa delas está as escalações dos dois times. Depois do impulso inicial, o gosto pelas atividades futebolísticas ficou arrefecido. A prática do futebol deve ter ficado restrita aos treinos. Tanto que nos anos de 1906 a 1908, não são encontradas, nos jornais de Recife, notícias sobre a realização de jogos de futebol.

*Carlos Celso Cordeiro é escritor e pesquisador do futebol pernambucano

Confira a história completa: parte 2, parte 3, parte 4, parte 5 e parte 6.

Flamengo campeão pernambucano em 1915 e 2008?

Flamengo festeja a 4ª vitória sobre os pernambucanos no Brasileirão de 2008. Campeão pernambucano?O primeiro Campeonato Pernambucano da história foi disputado entre agosto e dezembro de 1915. Seis times participaram da competição. Entre os grandes do estado, apenas o Santa Cruz esteve presente. Sport e Náutico só participariam pela primeira vez no ano seguinte.

Após a primeira fase, Santa, Torre e Flamengo se classificaram para o supercampeonato. No final, o Sport Club Flamengo (alvinegro, e inspirado no Fla carioca) venceu de maneira invicta (4 vitórias, 2 empates e 1 WO).

No sábado, os torcedores do Flamengo voltaram a festejar no Recife. Mas dessa vez foi o rubro-negro carioca mesmo. A vitória por 2 x 0 sobre o Timbu (gols de Marcelinho Paraíba e Léo Moura) foi a 4ª do Mengão em 4 jogos contra Sport e Náutico neste Brasileirão. Foram 12 pontos, 100% de aproveitamento… É claro que os torcedores do Flamengo tiraram uma onda e gritaram “É campeão!” depois dessa seqüência.

Repetiram o feito do antigo Flamengo, depois de 93 anos.

Sport Club Flamengo, do RecifeFlamengo – 1915
Flamengo 2 x 1 CS Peres
Flamengo 2 x 0 Colligação
Santa Cruz 0 x 0 Flamengo
Flamengo 1 x 1 Torre
América 0 x W Flamengo
Flamengo 6 x 2 Santa Cruz
Flamengo 3 x 1 Torre

Clube de Regatas Flamengo, do Rio de JaneiroFlamengo – 2008
Sport 1 x 2 Flamengo
Flamengo 3 x 0 Náutico
Flamengo 2 x 1 Sport
Náutico 0 x 2 Flamengo

Enquete: esperança x secação

Futuro e presente...

Como será o mandato do presidente tricolor Fernando Bezerra Coelho em 2009/2010?

  • Bizarro. Sequer se classificará à Série D. Volta, Edinho! (32%, 20 votos)
  • Fantástico. Dois acessos (Séries D e C) e 2 títulos estaduais (21%, 13 votos)
  • Muito bom. Dois acessos (Séries D e C) (15%, 9 votos)
  • Regular. Apenas o acesso na Série D (15%, 9 votos)
  • Excelente. Dois acessos (Séries D e C) e 1 título estadual (11%, 7 votos)
  • A melhor dos últimos tempos. Um acesso (Série D) e 1 título estadual (3%, 2 votos)
  • Bom. 1 título estadual (3%, 2 votos)

Total de Votos: 62

“Ganhamos o vice-campeonato”

Durante o programa Lance Final, exibido pela Rede Globo no domingo, o técnico do Náutico, Roberto Fernandes - um dos convidados do debate -, deu uma curiosa declaração sobre a perda do título pernambucano, no primeiro semestre, e a conseqüente saída do Timbu. Veja a declaração abaixo.

“Nós não perdemos o Estadual. Nós ganhamos o vice-campeonato.O Sport tinha uma qualidade técnica e uma estrutura muito maior. A prova disso foi a campanha do Sport na Copa do Brasil, quando ele bateu os melhores times do país. Mas mesmo assim, alguns diretores (do Náutico) não gostaram e passaram a olhar diferente. Por isso eu achei que era o momento certo da saída para o Atlético-PR (quando recebeu o convite após a 2ª rodada na Série A)”.

Sinceramente? Roberto Fernandes tem razão…

E você, o que acha? Opine.

Ilha do Retiro – Parte VII

Vista geral da Ilha do RetiroA Ilha do Retiro poderá passar por mais uma transformação em breve. E não estou falando do gramado, que já era uma questão mais do que necessária (e que será finalmente trocado), mas sim de uma possível 7ª ampliação do estádio rubro-negro.

Inaugurado em 1937 e com capacidade atual para 34.500 pessoas, o estádio Adelmar da Costa Carvalho vem sendo alvo de um estudo sobre a viabilidade das lacunas da Ilha, entre a arquibancada frontal e as duas gerais.

Dirigentes do Sport evitam comentar sobre assunto, mas o presidente do clube, Milton Bivar, já revelou até o nome da empresa, em uma coletiva virtual no site do clube. A empresa é a Plurisport, a mesma que está desenvolvendo o projeto do novo estádio do Palmeiras. Um plano B vem sendo traçado há bastante tempo junto à portuguesa Lusoarenas, que construiria um estádio para ser compartilhado por Sport e Náutico. “Estamos dando andamento a duas propostas de estudo de viabilização”, disse Bivar.

O assunto foi levantado logo após o título da Copa do Brasil, pois a torcida rubro-negra (sem medo de pensar grande) já questionou sobre a capacidade do estádio, uma vez que para a final da Taça Libertadores o mínimo exigido é um estádio com 40 mil lugares. Tudo bem que o recorde da Ilha é de quase 57 mil pessoas (antes da última ampliação), mas isso não serve como parâmetro, pois aquela partida (em 1998) estava longe das atuais normas de segurança da Fifa.

Entre os projetos, estão o complemento da arquibancada no lado do sapotizeiro e até mesmo a construção de camarotes no lado oposto (ao lado da geral do placar). Em 2007, o então vice-presidente de futebol leonino, Homero Lacerda, afirmou que o projeto do Sport era fechar todo o anel do estádio até 2012.

Vista do setor de cadeirasRaio-x da Ilha
Capacidade: 34.500 pessoas
Recorde de público: 56.875 espectadores (Sport 2 x 0 Porto, em 7 de junho de 1998)
Área construída: 10 mil metros quadrados
Custo por jogo: R$ 9.570
Funcionários por jogo: 204
Dimensões do campo: 105 metros x 78 metros
Inauguração: Sport 6 x 5 Santa Cruz (4 de julho de 1937)
Primeiro gol: Artur Danzi (Sport)
Ampliações: 1938, 1950, 1955, 1984, 1996 e 2007
158 camarotes, 10 cabines para a imprensa e 2 elevadores

Fotos: Juliana Leitão/DP (2007)